#14 – Para que serve


Olá, boa noite….

Final de noite de domingo, véspera de feriado e nosso Brasil desde a última sexta – feira dia 28/04 vivendo fortes emoções na política, economia, esporte e principalmente cidadania. Alias dia 28/04/2017 uma das datas mais importantes da minha vida, neste dia comemorei mais uma primavera como gostam de dizer alguns dos meus familiares, já se vão 37 anos, muitos destes anos dedicados a minha esposa, filhos, filha, trabalho e principalmente a áreas de educação e tecnologia.

Aproveito para agradecer a todos os amigos, colegas, familiares, alunos, enfim pessoas que por algum momento passaram pela minha vida nestes últimos 37 anos.

Dando continuidade, este é o novo post da sessão Para que serve, sendo o post de número 14, muito bom, lentamente esta sessão esta ganhando corpo e força com os meus seguidores.

Hoje vou destacar um conteúdo bastante simples e direto, mas muito interesse e bastante útil, que consiste basicamente em como através da linguagem Transact-SQL podemos identificar ou até mesmo descobrir quais portas de rede estão em uso em uma instância ou servidor SQL Server baseadas no protocolo TCP/IP e na versão IPV4 do protocolo IP.

Isso pode parecer algo bastante simples de ser feito, na verdade é mesmo, mas até a versão do SQL Server 2008 R2 SP1 era um pouco chato e até mesmo complexo para se obter esta simples informação, cenário que muito drasticamente a partir da versão 2012 e se mantem presente na versão 2016.

Desta forma, seja bem – vindo ao #14 – Para que serve – Identificando as portas de rede TCP/IP através da DMV – sys.dm_tcp_listener_states.

Introdução

Obter informações sobre as portas de rede utilizadas por uma instância ou servidor SQL Server, por mais simples que parece ser era considerada por muitos profissionais de bancos de dados uma das tarefas mais chatas e até mesmo tediosas pelo simples fato de não existir especificamente uma ferramenta da Microsoft dedicada para este cenário, mesmo assim existem algumas possibilidades que podemos ou não considerar práticas ou inseguras.

A seguir apresento as possibilidades mais conhecidas:

BPCheck: Não pode ser considerada dentre as possibilidades a mais conhecida, muito menos a mais simples, mas sim a mais completa no conjunto de dados retornados para o usuário. O BPCheck – Best Practices and Performance Check, criado em 28-07-2011 por Pedro Lopes (Senior Program Manager for the Microsoft SQL Server Product Group – Tiger Team), com base na versão 2005 do SQL Server e mantido até as versões atuais.

Posso dizer, que este é um daqueles scripts mágicos criados pelos maiores profissionais do SQL Server espalhados pelo mundo, dentre os quais o Pedro Lopes faz parte, o nível de complexidade existente no código fonte deste arquivo comprova o grau de conhecimento e capacidade técnica que este profissional apresenta.

Microsoft SQL Server 2008 e 2008 R2: Microsoft trabalhou e adicionou a partir da versão 2008 R2 SP1 uma forma não muito usual, nem muito interessante de se obter informações sobre as portas de rede fazendo uso da DMV – Dynamic Management View (Visão de Gerenciamento Dinâmico): sys.dm_server_registry, onde era possível coletar informações com base nas chaves de registro do Windows, o que sinceramente não podemos dizer que é algo muito indicado ou até mesmo seguro, mesmo assim era a única forma direta através do Management Studio de se encontrar estas informações. Esta DMV apresenta o seguinte conjunto de colunas:

Nome da coluna Tipo de dados Descrição
registry_key nvarchar(256) Nome da chave do Registro. Permitir valor nulo.
value_name nvarchar(256) Nome do valor da chave. Este é o item mostrado na coluna Nome do Editor do Registro. Permitir valor nulo.
value_data sql_variant Valor dos dados da chave. Este é o valor mostrado na coluna Dados do Editor do Registro para uma determinada entrada. Permitir valor nulo.

