Startup Brasil

“O pacote existe agora por que o governo ficou com ciúmes do programa chileno”, diz o empreendedor Flavio Pripas sobre o pacote de investimentos TI Maior, lançado na semana passada pelo governo federal. Pripas, dono da startup Fashion.me e organizador do encontro Br New Tech, aposta que a chance de o plano vingar é justamente por meio das empresas nascentes de tecnologia.

O programa de investimentos oferecerá um estímulo de R$ 486 milhões a ser aplicado na produção de software no Brasil, e estabelecerá uma política de incentivo às startups. Cerca de R$ 40 milhões serão destinados a formar ao menos quatro empresas aceleradoras, responsáveis por orientar as novas iniciativas. Até 2014, espera-se que elas acompanhem 150 startups.

Pripas diz que o “custo Brasil” ainda é o principal problema para as startups nacionais. “É caro contratar pessoas e operar uma empresa aqui. A maior parte do dinheiro vai para o governo, contabilidade ou para publicar informes em jornais. A lei é atrasada. E minha empresa nem faturamento tem ainda!”, desabafa. O empreendedor, que está criando uma subsidiária em Nova York (“lá tudo é mais barato”), apoia a ideia do governo de direcionar a atuação das startups para áreas estratégicas como saúde, energia ou petróleo. “O governo tem que ter metas, não dá para replicar o modelo do Vale do Silício, nem o chileno, onde se investe em qualquer boa ideia. Mas também, se focar demais, às vezes não se dá abertura para inovações. Tudo tem que ser bem coordenado.” Protecionismo. Segundo o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) os setores que receberão os investimentos serão educação, saúde, petróleo, energia, eventos esportivos e “tecnologias estratégicas”, como software livre e computação na nuvem. A Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da

Informação (Assespro) elogiou o plano, mas chamou a meta do governo para dobrar o faturamento de TI de “conservadora”. Ainda disse esperar não estar diante de um “instrumento de marketing político”. A Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes) questionou a preferência do governo pelo software livre, apontado como culpado pela baixa participação de software nacional no mercado interno. “Não temos o objetivo de restringir o mercado brasileiro”, defende Virgílio Almeida, secretário de política da informática do MCTI. Almeida elogia a ideia de certificar o software desenvolvido no País. Isso abriria uma brecha legal para que o governo garanta a preferência aos produtos certificados nas licitações. “Assim a gente privilegia a empresa nacional e equilibra a balança comercial.”

Fontes e Direitos Autorais: 26 de agosto de 2012| 19h03| Tweet este Post – Por Murilo Roncolato.

Anúncios

Sobre Junior Galvão - MVP

Profissional com vasta experiência na área de Tecnologia da Informação e soluções Microsoft. Graduado no Curso Superior em Gestão da Tecnologia de Sistemas de Informação. Pós-Graduado no Curso de Gestão e Engenharia de Processos para Desenvolvimento de Software com RUP na Faculdade FIAP - Faculdade de Informática e Administração Paulista de São Paulo. Pós-Graduado em Gestão da Tecnologia da Informação Faculdade - ESAMC Sorocaba. Formação MCDBA Microsoft, autor de artigos acadêmicos e profissionais postados em Revistas, Instituições de Ensino e WebSistes. Meu primeiro contato com tecnologia ocorreu em 1995 após meus pais comprarem nosso primeiro computador, ano em que as portas para este fantástico mundo se abriram. Neste mesmo ano, comecei o de Processamento de Dados, naquele momento a palavra TI não existia, na verdade a Tecnologia da Informação era conhecida como Computação ou Informática, foi assim que tudo começou e desde então não parei mais, continuando nesta longa estrada até hoje. Desde 2001 tenho atuado como Database Administrator - Administrador de Banco de Dados - SQL Server em tarefas de Administração, Gerenciamento, Migração de Servidores e Bancos de Dados, Estratégias de Backup/Restauração, Replicação, LogShipping, Implantação de ERPs que utilizam bancos SQL Server, Desenvolvimento de Funções, Stored Procedure, Triggers. Experiência na Coordenação de Projetos de Alta Disponibilidade de Dados, utilizando Database Mirroring, Replicação Transacional e Merge, Log Shipping. Atualmente trabalho como Administrador de Banco de Dados no FIT - Instituto de Tecnologia da Flextronics, como também, Consultor em Projetos de Tunnig e Performance para clientes, bem como, Professor Titular na Fatec São Roque. Desde 2008 exerço a função de Professor Universitário, para as disciplinas de Banco de Dados, Administração, Modelagem de Banco de Dados, Programação em Banco de Dados, Sistemas Operacionais, Análise e Projetos de Sistemas, entre outras. Possuo titulações e Reconhecimentos: Microsoft MVP, MCC, MSTC e MIE.
Esse post foi publicado em Diversos, Governo, Inovações, Internet, Notícias, Segurança, Telecomunicações, TI Verde e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s