Imagens do Windows 10 build 10240


Agora que a o Windows 10 build 10240 está disponível para os participantes registrados no Windows Insider Program, é hora de conferir algumas imagens.

AVISO: Essa build foi erroneamente considerada RTM nas últimas horas

Além das correções de bugs, este build também traz diversas melhorias no desempenho do navegador Microsoft Edge.

Em testes de desempenho como o WebKit Sunspider, Google Octane e Apple JetStream, o Microsoft Edge é 112%, 11% e 37% mais rápido que o Google Chrome, respectivamente.

O Windows 10 build 10240 disponibilizada para os participantes do Windows Insider Program só pode ser obtida via Windows Update. Imagens ISO não foram disponibilizadas.

Vale destacar que como a Microsoft adotou o modelo Windows as a Service (WaaS ou Windows como Serviço) com o Windows 10, o sistema operacional continuará recebendo novos recursos e funcionalidades além das atualizações e correções tradicionais.

Confira algumas imagens do Windows 10 (build 10240):

Imagens da versão final do Windows 10 (build 10240)
win10-rtm-10240-02
win10-rtm-10240-03
win10-rtm-10240-04
win10-rtm-10240-05
win10-rtm-10240-06
win10-rtm-10240-07
win10-rtm-10240-08
win10-rtm-10240-09
win10-rtm-10240-10
win10-rtm-10240-11
win10-rtm-10240-12
win10-rtm-10240-13
win10-rtm-10240-14
win10-rtm-10240-15
win10-rtm-10240-16
win10-rtm-10240-17
win10-rtm-10240-18
win10-rtm-10240-19
win10-rtm-10240-20
win10-rtm-10240-21
win10-rtm-10240-22
win10-rtm-10240-23
win10-rtm-10240-24
win10-rtm-10240-25

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – Sid Vicious @ 15 jul 2015 | 7:04 pm

Anúncios

Neste momento a Microsoft está apresentando uma nova versão do Windows 10


Neste momento a Microsoft está apresentando uma nova versão do Windows 10. Abaixo estão as principais novidades.

Novidades do Windows 10, HoloLens e Surface Hub

NOVIDADES DO WINDOWS 10

Novidades do Windows 10, HoloLens e Surface Hub: Windows 10

– Windows 10 será gratuito para usuários de Windows 8 e 8.1

– Windows 10 será gratuito para usuários do Windows 7 durante um ano

– O menu Iniciar agora pode ocupar toda a tela:

Novidades do Windows 10, HoloLens e Surface Hub: Menu Iniciar Tela Cheia

Novidades do Windows 10, HoloLens e Surface Hub: Menu Iniciar Tela Cheia

– Cortana está no Windows 10:

Novidades do Windows 10, HoloLens e Surface Hub: Cortana

– Ela inclusive encontra apps relacionadas com a pesquisa feita no desktop:

Novidades do Windows 10, HoloLens e Surface Hub: Cortana

– E também pode tocar uma música a pedido do usuário:

Novidades do Windows 10 - Cortana

– Cortana pode enviar um e-mail ditado pelo usuário(!):

Novidades do Windows 10 - Cortana envia e-mail

– Central de ações no Windows 10 pra dispositivos móveis é sincronizada com a do PC

– Painel de configurações agora é o mesmo nas duas versões (desktop e smartphone)

– Smartphone Nokia rodando Windows 10:

novidades-windows10-smartphone

novidades-windows10-smartphone2

– Windows 10 para dispositivos móveis é otimizado para smartphones e tablets com 8 polegadas ou menos

– Office com Word, Excel e PowerPoint virão pré-instalados em smartphones e tablets, inclusive com a opção de impressão via rede wifi

– Outlook rodando no Windows 10 em smartphone:

novidades-windows10-outlook

– Calendário e mensagens no Outlook para desktop e para smartphone: idênticos

novidades-windows10-outlook3

novidades-windows10-outlook2

– Nova Aplicação de fotos do Windows 10:

