Empresas e Startups de tecnologia estão com mais de 190 vagas de emprego abertas

Diversas empresas, startups e multinacionais com foco em tecnologia, contam com posições abertas em diferentes áreas.


Resultado de imagem para imagens Contrata-se

A disputa por talentos no setor de tecnologia não dá sinais de desacelerar. Conforme 2020 aproxima, muitas empresas correm com as contratações em dezembro para iniciar o ano com quadros completos. O setor de tecnologia emprega cerca de 681 mil pessoas no País, segundo o Tech Report 2019, da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE).

Mesmo assim, está longe de estar saturado: 420 mil novas vagas devem ser abertas até 2024, conforme a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). “Como o setor inteiro espera que o próximo ano seja mais aquecido do que o atual, a disputa por talentos deve se acirrar.

Abaixo, confira as oportunidades.

Continue Lendo “Empresas e Startups de tecnologia estão com mais de 190 vagas de emprego abertas”

Supercomputador Brasileiro Santos Dumont volta ao ranking dos mais potentes

Equipamento também reconquistou o 1º lugar no posto de principal supercomputador da América Latina.


Após expansão da sua capacidade de processamento, o supercomputador Santos Dumont voltou para a lista dos 500 mais potentes do planeta. Instalada no Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) em Petrópolis (RJ) a máquina recebeu uma atualização que aumentou sua capacidade de 1,1 petaflops para 5,1 petaflops, conseguindo realizar 5,1 milhões de bilhões de operações matemáticas por segundo.

A atualização foi inaugurada em cerimônia realizada na últimas segunda (25) e contou com a presença de Marcos Pontes ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. O upgrade foi viabilizado graças à destinação de 1% das receitas geradas a partir da extração do pré-sal do campo de Mero, na Bacia de Santos.

Com a determinação de repasses de recursos para atividades de pesquisa e desenvolvimento dentro do campo de Mero, foi possível investir em melhorias para a máquina, que agora voltou à lista e também assumiu a posição de principal supercomputador da América Latina.

Continue Lendo “Supercomputador Brasileiro Santos Dumont volta ao ranking dos mais potentes”

LGPD promete tornar o Brasil o país mais auditado do mundo

Garantir a integridade de dados será um diferencial de negócios


Prevista para entrar em vigor em agosto do próximo ano, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) impactará toda a sociedade brasileira, como poucas leis fizeram. Esse novo conjunto de regras para a utilização e transferência de dados pessoais deverá tornar o Brasil o país mais auditado do mundo, em relação à proteção e privacidade de dados pessoais.

O cuidado será maior com informações como nome, endereço, número de documentos, formulários cadastrais, entre outros, capazes de identificar uma pessoa. O objetivo é garantir que esses dados sejam coletados apenas com o consentimento, guardados com segurança e descartados de acordo com as regras exigidas. Caso haja algum tipo de vazamento ou roubo, a empresa responsável pelo incidente será punida com multas que podem chegar até R$ 50 milhões.

Essas boas práticas, que se transformaram em lei, foram inspiradas pela GDPR (General Data Protection Regulation), uma regulamentação aplicada desde maio de 2018 em toda organização da União Europeia. No Brasil, no entanto, essa nova regulamentação vem para complementar um conjunto de outras leis que já visam garantir a integridade dos brasileiros, como a própria Constituição Federal, o Código Civil, a Lei de Acesso à Informação, o Código de Defesa Consumidor, o Marco Civil da Internet e a Lei do Cadastro Positivo. Nenhum outro país do mundo tem uma auditoria tão forte em respaldo ao cidadão, neste sentido.

Você pode estar se perguntando, por que com todo esse conjunto de leis ainda é preciso aprovar mais uma específica? Bastavam as empresas seguirem à risca a Constituição, que garante que a vida privada de qualquer pessoa é inviolável, certo? Na teoria, e de forma bem simplista, digo que sim.

Mas é preciso entender que vivemos em uma nova era gerida por dados. Mais do que a internet, o compartilhamento de informações moldou novas formas de consumir, de se fazer negócios e de se relacionar. Os dados, por sua vez, tornaram-se uma valiosa moeda nessa nova economia digital.

Na prática, o movimento para a implementação de uma política especial para o registro de dados pessoais nas empresas, significa também um grande avanço na área de segurança. As organizações precisam estar mais conscientes de todo o fluxo de coleta e uso de informações de seus clientes.  Esse controle é possível por meio da tecnologia e de sistemas especializados que garantem a integridade desses materiais, estejam eles em qualquer dispositivo ou na nuvem.  Adaptar às essas novas exigências, exigirá das empresas além das ferramentas certas, uma análise sobre a coleta de informações que façam sentido ao negócio, pois passam a ser responsáveis por elas.  Segurança será o item obrigatório para cumprir a lei.

