Novo System Center Management Pack v7.0.2.0 para SQL Server


A Microsoft anunciou no último dia 05 de fevereiro no blog SQL Server Release Services a disponibilidade do System Center Management Pack v7.0.2.0 para as versões do SQL Server 2016, 2014, 2012 e 2008.

O Management Pack possibilita a descoberta e monitoramento de bancos de dados, agentes do SQL Server e outros componentes relacionados usando o System Center Operations Manager. De acordo com o anúncio da Microsoft, a versão 7.0.2.0 traz correções para múltiplos bugs. Um deles faz com que scripts de monitoramento falhem com o erro “No coercion operator is defined…”.

System Center Management Pack v7.0.2.0 para SQL Server

Faça o download do System Center Management Pack v7.0.2.0 para SQL Server

Download para SQL Server 2016
Download para SQL Server 2014
Download para SQL Server 2008 e 2012
Download para SQL Server Dashboards

Mais detalhes e a lista com os bugs corrigidos estão disponíveis no post com o anúncio da Microsoft.

Fontes e Direitos Autorais:  – 05/02/2018.

Anúncios

SQL Operations Studio Preview v0.25.4 – Janeiro 2018


A Microsoft disponibilizou para download nesta semana o SQL Operations Studio Preview v0.25.4. A ferramenta está disponível para Windows, macOS e Linux.

Se você ainda não conhece esta nova ferramenta, saiba que o SQL Operations Studio é uma ferramenta gratuita para gerenciamento do SQL Server, Azure SQL Database e Azure SQL Data Warehouse.

A primeira versão Preview pública foi lançada no início de novembro de 2017. De acordo com o changelog, a versão 0.25.4 traz correções de bugs, corrige um problema com o tamanho do ícone no menu Iniciar, muda o campo Nome do servidor para Servidor na caixa de diálogo Conexão e mais.

Confira a lista completa de melhorias e correções disponíveis no changelog clicando aqui.

Microsoft SQL Operations Studio Preview v0.25.4

A versão para Windows do SQL Operations Studio Preview v0.25.4 está disponível para download aqui com instalador e aqui em versão portátil (não requer instalação). As versões para outras plataformas e as instruções de instalação podem ser encontradas aqui.

Para maiores informações acesse: https://docs.microsoft.com/en-us/sql/sql-operations-studio/what-is

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – 17/01/2018 – https://docs.microsoft.com/en-us/sql/sql-operations-studio/release-notes

Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.6


A Microsoft disponibilizou para download nesta semana o Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.6. Disponível para MySQL, SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase), Oracle Database, IBM DB2 e Access, o Microsoft SQL Server Migration Assistant é uma ferramenta gratuita que simplifica o processo de migração destes produtos para o SQL Server e Azure SQL.

A ferramenta automatiza todos os aspectos da migração. A versão 7.6 inclui o suporte para:

– Migração do MySQL 4.1 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2008, SQL Server 2008 R2, SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

– Migração do Access 97 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

– Migração do SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase) 11.9 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2008, SQL Server 2008 R2, SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

– Migração do Oracle Database 9.0 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2008, SQL Server 2008 R2, SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, Azure SQL DB e Azure SQL Data Warehouse.

– Migração do IBM DB2 9.0 e 10.0 no z/OS e das versões 9.7 e 10.1 no Linux/Unix/Windows para o SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

IMPORTANTE: A versão 32 bits da ferramenta foi descontinuada. Ela está disponível agora somente para plataformas 64 bits.

Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.6

Baixe o Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.6

Download da versão 7.6 para MySQL
Download da versão 7.6 para Access
Download da versão 7.6 para SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase)
Download da versão 7.6 para Oracle Database
Download da versão 7.6 para IBM DB2

O Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.6 é compatível com o Windows 10, Windows 7, Windows 8, Windows 8.1, Windows Server 2008 R2, Windows Server 2012, Windows Server 2012 R2 e Windows Server 2016. Ele também requer o .NET Framework 4.5.2 ou posterior.

As páginas de download também listam alguns requisitos específicos, como MySQL Connector/ODBC e SAP ASE OLEDB/ADO.Net/ODBC provider.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – https://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=54258&WT.mc_id=rss_alldownloads_all – 25/09/2017.