Novidades do Windows 10 - Fotos

– Novo navegador Projeto Spartan para Windows 10 com novo motor de renderização:

Novo navegador Projeto Spartan para Windows 10

– Ele permite anotações mesmo em desktop:

novidades-windows10-spartan2

– O novo navegador também permite selecionar uma área da página e compartilhá-la:

novidades-windows10-spartan3

– Ele também tem um modo de leitura que se foca apenas no conteúdo, permitindo compartilhar e até salvar para leitura offline:

novidades-windows10-spartan4

– Confirmando os rumores, o Spartan vai ter integração com a Cortana. Ele também abre arquivos PDF.

– Jogos no Windows 10 serão mais sociais e interativos através da nova App do XBOX

– novidades-windows10-xbox

novidades-windows10-xbox2

– Com Windows 10 é possível capturar 30s do jogo utilizando a tecla Windows + G:

Com Windows 10 é possível capturar 30s do jogo utilizando a tecla Windows + G

– Alguns jogos terão aumento de desempenho com DirectX 12 e consumo 50% inferior em comparação com DirectX 11:

Windows 10 com DirectX12

– Windows 10 também vai rodar no Xbox One

– É possível participar de um jogo do XBOX One com o Windows 10:

novidades-windows10-xbox4

– Será possível fazer streaming de jogos do Xbox One pra PCs e tablets com Windows 10. No exemplo abaixo o jogo foi enviado para o Surface Pro 3 e apresentado na TV:

Streaming de jogos do Xbox One pra PCs e tablets com Windows 10

novidades-windows10-xbox-

– Na próxima semana a Microsoft lançará um novo build do Windows 10. Uma versão para smartphones será disponibilizada em fevereiro

– A Microsoft criou um novo periférico: o Surface Hub, que é uma TV 84″ 4K touchscreen com sensores com WiFi, Bluetooth e NFC. Ele vem com Windows 10:

novidades-windows10-surface-hub

novidades-windows10-surface-hub2

– Skype For Business no Surface Hub:

novidades-windows10-surface-hub-skype-for-business

– Outra novidade apresentada é o Windows Holographic:

Novidades do Windows 10 - Windows Holographic

Novidades do Windows 10 - Windows Holographic

Novidades do Windows 10 - Windows Holographic

– As APIs do Windows Holographic já estão embutidas no Windows 10

Novidades do Windows 10 - Windows Holographic

 Microsoft HoloLens:

Microsoft Hololens

– Microsoft HoloLens utiliza CPU, GPU e um novo processador HPU ( Holographic Processing Unit) criado pela Microsoft.

microsoft-hololens-2

Apresentação ao vivo do HoloLens:

microsoft-hololens-3

microsoft-hololens-4

– Quadricóptero criado pelo Holo Studio, aplicação da Microsoft para criação de hologramas:

microsoft-hololens-5

– Aplicação para HoloLens criada pela Microsoft e JPL (Jet Propulsion Laboratory da NASA) permite emular Marte:

microsoft-hololens-jpl

Fontes e Direitos Autorais: BABOO @ 21 JAN 2015 | 3:27 PM

Curiosity leva software com bug para Marte


Selfie do Curiosity

Um bug potencialmente perigoso foi encontrado em software de 20 anos considerado tão confiável que é usado até jipe-robô Curiosity, que está em Marte.

Segundo informações do jornal The Telegraph, o software Lempel-Ziv-Oberhumer (LZO) é uma criação de Markus Oberhumer. Ele é capaz de comprimir dados e descompactar as informações posteriormente em alta velocidade. A fama do algoritmo é tão grande que é muito usado em empresas, smartphones com Android, em aviões e até em carros como a base de outros aplicativos.

