Windows Defender terá suporte e proteção contra softwares que exibem mensagens coercivas


A Microsoft anunciou nesta semana no blog Microsoft Security que o Windows Defender passará a oferecer proteção contra softwares que exibem mensagens coercivas.

A partir de 1 de março de 2018, o antivírus do Windows 10 e outras soluções de segurança da Microsoft passarão a classificar programas que exibem mensagens coercivas como “softwares indesejados” que serão detectados e removidos. A Microsoft classifica como ”coercivas” mensagens alarmantes e/ou exageradas exibidas por programas como otimizadores e limpadores de sistemas supostamente gratuitos que visam intimidar o usuário para que ele compre uma versão “Premium” de tal programa para que o problema encontrado seja resolvido, por exemplo.

Desenvolvedores que não quiserem que seus programas sejam detectados como indesejados podem enviar amostras para análise através do portal Windows Defender Security Intelligence.

Se for necessário que o desenvolvedor faça alguma alteração no programa, a Microsoft o notificará sobre isso após a análise.

Windows Defender oferecerá proteção contra softwares que exibem mensagens coercivas
Windows Defender no Windows 10 Fall Creators Update –  A partir de 1 de março ele passará a oferecer proteção contra softwares que exibem mensagens coercivas.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft Secure –  – 30/01/2018.

Anúncios

Microsoft não oferecerá atualizações de segurança realizadas ao Windows em computadores com antivírus considerados incompatíveis


A Microsoft publicou em seu site de suporte um alerta informando que não oferecerá atualizações de segurança para o Windows em PCs com antivírus incompatíveis.

A empresa tomou esta atitude depois que os usuários enfrentaram problemas com a atualização disponibilizada recentemente com foco nas vulnerabilidades Meltdown e Spectre.

Por causa dos antivírus incompatíveis, alguns PCs não puderam mais ser inicializados corretamente após a instalação da atualização. Para evitar problemas similares no futuro, a Microsoft alertou que não oferecerá atualizações de segurança para o Windows em PCs com antivírus incompatíveis.

Os desenvolvedores de softwares antivírus deverão tornar seus produtos compatíveis com esta e futuras atualizações definindo a seguinte chave de registro:

Key=”HKEY_LOCAL_MACHINE” Subkey=”SOFTWARE\Microsoft\Windows\CurrentVersion\QualityCompat”
Value=”cadca5fe-87d3-4b96-b7fb-a231484277cc”
Type=”REG_DWORD”
Data=”0x00000000”

Microsoft não oferecerá atualizações de segurança para o Windows em PCs com antivírus incompatíveis

Perguntas frequentes

Por que algumas soluções antivírus são incompatíveis com as atualizações de segurança?
Durante seu processo de testes, a Microsoft descobriu que alguns softwares antivírus de terceiros estão fazendo chamadas sem suporte para memória do kernel do Windows, causando erros de parada (também conhecidos como erros de tela azul).

O que a Microsoft está fazendo para ajudar a atenuar os problemas causados por esses aplicativos sem suporte?
Para proteger seus clientes contra telas azuis e cenários desconhecidos, a Microsoft exige que todos os fornecedores de software antivírus confirmem a compatibilidade de seus aplicativos, definindo uma chave de registro do Windows.

Por quanto tempo a Microsoft exigirá a definição de uma chave do Registro para receber atualizações de segurança?
A Microsoft adicionou esse requisito para garantir que os clientes possam instalar com êxito as atualizações de segurança de janeiro de 2018. A empresa continuará a impor esse requisito até que haja confiança de que a maioria dos clientes não encontrará falhas de dispositivo depois de instalar as atualizações de segurança.

Tenho um aplicativo antivírus compatível, mas não recebi a opção de atualizações de segurança de janeiro de 2018. O que devo fazer?
Em alguns casos, pode demorar até que as atualizações de segurança sejam entregues nos sistemas, particularmente para dispositivos que foram desligados ou que não conectados à Internet (offline). Depois que eles forem novamente ligados, esses sistemas receberão atualizações de seus provedores de software antivírus. Os clientes que ainda estiverem enfrentando problemas 24 horas depois de garantirem que seus dispositivos têm boa conectividade com a Internet deverão contactar seus fornecedores de software antivírus para conhecer as etapas de solução de problemas adicionais.