Microsoft SQL Server 2012: Talvez pode ser considerada até o presente momento a forma mais de se obter através de uma ferramenta gráfica neste caso o Management Studio as informações relacionadas a portas e protocolos de rede TCP/IP, fazendo-se uso da DMV – Dynamic Management View (Visão de Gerenciamento Dinâmico): sys.dm_tcp_listener_states, introduzida neste versão do SQL Server. Esta DMV apresenta o seguinte conjunto de colunas:

Nome da coluna Tipo de dados Descrição
listener_id int A ID interna do ouvinte. Não permite valor nulo.

Chave primária.

ip_address nvarchar48 O endereço IP do ouvinte que está online e está sendo escutando no momento. IPv4 ou IPv6 é permitido. Se um ouvinte possuir os dois tipos de endereços, eles serão listados separadamente. Um curinga de IPv4, exibido como “0.0.0.0”. Um curinga de IPv6, exibido como “::”.

Não permite valor nulo.

is_ipv4 bit Tipo de endereço IP

1 = IPv4

0 = IPv6

port int O número da porta na qual o ouvinte está escutando. Não permite valor nulo.
Tipo tinyint Tipo de ouvinte, um dos seguintes:

0 = Transact-SQL

1 = Service Broker

2 = Espelhamento do banco de dados

Não permite valor nulo.

type_desc nvarchar(20) Descrição do tipo, um dos seguintes:

TSQL

SERVICE_BROKER

DATABASE_MIRRORING

Não permite valor nulo.

state tinyint O estado do ouvinte do grupo de disponibilidade, um dos seguintes:

1 = Online. O ouvinte está escutando e processando solicitações.

2 = Reinício pendente. o ouvinte está offline, pendente de uma reinicialização.

Se o ouvinte do grupo de disponibilidade estiver escutando na mesma porta que a instância do servidor, esses dois ouvintes sempre terão o mesmo estado.

Não permite valor nulo.

Observação Observação
Os valores desta coluna são oriundos do objeto TSD_listener. A coluna não dá suporte a um estado offline porque, quando o TDS_listener está offline, ele não pode ser consultado para obter o estado.
state_desc nvarchar(16) Descrição do estado, um dos seguintes:

ONLINE

PENDING_RESTART

Não permite valor nulo.

start_time datetime Carimbo de data/hora que indica quando o ouvinte foi iniciado. Não permite valor nulo.

Bom, agora que já conhecemos as possibilidades de se coletar as informações relacionadas a portas e protocolos de rede, vamos colocar a mão na massa ou melhor no teclado e por em prática o uso das DMVs: sys.dm_server_registry e sys.dm_tcp_listener_states.

Exemplos

1 – Identificando a Default Port através da sys.dm_server_registry:

SELECT MAX(CONVERT(VARCHAR(15),value_data)) As ‘Default Port’ FROM sys.dm_server_registry

WHERE registry_key LIKE ‘%MSSQLServer\SuperSocketNetLib\Tcp\%’

AND value_name LIKE N’%TcpPort%’

AND CONVERT(float,value_data) > 0

Go

 

 2 – Identificando a Dynamic Port através da sys.dm_server_registry:

SELECT MAX(CONVERT(VARCHAR(15),value_data)) As ‘Dynamic Port ‘ FROM sys.dm_server_registry

WHERE registry_key LIKE ‘%MSSQLServer\SuperSocketNetLib\Tcp\%’

AND value_name LIKE N’%TcpDynamicPort%’

AND CONVERT(float,value_data) > 0

Go

 

3 – Obtendo a relação de Listeners, Ports, Protocols e demais dados relacionadas a network através da sys.dm_server_registry:

select Registry_key, Value_Name, Value_Data FROM sys.dm_server_registry

where registry_key like ‘%SuperSocketNetLib%’

Go

 

4 – Identificando a Default Port através da sys.dm_tcp_listener_states:

SELECT port As ‘Default Port’ FROM sys.dm_tcp_listener_states

WHERE is_ipv4 = 1

AND [type] = 0

AND ip_address <> ‘127.0.0.1’

Go

 

5 – Obtendo a relação de Listeners, Ports e Protocols através da sys.dm_tcp_listener_states:

Select listener_id, ip_address, is_ipv4,

Port, Type, type_desc, state_desc,

start_time

from sys.dm_tcp_listener_states

Go

Show de bola, legal, legal, aqui estão os exemplos, se você obter realmente o uso da DMV sys.dm_server_registry em comparação com a DMV sys.dm_tcp_listener_states pode ser considerado bem mais complexo e confuso, pois torna-se necessário conhecer um pouco da estrutura de chaves de registro do Windows, bem como, o que representa a sequência de valores apresentados na coluna Registry_Key o que para muitos profissionais não é algo são comum de ser entendido.

