De analista de sistemas a desenvolvedor web e engenheiros, todos os profissionais de TI devem procurar aprimorar as suas habilidades

Segundos Bob Violino para o Portal – CIO.com, estes são os profissionais de TI que precisam melhorar suas competências.


As iniciativas digitais não estão apenas transformando os negócios – elas também estão aumentando significativamente as competências necessárias por parte dos profissionais de TI.

Não deve ser surpresa, dado o intenso ritmo das mudanças tecnológicas, que algumas funções de TI estejam passando por uma espécie de metamorfose, para que possam se adaptar às transformações do mercado.

Nos últimos anos, fatores como o crescimento da cloud computing e a ascensão da mobilidade corporativa e da edge computing ampliaram o escopo da TI, dando novos significados a diversas carreiras em tecnologia.

Confira algumas das principais funções que os líderes de TI devem considerar, bem como sugestões de habilidades e treinamentos para gerar uma nova versão de carreira e ter maior probabilidade de sucesso na era digital.

Continue Lendo “De analista de sistemas a desenvolvedor web e engenheiros, todos os profissionais de TI devem procurar aprimorar as suas habilidades”

Metodologia de desenvolvimento low-code terá mais adesão a partir de 2020

Segundo Jennifer Gill Portal ITForum365, esta nova tendência de desenvolvimento conquistará até os desenvolvedores da old-school.


Desenvolver software de maneira visual e mais rápida; permitir que profissionais de negócios participem do desenvolvimento, melhorar o time-to-market são alguns dos benefícios mais comentados quando se pensa em desenvolvimento low-code. No entanto, os beneficios vão muito além.

Image result for imagens low-code

As plataformas de código baixo (low-code) ajudarão a minimizar os impactos causados por escassez de desenvolvedores e cientistas de dados, à medida que as empresas poderão contar com mais profissionais durante o desenvolvimento de software. Tudo isso respeitando os limites e padrões estabelecidos pela governança, para evitar falhas e riscos as organizações. A tendência é que essas plataformas conquistem até os desenvolvedores mais experientes.

Continue Lendo “Metodologia de desenvolvimento low-code terá mais adesão a partir de 2020”

Cibersegurança aplicada a banco de dados e seus desafios

Segundo Fernando A. S. F. Junior, colunista do Portal ITForum365, o aumento da conectividade da internet e da economia digital, alimenta um crescimento exponencial de dados acumulados por organizações.


Image result for imagens bancos de dados
Com o aumento da conectividade da internet e da economia digital, alimenta-se um crescimento exponencial de dados acumulados por organizações. Segundo a Forbes, em 2015, o volume de dados criado nos dois anos anteriores foi maior que a quantidade produzida por em toda história da humanidade.

Esse crescimento, aumentou muito o interesse dos cibercriminosos por promoverem invasões – e o fato de haver grande quantidade de informações em um só lugar favorece isso – e também o números de ferramentas e recursos de proteção contra ataques. Como os dados se tornaram protagonistas nas empresas, o vazamento de informações estratégicas pode resultar em processos milionários e até mesmo na quebra do negócio.

Continue Lendo “Cibersegurança aplicada a banco de dados e seus desafios”

Material de Apoio – Dezembro 2019


Muito boa tarde…..

Seja bem-vindo a mais um post da sessão Material de Apoio.

Como tem passou estes dias desde o nosso último post? Eu acredito que esteja tudo bem, pois não faz tanto tempo assim desde o nosso último encontro aqui no meu blog.

Introdução

De uma forma mais objetiva e direta, você vai encontrar em cada post desta sessão uma imagem que representa não exatamente o conteúdo do post, mas sim a época, período ou estação do ano em que o mesmo foi publicado, uma forma diferente e até mesmo divertida que encontrei para tentar te ajudar a lembra do que foi acesso no meu blog.

