Especialistas listam 100 espécies ameaçadas de extinção

Especialistas em preservação divulgaram esta terça-feira uma lista das 100 espécies mais ameaçadas de extinção e alertaram que somente uma mudança de mentalidade pública e das autoridades poderia salvá-las da aniquilação iminente.

Anúncios
A lista compilada pela Sociedade Zoológica de Londres inclui 100 animaisplantas e fungos mais ameaçados

Seul – Especialistas em preservação divulgaram esta terça-feira uma lista das 100 espécies mais ameaçadas de extinção e alertaram que somente uma mudança de mentalidade pública e das autoridades poderia salvá-las da aniquilação iminente.

A lista compilada pela Sociedade Zoológica de Londres (SZL) em um relatório intitulado “Inestimável ou Inútil?” (´Priceless or Worthless?´, no original) inclui 100 animais, plantas e fungos que encabeçam as fileiras dos ameaçados de sumir do planeta.

“Todas as espécies listadas são únicas e insubstituíveis. Se desaparecerem, nenhum dinheiro no mundo poderá trazê-las de volta”, disse a co-autora do estudo, Ellen Butcher.

“Se agirmos imediatamente, podemos dar a elas uma chance de lutar pela sobrevivência. Mas isto exige que a sociedade apoie a posição moral e ética de que todas as espécies têm o direito inato de existir”, acrescentou Butcher.

O relatório da SZL foi publicado na ilha Jeju, na Coreia do Sul, onde 8.000 autoridades governamentais, representantes de ONGs, cientistas e diretores de negócios de 170 países estão reunidos no Congresso Mundial de Conservação.

Os conservacionistas temem que as espécies incluídas na lista, como o camaleão-tarzan de Madagascar e a preguiça-anã de três dedos do Panamá, desapareçam porque não fornecem aos humanos benefícios evidentes.

“O mundo todo se tornou mais utilitarista e observador do que a natureza pode fazer por nós”, explicou por telefone à AFP o diretor de conservação da SZL, Jonathan Baillie.

“Os governos precisam assumir a responsabilidade e declarar se estas espécies são inestimáveis ou inúteis, se temos o direito de levá-las à extinção”, disse Baillie.

“Se não podemos salvar as 100 mais ameaçadas, que esperança há para o resto da vida no planeta?”, acrescentou.

O Congresso em Jeju, celebrado pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), é realizada em meio a alertas científicos da proximidade de uma extinção em massa.

Em relatório publicado durante a Conferência Rio+20 sobre Sustentabilidade, em junho, a IUCN informou que de 63.837 espécies analisadas, 19.817 corriam o risco de extinção devido ao esgotamento de seu habitat, ao aquecimento global e à caça.

Segundo o documento, uma atualização da conhecida “Lista Vermelha” das espécies em extinção, corriam o risco de desaparecer 41% de espécies de anfíbios, 33% de corais construtores de recife, 25% de mamíferos, 20% de plantas e 13% de aves.

Muitas destas espécies, destacou a IUCN, são essenciais para os seres humanos, fornecendo alimento e trabalho, bem como uma piscina genética para melhorar cultivos e desenvolver novos remédios.

Especialistas alertam que até hoje a ciência só identificou formalmente apenas uma pequena parte das milhões que estimam existirem no planeta, muitas delas microscópicas.

Fontes e Direitos Autorais:  • Quarta-feira, 12 de setembro de 2012 – 12h56

Autor: Junior Galvão - MVP

Profissional com vasta experiência na área de Tecnologia da Informação e soluções Microsoft. Graduado no Curso Superior em Gestão da Tecnologia de Sistemas de Informação. Pós-Graduado no Curso de Gestão e Engenharia de Processos para Desenvolvimento de Software com RUP na Faculdade FIAP - Faculdade de Informática e Administração Paulista de São Paulo. Pós-Graduado em Gestão da Tecnologia da Informação Faculdade - ESAMC Sorocaba. Formação MCDBA Microsoft, autor de artigos acadêmicos e profissionais postados em Revistas, Instituições de Ensino e WebSistes. Meu primeiro contato com tecnologia ocorreu em 1995 após meus pais comprarem nosso primeiro computador, ano em que as portas para este fantástico mundo se abriram. Neste mesmo ano, comecei o de Processamento de Dados, naquele momento a palavra TI não existia, na verdade a Tecnologia da Informação era conhecida como Computação ou Informática, foi assim que tudo começou e desde então não parei mais, continuando nesta longa estrada até hoje. Desde 2001 tenho atuado como Database Administrator - Administrador de Banco de Dados - SQL Server em tarefas de Administração, Gerenciamento, Migração de Servidores e Bancos de Dados, Estratégias de Backup/Restauração, Replicação, LogShipping, Implantação de ERPs que utilizam bancos SQL Server, Desenvolvimento de Funções, Stored Procedure, Triggers. Experiência na Coordenação de Projetos de Alta Disponibilidade de Dados, utilizando Database Mirroring, Replicação Transacional e Merge, Log Shipping. Atualmente trabalho como Administrador de Banco de Dados no FIT - Instituto de Tecnologia da Flextronics, como também, Consultor em Projetos de Tunnig e Performance para clientes, bem como, Professor Titular na Fatec São Roque. Desde 2008 exerço a função de Professor Universitário, para as disciplinas de Banco de Dados, Administração, Modelagem de Banco de Dados, Programação em Banco de Dados, Sistemas Operacionais, Análise e Projetos de Sistemas, entre outras. Possuo titulação Oficial Microsoft MVP - SQL Server renovada desde 2007.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s