Referências

https://blogs.msdn.microsoft.com/sql_server_team/programmatically-find-sql-server-tcp-ports/

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/system-dynamic-management-views/sys-dm-tcp-listener-states-transact-sql

https://msdn.microsoft.com/en-us/library/hh204561.aspx

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/25/13-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

Conclusão

Mesmo com todas as possíveis dificuldades, falta de ferramenta exclusiva ou facilidade para se conseguir obter uma simples informação relacionadas as portas de rede e protocolos, sempre vai existir alguma maneira de se conseguir encontrar o que deseja no Microsoft SQL Server, seja através de um script mágico como o destacado hoje neste post ou através de um recurso não muito usual, independente da maneira que possa ser dentro da estrutura, do coração do SQL Server em suas tabelas internar em conjunto com o uso das DMVs torna-se totalmente viável coletar qualquer tipo de dado desejado.

Neste post, você pode comprovar como é possível encontrar os dados relacionados á protocolos, portas, listeners e demais elementos envolvidos nos processos de network, onde uma simples aplicação, website, aplicativo ou ERP venha a necessitar acessar, consumir e trocar dados via pacotes de rede com o Microsoft SQL Server.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.
Nos encontramos em breve, até lá….

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2017 CTP 2.0


A Microsoft anunciou nesta semana em seu blog a disponibilidade no TechNet Evaluation Center do SQL Server 2017 CTP 2.0, a versão de testes pública mais recente do novo SQL Server.

Performance inigualável
Faça consultas até 100 vezes mais rápido do que o disco com columnstore in-memory e transações até 30 vezes mais rápido com OLTP in-memory.

Menos vulnerável
Melhore a segurança com criptografia em repouso e em movimento. O SQL Server é o banco de dados menos vulnerável nos últimos sete anos no banco de dados de vulnerabilidades do NIST.

Inteligência em tempo real
Obtenha insights transformadores com até 1 milhão de previsões por segundo usando o Python interno e a integração da linguagem R e obtenha o BI móvel completo em qualquer plataforma.

Qualquer aplicativo, em qualquer lugar
Crie aplicativos modernos usando quaisquer dados e qualquer linguagem, na infraestrutura local e na nuvem.

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2017 CTP 2.0Faça o download do SQL Server 2017 CTP 2.0
O SQL Server 2017 CTP 2.0 para Windows (64 bits) está disponível para download aqui como uma imagem ISO e como um arquivo CAB nos seguintes idiomas: Inglês, alemão, espanhol, japonês, italiano, francês, russo, chinês simplificado, chinês tradicional, português (Brasil), coreano.
As versões para Linux, Docker, Azure e Mac OS estão disponíveis aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com.br – 20 abr 2017 | 9:40 am.

Atualização Cumulativa 5 para SQL Server 2014 SP2


A Microsoft disponibilizou para download nesta semana a Atualização Cumulativa 5 para SQL Server 2014 SP2. Esta atualização contém correções para os problemas que foram descobertos depois do lançamento do SQL Server 2014 SP2. O SP2 foi lançado pela Microsoft em julho de 2016.

Atualização Cumulativa 5 para SQL Server 2014 SP2

De acordo com o artigo KB4013098 publicado no site de suporte da Microsoft, esta atualização traz correções para múltiplos bugs.
Entre os bugs corrigidos estão um que causa erro System.NullReferenceException quando você usa autenticação personalizada no SSRS 2014 e um que causa o crash do SQL Server quando o comando DBCC CLONEDATABASE é utilizado.

A lista completa com todos os bugs corrigidos por esta atualização cumulativa pode ser vista no link acima.