Essa não é uma sugestão minha, na verdade nos últimos dias recebi alguns e-mails de visitantes que estavam gostando do conteúdo do post, mas as vezes não conseguiam se lembrar o que havia sido acessado, foi ai que pensei em adicionar uma imagem, figura ou símbolo que traga uma certa lembrança mais rápido e fácil ao visitante.

Para o post de hoje, nada mais coerente que do adicionar a imagem de uma árvore como símbolo, a qual seria um Pinheiro, denominada Figura 1 apresentada a seguir:
Image result for árvore pinheiroFigura 1 – Simbolo que representa conteúdo compartilhado no post 166.

Bom agora que já conhecemos a primeira novidade, vamos avançar mais um pouco e conhecer mais sobre o post de hoje e seu conteúdo.

O post de hoje

Representa o que encerra esta sessão no ano de 2019 e de número 166 no total da mesma.

Para aqueles que já acompanham o meu blog a um certo tempo, os posts dedicados a sessão Material de Apoio, possuem o objetivo de compartilhar o conhecimento de recursos, funcionalidades e procedimentos que podemos realizar no Microsoft SQL Server.

Todos os arquivos compartilhados neste post, que atualmente estão compondo a minha galeria de códigos formada ao longo dos anos de trabalho como DBA e atualmente como Professor de Banco de Dados, foram concebidos com base nas atividades realizadas mediantes aos meus estudos e consultorias aplicadas ao Microsoft SQL Server em seus mais diversos recursos e funcionalidades.

Destaco que os arquivos a seguir, não necessariamente representam a melhor solução, na verdade os respectivos códigos e scripts satisfazem um possível entendimento da minha parte de acordo com o cenário ao qual o mesmo foi analisado e implementado.

Neste post você vai encontrar arquivos relacionados com os seguintes temas:

◦ Backup Database;
◦ Comando Alter Database;
◦ Comando Begin Transaction;
◦ Comando Checkpoint;
◦ Comando Commit Transaction;
◦ Comando Create Clustered Index;
◦ Comando Create Table;
◦ Comando DBCC CheckDB;
◦ Comando Declare;
◦ Comando Insert;
◦ Comando RollBack Transaction;
◦ Comando Select;
◦ Comando ShutDown;
◦ Comando Update;
◦ Comando Use;
◦ Comando While;
◦ Corromper Páginas de Dados;
◦ Criar Banco de Dados;
◦ Database Recovery Model;
◦ Database Status Emergency;
◦ Database UserAcess;
◦ Database Version;
◦ DataType BigInt;
◦ DataType Varchar();
◦ Diretiva Set NoCount;
◦ Falha em Ambiente de Banco de Dados;
◦ Index Clustered;
◦ Restaurar Páginas de Dados;
◦ Restore Database;
◦ System Function DATABASEPROPERTYEX();
◦ System Stored Procedure SP_Attach_DB;
◦ System Stored Procedure SP_DBOption; e
◦ System Stored Procedure SP_Detach_DB.

Espero que este conteúdo possa lhe ajudar em seus atividades profissionais e acadêmicas. Por questões de compatibilidade com a plataforma WordPress.com, todos os arquivos estão renomeados com a extensão .docx ao final do seu respectivo nome, sendo assim, após o download torna-se necessário remover esta extensão, mantendo somente a extensão padrão .sql ou abrir em algum editor de texto similar ao Notepad.

Material de Apoio

1 – Material de Apoio – Dezembro 2019 – Simulando como Corromper e Restaurar Páginas de Dados.sql

2 – Material de Apoio – Dezembro 2019 – Recuperação de Dados – Criando o Banco de Dados.sql

3 – Material de Apoio – Dezembro 2019 – Recuperação de Dados – Restauração de Backups e Recuperação do Banco de Dados.sql

4 – Material de Apoio – Dezembro 2019 – Recuperação de Dados – Simulando a Falha no Ambiente – Database – Status – Emergency.sql

Fique a vontade para copiar, editar, compartilhar e distribuir estes arquivos com seus contatos, aproveite se possível deixe seu comentário, críticas, sugestões e observações.

