Microsoft libera o .Net Core v2.0.5


A Microsoft disponibilizou para download nesta semana o .NET Core v2.0.5. Esta versão pode ser utilizada para desenvolvimento via linha de comando, editor de texto, Visual Studio 2017, Visual Studio Code ou Visual Studio for Mac.

O .NET Core é uma versão modular, multiplataforma e open-source do .NET Framework. O SDK (kit para desenvolvimento de software) v2.1.4 e o .NET Core Runtime v2.0.5 para Windows estão disponíveis para download aqui.

Na mesma página é possível encontrar o .NET Core e outros downloads para Linux e macOS. Instruções para instalação em diferentes distribuições do Linux estão disponíveis no link acima.

Imagens da versão 2.0.5 do .NET Core também estão disponíveis no Docker Hub. Elas podem ser usadas no Linux e no Nano Server.

Microsoft disponibiliza o .NET Core v2.0.5
A Microsoft disponibilizou para download nesta semana o .NET Core v2.0.5. Esta versão pode ser utilizada para desenvolvimento via linha de comando, editor de texto, Visual Studio 2017, Visual Studio Code ou Visual Studio for Mac

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com –  11 jan 2018 | 9:42 am.

Anúncios

Microsoft anuncia o lançamento do Powershell Core 6.0


A Microsoft anunciou nesta semana a disponibilidade do PowerShell Core 6.0, uma versão multi-plataforma e open-source do PowerShell, para Windows, macOS e Linux.

Apesar do “6.0” no nome, esta é a primeira versão oficial do PowerShell Core.

A versão para Windows do PowerShell Core 6.0 é compatível com o Windows 7, Windows 8.1, Windows 10, Windows Server 2008 R2, Windows Server 2012 R2 e Windows Server 2016.

A versão para macOS é compatível com a versão 10.12 e posteriores e a versão para Linux é compatível com distribuição como Ubuntu, CentOS, Red Hat Enterprise Linux, OpenSUSE e Fedora.

Assim como o .NET e o .NET Core, o PowerShell Core é uma versão open-source do PowerShell. A Microsoft não pretende mais lançar novas versões do Windows PowerShell “normal”, com a 5.1 sendo a última*.

*Ela continuará recebendo correções durante seu ciclo de vida, mas a 5.1 é a última grande versão do Windows PowerShell.

O PowerShell Core também pode ser usado mesmo em sistemas com o Windows PowerShell instalado.

Alguns recursos suportados pelo Windows PowerShell, como PowerShell Workflows, Snap-ins e cmdlets WMlv1, não são suportados no PowerShell Core 6.0, mas isso pode mudar no futuro.

O PowerShell Core será atualizado regularmente pela Microsoft.

Microsoft lança o PowerShell Core 6.0

A empresa anunciou seu plano de tornar o PowerShell open-source e compatível com macOS e Linux em 2016. A empresa também disponibilizou uma versão de testes na época.

Profissionais de TI interessados podem obter mais informações no post com o anúncio da versão 6.0 publicado aqui pela Microsoft.

Instruções para download e instalação do PowerShell Core 6.0 no Windows podem ser encontradas aqui. Já as instruções para download e instalação no macOS e Linux estão disponíveis aqui.

Fontes e Direitos Autorais: PowerShell Team Blog – 10/01/2018.

#19 – Para que serve


Salve galera, boa tarde.

Feliz Ano Novo, Feliz 2018, o tempo passou e hoje dia 02/01 nos encontramos no primeiro dia útil para grande maioria da população mundial, mas que dureza pensar que temos mais 365 dias pela frente para superarmos, por outro lado que bom pensar assim.

Neste primeiro post de 2018 não vou trazer nenhuma novidade relacionada ao Microsoft SQL Server ou banco de dados, mas sim compartilhar como faço em alguns momentos, conceitos já conhecidos da grande maioria.

Hoje quero trazer para vocês um dos assuntos mais discutidos quando estamos trabalhando com nossos servidores de banco de dados, estou me referindo ao período de processamento do comando select dentro de um bloco de transação conhecido como Ciclo de Vida de Query através do comando Select.

Sendo assim, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre o primeiro post de 2018, post de número 19 da sessão Para que serve. Entã seja bem vindo ao #19 – Para que serve – Ciclo de Vida de Query através do comando Select.


Introdução

Um dos comandos mais utilizados em qualquer Sistema Gerenciador de Banco de Dados ou propriamente um Banco de Dados é o comando Select, sendo este responsável em recuperar linhas do banco de dados e permite a seleção de uma ou várias linhas ou colunas de uma ou várias tabelas, no Microsoft SQL Server isso não é diferente.

Basicamente ao se executar um comando Select podemos estar trabalhando com uma simples query ou conjunto de querys que podem formar uma ou mais transações, é com base neste cenário que o comando Select composto por sua conjunto de argumentos e opções permite estabelecer um ciclo de vida dedicado exclusivamente ao seu período de compilação, execução e encerramento.

Desta forma, algumas perguntas podem surgir decorrentes do seu processo de processamento, dentre as quais destaco:

  1. Quais são as etapas para o processamento de um select? 
  2. Onde inicia e onde termina cada processo?

De uma maneira bastante simples e direta vou tentar responder estas questões, iniciando pela organização da estrutura de componentes utilizadas pelo comando Select, conhecidos como:

  • Relation Engine;
  • Storage Engine; e
  • Buffer Pool.
  1. Relational Engine é responsável pelos processos de Query Optmizer, Query Executor e Parse entre outros, avaliando toda a parte algébrica, sintaxe e plano de execução da Query.
  2. Storage Engine é o cara do I/O, responsável pelo gerenciamento e requisições de disco, alocações, Access Methods Code, Buffer Manager e Transaction MGR.
  3. Buffer Pool tem vários papeis, mas, um dos mais importantes é o gerenciamento de memória para o plano de execução e alocação de páginas no data cache.

A Figura 1 apresentada abaixo ilustra um modelo básico da estrutura de relação entre estes componentes:

Figura 1 – Estrutura dos componentes utilizados pelo comando select.

Logicamente, dentro de cada componente podemos encontrar diversos subcomponentes que formam sua estrutura, responsáveis por diversas ações e procedimentos, formando um ecossistema único para cada elemento, dentre eles destaco o Query Optimizer com suas diversas fases de otimização para gerar o plano de execução mais assertivo.

