Dica do Mês – SQL Server 2016 SP1 – Comando Create Or Alter


Muito bom dia…..

Olá pessoal, mais uma semana começando. Estou retornando com mais um post dedicado a sessão Dica do Mês, este é o post de número 11 dedicado de forma exclusiva a esta sessão.

Como você já deve ter observado desde o mês de outubro todos os posts das sessões: Dicas do Mês, Para que Serve, Short Scripts e Material de Apoio estão apresentado o mesmo layout, sendo esta uma das sugestões que os meus seguidores solicitaram, e hoje não será diferente.

A dica de hoje é bastante simples e esta totalmente relacionada a uma novidade apresentanda com o lançamento do Service Pack 1 do Microsoft SQL Server 2016.

E ai você já esta se informando sobre este novo service pack? Já realizou o download? Posso lhe dizer que diversas melhorias foram implementas, bem como, muitas mas muitas mudanças identificadas pela equipe de desenvolvimento da Microsoft foram realizadas.

Se quiser saber mais sobre este novo conjunto de atualizações e melhorias dedicadas para o Microsoft SQL Server 2016, acesses os links abaixo:

 

Voltando ao post de hoje, vamos em frente, seja bem vindo a mais um Dica do Mês!!!


Introdução

A cada nova versão do Microsoft SQL Server que a Microsoft libera ou até mesmo após um service pack ou cummulative pack disponibilizados para download, sempre fazemos aquelas perguntas:

  • O que será que melhorou?
  • Quais correções foram definitivamente corrigidas?
  • Será que alguma solicitação do Connection foram atendidas?

Enfim sempre estamos querendo descobrir o que realmente o tipo de engenheiros e desenvolvedores voltados para o SQL Server estão pensando em melhorar e corrigir no produto.

Para esta versão não foi diferente como de costume desde a versão 2012 a Microsoft esta liberando em doses homeopáticas pequenas novidades voltadas para a linguagem Transact-SQL e isso se manteve no SP1 da versão 2016 com a introdução do comando Create or Alter na mesma instrução.

Isso mesmo você pode estar se perguntando ou até mesmo pensando, mas somente agora na versão 2016 este tipo de instrução foi adicionada? A resposta é sim, somente agora pois, algo que para muitos parecia ser simples se comparado com outras ferramentas de banco de dados como Oracle ou MySQL, mas como diz aquele velho ditado: “Nem tudo o que parece é” e isso também se justifica ao Microsoft SQL Server.

Problema

Você saberia me dizer quantas vezes teve que realizar a criação de um recurso programável em um servidor ou instância SQL Server? Algo do tipo Stored Procedure, Function, Trigger ou Views?

E realizar uma ou várias alterações na estrutura de codificação de algum tipo destes recursos? Com certeza é algo bastante comum de ser realizado principalmente quando estamos criando nossos ambientes.

Por muitos anos este tipo de atividade a ser realizada na linguagem Transact-SQL deveria ser feita de forma separada. Onde devemos basicamente seguir uma regra de criar um destes tipos de objetos através do comando Create e caso tenhamos a necessidade de realizar algum tipo de alteração utilizar o comando Alter.

Então, e se agora com o lançamento do service pack 1 para o SQL Server 2016 eu te dizer que isso já pode ser realizado de uma única vez, você acredita?

Eu posso te dizer que acredito pois é verdade…..

Solução

Dizer que demorou um pouco para a equipe de desenvolvimento entender o quanto esta melhoria seria útil e importante não é verdade, ao meu ver demorou bastante, eu posso dizer isso pois trabalho com SQL Server desde a versão 7, isso já se vão 18 anos.

Mas enfim dizer do passado muitas vezes não ajuda em nada, o que vale e deve ser destacado é que agora temos esta pequena mas importante melhoria implementada no Microsoft SQL Server 2016 SP1 que nos permite ao mesmo tempo que declaramos o comando Create adicionar na mesma linha o comando Alter, mas a princípio somente para os objetos programáveis dentre eles:

  • Function;
  • Stored Procedure;
  • Triggers; e
  • Views.

O Create or Alter voltado para tabelas ainda não esta presente neste momento, e sinceramente falando acredito que vai demorar mais um pouco para ser adicionado ao produto.

