Dá pra sobreviver usando apenas a “interface moderna” no Windows 8?

Será que a “Interface Moderna” do Windows 8 é capaz de substituir o bom e velho desktop? Isso é o que todo mundo vem se perguntando desde que a Microsoft lançou o Windows 8 em outubro passado, e até o momento o consenso é um sonoro “não!”.

De acordo com os críticos não há apps em quantidade suficiente na Windows Store, e o fato de que eles rodam em tela cheia não ajuda na multitarefa. Mas… e daí? Apesar das reclamações, ninguém ainda respondeu à pergunta básica: mesmo com estas limitações, é concebível passar todo o tempo na interface moderna e ignorar o desktop completamente?

Apesar de ser um ferrenho fã do destkop, decidi fazer uma experiência para encontrar a resposta e passar uma semana longe dele, vivendo uma vida completamente “moderna”. A interface foi a única alteração em minha rotina, continuei trabalhando no meu bom e velho notebook Lenovo X220, sem tela sensível ao toque, usando o teclado integrado e um mouse externo.

Navegar pela interface é surpreendentemente fácil

A primeira surpresa: a falta de uma tela sensível ao toque nunca me incomodou. Nem uma vez sequer. Antes do meu experimento, alternar entre aplicativos ou colocá-los lado-a-lado era uma tarefa desagradável, e eu tinha que conscientemente pensar sobre os comandos de navegação.

Acessar menus do sistema (como a barra de “Charms”) através dos atalhos nos cantos da tela exigia um alto grau de paciência, e um mínimo movimento errôneo do cursor para a esquerda ou direita fazia a barra desaparecer completamente. Era tão irritante que eu frequentemente optava pelo velho atalho de teclado Alt+Tab para alternar entre apps.

Interface Modern - 1

 

Mas após apenas um dia de uso dedicado eu “peguei o jeito” e já estava navegando pela interface moderna como um profissional. A hesitação mental ao abrir a lista de apps? Se foi. O mesmo pode ser dito dos movimentos imprecisos do mouse. Eu estava alternando entre apps tão rápido quanto no desktop, talvez até um pouco mais rápido.

Mas os atalhos de teclado são cruciais para uma boa experiência com a interface moderna em um PC sem tela sensível ao toque. Mais especificamente a tecla Windows para voltar à tela Iniciar e “Windows+C” para abrir a barra de Charms. Mesmo com experiência no uso do mouse, sem o teclado ambos abrem devagar demais.

Você também irá se acostumar rapidamente a trabalhar apenas em tela cheia. Claro que a falta da barra de tarefas e do desktop parecem estranhos a princípio, mas de qualquer forma você só pode dedicar total atenção a um programa de cada vez. Por mim, há pouca diferença entre alternar entre janelas no desktop e entre aplicativos em tela cheia na interface moderna. E se você realmente precisa fazer duas coisas ao mesmo tempo, pode preencher esta necessidade com o Snap, recurso que permite colocar dois apps lado-a-lado.

Trabalhar é surpreendentemente difícil

A primeira grande dificuldade foi simplesmente encontrar as ferramentas de que preciso para o meu trabalho. E preciso de apenas três: um editor de textos, uma planilha de cálculo e um editor de imagens básico.

A Windows Store tem um catálogo de mais de 50 mil apps com uma ampla variedade de gêneros, mas não há praticamente nada em termos de apps de produtividade realmente úteis. A loja está cheia de editores de texto “livres de distrações” com recursos mínimos, mas eles eram praticamente inúteis. Eu precisava de um editor que me permitisse embutir links para a web em um texto sem ter de ficar olhando para tags HTML.

Depois de várias horas procurando sem sucesso por um bom editor de textos e planilha de cálculo, eu desisti. O mais perto que cheguei foi o TabularApp, que lhe permite criar  planilhas e até mesmo exportá-las como um documento do Excel, mas estranhamente não permite importar um documento do Excel, o que o torna inútil.

Com certeza podemos culpar o Microsoft Office pela pouca oferta de apps de produtividade robustos na Windows Store. E ouvimos isso de vários desenvolvedores. Se você é um pequeno desenvolvedor querendo criar apps para o Windows 8, a última coisa que vai querer fazer é bater de frente com o criador do pacote de produtividade mais popular no mundo – especialmente quando ele controla a loja onde você venderá seu produto.

Infelizmente a Microsoft não oferece uma versão “moderna” do Office. Sistemas com o Windows RT vem com uma variante da versão desktop do Office, mas o Windows 8 não inclui o pacote em nenhuma forma. Portanto, sem nenhum editor de textos ou planilha de cálculo dignos de minha atenção na Windows Store, a salvação está nos aplicativos desktop (justamente aqueles dos quais tentei fugir durante o experimento) ou nos baseados na web. Google Docs, no meu caso.

Interface Modern - 2

 

O CleverPhoto supriu minhas necessidades básicas em edição de imagens

Encontrar um editor de imagens foi muito mais fácil. Tudo o que eu precisava era de um capaz de recortar screenshots, e o Clever Photo (R$ 4,50) deu conta do recado.

Apps deixam a desejar

Escolher o navegador adequado é essencial para qualquer um que planeje passar um tempo considerável usando a interface moderna. Os navegadores feitos sob medida para ela ou são projetados com telas sensíveis ao toque em mente, ou então para se comportar como um navegador tradicional. A melhor escolha para você depende de seu aparelho.

A versão “moderna” do IE10 é frustrante sem uma tela sensível ao toque. O foco na visualização em tela cheia leva a cliques constante com o botão direito do mouse para abrir abas ou a barra de endereços. A versão moderna do Chrome é superior ao IE para quem prefere o mouse, porque sua interface emula o comportamento da versão desktop quase que perfeitamente. E as extensões do Chrome também estão disponíveis na interface moderna, um ponto chave quando todas as suas senhas estão armazenadas no Lastpass e você usa os atalhos de teclado do Vimium para acelerar a navegação.

O Twitter lançou recentemente um app para o Windows 8, mas o Facebook ainda tem de estrear oficialmente na Windows Store. Até encontrei alguns apps não oficiais para a rede social na loja, mas elas desapontam, então continuei a usar o site.

Os apps de e-mail e calendário são funcionais, embora um pouco desajeitados e com recursos que não vão muito além do básico. O calendário não tem recursos encontrados no Outlook.com, da própria Microsoft, e o cliente de e-mail não é compatível com contas em servidores POP3. Fique com os serviços online se puder, já que as boas opções de comunicação na Windows Store são tão esparsas quanto na área de produtividade.

Pouca coisa incomodou

Uma boa parte da facilidade de uso de um sistema operacional tem a ver com as pequenas coisas. Infelizmente, alguns detalhes do Windows 8 se tornam incômodos após uma semana de uso constante.

Muitos dos controles da interface moderna estão “escondidos” atrás de um clique com o botão direito do mouse ou de um deslizar de dedos, e como vários especialistas em interface já apontaram, isso torna a curva de aprendizado íngreme demais. Quando comecei a usar a Windows Store, por exemplo, não fazia idéia de que era possível voltar à página inicial clicando com o botão direito para chamar uma barra de ferramentas no topo da tela, e então clicando no link “Página Inicial” nela. Mesmo depois de descobrir isto, demorei um tempo para aprender a resistir ao impulso de simplesmente clicar no botão “voltar” até retornar à página inicial.

Já o recurso conhecido como Snap, que permite rodar dois apps lado-a-lado, é maravilhoso, mas o fato de que a divisão de tela é fixa em 25/75% é irritante. Uma divisão em 50/50% (meio a meio) poderia beneficiar a multitarefa. Segundo relatos, o Windows Blue deverá ter esta opção.

O Windows 8 também tem muito o que melhorar em termos de integração geral do sistema. Quando eu precisei enviar alguns arquivos APK (apps do Android) armazenados na pasta Downloads à minha conta no SkyDrive, por exemplo, pensei em fazer uma busca por eles usando o ícone Search na barra de Charms, já que minha pasta de Downloads está abarrotada de arquivos. Mas quando cliquei no ícone o Windows me tirou da caixa de seleção de arquivos e me levou de volta ao SkyDrive, exatamente onde os arquivos não estão.

Tentei buscar pelos arquivos a partir da Tela Iniciar, esperando então usar o ícone Compartilhar na barra de Charms para enviá-los ao SkyDrive. Mas isto também não funcionou. No final das contas, tive de vasculhar manualmente a pasta de downloads até encontrar os arquivos que eu queria. Não é um grande problema, mas sim um pequeno incômodo que resulta na perda de tempo se você tiver de repetir a ação várias vezes ao longo do dia.

Dá pra viver só na interface moderna?

Depois de uma semana “exilado” na interface moderna, posso afirmar categoricamente que é possível sobreviver sem o desktop tradicional. De fato, a nova interface chega a ser eficiente depois que você se acostuma a ela, mesmo usando um mouse e sem uma tela sensível ao toque.

Mas não é uma vida fácil: a Windows Store provavelmente não tem todos os apps de que você precisa para suportar sua carga de trabalho, então você frequentemente terá de recorrer a web apps. Seja para produtividade, comunicação, redes sociais e muito mais.

Fontes e Direitos Autorais: PCWorld – Notícias - Ian Paul, PCWorld EUA - 23-04-2013.

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s