Microsoft pode revelar tablet próprio

A Microsoft pode anunciar uma linha de tablets com sua própria marcanesta segunda-feira. A informação, não oficial, foi divulgada pelos noticiários americanos The Wrap e All Things D. A empresa teria concluído que essa é a única maneira de ter uma integração perfeita entre software e hardware, capaz de resultar num tablet apto a enfrentar o iPad.

Anúncios
Steven Sinofsky, presidente da divisão Windows da Microsoft
São Paulo — A Microsoft pode anunciar uma linha de tablets com sua própria marcanesta segunda-feira. A informação, não oficial, foi divulgada pelos noticiários americanos The Wrap e All Things D. A empresa teria concluído que essa é a única maneira de ter uma integração perfeita entre software e hardware, capaz de resultar num tablet apto a enfrentar o iPad.A informação surpreende porque vai contra a estratégia habitual da Microsoft, que é fornecer o software e deixar a fabricação dos equipamentos a cargo de parceiros. A empresa convidou parte da imprensa americana para um evento na segunda-feira em Los Angeles, onde ela deverá fazer um “anúncio importante”. A Microsoft não dá detalhes sobre o que será apresentado, mas é muito provável que o evento tenha relação com os tablets.

Zune ou Xbox?

 

Quais são as chances de a Microsoft ter sucesso com essa nova iniciativa? A empresa já tentou fabricar seu próprio hardware antes, com resultados variados. Em pelo menos um caso, ela fracassou. O Zune, lançado em 2006, foi uma tentativa de criar um concorrente para o iPod. O player de música da Microsoft era tecnicamente avançado, mas nunca caiu no gosto do público. Foi oficialmente descontinuado no ano passado.

 

Mas há também o exemplo contrário. O console para jogos Xbox, que chegou às lojas em 2001, conseguiu competir com sucesso contra os produtos rivais da Sony e da Nintendo. Foi, também, a plataforma onde floresceu uma das inovações mais interessantes da Microsoft nos últimos anos, o sensor de movimentos Kinect.

 

Mas há uma diferença importante. O Xbox não criava conflitos com parceiros da Microsoft. Ao contrário, ele permitiu, à turma de Redmond, estreitar os laços com os produtores de jogos, que também desenvolviam títulos para o PC. Produzir um tablet é algo totalmente diferente. Ele vai competir com os produtos de empresas como HP, Dell, Acer, Asus, Samsung, LG e Nokia, que são parceiros importantes da Microsoft.

Na prática, esses fabricantes não terão como deixar de licenciar software de um concorrente. O Google, como se sabe, já optou pelo hardware próprio há alguns anos. A empresa de Mountain View não só comprou a Motorola como mantém, desde 2010, a linha de smartphones Nexus, que é fabricada por outros mas leva sua marca.

Agora, rumores indicam que a empresa vai lançar também um tablet com a marca Google. Assim, a empresa compete com parceiros que também usam o sistema Android em seus próprios smartphones e tablets.

 

Bill Gates contra Steve Jobs

 

A Microsoft vem fazendo suas apostas no mercado de tablets desde 2002, quando lançou uma edição do Windows XP específica para esse tipo de gadget. Em 2003, no evento D: All Things Digital, Bill Gates falou com entusiasmo sobre os tablets, que, para ele, tinham um futuro brilhante pela frente.

 

No mesmo evento, Steve Jobs demonstrou desprezo sobre esse tipo de gadget, que ele classificou como um produto de nicho para garotos ricos. “Nós analisamos o tablet e achamos que vai ser um fracasso”, disse. Para a frustração de Gates e sua turma, os tablets baseados no Windows é que se revelaram produtos de nicho. E a Apple, como se sabe, acabou dominando esse mercado muitos anos depois com o iPad.

