Arquivo da tag: Alunos

Script Challenge – 14 – A resposta….


Boa tarde, pessoal…

Tudo bem?  Seja mais uma vez muito bem vindo ao meu blog, mais especificamente ao post que apresenta a resposta para o Script Challenge – 2018 – Post 14, publicado em junho de 2018, sendo este respectivamente o segundo post após o retorno desta desafiadora sessão em meu blog denominada Script Challenge (Script Desafiador ou Desafio do Script) como queiram traduzir.

Espero que você já tenha ouvido falar desta sessão ou acessado alguns dos posts publicados na mesma, caso ainda não tenha feito, fique tranquilo você vai encontrar no final deste post uma pequena relação contendo os últimos desafios lançados e seus respostas.

Vamos então falar um pouco mais sobre o último desafio, estou me referindo ao Script Challenge 14, desta forma, seja bem vindo a mais um post da sessão Script Challenge.


Script Challenge 14

Falando do desafio de número 14, o mesmo foi publicado no mês de junho de 2018, período de data em que o mundo todo praticamente direcionou os seus olhares para a Rússia, mais especificamente para os jogos de futebol que estavam ocorrendo no país naquele momento.

Pois bem, o Script Challenge 14 não tem nenhum relação com o mundo do futebol, muito menos com o esporte, e como diria aquele apresentador do programa que passa ao domingos: “Sabe o que isso significa? Nada…..”.

Na verdade não é bem assim, para todos aqueles que trabalham com tecnologia e são responsáveis em armazenar, compartilhar, gerenciar e manter dados armazenados em banco de dados, sabe muito bem o quanto temos que nos preocupar em estabelecer boas práticas de retenção de dados afim de podermos ter uma quem sabe vida tranquila ou momentos de lazer.

Continuando nossa história, quero lhe perguntar: E ai já matou a charada? Eu acredito que sim!

Mas para te ajudar mais um pouco vou apresentar a Figura 1 que contem todo código Transact-SQL utilizado neste desafio, contendo trechos ou partes de código ocultas, procedimento que realizei no post que contempla o lançamento deste desafio como forma de aumentar o nível de dificuldade:

Figura 1 – Código Transact-SQL apresentado no Script Challenge 14.

Bom chegou a hora de revelar o que exatamente este bloco de código esta fazendo, chegou o momento de revelar e desvendar este desafio, a seguir apresento a resposta para o Script Challenge 14 e o trecho de código disponível para você utilizar em seus ambientes de trabalho ou estudos.

A resposta

Tanto no post de lançamento do desafio, bem como, neste post que a resposta para o mesmo, eu deixei algumas pequenas dicas para tentar ajudar a identificar a resposta, dentre as quais a relação do script com uma das mais tradicionais atividades desempenhadas por um Administrador de Banco de Dados ou Profissional de tabela, mais diretamente falando a execução de uma operação de backup de banco de dados.

Mas se mesmo assim, você ainda não conseguiu adivinhar ou até mesmo esta se perguntando qual a relação do Script Challenge – 14 tem haver com um momento de lazer, a resposta é muito simples, para qualquer Administrador de Banco de Dados, Administrador de Servidores, Desenvolvedor, enfim um profissional de tecnologia, tudo o que fazemos basicamente em um computador é manipular dados (Criar, Atualizar, Excluir).

Tudo o que fazemos esta relacionado com esta palavrinha pequena mas de altíssima importância e pensando neste sentido a resposta para este desafio se relaciona a estimativa de crescimento de um arquivo de backup, e o quanto esta atividade tão importante e de alta complexidade pode impactar totalmente na vida daqueles que assim como eu um dia ou por diversos momentos teve que abrir mão do seu convívio familiar para se dedicar a acompanhar esta atividade.

Então a resposta para o Script Challenge 14 se relaciona com a possibilidade que o script apresenta em nos ajudar a identificar e estimar o quanto de espaço livre em disco em megabytes ainda teremos antes da execução do backup database levando-se em consideração o tamanho do arquivo de backup a ser criado.

Isso mesmo, esta é a resposta, e o script original que apresenta esta funcionalidade apresentada abaixo:

— Script Challenge 14 – A resposta – Identificando o total de espaço livre em disco antes da realização do backup database — 

— Criando a Stored Procedure —
USE AdventureWorksDW2016
Go

CREATE PROCEDURE dbo.dbo.EstimatedDriveFreeSpaceAndDBSize (
@drvLetter VARCHAR (5),
@enoughSpaceForBackupFlag BIT OUTPUT
)
AS
BEGIN
DECLARE @estimatedBackSizeMB INT,
@estimatedDriveFreeSpaceMB INT,
@dbCheckMessage varchar(80)

SET NOCOUNT ON

SET @dbCheckMessage = Concat (‘Checking database ‘, DB_NAME ())

SELECT @estimatedBackSizeMB = round (sum (a.total_pages) * 8192 / SQUARE (1024.0), 0)
FROM sys.partitions p JOIN sys.allocation_units a
                                            ON p.partition_id = a.container_id
                                           LEFT JOIN sys.internal_tables it
                                            ON p.object_id = it.object_id

CREATE TABLE #freespace

(drive VARCHAR (5),

MBFree DECIMAL (8, 2))

INSERT INTO #freespace (Drive, MBFree)
EXEC xp_fixeddrives

SELECT @estimatedDriveFreeSpaceMB = MBFree
FROM #freespace
WHERE drive = @drvLetter

IF @estimatedBackSizeMB * 1.15 < @estimatedDriveFreeSpaceMB
 SET @enoughSpaceForBackupFlag = 1
ELSE
 SET @enoughSpaceForBackupFlag = 0

SELECT DatabaseName = db_name(),
Estimated_Back_Size_MB = @estimatedBackSizeMB,
Estimated_Drive_Free_Space_MB = @estimatedDriveFreeSpaceMB,
EnoughSpaceForBackupFlag = @enoughSpaceForBackupFlag

DROP TABLE #freespace
SET NOCOUNT OFF
END
GO

Então, agora você deve ter gostado deste desafio, não é verdade? Poder estimar o espaço livre em disco e o tamanho ocupado pelo arquivo mesmo sem executar o Backup Database é realmente uma grande funcionalidade que o Microsoft SQL Server possui. 

Observações

  1. Estamos criando uma User Stored Procedure EstimatedDriveFreeSpaceAndDBSize;
  2. A mesma possui um parâmetros de entrada de valores: @drvLetter (utilizado para informar qual a letra da unidade de disco que iremos analisar); e 
  3. Um parâmetro de saída @enoughSpaceForBackupFlag (utilizado no momento da execução da stored procedure como sinalizar responsável em apresentar uma mensagem ao usuário).

