Microsoft Windows Server IoT 2019 fará parte das edições do novo Windows Server 2019


Com base em anuncio realizado no mês de Fevereiro, a Microsoft confirmou a disponibilidade da versão IoT para o futuro Windows Server 2019, denominado Windows Server 2019 IoT.

A documentação oficial destaca que Windows Server IoT 2019 é a versão completa do Windows Server 2019 que oferece capacidades de gerenciamento e segurança corporativas para soluções de IoT (Internet of Things ou Internet das Coisas).

A nova versão compartilha todos os benefícios do ecossistema do Windows em todo o mundo. Ele é um equivalente binário para o Windows Server 2019, para que você possa usar as mesmas ferramentas de desenvolvimento e gerenciamento conhecidas que você usa em seus servidores de uso geral:

Mas quando se referimos a modalidades de licenciamento e distribuição, a versão de uso geral e as versões de IoT diferem. O Windows Server IoT 2019 só é licenciado através do canal OEM com direitos especiais de uso dedicado.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – Windows Blogs – / Director of Program Management, Windows IoT and Networking.

Leia na integra acessando: https://blogs.windows.com/windowsexperience/2019/02/26/microsoft-announces-latest-windows-iot-innovations-for-intelligent-edge-devices-at-embedded-world/#ikeGT2SK1ocK3FbO.97

 

Programa de internacionalização de startups prorroga inscrições


O programa de internacionalização de startups Dream2B Global Acceleration – Batch 5 anunciou nesta semana a prorrogação das inscrições, que agora podem ser feitas até o próximo dia 25 de março.

Um pouco depois disso, em 30 de março, serão anunciadas as startups brasileiras selecionadas para fazer uma imersão no Canadá, que acontecerá entre 13 de maio e 7 de junho.

No total, serão escolhidas até seis empresas em fase de crescimento, que selecionadas terão suas despesas de passagens e hospedagem pagas por investidores em troca de equity das empresas.

O programa procura por companhias em crescimento em busca de impactar principalmente – mas não apenas – os seguintes mercados: lawtech, retailtech, cleantech, healthtech, cidades inteligentes, mobilidade urbana, agrotech, customer experience, construtech, educação e indústria 4.0.

“Daremos especial atenção às startups de tecnologias de inteligência artificial, big data e internet das coisas”, afirma a cofundadora e CEO da Dream2B, Regina Noppe.

As companhias escolhidas no Dream2B Global Acceleration – Batch 5 farão uma imersão de quatro semanas no Spark Centre, um centro aceleração de startups localizado em Oshawa, região da Grande Toronto, que já incubou mais de 600 startups.

Além disso, essas startups também irão participar de um evento de investidores chamado “World Angel Investment Summit”, em Calgary, que reúne mais de 700 investidores e é organizado por outra parceira da Dream2B, a NACO – Canadá National Angel Capital Organization.

Fontes e Direitos Autorais: ItMídia.com – Da Redação – 19/03/2019.

Novo Skype for Web traz recursos como videochamadas em HD, gravação de chamadas e painel de notificações


Em anúncio realizado nesta quinta-feira, 7/3, a Microsoft informou sobre lançamento oficial da mais nova versão web do Skype, que traz funcionalidades como videochamadas em HD e gravação de chamadas para todos os usuários de computadores sem que seja necessário baixar o aplicativo do serviço.

Com o update, o Skype for Web também ganhou outros recursos, como um painel de notificações, uma busca por frases e palavras nas suas mensagens, e uma galeria de mídias dos arquivos compartilhados com contatos nas conversas.

No entanto, vale notar que essa atualização da versão web do Skype só pode ser acessada pelos usuários por meio dos navegadores Edge, da própria Microsoft, e Chrome, do Google.

“Estamos felizes em anunciar o lançamento do novo Skype for Web. Agora você pode aproveitar os mais novos recursos a partir de qualquer desktop (Windows 10 e Mac OSX 10.12 ou mais recente) com as versões mais recentes do Google Chrome ou Microsoft Edge”, afirma a empresa em um post sobre a novidade publicado no seu blog.

Ao tentar acessar o Skype for Web por meio de um browser como Safari da Apple, ou Firefox, da Mozilla, o usuário receberá a seguinte mensagem na tela: “Navegador não suportado. Use o Microsoft Edge ou Google Chrome para acessar a experiência Skype for Web.

Outra alternativa é baixar o Skype no desktop do seu computador.”

Fontes e Direitos Autorais: ITMídia.com – Da Redação – 08/03/2019 às 16h00.

Raspberry Pi: 10 opções de kits para você conhecer e se apaixonar


Foto: Shutterstock

O Raspberry Pi é um pequeno computador incrivelmente flexível. Você pode usá-lo para uma ampla gama de projetos: o mesmo hardware pode alimentar uma configuração de jogo retro tão facilmente quanto um servidor de ad-blocking.

Mas para quem nunca lidou com uma placa de circuito em sua vida, começar a usar um Raspberry Pi pode parecer intimidante. Para esses desbravadores iniciantes, existem kits especiais que facilitam o primeiro projeto. Os básicos juntam uma placa Raspberry Pi e os componentes necessários (menos o teclado, mouse e monitor). Opções mais avançadas não possuem a placa Raspberry Pi e, em vez disso, concentram-se no hardware necessário para um projeto específico.

Procuramos as opções no mercado para identificar os melhores kits Raspberry Pi. Nossas principais escolhas incluem alternativas para todos os graus de projetos, quer você queira construir um PC secundário básico ou mergulhar diretamente em projetos avançados no melhor estilo maker.

Como comprar: no site da Raspberry Pi Foundation há uma loja online para a compra das placas. Você também pode encontrar placas e vários kits na Amazon.com.br. Na Amazon.com também é possível encontrar a maioria dos kits mencionados aqui. E uma busca no Google revela que há mais kits sendo vendidos no Brasil do que você imagina. Agora, se você tem amigos na Inglaterra ou vai viajar para lá, nada mais cool do que comprar direto na novíssima loja que a fundação Raspberry Pi inaugurou no shopping Grand Arcade no centro da cidade de Cambridge, Reino Unido.

