A dura vida do gerente de TI de uma PME

A Internet cai inesperadamente ou fica oscilando, alguns funcionários reclamam que não conseguem acessar arquivos do servidor, outros perguntam por que o sistema está lento e também há dúvidas sobre senhas de acesso aos e-mails…Tudo ao mesmo tempo e todos, obviamente, querem a solução imediata para seus problemas, para poderem dar prosseguimento às atividades do dia-a-dia de trabalho.

A cena descrita é, com toda certeza, bastante familiar para qualquer um que já tenha trabalhado em uma companhia do segmento PME (pequena e média empresa). A necessidade de informatização é tão intensa que qualquer incidente envolvendo a banda larga, os sistemas corporativos ou a comunicação telefônica traz a sensação de que o trabalho e a produtividade da empresa serão instantaneamente prejudicados. E, de fato, essa sensação se justifica, pois imagine ficar sem Internet ou sem acesso aos dados e informações da companhia, não poder mandar e receber e-mails ou perder a comunicação entre matriz e filial, por exemplo? A empresa, literalmente, para, certo? E o que significa financeiramente para uma PME ter que interromper suas operações?

No meio de toda essa confusão, e incumbido de resolver todas as questões de informática para que os funcionários possam trabalhar normalmente, está o gerente de TI (Tecnologia da Informação). Geralmente, em uma PME ele é o único responsável pelo help desk, PABX, data center, servidores, telefonia celular etc… Enfim, se você, colaborador de uma pequena ou média empresa, está com algum problema técnico, chame o gerente de TI. A missão dele é garantir a continuidade do serviço!

Não é difícil entender por que a rotina desse profissional é tão desgastante e, muitas vezes, ingrata, mas isso pode ser minimizado se o gerente de TI contar com uma rede de fornecedores adequados às suas necessidades. Digo isso porque sabemos que as PMEs acabam ficando reféns dos 0800 das grandes prestadoras de serviço sempre que existe uma solicitação.

Nas ligações para o 0800, elas dividem a atenção com centenas ou milhares de outras empresas na mesma situação e urgência e, com sorte, se depois de muita paciência o problema não puder ser resolvido por telefone, aí então o suporte técnico é enviado! Isso é bastante comum no procedimento das grandes operadoras de telecomunicações, por exemplo. Por que então não optar por prestadores especializados em PMEs e que tenham como diferencial de atendimento um relacionamento mais estreito com o cliente? A PME e seu gerente de TI não podem depender de quem os trata como apenas mais um cliente entre tantos e tantos outros.

E isso não acontece só com a banda larga. Clientes pequenos podem enfrentar a mesma dinâmica em grandes data centers. Neste caso uma boa opção são os serviços de colocation fracionado ou mesmo Cloud Computing.

Colocation e Cloud são, inclusive, uma proteção contra quedas de energia, uma vez que PMEs normalmente não contam com geradores, sistemas anti-incêndio, segurança física etc. Em situações de mudança de endereço – algo bastante comum na realidade das PMEs – a vida do gerente de TI também é facilitada com serviços de Colocation ou Cloud, pois desligar os servidores, transportá-los e religá-los no novo endereço para que todos estejam prontinhos no dia seguinte costuma ser uma grande dor de cabeça. Com Colocation e Cloud, as empresas não precisam se preocupar em ter infraestrutura internamente, economizando também com custos de manutenção e equipes de prontidão para atender os equipamentos em caso de necessidade.

Novamente, assim como foi dito em relação ao serviço de banda larga, o importante é escolher prestadores que conheçam a realidade das PMEs e saibam atendê-las na velocidade e com a eficiência de que elas necessitam. Como será o relacionamento com esse fornecedor no caso de qualquer eventualidade? Há um executivo de contas dedicado a atender aquela PME ou o único canal de comunicação é via call center impessoal? Esse prestador é de fato um parceiro ou só mais um fator de estresse no dia-a-dia do gerente de TI?

Responder e analisar essas questões pode ser um passo importante no sentido de facilitar a vida desse profissional e de todos que precisam dele em uma pequena ou média empresa, cada vez mais cobrada por dinamismo, eficiência operacional e redução de custos. Em resumo, gerente de TI, se você não enxergar seus fornecedores de fato como parceiros, sua vida vai continuar sendo difícil…

*Eduardo Araki é Diretor Comercial da Neovia, prestadora de serviços de telecomunicações pioneira na oferta comercial da tecnologia WiMAX no Brasil.

Fontes e Direitos Autorais: Olhar Digital –  08 de Dezembro de 2011 | 09:35h.

Anúncios

Sobre Junior Galvão - MVP

Profissional com vasta experiência na área de Tecnologia da Informação e soluções Microsoft. Graduado no Curso Superior em Gestão da Tecnologia de Sistemas de Informação. Pós-Graduado no Curso de Gestão e Engenharia de Processos para Desenvolvimento de Software com RUP na Faculdade FIAP - Faculdade de Informática e Administração Paulista de São Paulo. Pós-Graduado em Gestão da Tecnologia da Informação Faculdade - ESAMC Sorocaba. Formação MCDBA Microsoft, autor de artigos acadêmicos e profissionais postados em Revistas, Instituições de Ensino e WebSistes. Meu primeiro contato com tecnologia ocorreu em 1995 após meus pais comprarem nosso primeiro computador, ano em que as portas para este fantástico mundo se abriram. Neste mesmo ano, comecei o de Processamento de Dados, naquele momento a palavra TI não existia, na verdade a Tecnologia da Informação era conhecida como Computação ou Informática, foi assim que tudo começou e desde então não parei mais, continuando nesta longa estrada até hoje. Desde 2001 tenho atuado como Database Administrator - Administrador de Banco de Dados - SQL Server em tarefas de Administração, Gerenciamento, Migração de Servidores e Bancos de Dados, Estratégias de Backup/Restauração, Replicação, LogShipping, Implantação de ERPs que utilizam bancos SQL Server, Desenvolvimento de Funções, Stored Procedure, Triggers. Experiência na Coordenação de Projetos de Alta Disponibilidade de Dados, utilizando Database Mirroring, Replicação Transacional e Merge, Log Shipping. Atualmente trabalho como Administrador de Banco de Dados no FIT - Instituto de Tecnologia da Flextronics, como também, Consultor em Projetos de Tunnig e Performance para clientes, bem como, Professor Titular na Fatec São Roque. Desde 2008 exerço a função de Professor Universitário, para as disciplinas de Banco de Dados, Administração, Modelagem de Banco de Dados, Programação em Banco de Dados, Sistemas Operacionais, Análise e Projetos de Sistemas, entre outras. Possuo titulações e Reconhecimentos: Microsoft MVP, MCC, MSTC e MIE.
Esse post foi publicado em Carreira, Diversos, Internet, Notícias, Segurança, Windows e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s