Meu software antivírus não é compatível. O que devo fazer?
A Microsoft tem trabalhado estreitamente com parceiros de software antivírus para ajudar a garantir que todos os clientes recebam as atualizações de segurança do Windows de janeiro de 2018 o mais rápido possível. Se os clientes não estiverem recebendo a atualização de segurança deste mês, a Microsoft recomenda que eles contatem seus fornecedores de software antivírus.

Tenho um aplicativo de software antivírus compatível, mas ainda estou com problemas de tela azul. O que devo fazer?
A Microsoft reuniu os seguintes recursos para ajudar os clientes potencialmente afetados:

– Solucionar problemas de erros de tela azul
– Solucionando erros de parada (tela azul) no Windows 7

Fontes e Direitos Autorais: Suporte da Microsoft – 05/01/2018 – https://support.microsoft.com/pt-br/help/4072699/january-3-2018-windows-security-updates-and-antivirus-software

Microsoft Safety Scanner v1.0.3001.0


O Microsoft Safety Scanner v1.0.3001.0 é uma ferramenta de verificação projetada para localizar e remover malware de computadores com Windows.

Basta baixá-lo e executar uma verificação para localizar malware e tentar reverter as alterações feitas por ameaças identificadas.

O Safety Scanner só verifica quando executado manualmente e está disponível para uso 10 dias após o download. A Microsoft recomenda que você sempre baixe a versão mais recente dessa ferramenta antes de cada verificação.

Observação: O Microsoft Safety Scanner NÃO substitui um software antivírus. Para ajudar a proteger seu computador, use um software antivírus e mantenha-o sempre atualizado.

O Microsoft Safety Scanner v1.0.3001.0 está disponível para download aqui em versões 32 e 64 bits e pode ser usado no Windows 10, Windows 8/8.1, Windows 7, Windows Server 2016, Windows Server 2012 R2, Windows Server 2012, Windows Server 2008 R2 e no Windows Server 2008.

Imagens do Microsoft Safety Scanner v1.0.3001.0:

Microsoft Safety Scanner v1.0.3001.0
O Safety Scanner só verifica quando executado manualmente e está disponível para uso 10 dias após o download. A Microsoft recomenda que você sempre baixe a versão mais recente dessa ferramenta antes de cada verificação



Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – https://www.microsoft.com/en-us/wdsi/products/scanner#

10 mitos sobre computadores que insistem em resistir ao tempo


Assim como qualquer outra coisa, os computadores são alvos constantes do imaginário popular, que, ao longo dos anos, atribuiu vários mitos e lendas urbanas a eles.

É bem difícil definir como esses mitos surgiram e porquê raios eles foram passando de geração para geração. Apesar disso, é seguro dizer que uma boa parcela dessas fábulas um dia já foi verdade, mas, graças ao avanço da tecnologia, hoje não passam de conversa para boi dormir. Quanto ao restante delas, a maioria surgiu por algum mal-entendido principalmente em torno de como os computadores, o Windows e a própria internet funcionam. A partir daí ideias erradas (e muitas vezes ridículas) se propagaram e ainda estão presentes na cabeça de muita gente como verdades absolutas.

Para acabar de uma vez por todas com essas crenças, desmistificamos 10 delas logo a seguir. Confira:

1. Hackers estão tentando invadir o seu computador o tempo todo

Não há como negar que a internet é um lugar onde os mais incautos acabam sendo vítimas de golpes e invasões hackers por puro descuido. Contudo, ao contrário do que muita gente imagina, aquela figura do hacker que vive trancafiado em um quarto escuro e é alimentado apenas por pizzas jogadas por baixo da porta para não perder o foco nas milhares de invasões diárias que faz não existe.

Essa figura um tanto quanto hollywoodiana não existe e é preciso botar na cabeça que a maioria dos ataques atualmente é automatizada. Ao invés de um sujeito sentado digitando códigos freneticamente na frente de uma tela preta, a ideia aqui é que os hackers desenvolvem ferramentas que se propagam pela internet e infectam computadores em busca de dados pessoais e bancários das vítimas.

Entre os exemplos mais comuns da atualidade estão os malwares que instalam keyloggers, que registram toda e qualquer informação digitada pela vítima no computador; e o phishing, que engana os mais desavisados, levando-os, na maioria das vezes, a um site idêntico ao original, mas que cujo propósito é lhes roubar informações de autenticação.