Os Kits

Pi Desktop – Revendedor: Element 14 ; Preço: US$ 50 ; Não inclui a placa Raspberry Pi

Esse kit é básico. Visualmente é uma grande caixa quadrada que vem com uma placa adicional que se conecta ao Raspberry Pi por meio de seus pinos GPIO. Há também uma variedade de elementos tipo PC, incluindo uma interface mSATA, controlador de energia, relógio do sistema e dissipador de calor. Tudo o que você precisa incluir é uma placa Raspberry Pi 3 , um SSD com capacidade de até 1TB e uma atitude DIY de fazer tudo. Em pouco tempo você estará pronto para rodar com seu próprio desktop Raspberry Pi.

CanaKit Basic – Revendedor: CanaKit (via Amazon); Preço: US$ 50; Incluir placa Raspberry Pi 3

A fabricante de kits Raspberry Pi CanaKit oferece um kit básico com apenas os itens essenciais incluídos . Ele vem com uma placa Raspberry Pi 3, carregador, gabinete e dois dissipadores de calor. Os dissipadores de calor não são estritamente necessários, mas são um detalhe agradável. Para começar a funcionar, você precisará adicionar um cartão microSD , teclado, mouse e cabo HDMI.

CanaKit Raspberry Pi 3 Complete Starter Kit – Revendedor: CanaKit (via Amazon) – Preço: US$ 70 – Inclui placa Raspberry Pi 3

Este kit é um avanço do pacote inicial básico. O Complete Starter Kit da CanaKit inclui tudo o que você precisa para começar com um Raspberry Pi: você recebe uma placa Pi 3, um microSD de 32GB com o sistema operacional NOOBS pré-instalado, um gabinete, adaptador de energia, dois dissipadores de calor e um cabo HDMI. Se você quiser cair de cabeça sem ter que esperar por remessas separadas para seus componentes, este kit específico é a melhor alternativa.

Kit Retro Gaming – Revendedor: The Pi Hut – Preço: US$ 90.61 – Inclui placa Raspberry Pi 3

Um dos usos favoritos do Raspberry Pi é montar um console de jogos clássicos. Se você não quer vasculhar a Amazon e outros varejistas pelos materiais que você precisa, este kit de jogos da Pi Hut reúne tudo para você em um só lugar. Além do Raspberry Pi 3 e do case que o acompanha, você tem dois controles de jogos Super NES, um cartão microSD em branco, adaptador microSD para USB, se necessário, e um cabo HDMI de 1,8 m. Por razões legais, o varejista não pode fornecer o sistema operacional ou ROMs de videogame, então você terá que baixar todas essas coisas por conta própria. Se você não tem certeza de como começar, a  PC World tem um tutorial (em inglês) sobre como construir seu próprio console de jogos retro baseado em Pi .

CanaKit Raspberry Pi Kit for Dummies – Revendedor: CanaKit – Preço: US$ 90 – Inclui placa

O kit Raspberry Pi for Dummies é ótimo para quem quer entrar na onde dos hackers de hardware. Ele inclui um livreto Raspberry Pi for Dummies, que serve como uma cartilha para trabalhar com o Raspberry Pi e iniciar seus próprios projetos. O hardware do kit é o que você esperaria: uma placa Raspberry Pi 3, cartão microSD com o sistema operacional NOOBS instalado, fonte de alimentação, caixa Raspberry Pi 3, cabo HDMI de dois metros e dois dissipadores de calor. Você também recebe uma placa de montagem, fios de jumper (M / M e M / F), LEDs, interruptores de botão, resistores Ohm e um cartão de referência rápida GPIO.

PiAware Aircraft Tracking Kit – Revendedor: ModMyPi – Preço: US$ 110,02 – Inclui placa

Este é um kit de projeto interessante para os fãs de viagens aéreas . Ele permite transformar seu Raspberry Pi 3 em uma estação terrestre ADS-B (transmissão dependente de vigilância automática) – você receberá dados em tempo real de aviões dentro do alcance da antena FlightAware incluída. O kit inclui o Raspberry Pi 3, um estojo Raspberry Pi, cartão microSD com software PiAware instalado, fonte de alimentação, cabo de vídeo, cabo ethernet, dissipador de calor, FlightAware Pro Stick ou Pro Stick Plus, cabo USB, antena 1090MHz, 1090MHz band-pass Filtro SMA e um teclado. Este kit é personalizável, portanto, verifique as várias opções que o ModMyPi oferece antes de pagar.

Kit PiTop v2 – Revendedor: Adafruit – Preço: US$ 300 – Não inclui a placa

Se você está desejando que seu Raspberry Pi 3 vire um laptop, este kit da Adafruit é para você. Você terá que incluir sua própria placa Raspberry Pi , mas ela tem tudo o que você precisa: uma tela de 1080p de 14 polegadas, fácil acesso ao Pi, bem como quaisquer outros cabos ou dispositivos USB, um cartão SD de 8GB com Pi -Top OS, vários cabos e parafusos e carregador. Este kit PiTop de segunda geração é compatível com várias placas Raspberry Pi, incluindo o novo Raspberry Pi 3 Modelo B + .

Google AIY Voice Kit – Revendedor: ModMyPi  – Preço: US$ 32,36 – Não inclui placa

O kit de voz do Google AIY não é para criar um Google desktpo. Em vez disso, ele é um projeto faça-você-mesmo de um Google Home usando um Raspberry Pi 3. Lembrando que o kit não inclui a placa Raspberry Pi. Ele vem com uma placa acessória de voz HAT, placa de microfone de voz HAT, um alto-falante de três polegadas, um botão, fios e componentes variados, e uma caixa de papelão e moldura para abrigar todo o projeto. Para completar o projeto, você precisará de um Raspberry Pi 3 , um cartão microSD , uma chave de fenda Philips e uma fita.

Google AIY Voice Kit v2 – Revendedor: Alvo – Preço: US$ 50 – Inclui placa

O Google ganha uma segunda versão do seu kit de voz AIY que facilita muito a montagem de um Google Home. Este modelo vem com os principais componentes, incluindo um alto-falante, voz HAT e botão de pressão. A grande diferença entre este kit e a versão anterior é que ele vem com a placa Raspberry Pi Zero WH como parte do kit, bem como um cartão SD pré-carregado. Você pode optar por comprar um Raspberry Pi 3 separadamente, é claro. Há também um aplicativo complementar para Android para facilitar a configuração e a configuração sem fio.