Para que você possa entender mais ainda sobre como podemos obter os resultados apresentados por este script, declaro a seguir uma possível maneira de executar o Script Challenge – 14:

— Executando o Script Challenge – 14 —

USE AdventureWorksDW2016
Go

DECLARE @enoughSpaceForBackupFlag bit

EXEC Master.dbo.EstimatedDriveFreeSpaceAndDBSize ‘S’, @enoughSpaceForBackupFlag OUTPUT

PRINT @enoughSpaceForBackupFlag
IF @enoughSpaceForBackupFlag = 1
PRINT ‘Continue to Backup…’
ELSE
PRINT ‘Drive Space Problem…’
GO

A Figura 2 apresentada abaixo, ilustra o conjunto de dados retornados após a execução do Script Challenge – 14:

Figura 2 – Informações relacionadas a estimativa de tamanho do arquivo de backup e espaço livre em disco em megabytes.

Muito bom, sensacional, conseguimos, chegamos ao final, esta é a resposta para o Script Challenge 14, fico extremamente feliz por ter conseguido compartilhar este conteúdo com vocês.

Espero que você tenha gostado deste novo post da sessão Script Challenge!


Sua Participação

No post de lançamento deste desafio, contei com a participação através de uma enquete contendo algumas opções de respostas que poderiam estar relacionadas com o Script Challenge 14. A seguir apresento o resultado desta enquete:

A opção mais votada com 77,78% dos votos é justamente a resposta correta para este desafio, o qual exibe retorna ao usuário informações relacionadas a estimativa de espaço em disco ocupado pelo arquivo de backup de banco de dados e o espaço livre disponível em disco após a conclusão do backup.

Referências

Agradecimentos

Obrigado por sua visita, espero que este conteúdo aqui apresentado como um possível “desafio” possa ser útil e ao mesmo tempo prover conhecimento, aprendizado ou mostrar recursos e problemas existentes no Microsoft SQL Server que as vezes parecem não ter uma resposta.

Um forte abraço nos encontramos em breve nas demais sessões e especialmente em fevereiro de 2019 em mais um post da sessão Script Challenge.

Até a próxima…

Anúncios

Script Challenge – 2018 – Post 14


Boa tarde comunidade…

Tudo bem? Sexta – feira dia 29/06 estamos no inverno, graças a deus aquele friozinho diminui muito nos últimos dias, eu particularmente gosto do frio, principalmente acompanhado da minha família e do leite quente, chocolate e aquela sopinha no final da tarde que somente minha “pequena” Fernanda sabe fazer.

Introdução

Os posts publicados nesta sessão tem o objetivo de desafiar o visitante a descobrir o que um determinado script pode fazer ao ser executado, e não somente isso, mostrar como podemos aprender com o uso da linguagem Transact-SQL e sua vasta coleção de comandos, funções e instruções adicionadas a cada nova versão ou atualização do Microsoft SQL Server.

Se você ainda não conhecia a sessão Script Challenge, fique tranquilo vai ter a possibilidade agora mesmo, como também a cada 4 meses poder desfrutar de um novo desafio e sua respectiva resposta, por isso esta sessão é denominada Script Challenge(Script Desafio ou Desafio do Script), bom a melhor forma de traduzir eu deixo para você escolher.

Seguindo um frente….

Gostaria de destacar mais uma vez duas mudanças iniciais implementadas na sessão Script Challenge tendo como base o post publicado em outubro de 2017, sendo elas:

  1. Como maneira ou forma de dificultar ainda mais o nível de complexidade do código, o bloco de código que representa o Script Challenge selecionado para compor o post será  apresentado no formato de imagem ou figura; e
  2. Algumas partes das linhas de código, trechos, ou partes de código serão omitidas, justamente como forma de tornar este código ainda mais desafiador.

Antes de destacar o script de hoje, não custa nada saber um pouco mais sobre esta sessão, por este motivo, quero lhe contar um pouco da história que cerca os posts relacionadas a ela…

Um pouco de História

Esta é uma sessão criado no final do ano de 2010 e mantida mensalmente até meados de 2012, desde então não me dediquei mais a mesma devido principalmente em não conseguir identificar possíveis scripts dentro da minha biblioteca que poderiam ser apresentados como um scripts considerados como desafio para os profissionais da área de banco de dados.

Mas acredito que nos últimos anos com o crescimento do Microsoft SQL Server, seu nível de evolução, amadurecimento e recursos adicionais, como também, meu nível de experiência profissional e acadêmica também evolui muito, sinto-me preparado para retornar com esta sessão e poder de forma bastante técnica, didática e conceitual poder lançar um “desafio” e responder o mesmo com muito segurança.

Outro detalhe importante, esta é uma sessão que foi criada, pensando em apresentar pequenos blocos de códigos oriundos da linguagem Transact-SQL que possam apresentar um nível de dificuldade e conhecimento técnico um pouco mais elevado, exigindo assim uma análise mais profunda e até mesmo a criação um pequeno cenário de teste para seu entendimento.

Vamos então conhecer o bloco de código selecionado para ser o Script Challenge deste post.


Script Challenge – 14

O bloco de código Transact-SQL selecionado para fazer parte do Script Challenge de hoje, esta relacionado com uma das atividades diárias exercidas por Administradores de Servidores, Desenvolvedores e logicamente por DBAs e Administradores de Banco de Dados. Bom não vou dizer a qual atividade eu me refiro, mas que ela apresenta uma importância muito grande para a vida de qualquer corporação, com certeza apresenta.

O desafio deste respectivo script, esta diretamente ligado com o impacto que o resultado obtido após sua execução e antes da realização da atividade poderá nos trazer, bem como, o mesmo torna-se uma útil ferramenta no que se relacionada a sobrevivência de nossos dados em caso de uma possível falha física.

Esta curioso para saber qual é esta atividade? Então não vou lhe responder, mas no final do post como de costume vou deixar um enquete para você expor sua opinião.

A seguir apresento o bloco de código:

Figura 1 – Short Script 14.

Muito bem, nosso Script Challenge esta apresentado, e ai você preparado para mais este desafio?

Tenho a certeza que sim!


Sua participação

Legal, agora quero conter com a sua participação, me ajudando a responder este post, outra grande novidade que estou adicionando aos post da sessão Script Challenge será uma pequena enquete com possíveis respostas para identificar qual é a correta relacionada com o desafio apresentado através do bloco de código selecionado para este post, desta forma, apresento a seguir a Enquete – Script Challenge – 14 e suas alternativas de resposta:

Seguindo em frente, já conhecemos o Script Challenge selecionado, sua enquete e relação de opções de resposta, fica faltando somente a sua participação, algo que eu tenho a certeza que vai acontecer rapidamente.