Legal, mesmo assim já tivemos um grande avanço com a liberação deste nova capacidade adicionada a linguagem Transact-SQL.

Exemplos

Pois bem, seguindo em frente e dando seta para direita afim de realizar uma ultrapassagem na atual versão do SQL Server 2016 mudando para nova versão SQL Server 2016 SP1 ou se preferir versão 13.0.4001 número que identifica e evolução do kernel para o SP1.

Acelarando um pouco mais, vamos trabalhar com alguns exemplos de código que ilustram como podemos fazer uso do comando Create or Alter, para tal torna-se necessário realizar o download do SP1, caso você ainda não tenha feito, utilize o link apresentado a seguir:

Dando continuidade vamos executar o primeiro bloco de código, denominado Bloco de Código 1 apresentado abaixo:

— Bloco de Código 1 —

create-alter-procedure-1
Podemos observar que a forma de uso desta instrução é bastante simples, não necessitando de algum tipo de alteração na sintaxe tanto do comando Create como também do Alter.

Observe que realizamos a criação de um simples Stored Procedure denonimado P_Teste e após a execução do create/alter realizar a apresentação do código fonte da mesma através do system stored procedure SP_HelpText.

Um detalhe importante que vale a pena ser destacado, se relacionado a apresentação do código fonte da nosso stored procedure, note que o SQL Server não adiciona a palava chave Alter na apresentação do código, você pode pensar, mas é claro nós acabamos de criar o objeto. Eu também pensei assim, mas isso não altera caso você realize qualquer tipo de alteração no código fonte, mesmo após realizar alguma mudança na codificação do seu objeto o Database Engine não reconhece a execução do comando Alter ele mais uma vez adiciona o comando ou palavra chave create antes do nome do objeto.

Isso me faz pensar que todas as vezes que utilizarmos este tipo de implementação o Database Engine vai na verdade realizar o processo de drop físico do objeto e posteriormente a criação deste objeto.

Vamos agora trabalhar da mesma forma para criação/alteração de uma function, para isso vamos utilizar o Bloco de código 2 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 2 —

create-alter-function-1

Legal, legal, muito bem, simples, fácil, rápido e por quê não dizer que é prático! Ao mesmo tempo que criamos um objeto programável já podemos realizar a alteração. Isso não é algo que realmente estava faltando para o SQL Server?

Acredito que sim, e fazendo um comparativo era a mesma coisa que faltava quando se referiamos a existência de tipos de dados para armazenar somente data ou hora, algo que também foi implementada após um longo tempo a partir da versão 2008 do SQL Server, ou os comandos IIF ou Choice que já existiam na linguagem C#, mas não estavam presentes no Microsoft SQL Server até a versão 2012.

Bom vou deixar para que praticar o uso deste comando na criação de Triggers e Views, com certeza não terá problemas.

Referências

Conclusão

Como de costume a cada nova versão ou atualização a Microsft esta apresentando diversas inovações e melhorias no Microsoft SQL Server.

Desta forma, em um novo service pack lançado novas melhorias ou mudanças de comportamento do produto são esperadas, algo que a partir do service pack o SQL Server 2016 também vai apresentar.

O que a partir do momento que esta conjunto de melhorias for instalada em seu ambiente, será possível dentre elas fazer uso da nova sintaxe combinado dos comandos Create e Alter utilizados de maneira simultânea formando o Create or Alter.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Até mais.

Microsoft libera Atualização Cumulativa 3 para Microsoft SQL Server 2016


Além do SP1 (Service Pack 1), a Microsoft também disponibilizou para download nesta semana a Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016.

O SP1 para o SQL Server 2016 está disponível aqui.

SQL Server 2016

O SQL Server 2016 traz recursos críticos inovadores com desempenho em memória e análise operacional integrada. Os recursos de segurança abrangentes, como a tecnologia de criptografia ininterrupta (Always Encrypted), ajudam a proteger seus dados fixos e em movimento, e uma solução avançada de alta disponibilidade e recuperação de desastres acrescenta novos aprimoramentos à tecnologia AlwaysOn.