Google AIY Vision Kit v2 – Revendedor: Alvo – Preço: US$ 90 – Inclui placa

Semelhante ao seu companheiro de kit de voz, a versão mais recente do Kit de Visão vem com uma placa Raspberry Pi Zero WH incluída e cartão SD pré-carregado. Este kit ajuda os DIYers a criar uma câmera inteligente que pode “reconhecer objetos, detectar rostos e emoções”. Os outros componentes principais são a câmera Raspberry Pi, o Vision HAT, o botão pulsador, o chicote de botões, o LED de privacidade e a campainha. Ele também funciona com o mesmo aplicativo complementar do AIY para Android.

Google AIY Voice Kit v2 – Revendedor: Alvo – Preço: US$ 50 – Inclui placa

O Google ganha uma segunda versão do seu kit de voz AIY que facilita muito a montagem de um Google Home. Este modelo vem com os principais componentes, incluindo um alto-falante, voz HAT e botão de pressão. A grande diferença entre este kit e a versão anterior é que ele vem com a placa Raspberry Pi Zero WH como parte do kit, bem como um cartão SD pré-carregado. Você pode optar por comprar um Raspberry Pi 3 separadamente, é claro. Há também um aplicativo complementar para Android para facilitar a configuração e a configuração sem fio.

Google AIY Vision Kit v2 – Revendedor: Alvo – Preço: US$ 90 – Inclui placa

Semelhante ao seu companheiro de kit de voz, a versão mais recente do Kit de Visão vem com uma placa Raspberry Pi Zero WH incluída e cartão SD pré-carregado. Este kit ajuda os DIYers a criar uma câmera inteligente que pode “reconhecer objetos, detectar rostos e emoções”. Os outros componentes principais são a câmera Raspberry Pi, o Vision HAT, o botão pulsador, o chicote de botões, o LED de privacidade e a campainha. Ele também funciona com o mesmo aplicativo complementar do AIY para Android.

Fontes e Direitos Autorais: cio.com.br – Da Redação, com PC World.
Leia na integra acessando: https://cio.com.br/raspberry-pi-10-opcoes-de-kits-para-makers/

Formjacking é o mais novo esquema de lucro dos criminosos cibernéticos


Diante da redução dos retornos provenientes de ransomware e cryptojacking, os criminosos cibernéticos têm recorrido a métodos alternativos, como o formjacking, para ganhar dinheiro, de acordo com o Internet Security Threat Report (ISTR), Volume 24, da Symantec, recém divulgado.

O estudo oferece uma visão geral do panorama de ameaças, incluindo informações sobre atividades das ameaças globais, tendências de criminosos cibernéticos e motivações dos invasores, a partir da análise dos dados da Global Intelligence Network da Symantec, uma das maiores redes civis de inteligência contra ameaças do mundo, que registra eventos de 123 milhões de sensores de ataque, bloqueia 142 milhões de ameaças diariamente e monitora as atividades em mais de 157 países. Os destaques do relatório deste ano incluem:

1 – Crescimento do formjacking
Os ataques de formjacking são simples (essencialmente, como roubos virtuais de caixa eletrônico), com criminosos cibernéticos injetando código malicioso em sites de lojas, para roubar informações sobre os cartões de pagamento dos clientes. Em média, mais de 4.800 sites únicos são comprometidos por código de formjacking, todos os meses. A Symantec bloqueou mais de 3,7 milhões de ataques de formjacking contra endpoints em 2018, com quase um terço de todas as detecções ocorrendo durante o período mais movimentado do ano em compras online, entre novembro e dezembro.

Embora os sites de pagamentos de algumas empresas conhecidas, incluindo a Ticketmaster e a British Airways, tenham sido comprometidos por código de formjacking recentemente, a pesquisa da Symantec revela que as lojas pequenas e médias são as mais comprometidas.

Em estimativas conservadoras, os criminosos cibernéticos podem ter se apropriado de dezenas de milhões de dólares no ano passado, roubando informações pessoais e financeiras dos clientes, por meio de fraudes com cartão de crédito e vendas na Dark Web. Apenas 10 cartões de crédito roubados de cada site comprometido poderiam render até U$ 2,2 milhões por mês, com um único cartão de crédito, alcançando o preço de U$ 45 nos fóruns de vendas ilegais. Com mais de 380.000 cartões de crédito roubados, apenas o ataque à British Airways pode ter permitido que os criminosos lucrassem mais de U$ 17 milhões.

“O formjacking é uma ameaça séria, tanto para as empresas como para os clientes”, diz Greg Clark, CEO da Symantec. “Sem usar uma solução de segurança abrangente, os clientes não têm meios de saber se estão visitando uma loja online infectada, deixando suas valiosas informações pessoais e financeiras vulneráveis a um roubo de identidade que pode ser devastador. Para as empresas, o aumento explosivo do formjacking reflete o risco crescente de ataques de logística, para não mencionar os riscos à reputação que as empresas enfrentam quando são comprometidas.”

2 – A redução de retorno de cryptojacking e ransomware
Nos últimos anos, o ransomware e o cryptojacking foram os métodos mais usados por criminosos cibernéticos em busca de dinheiro fácil – os criminosos aproveitam o poder de processamento roubado e o uso da CPU de clientes e empresas, na nuvem, para minerar criptomoedas. Porém, em 2018 houve uma redução de retorno e, consequentemente, desse tipo de atividade. Esses ataques se tornaram menos eficazes principalmente devido à queda dos valores das criptomoedas e da adoção crescente da nuvem e da computação móvel. Pela primeira vez desde 2013, as infecções por ransomware diminuíram, caindo 20%. Apesar disso, as organizações não devem baixar a guarda. As infecções por ransomware em empresas saltaram 12% em 2018, contrariando a tendência geral de queda e demonstrando que o ransomware continua sendo uma ameaça contínua às empresas. De fato, mais de oito em cada dez infecções por ransomware são em empresas.

Embora as atividades de cryptojacking tenham chegado ao ápice no início do ano passado, elas diminuíram em 52% ao longo de 2018. Mesmo com o valor das criptomoedas caindo 90% e perdendo lucratividade, o cryptojacking ainda é atraente para os invasores, devido à facilidade dos ataques, sobrecarga mínima e anonimato que oferece. A Symantec bloqueou mais de 3,5 milhões de eventos de cryptojacking em endpoints apenas em dezembro de 2018.