Durante quanto tempo posso participar…

Outra grande mudança na sessão Script Challenge é seu tempo de publicação “validade”, anteriormente os posts desta sessão eram publicados mensalmente ou bimestralmente, agora serão publicados em um período mais longo, ou seja, a cada 4 meses estarei compartilhando com vocês novos posts dedicados exclusivamente para esta sessão.

Desta forma, você terá mais tempo para participar e me ajudar e encontrar a resposta correta para este desafio, enviando suas possíveis sugestões, críticas e até mesmo alternativas de resposta para minha enquete.

Posts anteriores

Caso esta seja a primeira vez que você acessa um post desta sessão, fico muito feliz e aproveito para compartilhar os posts mais recentes:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/10/26/script-challenge-2017-o-retorno/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/03/01/script-challenge-13-a-resposta/


Agradecimentos

Obrigado por sua visita, espero que o retorno desta sessão e o conteúdo aqui apresentado como um possível “desafio” possam ser úteis e ao mesmo tempo prover conhecimento, aprendizado ou mostrar recursos e problemas existentes no Microsoft SQL Server que as vezes parecem não ter uma resposta.

Um forte abraço nos encontramos em breve nas demais sessões e especialmente em outubro de 2018 em mais um post da sessão Script Challenge.

Sucesso, mais uma vez obrigado por sua visita, espero que você tenha gostado deste post.

Fique a vontade para conhecer demais publicados até o presente momento nas demais sessões.

Abraços.

Microsoft disponibiliza atualização cumulativa 7 para o Microsoft SQL Server 2017


A Microsoft disponibilizou ontem dia 24/05 uma nova  Atualização Cumulativa para o Microsoft SQL Server 2017, denominada (Cumulative Update 7 – Build number: 14.0.3026.27), disponível para todas as edições existentes para Windows e Linux.

Com base no artigo KB4229789 publicado no site de suporte da Microsoft, a atualização apresenta correções para múltiplos bugs descobertos após o lançamento do SQL Server 2017 e atualizações cumulativas anteriores, dentre as quais ao final do artigo bloco de código que de ser realizado por aqueles que já tenham instalado as Cumulative Updates 2 ou 3 e necessitam trabalhar com o Query Store.

Outro bug corrigido destaca-se um bem conhecido relacionado ao Analysis Services após a execução de uma função DAX e um que faz com que o SQL Server não seja inicializado quando uma imagem de contêiner do Linux é usada no Docker para Windows.

A seguir destaco a lista de hotfixes incluídos nesta nova atualização:

VSTS bug number KB article number Description Fix area Platform
11701171 2932559 FIX: Totals are wrong after you filter on a pivot table item and remove the filter in SSAS Analysis Services Windows
11701194 4090032 FIX: Memory gets exhausted when you run Power BI report that executes DAX query on SSAS 2016 and 2017 Multidimensional mode Analysis Services Windows
11751257 4096258 FIX: An unexpected exception occurs and SSAS crashes when you run a particular DAX function in SQL Server 2017 Analysis Services Windows
11919582 4090004 Improvement: Configure SESSION_TIMEOUT value for a Distributed Availability Group replica in SQL Server 2016 and 2017 High Availability Windows
11919583 4099919 Transparent Data Encryption added for Log Shipping in SQL Server 2016 and 2017 High Availability Windows
11708399 4135045 FIX: DROP_ASYMMETRIC_KEY causes an instance of SQL Server to crash if it’s rolled back from a trigger SQL service All
11953218 4212960 FIX: SQL Server will not start when you run a SQL Server 2017 Linux container image on Docker for Windows SQL service Linux
11701193 4074862 FIX: Unexpected error when you create a subcube in SQL Server 2016 and 2017 Analysis Services (Multidimensional model) Analysis Services Windows
11701196 4083949 FIX: SSAS may crash when you run a DAX query by using a non-admin Windows user in SQL Server 2016 and 2017 Analysis Services Windows
11701201 4086136 FIX: SSAS stops responding when you run an MDX query in SQL Server 2016 and 2017 Analysis Services (Multidimensional model) Analysis Services Windows
11701140 4086173 FIX: Access violation occurs when executing a DAX query on a tabular model in SQL Server Analysis Services Analysis Services Windows
11701208 4089623 FIX: Out of memory occurs and query fails when you run MDX query with NON EMPTY option in SSAS Analysis Services Windows
11578523 4089718 Improvement: Performance issue when upgrading MDS from SQL Server 2012 to 2016 Data Quality Services (DQS) Windows
11701179 4093226 FIX: “DirectQuery may not be used with this data source” error when you browse a Direct Query model in SQL Server Analysis Services Windows
11814297 4099472 PFS page round robin algorithm improvement in SQL Server 2016 SQL service Windows
11870176 4136912 Multiple device VDI backup can hang on Linux SQL service Linux
11634330 4092554 FIX: “Cannot use SAVE TRANSACTION within a distributed transaction” error when you execute a stored procedure in SQL Server SQL service Windows
11922305 4157948 FIX: Floating point overflow error occurs when you execute a nested natively compiled module that uses EXP functions in SQL Server In-Memory OLTP All
11642085 4098732 FIX: A calculation error occurs when a secured measure is queried in SSAS 2017 Analysis Services Windows
11923799 4230306 FIX: Restore of a TDE compressed backup is unsuccessful when using the VDI client SQL service All
11823305 4101502 FIX: TDE enabled database backup with compression causes database corruption in SQL Server 2016 SQL service All
11971856 4230516 FIX: A memory assertion failure occurs and the server is unable to make any new connections in SQL Server SQL service Windows
11952929 4163087 FIX: Performance is slow for an Always On AG when you process a read query in SQL Server SQL service All
11951171 4230465 FIX: An unexpected communication link error occurs when using datetime2 fields accessing a database in SQL Server 2017 SQL service All
11974640 4230542 FIX: Pacemaker promotes local replica to primary may fail when you use AlwaysOn AG in SQL Server 2017 High Availability Linux
11974802 4293576 FIX: “Non-yielding” error when you try to recover an In-Memory database in SQL Server In-Memory OLTP All
11853504 4134601 FIX: “Could not load file or assembly ‘Microsoft.AnalysisServices.AdomdClientUI” error when a “Process Full” operation is run in SQL Server Analysis Services Windows
11967438 4230730 FIX: A dead latch condition occurs when you perform an online index rebuild or execute a merge command in SQL Server SQL service Windows

Para realizar o download clique na imagem abaixo:

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft Support – 24/05/2018 – https://support.microsoft.com/en-us/help/4229789/cumulative-update-7-for-sql-server-2017

SQL Operations Studio versão preview v0.29.3 liberado


A Microsoft disponibilizou para download no último dia 05/08 a nova versão preview do SQL Operations Studio denominada v0.29.3. A ferramenta está disponível para Windows, macOS e Linux.