O Ciclo (Select)

O primeiro passo é estabelecer a conexão entre aplicação (ERP, CRM, Web, etc…) e o SQL Server. Para isso, é utilizado um protocolo chamado Network Interface (SNI). No fundo o SNI utiliza um outro protocolo, na verdade, podem existir vários protocolos e o mais conhecido é o famoso TCP/IP.

A Figura 2 abaixo ilustra o inicio do ciclo de vida do comando select através do acesso feito por uma aplicação:

Figura 2 – Representação do inicio do ciclo de vida do comando select.

Ao realizar a conexão através da comanda e do protocolo (TCP/IP), os pacotes TDS (Tabular Data Stream Endpoints) são encaminhados ao Protocolo Layer, que tem como papel “reconhecer e interpretar” o pacote e validar a informação, assim como sua origem (client). Após isso o conteúdo (SQL Command) do pacote é enviado ao Command Parse.

A Figura 3 apresenta o comportamento do Command Parse após o processo de reconhecimento e interpretação do pacote contendo o comando select ser realizado:

Figura 3 – Comportamento do Command Parse após o processo de reconhecimento dos pacotes.

Neste cenário o CMD Parser vai fazer o seu trabalho, primeiro validando o T-SQL, checando sintaxe, nomes de objetos, parâmetros, palavras chaves. A segunda parte é procurar no Buffer Pool se já existe um plano de execução compatível para está query, se sim, ele recupera este plano e executa (Query Executor), caso contrário, passa o result da análise (Query Tree) para o Query Optmizer que é o responsável por gerar o Execution Plan (plano de execução) que será usado na execução (próxima etapa) do ciclo.

Ao receber as instruções o Query Optimizer,  identifica a query realizando diversas etapas (fases 0,1,2) de otimização, afim de encontrar o plano mais eficiente, com base no “cost-based” (I/O, CPU). Nesta etapa as estatísticas são utilizadas servindo como Input de informação para tomada de decisão do Query Optimizer. Após o termino desta etapa, o plano de execução está pronto, passando o bastão para o Query Executor

O Query Executor é quem executa a Query, na verdade ele executa o plano de execução, colocando os operadores para trabalhar. É neste ponto também que ocorre a interação com a Storage Engine via interface Access Methods (OLE DB).

Seguindo em frente, Access Methods passa a solicitação para o Buffer Manager recuperar a página de dados, se a página especifica estiver em memória, o Buffer Pool solicita ao Data Cache que recupere a pagina, e retorna ao Access Methods (leituras logicas). Ao contrário, os dados são recuperados do disco (leituras físicas), colocados em cache e devolvendo o controle para o Access Methods. 

De posse dos dados, o Access Methods devolve a informação para o Relational Engine que será enviada ao Client que a solicitou, assim o resultando do comando select é apresentado na tela da aplicação exibindo assim os dados solicitados pelo usuário. Desta maneira, nosso ciclo ou melhor o ciclo de vida do comando select esta concluído, conforme a Figura 4 apresenta abaixo:

Figura 4 – Ciclo de vida do comando select concluído e dados apresentados para o usuário.

Com isso chegamos ao final do primeiro post de 2018 e post de número 19 da sessão Para que serve.


Referências

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/queries/select-transact-sql

https://technet.microsoft.com/en-us/library/ms189559(v=sql.90).aspx

http://www.sqlservergeeks.com/sql-server-architecture-part-2-the-relational-engine/

https://blogs.msdn.microsoft.com/tcaserta/2016/01/04/sql-server-fundamentos-storage-engine-parte-i/

https://blogs.msdn.microsoft.com/tcaserta/2016/01/04/sql-server-fundamentos-storage-engine-parte-i/

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/12/15/18-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/11/24/17-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/10/01/16-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/28/15-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/30/14-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/25/13-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

Conclusão

Como sempre a Microsoft e toda sua equipe nos surpreende com sua capacidade de trabalho, fortalecendo cada vez mais o Microsoft SQL Server não somente com um SGBD ou ferramenta de banco de dados, mas sim um ambiente completo para qualquer tipo de análise, desenvolvimento e administração que esteja relacionada com dados.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, surpreendente em todos os sentidos…

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua ilustre visita, sinto-me honrado com sua presença, espero que este conteúdo possa lhe ajudar e ser útil em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Um forte abraço, até o próximo post da sessão Para que serve…..

Valeu.

Microsoft adiciona versão Beta do cliente OpenSSH no Windows 10 v1709


Desenvolvedores e profissionais de TI interessados já podem testar o cliente OpenSSH no Windows 10 v1709 (o Windows 10 Fall Creators Update).

Em 2015 a empresa anunciou que estava trabalhando para incluir o suporte nativo para OpenSSH no Windows. SSH ou Secure Shell é uma ferramenta de linha de comando presente no UNIX e em distribuições do Linux usada para realização de conexões criptografadas a servidores remotos.

Além do cliente, o servidor OpenSSH também está presente como versão Beta no Windows 10 v1709. O detalhe é que ambos precisam ser habilitados manualmente.

Como habilitar a versão Beta do cliente OpenSSH no Windows 10 v1709

Para habilitar a versão Beta do cliente OpenSSH no Windows 10 v1709, siga os passos abaixo:

– Abra o aplicativo Configurações e clique em Aplicativos:


– Em Aplicativos e recursos clique no link Gerenciar recursos opcionais:


– Clique no botão Adicionar um recurso:


– Você verá o cliente e o servidor OpenSSH Beta na lista. Clique no item desejado e depois em Instalar:


Microsoft inclui versão Beta do seu cliente OpenSSH no Windows 10 v1709

 

#17 – Para que serve


Olá você, boa noite.

Tudo bem? Este é mais um post da sessão Para que serve, plena sexta – feira, enquanto meus alunos da Fatec São Roque estão quebrando a cabeça e gastando um pouco dos neurônios na resolução de exercícios, estou aqui para compartilhar um pouco do conhecimento adquirido nos alguns dias.

Quando eu falei sobre conhecimento adquirido, estou me referindo a algumas novidades adicionadas na nova versão do Microsoft SQL Server, neste caso mais especificamente a versão 2017. E ai você já realizou o download? Espero que a resposta seja positiva e você já esteja utilizando, pois caso contrário o post de hoje talvez não seja a solução da dúvida ou problema que você esta esperando.