Atualização Cumulativa 5 para SQL Server 2014 SP2A Microsoft disponibilizou para download nesta semana a Atualização Cumulativa 5 para SQL Server 2014 SP2. Esta atualização contém correções para os problemas que foram descobertos depois do lançamento do SQL Server 2014 SP2.

A Atualização Cumulativa 5 para SQL Server 2014 SP2 está disponível para download aqui em múltiplos idiomas para plataformas 32 e 64 bits.
Para quem ainda usa o SQL Server 2014 com SP1, a Atualização Cumulativa 12 também está disponível. Faça o download aqui.
Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com.br – 18 abr 2017 | 8:24 am.

Dica do Mês – Microsoft SQL Server – Identificando as transações que estão utilizando o Transact Log


Bom dia pessoal, tudo bem?

Véspera de feriado religioso e um dos mais importantes para boa parte da população mundial! Justamente por ser véspera de feriado hoje é um daqueles dias que qualquer profissional da área de banco de dados reza para que nada ocorra de errado próximo ás 17hrs ou mais conhecido como 5 horas da tarde.

Pensando neste tipo de necessário o post de hoje dedicado a sessão Dica do Mês tem o objetivo de ajudar você profissional que esta em apuros neste momento tentando identificar o que pode estar ocorrendo em seu ambiente ou servidor Microsoft SQL Server.

Hoje vou apresentar como você pode no Microsoft SQL Server a partir da versão 2008 R2 identificar quais transações estão realizando o acesso e demandando informações para o Transact – Log, arquivo utilizado por qualquer banco de dados existente em seu servidor ou instância SQL Server para registrar dados relacionados as transações atuais ou já processadas, sendo este mais conhecido como log de transações.

Estão vamos em frente…..


Introdução

Quando se referimos ao log de transações, temos sempre aquele boa e velha definição, “o transact log é o arquivo utilizado pelo banco de dados para registrar o que esta sendo processado por nossas transações, conhecido como o dedo duro”, na verdade o transact-log é bem mais do que isso, trata-se de um dos principais componentes de qualquer banco de dados criado no Microsoft SQL Server que nos permite através do seu uso garantir a continuidade e disponibilidade de nossos dados para diversos cenários de armazenamento e principalmente recuperação de informações.

Durante o processamento de uma ou mais querys o transact-log pode apresentar comportamentos diversas de acordo com o que esta sendo processado, mas principalmente no que se relacionado aos processos de escrita e leitura do log, onde nossas querys podem gerar processos de gravação de dados no transact-log e internamente o SQL Server pode necessitar a acessar outros dados em log para atender outras possíveis demandas.

Estes processos são conhecidos como leitura ou escrita do transact-log, situações que podem impactar aleatoriamente no processamento de nossas querys.

Pensando neste tipo de possibilidade, o post de hoje visa ilustrar e apresentar como através do Management Studio ferramenta de administração e gerenciamento do Microsoft SQL Server podemos em conjunto com as DMVs – Dynamic Management Views listadas abaixo, monitorar, catalogar e identificar quais querys ou transações estão fazendo uso do Transact-Log em possíveis processos de leitura ou escrita do log.

Dynamic Management Views

Para saber mais sobre cada DMV acesse as referências apresentadas no final do post:

  • sys.dm_tran_session_transactions;
  • sys.dm_tran_active_transactions;
  • sys.dm_tran_database_transactions;
  • sys.dm_exec_sessions;
  • sys.dm_exec_requests; e
  • sys.dm_exec_sql_text.

O Cenário

Para tentar ilustrar como podemos realizar de maneira fácil este tipo de monitoramento e identificação, vamos criar um pequeno cenário através do Bloco de Código 1, onde estaremos realizando a criação de um novo banco de dados denominado UsingTransactLog para armazenar a tabela TabelaTransactionLog.

— Bloco de Código 1 —
— Criando o banco de dados —
Create Database UsingTransactLog
Go

— Acessando o banco de dados —
Use UsingTransactLog
Go
— Criando a tabela —
Create Table TabelaTransactLog
(TransactionID Int Default Current_Transaction_ID(),
TransactionUser Varchar(100) Default System_User,
TransactionDate DateTime Default Current_TimeStamp)
Go

 

Note que nosso tabela TabelaTransactLog possui um simples estrutura composto por três colunas: TransactionID, TransactionUser e TransactionDate, sendo estes elementos básicos utilizados para catalogar o ID da transação em processamento, o usuário conectado ao banco de dados e data/hora do momento da inserção da linha.