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2017 CTP 2.0


A Microsoft anunciou nesta semana em seu blog a disponibilidade no TechNet Evaluation Center do SQL Server 2017 CTP 2.0, a versão de testes pública mais recente do novo SQL Server.

Performance inigualável
Faça consultas até 100 vezes mais rápido do que o disco com columnstore in-memory e transações até 30 vezes mais rápido com OLTP in-memory.

Menos vulnerável
Melhore a segurança com criptografia em repouso e em movimento. O SQL Server é o banco de dados menos vulnerável nos últimos sete anos no banco de dados de vulnerabilidades do NIST.

Inteligência em tempo real
Obtenha insights transformadores com até 1 milhão de previsões por segundo usando o Python interno e a integração da linguagem R e obtenha o BI móvel completo em qualquer plataforma.

Qualquer aplicativo, em qualquer lugar
Crie aplicativos modernos usando quaisquer dados e qualquer linguagem, na infraestrutura local e na nuvem.

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2017 CTP 2.0Faça o download do SQL Server 2017 CTP 2.0
O SQL Server 2017 CTP 2.0 para Windows (64 bits) está disponível para download aqui como uma imagem ISO e como um arquivo CAB nos seguintes idiomas: Inglês, alemão, espanhol, japonês, italiano, francês, russo, chinês simplificado, chinês tradicional, português (Brasil), coreano.
As versões para Linux, Docker, Azure e Mac OS estão disponíveis aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com.br – 20 abr 2017 | 9:40 am.

#13 – Para que serve


Muito boa noite galera, tudo bem?

Noite de sábado, temperatura agradável, galera curtindo uma pizza, balada entre outras coisas e eu estou aqui para compartilhar com você mais um post da minha sessão Para que serve, hoje o post de número 13. Você esta pensando, post de número 13 não é nada muito “ospicioso” como diária um personagem de novela (kkkkk).

Que nada vamos em frente não se preocupe com este número, tenho a certeza que este post será muito legal e apresentará informações de alto astral relacionada ao novo Microsoft SQL Server 2016.

Como você já deve ter percebido os posts relacionados a esta sessão tem o objetivo de apresentar ou demonstrar como  códigos de exemplo, aplicativos, utilitários, enfim recursos relacionados diretamente á banco de dados ou gerenciadores de bancos de dados podem ser utilizados como uma possível solução de problemas, bem como, orientar na sua forma de utilização.

Após esta tradicional saudação, chegou a hora de falar sobre o #13 – Para que serve de hoje, tenho a certeza que você vai gostar.

No post de hoje, vou a destacar uma das mais aguardados melhorias relacionadas ao SQL Server, estou me referindo a capacidade de consultor os histogramas de estatísticas de processamento de forma programada, isso mesmo, agora a partir da nova atualização cumulativa do SQL Server 2016 SP1, conhecida como Cumulative Update 2, temos duas novas DMF – Dynamic Management Function – Função de Gerenciamento Dinâmico que nos permitem de forma direta através do uso do comando Select obter informações sobre os histogramas e dados estatísticos.

Vou fazer um pequeno suspense, não vou revelar o nome de ambas as DMFs, somente no decorrer deste post você vai conhece-las.

Muito bem, após deixar este gostinho de quero mais, chegou a hora de conhecer estas novas funcionalidades e ver como podemos aplicar isso no nosso ambiente.

Como aqui o #13 – Para que serve – Uma nova e mais fácil maneira de obter informações sobre o histograma de estatísticas no Microsoft SQL Server 2016 SP1 –

Introdução

Quando se referimos a estatísticas de bancos de dados, estatísticas de processamento ou estatísticas de consumo de operadores do plano de execução, estamos na verdade se referindo ao bom e velho conceito de estatísticas, o qual devemos voltar no tempo para entender melhor se realmente quisermos saber a importância deste assunto, para este post este não é o foco, na verdade o que eu quero é mostrar que a partir da nova atualização cumulativa aplicada para o Service Pack 1 do SQL Server 2016 os times de engenheiros e desenvolvedores do SQL Server introduziram no produto duas novas DMF denominadas sys.dm_db_stats_histogram e sys.dm_db_stats_properties, onde através do uso destas novas DMFs podemos obter todas as informações relacionadas as estatísticas de processamento de nossas querys e principalmente o histograma de maneira mais rápida, fácil e principalmente legível, pois particularmente falando ler o histograma através do comando DBCC Show_Statistics não era nada fácil(kkkkk).