Mas antes de falar do post, vamos destacar um pouco sobre o Microsoft SQL Server 2017. Acredito que você deva saber que no último mês de outubro, a Microsoft realizou mais um lançamento de uma nova versão do Microsoft SQL Server, estou me referindo a versão 2017. Por acaso você estão utilizando esta nova versão? Caso ainda não tenha feito, aproveite e faça agora mesmo acessando o link: https://www.microsoft.com/en-us/sql-server/sql-server-2017.

Se você, assim como eu realizou o download no mesmo dia do lançamento, ou seja, dia 02/10, pode ter um certo tempo para notar que a cada nova versão, o produto esta evoluindo, tanto no seu processo de instalação que realmente é fantástico e muito prático, como também, na quantidade de recursos, funcionalidades e componentes internos apresentados a partir desta da versão 2017.

Voltando para o post de hoje, como de costume a cada nova versão a Microsoft em conjunto com o seu time de engenheiros e desenvolvedores tem o hábito de adicionar um conjunto novo de funcionalidades e recursos, dentre eles alguns voltados especificamente para a área de desenvolvimento, no caso de comandos, stored procedures e functions adicionadas a grande linguagem Transact-SQL.

Logicamente na versão 2017 isso não seria diferente, e justamente pensando neste tipo de oportunidade para aquisição de conhecimento que o post de hoje será dedicado a duas novas funções adicionadas a partir desta versão sendo elas: Concat_WS e Translate.

E ai por acaso você já as conhece, espero que não, mas caso já tenha encontrado alguma informação ou até mesmo tenha feito uso, fique a vontade para contribuir com este post deixando seu comentário.

Seguindo em frente, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre estas novas funções, desta forma, seja bem vindo ao #17 – Para que serve – Novas String Functions Concat_WS e Translate adicionadas ao Microsoft SQL Server 2017.

Introdução

Em diversos momentos trabalhando com diversos dados armazenados em nossas tabelas temos a necessidade de realizar a concatenação entre eles, ou seja, estabelecer uma possível forma de união destes diversos valores e apresentar de uma única coluna ou até mesmo linha de registro.

Procedimento que até a versão 2012 do Microsoft SQL Server nos exigia um pouco de linhas de código para realizar esta atividade, sendo que, a mesma agora na versão 2o17 tornou-se ainda mais simples e fácil através da nova string function Concat_WS.

Você pode estar pensando, mas qual o motivo do tipo de engenheiros do SQL Server em adicionar uma função similar a Concat, na verdade não existe um motivo, o que existe e posso dizer é que a Concat e a Concat_WS podem ser consideradas irmãs ou até mesmo funções que se complementam.

Neste sentido o WS pode ser reconhecido como o argumento (concatenate with separator) separador, aquele caracterer que será utilizado para separar um valor string do outro mais ao mesmo tempo estará fazendo parte do conjunto de valores que serão concatenados.

Para que você possa entender e conhecer melhor a função Concat_WS, vou apresentar alguns exemplos:

— Exemplo 1 – Obtendo informações sobre as tabelas, utilizando o hífen como separador —
SELECT CONCAT_WS( ‘ – ‘, name, OBJECT_ID, create_date, modify_date) AS TablesInfo
FROM sys.tables
Go

Após a execução do Exemplo 1, você deverá obter um resultado similar conforme apresenta a Figura 1 abaixo:


Figura 1 – Dados concatenados e separados pelo sinal de hífen.

— Exemplo 2 – Concatenando caracteres utilizando o sinal de dois pontos como separador —
Select CONCAT_WS(‘ :: ‘, ‘Pedro Antonio Galvão Junior’, ‘Idade:37’, ‘MVP desde 2007’) As Info
Go

Após a execução do Exemplo 2, você deverá obter um resultado similar conforme apresenta a Figura 2 abaixo:


Figura 2 – Dados concatenados e separados pelo sinal de dois pontos.

Observação: Note que nos dois exemplos apresentados acima o primeiro argumento ou parâmetro obrigatório que deve ser especificado na função Concat_WS é justamente o elemento separador, o qual vai estar envolvido diretamente entre cada conjunto de valores informados sequencialmente na função.

Dando continuidade, vamos conhecer a função Translate, inicialmente fazendo uma rápida analogia ao seu nome parece que esta nova função seria algo similar a um tradutor de texto, na verdade ela tem um papel entre aspas próximo em relação a tradução de um valor ou sentença de valores string, mas dizer que ela realiza a tradução não é o entendimento correto.

Na verdade esta função realiza em tempo de execução retorna uma nova sentença de valores string com base no conjunto de argumentos declarados em sua sintaxe, sendo que obrigatoriamente o primeiro argumento representa a sentença de valores que deverá ser utilizada, para posteriormente servir como base para nova sentença que será resultando da “tradução”.

Vamos então conhecer um pouco mais sobre esta função, através dos exemplos apresentados a seguir:

— Exemplo 1 – Equação de 2º Grau — Substituindo a letra x pelo número 4 —Select ‘x² – 10x + 24 = 0’ As ‘Antes’
Go

Select Translate(‘x² – 10x + 24 = 0’, ‘x’, ‘4’) As ‘Depois’
Go

Após a execução do Exemplo 1, você deverá obter um resultado similar conforme apresenta a Figura 3 abaixo:


Figura 3 – Uso da função Translate aplicada em uma equação de segundo grau.

— Exemplo 2 – Método de Bhaskara – Substituindo as letras A e C pelos valores 1 e 8 informados respectivamente com grupos de valores em cada argumento —
Select N’∆ = b² – 4 * a * c’ As ‘Antes’

Go

Select Translate(N’∆ = b² – 4 * a * c’ , ‘ac’, ’18’) As ‘Depois’
Go

Após a execução do Exemplo 2, você deverá obter um resultado similar conforme apresenta a Figura 4 abaixo:


Figura 4 – Uso da função Translate aplicada ao método de bhaskara.

Observação: Note que nos dois exemplos apresentados anteriormente argumento ou parâmetro obrigatório que deve ser especificado na função Translate corresponde ao valores ou sentença string, o qual será utilizada como elemento base para “tradução” e apresentação do novo conjunto de valores ou sentença após sua execução. 

Muito bem, desta forma, chegamos ao final de mais uma post da sessão Para que Serve….