 

A reação da Microsoft é tardia, mas é também intensa e arriscada, algo nada usual numa empresa que se tornou lenta e conservadora na última década. O Windows 8 muda radicalmente a interface do sistema operacional, o que deve desagradar a usuários mais tradicionais, especialmente nas empresas. Também muda a forma como os aplicativos são vendidos ao adotar uma loja de apps no estilo Apple.

 

Tabletização do PC

 

Ao contrário da Apple, que mantém cuidadosa distinção entre o Mac e o iPad, evitando mexer demais em seu time vencedor, a Microsoft está unificando PCs e tablets. Há duas variantes do sistema operacional – Windows 8 e Windows RT – voltadas para diferentes famílias de processadores. Mas, para o usuário, a experiência será basicamente a mesma num tablet ou num PC. A nova interface Metro privilegia a tela sensível ao toque. Ela representa uma “tabletização” do PC.

 

Derrotar o iPad é missão impossível, ao menos no futuro próximo. O tablet da Apple conta com o maior e melhor acervo de aplicativos – um fator crucial para o sucesso. Também tem ampla disponibilidade de filmes, músicas, livros e revistas. O Windows parte de uma patamar muito mais baixo e tem uma longa escalada pela frente para formar um acervo de aplicativos e conteúdo.

 

Pode até ser que a Microsoft consiga, aos poucos, conquistar uma posição de destaque no mercado de tablets. Mas também é possível que esse mercado não comporte uma terceira plataforma (além de iPad e Android). Essa possibilidade parece clara quando se consideram os exemplos da HP, que fracassou com seu WebOS; e da RIM, que não conseguiu ir muito longe com o BlackBerry PlayBook.

Fontes e Direitos Autorais: , de EXAME.com  • Sexta-feira, 15 de junho de 2012 – 12h03.

Autor: Junior Galvão - MVP

Profissional com vasta experiência na área de Tecnologia da Informação e soluções Microsoft. Graduado no Curso Superior em Gestão da Tecnologia de Sistemas de Informação. Pós-Graduado no Curso de Gestão e Engenharia de Processos para Desenvolvimento de Software com RUP na Faculdade FIAP - Faculdade de Informática e Administração Paulista de São Paulo. Pós-Graduado em Gestão da Tecnologia da Informação Faculdade - ESAMC Sorocaba. Formação MCDBA Microsoft, autor de artigos acadêmicos e profissionais postados em Revistas, Instituições de Ensino e WebSistes. Meu primeiro contato com tecnologia ocorreu em 1995 após meus pais comprarem nosso primeiro computador, ano em que as portas para este fantástico mundo se abriram. Neste mesmo ano, comecei o de Processamento de Dados, naquele momento a palavra TI não existia, na verdade a Tecnologia da Informação era conhecida como Computação ou Informática, foi assim que tudo começou e desde então não parei mais, continuando nesta longa estrada até hoje. Desde 2001 tenho atuado como Database Administrator - Administrador de Banco de Dados - SQL Server em tarefas de Administração, Gerenciamento, Migração de Servidores e Bancos de Dados, Estratégias de Backup/Restauração, Replicação, LogShipping, Implantação de ERPs que utilizam bancos SQL Server, Desenvolvimento de Funções, Stored Procedure, Triggers. Experiência na Coordenação de Projetos de Alta Disponibilidade de Dados, utilizando Database Mirroring, Replicação Transacional e Merge, Log Shipping. Atualmente trabalho como Administrador de Banco de Dados no FIT - Instituto de Tecnologia da Flextronics, como também, Consultor em Projetos de Tunnig e Performance para clientes, bem como, Professor Titular na Fatec São Roque. Desde 2008 exerço a função de Professor Universitário, para as disciplinas de Banco de Dados, Administração, Modelagem de Banco de Dados, Programação em Banco de Dados, Sistemas Operacionais, Análise e Projetos de Sistemas, entre outras. Possuo titulação Oficial Microsoft MVP - SQL Server renovada desde 2007.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s