Essa semana, Oberhumer surpreendeu o mundo ao lançar uma nova versão do aplicativo. Em seu site, ele alerta que todas as versões anteriores estavam suscetíveis à negação de serviço e “buffer overrun”. Isto significa que um cracker podia inserir um código malicioso que poderia ser executado quando o software tentasse abrir o arquivo.

Por ter o código aberto e ser um aplicativo amplamente usado pelo mundo, essa falha representa um grande problema. Segundo o The register, o impacto mais grave será em plataformas de mídia populares, como o VLC Media Player.

A segurança de usuários de aplicativos como esse pode estar comprometida durante a reprodução de filmes ou de áudios. Por isso, é recomendável atualizar os aplicativos.

Fontes e Direitos Autorais: , de INFO Online – 27/06/2014 11h56.

Mudanças climáticas não são causadas só pelo homem


Mudança climática

Todas as pessoas serão atingidas pelas mudanças climáticas. Essa é a principal mensagem da segunda parte do mais recente relatório divulgado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

O capítulo 18 do documento é dedicado a compreender as causas das mudanças observadas – sejam elas devidas ao aquecimento global ou a outras forças. Segundo a professora da Universidade de São Paulo (USP) Maria Assunção Silva Dias, uma das principais autoras do capítulo, entender quais são os responsáveis pelas mudanças de hoje é a melhor forma de se preparar para o futuro.

Leia, abaixo, a continuação da entrevista exclusiva que o Planeta Sustentável fez com a pesquisadora.

Quais são os maiores desafios ao detectar os impactos das mudanças climáticas?
Os grandes desafios são analisar os dados de forma a separar o que é causado pelo aquecimento global e o que tem a ver com outros fatores.

Se você analisar a temperatura de uma cidade como São Paulo, por exemplo, verá que ela aumentou bastante durante os últimos cem anos, porque a cidade cresceu. Quanto disso é devido ao aquecimento global? Apenas uma pequena parcela. Quanto é influência do crescimento da cidade?

O maior desafio é separar, é dizer qual é a parcela que cabe a cada um dos possíveis fatores.

É possível atribuir um único evento, como um surto de doença ou a extinção de uma espécie, à mudança do clima?
No caso das doenças, é difícil, porque há uma variabilidade grande e há uma grande dependência do clima. Dengue é um exemplo disso. Se você tem períodos quentes e muita chuva, aumenta a incidência de dengue. Mas isso acontece com variabilidade de um ano para outro, porque há anos mais chuvosos e outros menos. A tendência do longo prazo que é possível detectar mistura tudo isso.

Aliás, mistura também as medidas que podem ter sido tomadas para diminuir a incidência de dengue. Se todas as campanhas de conscientização da população – como as que dizem para não deixar a água parada – forem bem sucedidas, por exemplo, terão efeito na redução da incidência da doença. Ao verificar os dados e ver que a dengue diminuiu, é preciso saber se foi por causa da campanha.

Quanto à extinção de espécies, dou mais um exemplo: nas regiões costeiras há lugares em que houve emissão submarina de esgoto, o que causa um dano enorme para a população de peixes. Então, ao analisar os dados, verifica-se que a população de peixes diminuiu. Mas é porque o mar está mais quente, porque a poluição está matando os peixes ou é porque a pesca predatória está reduzindo a população?

Todos esses aspectos são levados em conta e só se chega a uma conclusão de que houve, de fato, um impacto da mudança do clima em um determinado setor quando você descarta os outros efeitos que poderiam explicá-lo.

Por que é importante avaliar todos os aspectos das alterações climáticas e não apenas impactos da mudança do clima antropogênica?
Porque boa parte da variabilidade que vemos no clima é atribuída a causas naturais. É preciso olhar para o passado da Terra – não precisa nem ir muito longe, de centenas de anos a mil anos basta – para ver que houve diferentes situações de desequilíbrios climáticos. O problema é que ficamos muito focados apenas nos últimos anos, lembrando só dos anos recentes, de quando éramos crianças.