Referências

https://technet.microsoft.com/pt-br/library/ms186862(v=sql.110).aspx

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/functions/concat-ws-transact-sql

https://docs.microsoft.com/pt-br/sql/t-sql/functions/translate-transact-sql

https://docs.microsoft.com/pt-br/sql/t-sql/functions/string-functions-transact-sql

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/10/01/16-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/28/15-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/30/14-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/25/13-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

Conclusão

Como sempre a Microsoft e toda sua equipe nos surpreende com sua capacidade de trabalho, fortalecendo cada vez mais o Microsoft SQL Server não somente com um SGBD ou ferramenta de banco de dados, mas sim um ambiente completo para qualquer tipo de análise, desenvolvimento e administração que esteja relacionada com dados.

Destacando as novas funções apresentadas neste post Concat_WS e Translate, atividades como concatenação de dados que já havia se tornada mais fácil a partir da versão 2o12, agora se tornou algum praticamente irrelevante no que diz respeito a complexidade.

Sem se esquecer da função Translate que através de um simples argumento nos permite “realizar uma possível tradução de caracteres” muito similar a antiga e útil função Replace, mas que trabalha de uma forma mais ágil independente da posição do caracter dentro do conjunto de valores apresentados.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, eita produto bão so……

Agradecimentos

Chegou a hora do descanso, se preparar para um novo dia que daqui a pouco estará raiando, espero que você possa fazer o mesmo, aproveitar o seu dia ainda mais, tentar viver um pouco sem se preocupar com os problemas.

Mais uma vez obrigado por sua ilustre visita, sinto-me honrado com sua presença, espero que este conteúdo possa lhe ajudar e ser útil em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Um forte abraço, até o próximo post da sessão Para que serve…..

Valeu.

 

 

Material de Apoio – Novembro 2017


Olá galera, boa tarde.

Sábadão pós feriadão, que bom encontrar você aqui fazendo mais uma visita ao meu blog.

Seja bem-vindo a mais um post da sessão Material de Apoio, sendo o último do ano de 2017 e de número 154 no total desta sessão.

Estamos se aproximando do final de ano, como o tempo passa voando, fazendo com que não consigamos em diversos momentos perceber que tudo esta passando de forma rápida em nossas vidas e nos sentimos na obrigação de tentar a cada dia fazer mais e mais, se você é uma destas pessoas que pensa desta forma, tome cuidado, pois as vezes quem imagina que ser considerado multitarefa ou capaz de fazer mais uma tarefa ao mesmo tempo, pode na verdade estar desperdiçando seu verdadeiro tempo e principalmente conhecimento.

Por questões de compatibilidade com a plataforma WordPress.com, todos os arquivos estão renomeados com a extensão .doc ao final do seu respectivo nome, sendo assim, após o download torna-se necessário remover esta extensão, mantendo somente a extensão padrão .sql.

O post de hoje

Para aqueles que já acompanham o meu blog a um certo tempo, os posts dedicados a sessão Material de Apoio, possuem o objetivo de compartilhar o conhecimento de recursos, funcionalidades e procedimentos que podemos realizar no Microsoft SQL Server.

Hoje não será diferente, estou trazendo alguns dos mais recentes scripts  catalogados nos últimos meses, que atualmente estão compondo a minha galeria de códigos formada ao longo dos anos de trabalho como DBA, e hoje principalmente como Professor de Banco de Dados.

Neste post você vai encontrar arquivos relacionados com os seguintes temas:

  • Columns;
  • Comando Create Table;
  • Comando Declare;
  • Comando Exec;
  • Comando Insert;
  • Comando Select;
  • Comando Set;
  • DataType Date;
  • Datatype Money;
  • DataType Precedence;
  • Datatype Time;
  • DMV sys.dm_os_performance_counters;
  • Função Convert();
  • Função DateDiff;
  • Função XML Path();
  • INFORMATION_SCHEMA.VIEW_COLUMN_USAGE;
  • Page Split;
  • System View sys.sysperfinfo; e
  • Views.

Espero que este conteúdo possa lhe ajudar em seus atividades profissionais e acadêmicas. Fique a vontade para copiar, editar, compartilhar e distribuir estes arquivos com seus contatos, aproveite se possível deixe seu comentário, críticas, sugestões e observações.

Material de Apoio

A seguir apresento a relação de scripts selecionados:

1 – Material de Apoio – Novembro 2017 – Convertendo um valor caracter para money.sql

2 – Material de Apoio – Novembro 2017 – Select Recursivo – Criando uma frase através.sql

3 – Material de Apoio – Novembro 2017 – Utilizando XML Path para gerar uma sequência numérica.sql

4 – Material de Apoio – Novembro 2017 – Trabalhando com intervalo de datas – Dia da primeira + Hora da Segunda.sql

5 – Material de Apoio – Novembro 2017 – Data Type Precedence – Identificando o Tipo de Dados gerado pelo SQL Server na concatenação e conversão de variáveis.sql

6 – Material de Apoio – Novembro 2017 – Identificando as colunas utilizadas em uma view.sql

7 – Material de Apoio – Novembro 2017 – Identificando page split.sql

Nota: Todos os arquivos disponibilizados foram obtidos ou criados com autorização de seus autores, sendo estes, passíveis de direitos autorais.

Links

Caso você queira acessar os posts anteriores da sessão, não perca tempo utilize os links listados abaixo:

Agradecimento

Quero agradecer imensamente a sua visita, principalmente no decorrer deste ano de 2017.

Não deixe de acessar os outros posts das demais sessões, e o próximo post desta sessão será publicado no mês de fevereiro de 2018, até lá continue curtindo sua vida e compartilhando suas experiência.

Um forte abraço, tudo de bom.

Dica do Mês – Microsoft SQL Server 2017 – Relação de Novas colunas internas


Olá pessoal, bom dia.

Tudo bem? Preparado para um mês que esta se iniciando hoje? Se você me perguntar eu ainda não sei te responder pois acordei a pouco(kkkkkk).

Estou iniciando mais um post da sessão Dica do Mês, hoje algo um pouco diferente, não vou apresentar linhas de código, funcionalidades novas ou algo que conheci, muito menos ferramentas. Caso você venha a me perguntar. “Mas Galvão o que exatamente você esta planejando para hoje?”

A minha resposta é simples, vou compartilhar o que descobri de novo no Microsoft SQL Server 2017 que poderá lhe ajudar em momentos de análise de seus dados, bancos de dados e até mesmo do próprio servidor SQL Server. Parece ser algo de outro mundo mas não é, muito pelo contrário, algo que você facilmente poderá encontrar sem muito esforço.