As organizações terão visões mais aprofundadas de todos os seus dados com novos recursos que vão além da business intelligence, executando a análise avançada diretamente dentro de seus bancos de dados e apresentando visualizações avançadas para oferecer visões de negócios de qualquer dispositivo.

Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016

Você também pode se beneficiar da nuvem em hiperescala, com novos cenários híbridos habilitados pela nova tecnologia de banco de dados elástico (Stretch Database), que permite expandir dinamicamente seus dados transacionais a quente e a frio até o Microsoft Azure de forma segura, para que seus dados estejam sempre à disposição para consultas, independentemente do tamanho.

O SQL Server 2016 também oferece uma plataforma de banco de dados completa para a nuvem híbrida, permitindo criar, implantar e gerenciar facilmente soluções que abrangem instalações locais e na nuvem.

Saiba mais sobre ele aqui.

Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016

De acordo com a Microsoft, a Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016 contém correções para problemas encontrados depois do lançamento do SQL Server 2016 e antes do lançamento do SQL Server 2016 SP1.

Essa atualização cumulativa também inclui todas as correções de todas as atualizações cumulativas anteriores.

De acordo com o artigo KB3205413 publicado no site de suporte da Microsoft, a lista de bugs corrigidos inclui um que faz com que o SQL Server apresente erros com transações Hekaton em certos cenários e um que faz com que o SQL exiba o erro 19432 quando você usa SQL Server 2016 AlwaysOn Availability Groups.

A lista completa pode ser vista no link mencionado acima.

A Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016 está disponível para download aqui e o anúncio da disponibilidade da atualização pode ser visto aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – https://support.microsoft.com/en-us/kb/3205413

Microsoft disponibiliza Service Pack 1 para o Microsoft SQL Server 2016


A Microsoft lançou nesta semana o SQL Server 2016 SP1 (Service Pack 1), primeira grande atualização para a nova versão do SQL Server. A versão 2016 foi lançada em 1 de junho.

SQL Server 2016

O SQL Server 2016 traz recursos críticos inovadores com desempenho em memória e análise operacional integrada. Os recursos de segurança abrangentes, como a tecnologia de criptografia ininterrupta (Always Encrypted), ajudam a proteger seus dados fixos e em movimento, e uma solução avançada de alta disponibilidade e recuperação de desastres acrescenta novos aprimoramentos à tecnologia AlwaysOn.

As organizações terão visões mais aprofundadas de todos os seus dados com novos recursos que vão além da business intelligence, executando a análise avançada diretamente dentro de seus bancos de dados e apresentando visualizações avançadas para oferecer visões de negócios de qualquer dispositivo.

Microsoft lança o SQL Server 2016 SP1

Você também pode se beneficiar da nuvem em hiperescala, com novos cenários híbridos habilitados pela nova tecnologia de banco de dados elástico (Stretch Database), que permite expandir dinamicamente seus dados transacionais a quente e a frio até o Microsoft Azure de forma segura, para que seus dados estejam sempre à disposição para consultas, independentemente do tamanho.

O SQL Server 2016 também oferece uma plataforma de banco de dados completa para a nuvem híbrida, permitindo criar, implantar e gerenciar facilmente soluções que abrangem instalações locais e na nuvem.

Saiba mais sobre ele aqui.

SQL Server 2016 SP1

De acordo com a Microsoft, os service packs do SQL Server 2016 são atualizações cumulativas e atualizam todas as edições e todos os níveis de serviços desta versão. Este service pack contém até e inclusive a atualização cumulativa 3 do SQL Server 2016.

Entre os bugs corrigidos pelo SQL Server 2016 SP1 que faz com que operações INSERT.. SELECT são executadas com baixa performance, um que faz com que o SQL Server pare de responder quando um banco de dados contendo tabelas otimizadas é restaurado e um que faz com que o diretório FileTable pare de responder quando você cria múltiplos arquivos.

A lista completa com todos os bugs corrigidos pode ser vista no artigo KB3182545 publicado no site de suporte da Microsoft.

O SQL Server 2016 SP1 está disponível para download aqui e seu Feature Pack pode ser encontrado aqui. O SP1 para a versão Express está disponível aqui.