O SQL Operations Studio é uma ferramenta gratuita para gerenciamento do SQL Server, Azure SQL Database e Azure SQL Data Warehouse.

De acordo com o changelog, a versão 0.29.3 traz correções de bugs, nova extensão Redgate SQL Search disponível no Extension Manager, suporte para mais idiomas e outras novidades. Quer saber mais sobre todas as novidades, melhorias e mudança, clique aqui.

A versão para Windows do SQL Operations Studio Preview v0.29.3 está disponível para download com instaladorou versão portátil (não requer instalação).

Para maiores informações sobre o SQL Operations Studio para Windows e demais plataformas de sistemas operacionais acessem link: https://docs.microsoft.com/en-us/sql/sql-operations-studio/download?view=sql-server-2017.

Fontes e Direitos Autorias: Microsoft.com – 05/08/2018 –  Docs | SQL | Tools | SQL Operations Studio.

Short Scripts – Maio 2018


Olá Mundo, bom dia, comunidade….

Tudo bem? E ai como passaram os últimos meses?

Pergunto isso, devido ao post anterior desta sessão ter sido publicado no mês de fevereiro, posso imaginar que neste intervalo de tempo nossas vidas apresentaram inúmeras situações, espero que todas possam ter sido dentro do possível boas, assim como a minha, e se caso venha a existir algo mais espinhoso, que você possa ter superado.

Seguindo em frente, que alegria poder te encontrar em mais um post da sessão Short Scripts, uma das sessões mais recentes do meu blog que esta alçando a marca de 33 posts publicados trimestralmente.

Mantendo a tradição estou retornando com mais um conjunto de “pequenos” scripts catalogados e armazenados em minha biblioteca pessoal de códigos relacionados ao Microsoft SQL Server e sua fantástica linguagem de desenvolvimento Transact-SQL.

Como promessa é dívida e deve ser cumprida “ou melhor” compartilhada, estou compartilhando a minha feita a exatos três meses no final do último post da sessão Short Scripts, hoje publicando mais um conjunto de scripts adicionados atualmente na minha biblioteca particular de códigos e exemplos.

O post de hoje

Como de costume selecionei os principais scripts armazenados recentemente na minha biblioteca de códigos, que apresentam os seguintes assuntos:

  • Acesso de usuário a tabelas;
  • Acesso e Leitura a Banco de dados;
  • Contas de Execução;
  • Descrição de Colunas;
  • DMV – Sys.dm_os_memory_clerks;
  • DMV – Sys.dm_server_services;
  • Ident_Current;
  • Leitura de Log;
  • Memória;
  • Memory Cache Entries;
  • Memory Clerks;
  • Multipage Allocators Statistic
  • OS Threads;
  • Processos em execução;
  • Scope_Ident;
  • Serviços do SQL Server;
  • SessioID;
  • System Identity Variable; e
  • XP_ReadErrorLog.

Chegou a hora, mãos nos teclados, a seguir apresento os códigos e exemplos selecionados para o Short Script – Maio 2018 . Vale ressaltar que todos os scripts publicados nesta sessão foram devidamente testados, mas isso não significa que você pode fazer uso dos mesmo em seu ambiente de produção, vale sim todo cuidado possível para evitar maiores problemas.

Fique a vontade para compartilhar, comentar e melhorar cada um destes códigos.

Short Scripts

— Short Script 1  – Encerramento processos que apresentam várias horas ou longo tempo de execução  —
SET NOCOUNT ON
DECLARE @spid SMALLINT, @spidString VARCHAR(12)

DECLARE spidCursor CURSOR
FOR SELECT spid
FROM master.sys.sysprocesses
WHERE last_batch < DATEADD(hh, -8, GETDATE()) AND spid > 50 — Change 8 to any other value for hours AND spid > 50 — for user spid
FOR READ ONLY
OPEN spidCursor
FETCH NEXT FROM spidCursor INTO @spid

SELECT ‘Killed spid(s) – ‘
WHILE (@@fetch_status = 0)
AND (@@error = 0)
BEGIN
SELECT @spidString = CONVERT(VARCHAR(12), @spid)
EXEC (‘kill ‘ + @spidString)
SELECT @spid
FETCH NEXT FROM spidCursor INTO @spid
END

CLOSE spidCursor
DEALLOCATE spidCursor
SET NOCOUNT OFF

— Short Script 2 –  Identificando – Memory Cache Entries —
WITH memory_cache_entries
AS
(
SELECT
name AS entry_name,
[type],
in_use_count,
pages_allocated_count,
CAST(entry_data AS XML) AS entry_data
FROM sys.dm_os_memory_cache_entries(nolock)
WHERE type = ‘USERSTORE_TOKENPERM’
),
memory_cache_entries_details
AS
(
SELECT
entry_data.value(‘(/entry/@class)[1]’, ‘bigint’) AS class,
entry_data.value(‘(/entry/@subclass)[1]’, ‘int’) AS subclass,
entry_data.value(‘(/entry/@name)[1]’, ‘varchar(100)’) AS token_name,
pages_allocated_count,
in_use_count
FROM memory_cache_entries
)
SELECT
class,
subclass,
token_name,
COUNT(*) AS nb_entries
FROM memory_cache_entries_details
GROUP BY token_name, class, subclass
ORDER BY nb_entries DESC;

— Short Script 3 – Obtendo a relação de últimos acessos de leitura e escrita por banco de dados —

;WITH myCTE AS
(
SELECT
DB_NAME(database_id) AS TheDatabase,
last_user_seek,
last_user_scan,
last_user_lookup,
last_user_update
FROM sys.dm_db_index_usage_stats
)
SELECT
ServerRestartedDate = (SELECT CREATE_DATE FROM sys.databases where name=’tempdb’),
x.TheDatabase,
MAX(x.last_read) AS last_read,
MAX(x.last_write) AS last_write
FROM
(
SELECT TheDatabase,last_user_seek AS last_read, NULL AS last_write FROM myCTE
UNION ALL
SELECT TheDatabase,last_user_scan, NULL FROM myCTE
UNION ALL
SELECT TheDatabase,last_user_lookup, NULL FROM myCTE
UNION ALL
SELECT TheDatabase,NULL, last_user_update FROM myCTE
) AS x

GROUP BY TheDatabase
ORDER BY TheDatabase

— Short Script 4 – Identificando e analisando as diferenças entre Ident_Current, Scope_Identity e Variável de Sistema Identity —
USE AdventureWorks2016;
Go