Mas antes de falar do post, vamos destacar um pouco sobre o Microsoft SQL Server 2017. Acredito que você deva saber que no último mês de outubro, a Microsoft realizou mais um lançamento de uma nova versão do Microsoft SQL Server, estou me referindo a versão 2017. Por acaso você estão utilizando esta nova versão? Caso ainda não tenha feito, aproveite e faça agora mesmo acessando o link: https://www.microsoft.com/en-us/sql-server/sql-server-2017.

Se você, assim como eu realizou o download no mesmo dia do lançamento, ou seja, dia 02/10, pode ter um certo tempo para notar que a cada nova versão, o produto esta evoluindo, tanto no seu processo de instalação que realmente é fantástico e muito prático, como também, na quantidade de recursos, funcionalidades e componentes internos apresentados a partir desta da versão 2017.

Foi pensando neste cenário que o post da sessão Dica do Mês foi concebido, apresentar um pouco das novidades internas que o Microsoft SQL Server 2017 possuí em comparação com seus antecessores.

Sendo assim, seja bem vindo ao post – Dica do Mês – Microsoft SQL Server 2017 – Relação de Novas colunas internas.

Você vai descobrir o conjunto de novos dados técnicos catalogados pelo SQL Server 2017 seremos capazes de obter em real-time……


Introdução

Afim de mostrar o que de novo foi adicionado a partir da versão 2017, decidi identificar o que internamente existe de diferente que não tínhamos na versão 2016 ou anteriores, desta forma, escolhi fazer um comparativo entre a versão 2017 e a versão 2016 SP1, lançado no último mês de abril.

Foi idealizando este cenário, que fiz a simples escolha de utilizar uma velha conhecida system view denominada sys.all_columns presente a partir do Microsoft SQL Server desde a versão 2005. Tenho quase a certeza que você conhece esta system view! Ainda não, poxa vida, isso não é um pecado, mas é algo que talvez possa lhe ser útil.

Basicamente a sys.all_columns, como boa parte das visões de sistemas, apresentam um conjunto de dados técnicos catalogados pelo Microsoft SQL Server afim de ajudar internamente o funcionamento lógico e relacional do produto, mas também, como um guia para nós profissionais de bancos de dados, quanto temos a necessidade de analisar ou identificar dados técnicos, objetos, recursos ou funcionalidades oriundas do SQL Server.

Através desta DMV, temos a capacidade de obter a relação completa de colunas que formam nossos objetos e também os próprios objetos criados pelo SQL Server no processo da instalação ou durante nossas atividades, o que me permitiu identificar os novas colunas internas adicionadas na versão 2017 categorizadas da seguinte maneira:

  • Internal Tables;
  • InLine Table-Valued Function;
  • System Tables;
  • System Views; e
  • User Tables.

A seguir apresento a relação completa das novas colunas internadas adicionadas a partir do Microsoft SQL Server 2017:

Internal Tables

  • _trusted_assemblies.create_date
  • _trusted_assemblies.created_by
  • _trusted_assemblies.description
  • _trusted_assemblies.hash
  • plan_persist_query.query_flags
  • plan_persist_query_hints.batch_sql_handle
  • plan_persist_query_hints.comment
  • plan_persist_query_hints.context_settings_id
  • plan_persist_query_hints.last_query_hint_failure_reason
  • plan_persist_query_hints.object_id
  • plan_persist_query_hints.query_hash
  • plan_persist_query_hints.query_hint_failure_count
  • plan_persist_query_hints.query_hint_id
  • plan_persist_query_hints.query_hints_flags
  • plan_persist_query_hints.query_hints
  • plan_persist_query_hints.query_id
  • plan_persist_query_hints.query_param_type
  • plan_persist_query_hints.statement_sql_handle
  • plan_persist_query_template_parameterization.comment
  • plan_persist_query_template_parameterization.last_parameterization_failure_reason
  • plan_persist_query_template_parameterization.parameterization_failure_count
  • plan_persist_query_template_parameterization.query_param_type
  • plan_persist_query_template_parameterization.query_template_flags
  • plan_persist_query_template_parameterization.query_template_hash
  • plan_persist_query_template_parameterization.query_template_id
  • plan_persist_query_template_parameterization.query_template
  • plan_persist_query_text.query_template_hash
  • plan_persist_wait_stats.count_executions
  • plan_persist_wait_stats.execution_type
  • plan_persist_wait_stats.last_query_wait_time_ms
  • plan_persist_wait_stats.max_query_wait_time_ms
  • plan_persist_wait_stats.min_query_wait_time_ms
  • plan_persist_wait_stats.plan_id
  • plan_persist_wait_stats.runtime_stats_interval_id
  • plan_persist_wait_stats.sumsquare_query_wait_time_ms
  • plan_persist_wait_stats.total_query_wait_time_ms
  • plan_persist_wait_stats.wait_category
  • plan_persist_wait_stats.wait_stats_id