Na verdade, é preciso olhar numa escala muito maior, porque o clima é variável, não é fixo. Nunca foi constante em lugar algum da Terra. Então, não se podem atribuir de cara à mudança climática provocada pelo homem as coisas que estamos vendo hoje.

Fontes e Direitos Autorais: , de Planeta Sustentável – 02/05/2014 11h02 – Atualizado em 02/05/2014 11h03.

Kepler-78b, uma Terra infernal que fascina astrônomos


kepler

O exoplaneta Kepler-78b certamente é um inferno com temperaturas que oscilam entre 1.500 e 3.000°C, mas para os astrônomos tem a característica particularmente interessante de possuir tamanho e composição muito parecidos aos do nosso planeta.

Dito de outra forma, este quase irmão gêmeo do nosso planeta nunca será habitável pelo ser humano, mas alimenta a esperança de um dia ser encontrada uma “Terra bis” entre os bilhões de exoplanetas presentes na galáxia.

Lançado em 2009 pela Nasa, o telescópio espacial Kepler descobriu, durante sua missão, bilhões de candidatos possíveis entre os planetas rochosos.

No entanto, embora seja relativamente fácil determinar seu tamanho, é muito mais complicado conhecer suas características.

Kepler-78b é uma exceção à regra porque está em órbita muito perto do sol – daí sua temperatura infernal -, em torno do qual faz uma volta completa em apenas oito horas e meia.

Essa particularidade permitiu a duas equipes diferentes de astrônomos observar o exoplaneta e calcular sua massa, entre 1,69 e 1,86 vez a da Terra, segundo estudos publicados esta quarta-feira na revista Nature.
David A. Aguilar (CfA)

kepler

O exoplaneta Kepler-78b certamente é um inferno com temperaturas que oscilam entre 1.500 e 3.000°C, mas para os astrônomos tem a característica particularmente interessante de possuir tamanho e composição muito parecidos aos do nosso planeta.

Dito de outra forma, este quase irmão gêmeo do nosso planeta nunca será habitável pelo ser humano, mas alimenta a esperança de um dia ser encontrada uma “Terra bis” entre os bilhões de exoplanetas presentes na galáxia.

Lançado em 2009 pela Nasa, o telescópio espacial Kepler descobriu, durante sua missão, bilhões de candidatos possíveis entre os planetas rochosos.

No entanto, embora seja relativamente fácil determinar seu tamanho, é muito mais complicado conhecer suas características.

Kepler-78b é uma exceção à regra porque está em órbita muito perto do sol – daí sua temperatura infernal -, em torno do qual faz uma volta completa em apenas oito horas e meia.

Essa particularidade permitiu a duas equipes diferentes de astrônomos observar o exoplaneta e calcular sua massa, entre 1,69 e 1,86 vez a da Terra, segundo estudos publicados esta quarta-feira na revista Nature.

 

kepler

 

Isso dá a ele uma densidade quase idêntica à da Terra, ou seja, 5,5 gramas por centímetro cúbico.

Essa densidade indica que Kepler-78b, assim como o planeta Terra, provavelmente é formado por rochas de ferro.

Embora no estado atual dos conhecimentos não haja possibilidade alguma de vida em sua superfície, o “Kepler-78b constitui um sinal animador para a busca de mundos habitáveis fora do nosso sistema solar”, resumiu Drake Deming, astrônomo da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, em um comentário em separado publicado na Nature.

Segundo o astrônomo, a existência desse planeta hostil “tem pelo menos o mérito de mostrar que planetas extrassolares com uma constituição semelhante à da Terra não constituem um fato extraordinário” na Via Láctea e que é possível encontrar algumas com critérios mais compatíveis com alguma forma de vida.

Fontes e Direitos Autorais: AFP – 30/10/2013 21h08 – Atualizado em 31/10/2013 10h51.