CREATE TABLE t6(id int IDENTITY);
CREATE TABLE t7(id int IDENTITY(100,1));
Go

CREATE TRIGGER t6ins ON t6 FOR INSERT
AS
BEGIN
INSERT t7 DEFAULT VALUES
END;
Go

SELECT id FROM t6;
SELECT id FROM t7;

— Do the following in Session 1.
INSERT t6 DEFAULT VALUES;
SELECT @@IDENTITY;
/*Returns the value 100.*/

SELECT SCOPE_IDENTITY();
/* Returns the value 1. This was inserted by the
INSERT statement two statements before this query.*/

SELECT IDENT_CURRENT(‘t7’);
/* Returns value inserted into t7, that is in the trigger.*/

SELECT IDENT_CURRENT(‘t6’);
/* Returns value inserted into t6. This was the INSERT statement four statements before this query.*/

— Do the following in Session 2.
SELECT @@IDENTITY;
/* Returns NULL because there has been no INSERT action
up to this point in this session.*/

SELECT SCOPE_IDENTITY();
/* Returns NULL because there has been no INSERT action
up to this point in this scope in this session.*/

SELECT IDENT_CURRENT(‘t7’);
/* Returns the last value inserted into t7.*/

— Short Script 5 – Identificando a SessionID e suas respectivas OS Threads —
SELECT osTask.session_id,
osThreads.os_thread_id,
osTask.scheduler_id,
osTask.task_state
FROM sys.dm_os_tasks AS osTask INNER JOIN sys.dm_os_threads AS osThreads
ON osTask.worker_address = osThreads.worker_address
WHERE osTask.session_id IS NOT NULL
ORDER BY osTask.session_id;
Go

— Short Script 6 – Identificando o último usuário que acesso a tabela —
SELECT DB_NAME(ius.[database_id]) AS [Database],
                 OBJECT_NAME(ius.[object_id]) AS [TableName],
                 MAX(ius.[last_user_lookup]) AS [last_user_lookup],
                 MAX(ius.[last_user_scan]) AS [last_user_scan],
                 MAX(ius.[last_user_seek]) AS [last_user_seek] FROM sys.dm_db_index_usage_stats AS ius
WHERE ius.[database_id] = DB_ID()
AND ius.[object_id] = OBJECT_ID(‘[PlayerAllData]’)
GROUP BY ius.[database_id], ius.[object_id]
Go

— Short Script 7 – Obtendo informações sobre a descrição de uma coluna —
declare @ColumnName nvarchar(300),
@TableName nvarchar(300);

Set @ColumnName= N’…’;
Set @TableName= N’…’;

Select st.name [Table],
sc.name [Column],
sep.value [Description]
from sys.tables st inner join sys.columns sc
on st.object_id = sc.object_id
left join sys.extended_properties sep
on st.object_id = sep.major_id
and sc.column_id = sep.minor_id
and sep.name = ‘MS_Description’
Where st.name = @TableName
And sc.name = @ColumnName
Go

— Short Script 8 – XP_ReadErrorLog – Identificando a porta padrão do SQL Server —
USE MASTER
Go

XP_readerrorlog 0, 1, N’Server is listening on’
Go

— Short Script 9 –  Utilizando – sys.dm_os_memory_clerks – Multipage Allocators Statistic —
Select name AS clerk_name, memory_node_id,
                 sum(single_pages_kb) / 1024 as single_page_total_size_mb,
                 sum(multi_pages_kb) / 1024 as multi_page_total_size_mb,
                 sum(awe_allocated_kb) / 1024 as awe_allocaed_size_MB
From sys.dm_os_memory_clerks(nolock)
Where memory_node_id = 64
Group by memory_node_id, name
Having SUM(multi_pages_kb) > 0
Order BY sum(single_pages_kb) + sum(multi_pages_kb) +
sum(awe_allocated_kb) DESC
Go

— Short Script 10 –  Utilizando – sys.dm_server_services – Identificando a conta que esta executando os serviços do SQL Server —
Select  servicename,
startup_type_desc,
status_desc,
               last_startup_time,
               service_account,
               is_clustered,
               cluster_nodename,
               filename,
               startup_type,
               status,
               process_id
From sys.dm_server_services
Go

Missão mais que cumprida! Uma nova relação de short scripts acaba de ser compartilhada, mesmo sendo denominados short entre aspas “pequenos”, posso garantir que todos estes exemplos são de grande importância, apresentam um valor e conhecimento do mais alto nível.


Chegamos ao final de mais um Short Scripts, espero que este material possa lhe ajudar, ilustrando o uso de alguns recursos e funcionalidades do Microsoft SQL Server.

Acredito que você tenha observado que estes códigos são conhecidos em meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server publicados no decorrer dos últimos anos.

Boa parte deste material é fruto de um trabalho dedicado exclusivamente a colaboração com a comunidade, visando sempre encontrar algo que possa ser a solução de um determinado problema, bem como, a demonstração de como se pode fazer uso de um determinado recurso.

Links

Caso você queira acessar os últimos posts desta sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/02/19/short-scripts-fevereiro-2018-transaction-log/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/12/09/short-scripts-dezembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/09/16/short-scripts-setembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/08/short-scripts-junho-2017/

Agradecimento

Obrigado mais uma vez por sua visita, fico honrado com sua ilustre presença ao meu blog, desejo e espero que você possa ter encontrado algo que lhe ajudou.

Volte sempre, nos encontraremos mais uma vez na sessão Short Scripts no post do mês de agosto de 2018.

Abraços…

Dica do Mês – Microsoft SQL Server 2017 – SQL Graph Databases


Muito bom dia…… Salve amantes de banco de dados.

Tudo bem? Este é mais um post da sessão Dica do Mês, sessão dedicada a compartilhar mensalmente dicas, novidades, curiosidades e demais informações relacionadas ao Microsoft SQL Server, Banco de Dados e Tecnologias de Banco de Dados.

No post de hoje, quero compartilhar com você uma das maiores novidades implementadas na última versão do Microsoft SQL Server, neste caso, a versão 2017 lançada oficialmente em outubro de 2017 e muito destacada aqui no meu blog em diversos posts.

Destacando um pouco sobre o post, quando se referimos a banco de dados, normalmente pensamos em uma estrutura organizada basicamente em tabelas, colunas, chaves primárias, chaves estrangeiras e relacionamentos. Mas a partir do Microsoft SQL Server 2017 temos uma nova possibilidade de elaborar uma estrutura de banco de dados saindo um pouco deste tradicional cenário conhecimento como modelo relacional e sim partindo para o chamado modelo grafos ou banco de dados em grafos. Talvez em algum momento você já deve ter ouvido falar um pouco sobre esta forma de modelagem.