Inline table-valued functions

  • dm_db_log_info.database_id
  • dm_db_log_info.file_id
  • dm_db_log_info.vlf_active
  • dm_db_log_info.vlf_begin_offset
  • dm_db_log_info.vlf_create_lsn
  • dm_db_log_info.vlf_first_lsn
  • dm_db_log_info.vlf_parity
  • dm_db_log_info.vlf_sequence_number
  • dm_db_log_info.vlf_size_mb
  • dm_db_log_info.vlf_status
  • dm_db_log_stats.active_log_size_mb
  • dm_db_log_stats.active_vlf_count
  • dm_db_log_stats.current_vlf_sequence_number
  • dm_db_log_stats.current_vlf_size_mb
  • dm_db_log_stats.database_id
  • dm_db_log_stats.log_backup_lsn
  • dm_db_log_stats.log_backup_time
  • dm_db_log_stats.log_checkpoint_lsn
  • dm_db_log_stats.log_end_lsn
  • dm_db_log_stats.log_min_lsn
  • dm_db_log_stats.log_recovery_lsn
  • dm_db_log_stats.log_recovery_size_mb
  • dm_db_log_stats.log_since_last_checkpoint_mb
  • dm_db_log_stats.log_since_last_log_backup_mb
  • dm_db_log_stats.log_truncation_holdup_reason
  • dm_db_log_stats.recovery_model
  • dm_db_log_stats.recovery_vlf_count
  • dm_db_log_stats.total_log_size_mb
  • dm_db_log_stats.total_vlf_count
  • dm_os_enumerate_filesystem.creation_time
  • dm_os_enumerate_filesystem.file_or_directory_name
  • dm_os_enumerate_filesystem.full_filesystem_path
  • dm_os_enumerate_filesystem.has_integrity_stream
  • dm_os_enumerate_filesystem.is_directory
  • dm_os_enumerate_filesystem.is_hidden
  • dm_os_enumerate_filesystem.is_read_only
  • dm_os_enumerate_filesystem.is_sparse
  • dm_os_enumerate_filesystem.is_system
  • dm_os_enumerate_filesystem.is_temporary
  • dm_os_enumerate_filesystem.last_access_time
  • dm_os_enumerate_filesystem.last_write_time
  • dm_os_enumerate_filesystem.level
  • dm_os_enumerate_filesystem.parent_directory
  • dm_os_enumerate_filesystem.size_in_bytes
  • dm_os_file_exists.file_exists
  • dm_os_file_exists.file_is_a_directory
  • dm_os_file_exists.parent_directory_exists
  • dm_sql_referenced_entities.is_incomplete
  • fn_full_dblog.AllocUnitId
  • fn_full_dblog.AllocUnitName
  • fn_full_dblog.Article ID
  • fn_full_dblog.Begin Time
  • fn_full_dblog.Beginlog Status
  • fn_full_dblog.Bulk allocated extent count
  • fn_full_dblog.Bulk allocated extent ids
  • fn_full_dblog.Bulk allocation first IAM Page ID
  • fn_full_dblog.Bulk AllocUnitId
  • fn_full_dblog.Bulk RowsetId
  • fn_full_dblog.Byte Offset
  • fn_full_dblog.Bytes Freed
  • fn_full_dblog.Checkpoint Begin
  • fn_full_dblog.Checkpoint End
  • fn_full_dblog.CHKPT Begin DB Version
  • fn_full_dblog.CHKPT End DB Version
  • fn_full_dblog.CI Index Id
  • fn_full_dblog.CI Table Id
  • fn_full_dblog.Column Offset
  • fn_full_dblog.Command Type
  • fn_full_dblog.Command
  • fn_full_dblog.Compression Info
  • fn_full_dblog.Compression Log Type
  • fn_full_dblog.Context
  • fn_full_dblog.CopyVerionInfo Source Page Id
  • fn_full_dblog.CopyVerionInfo Source Page LSN
  • fn_full_dblog.CopyVerionInfo Source Slot Count
  • fn_full_dblog.CopyVerionInfo Source Slot Id
  • fn_full_dblog.Current LSN
  • fn_full_dblog.Database Name
  • fn_full_dblog.Description
  • fn_full_dblog.Dirty Pages
  • fn_full_dblog.End AGE
  • fn_full_dblog.End Time
  • fn_full_dblog.File ID
  • fn_full_dblog.File Status
  • fn_full_dblog.FileGroup ID
  • fn_full_dblog.Flag Bits
  • fn_full_dblog.Flags
  • fn_full_dblog.Format LSN
  • fn_full_dblog.InvalidateCache Id
  • fn_full_dblog.InvalidateCache keys
  • fn_full_dblog.Last Distributed Backup End LSN
  • fn_full_dblog.Last Distributed End LSN
  • fn_full_dblog.Lock Information
  • fn_full_dblog.Log Record Fixed Length
  • fn_full_dblog.Log Record Length
  • fn_full_dblog.Log Record
  • fn_full_dblog.Log Reserve
  • fn_full_dblog.LogBlockGeneration
  • fn_full_dblog.Logical Name
  • fn_full_dblog.LSN before writes
  • fn_full_dblog.Mark Name
  • fn_full_dblog.Master DBID
  • fn_full_dblog.Master XDESID
  • fn_full_dblog.Max XDESID
  • fn_full_dblog.Meta Status
  • fn_full_dblog.Minimum LSN
  • fn_full_dblog.Modify Size
  • fn_full_dblog.New Size
  • fn_full_dblog.New Split Page
  • fn_full_dblog.New Value
  • fn_full_dblog.NewAllocUnitId
  • fn_full_dblog.Next Replicated End LSN
  • fn_full_dblog.Num Elements
  • fn_full_dblog.Num Transactions
  • fn_full_dblog.Number of Locks
  • fn_full_dblog.Offset in Row
  • fn_full_dblog.Offset
  • fn_full_dblog.Old Size
  • fn_full_dblog.Old Value
  • fn_full_dblog.Oldest Active LSN
  • fn_full_dblog.Oldest Active Transaction ID
  • fn_full_dblog.Oldest Replicated Begin LSN
  • fn_full_dblog.Operation
  • fn_full_dblog.Page ID
  • fn_full_dblog.PageFormat FormatOption
  • fn_full_dblog.PageFormat PageFlags
  • fn_full_dblog.PageFormat PageLevel
  • fn_full_dblog.PageFormat PageStat
  • fn_full_dblog.PageFormat PageType
  • fn_full_dblog.Pages Written
  • fn_full_dblog.Parent Transaction ID
  • fn_full_dblog.Partial Status
  • fn_full_dblog.PartitionId
  • fn_full_dblog.Physical Name
  • fn_full_dblog.Prepare Time
  • fn_full_dblog.Preplog Begin LSN
  • fn_full_dblog.Previous LSN
  • fn_full_dblog.Previous Page LSN
  • fn_full_dblog.Previous Savepoint
  • fn_full_dblog.Publication ID
  • fn_full_dblog.Repl CSN
  • fn_full_dblog.Repl Epoch
  • fn_full_dblog.Repl Flags
  • fn_full_dblog.Repl Min Hold LSN
  • fn_full_dblog.Repl Msg
  • fn_full_dblog.Repl Partition ID
  • fn_full_dblog.Repl Source Commit Time
  • fn_full_dblog.Replicated Records
  • fn_full_dblog.Rowbits Bit Count
  • fn_full_dblog.Rowbits Bit Value
  • fn_full_dblog.Rowbits First Bit
  • fn_full_dblog.RowFlags
  • fn_full_dblog.RowLog Contents 0
  • fn_full_dblog.RowLog Contents 1
  • fn_full_dblog.RowLog Contents 2
  • fn_full_dblog.RowLog Contents 3
  • fn_full_dblog.RowLog Contents 4
  • fn_full_dblog.RowLog Contents 5
  • fn_full_dblog.Rows Deleted
  • fn_full_dblog.RowsetId
  • fn_full_dblog.Savepoint Name
  • fn_full_dblog.Server Name
  • fn_full_dblog.Server UID
  • fn_full_dblog.Slot ID
  • fn_full_dblog.SPID
  • fn_full_dblog.Tag Bits
  • fn_full_dblog.Text Size
  • fn_full_dblog.TextPtr
  • fn_full_dblog.Transaction Begin
  • fn_full_dblog.Transaction ID
  • fn_full_dblog.Transaction Name
  • fn_full_dblog.Transaction SID
  • fn_full_dblog.Virtual Clock
  • fn_full_dblog.VLFs added
  • fn_full_dblog.Xact ID
  • fn_full_dblog.Xact Node ID
  • fn_full_dblog.Xact Node Local ID
  • fn_full_dblog.Xact Type
  • fn_get_audit_file.affected_rows
  • fn_get_audit_file.application_name
  • fn_get_audit_file.client_ip
  • fn_get_audit_file.duration_milliseconds
  • fn_get_audit_file.response_rows
  • fn_xe_file_target_read_file.timestamp_utc

System Tables

  • syscscolsegments.container_id
  • syscsdictionaries.container_id

User Tables

  • MSreplication_options.install_failures
  • MSreplication_options.major_version
  • MSreplication_options.minor_version
  • MSreplication_options.optname
  • MSreplication_options.revision
  • MSreplication_options.value
  • spt_monitor.connections
  • spt_monitor.cpu_busy
  • spt_monitor.idle
  • spt_monitor.io_busy
  • spt_monitor.lastrun
  • spt_monitor.pack_errors
  • spt_monitor.pack_received
  • spt_monitor.pack_sent
  • spt_monitor.total_errors
  • spt_monitor.total_read
  • spt_monitor.total_write

Views

  • all_columns.graph_type_desc
  • all_columns.graph_type
  • availability_groups.cluster_type_desc
  • availability_groups.cluster_type
  • availability_groups.required_synchronized_secondaries_to_commit
  • availability_groups.sequence_number
  • columns.graph_type_desc
  • columns.graph_type
  • computed_columns.graph_type_desc
  • computed_columns.graph_type
  • database_automatic_tuning_mode.actual_state_desc
  • database_automatic_tuning_mode.actual_state
  • database_automatic_tuning_mode.desired_state_desc
  • database_automatic_tuning_mode.desired_state
  • database_automatic_tuning_options.actual_state_desc
  • database_automatic_tuning_options.actual_state
  • database_automatic_tuning_options.desired_state_desc
  • database_automatic_tuning_options.desired_state
  • database_automatic_tuning_options.name
  • database_automatic_tuning_options.reason_desc
  • database_automatic_tuning_options.reason
  • database_credentials.principal_id
  • database_files.is_persistent_log_buffer
  • database_query_store_options.wait_stats_capture_mode_desc
  • database_query_store_options.wait_stats_capture_mode
  • database_scoped_configurations.is_value_default
  • database_scoped_credentials.principal_id
  • databases.is_temporal_history_retention_enabled
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.closed_time
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.created_time
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.deleted_rows
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.delta_store_hobt_id
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.generation
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.has_vertipaq_optimization
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.index_id
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.object_id
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.partition_number
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.row_group_id
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.size_in_bytes
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.state_desc
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.state
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.total_rows
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.transition_to_compressed_state_desc
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.transition_to_compressed_state
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.trim_reason_desc
  • dm_db_column_store_row_group_physical_stats.trim_reason
  • dm_db_file_space_usage.modified_extent_page_count
  • dm_db_mirroring_connections.address
  • dm_db_tuning_recommendations.details
  • dm_db_tuning_recommendations.execute_action_duration
  • dm_db_tuning_recommendations.execute_action_initiated_by
  • dm_db_tuning_recommendations.execute_action_initiated_time
  • dm_db_tuning_recommendations.execute_action_start_time
  • dm_db_tuning_recommendations.is_executable_action
  • dm_db_tuning_recommendations.is_revertable_action
  • dm_db_tuning_recommendations.last_refresh
  • dm_db_tuning_recommendations.name
  • dm_db_tuning_recommendations.reason
  • dm_db_tuning_recommendations.revert_action_duration
  • dm_db_tuning_recommendations.revert_action_initiated_by
  • dm_db_tuning_recommendations.revert_action_initiated_time
  • dm_db_tuning_recommendations.revert_action_start_time
  • dm_db_tuning_recommendations.score
  • dm_db_tuning_recommendations.state
  • dm_db_tuning_recommendations.type
  • dm_db_tuning_recommendations.valid_since
  • dm_db_xtp_checkpoint_internals.checkpoint_id
  • dm_db_xtp_checkpoint_internals.checkpoint_timestamp
  • dm_db_xtp_checkpoint_internals.is_synchronized
  • dm_db_xtp_checkpoint_internals.last_segment_lsn
  • dm_db_xtp_checkpoint_internals.recovery_lsn
  • dm_exec_query_stats.last_columnstore_segment_reads
  • dm_exec_query_stats.last_columnstore_segment_skips
  • dm_exec_query_stats.max_columnstore_segment_reads
  • dm_exec_query_stats.max_columnstore_segment_skips
  • dm_exec_query_stats.min_columnstore_segment_reads
  • dm_exec_query_stats.min_columnstore_segment_skips
  • dm_exec_query_stats.total_columnstore_segment_reads
  • dm_exec_query_stats.total_columnstore_segment_skips
  • dm_exec_requests.is_resumable
  • dm_os_enumerate_fixed_drives.drive_type_desc
  • dm_os_enumerate_fixed_drives.drive_type
  • dm_os_enumerate_fixed_drives.fixed_drive_path
  • dm_os_enumerate_fixed_drives.free_space_in_bytes
  • dm_os_host_info.host_distribution
  • dm_os_host_info.host_platform
  • dm_os_host_info.host_release
  • dm_os_host_info.host_service_pack_level
  • dm_os_host_info.host_sku
  • dm_os_host_info.os_language_version
  • dm_os_memory_objects.partition_type_desc
  • dm_os_nodes.cpu_count
  • dm_os_sys_info.cores_per_socket
  • dm_os_sys_info.numa_node_count
  • dm_os_sys_info.process_physical_affinity
  • dm_os_sys_info.socket_count
  • dm_os_worker_local_storage.gq_address
  • dm_tran_global_transactions.max_csn
  • dm_tran_global_transactions_enlistments.snapshot_timestamp
  • dm_tran_global_transactions_log.commit_timestamp
  • dm_tran_version_store_space_usage.database_id
  • dm_tran_version_store_space_usage.reserved_page_count