Desmatamento na Amazônia sobe 35% em um ano


desmatamento

São Paulo – O acumulado da perda de floresta na Amazônia entre agosto do ano passado e julho deste ano subiu pela primeira vez em 5 anos e ficou 34,84% superior à taxa do mesmo período do ano passado. O número se baseia na análise amostral realizada pelo sistema Deter, do Inpe, a partir de alertas de corte raso e de degradação – não configurando, portanto, o consolidado do ano, que o governo só costuma divulgar em novembro. Mas é o sinal mais categórico de que a principal política ambiental do País não está sendo mais tão eficiente.

No período houve uma perda de 2.765,62 km² de floresta, contra 2.050,97 km² entre agosto de 2011 e julho de 2012. O mês mais grave foi maio, quando houve perda de 464,96 km². Após o pico, medidas de comando e controle se intensificaram e em junho o desmate ou a degradação ocorreram em 210,4 km². Em julho voltou a subir um pouco, chegando a 217,45 km². No total, o ano acumulou alta pela primeira vez desde 2008.

O revés se dá um ano depois de o País registrar a taxa de desmatamento mais baixa da história do monitoramento, motivo, aliás, que fez representantes brasileiros serem aplaudidos nas negociações internacionais de mudanças climáticas. Isso porque a perda da Amazônia é o setor que mais contribuiu historicamente para as emissões de gases estufa do Brasil. Sua queda vem permitindo que o País chegue bem perto das metas voluntárias que estabeleceu para reduzir suas emissões até 2020. De agosto de 2011 a julho de 2012 a taxa de desmate caiu 29% em relação ao período anterior, chegando a 4.571 km².

Fontes e Direitos Autorais:  – 10/09/2013.

Brasil deve repensar estratégia de defesa para evitar espionagem


Dilma
A presidente Dilma Rousseff foi alvo de espionagem por parte do governo americano

São Paulo – A denúncia de que a presidente Dilma Rousseff também foi alvo de espionagem por parte do governo americano gerou uma resposta imediata das autoridades brasileiras. Nesta segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, afirmou em coletiva de imprensa que a vigilância cometida pela NSA é inadmissível.

A reação do chanceler brasileiro também foi acompanhada pelo Poder Legislativo. O deputado federal Nelson Pellegrino, presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, considerou que o fato deve ser levado para discussão no Conselho de Segurança da ONU. “É bom lembrar que esse esquema mobiliza 60 mil pessoas, sendo que de 3 a 4 mil funcionários manuseiam informações estratégicas, inclusive terceirizados, como era o caso de Edward Snowden”, disse o deputado para a INFO.

“É necessário discutir essa questão com a Anatel. Não podemos apenas reclamar com os Estados Unidos, devemos nos proteger, investindo na defesa de informações e na criptografia das comunicações”, afirmou o parlamentar.

Os documentos que revelam a vigilância dos Estados Unidos foram divulgados no programaFantástico, da Rede Globo, no último domingo. Com colaboração do jornalista Glenn Greenwald, que vive no Rio de Janeiro e recebeu documentos de Snowden, a reportagem afirmou que assessores próximos da presidente também foram alvos do programa de espionagem.

Para Gilberto Maringoni, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC), o Brasil é alvo de espionagem por conta de seu protagonismo na América Latina. “Como potência regional, o país não é submisso à política externa americana e buscou posições autônimas nos últimos anos. Além disso, há questões estratégicas, como as do pré-sal”, afirmou a INFO.

De acordo com o professor, o sistema de telecomunicações brasileiro amplifica a vulnerabilidade da defesa nacional. “Com a privatização das empresas estatais, é impossível controlar o sigilo de dados estratégicos. É necessário criar um canal de circulação de informações, com um provedor público e satélites próprios, para que as informações não fiquem na mão de qualquer empresa.”

Apesar de não ser uma informação confirmada pelo chanceler, é provável que a presidente não realize uma visita oficial a Washington, marcada para o mês de outubro, caso os Estados Unidos não se posicionem claramente sobre o programa de espionagem.

