Novidades sobre Xbox Scarllet apresentadas por Phil Spencer

Depois de uma E3 em que a Microsoft parece que conscientemente deixou muitas perguntas sem resposta, é certamente o homem que todos buscam explicações.

Alguns dias atrás, Spencer falou ao alemão PCGamesHardware, onde ele revelou uma série de pontos muito interessantes. É claro que ele também contribuiu com informações sobre o Xbox ScarlettApesar desse site alemão ser dedicado aos jogos de PC, o chefe da divisão do Xbox lida amplamente com os esforços da Microsoft em relação ao Windows, mas também teve tempo de falar sobre os consoles.

Nesta entrevista, ele apostou em trazer mais Xbox e Windows através do novo SDK de Redmond, com o qual os desenvolvedores podem tirar proveito do trabalho feito para uma das plataformas no outro, todos vimos como a conferência do Xbox se referia ao Xbox Scarlett como um hardware quatro vezes mais poderoso que o Xbox One X.

Bem, Spencer queria ressaltar que, com essa afirmação, eles se referiam diretamente à CPU:

“Quando declaramos que o console seria quatro vezes mais potente, nos referimos apenas à CPU. Seria um pouco simplista falar sobre a potência total do console, porque há muitos componentes que ainda não estão definitivos.”

                                      Phil Spencer – CEO da divisão Xbox.

Isso significa que já existe uma CPU decidida por Scarlett? Provavelmente não, mas esta é certamente a especificação mais próxima da final. Além disso, deixou claro que o console ainda está em preparação, então nem ele sabe ao certo o seu verdadeiro poder.

Spencer também relatou a importância de incorporar ao console o SSD, o que ele diz “pode ser usado por desenvolvedores quase como se fosse RAM“: 

“… Nosso objetivo principal com Scarlett era melhorar os recursos gráficos e a GPU do console. Agora estamos falando de 120 Hertz ou taxas de atualização variáveis. Porque se o tempo do loop do jogo – as principais rotinas de um jogo – corresponder à taxa de atualização, isso reduz a latência de entrada e, assim, garante uma experiência de jogo tranquila. E isso depende muito da largura de banda da CPU e da memória. É por isso que você tem que ver uma declaração como “Scarlett é x vezes mais rápido que o Xbox One X” um pouco mais diferenciado.”

Outro fato interessante, Phil Spencer adicionou que podemos ver versões melhoradas para o Xbox Scarlett dos jogos da geração atual no próximo, como aconteceu com os jogos da retrocompatibilidade. Ainda disse que diferentemente dos PCs, os consoles historicamente tinham GPUs fracas mas que mudar isso para ir além dos 30FPS.

Ficamos felizes em saber que a Microsoft e suas equipes estão construindo seu próximo console pensando não apenas em potência bruta , mas também para facilitar a vida dos desenvolvedores.

As expectativas é que esta máquina seja uma outra obra de arte para os fãs do Xbox, com certeza, uma forma de mostra que esta plataforma vai muito além de um “simples jogo”, representa a junção de todo potencial humana existente na construção de uma máquina em união das principais invoações tecnológicas para programação voltada para jogos.


Fontes e Direitos Autorais: PCGamesHardware.de – 05/07/2019.
Leia na integra acessando: https://www.pcgameshardware.de/Xbox-Next-Scarlett-Konsolen-268616/Specials/Phil-Spencer-Das-Mega-Interview-1293543/?utm_source=twitter.com&utm_campaign=sharebutton&utm_medium=social
Coautoria – WindowsClub.com.br

Autor: Junior Galvão - MVP

Profissional com vasta experiência na área de Tecnologia da Informação e soluções Microsoft. Pós-Graduado no Curso de Gestão e Engenharia de Processos para Desenvolvimento de Software com RUP na Faculdade FIAP – Faculdade de Informática e Administração Paulista de São Paulo. Graduado no Curso Superior em Gestão da Tecnologia de Sistemas de Informação pela Uninove – Campus São Roque. Formação MCDBA Microsoft, autor de artigos acadêmicos e profissionais postados em Revistas, Instituições de Ensino e WebSistes. Meu primeiro contato com tecnologia ocorreu em 1994 após meus pais comprarem nosso primeiro computador, ano em que as portas para este fantástico mundo se abriram. Neste mesmo ano, comecei o de Processamento de Dados, naquele momento a palavra TI não existia, na verdade a Tecnologia da Informação era conhecida como Computação ou Informática, foi assim que tudo começou e desde então não parei mais, continuando nesta longa estrada até hoje. Desde 2001 tenho atuado como Database Administrator – Administrador de Banco de Dados – SQL Server em tarefas de Administração, Gerenciamento, Migração de Servidores e Bancos de Dados, Estratégias de Backup/Restauração, Replicação, LogShipping, Implantação de ERPs que utilizam bancos SQL Server, Desenvolvimento de Funções, Stored Procedure, entre outros recursos. Desde 2008 exerço a função de Professor Universitário, para as disciplinas de Banco de Dados, Administração, Modelagem de Banco de Dados, Programação em Banco de Dados, Sistemas Operacionais, Análise e Projetos de Sistemas, entre outras. Experiência na Coordenação de Projetos de Alta Disponibilidade de Dados, utilizando Database Mirroring, Replicação Transacional e Merge, Log Shipping, etc. Trabalhei entre 2011 e 2017 como Administrador de Banco de Dados e Coordenador de TI no FIT – Instituto de Tecnologia da Flextronics, atualmente exerço a função de Professor Universitário na FATEC São Roque. CTO da Galvão Tecnologia, consultoria especializada em Gestão de TI, Administração de Servidores Windows Server, Bancos de Dados Microsoft SQL Server e Virtualização. Possuo titulação Oficial Microsoft MVP e reconhecimentos: MCC, MSTC e MIE.