  • dm_tran_version_store_space_usage.reserved_space_kb
  • dm_xe_session_targets.bytes_written
  • dm_xe_sessions.buffer_full_count
  • dm_xe_sessions.buffer_processed_count
  • dm_xe_sessions.total_bytes_generated
  • external_libraries.external_library_id
  • external_libraries.language
  • external_libraries.name
  • external_libraries.principal_id
  • external_libraries.scope_desc
  • external_libraries.scope
  • external_library_files.content
  • external_library_files.external_library_id
  • external_library_files.platform_desc
  • external_library_files.platform
  • hash_indexes.auto_created
  • hash_indexes.is_ignored_in_optimization
  • identity_columns.graph_type_desc
  • identity_columns.graph_type
  • index_resumable_operations.index_id
  • index_resumable_operations.last_max_dop_used
  • index_resumable_operations.last_pause_time
  • index_resumable_operations.name
  • index_resumable_operations.object_id
  • index_resumable_operations.page_count
  • index_resumable_operations.partition_number
  • index_resumable_operations.percent_complete
  • index_resumable_operations.sql_text
  • index_resumable_operations.start_time
  • index_resumable_operations.state_desc
  • index_resumable_operations.state
  • index_resumable_operations.total_execution_time
  • indexes.auto_created
  • indexes.is_ignored_in_optimization
  • indexes.suppress_dup_key_messages
  • key_constraints.is_enforced
  • masked_columns.graph_type_desc
  • masked_columns.graph_type
  • master_files.is_persistent_log_buffer
  • query_store_plan.plan_forcing_type_desc
  • query_store_plan.plan_forcing_type
  • query_store_runtime_stats.avg_log_bytes_used
  • query_store_runtime_stats.avg_num_physical_io_reads
  • query_store_runtime_stats.avg_tempdb_space_used
  • query_store_runtime_stats.last_log_bytes_used
  • query_store_runtime_stats.last_num_physical_io_reads
  • query_store_runtime_stats.last_tempdb_space_used
  • query_store_runtime_stats.max_log_bytes_used
  • query_store_runtime_stats.max_num_physical_io_reads
  • query_store_runtime_stats.max_tempdb_space_used
  • query_store_runtime_stats.min_log_bytes_used
  • query_store_runtime_stats.min_num_physical_io_reads
  • query_store_runtime_stats.min_tempdb_space_used
  • query_store_runtime_stats.stdev_log_bytes_used
  • query_store_runtime_stats.stdev_num_physical_io_reads
  • query_store_runtime_stats.stdev_tempdb_space_used
  • query_store_wait_stats.avg_query_wait_time_ms
  • query_store_wait_stats.execution_type_desc
  • query_store_wait_stats.execution_type
  • query_store_wait_stats.last_query_wait_time_ms
  • query_store_wait_stats.max_query_wait_time_ms
  • query_store_wait_stats.min_query_wait_time_ms
  • query_store_wait_stats.plan_id
  • query_store_wait_stats.runtime_stats_interval_id
  • query_store_wait_stats.stdev_query_wait_time_ms
  • query_store_wait_stats.total_query_wait_time_ms
  • query_store_wait_stats.wait_category_desc
  • query_store_wait_stats.wait_category
  • query_store_wait_stats.wait_stats_id
  • sequences.last_used_value
  • spatial_indexes.auto_created
  • spatial_indexes.is_ignored_in_optimization
  • spt_values.high
  • spt_values.low
  • spt_values.name
  • spt_values.number
  • spt_values.status
  • spt_values.type
  • syscscontainers.blob_container_id
  • syscscontainers.blob_container_type
  • syscscontainers.blob_container_url
  • system_columns.graph_type_desc
  • system_columns.graph_type
  • tables.history_retention_period_unit_desc
  • tables.history_retention_period_unit
  • tables.history_retention_period
  • tables.is_edge
  • tables.is_node
  • trusted_assemblies.create_date
  • trusted_assemblies.created_by
  • trusted_assemblies.description
  • trusted_assemblies.hash
  • xml_indexes.auto_created
  • xml_indexes.is_ignored_in_optimization

Importante: Vale ressaltar que estas novas colunas estão compondo o conjunto atual de recursos internos já existentes no Microsoft SQL Server, não estou me referindo a novas Internal Tables, DMVs ou Views adicionadas ao produto na versão 2017.

Com isso chegamos ao final de mais um post da sessão Dica do Mês, espero que você tenha gostado, então do meu tradicional encerramento, quero destacar em algumas destas novas colunas serão destaco em posts futuros do meu blog.


Referências

https://technet.microsoft.com/pt-br/library/ms178596(v=sql.110).aspx

https://technet.microsoft.com/pt-br/library/ms188021(v=sql.110).aspx

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/system-catalog-views/sys-all-columns-transact-sql

Posts Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/08/26/dica-do-mes-simulando-a-insercao-de-uma-massa-de-dados-aleatoria/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/23/conhecendo-e-aplicando-o-uso-de-atualizacao-de-estatisticas-incrementais/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/13/dica-do-mes-microsoft-sql-server-identificando-as-transacoes-que-estao-utilizando-o-transact-log/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/01/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2016-sp1-novo-argumento-use-hint-disponivel-para-query-hints/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/16/dica-do-mes-conhecendo-a-nova-dmf-sys-dm_exec_input_buffer-no-microsoft-sql-server-2016/

Conclusão

A cada versão do Microsoft SQL Server evolui, a gama de dados técnicos catalogados que nos permitem analisar e ajudar em possíveis cenários de administração ou tomadas de decisão cresce de forma exponencial, com isso, temos um conjunto inimaginável de possibilidades e alternativas que nos possibilitam superior nossos desafios.

Esse é o Microsoft SQL Server ainda mais poderoso na versão 2017.

 

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, nos encontramos no próximo post a ser publicado no mês de janeiro de 2018.

Vai SQL Server, Vai SQL Server…..

Abraços.