Pois bem, neste nova versão o time de engenheiros do SQL Server adicionaram ao conjunto de novas funcionalidades (features) o SQL Graph Databases ou simplesmente Banco de Dados em Grafos, isso mesmo banco de dados no formato de grafos, parece ser algo muito diferente do que estamos acostumados a fazer, na verdade não é bem assim, e você vai poder conhecer um pouco mais sobre este recurso, suas características e curiosidades no decorrer deste post.

Esta curioso em saber um pouco mais sobre esta nova feature? Eu estou, e não vejo a hora de poder dividir com você um pouco do vasto conteúdo relacionado com este recurso. Então, vamos em frente, vou tentar mitigar a sua curiosidade e ao mesmo também satisfazer os meus objetivos. Sendo assim, seja bem vindo ao post – Dica do Mês – Microsoft SQL Server 2017 – SQL Graph Databases.

Você vai se surpreender com este novo recurso e suas possibilidades relacionadas com modelagem de banco de dados.


Introdução

O SQL Graph Database é uma nova forma de se estruturar um banco de dados criado no Microsoft SQL Server 2017, tendo como base um estrutura formada por uma coleção de tabelas de nó (Node Table) e  tabelas de borda (Edge Table).

Basicamente um nó representa uma entidade — por exemplo, uma pessoa ou uma organização e uma borda representa uma relação entre os dois nós que ele conecta. As tabelas de nó ou borda podem ser criadas em qualquer esquema em um banco de dados, mas todas pertencem a uma estrutura de grafos representada de forma lógica.

Os bancos de dados na estrutura de grafos são úteis quando o aplicativo tem relacionamentos complexos de muitos para muitos e precisamos analisar as relações complexas.

Algumas das características importantes de um bancos de dados na estrutura de grafos:

  • Bordas (edge) ou relacionamentos(node) são entidades de primeira classe em um banco de dados de grafos e podem ter atributos ou propriedades associadas a eles;
  • Uma única edge table pode unir flexivelmente vários nós em um banco de dados de grafos;
  • Demonstrar a relação de padrões e consultas de navegação de vários saltos facilmente; e
  • Demonstrar o encerramento transitivo de dados e as consultas polimórficas facilmente.

A Figura 1 abaixo apresenta a estrutura básico do SQL Graph Databases e seus principais componentes:

Architecture of SQL Server 2017 Graph Database
Figura 1 – Estrutura básica do SQL Graph Databases.

Analisando a Figura 1 apresentada acima, podemos dizer que um banco de dados na estrutura de grafos é um tipo de banco de dados cujo conceito é baseado em nós e bordas. Este novo tipo de bancos de dados, denominada de grafos, baseiam-se na teoria dos grafos (um grafo é um diagrama de pontos e linhas conectados aos pontos), respeitando a seguinte estrutura:

  1. Os nós representam dados ou entidade e bordas representam conexões entre nós; e
  2. As bordas são propriedades que podem estar relacionadas a nós, essa capacidade nos permite mostrar interações mais complexas e profundas entre os nossos dados.

Elementos básicos

A seguir destaco os elementos básicos que compõem a estrutura do SQL Graph Databases:

Node Table
Representa uma entidade em um esquema de grafos. Sempre que criamos uma tabela de nós, juntamente com as colunas definidas pelo usuário, uma coluna implícita $node _id é criada, o que identifica exclusivamente um determinado nó no banco de dados.

Os valores na coluna $node _id são gerados automaticamente e são uma combinação de object_id dessa tabela de nós e um valor bigint gerado internamente. No entanto, quando a coluna $node _id é selecionada, um valor calculado na forma de uma cadeia de caracteres JSON é exibido.
Além disso, $Node _id é uma coluna pseudo, que mapeia para um nome interno com String hex nele. Quando selecionamos $node _id da tabela, o nome da coluna aparecerá como $node _id_ hex_string.

É recomendável que os usuários criem uma restrição ou índice exclusivo na coluna $node _id no momento da criação da tabela de nós, mas se um não for criado, um índice padrão exclusivo não clusterizado será criado automaticamente.

Edge Table
Como mencionado anteriormente, uma tabela de borda(Edge Table) representa uma relação em um grafos. As bordas são sempre direcionadas e conectam dois nós.

Uma tabela de borda permite que os usuários modelem relacionamentos muitos-para-muitos no grafos, esta mesma tabela pode ou não ter quaisquer atributos definidos pelo usuário.

$Edge _id
A primeira coluna na tabela de borda representa $Edge _id que identifica exclusivamente uma aresta fornecida no banco de dados. O valor da coluna edge_id é gerado com a combinação de object_id da tabela de borda e um valor bigint gerado internamente.

No entanto, quando selecionamos a coluna $Edge _id, ela é exibida como a seqüência de caracteres JSON que é calculada a partir do valor da coluna.

$from _id
Coluna que armazena o $node _id do nó, de onde a borda é originada. Semelhante ao $Edge _id este é também um pseduo e pode ser usado como $from _id no entanto, o nome da coluna inclui Strings hex nele.

$to _id
Armazena o $node _id do nó, no qual a borda termina. Comportamento desta coluna em também como por $Edge _id e $from coluna _id.

Funções

Existem algumas funções adicionadas a linguagem Transact-SQL, que visam ajudar os usuários a extrair informações das colunas geradas. Abaixo estão as funções:

OBJECT_ID_FROM_NODE_ID: Função que permite extrair o object_id de um node_id. Precisamos passar node_id para esta função e ele retornará o object_id, também podemos obter o nome do objeto do object_id.

GRAPH_ID_FROM_NODE_ID: Função que permite extrair o GRAPH_ID de um node_id. Precisamos passar node_id para esta função e ele retornará o object_id.

NODE_ID_FROM_PARTS: Através desta função podemos construir um node_id de um object_id e um graph_id.

OBJECT_ID_FROM_EDGE_ID: Função utilizada para extrair um object_id de um EDGE_ID.

GRAPH_ID_FROM_EDGE_ID: Função utilizada para identificar um GRAPH_ID de EDGE_ID.

EDGE_ID_FROM_PARTS: Função que nos permite identificar o id utilizada entre as conexões de EDGE_ID de object_id e identidade.

Tabelas de Sistemas e Metadados

Sys.Tables – Novas colunas foram adicionadas ao sys.tables para identificar se uma tabela é um nó ou uma borda, conforme apresenta a Tabela 1 abaixo:

Column Name Data Type Description
is_node bit 1 = this is a node table
is_edge bit 1 = this is an edge table

Tabela 1 – Novas colunas adicionadas a system table sys.tables.