Nota: Todos os arquivos disponibilizados foram obtidos ou criados com autorização de seus autores, sendo estes, passíveis de direitos autorais.

Links

Caso você queira acessar os posts anteriores da sessão, não perca tempo utilize os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2019/10/16/material-de-apoio-outubro-2019/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2019/08/20/material-de-apoio-agosto-2019/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2019/06/25/material-de-apoio-junho-2019/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2019/04/17/material-de-apoio-abril-2019/


Feedback

Espero que você esteja gostando do conteúdo aqui disponibilizado, como também, possa me ajudar a torná-lo ainda melhor no decorrer do tempo com a sua participação, preenchendo o formulário abaixo:


Agradecimento

Quero agradecer imensamente a sua visita, sinto-me honrado e orgulhoso de contar com a sua presença.

Não deixe de acessar os outros posts das demais sessões, o próximo post desta sessão será publicado no mês de fevereiro de 2020.  Até lá, continue aproveitando cada momento da sua vida, desfrutando com muita sabedoria os momentos de galeria e também os desafios que são colocados ao seu redor.

Um forte abraço, Feliz Natal e Próspero Ano Novo.

Obrigado.

As principais tendências de cibersegurança para 2020 na visão da Microsoft

A Microsoft divulgou quais são as principais tendências que acredita que demandarão muita atenção das organizações durante o ano de 2020.


Image result for imagens microsoft

 

“A segurança cibernética é a questão central do nosso tempo – e, na Microsoft, acreditamos ter a responsabilidade de proteger nossos clientes. É uma obrigação que adotamos”, disse Glaucia Faria Young, diretora de Engenharia e Parceiros de Software da Microsoft.

Ao redor do mundo, são gastos US$ 1 trilhão anualmente para combater o cibercrime – três vezes mais do que se gasta para reparar os estragos feitos por desastres naturais. A Microsoft, por sua vez, investe cerca de US$ 1 bilhão anualmente para combater o cibercrime e analisa mais de 8,2 trilhões de sinais todos os dias para proteger emails, identidades, aplicativos, infraestruturas, entre outros focos de ataques.

Continue Lendo “As principais tendências de cibersegurança para 2020 na visão da Microsoft”

#27 – Para que serve

Entenda como podemos renomear fisicamente o nome dos arquivos que compõem nosso banco de dados sem correr riscos.


Salve galera, boa tarde!

Tudo bem? Que bom poder te encontrar novamente aqui no meu blog. Este é o post de número 27 da sessão Para que serve, o último dedicado exclusivamente a ela neste ano de 2019.

No post de hoje, vou compartilhar uma das mais arriscadas atividades que um DBA ou Administrador de Banco de Dados pode se deparar em ter que executar em suas atividades.

Talvez você nunca tenha tido a necessidade de executar tal procedimento, mas é sempre bom estar preparado para qualquer necessidade, principalmente em momento de possíveis manutenções em seu ambiente que podem surgir inesperadamente.

De forma direta, vou apresentar como podemos através da linguagem Transact-SQL em conjunto com os recursos de Sistema de Arquivos (File System) alterar as configurações de nossos bancos de dados, mais diretamente relacionada aos arquivos que estão sendo utilizados em um especifico banco de dados.

Você pode estar se perguntando, mas qual é a configuração que você está se referindo Galvão? A resposta como costume de forma simples e direta: “Ao nome dos arquivos que estão sendo utilizados pelo banco de dados, no nosso cenário ao arquivo de log.”

Quem nunca por alguma necessidade técnica, regra de negócio ou até mesmo erro no momento da criação do seu banco de dados, criou os arquivos com nomes ou extensões fora dos padrões utilizados.

Sendo assim, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre o post de número 25 da sessão Para que serve. Mas uma vez, bem-vindo ao #27 – Para que serve – Renomeando fisicamente os nomes dos arquivos que compõem um banco de dados sem correr riscos.

Espero que você esteja animado para conhecer este procedimento, caso já conheça, continue lendo este post, sempre podemos aprender algo novo….