O Marco Civil da Internet, em 2014, foi uma importante iniciativa nesse sentido, porém ainda deixava algumas lacunas em relação à proteção de informações. A LGPD foi estruturada com ainda mais rigor para que o cidadão tenha maior controle sobre o uso de seus dados pessoais e tenha a consciência do valor que tem em mãos.

A fiscalização será a mola propulsora para que a lei funcione. Para isso, nos últimos dias do ano passado, foi aprovada a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), que será o órgão responsável por zelar os dados, editar novas normas e procedimentos sobre o tema e aplicar as punições em caso de descumprimento de regras. Caberá ao ANPD.

Atuando como uma agência reguladora, a ANPD será estruturada com profissionais especializados em proteção de dados e internet, capazes de analisar os fatos e garantir a segurança. A criação dessa Autoridade é fundamental para a eficácia da lei, pois além de interpretações, comunicações e atuação direta sobre cumprimentos e sanções, caberá à agência um papel de conscientização sobre o tema, que passa por uma transformação cultural da própria sociedade.

Uma coisa é certa, como tudo o que é novo, a LGPD ainda vai gerar muitas dúvidas, tanto para as empresas, que precisam se adequar, quanto para os cidadãos, mas trará também boas oportunidades. Garantir a integridade de dados será um diferencial de negócios.

Veremos a maturidade dessa nova regulamentação, passando pelo desenvolvimento de novas práticas de governança, revisões jurídicas e evolução tecnológica para acompanhar esses processos. O importante, no entanto, é garantir a segurança para que novos tempos não sejam sinônimos de velhos problemas.

Fontes e Direitos Autorais: cio.com.br – Jeferson Propheta.

Dica do Mês – Temporal Table e o Calor, uma combinação muito quente


Salve pessoal, bom dia.

Estamos no mês de janeiro, férias, sol, calor, chuvas, e para minha alegria te encontro mais uma vez no meu blog, caso esta seja a sua primeira visita ou acesso, fico mais feliz ainda, seja muito bem vindo.

Este é mais um post da sessão Dica do Mês, sessão dedicada a compartilhar bimestralmente dicas, novidades, curiosidades e demais assuntos, conteúdos e informações relacionadas ao Microsoft SQL Server, Banco de Dados e Tecnologias de Banco de Dados.

No post de hoje, quero compartilhar com vocês uma das funcionalidades adicionadas ao Microsoft SQL Server a partir da versão 2016 e que recentemente acabei conhecendo com um pouco mais, como você já pode notar no título deste post, estou fazendo referência as chamadas Temporal Tables (Tabelas Temporais).

Você já conhece? Teve a necessidade de utilizar? Eu particularmente falando conhecia muito pouco sobre este recurso, mas na semana passada neste período de férias tive a ideia de fazer uma brincadeira aqui em casa em conjunto com um termômetro, e justamente através desta brincadeira que utilizei uma temporal table.

Ficou curioso para saber como eu fiz uso dela? Calma, daqui a pouco eu conto mais sobre isso para você.

Pois bem, sem mais delongas, vamos em frente, vou tentar mitigar a sua curiosidade e ao mesmo também satisfazer os meus objetivos. Sendo assim, seja bem vindo ao post – Dica do Mês – Temporal Table e o Calor, uma combinação muito quente.


Introdução

A partir da versão 2016 do Microsoft SQL Server, a Microsoft introduziu o suporte para tabelas temporais de sistema baseadas no versionamento de dados como um recurso de banco de dados, sendo este,  uma funcionalidade que traz o suporte interno para fornecer informações sobre dados armazenados na tabela em qualquer ponto no tempo, ao invés de apenas os dados que é corretos no momento atual em está na hora.

Esta nova funcionalidade, também é reconhecida e trata como um recurso de banco de dados criado com base nos padrões em ANSI SQL 2011.

A partir do momento em que idealizamos fazer uso de uma tabela temporal, estamos criando um novo objeto ou transformando um objeto já existente em nosso banco de dados, em um elemento responsável em manter o histórico completo das alterações de dados ocorridos durante um período de tempo, sendo esta a principal finalidade de uso de uma temporal que é tratada internamento como um repositório de gerenciamento de tempo.

Cada tabela temporal tem duas colunas explicitamente definidas, cada um com um tipo de dados datetime2 , estas colunas são referidas como colunas de período, sendo período colunas usadas exclusivamente pelo sistema de registro prazo de validade para cada linha, sempre que uma linha for modificada. Além dessas colunas de período, uma tabela temporal também contém uma referência a outra tabela, a qual será utilizada como esquema espelho.