Até aqui nada de tão importante, mas importante para podemos simular o uso do log, nosso próximo passo consiste no processamento do Bloco de Código 2, onde estaremos realizando o processamento de uma transação de inserção de 50.000 mil linhas de registros, sendo a operação de insert uma das mais diversas operações que demando processos de escrita ao transact – log, sendo assim, apresento a seguir o Bloco de Código 2:

— Bloco de Código 2 —
Insert Into TabelaTransactLog Default Values
Go 50000

Observe que não estamos passando nenhum tipo de valores para nossas colunas, na verdade estou forçando o SQL Server a utilizar a criação de valores padrões durante o processamento de cada linha de registro através da instrução Default Values (valores padrões), o que vai obrigar nossa instância e ter que gerar valores durante o tempo de processamento e posteriormente registrar em log.

Muito bem, o processamento desta massa de dados, teremos a necessidade de abrir uma nova query para justamente fazer uso do Bloco de Código 3, sendo este o principalmente elemento do nosso cenário, a query que nos permiti monitorar e identificar as transações que estão em tempo real utilizando o transact-log. Então abra uma nova query e log o Bloco de Código 3 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 3 —
SET TRANSACTION ISOLATION LEVEL READ UNCOMMITTED
Go

SELECT tst.session_id As ‘Sessão’,
es.original_login_name As ‘Login’,
DB_NAME(tdt.database_id) AS ‘Database’,
DATEDIFF(SECOND, tat.transaction_begin_time, GETDATE()) AS ‘Tempo decorrido’,
tdt.database_transaction_log_record_count AS ‘Espaço Utilizado’,
CASE tat.transaction_state
WHEN 0 THEN ‘A transação não foi completamente inicializada ainda…’
    WHEN 1 THEN ‘A transação foi inicializada, mas não começou…’
    WHEN 2 THEN ‘A transação esta ativa…’
    WHEN 3 THEN ‘A transação foi encerrada…’
    WHEN 4 THEN ‘Foi iniciado o processo de confirmação sobre o transação distribuída…’
    WHEN 5 THEN ‘A transação está em estado preparação e esperando resolução…’
    WHEN 6 THEN ‘A transação foi confirmada…’
    WHEN 7 THEN ‘A transação esta sendo revertida para o estado anterior…’
    WHEN 8 THEN ‘A transação foi revertida para o estado anterior…’
   ELSE ‘Estado da transação desconhecido’
   END AS ‘Estado da Transação’,
SUBSTRING(TXT.text, ( er.statement_start_offset / 2 ) + 1, ((CASE WHEN er.statement_end_offset = -1
THEN LEN(CONVERT(NVARCHAR(MAX), TXT.text)) * 2
ELSE er.statement_end_offset
END – er.statement_start_offset ) / 2 ) + 1) AS ‘Query Atual’,
TXT.text AS ‘Query relacionada’,
es.host_name As ‘Hostname’,
   CASE tat.transaction_type
    WHEN 1 THEN ‘Transação Read/Write’
    WHEN 2 THEN ‘Transação Read-Only’
    WHEN 3 THEN ‘Transação de Sistema’
                WHEN 4 THEN ‘Transação distribuída’
            ELSE ‘Tipo de Transação desconhecido’
            END AS ‘Tipo da Transação’,
tat.transaction_begin_time AS ‘Iniciado em’
FROM sys.dm_tran_session_transactions AS tst INNER JOIN sys.dm_tran_active_transactions AS tat
ON tst.transaction_id = tat.transaction_id
INNER JOIN sys.dm_tran_database_transactions AS tdt
ON tst.transaction_id = tdt.transaction_id
INNER JOIN sys.dm_exec_sessions es
ON tst.session_id = es.session_id
INNER JOIN sys.dm_exec_requests er
ON tst.session_id = er.session_id
CROSS APPLY sys.dm_exec_sql_text(er.sql_handle) TXT
ORDER BY [Tempo decorrido] DESC
Go
Pois bem, você pode estar querendo saber um pouco mais sobre o que exatamente esta acontecendo ao processar o Bloco de Código 3, pode ficar tranquilo que a seguir vou fazer um pequeno overview sobre este bloco de código, começando pelo conjunto de colunas retornadas por ele:
  • Sessão – Apresenta o ID da sessão que esta utilizando o transact-log;
  • Login – Nome da conta de login que esta conectada ao SQL Server;
  • Database – Nome do banco de dados utilizado pela query que esta acessando o transact-log;
  • Tempo decorrido – Representa o tempo de processamento que o query esta demandando para utilizar o transact-log;
  • Log Record Count– Identifica a quantidade de registros de log gerados pela query ou transações em processamento;
  • Estado da transação – Esta coluna apresenta o estado atual da query em processamento, sendo este formado por um conjunto de valores;
  • Query Atual – Apresenta as instruções que estão sendo processadas por cada query;
  • Query Relacionada– Apresenta as instruções processadas por querys que podem estar relacionadas com as atuais querys em processamento;
  • Hostname – Apresenta o nome dos hosts utilizados por cada query em processamento;
  • Tipo de Transação – Identifica se a transação em processamento esta realizando acesso de leitura ou escrita ao log, bem como, se esta query é uma query de sistema ou distribuída; e
  • Iniciado em – Apresenta o horário de início do acesso ao transact-log por parte da query em processamento.

Agora que você já conhece um pouco sobre cada coluna que será retornada após o processamento do Bloco de Código 3, vou abordar o uso da instrução Set Transaction Isolation Level declarada no início do código, que possui a finalidade de alterar no nível de isolamento do nosso banco de dados para Read Uncommitted afim de força o SQL Server a descartar ou desconsiderar qualquer possível ocorrência de bloqueios tanto no nível de tabela e registros, mas principalmente no escopo de banco de dados.

Nota: Se você me perguntar que isso é obrigatório ser feito para conseguir identificar as querys que estão utilizando o transact-log eu vou responder NÃO, isso não é obrigatório, mas pode ser considerada uma possível solução para garantir que o Bloco de Código 3 possa ser processado e consultar as dynamic management views na busca das informações catalogadas por ela em tempo de execução.

Ufa, estamos quase lá, agora nos resta fazer a execução do mesmo e observar o retorno dos dados coletados por este bloco de código, com base, na Figura 1 apresentada abaixo:

Figura 1 – Relação de querys em execução utilizando transact-log.

Perfeito, nosso monitoramento funcionou, conseguimos coletar os dados referentes as querys que estão neste momento em processamento fazendo acesso e utilizando o transact-log criado para o banco de dados UsingTransactLog.

Isso não é sensacional, desta forma, chegamos ao final de mais um post dedicado a sessão Dica do Mês, espero que você tenha gostado.

Referências

Post anteriores

  1. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/01/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2016-sp1-novo-argumento-use-hint-disponivel-para-query-hints/
  2. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/16/dica-do-mes-conhecendo-a-nova-dmf-sys-dm_exec_input_buffer-no-microsoft-sql-server-2016/

  3. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/11/28/dica-do-mes-sql-server-2016-sp1-comando-create-or-alter/

  4. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/10/24/dica-do-mes-sql-server-2016-obtendo-informacoes-sobre-o-cache-de-execucao-de-funcoes/

Conclusão

Administrar, gerenciar, cuidar e prover um ambiente sempre no melhor estado possível não é uma das atividades mais tranquilas e simples desempenhadas por profissionais ou administradores de banco de dados, mas também não pode ser considerada um “bicho de sete cabeças” ou uma “caixa preta” ainda mais quando este servidor de banco de dados utiliza o Microsoft SQL Server.

Neste post você pode observar que através do uso de alguns DMVs – Dynamic Management Views a Microsoft nos permite coletar, analisar e entender de forma visual e muito intuitiva como o um servidor ou instância SQL Server gerencia o que esta sendo processado por nossas aplicações, querys ou transações no que se relaciona aos seus componentes e recursos internas, algo que nos permite em diversas situações de administração ou manutenção tentar identificar o que pode estar ocorrendo, bem como, impactando em nosso ambiente.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, bom feriado, espero que neste momento você não esteja no seu trabalho tentando resolver problemas do seu servidor (kkkkk).