Fonte e Direitos Autorais: Microsoft.com – https://support.microsoft.com/pt-br/kb/3182545

#10 – Para que serve


O louco meu, pleno feriadão e você esta passando por aqui no meu blog……

Que legal, sensacional, fico honrado com a sua ilustre visita, seja bem – vindo mais uma vez ao meu blog, espero que você consiga encontrar o que esta procurando ou algo que possa lhe agradar.

Este é mais um post da sessão Para que serve, lançada no início de 2016 e que esta chegando ao post de número 10, isso mesmo estamos no décimo post dedicado a esta sessão que aos poucos esta conseguindo se tornar uma referência de conhecimento diferenciado no meu Blog.

É isso ai, após esta tradicional saudação, chegou a hora de falar sobre o #10 – Para que serve de hoje, tenho a certeza que você vai gostar….


Introdução

Como você já deve ter percebido os posts relacionados a esta sessão tem o objetivo de apresentar e em alguns casos demonstrar como exemplos de código, aplicativos, utilitários, entre outros elementos envolvidos a banco de dados ou gerenciadores de bancos de dados dentro eles o Microsoft SQL Server podem ser utilizados para se obter uma possível solução de um problema, como em outros casos orientar na sua forma de utilização.

Para o post de hoje vou destacar um script que utilizei recentemente e posso dizer que foi de grande ajuda, mas antes de apresentar este recurso vou destacar um pouco sobre alguns elementos relacionados a ele, dentre os quais destaco File Growth.

File Growth

E ai você já ouviu falar file growth, ou simplesmente crescimento de arquivo de dados ou log? Se você é um administrador de banco de dados, ou um profissional que já trabalha a algum tempo com o banco de dados, tenho a certeza que já deve ter ouvido falar sobre a importância de se saber como esta configurado o fator de crescimento de um banco de dados e seu arquivos de transações.

Trata-se de uma configuração que pode ser aplicada durante a criação de um banco de dados ou posteriormente, sua importância esta totalmente relacionada ao espaço de armazenamento de dados durante sua utilização, o que poderá impactar na capacidade física de uma unidade de disco em gerenciar o quanto estes arquivos podem consumir e alocar espaço em disco no decorrer do seu tempo de vida.

Ao definir a forma de crescimento ou até mesmo o quanto este arquivo poderá ou não crescer de forma ilimitado o Microsoft SQL Server vai trabalhar no processo de alocação, escrita e manipulação da estrutura física e lógica tanto para os arquivos de dados, como principalmente para os arquivos de log.

Justamente sendo estes os arquivos que normalmente consomem um grande espaço física das unidades de disco para catalogar todas as operações processadas em um banco de dados que devem ser registradas em sua estrutura.

Para este tipo de cenário os gerenciadores de banco de dados através de seu mecanismo de Storage Engine observam e monitoram o que esta sendo processado e armazenado dentro de cada arquivo, caso o mesmo tenho que crescer para alocar uma nova área é com base nas configurações de File Growth definidas para o respectivo arquivo que este crescimento poderá ser realizado em fatores de Kilobytes, Megabytes, Gigabytes ou até mesmo em valores de porcentagem.

#10 Para que serve – Obtendo informações sobre database filegrowth —

Agora que conhecemos um pouco que esta relacionada com este post, vamos então conhecer este script que poderá nos ajudar a obter todas as possíveis informações relacionadas ao fator de crescimento de nossos bancos de dados e suas respectivas estruturas de dados e log.

— Bloco de Código —

filegrowth

Muito bem, observe que este código é bastante simples, estamos basicamente fazendo uso das catalogs views existentes no Microsoft SQL Server desdes suas primeiras versões o que nos permite dizer que este bloco de código pode ser aplicado facilmente a partir da versão 2005 em qualquer nível de edição, além disso, o mesmo já foi testado e aprovado nas últimos duas edições 2014 e 2016.

Após executarmos o bloco de código apresentando anteriormente, o Management Studio deverá retornar um conjunto de colunas e valores similares ao apresentado na Figura 1 apresentada abaixo:

filegrowth1Figura 1 – Relação de bancos de dados e informações sobre o filegrowth.