Fontes e Direitos Autorais: , de INFO Online • terça, 03 de setembro de 2013 – 08h00.

Telescópio Hubble revela detalhes de exoplaneta


exoplaneta
De um azul cobalto profundo, sua cor se assemelha à da Terra vista do espaço

Paris – De um azul cobalto profundo, sua cor se assemelha à da Terra vista do espaço: pela primeira vez, astrônomos utilizando o telescópio espacial Hubble conseguiram determinar a verdadeira cor de um exoplaneta.

Mas a semelhança acaba aqui: localizado a 63 anos-luz de nosso planeta azul (600.000 bilhões de km), na constelação da Raposa (Vulpecula), este exoplaneta chamado HD 189733b é um gigante de gás, perfeitamente inóspito à vida, em órbita muito próxima à de sua estrela.

Sua atmosfera é quente, com um temperatura de mais de 1.000 graus Celsius. É varrido por ventos de 7.000 km/h e “chove vidro”, segundo um comunicado da Agência Espacial Europeia (ESA).

HD 189733b é um dos exoplanetas mais próximos da Terra, que podem ser observados quando passa em frente as suas estrelas: durante este trânsito, os planetas imprimem sua assinatura na luz da estrela, que é analisada com a ajuda de espectrógrafos.

O HD 189733b já foi bastante estudado pelo Hubble e outros telescópios. Mas pela primeira vez, graças ao Hubble, uma equipe liderada por Frédéric Pont (Universidade de Exeter, no Reino Unido) conseguiu atribuir cor a um planeta fora do sistema solar.

Para determinar sua cor, os astrônomos mediram a quantidade de luz refletida na superfície de HD 189733b, uma propriedade chamada “albédo”.

A medição da cor “é uma verdadeira novidade”, ressaltou o pesquisador, citado em um comunicado da ESA. “Nós podemos imaginar como este planeta se pareceria se pudéssemos observá-lo diretamente”, acrescentou.

Mas a cor azul do planeta não vem da reflexão de um oceano tropical… Deve-se a uma atmosfera gasosa e turbulenta, composta principalmente de hidrogênio e carregada de partículas de silicato, que transmite luz azul.

Observações anteriores, utilizando métodos diferentes, já haviam identificado uma difusão de luz azul sobre este planeta, mas as últimas observações do Hubble, publicadas na revista Astrophysical Journal Letters, confirmam esta impressão.

“É difícil saber exatamente o que dá cor à atmosfera de um planeta, mesmo para os planetas do sistema solar”, observou Frédéric Pont. “Mas estas novas observações adicionam uma peça ao quebra-cabeça sobre a natureza e a atmosfera de HD 189733b. Nós traçamos um quadro mais completo deste planeta”, acrescentou.

O planeta HD 189733b é um exoplaneta do tipo “Júpiter-quente”. Os Júpiter-quentes são gigantes gasosos que orbitam muito perto de suas estrelas-mãe. HD 189733b está muito perto de sua estrela, apenas 1/30th da distância entre o Sol e a Terra. Mesmo Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol, está 10 vezes mais longe.

O HD189733b gira em torno de sua estrela em 53 horas e é cerca de 10% maior e com mais massa do que Júpiter.

Desde o início dos anos 1990, quase 900 planetas orbitando em torno de outras estrelas que não o nosso Sol foram descobertos, segundo os últimos dados da Nasa. Estatisticamente, recentes estudos consideram que poderiam existir no total vários milhões no Universo.

Lançado em 1990, o telescópio espacial Hubble é um projeto em cooperação internacional entre a ESA e a NASA.

Fontes e Direitos Autorais:  • quinta, 11 de julho de 2013 – 16h44.

Ministério da Defesa quer usar parte da faixa 4G


São Paulo – O Ministério da Defesa sinalizou a intenção de obter uma parte da faixa de frequência 700 MHz da rede 4G. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

 

A pasta pretende utilizar essa parte da faixa para incluir um sistema exclusivo de comunicação com tráfego de voz, dados e imagens, fortalecendo a segurança pública do país e sem a necessidade de contratar os serviços das operadoras de telefonia.

A faixa de 700 MHz, atualmente utilizada por canais de TV que transmitem programação em UHF, deve ser licitada em 2014 e será destinada a serviços de banda larga móvel 4G.

 

A solicitação do Ministério da Defesa foi enviada à Anatel, que irá agora submeter o pedido à sua área técnica e ao conselho diretor. Se for aprovada, será preciso alterar a regulamentação do uso da faixa.

 

No entanto, o governo, por meio do Ministério das Comunicações, não pretende modificar o planejamento para a faixa 700 MHz, que prevê a divisão da frequência apenas entre as teles.

 

A pasta das comunicações propõe duas soluções: que o sistema da Defesa seja implantado apenas nas áreas de fronteiras. Ou que os órgãos de segurança aceitem utilizar uma nova frequência para o serviço.

 

A segunda opção, porém, não deve ser aceita pela Defesa, pois a pasta já teria desenvolvido um modelo de serviço em parceria com a Motorola Solutions. E modificar o sistema para operar em outra frequência sairia mais caro e poderia levar até cinco anos para ser finalizado.

 

A faixa de 700 MHz é disputada pela pasta da Defesa desde 2012, quando a Anatel ainda realizava os estudos de viabilidade técnica. Uma resolução sobre este impasse deve sair apenas previamente ao leilão da frequência em 2014.

Fontes e Direitos Autorais: 

, de INFO Online 

• Quinta-feira, 16 de maio de 2013 – 10h07.

Voyager-1 não saiu do Sistema Solar, diz Nasa


São Paulo – Ao contrário do que a União Geofísica Americana afirmou na quarta-feira (20), a sondaVoyager-1 não saiu do Sistema Solar. Um novo comunicado da Nasa nega que a sonda tenha entrado em uma área do espaço além da influência do Sol.

 

O cientista do projeto Voyager, Edward Stone afirma na nota que é um consenso da equipe científica que a Voyager-1 não saiu do Sistema Solar ou alcançou o espaço interestelar. A sonda está apenas em uma nova região.

União Geofísica Americana modificou o texto divulgado anteriormente, em que afirmava que a sonda tinha saído do Sistema Solar. Porém, o comunicado não especifica quais itens foram alterados na nota.

 

Tanto o texto da União Geofísica Americana quanto o da Nasa falam sobre a mudança de região da sonda. A equipe responsável pela Voyager-1 afirma que a sonda está dentro de uma nova região, mas é preciso que haja uma mudança na direção do campo magnético para que a Nasa confirme que a sonda saiu do Sistema Solar.

 

O professor de astronomia na Universidade Estadual do Novo México, Bill Webber diz que a sonda está em uma nova região, fora da heliosfera normal. A afirmação de Webber está na nota da União Geofísica Americana. Os resultados da pesquisa serão publicados na revista Geophysical Research Letters.

 

Lançada em 1977, a Voyager-1 foi criada para estudar os planetas mais afastados da Terra junto com a sua irmã, a Voyager-2. As duas sondas foram lançadas com um mês de intervalo e seguem em bom estado. Principalmente se for levado em consideração que elas passaram por Júpiter, suportaram o frio por estar longe do Sol e passaram por radiações perigosas.

 

As fontes de energia das sondas são feitas de plutônio e devem parar de produzir eletricidade entre 10 a 15 anos. A duas transportam discos de cobre banhados a ouro com gravações em 60 línguas, amostras de música de várias culturas, sons naturais da Terra ou produzidos pelo homem.

Fontes e Direitos Autorais: 

, de INFO Online 

• Quinta-feira, 21 de março de 2013 – 15h30.