Valeu….

Novidades no Windows 10 Creators Update


Confira neste artigo algumas novidades no Windows 10 Creators Update (ou Windows 10 v1703), que foi lançado oficialmente hoje pela Microsoft.

Novidades no Windows 10 Creators Update

Uma das novidades no Windows 10 Creators Update é o suporte para conteúdo 3D. Esta atualização do Windows 10 inclui o novo aplicativo Paint 3D.

O aplicativo é baseado na Universal Windows Platform e além dos recursos básicos de edição de imagens e desenho, ele traz o suporte para criação de formas em 3D e interface otimizada para uso com telas sensíveis ao toque.

O aplicativo também suporta recursos “tradicionais” como recorte de imagens, inserção de textos, criação e formas 2D e outros.

Novidades no Windows 10 Creators Update

Com o Windows 10 Creators Update, o suporte para conteúdo 3D também estará presente no Microsoft Edge e no PowerPoint.

Os usuários poderão inserir objetos 3D em slides do PowerPoint e também é possível usar o zoom para visualizar detalhes específicos dos objetos.

No caso do Microsoft Edge, o HoloLens poderá utilizado para navegar por conteúdo 3D no navegador. Com o HoloLens, os objetos poderão ser “movidos” para fora do navegador para facilitar a interação.

Objetos em 3D também poderão ser obtidos em sites como o remix3d.com e através do próprio aplicativo Paint 3D.

Já que falamos em conteúdo 3D e HoloLens, o Windows 10 Creators Update traz a plataforma Windows Mixed Reality (ex-Windows Holographic). Com ela o sistema operacional suportará realidade aumentada com dispositivos como o HoloLens e realidade virtual com dispositivos que custarão a partir de US$ 299.

Isto significa que os fabricantes interessados em criar experiências de realidade virtual agora poderão usar o Windows 10 como plataforma para seus dispositivos.

Usuários com dispositivos compatíveis poderão usar o aplicativo Mixed Reality Portal como ponto de partida para a plataforma Windows Mixed Reality.

O Windows 10 Creators Update também traz diversas melhorias na experiência de instalação e atualização do sistema operacional. Durante a instalação “limpa” do Windows 10 com o Creators Update, a assistente pessoal Cortana poderá guiar o usuário durante algumas etapas do processo. Ela também suportará comandos de voz nesta etapa.

No caso da experiência de atualização, as novidades no Windows 10 creators Update incluem diversas novas opções para o agendamento da instalação das atualizações.

Por exemplo, você poderá reiniciar e instalar a atualização imediatamente, especificar exatamente quando a atualização será instalada e o PC reinicializado ou poderá clicar no botão Snooze, que interromperá o processo de atualização completamente por três dias caso você precise usar o PC de forma ininterrupta neste período:

Além disso, a seção Horário ativo foi melhorada para que o Windows não instale a atualização durante um horário que o usuário precisa do PC pronto para uso:

As atualizações precisarão de menos reinicializações do que no Windows 10 atual e os download das atualizações não causará mais um grande impacto na performance do PC.

As opções avançadas do Windows Update na edição Pro do sistema operacional também foram atualizadas e agora trazem mais opções:

Para quem usa o PC durante a noite, o Windows 10 inclui a nova opção Luz noturna. Esta opção ajuda a reduzir a emissão de luz azul quando o usuário utiliza o PC.

O usuário também pode definir quando a opção Luz noturna será ativada automaticamente (do início da noite ao início da manhã ou em um horário específico):


Sobre o Microsoft Edge, uma das novidades no Windows 10 Creators Update é o suporte nativo para ebooks no formato ePUB. O navegador suporta tanto livros protegidos, como os comprados através da Windows Store*, como os obtidos através de outras fontes:

*Disponibilidade pode variar dependendo da região.

O Microsoft Edge também traz diversas melhorias na navegação, como o suporte para visualização de abas abertas sem sair da atual e o suporte para “reserva de guias”.