Podemos notar a existência das colunas AutoGrowthStatus, GrowthValue e GrowthIncrement, são justamentes estas as colunas que nos permitem encontrar as informações relacionadas aos fatores de crescimento configurados para cada banco de dados armazenado em nosso servidor ou instância de bancos de dados Microsoft SQL Server.

Falando um pouco sobre estas três colunas é possível observar:

AutoGrowthStatus: Esta coluna apresenta o status da propriedade Auto Growth, sendo esta definida para informar e o arquivo deverá ou não crescer de forma automática.

GrowthValue: Apresenta que pode ser informado a partir de 0 (zero) que indica ao Microsoft SQL Server que o determinado banco de dados não deverá crescer. Os demais valores podem representar uma indicação de crescimento em tamanho fixo ou até mesmo em porcentagem.

GrowthIncrement: Mostra a forma de incremento do fator de crescimento do banco de dados, sendo orientado e calculado através do número de páginas de dados, se o valor apresentado for igual á 0 (zero) significa que este banco de dados não terá seu crescimento realizado, qualquer outro valor acima de 0 (zero) significa que este banco de dados será impactado em algum momento pelo valor definido nas configurações do crescimento do banco de dados. Vale ressaltar que este valor esta relacionado ao tamanho de 8Kb (Kilobytes) para cada página de dados.

Após esta análise posso dizer que fica mais fácil descobrir qual banco de dados poderá apresentar problemas de crescimento acima no normal ou simplesmente aquele banco de dados que necessita crescer além do estimado.

Referências

https://technet.microsoft.com/pt-br/library/ms181338(v=sql.110).aspx

https://msdn.microsoft.com/en-us/library/ms178534.aspx

https://msdn.microsoft.com/en-us/library/bb522469.aspx

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar uns dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/08/06/07-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/08/06/07-para-que-serve/

Conclusão

Administrar um banco de dados não é uma tarefa das mais complicadas do mundo, mas quando se referimos em administratar um servidor de banco de dados ou conjunto de servidores de bancos de dados o cenário com certeza muda bastante.

Foi pensando neste tipo de situação que compartilhei com vocês hoje este script no #10 – Para que serve, que apresenta como podemos de maneira fácil, rápida, segura e muito prática encontrar informações relacionadas ao file growth, ou simplesmente fator de crescimento.

Considerada uma das configurações mais importantes de um qualquer banco de dados alocado em uma instância ou servidor Microsoft SQL Server.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Até mais.

Material de Apoio – Novembro 2016


Bom dia, bom dia, bom dia…..

Olá comunidade, amantes de bancos de dados e profissionais de tecnologia, estou chegando com mais um post dedicado a sessão Material de Apoio, sendo este o último desta sessão no ano de 2016.

Mesmo sendo o último desta sessão, este post é o primeiro com o nome layout que eu decidi adotar desde o final de Outubro para as novas publicações compartilhadas com você no meu blog, espero que vocês estejam gostando.

O post de hoje

Para aqueles que já acompanham o meu blog a um certo tempo, os posts dedicados a sessão Material de Apoio, possuem o objetivo de compartilhar o conhecimento de recursos, funcionalidades e procedimentos que podemos realizar no Microsoft SQL Server e hoje também nãos será diferente, como diria naquele filme vou “compartilhagram” os meus scripts catalogados ao longo dos anos de trabalho como DBA e hoje principalmente como Professor de Banco de Dados.

No post de hoje você vai encontrar arquivos relacionados com os seguintes temas:

  • Funções de Conversão de dados;
  • Funções Temporáis e Lógicas;
  • Funções Textuais;
  • Funções de Ranking;
  • Páginação de Dados;
  • Objeto Sequence;
  • Windows Function First e Last Value;
  • Windows Function Lad e Lead;
  • Windows Function Percent_Rank e Cume_Dist; e
  • Windows Function Range e Row_Number.