Diferente do que muitos pensam, os hackers não passam o dia inteiro trancados em ambientes escuros. Na maioria das vezes, ferramentas automatizadas fazem todo o serviço sujo por eles

Diferente do que muitos pensam, os hackers não passam o dia inteiro trancados em ambientes escuros. Na maioria das vezes, ferramentas automatizadas fazem todo o serviço sujo por eles (Imagem: Reprodução)

2. Atualizações automáticas sempre estragam o computador

No passado, atualizar o Windows ou qualquer software era sinônimo de dor de cabeça. Não raramente nos deparávamos com a famosa (e temida) tela azul da morte após instalar um pacote de atualização e voltar atrás era uma tarefa hercúlea.

Esse inconveniente, no entanto, ficou para trás e é cada vez mais raro ver alguém reclamando que um update dizimou o computador por completo e exigiu que tudo fosse reinstalado. Nos raros casos em que isso acontece, sempre é possível utilizar a restauração do sistema para retornar a um ponto anterior à instalação ou, na pior das hipóteses, retornar a máquina para o estado de fábrica.

Atualmente, porém, esses casos são extremamente raros e a melhor solução é deixar as atualizações automáticas do seu Windows ou software favorito ativadas para não dar chance ao azar.

3. Você precisa desligar o computador antes de ir dormir

Muita gente cresceu ouvindo os pais dizer que era necessário desligar o computador sempre que ele não fosse ser utilizado. Essa recomendação muito provavelmente surgiu nos primórdios do computador, quando deixar a máquina ligada durante um período ocioso e, sobretudo, durante a noite abria espaço para o surgimento de bugs e queima de peças.

Essa realidade ficou para trás há um bom tempo e atualmente não é mais necessário desligar a máquina com tanta frequência. Isso porque os computadores mais modernos conseguem gerenciar a energia de uma maneira tão eficiente que apenas deixar a máquina “dormindo” já é suficiente para economizar na conta de luz no fim do mês. Além disso, colocar o computador apenas para dormir acelera bastante o processo de inicialização, que é bastante lento quando a máquina é desligada completamente.

Portanto, procure pelas opções de energia do seu computador e configure-as para que elas lhe ajudem a poupar energia ao mesmo tempo em que não comprometem sua produtividade. E mesmo que você acredite que não vale a pena pressionar o botão “Dormir”, dê uma chance à hibernação, que coloca o computador em estado de suspensão completa, sem consumir nenhum watt de energia, e ainda inicializa o computador rapidamente.

Na época do Windows 95, desligar o computador após sua utilização era praticamente obrigatório. Nos tempos atuais, sistemas de consumo eficiente de energia permitem apenas colocar o computador para dormir e hibernar, poupando preciosos minutos no momento da inicialização

Na época do Windows 95, desligar o computador após sua utilização era praticamente obrigatório. Nos tempos atuais, sistemas de consumo eficiente de energia permitem apenas colocar o computador para dormir e hibernar, poupando preciosos minutos no momento da inicialização (Imagem: Reprodução)

4. Vírus e malwares são o motivo do seu computador estar lento

Quando um usuário reclama de lentidão no computador, o que normalmente ouvimos em resposta é um “ele deve estar com vírus”. A verdade é que as pragas digitais atuais são focadas quase que exclusivamente na obtenção de informações pessoais dos incautos e não têm qualquer intenção de prejudicar o desempenho dos computadores, pelo contrário.

A ordem aqui é permanecer escondido, agindo no pianinho, coletando os dados das vítimas. Muitas vezes, até mesmo as mais modernas ferramentas antivírus não conseguem identificar e remover essas pestes, tendo o usuário que partir para uma remoção manual.

Apesar disso, pode ser sim que seu computador esteja infectado e sendo usado numa rede de computadores zumbis, as botnets. Mesmo assim, esses são casos mais raros e, via de regra, o motivo da lentidão é a quantidade excessiva de aplicações iniciando junto com o sistema operacional ou um navegador carregado de extensões desnecessárias.

Em casos mais graves, pode ser que algum componente de hardware esteja com defeito e comprometendo o desempenho da sua máquina. Aqui, o ideal é levar o computador a um técnico especializado e de confiança para saber o que pode estar ocorrendo e fazer uma eventual substituição de peça.

5. O Internet Explorer é lento, vulnerável e ruim

Outrora o navegador mais popular do mundo, há um bom tempo o Internet Explorer é alvo de chacota dos usuários e sobretudo do público geek. O bullying com o browser foi tão grande que a Microsoft se viu obrigada a se livrar da má reputação e recomeçar do zero com o Edge, o novo navegador que virá embutido no Windows 10.

Apesar de todo esse mal-estar, a verdade é que as últimas versões do Internet Explorer vinham apresentando melhorias sensíveis em relação aos tempos mais sombrios. As duas últimas versões do navegador, por exemplo, já ofereciam suporte a um grande leque de padrões web modernos que antes só eram vistos no Chrome e no Firefox. Inclusive uma das funções do navegador da raposa que foi abraçada pela turma de Redmond foi o modo “sandbox”, que permite a desenvolvedores web mexer e visualizar alterações no código HTML em tempo real. Por fim, o Internet Explorer 11 trouxe suporte a multiprocessamento, algo que até agora não é visto em nenhum concorrente.

É claro que ninguém voltará a utilizar o IE só por causa disso, mas a verdade é que ele não é mais aquela piada que outrora foi até sua oitava versão.

Por anos o Internet Explorer foi alvo de piadas em todo lugar na internet. Má fama veio sobretudo após o fiasco do Internet Explorer 6

Por anos o Internet Explorer foi alvo de piadas em todo lugar na internet. Má fama veio sobretudo após o fiasco do Internet Explorer 6 (Imagem: Reprodução)

6. Codecs são necessários para assistir vídeos online

Os dias em que isso foi verdade já ficaram para trás há muito tempo. Na época, para assistir qualquer coisa online era necessário ter uma penca de codecs instalados no computador, sem contar os famigerados RealPlayer, QuickTime e DivX Player. Aqui e acolá surgia um e outro site que exigia o Java, o que geralmente acabava travando qualquer computador mais modesto.

Atualmente, no entanto, essa realidade de trevas já não mais existe e tudo funciona na base do HTML5 ou do Flash.

É importante ressaltar que nenhuma dessas duas tecnologias exige que você baixe e instale codecs específicos. Aqui, tudo é transmitido diretamente para o computador do usuário, sem necessidade de decodificação, e a única exigência é ter ou um navegador com suporte a HTML5 (o que a maioria já oferece) ou o plugin do Flash instalado. Fora isso, jamais clique em banners que demandam a instalação de algo desse tipo, pois, no final das contas, você acabará instalando um punhado de junkware e comprometendo o desempenho do seu computador.

Codecs só são necessários quando você baixa um arquivo de vídeo para o computador – e mesmo nesses casos o melhor a se fazer é optar por algo como o VLC, player para lá de popular que já traz consigo uma enorme quantidade de codecs e nenhuma pegadinha.

7. Muita memória RAM em uso é sinal de que há algo errado

Foi-se o tempo em que 64 MB de memória RAM eram suficientes para dar conta do recado. Contudo, à medida que se torna mais comum vermos computadores com 4 GB, 8 GB e até 16 GB de RAM, mais pessoas relatam que o Windows e outros programas parecem sempre querer mais.

É verdade que cada vez mais não só o Windows, como também o Linux, Mac OS X e até mesmo os sistemas operacionais móveis consomem mais memória, mas isso não é necessariamente algo ruim. O uso cada vez maior de memória RAM é proposital e os softwares atuais são desenvolvidos de maneira tal a alocar cada vez mais recursos nela.

Isso tem sido feito basicamente para que o acesso a esses recursos seja cada vez mais rápido e o usuário não fique esperando para que os dados sejam acessados no HD, que é mais lento que a memória RAM. E, ao contrário do que acontecia antigamente, se o seu computador “sentir” que precisa de mais espaço livre na memória RAM, ele próprio irá executar uma limpeza e abrir espaço para algo mais importante.

Portanto, não adianta se preocupar com isso a não ser que o seu computador realmente esteja sofrendo com um desempenho abaixo da média.

A não ser que o desempenho do seu computador esteja abaixo da média, a indicação de muita memória RAM em uso não significa necessariamente que você precisa adicionar um ou dois novos pentes ao computador

A não ser que o desempenho do seu computador esteja abaixo da média, a indicação de muita memória RAM em uso não significa necessariamente que você precisa adicionar um ou dois novos pentes ao computador (Imagem: Reprodução)

8. Antivírus sempre protegerão o seu computador

Embora muita gente já saiba que os softwares antivírus são o último recurso para proteger o computador de uma praga virtual, ainda há quem confie cegamente nesse tipo de ferramenta e acredite que ela é infalível.

A verdade é que a própria Symantec já declarou que seu antivírus, o Norton Antivirus, um dos mais famosos do mundo, não consegue impedir inúmeros tipos de ciberataques. Pior, a maioria dos antivírus sequer protege os usuários dos chamados softwares invasivos, aqueles que são instalados silenciosamente junto com outros softwares e acabam comprometendo o desempenho geral do computador.

Para piorar ainda mais essa realidade, uma série de antivírus gratuitos agora estão trazendo consigo essas pragas, instalando-as sem o conhecimento do usuário. Dito isso, fica bastante claro que os antivírus não são as ferramentas mais confiáveis do mundo.

Mesmo com essa dolorosa verdade, você não deve deixar de lado o seu software antivírus favorito – pelo contrário. Contudo, tenha em mente que ele deve ser a sua última frente de segurança e que você precisa desenvolver hábitos seguros para manter seus arquivos e informações pessoais longe das mãos dos cibercriminosos. Nunca é demais lembrar que um usuário bem informado e precavido é mais eficaz do que muito software de segurança que existe por aí.

9. Desfragmentação manual e ferramentas pagas ajudam a melhorar o PC

Foi-se o tempo em que tínhamos que reservar um horário toda semana para executar a desfragmentação do HD. Atualmente, o usuário não precisa se preocupar com absolutamente nada relacionado a esse assunto, já que o Windows traz uma ferramenta de desfragmentação que faz o serviço automaticamente sem a necessidade de intervenção.

Há casos raríssimos em que o usuário pode querer instalar um jogo muito grande, como Grand Theft Auto V, e seja necessário executar a desfragmentação manual para garantir máximo desempenho. Contudo, esse é um caso bem isolado e específico e, via de regra, não há qualquer necessidade de executar essa rotina manualmente.

Ferramentas pagas que prometem melhorar o desempenho do HD também não valem a pena e surgem como um balde para você jogar dinheiro fora. Em muitos casos, o valor cobrado por softwares como o Diskeeper Professional pode ser usado para comprar um SSD, atualizar o computador e ganhar em desempenho. Portanto, não se preocupe com nada disso, deixe o Windows fazer o serviço dele e guarde o seu dinheiro para investir em algo realmente útil para o seu PC.

10. Limpar o cache melhora o desempenho do computador

Algumas aplicações têm o famoso cache, um conjunto de arquivos que são cópias offline de algo baixado anteriormente da internet. Esses arquivos são armazenados localmente no computador para que, no futuro, quando o conteúdo for acessado novamente não tenha que ser baixado todo da internet. Esse comportamento, como dá para perceber, se traduz em economia de tempo e largura de banda para o usuário.

Apesar disso, nem todo mundo vê o cache como algo bom e acaba baixando ferramentas que prometem livrar o HD desses arquivos temporários baixados da internet e armazenados no computador. A premissa é simples: são arquivos que você não usa (pelo menos não diretamente), logo podem ser excluídos para poupar espaço no disco rígido.

Embora pareça fazer sentido, essa prática força sobretudo os navegadores web a baixarem o conteúdo e o armazenar localmente mais uma vez, consumindo mais banda e gastando mais tempo para carregar as suas páginas mais acessadas. Sem contar que tudo se transforma num ciclo infinito, com você limpando o cache e ele sendo preenchido logo na sequência.

Limpezas no disco rígido nem sempre garantirão um melhor desempenho do computador. A eliminação de cache, por exemplo, apenas tornar a navegação na internet mais lenta e pesada

Limpezas no disco rígido nem sempre garantirão um melhor desempenho do computador. A eliminação de cache, por exemplo, apenas tornar a navegação na internet mais lenta e pesada (Imagem: Reprodução)

Você achava que algum desses mitos eram verdadeiros? Quais outros mitos sobre computadores você conhece? Conta para gente aqui embaixo, na caixa de comentários.
Fontes e Direitos Autorais: CanalTech.com.br – Por Sérgio Oliveira RSS | 21.07.2015 às 10h08