Vamos conhecer um pouco mais sobre cada DMF para entender melhor seu funcionamento:

sys.dm_db_stats_histogram: Retorna o histograma de estatísticas para o objeto de banco de dados especificado (tabela ou exibição indexada) no atual SQL Server banco de dados. Semelhante ao DBCC SHOW_STATISTICS WITH HISTOGRAM.

Ao executar esta nova DMF o Microsoft SQL Server 2016 apresentará uma tabela de resultado contendo o seguinte conjunto de colunas, conforme a Tabela 1 ilustra:

Nome da coluna

Column name
Tipo de dados Description
object_id int ID do objeto (tabela ou exibição indexada) para o qual as propriedades do objeto de estatísticas serão retornadas.
stats_id int ID do objeto de estatísticas. É exclusiva na tabela ou exibição indexada. Para obter mais informações, veja sys.stats.
step_number int O número da etapa do histograma.
range_high_key sql_variant Valor da coluna associada superior de uma etapa do histograma. O valor da coluna também será denominado um valor de chave.
range_rows real Número estimado de linhas cujo valor de coluna fica dentro de uma etapa do histograma, excluindo-se o limite superior.
equal_rows real Número estimado de linhas cujo valor de coluna é igual ao limite superior da etapa do histograma.
distict_range_rows bigint Número estimado de linhas com um valor de coluna distinto dentro de uma etapa do histograma, excluindo-se o limite superior.
average_range_rows real Número médio de linhas com valores de colunas duplicados em uma etapa de histograma, exceto o limite superior (RANGE_ROWS / DISTINCT_RANGE_ROWS para DISTINCT_RANGE_ROWS > 0).

sys.dm_db_stats_properties: Retorna propriedades de estatísticas para o objeto de banco de dados especificado (tabela ou exibição indexada) no banco de dados do SQL Server atual. Para tabelas particionadas, consulte a DMF sys.dm_db_incremental_stats_properties.

Ao executar esta nova DMF o Microsoft SQL Server 2016 apresentará uma tabela de resultado contendo o seguinte conjunto de colunas, conforme a Tabela 2 ilustra:

Nome da coluna Tipo de dados Description
object_id int ID do objeto (tabela ou exibição indexada) para o qual as propriedades do objeto de estatísticas serão retornadas.
stats_id int ID do objeto de estatísticas. É exclusiva na tabela ou exibição indexada. Para obter mais informações, veja sys.stats.
last_updated datetime2 Data e hora da última atualização do objeto de estatísticas.
rows bigint O número total de linhas da tabela ou exibição indexada na última atualização das estatísticas. Se as estatísticas forem filtradas ou corresponderem a um índice filtrado, o número de linhas talvez seja menor do que o número de linhas na tabela.
rows_sampled bigint O número total de linhas amostradas para cálculos de estatísticas.
etapas int O número de etapas no histograma. Para obter mais informações, veja DBCC SHOW_STATISTICS.
unfiltered_rows bigint O número total de linhas da tabela antes da aplicação da expressão de filtro (para estatísticas filtradas). Se as estatísticas não forem filtradas, unfiltered_rows será igual ao valor retornado na coluna de linhas.
modification_counter bigint Número total de modificações da coluna de estatísticas principal (a coluna em que o histograma é criado) desde que as últimas estatísticas de tempo foram atualizadas.

Essa coluna não mantém informações para tabelas com otimização de memória.

Agora que o segredo foi revelado, podemos começar a pensar na maneira que estas novas DMFs podem ser utilizadas, para tal vamos fazer uso do banco de dados analítico: AdventureworksDW2016CTP3 disponível para download através do link: http://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=49502

Utilizando as novas DMFs

Seguindo em frente vamos começar nossa prática, para tal a primeira coisa a fazer é executar o bloco de código 1 declarado abaixo, antes clique no botão Include Actual Execution Plan em seu Management Studio, pois vamos realizar uma análise após a execução.

— Bloco de Código 1 —

Figura 1 – Instrução select declarada para o bloco de código 1.

Após a execução deste bloco de código obtemos o seguinte conjunto de dados relacionados ao operador Clustered Index Scan, conforme a Figura 2 apresentada abaixo:

Figura 2 – Dados relacionadas ao operador Clustered Index Scan.

Note que estou destacando na figura os dados referentes aos seguintes elementos:

  • Number of Rows Read;
  • Actual Number of Rows;
  • Estimated Number of Rows; e
  • Estimated Number of Rows to be Read.

Você pode estar se perguntando, o porque o Junior Galvão acabou destacados estes valores na Figura 2? A resposta é muito simples, uma das maneiras para tentar entender o comportamento do SQL Server no processamento de seus operadores e procurar ter uma ideia de estatísticas de processamento é justamente através da leitura e entendimento destes quatro conjunto de dados, o que posso dizer que não é a melhor forma para se encontrar informações sobre processamento e estatísticas.

Agora imagine que todas as vezes que você desejar obter informações sobre as estatísticas de processamento e como elas estão armazenadas e seus status, pois bem, é justamente neste ponto que agora no novo SQL Server 2016 SP1 CU 2 você terá facilmente a capacidade de fazer isso acontecer, para tal vamos executar o bloco de código 2 fazendo uso da nova DMF, sys.dm_db_status_histogram.

— Bloco de Código 2 —

Figura 3 – Bloco de código 2.

Observe que estamos fazendo uso da nova DMF sys.dm_db_status_histogram e neste momento nosso Management Studio deverá ter retornado um conjunto de linhas conforme a Figura 4 abaixo ilustra:

Figura 4 – Conjunto de dados estatísticas referentes ao processamento do bloco de código 2.

Ao analisarmos a Figura 4 podemos notar facilmente o conjunto de linhas de retornado contendo todas as informações relacionadas ao histograma da estatísticas de número 2 para a tabela [dbo].[FactResellerSales]. Tenho a certeza que você tão surpreso quanto eu quando executei pela primeira vez este mesmo bloco de código, realmente é assustador a facilidade que temos agora em entender o histograma.

Sensacional, mas como o SQL Server consegui apresentar estes dados desta maneira? Como de costume a resposta é simples, através da capacidade de utilizar em tempo de execução uma Table Valued Function denominada DM_DB_STATS_HISTOGRAM, ou seja, uma função que armazena valores em uma determinada tabela utilizada especificamente para esta nova DMF, a comprovação disso esta na Figura 5 que ilustra o plano de execução utilizado para o processamento do bloco de código 2.

Figura 5 – Plano de execução gerado para o processamento do bloco de código 2.

Continuando nossa jornada, o próximo passo é fazer uso da outra DMF, no caso a sys.dm_db_stats_properties, onde a qual vamos nos permitir obter o mesmo conjunto de valores referente ao cabeçalho da estatística o mesmo realizado através do comando DBCC SHOW_STATISTICS com a opção WITH STATS_HEADER.

Vamos então executar o bloco de código 3 apresentado a seguir:

Figura 7 – Bloco de código 3.

E qual será o resultado obtido após o processamento do bloco de código 3? A resposta é apresentada na Figura 7 a seguir:

Figura 7 – Resultado do processamento do bloco de código 3.

Show de bola, temos exatamente o mesmo conjunto de dados retornados pela DMF sys.dm_db_stats_properties da mesma forma que teríamos se estivéssemos utilizando do bom e velho DBCC SHOW_STATISTICS, não é realmente fantástico, só de imaginar a capacidade de possibilidades que teremos de utilizar estes dados a partir de agora realmente é algo surreal.

Da mesma forma que o SQL Server 2016 SP1 CU2 utiliza uma Table Valued Function para armazenar e apresentar os consumidos e coletados pelo processamento da sys.dm_db_status_histogram, também é utilizada uma outra Table Valued Function para o processamento da sys.dm_db_stats_properties denominada DM_DB_STATS_PROPERTIES.

Para finalizar nossa brincadeira e mostrar como estas novas funcionalidades podem nos ajudar, vamos utilizar o bloco de código 4 para através dele conseguir especificar uma determinada range_key existe em nossas estatísticas. Poxa vida especificar em um comando select qual determinada faixa de valores estatísticas nós queremos obter dados realmente é acima do que estávamos pensando, por incrível que isso possa parecer, é totalmente possível de ser feito a partir de agora.

— Bloco de Código 4 —

Figura 8 – Retorno de dados referentes ao filtro da faixa de valores.

Putz, que coisa louco, meu deus, temos com base no bloco de código 4 a comprovação que podemos através do uso de outras DMFs inline retornado dados estatísticos com base em filtros ou predicados declarados na cláusula where existente na linha 26 onde, a coluna sh.range_high_key é justamente uma coluna pertencente a nova DMF sys.dm_db_stats_histogram.

Que loucura isso, fora de série esta nova capacidade do SQL Server, fantástico, inimaginável, fora do comum o que o time de engenheiros do SQL Server fizeram desta vez, show.

Referências

https://msdn.microsoft.com/library/mt794645.aspx

https://blogs.msdn.microsoft.com/sql_server_team/easy-way-to-get-statistics-histogram-programmatically/

https://support.microsoft.com/en-us/help/4013106/cumulative-update-2-for-sql-server-2016-sp1

http://msdn.microsoft.com/library/jj553546.aspx

http://msdn.microsoft.com/library/ms174384.aspx

https://msdn.microsoft.com/pt-br/library/mt761751.aspx

https://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms177623.aspx

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/12/16/11-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/11/15/10-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/10/08/09-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/08/06/07-para-que-serve/

Conclusão

A maneira como nossos dados estão constantemente sendo processados é algo que a cada dia um DBA ou profissional de banco de dados se pergunta. Saber em qual momento uma determinada query, transação ou simplesmente um comando select pode ocasionar algo tipo de impacto em nosso ambiente ainda é mais preocupante. Foi justamente pensando nisso que a Microsoft e seu time de profissionais que trabalham com o SQL Server buscaram responder a partir da disponibilidade das duas novas DMFs: sys.dm_db_stats_histogram e sys.dm_db_stats_properties recursos adicionados na versão 2016 SP1 e disponível também para próximas versão do SQL Server, dentre elas a SQL Server vNext.
Esta nova maneira de acessar e consultar os dados coletados e armazenados no histograma poderá ajudar em muito os profissionais de banco de dados e desenvolvedores a entender como seus estatísticas de processamento de dados estão sendo afetadas com base nos processos de manipulação.
Neste post você pode mais uma vez observar que o Microsoft SQL Server esta em constante evolução, um dos produtos mais prestigiados pela Microsoft, buscando sempre trazer melhorais e inovações, algo de extrema importância para qualquer profissional que trabalha com esta tecnologia.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Nos encontramos em breve, até lá…..

Azure SQL Data Warehouse agora está disponível em 27 regiões


A Microsoft anunciou nesta semana em seu blog que o Azure SQL Data Warehouse agora está disponível em 27 regiões em todo o mundo.

As quatro novas regiões onde o banco de dados está disponível são: Germany Central, Germany Northeast, Korea Central e Korea South.

Em setembro de 2016 a empresa anunciou a disponibilidade no Brasil e em mais três regiões (North Europe, Japan East e Australia Southeast), elevando o total de regiões  época para 18.

Azure SQL Data Warehouse

De acordo com a Microsoft, o Azure SQL Data Warehouse é um banco de dados baseado em nuvem e expansível com capacidade de processar volumes imensos de dados, relacionais e não relacionais. Criado em arquitetura MPP (processamento paralelo maciço), o SQL Data Warehouse pode lidar com sua carga de trabalho corporativa.

– Combina o banco de dados relacional do SQL Server com os recursos de expansão na nuvem do Azure. Você pode aumentar, diminuir, pausar ou retomar a computação em segundos. Você economiza custos expandindo a CPU quando for necessário e cortando o uso durante os horários de pico.

Azure SQL Data Warehouse agora está disponível em 27 regiões

– Aproveita a plataforma do Azure. É fácil de implantar, apresenta uma manutenção tranquila e é totalmente tolerante a falhas graças aos backups automáticos.

– Complementa o ecossistema do SQL Server. Você pode desenvolver com o T-SQL (Transact-SQL) do SQL Server e ferramentas conhecidas.

Saiba mais sobre o Azure SQL Data Warehouse aqui e confira os preços clicando aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com –