Como de costume gosto de destacar que todos estes arquivos são fruto do trabalho realizado como DBA desde 2000, bem como, a pesquisa e coleta de informações através da internet, onde grande parte do conhecimento aqui compartilhado também é obtido através da  colaboração de seus autores, grande profissionais nacionais e internacionais como reconhecidos especialistas nas áreas de:

  • Modelagem de Dados;
  • Engenharia de Banco de Dados;
  • Engenharia de Softwares e Processos;
  • Banco de Dados;
  • Servidores;
  • Alta Disponibilidade;
  • Desenvolvimento; e
  • Migração e Contingência de Dados.

Obseravação: Toda e qualquer informação, código, exemplo e lógica utilizada nestes scripts foi aplicada em um determinado cenário, situação ou necessidade, o que em muitos casos talvez não se aplica a sua necessidade mas pode ser útil como material de consulta ou aprendizado.

Além disso, todos os arquivos estão renomeados tendo ao final do seu nome a extensão .doc acrescido, isto se torna necessário para garantir a compatibilidade com a plataforma do WordPress.com.

Vale ressaltar que após o seu download será necessário remover esta extensão mantendo a extensão .sql padrão para arquivos do script do SQL Server.

Material de Apoio

A seguir apresento a relação de scripts selecionados:

Exemplo – 1 – Funcoes-de-conversao-sql

Exemplo – 2 – Funcoes-tempororais-e-logicas-sql

Exemplo – 3 – Funcoes-textuais-sql

Exemplo – 4 – Utilizando-paging-sql

Exemplo – 5 – Utilizando-sequence-rank-function-sql

Exemplo – 6 – Windows-function-first-e-last-value-sql

Exemplo – 7 – Windows-function-lad-e-lead-sql

Exemplo – 8 – Windows-function-percent_rank-e-cume_dist-sql

Exemplo – 9 – Windows-function-range-e-row-sql

Bom pessoal, chegamos ao final de mais um Material de Apoio, espero que estes arquivos possam lhe ajudar e ilustrar como podemos fazer dos recursos aqui compartilhados.

Acredito que você tenha observado que estes códigos já são bastante conhecidos no meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server 2012, publicados anteriormente.

Links

Caso você queira acessar os posts anteriores da sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

 

Agradecimento

Mais uma vez obrigado por sua visita, um forte abraço, nos encontramos em breve.

Short Scripts – Outubro 2016


Muito bom dia!!

Olá comunidade, estou retornando com um pouco de atraso, mas não se esquecendo das responsabilidades, caso você não tenha entendido estou me referindo ao atraso em publicar mais um post dedicado a sessão Short Scripts que deveria ter ocorrido no mês de setembro.

No decorrer de 2016 fui realizando algumas mudanças nas principais sessões do meu blog e alterando o calendário de publicação o que refletiu na alteração das publicações relacioandas as sessões: Material de Apoio e Short Scripts.

O post de hoje

Falando deste post, vou compartilhar com vocês short scripts dedicados exclusivamente ao novo Microsoft SQL Server, estou me referindo a versão 2016 lançada em Junho deste ano.

Dentre algumas novidades a Microsoft implmentou diversas inovações e melhorias na linguagem Transact-SQL, entre as quais destaco:

  • AT TIME Zone;

  • Data Masking;

  • DMV Sys.dm_exec_function_stats;

  • Função String_Split();

  • Json;

  • Temporal Table;

  • Truncate Table With Partition; e

  • View Sys.Time_Zone_Info.

Short Scripts

A seguir apresento a relação de Short Scripts de hoje:

— Short Script 1 – Utilizando a instrução AT TIME Zone —
SELECT SalesOrderID,
OrderDate,
OrderDate AT TIME ZONE ‘Pacific Standard Time’ AS   OrderDate_TimeZonePST
FROM Sales.SalesOrderHeader
Go

— Short Script 2 – Aplicando mascaramento de dados com DataMasking —
CREATE TABLE DDM_Questions
(myemail VARCHAR(300) MASKED WITH (FUNCTION=’email()’))
GO

INSERT dbo.DDM_Questions (myemail)
VALUES (‘@dog.com’);
GO
SELECT myemail FROM dbo.DDM_Questions;
GO
— Short Script 3 – Utilizando a DMV sys.dm_exec_function_stats —