Sys.Columns – Novas colunas foram adicionadas ao sys.tables para indicar o tipo da coluna em tabelas de nó e borda, permitindo o relacionamento entre as systems tables sys.columns e sys.tables. A Tabela 2 abaixo apresenta a relação de novas colunas adicionadas a sys.columns:

Column Name Data Type Description
graph_type int Internal column with a set of values.

The values are between 1-8 for graph columns and NULL for others:

1 – GRAPH_ID
2 – GRAPH_ID_COMPUTED
3 – GRAPH_FROM_ID
4 – GRAPH_FROM_OBJ_ID
5 – GRAPH_FROM_ID_COMPUTED
6 – GRAPH_TO_ID
7 – GRAPH_TO_OBJ_ID
8 – GRAPH_TO_ID_COMPUTED

graph_type_desc nvarchar(60) internal column with a set of values

Tabela 2 – Novas colunas adicionadas a system table sys.columns.

Nossa, quanta coisa nova foi adicionado ao Microsoft SQL Server a partir desta nova funcionalidades, como também, diversas mudanças internadas como de costume também foram realizadas no produto afim de possibilitar o uso destas e outras funcionalidades, algo comumente realizado a cada nova versão.

Vamos então conhecer de forma prática o SQL Graph Databases e entender como estes elementos podem ser utilizados através do cenário que estaremos implementando a partir de agora.

Implementando o SQL Graph Databases

Se estamos nos referindo ao um banco de dados de grafos, nada melhor do que representar a estrutura que será utilizada em nosso cenário de exemplo através de um Diagrama conforme ilustra a Figura 2 abaixo:

Figura 2 – Diagrama – Estrutura utilizada para o exemplo.

Os nós são SQL Server, Azure e Windows e segue (bordas) fornecem conexões entre nós. Este modelo de banco de dados não pode ser tratado como uma alternativa a um modelo de banco de dados relacional, mas confrontados com alguns problemas específicos, o modelo de banco de dados em grafos pode ser alternativo e efetivo.

Observações: Se você olhar para o diagrama de perto, talvez você pode projetar este modelo de dados em um banco de dados relacional por junções, mas imagine que se você tiver um monte de nós e bordas, em seguida, quantas junções você vai precisar? Outra consideração importante se relaciona na forma de como este projeto funcionaria? Por esta razão, ao lidar com alguns problemas de negócios, precisamos de um banco de dados representado na teoria de grafos.

Um cenário muito interessante para a adoção de um banco de dados em grafos a ser considerado são meios de comunicação social. Por exemplo, há um monte de ações sociais, cada ação social cria uma marca. Quando combinamos estas marcas, parece uma teia de aranha. O modelo de banco de dados em grafos é ideal para armazenar esse tipo de dados.

Criando o ambiente

Para nossa prática vamos trabalhar com o seguinte ambiente:

  • Database – SQLGraphDatabase;
  • Node Table – Products; e
  • Edge Table – Microsoft.

Vamos começar criando nosso banco de dados e a node table através do Bloco de Código 1 apresentado na sequência:

— Bloco de Código 1 – Criando Banco de Dados e Node Table —

— Criando o Banco de Dados —
Create Database SQLGraphDatabases
Go

— Acessando o Banco de Dados —
Use SQLGraphDatabases
Go

— Criando a Node Table Products —
Create Table Products
(ProductID TinyInt Primary Key,
ProductName Varchar(100)
) As Node
Go

Note que instrução Create Table especificamos ao final da mesma a palavra chave Node, desta forma, o Microsoft SQL Server vai entender que nossa tabela será um nó e posteriormente estará relacionada com no mínimo uma borda.

O próximo passo é realizar a inserção de dados na tabela Products, para isso vamos utilizar o Bloco de Código 2 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 2 – Inserindo dados na Node Table Products —

— Inserindo dados na Node Table Products —
Insert Into Products
Values (1,’SQL Server’),
(2,’Azure’),
(3,’Windows’)
Go

— Consultando os dados —
Select ProductId, ProductName from Products
Go

Você poderá notar que após a execução do comando Select teremos o resultado das três linhas de registros lógicos adicionadas a node table Products apresentados em tela, para que seja possível apresentar toda estrutura da tabela incluindo o $Node_Id, vamos então utilizar um simples e conhecido Select * (técnica não recomendável, mas para este cenário será útil para apresentar de maneira rápida a estrutura da node table Products).

— Apresentando toda estrutura da node table Products e seus respectivos dados —

Select * From Products
Go

A Figura 3 abaixo ilustra o retorno dos dados obtidos após a execução do Select acima:

Figura 3 – Estrutura da node table Products, incluindo $Node_ID e dados.

Continuando a nossa caminhada, vamos agora criar nossa tabela borda (edge table) denominada Microsoft, sendo esta o elemento utilizado para estabelecer as ligações entre os dados da node table para com a edge table, desta forma utilizaremos o Bloco de Código 3 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 3 – Criando a Edge Table Microsoft —

— Criando a Edge Table Microsoft —
Create Table Microsoft As Edge
Go

— Consultando a estrutura da Edge Table Microsoft —
Select * from Microsoft
Go

Pronto nossa tabela borda esta criada, nosso penúltimo passo será adicionar os dados oriundos da node table Products, estabelecem assim as relações entre ambos os elementos, para tal procedimentos utilizaremos o Bloco de Código 4 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 4 – Inserindo os dados na Edge Table Microsoft —

— Azure com SQL Server —
Insert Into Microsoft ($from_id , $to_id )
Values ((Select $node_id from Products where ProductId=2),
(Select $node_id from Products where ProductId=1))
Go

— Windows com SQL Server —
Insert Into Microsoft ($from_id ,$to_id )
Values ((Select $node_id from Products where ProductId=3),
(Select $node_id from Products where ProductId=1))
Go

— Windows com Azure —
Insert Into Microsoft ($from_id ,$to_id )
Values ((Select $node_id from Products where ProductId=3),
(Select $node_id from Products where ProductId=2))
Go

— Consultando os dados inseridos na Edge Table Microsoft —
Select * from Microsoft
Go

Muito bom, acabamos de estabelecer as ligações entre nossa node table e a edge table, note que para realizar este vinculo entre os dados oriundas da node table Products para a edge table Microsoft, utilizamos os valores da coluna ProductID existente na tabela de Products, como elemente chave a ser inserido nas colunas $from_id e $to_id no momento da criação da edge table Microsoft.

Figura 4 a seguir ilustra os dados inseridos na edge table Microsoft e apresentados no formato de string JSON:

Figura 4 – Dados inseridos na edge Table Microsoft.