Os usuários podem acessar as guias abertas clicando no botão “Mostrar visualizações de guias” :


Já a “reserva de guias” permite que você separe um conjunto de sites para visualização posterior. Para fazer isso, abra os sites que você quer separar e clique no botão “Reservar estas guias”:

Os sites que você separou poderão ser acessados clicando no botão “Guias que você reservou” e depois em “Restaurar guias”:


Na parte de segurança, o navegador traz o Windows Defender Application Guard, que ajuda a proteger o PC contra sites maliciosos e certos tipos de ataques na Web.

As empresas podem ativar este recurso, que utiliza tecnologia de virtualização, com Editor de Política de Grupo Local no Windows 10 Enterprise:

Para os gamers, o Windows 10 Creators Update traz a nova categoria Jogos no aplicativo Configurações:

Nela eles podem encontrar todas configurações relacionadas a jogos, incluindo DVR (para captura de imagens e gravações de vídeos de jogos), Barra de jogo, Streaming de jogos e o Modo de Jogo, que otimiza o Windows 10 para oferecer melhor performance durante as partidas:

O Windows 10 Creators Update introduziu a Central de Segurança do Windows Defender, que basicamente reúne as opções de segurança e outros recursos relacionados em um só lugar.

Se o usuário tiver uma solução antivírus de terceiros, a Central oferecerá acesso rápido e também oferecerá a opção para habilitar a verificação periódica do Windows Defender, que oferecerá uma camada extra de proteção:

Para as empresas, o Windows 10 Creators Update introduz diversas novidades no Windows Defender Advanced Threat Protection. Confira algumas delas aqui.

Sobre as melhorias com foco na privacidade,� confira este post da Microsoft.

Os usuários da plataforma de virtualização Hyper-V agora poderão utilizar o novo assistente para criação rápida de máquinas virtuais, o que agilizará o processo caso seja necessário criar múltiplas máquinas virtuais rapidamente.

Para abrir o assistente basta clicar em “Criação Rápida” no Gerenciador do Hyper-V:

Outras novidades no Windows 10 Creators Update incluem:

– Barra de endereços no Editor do Registro:

– Touchpad virtual:

– Mais opções de cores para personalização da interface:

– Suporte para download de temas na Windows Store:

– Suporte para pastas de aplicativos no menu Iniciar:

– Mais opções de personalização para o menu Iniciar:

– Bloqueio dinâmico:

– Sensor de armazenamento:

Estas são apenas algumas das novidades no Windows 10 Creators Update. A Microsoft já começou os trabalhos na próxima grande atualização do Windows 10, que é conhecida pelo codinome Redstone 3 e deve ser lançada até o final deste ano.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com  –

Microsoft lança o Windows 10 Creators Update


A Microsoft lançou hoje, 11 de abril, o Windows 10 Creators Update, terceira grande atualização para o novo sistema operacional da empresa.

A primeira, conhecida pelo codinome Threshold 2 (ou Windows 10 v1511), foi lançada em novembro de 2015. Já a segunda, conhecida como Windows 10 Anniversary Update (ou Windows 10 v1607) foi lançada em agosto de 2016.

Lançamento do Windows 10 Creators Update

O Windows 10 Creators Update, conhecido oficialmente como Windows 10 v1703, poderá ser obtido gratuitamente via Windows Update a partir desta terça-feira.

Ele também está disponível desde o dia 5 através do novo Assistente de Atualização e da Media Creation Tool, uma ferramenta que pode ser utilizada para a criação de uma nova mídia de instalação (ISO, DVD ou pendrive) e para atualização de uma instalação existente do Windows 10.

Microsoft lança o Windows 10 Creators Update

As ISOs do Windows 10 Creators Update também já estão disponíveis para os assinantes da MSDN e uma versão de avaliação do Windows 10 Enterprise v1703 pode ser obtida no TechNet Evaluation Center.

Sobre o Windows Update, é importante destacar que nem todos receberão a atualização imediatamente com este método. A disponibilidade terá início globalmente hoje para PCs, mas algumas regiões devem receber a atualização antes de outras. Já o Windows 10 Mobile Creators Update será lançado no dia 25 de abril.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com  –