Por padrão o Microsoft SQL Server utiliza esta tabela para armazenar automaticamente a versão anterior de uma linha cada vez que a mesma na tabela temporal é atualizada ou excluída. Esta tabela adicional é referida como a tabela de histórico, enquanto a tabela principal que armazena versões de linha (real) atual é conhecida como a tabela atual ou simplesmente como a tabela temporal.

Importante ressaltar que durante a criação do quadro temporal, os usuários podem especificar a existência de uma tabela de histórico (deve ser esquema compatível) ou deixar o sistema criar tabela de histórico padrão.

Agora que já conhecemos um pouco do que é uma Temporal Table, vamos avançar mais um pouco em nossa caminhada, vou apresentar o porque tive a ideia de fazer uso deste recurso.

 

SEU FUNCIONAMENTO

Como já destacado anteriormente o sistema de controle de versão de uma tabela temporal é implementado através do uso de um par de tabelas, uma tabela atual e uma tabela de histórico. Dentro de cada uma destas tabelas, as seguintes duas colunas adicionais datetime2 são usadas para definir o período de validade para cada linha:

  • Coluna de início de período: O sistema registra a hora de início para a linha nesta coluna, denotado tipicamente como a coluna de SysStartTime .
  • Coluna de fim do período: O sistema registra a hora final para a linha nesta coluna, normalmente indicado na coluna SysEndTime .

A tabela atual contém o valor atual para cada linha. A tabela de histórico contém cada valor anterior para cada linha, se for o caso, e a hora de início e hora de término para o período para o qual foi válido.

A Figura 1 apresentada abaixo, ilustra de forma simples o funcionamento do sistema de controle dos dados aplicado a partir do uso de uma tabela temporal:

Temporal-HowWorks

Figura 1 – Funcionamento do sistema de controle de uma tabela temporal.

Este sistema de controle de versionamento dos dados é realizado sempre as instruções: Insert, Update, Delete ou Merge venham a ser realizadas de forma individual ou simultânea.

 

PORQUE UTILIZAR UMA TEMPORAL TABLE

Uma das coisas que eu aprendi a gostar no decorrer da minha carreira na área de tecnologia é a importância e as possibilidades de mudanças que um mesmo dado pode apresentar no decorrer de um período de tempo, este é um dos meus maiores prazeres entender o quanto aquele dado a uma minuto atrás agora já é outro dado e podem me trazer representar novas informações e conhecimentos.

Desta forma, ao analisarmos uma temporal table podemos também reconhecer ou fazer uso da mesma como uma Slowly Changing Dimension (Dimensão com mudanças lentas ou mudanças lentas em uma dimensão), o que vai nos possibilitar criar uma visão dos nossos dados com base uma período ou determinada data.

Uma outra funcionalidade que pode ser aplicada a uma temporal table se relacionada a controles de auditoria mais propriamente falando de auditoria de dados, normalmente as fontes de dados reais são dinâmicas e se tornam voláteis ao longo do tempo, para uma empresas isso pode influenciar diretamente em suas decisões as quais dependem de percepções que os analistas podem começar a identificar a partir da evolução ou mudanças de dados.

Já sabemos o porque escolhi fazer uso de uma temporal table, agora vou apresentar o cenário que me permitiu aplicar este recurso com base na minha ideia.

 

MINHA IDEIA

Estamos visando uma forte onda de calor em praticamente todo o Brasil, algo que muitos brasileiros adoram eu sinceramente não sou um destes brasileiros, pois eu não suporto estas altas temperaturas.

Para tentar de alguma maneira aprender algo de novo com este calor e tentando se distrair dentro das possibilidades, pensei em ter uma noção do quanto a temperatura aqui na minha casa localizada na cidade de São Roque interior do estado de São Paulo muda no decorrer de um período de tempo, sendo justamente esta a minha ideia de utilizar uma temporal table, talvez esta não tenha sido a melhor ideia ou até mesmo o melhor cenário para uso, mas entendo que pode ser uma possibilidade dentre as mais variadas possíveis.

Seguindo em frente e avançando mais um pouco, chegou a hora de colocar em prática a minha ideia, para isso vamos construir um simples cenário para fazer uso da Temporal Table.

NOSSO AMBIENTE

Como de costume vamos utilizar um ambiente isolado dos demais bancos de dados que você possa conter, desta maneira nosso cenário será constituído dos seguintes elementos:

  • Banco de Dados: DatabaseTemporalTabel;
  • Tabela Atual: TemporalTableTemperatura;
  • Tabela Historico: TemporalTableTemperaturaHistorico;
  • Colunas Temporais: DataHoraInicial e DataHoraFinal; e
  • Period For System formado por: DataHoraInicial e DataHoraFinal.