Agora falta muito pouco e chegamos ao último passo que consiste justamente em identificar as conexões estabelecidas com base no Bloco de Código 4 processado anteriormente, onde através da nova função Match() em conjunto com seus operadores ‘-‘ ou ‘->’ podemos definir o caminho para encontrar os dados respeitando a estrutura de nós e bordas. Para tal procedimento executaremos o Bloco de Código 5 apresentado abaixo:

— Bloco de Código 5 – Identificando as conexões entre os dados —

— Utilizando a função Match(), encontrando as conexões do ProductName = Azure —
Select Concat(Products.ProductName,’ –> ‘, ProductsDetails.ProductName) As Connections
From Products, Microsoft, Products ProductsDetails
Where Match(Products-(Microsoft)->ProductsDetails)
And Products.ProductName = ‘Azure’
Go

— Utilizando a função Match(), encontrando as conexões do ProductName = Windows —
Select Concat(Products.ProductName,’ –> ‘, ProductsDetails.ProductName) As Connections
From Products, Microsoft, Products ProductsDetails
Where Match(Products-(Microsoft)->ProductsDetails)
And Products.ProductName = ‘Windows’
Go

Após a execução do Bloco de Código 5 apresentado anteriormente o Management Studio deverá retornar um resultado similar ao apresentado pela Figura 5 abaixo:

Figura 5 – Conexões de dados estabelecidas com base nas colunas $from_id  e $to_id.

Incrível, chegamos ao final de mais um post da sessão Dica do Mês, tenho a certeza que você gostou do conteúdo apresentado hoje neste post.

Vale ressaltar que alguns pontos não foram abordados neste post, dentre eles como utilizar um índice clusterizado ou não clusterizado, como também, a maneira que uma Node Table e Edge Table são apresentadas na estrutura de um banco de dados através do Management Studio.

No que diz respeito ao novo modelo de banco de dados, tenha a certeza que a minha missão foi cumprida, principalmente no entendimento de como esta uma nova forma de representação baseada em grafos poderá nos ajudar a estabelecer uma nova técnica de relacionamento entre nossas tabelas e seus respectivos dados, indo muito além dos tradicionais conceitos dentre eles: chaves primárias e estrangeiras, caminhando para uma nova proposta com base no conceito de relacionamento lógico de dados.

Antes de encerrarmos, gostaria de contar com a sua participação neste post, respondendo a enquete abaixo:


Referências

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/graphs/sql-graph-sample

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/graphs/sql-graph-architecture

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/graphs/sql-graph-overview

https://www.red-gate.com/simple-talk/sql/sql-development/sql-server-graph-databases-part-1-introduction/

https://www.sqlshack.com/implement-graph-database-sql-server-2017/

https://www.mssqltips.com/sqlservertip/4883/sql-server-2017-graph-database-example/

 

Posts Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/01/24/dicadomes-sqlservertoolsuiteintroduction/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/11/01/dicadomessql2017novascolunasinternas/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/08/26/dica-do-mes-simulando-a-insercao-de-uma-massa-de-dados-aleatoria/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/23/conhecendo-e-aplicando-o-uso-de-atualizacao-de-estatisticas-incrementais/

Conclusão

Neste post, conhecemos um pouco sobre este novo recursos SQL Graph Databases implementado a partir da versão 2017 do Microsoft SQL Server.

O SQL Server Graph é um recurso fantástico que nos permite implementar dentro da mesma estrutura de banco de dados existente no Microsoft SQL Server dois modelos de relacionamento de dados totalmente diferentes.  Através desta arquitetura híbrida temos a capacidade de utilizar recursos do mecanismo do SQL Server com um banco de dados na estrutura de grafos de maneira muito similar para não se dizer parecida com os recursos aplicados no modelo relacional, com base, na linguagem Transact-SQL nos dando todo suporte a consultas para este novo formato.

O banco de dados baseados na estrutura de grafos (SQL Graph Databases) apresentam como toda nova tecnologia algumas limitações técnicas neste momento, que tendem nas próximas versões do produto evoluírem ou até mesmo deixar de existir, algo que neste momento não podem ser consideradas limitações que impossibilitem a sua adoção ou uso em novos projetos de bancos de dados, como também, não se tornem  limitações a outros recursos excepcionais no existentes no Microsoft SQL Server 2017, mesmo assim podemos reconhecer que este novo modelo de banco de dados, pode ser considerada uma tecnologia convincente e promissora.

Agradecimentos

Agradeço a você por sua atenção e visita ao meu blog. Fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, nos encontramos no próximo post a ser publicado no mês de abril.

Viva o Microsoft SQL Server 2017 e suas novas funcionalidades…

Um forte abraço, sucesso e até o próximo post.

Azure for Students anunciada pela Microsoft


A Microsoft anunciou no último dia 05/03 o Azure for Students. Desenvolvido para o uso da nuvem, com os estudantes em mente, ele oferece aos alunos verificados acesso total a mais de 25 produtos Azure gratuitos, além de crédito de US$ 100 para uso em produtos pagos, sem exigência de cartão de crédito.

O Azure for Students faz parte do crescente compromisso da Microsoft com a Educação, tanto na nuvem quanto na sala de aula STEM (“Science, Technology, Engineering and Mathematics”, ou Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, em português).

Microsoft anuncia o Azure for Students

Você pode começar a construir com qualquer um dos serviços gratuitos e usar o seu crédito Azure para gastar agora:

– Descubra a flexibilidade do Azure por meio da biblioteca de serviços de código aberto.

– Implemente máquinas virtuais Azure, incluindo equipadas com GPUs poderosas, com suporte para Linux, Windows Server, SQL Server, Oracle, IBM e SAP. O Azure oferece aos usuários a flexibilidade de virtualização para uma ampla gama de soluções de computação.

– Crie aplicativos Web e Móveis rapidamente usando .NET, .NET Core, Java, Ruby, Node.js, PHP e Python. Integre o Azure App Service em modelos existentes e obtenha uma produtividade de desenvolvedor incomparável com recursos de ponta, como integração contínua, depuração no site ao vivo e o líder do setor, Microsoft Visual Studio IDE – Integrated Development Environment.

– Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquinas conectam aplicativos, sites e robôs com algoritmos inteligentes para ver, ouvir, falar, entender e interpretar as necessidades de um usuário por meio de métodos naturais de comunicação. Habilitando computadores para aprender com dados e experiências e para agir sem ser programado.

– Aproveite o Big Data analisando todos os dados em um único lugar sem restrições artificiais com o Azure Data Lake Store. O Data Lake Store pode armazenar trilhões de arquivos, e um único arquivo pode ser maior do que um petabyte em tamanho – 200 vezes maior do que outras opções da loja na nuvem.

Para maiores informações, acesse: https://azure.microsoft.com/pt-br/free/students/

Fontes e Direitos Autorais: