Metodologia de desenvolvimento low-code terá mais adesão a partir de 2020

Segundo Jennifer Gill Portal ITForum365, esta nova tendência de desenvolvimento conquistará até os desenvolvedores da old-school.

Desenvolver software de maneira visual e mais rápida; permitir que profissionais de negócios participem do desenvolvimento, melhorar o time-to-market são alguns dos benefícios mais comentados quando se pensa em desenvolvimento low-code. No entanto, os beneficios vão muito além.

Image result for imagens low-code

As plataformas de código baixo (low-code) ajudarão a minimizar os impactos causados por escassez de desenvolvedores e cientistas de dados, à medida que as empresas poderão contar com mais profissionais durante o desenvolvimento de software. Tudo isso respeitando os limites e padrões estabelecidos pela governança, para evitar falhas e riscos as organizações. A tendência é que essas plataformas conquistem até os desenvolvedores mais experientes.

As plataformas de código baixo (low-code) são reconhecidas pela facilidade de utilização, o que permite aos profissionais de negócios desenvolverem suas próprias aplicações. Só que sem o envolvimento de profissionais de TI, as aplicações podem apresentar falhas e causar problemas de governança, manutenção e usabilidade. Para que TI e Negócio se beneficiem das plataformas de código baixo (low-code), ambos deverão respeitar os limites e práticas estabelecidas pela governança corporativa.

Image result for imagens low-code

A experiência do usuário (UX) não será mais uma reflexão tardia de código baixo

Tradicionalmente, os benefícios das plataformas de código baixo são a criação de software rápido, melhor e com menos recursos. Mas, como fica a UX real para o usuário final dessas aplicações? Parece que muitas ferramentas de código baixo se concentram na funcionalidade da aplicação primeiro, enquanto a interface se torna uma reflexão tardia – o que pode colocar em risco a permanência na competitiva economia digital de hoje. Em 2020, mais plataformas de código baixo procurarão trazer a experiência do usuário para a vanguarda do processo de desenvolvimento da aplicação. Novos templates reutilizáveis, fáceis de usar, componentes configuráveis e práticas recomendadas vão proporcionar que as organizações desenhem excelentes experiências para seus usuários finais.

Código baixo vence os programadores da velha escola

O código baixo foi criado para que qualquer pessoa possa criar software de uma maneira mais visual. Só que para muitos codificadores de longa data, essa abordagem parecia um acessório e não uma ferramenta para construção de software corporativo. A partir de 2020 esse estigma começará a mudar. O código baixo proporciona aos desenvolvedores a capacidade de criar e usar melhores práticas e modelos, para economizar tempo e esforço. Isso levanta a questão – “Eu quero construir tudo sozinho com métodos tradicionais ou reutilizar as melhores práticas?”

Image result for imagens low-codeEm 2020, mesmo os desenvolvedores mais experientes vão aderir ao código baixo, ao perceberem o valor de uma plataforma completa e poderosa para criação de software corporativo.

 

Para saber mais sobre Low-Code, acesse: https://www.umov.me/o-que-e-low-code-platform/


Fontes e Direitos Autorias: ITForum365 – Home – Colunas – 06/01/2020.
Leia na integra acessando: https://www.itforum365.com.br/desenvolvimento-low-code-tera-mais-adesao-a-partir-de-2020/

Autor: Junior Galvão - MVP

Profissional com vasta experiência na área de Tecnologia da Informação e soluções Microsoft. Pós-Graduado no Curso de Gestão e Engenharia de Processos para Desenvolvimento de Software com RUP na Faculdade FIAP – Faculdade de Informática e Administração Paulista de São Paulo. Graduado no Curso Superior em Gestão da Tecnologia de Sistemas de Informação pela Uninove – Campus São Roque. Formação MCDBA Microsoft, autor de artigos acadêmicos e profissionais postados em Revistas, Instituições de Ensino e WebSistes. Meu primeiro contato com tecnologia ocorreu em 1994 após meus pais comprarem nosso primeiro computador, ano em que as portas para este fantástico mundo se abriram. Neste mesmo ano, comecei o de Processamento de Dados, naquele momento a palavra TI não existia, na verdade a Tecnologia da Informação era conhecida como Computação ou Informática, foi assim que tudo começou e desde então não parei mais, continuando nesta longa estrada até hoje. Desde 2001 tenho atuado como Database Administrator – Administrador de Banco de Dados – SQL Server em tarefas de Administração, Gerenciamento, Migração de Servidores e Bancos de Dados, Estratégias de Backup/Restauração, Replicação, LogShipping, Implantação de ERPs que utilizam bancos SQL Server, Desenvolvimento de Funções, Stored Procedure, entre outros recursos. Desde 2008 exerço a função de Professor Universitário, para as disciplinas de Banco de Dados, Administração, Modelagem de Banco de Dados, Programação em Banco de Dados, Sistemas Operacionais, Análise e Projetos de Sistemas, entre outras. Experiência na Coordenação de Projetos de Alta Disponibilidade de Dados, utilizando Database Mirroring, Replicação Transacional e Merge, Log Shipping, etc. Trabalhei entre 2011 e 2017 como Administrador de Banco de Dados e Coordenador de TI no FIT – Instituto de Tecnologia da Flextronics, atualmente exerço a função de Professor Universitário na FATEC São Roque. CTO da Galvão Tecnologia, consultoria especializada em Gestão de TI, Administração de Servidores Windows Server, Bancos de Dados Microsoft SQL Server e Virtualização. Possuo titulação Oficial Microsoft MVP e reconhecimentos: MCC, MSTC e MIE.