USE AdventureWorks2016
GO
Select  ProductID,
LocationID,
Shelf,
Bin,
Quantity,
ModifiedDate,
dbo.ufnGetStock(ProductInventory.ProductID)  As ‘Stock’,
dbo.ufnGetProductDealerPrice(ProductInventory.ProductID,
GETDATE()) As ‘Dealer Price’,
dbo.ufnGetProductStandardCost(ProductInventory.ProductID,
GETDATE()-100) As ‘Standard Cost’
From Production.ProductInventory
Go
SELECT Concat(DB_NAME(database_id), ‘.’ ,  OBJECT_SCHEMA_NAME(OBJECT_ID, database_id), ‘.’,  OBJECT_NAME(OBJECT_ID, database_id)) AS Function_Name,
QS.last_execution_time,
QS.max_worker_time,
QS.max_physical_reads,
QS.max_logical_reads,
QS.max_logical_writes,
T.Text
FROM sys.dm_exec_function_stats QS CROSS APPLY
sys.dm_exec_sql_text(sql_handle) T
Where  database_id = DB_ID()
Order by last_execution_time
Go
— Short Script 4 – Realizando spliting de dados com a função String_Split() —
— Exemplo 1 – Separando de forma simples uma string –
SELECT *
FROM STRING_SPLIT(‘Junior,Galvão,MVP,SQL Server’,’,’)
Go
— Exemplo 2 – Fazendo uso de variáveis como parâmetros de entrada de valores –
DECLARE @string VARCHAR(100) = ‘Microsoft,SQL Server,2016,RC0′,
@separador CHAR(1) =’,’
SELECT *
FROM STRING_SPLIT(@string,@separador)
Go
— Exemplo 3 – Armazenando o resultado da divisão de uma string em uma nova tabela –
DECLARE @string VARCHAR(100) = ‘Microsoft,SQL Server,2016,RC0′,
@separador CHAR(1) =’,’
SELECT * INTO #SplitTable
FROM STRING_SPLIT(@string,@separador)
GO

 

— Short Script 5 – Gerando dados no formato Json —
— Exemplo 1 – Utilizando a claúsula JSON Auto —
Select Top 20
AddressID, AddressLine1,
City, PostalCode,
ModifiedDate
from [Person].[Address]
For JSON Auto
Go

— Exemplo 2 – Utilizando a claúsula JSON Path —
Select Top 5
AddressID, AddressLine1,
City, PostalCode,
ModifiedDate
from [Person].[Address]
For JSON Path
Go
— Exemplo 3 – Utilizando a claúsula JSON Path em conjunto com uma variável –
DECLARE @MyJson as NVARCHAR(MAX)
SET @MyJson = (SELECT ‘Pedro’ as Nome, ‘Galvão’ as Sobrenome,
35 as Idade, Getdate() as DataAtual
FOR JSON PATH)
Print (@MyJson)

Go

— Short Script 6 – Criando uma nova Temporal Table —
CREATE TABLE [dbo].[Orders](
[OrdersID] int PRIMARY KEY CLUSTERED,
[Quantity] int NOT NULL,
[UnitPrice] money not null,
[OrderDate] datetime2 NOT NULL,
[SysStartTime] datetime2(0) GENERATED ALWAYS AS ROW START NOT NULL,
[SysEndTime] datetime2(0) GENERATED ALWAYS AS ROW END NOT NULL,
PERIOD FOR SYSTEM_TIME ([SysStartTime],  [SysEndTime]))
WITH (SYSTEM_VERSIONING = ON )
Go

— Short Script 7 – Realizando Truncate Table With Partition —
— Passo 1 – Criando uma nova Partition Function —
CREATE PARTITION FUNCTION [PFRegistro] (int)
AS RANGE RIGHT FOR VALUES
(10000, 30000,
50000, 70000,
90000);
Go

— Passo 2 – Criando um novo Partition Schema —
CREATE PARTITION SCHEME [PSRegistro]
AS PARTITION [PFRegistro]
TO ([PRIMARY], [PRIMARY], [PRIMARY], [PRIMARY], [PRIMARY], [PRIMARY]);— Passo 3 – Criando a tabela TabelaParticionada —
CREATE TABLE dbo.TabelaParticionada
(NumRegistro INT NOT  NULL,
Dados char(1000) NULL,
DataCadastro datetime NOT NULL)
ON [PSRegistro](NumRegistro)
GO— Passo 4 – Populando a Tabela – TabelaParticionada —
INSERT dbo.TabelaParticionada
SELECT TOP 10000
s1.number * 1000  +  s2.number * 100 + s1.number  As NumRegistro,
Replicate(‘SQL Server 2016 ‘,S2.number+1) As  Dados,
GETDATE()+S2.number As DataCadastro
FROM master..spt_values s1 CROSS JOIN master..spt_values s2
WHERE s1.number BETWEEN 0 AND 999 AND s1.type = ‘P’
AND s2.number BETWEEN 0 AND 99 AND s2.type = ‘P’
— Passo 5 – Obtendo a lista de Partitions criadas para TabelaParticionada —
SELECT
$PARTITION.[PFRegistro] (NumRegistro) AS ‘Partition’,
COUNT(*) AS TotalRegistros,
MIN(NumRegistro) AS RegistroInicial,
MAX(NumRegistro) AS RegistroFinal
FROM dbo.TabelaParticionada
GROUP BY $PARTITION.[PFRegistro] (NumRegistro)
Go
— Passo 6 – Realizando a exclusao da particao 1 e tambem da particao 4 ate particao 6 —
TRUNCATE TABLE dbo.TabelaParticionada
WITH (PARTITIONS (2, 4 TO 6));
Go

 

— Short Script 8 – Consultando a relação de TIME Zone —
Select Name,
    Current_UTC_OffSet,
Is_Currently_DST
From Sys.Time_Zone_Info
Go


Bom pessoal, chegamos ao final de mais um Short Scripts, espero que este material possa lhe ajudar e ilustrar algumas das novidades adicionados ao Microsoft SQL Server 2016.

Acredito que você tenha observado que estes códigos já são bastante conhecidos no meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server 2016, publicados no decorrer deste.

Links

Caso você queira acessar os últimos posts desta sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

Agradecimento

Mais uma vez obrigado por sua visita, um forte abraço, nos encontramos em breve.

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2016 Training Kit


A Microsoft disponibilizou recentemente no Microsoft Download Center o SQL Server 2016 Training Kit.

O kit é voltado para desenvolvedores, instrutores, consultores e outros profissionais que precisam saber mais sobre as principais novidades introduzidas na nova versão do SQL Server.

Ele contém apresentações, demos, vídeos e outros recursos para ajudar no aprendizado ou para montar uma sessão de treinamento.

Faça o download do SQL Server 2016 Training Kit

O SQL Server 2016 Training Kit está disponível para download gratuitamente aqui. Ele é compatível com o Windows 10, Windows 8, Windows 8.1, Windows Server 2012 R2 e Windows Server 2016.

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2016 Training Kit

SQL Server 2016

Lançado em junho deste ano, o SQL Server 2016 traz recursos críticos inovadores com desempenho em memória e análise operacional integrada. Os recursos de segurança abrangentes, como a tecnologia de criptografia ininterrupta (Always Encrypted), ajudam a proteger seus dados fixos e em movimento, e uma solução avançada de alta disponibilidade e recuperação de desastres acrescenta novos aprimoramentos à tecnologia AlwaysOn.

As organizações terão visões mais aprofundadas de todos os seus dados com novos recursos que vão além da business intelligence, executando a análise avançada diretamente dentro de seus bancos de dados e apresentando visualizações avançadas para oferecer visões de negócios de qualquer dispositivo.

Você também pode se beneficiar da nuvem em hiperescala, com novos cenários híbridos habilitados pela nova tecnologia de banco de dados elástico (Stretch Database), que permite expandir dinamicamente seus dados transacionais a quente e a frio até o Microsoft Azure de forma segura, para que seus dados estejam sempre à disposição para consultas, independentemente do tamanho.

O SQL Server 2016 também oferece uma plataforma de banco de dados completa para a nuvem híbrida, permitindo criar, implantar e gerenciar facilmente soluções que abrangem instalações locais e na nuvem.

Saiba mais sobre ele aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com & https://www.microsoft.com/en-us/download/confirmation.aspx?id=54089