3 – Em segurança, a nuvem é o novo PC
Os mesmos erros de segurança que eram cometidos nos PCs durante sua adoção inicial pelas organizações, agora estão acontecendo na nuvem. Uma única carga de trabalho ou instância de armazenamento mal configurada na nuvem pode custar milhões de dólares a uma empresa ou colocá-la em um pesadelo de conformidade. Somente no ano passado, mais de 70 milhões de registros foram roubados ou vazados por causa de buckets do S3 mal configurados. Também existem várias ferramentas facilmente acessíveis na Internet, que permitem aos invasores identificar recursos mal configurados na nuvem.

As descobertas recentes de vulnerabilidades em chips de hardware, incluindo Meltdown, Spectre e Foreshadow também colocam os serviços na nuvem em risco de exploração – para obtenção de acesso aos espaços de memória protegidos – outros recursos da companhia que estejam hospedados no mesmo servidor físico.

4 – Ataques mais furtivos e ambiciosos graças ao uso de ferramentas de ataque de subsistência e pontos fracos de logística
Os ataques de logística e de subsistência (LotL) agora são comuns no panorama moderno de ameaças, sendo amplamente adotados tanto por criminosos cibernéticos como por grupos de ataques direcionados. De fato, os ataques de logística aumentaram 78% em 2018.

As técnicas de ataque de subsistência permitem que os invasores mantenham um perfil discreto e escondam suas atividades em meio a uma massa de processos legítimos. Por exemplo, o uso de scripts maliciosos do PowerShell aumentou em 1.000% no ano passado. Embora a Symantec bloqueie 115.000 scripts maliciosos do PowerShell todos os meses, isso representa menos de 1% do uso geral do PowerShell. Uma abordagem excessiva, visando o bloqueio de todas as atividades do PowerShell, atrapalharia as empresas, demonstrando ainda mais claramente porque a técnica de ataque de subsistência se tornou a tática preferida de muitos grupos de ataques direcionados.

Identificar e bloquear esses ataques são tarefas que requerem o uso de métodos avançados de detecção, incluindo análise e Machine Learning.

Além das táticas de ataque de subsistência e pontos fracos na logística de software, os invasores também estão aumentando o uso de métodos convencionais de ataque, como o phishing direcionado, para se infiltrar nas organizações. Embora a coleta de inteligência continue sendo o motivo principal dos ataques direcionados, o número de grupos de ataque usando malware para destruir e atrapalhar as operações comerciais aumentou 25% em 2018.

5 – A Internet das Coisas na mira dos criminosos cibernéticos e grupos de ataque
Apesar do volume de ataques à Internet das Coisas (Internet of Things, IoT) ter permanecido alto e consistente com os níveis de 2017, o perfil dos ataques está mudando bastante. Embora roteadores e câmeras conectadas componham a maior porcentagem de dispositivos infectados (90%), foi provado que quase todos os dispositivos IoT são vulneráveis, e todos eles, de lâmpadas inteligentes a assistentes de voz, podem criar pontos de entrada adicionais para invasores.

Os grupos de ataques direcionados estão cada vez mais concentrados na IoT como um ponto de entrada crucial. O surgimento do malware roteador VPNFilter representa uma evolução das ameaças tradicionais à IoT. Concebido por um agente de ameaças habilidoso e com recursos, ele permite que seus criadores destruam ou apaguem um dispositivo, roubem credenciais e dados, e interceptem comunicações SCADA.

“Com a tendência crescente da convergência da TI e da IoT industrial, o próximo campo de batalha cibernético será a tecnologia operacional”, afirma Kevin Haley, diretor de Security Response da Symantec. Um número crescente de grupos, como Thrip e Triton, demonstrou interesse em comprometer sistemas operacionais e sistemas de controle industrial em uma possível preparação para guerra cibernética.

6 – O grande despertar da privacidade
Com o recente escândalo de dados da Cambridge Analytica, as audiências sobre privacidade do Facebook, a implementação do Regulamento Geral de Proteção de Dados (General Data Privacy Regulation  – GDPR) e revelações sobre o rastreamento de localização de aplicativos e bugs de privacidade em apps muito utilizados, como o recurso FaceTime da Apple, a privacidade do consumidor ganhou os holofotes no ano passado.

O smartphone pode ser o melhor dispositivo de espionagem que já existiu – câmera, dispositivo de escuta e rastreador de localização, tudo no mesmo aparelho, que é carregado voluntariamente e usado onde quer que o proprietário esteja. Embora já sejam alvo de Estados devido a espionagem tradicional, os smartphones também se tornaram uma ferramenta lucrativa para coletar informações pessoais dos clientes, com os desenvolvedores de aplicativos móveis figurando como piores infratores.

De acordo com a pesquisa Symantec, 45% dos aplicativos Android e 25% dos aplicativos iOS mais populares solicitam rastreamento de local; 46% dos aplicativos Android e 24% dos aplicativos mais populares do iOS solicitam permissão para acessar a câmera do dispositivo; e os endereços de e-mail são compartilhados com 44% dos principais aplicativos para Android e 48% dos aplicativos mais populares do iOS.

Ferramentas digitais que coletam dados de celulares para rastrear crianças, amigos ou telefones perdidos também estão aumentando e abrindo um caminho para o abuso de tecnologia, ao rastrear outras pessoas sem consentimento.

Mais de 200 aplicativos e serviços oferecem aos possíveis perseguidores uma variedade de recursos, incluindo rastreamento básico de localização, coleta de texto e até a gravação secreta de vídeos.

Fontes e Direitos Autorais: cio.com.br – Direto da Redação.

LGPD promete tornar o Brasil o país mais auditado do mundo


Prevista para entrar em vigor em agosto do próximo ano, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) impactará toda a sociedade brasileira, como poucas leis fizeram. Esse novo conjunto de regras para a utilização e transferência de dados pessoais deverá tornar o Brasil o país mais auditado do mundo, em relação à proteção e privacidade de dados pessoais.

O cuidado será maior com informações como nome, endereço, número de documentos, formulários cadastrais, entre outros, capazes de identificar uma pessoa. O objetivo é garantir que esses dados sejam coletados apenas com o consentimento, guardados com segurança e descartados de acordo com as regras exigidas. Caso haja algum tipo de vazamento ou roubo, a empresa responsável pelo incidente será punida com multas que podem chegar até R$ 50 milhões.

Essas boas práticas, que se transformaram em lei, foram inspiradas pela GDPR (General Data Protection Regulation), uma regulamentação aplicada desde maio de 2018 em toda organização da União Europeia. No Brasil, no entanto, essa nova regulamentação vem para complementar um conjunto de outras leis que já visam garantir a integridade dos brasileiros, como a própria Constituição Federal, o Código Civil, a Lei de Acesso à Informação, o Código de Defesa Consumidor, o Marco Civil da Internet e a Lei do Cadastro Positivo. Nenhum outro país do mundo tem uma auditoria tão forte em respaldo ao cidadão, neste sentido.

Você pode estar se perguntando, por que com todo esse conjunto de leis ainda é preciso aprovar mais uma específica? Bastavam as empresas seguirem à risca a Constituição, que garante que a vida privada de qualquer pessoa é inviolável, certo? Na teoria, e de forma bem simplista, digo que sim.

Mas é preciso entender que vivemos em uma nova era gerida por dados. Mais do que a internet, o compartilhamento de informações moldou novas formas de consumir, de se fazer negócios e de se relacionar. Os dados, por sua vez, tornaram-se uma valiosa moeda nessa nova economia digital.

Na prática, o movimento para a implementação de uma política especial para o registro de dados pessoais nas empresas, significa também um grande avanço na área de segurança. As organizações precisam estar mais conscientes de todo o fluxo de coleta e uso de informações de seus clientes.  Esse controle é possível por meio da tecnologia e de sistemas especializados que garantem a integridade desses materiais, estejam eles em qualquer dispositivo ou na nuvem.  Adaptar às essas novas exigências, exigirá das empresas além das ferramentas certas, uma análise sobre a coleta de informações que façam sentido ao negócio, pois passam a ser responsáveis por elas.  Segurança será o item obrigatório para cumprir a lei.

O Marco Civil da Internet, em 2014, foi uma importante iniciativa nesse sentido, porém ainda deixava algumas lacunas em relação à proteção de informações. A LGPD foi estruturada com ainda mais rigor para que o cidadão tenha maior controle sobre o uso de seus dados pessoais e tenha a consciência do valor que tem em mãos.

A fiscalização será a mola propulsora para que a lei funcione. Para isso, nos últimos dias do ano passado, foi aprovada a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), que será o órgão responsável por zelar os dados, editar novas normas e procedimentos sobre o tema e aplicar as punições em caso de descumprimento de regras. Caberá ao ANPD.

Atuando como uma agência reguladora, a ANPD será estruturada com profissionais especializados em proteção de dados e internet, capazes de analisar os fatos e garantir a segurança. A criação dessa Autoridade é fundamental para a eficácia da lei, pois além de interpretações, comunicações e atuação direta sobre cumprimentos e sanções, caberá à agência um papel de conscientização sobre o tema, que passa por uma transformação cultural da própria sociedade.

Uma coisa é certa, como tudo o que é novo, a LGPD ainda vai gerar muitas dúvidas, tanto para as empresas, que precisam se adequar, quanto para os cidadãos, mas trará também boas oportunidades. Garantir a integridade de dados será um diferencial de negócios.

Veremos a maturidade dessa nova regulamentação, passando pelo desenvolvimento de novas práticas de governança, revisões jurídicas e evolução tecnológica para acompanhar esses processos. O importante, no entanto, é garantir a segurança para que novos tempos não sejam sinônimos de velhos problemas.

Fontes e Direitos Autorais: cio.com.br – Jeferson Propheta.

Microsoft começa a testar atualizações de recursos do Windows 10 previstos para 2020


Microsoft apenas lançou seu primeiro “skip ahead “ do Windows 10 para insiders, mas este vem com uma considerável diferença em relação aos ciclos anteriores.

Em vez de testar compilações que são para a próxima atualização do recurso do Windows 10, codinome 19H2, o atual time de insiders anel skip ahead recebeu hoje uma compilação 20H1, fazendo com que a próxima atualização do recurso do Windows 10 agendada para 2020 comece a ser conhecida.

A partir de agora, a maioria da equipe do Windows está trabalhando duro na próxima atualização de recursos do Windows 10, codinome 19H1 e programada para lançamento este ano.

Esta atualização inclui novidades como um novo tema de luz, melhorias para o centro de ação, Windows sandbox, entre outros itens. O 19H2 é a atualização agendada para este ano, e não está em testes com insiders ainda.

Microsoft flights Windows 10 build 18836 to Skip Ahead Insiders with 20H1 changes

Então, é surpreendente ver a Microsoft começar Flighting para o 20H1  em plena fase de voos para insiders que estão trabalhando Skip Ahead tão brevemente, sabendo que boa parte das atualizações referentes ao ciclo 2019 ainda estão em fase de testes.

O gigante Redmond diz que a razão de já estar trabalhando no 20H1 é porque o seu trabalho em novos recursos que requerem um tempo de execução muito maior, na qual a empresa se encontra pisando em território especulativo, que isso tem algo a ver com o Windows Core OS ou CShell.

Fontes e Direitos Autorais: WindowsCentral.com – Zac Bowden – 14/02/2019.
Leia na integra acessando: https://www.windowscentral.com/microsoft-starts-testing-next-years-windows-10-feature-updates

Microsoft anuncia a realização da Build Conference para os dias 06 e 08 de Maio


Agora é oficial!

A Microsoft anunciou que seu grande evento o Build Developer Conference realizada anualmente será mais uma vez no mês de Maio especificamente nos dia 6, 7 e 8 em Seattle – Estados Unidos.

Da mesma maneira que ocorreu em 2018, os dias de realização do Build serão bem próximas aos dias que a Google Developer será realizada, marcada também para o mês de Maio, nos dias 7, 8 e 9.


Presidente Mundial da Microsoft Satya Nadella na abertura do Build Developer Conference 2018.

Espera-se que o Build 2019 tenha mais conversas da Microsoft sobre oportunidades de desenvolvedores usando o Azure e o Windows. Os rumores também sugerem que a Microsoft vai finalmente falar mais sobre o Windows Core OS, e pode até mesmo tirar os envoltórios da Microsoft próximos ao Windows Lite OS.

As inscrições para este grandioso evento se iniciando no dia 27 de Fevereiro, através do link –  Registration for Build 2019.

Fontes e Direitos Autorais: Windows Central – Zac Bowden – 06/02/2019.
Leia na integra acessando: https://www.windowscentral.com/microsoft-announces-build-developer-conference-may-6-8

Microsoft anuncia modo escuro no OneNote e melhorias na navegação


O OneNote é um programa de anotações incrivelmente popular da Microsoft que é usado por milhões de clientes em todo o mundo. Enquanto o OneNote apresenta uma variedade de ferramentas como a capacidade de desenhar, o mesmo ainda não se sente uma ferramenta  unificada ou até mesmo integrado com o sistema operacional de um certo modo.

Repare no seguinte cenário, observe que sempre ao acessar o OneNote, o mesmo apresenta um ambiente totalmente brilhante, isso ao longo do seu uso, pode tornar seu usabilidade um pouco cansativa, e não só isso, este brilho pode gerar possível danos as nossas retinas.

Desta maneira, o aplicativo é sempre incrivelmente brilhante, não importa se o seu sistema operacional é personalizado para ir fácil sobre os olhos. Felizmente, isso está prestes a mudar muito em breve.

De acordo com um relatório da aggiornamenti Lumia, a Microsoft está adicionando um tema escuro para o OneNote em seus próximas atualizações. Não é claro quando esse recurso será liberado, mas parece que ele já está rolando para um seleto grupo de insiders do Windows na atual fase de testes.

A Figura 1 abaixo ilustre o OneNote em modo escuro (Dark Mode):Figura 1 – Visual do OneNote em uso apresentando o Dark Mode.

Além do modo escuro, o OneNote parece estar recebendo navegação melhorada. Segundo o Vice-Presidente da Microsoft Laura Buttler informou em uma nota: “um novo conjunto de aprimoramentos foram adicionados, permitindo assim estabelecer a navegação melhorada”,  outros indícios destes possíveis aprimoramentos também foi encontrar em imagens recentes publicadas no Twitter.

Esperemos que as alterações irão tornar o OneNote ainda mais fácil de usar,  o qual está disponível em uma variedade de plataformas do Windows para o Mac, por isso é uma ferramenta bastante versátil.

Fonte e Direitos Autorais: Windows Central – Asher Madan  – 06/02/2019.
Leia na integra acessando: https://www.windowscentral.com/onenote-gets-dark-mode-and-improved-navigation-soon

Novos emojis adicionados ao Windows incluem representação de acessibilidade, flamingos e gesto de beliscar


Após longa espera a Microsoft adicionou novos emojis ao sistema operacional Windows. Nos últimos meses diversos usuários realizaram solicitações a Microsoft para que estas pequenas representações de sentimentos, expressões, e emoções fossem incluídas ao atual conjunto de “carinhas e símbolos” já existentes.

Desde a ascensão dos smartphones, os emojis deram aos usuários a capacidade de se expressarem de várias maneiras. Seja capturando as emoções ou descrevendo quem são, os emojis nos ajudam a fazer isso através de mensagens de texto e tweets.

Enquanto há um monte de emojis que atendem a um grande público, alguns grupos e culturas foram deixados de fora. Felizmente, isso está prestes a mudar de uma forma significativa em 2019.

De acordo com um relatório de Emojipedia, “a lista final do emoji para 2019 foi aprovada agora pelo consórcio de Unicode e inclui um total de 230 emojis novos que vêm às plataformas principais este ano.” Esta decisão inclui “adições previamente solicitadas, como um Flamingo, Otter, cão guia… Waffle, templo hindu, Sari, preguiça e mate. “no entanto, a maior mudança tem de ser a acessibilidade.

Os emojis como próteses, aparelhos auditivos, cadeiras de rodas e outros farão parte dessa expansão, a qual representam justamente falta uma simbolização relacionada com este grupo importante e diversificado.

Você pode ver todos os novos emojis na Figura 1 abaixo:

Figura 1 – Relação completa dos 230 novos emojis adicionados.

Novos emojis virão para iOS, Android, Windows, vários mensageiros como o WhatsApp, e plataformas Web como Twitter e Facebook em todo 2019. No entanto, tenha em mente que sua aparência e datas de lançamento irá variar de plataforma para plataforma. Isso pode causar alguns problemas se, por exemplo, um dispositivo iOS recebe esses emojis antes do Android.

Esperemos que no futuro ainda mais grupos, culturas e religiões possam ser representados em emojis. O vídeo abaixo apresenta de uma maneira animada e dinâmica a inclusão destes novos amiguinhos:

Além disso, se você sente que um Emoji em particular deve ser incluído, entre em contato consórcio de Unicode, apresentando uma proposta descrevendo o motivo e principalmente a importância deste “novo possível emoji” ser adicionado.

Fontes e Direitos Autorais: Windows Central – Asher Madan – 06/02/2019.
Leia na integra acessando: https://www.windowscentral.com/new-emojis-coming-windows-include-accessibility-representation-flamingos-pinching-gesture-and-more

Microsoft SQL Server 2014 SP3 Atualização Cumulativa 1 liberada


A Microsoft informou no decorrer desta semana em seu blog SQL Server Release Services a disponibilidade da Atualização Cumulativa 1 para SQL Server 2014 SP3.

Com base, no artigo KB4470220 publicado no site de suporte, a atualização traz correções para múltiplos bugs no SQL Server 2014 SP3.

A lista com os bugs corrigidos destaca um dos mais reportados após o lançamento do Service Pack, conhecido por causar a ocorrência de resultados incorretos quando você converte o parâmetro pollinginterval de segundos para horas na System Stored Procedure sys.sp_cdc_scan, outro bug destacado se relacionado com um erro de violação de acesso no SQL Server Analysis Services durante o processamento de um banco de dados analítico.

A Atualização Cumulativa 1 para SQL Server 2014 SP3 está disponível para download em múltiplos idiomas para plataformas 32 e 64 bits, após a instalação desta atualização o Build Version será evoluído para o número: 12.0.6205.1.

A seguir destaco relação completa de atualizações disponíveis para o Microsoft SQL Server 2014 desde o seu lançamento, em destaque as mais recentes dentre elas o Service Pack 3.

SQL Server 2014 Service Pack 3 (SP3) e atualização cumulativa (CU) compilações


Nome da atualização cumulativa Versão da compilação Número da base de dados de conhecimento Dia do lançamento
SQL Server 2014 SP3 CU1 12.0.6205.1 KB4470220 12 de dezembro de 2018
SQL Server SP3 de 2014 12.0.6024.0 KB4022619 30 de outubro de 2018

SQL Server 2014 Service Pack 2 (SP2) e atualização cumulativa (CU) compilações


Nome da atualização cumulativa Versão da compilação Número da base de dados de conhecimento Dia do lançamento
SQL Server 2014 SP2 CU15 12.0.5605.1 KB4469137 12 de dezembro de 2018
SQL Server 2014 SP2 CU14 12.0.5600.1 KB4459860 15 de outubro de 2018
SQL Server 2014 SP2 CU13 12.0.5590.1 KB4456287  27 de agosto de 2018
SQL Server 2014 SP2 CU12 12.0.5589.7 KB4130489 18 de junho de 2018
SQL Server 2014 SP2 CU11 12.0.5579.0 KB4077063 19 de março de 2018
SQL Server 2014 SP2 CU10 12.0.5571.0 KB4052725 16 de janeiro de 2018
SQL Server 2014 SP2 CU9 12.0.5563.0 KB4055557 18 de dezembro de 2017
SQL Server 2014 SP2 CU8 12.0.5557.0 KB4037356 16 de outubro de 2017
SQL Server 2014 SP2 CU7 12.0.5556.0 KB4032541 28 de agosto de 2017
SQL Server 2014 SP2 CU6 12.0.5552.0 KB4019094 17 de julho de 2017
SQL Server 2014 SP2 CU5 12.0.5546.0 KB4013098 17 de abril de 2017
SQL Server 2014 SP2 CU4 12.0.5540.0 KB4010394 21 de fevereiro de 2017
SQL Server 2014 SP2 CU3 12.0.5538.0 KB3204388 19 de dezembro de 2016
SQL Server 2014 SP2 CU2 12.0.5522.0 KB3188778 17 de outubro de 2016
SQL Server 2014 SP2 CU1 12.0.5511.0 KB3178925 25 de agosto de 2016
SQL Server 2014 SP2 12.0.5000.0 KB3171021 11 de julho de 2016

SQL Server 2014 Service Pack 1 (SP1) e atualização cumulativa (CU) compilações


Nome da atualização cumulativa Versão da compilação Número da base de dados de conhecimento Dia do lançamento
SQL Server 2014 SP1 CU13 12.0.4520.0 (build mais recente) KB4019099 17 de julho de 2017
SQL Server 2014 SP1 CU12 12.0.4511.0 KB4017793 17 de abril de 2017
SQL Server 2014 SP1 CU11 12.0.4502.0 KB4010392 21 de fevereiro de 2017
SQL Server 2014 SP1 CU10 12.0.4491.0 KB3204399 19 de dezembro de 2016
SQL Server 2014 SP1 CU9 12.0.4474.0 KB3186964 17 de outubro de 2016
SQL Server 2014 SP1 CU8 12.0.4468.0 KB3174038 15 de agosto de 2016
SQL Server 2014 SP1 CU7 12.0.4459.0 KB3162659 20 de junho de 2016
SQL Server 2014 SP1 CU6 12.0.4457.0 KB3167392 30 de maio de 2016
SQL Server 2014 SP1 CU6 (preterido) 12.0.4449.0 KB3144524 18 de abril de 2016
SQL Server 2014 SP1 CU5 12.0.4439.1 KB3130926 22 de fevereiro de 2016
SQL Server 2014 SP1 CU4 12.0.4436.0 KB3106660 21 de dezembro de 2015
SQL Server 2014 SP1 CU3 12.0.4427.24 KB3094221 19 de outubro de 2015
SQL Server 2014 SP1 CU2 12.0.4422.0 KB3075950 17 de agosto de 2015
SQL Server 2014 SP1 CU1 12.0.4416.1 KB3067839 19 de junho de 2015
SQL Server SP1 de 2014 12.0.4100.1 KB3058865 4 de maio de 2015

Compilações do SQL Server 2014 atualização cumulativa (CU)


Nome da atualização cumulativa Versão da compilação Número da base de dados de conhecimento Dia do lançamento
CU14 12.0.2569.0 (build mais recente) KB3158271 20 de junho de 2016
CU13 12.0.2568.0 KB3144517 18 de abril de 2016
CU12 12.0.2564.0 KB3130923 22 de fevereiro de 2016
CU11 12.0.2560.0 KB3106659 21 de dezembro de 2015
CU10 12.0.2556.4 KB3094220 19 de outubro de 2015
CU9 12.0.2553.0 KB3075949 17 de agosto de 2015
CU8 12.0.2546.0 KB3067836 19 de junho de 2015
CU7 12.0.2495.0 KB3046038 20 de abril de 2015
CU6 12.0.2480.0 KB3031047 16 de fevereiro de 2015
CU5 12.0.2456.0 KB3011055 17 de dezembro de 2014
CU4 12.0.2430.0 KB2999197 21 de outubro de 2014
CU3 12.0.2402.0 KB2984923 18 de agosto de 2014
CU2 12.0.2370.0 KB2967546 27 de junho de 2014
CU1 12.0.2342.0 KB2931693 21 de abril de 2014

Fontes e Direitos Autorais: Suporte da Microsoft – Versões de compilação do SQL Server 2014 – 14/12/2018 – https://support.microsoft.com/pt-br/help/2936603/sql-server-2014-build-versions

Aproximadamente 120 milhões de brasileiros tiveram seus números de CPF expostos de forma indevida na Internet


Um relatório da empresa InfoArmor, destaca que um servidor Web com Apache foi descoberto em março deste ano não estava configurado corretamente e expôs online os dados armazenados nele.

Por padrão, o Apache retorna o conteúdo de um arquivo chamado index.html quando ele está presente. Se um arquivo com este nome não existe e a listagem de diretórios está habilitada, ele exibirá então os arquivos, pastas e também possibilitará seu download.

Como é possível ver na imagem abaixo do servidor configurado incorretamente, alguém deve ter renomeado o arquivo index.html para index.html_bkp, o que fez com que o servidor listasse os arquivos e pastas com tamanhos variando de 27MB até 82GB:

Números de CPF de 120 milhões de brasileiros foram expostos online

Ao abrir um dos arquivos os analistas da InfoArmor descobriram que ele continua informações como números de CPF, informações pessoais, informações militares, números de telefone, informações sobre empréstimos e endereços:

Database Tables

Ao tentar entrar em contato com o proprietário do banco de dados enquanto ainda monitorava o diretório exposto, a InfoArmor viu o arquivo de 82GB ser substituído por um arquivo .sql com 25GB.

Com base nos tipos de arquivos armazenados e nos dados contidos neles, é possível que o diretório exposto estava sendo usado para armazenar backups de bancos de dados sem perceber que eles estavam expostos online.

No final de março o servidor foi reconfigurado e os arquivos deixaram de ser expostos publicamente, não é possível afirmar por quanto tempo os arquivos ficaram expostos antes do servidor configurado incorretamente ter sido descoberto pela InfoArmor e nem se criminosos tiveram acesso aos dados.

Fontes e Direitos Autorais: BleepIngComputer – Lawrence Abrams – 12/12/2018 – https://www.bleepingcomputer.com/news/security/taxpayer-id-numbers-for-120-million-brazilians-exposed-online; e

InfoArmor – Christian Less – Special Report: InfoArmor Finds 120 Million Brazilian Identities Exposed – 12/12/2018 – https://blog.infoarmor.com/employees/infoarmor-discovers-120-million-brazilian-identities-exposed

Microsoft pode estar planejando versão lite do Windows como possível concorrente do Chrome OS


Em mais um de seus diversos rumores e burburinhos, Brad Sams através do website Petri.com, informa que a Microsoft esta trabalhando no desenvolvimento de uma versão possivelmente lite para o Windows: “O Windows Lite está sendo desenvolvido pela Microsoft para competir diretamente com o ChromeOS.”

Um detalhe que chama a atenção é que esta versão pode não ter a palavra “Windows” no nome, mas nada disso foi confirmado oficialmente.

Diferente do Windows RT e do Windows 10 S, o suposto Windows Lite só rodará PWAs (Progressive Web Apps) e aplicativos baseados na Universal Windows Platform (UWP). Nada de Win32.

Esta seria finalmente uma versão do Windows totalmente “leve” e livre do código legado presente nas outras versões. Além disso, os rumores dizem que esta suposta nova versão do sistema operacional só será disponibilizada para os fabricantes de PCs.

Indícios do nome “Lite” já apareceram em alguns builds recentes do SDK do Windows, como o 18282.

Rumor: Windows Lite será concorrente direto do ChromeOS

O “real” motivo para a morte do Windows 10 S como versão separada do sistema operacional é que isto foi necessário para abrir caminho para o Windows Lite.

O objetivo da Microsoft com a suposta nova versão é criar um sistema operacional que possa ser inicializado instantaneamente, sempre conectado e compatível com diferentes arquiteturas de processadores.

Como a Qualcomm pretende anunciar uma nova geração do seu processador Snapdragon com performance superior à do Snapdragon 835, é bem possível que o novo chip seja utilizado em dispositivos com o Windows Lite.

O suposto novo sistema operacional também terá uma nova interface, mas mais uma vez é importante destacar que nada disso foi confirmado oficialmente pela Microsoft.

Fontes e Direitos Autorais: Petri.com – https://www.petri.com/what-is-windows-core-os-its-microsofts-chromebook-os-killer – 03/12/2018.

Novos ícones para o Microsoft Office 365 são apresentados


Publicado em seu canal no YouTube a Microsoft divulgou um vídeo, apresentando os novos ícones para os aplicativos do Office 365. A última grande mudança nos ícones do Office foi com o lançamento do Office 2013 anos atrás.

A Microsoft criou novos ícones para o Word, Excel, PowerPoint, OneNote, Outlook e também para outros produtos que fazem parte do Office 365 para empresas como o SharePoint, Microsoft Teams e Skype:

Microsoft apresenta novos ícones para os aplicativos do Office 365

De acordo com o anúncio da Microsoft, os novos ícones para os aplicativos do Office 365 estarão disponíveis para todas as plataformas nos próximos meses. Segundo Jon Friedman –  Head of Microsoft Office design: “Design está se tornando o coração e a alma do Office. Saiba como evoluímos nossa identidade visual para refletir as experiências simples, poderosas e inteligentes do Office 365.” Eles serão disponibilizados primeiro nos aplicativos móveis e na versão Web.

Um detalhe que chama a atenção é que o vídeo também mostra novos ícones para outros aplicativos do próprio Windows 10, como Email, Calendário, Notícias, Fotos e Calculadora.

Diferente dos ícones para os aplicativos do Office, ainda não se sabe quando os novos ícones para os aplicativos do Windows 10 estarão disponíveis.

Vídeo apresentando os novos ícones para os aplicativos do Office 365:

Sistemas visuais flexíveis que funcionam em plataformas, dispositivos e gerações.

Nossa solução do projeto era dissociple a letra e o símbolo nos ícones, criando essencialmente dois painéis (um para a letra e um para o símbolo) que nós podemos emparelhar ou separar. Isso nos permite manter a familiaridade enquanto ainda enfatizando a simplicidade dentro do aplicativo.

Separando-os em dois painéis também acrescenta profundidade, que faíscas oportunidades em contextos 3D. Através deste sistema flexível, mantemos a tradição viva enquanto suavemente empurrando o envelope.

Projetos centrados no homem que enfatizam o conteúdo e refletem a velocidade da vida moderna

Fontes e Direitos Autorais – Jon Friedman – https://medium.com/microsoft-design/redesigning-the-office-app-icons-to-embrace-a-new-world-of-work-91d72608ee8f

Microsoft reconhece e corrige problemas relacionados aos servidores de ativação para Windows 10


Os primeiros relatos sobre os problemas com os servidores de ativação do Windows 10 surgiram no Reddit.

Microsoft corrige problemas com os servidores de ativação do Windows 10

Segundo os relatos, em alguns casos o Windows 10 relata repentinamente que não está mais ativado e a reativação não funciona corretamente. Alguns usuários confirmaram que tiveram o “downgrade” do Windows 10 Pro para o Windows 10 Home.

Em resposta a um usuário em seu fórum de suporte, a Microsoft confirmou que o problema estava afetando usuários no Japão, Coreia do Sul, Américas e em outros países.

No mesmo post a empresa disse que estava investigando o que causou isso e confirmou que estava trabalhando em uma solução. Ainda não se sabe o número exato de computadores afetados. Outro detalhe é que o problema aparentemente diferentes versões do Windows 10, como a 1809 e a 1803.

Muitos dos usuários que tiveram seus PCs afetados pelos problemas com a ativação do Windows 10 disseram que eles fizeram o upgrade a partir do Windows 7 e Windows 8.1 quando a oferta do upgrade gratuito ainda estava em vigor.

Fontes e Direitos Autorais: https://www.zdnet.com/article/windows-10-users-seeing-their-erroneous-product-activation-issues-resolved/#ftag=RSSbaffb68