Introdução

Todo o banco de dados SQL Server tem, no mínimo, dois arquivos de sistema operacional: um arquivo de dados e um arquivo de log.

Os arquivos de dados contêm dados e objetos como tabelas, índices, procedimentos armazenados e exibições, estes arquivos de dados podem ser agrupados em grupos de arquivos para propósitos de alocação e administração.

Os arquivos de log contêm as informações necessárias para recuperar todas as transações no banco de dados.

Estes arquivos de banco de dados do SQL Server possuem diversas propriedades, dentre eles dois nomes: um é o nome lógico do arquivo e o outro é o nome do arquivo físico.

O nome do arquivo lógico é usado com alguns comandos T-SQL, como DBCC Shrinkfile. O nome do arquivo de banco de dados físico é o nome do arquivo real criado em seus diretórios do sistema operacional durante a criação do banco de dados. O SQL Server não exige manter nomes de arquivos lógicos exclusivos em uma instância de servidor SQL, mas, idealmente, devemos mantê-los únicos para evitar qualquer confusão.

Quando restauramos um banco de dados, os nomes lógicos dos arquivos do banco de dados não mudam e são os mesmos que o banco de dados de origem. Então, se você estiver restaurando vários bancos de dados com o mesmo arquivo de backup, os nomes de arquivos lógicos serão os mesmos para todos os bancos de dados restaurados.

Se você quiser alterar os nomes de arquivos lógicos de seus arquivos de banco de dados, então está post poderá lhe ajudar.

Através deste post, vou demonstrar um dos possíveis métodos que podem ser utilizados para mudar o nome de um arquivo de banco de dados físico usando o método de desapego com comandos T-SQL.

Recomendações: Este procedimento deve ser realizado em ambientes de testes e desenvolvimento, sempre acompanhado da execução de um backup antes de qualquer tipo de alteração. Você vai notar que estarei utilizando o comando Alter Database acompanhado da instrução With Rollback Immediate, a qual é de extrema importância, pois em caso de alguma falha na alteração das configurações, o SQL Server reverterá imediatamente a mudança que estava sendo aplicada e voltará para o estado anterior de funcionamento.

Continue Lendo “#27 – Para que serve”

DevOps e seus segredos obscuros

Empresas estão cada vez mais se voltando para o DevOps para apoiar as suas transformações digitais.


No começo, havia o código, e os desenvolvedores eram responsáveis ​​por tudo. Eles criaram a lógica e a mantiveram em execução nos servidores, mas isso mudou com a expansão e a diferenciação das equipes. Alguns profissionais permaneceram com o código (devs) e outros acabaram cuidando das máquinas (ops).

Atualmente, graças à nuvem e à ascensão dos microsserviços, o software se tornou uma constelação de dezenas e até milhares de componentes rodando em máquinas separadas. Cada um é tecnicamente independente, mas todas essas máquinas devem trabalhar juntas.

A principal tarefa da equipe de DevOps é fornecer toda a orquestração desses aplicativos multifacetados. Eles podem não lidar com a profundidade da arquitetura do software, mas mantêm as peças em funcionamento.

Confira algumas verdades ocultas e conceitos errôneos que têm sido amplamente divulgados.

DevOps não programa

Muitos pensam que o DevOps não faz programação – e eles estão certos. As funções divergiram, e grande parte do trabalho de lidar com bytes e estruturas de dados hoje é atribuído a desenvolvedores que vivem em um mundo diferente.

Estrategicamente, faz sentido isentar os programadores da responsabilidade de manter tudo em funcionamento, porque as suas mentes estão perdidas no meio de toda a abstração. Mas os membros da equipe de DevOps ainda precisam escrever trechos de código e pensar abstratamente sobre estruturas de dados ocultos. Manter tudo funcionando requer inúmeras linhas de comando, mas que geralmente podem ser coletadas e simplificadas.

Continue Lendo “DevOps e seus segredos obscuros”