Criando o ambiente

Através do Bloco de Código 1 apresentado abaixo, vamos realizar a criação dos respectivos elementos destacados anteriormente:

— Bloco de Código 1 —

— Criando o Banco de Dados —
Create Database DatabaseTemporalTable
Go

— Acessando o Banco de Dados —
Use DatabaseTemporalTable
Go

— Criando a Tabela TemporalTableTemperatura —
Create Table TemporalTableTemperatura
(Codigo Int Identity(1,1) Primary Key Clustered,
Local Char(10) Default ‘Minha Casa’,
Cidade Char(9) Default ‘São Roque’,
DataAtual Date Default GetDate(),
HoraAtual Time Default GetDate(),
Temperatura TinyInt,
DataHoraInicial Datetime2 (0) GENERATED ALWAYS AS ROW START,
DataHoraFinal Datetime2 (0) GENERATED ALWAYS AS ROW END,
PERIOD FOR SYSTEM_TIME (DataHoraInicial, DataHoraFinal))
WITH (SYSTEM_VERSIONING = ON (HISTORY_TABLE = dbo.TemporalTableTemperaturaHistorico))
Go

A Figura 2 apresentada abaixo, ilustra a estrutura da tabela TemporalTableTemperatura e sua tabela espelho TemporalTableTemperaturaHistorico:

Figura 2 – Tabelas TemporalTableTemperatura e TemporalTableTemperaturaHistorico.

Observações

1 – Para que o Microsoft SQL Server reconheça uma tabela como Temporal Table as colunas temporais devem ser formadas pelo tipo de dados DateTime2 e logo após a declaração do seu tipo de dados informar as instruções:

  • Generated Always as Row Start – Valor gerado sempre no início da linha; e
  • Generated Always as Row End – Valor gerado sempre no final da linha.

2 – O controle do período dos valores é feito através da instrução PERIOD FOR SYSTEM_TIME, declarada obrigatoriamente no final da construção da tabela, formada pelas colunas que recebem os valores DateTime2.

3 – Ao declarar o nome da tabela a ser utilizada para o versionamento dos dados, é obrigatório informar o nome do ower ou schema a qual esta tabela irá pertencer, caso isso não seja feito o Microsoft SQL Server retornará a seguinte mensagem de erro:

Msg 13539, Level 15, State 1, Line 18
Setting SYSTEM_VERSIONING to ON failed because history table ‘TemporalTableTemperaturaHistorico2 is not specified in two-part name format.

4 – Ao informar a tabela que será utilizada para o versionamento dos dados o Database Engine realiza automaticamente a criação desta tabela histórico caso a mesma não exista.

Ótimo estamos no caminho certo, nosso próximo passo será abastecer a tabela TemporalTableTemperatura com dados iniciais e na sequência proporcionar alterações nestes mesmos dados iniciais para que o Database Engine faça uso da nossa Temporal Table registrando na Tabela TemperalTableTemperaturaHistorico todas as manipulações realizadas.

Para isso vamos utilizar o Bloco de Código 2 declarado abaixo:

— Bloco de Código 2 —

— Inserindo Dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Insert Into TemporalTableTemperatura (Temperatura)
Values (25)
Go

— Gerando um Delay de 20 segundos —
WAITFOR DELAY ’00:00:20′
Go

— Atualizando os dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Update TemporalTableTemperatura
Set Temperatura = 26,
HoraAtual = GetDate()
Go

— Gerando um novo Delay de 40 segundos —
WAITFOR DELAY ’00:00:40′
Go

— Atualizando os dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Update TemporalTableTemperatura
Set Temperatura = 27,
HoraAtual = GetDate()
Go

— Gerando um novo Delay de 1 minuto e 20 segundos —
WAITFOR DELAY ’00:01:20′
Go

— Atualizando os dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Update TemporalTableTemperatura
Set Temperatura = 27,
HoraAtual = GetDate()
Go

Até aqui tudo tranquilo, realizamos o processo de inserção de dados iniciais na tabela TemporalTableTemperatura e na sequência através do comando WaitFor forçamos a ocorrência de alguns delays (atrasos) de tempo para simular o aumento da temperatura como se fosse um termômetro realizando uma nova marcação, com isso, já temos neste momento um pequena porção de dados a serem consultados.

Vamos então executar o Bloco de Código 3 a seguir para identificar as possíveis maneiras de se consultar os dados armazenados em nossa temporal table:

— Bloco de Código 3 —

— Consultando dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Select * From TemporalTableTemperatura
Go

Após realizarmos o Select declarado acima teremos um retorno de dados similar ao apresentado na Figura 3 abaixo:
Figura 3 – Posição atual de dados armazenados na tabela TemporalTableTemperatura.

Observe que a coluna Temperatura apresenta o valor 27, número informado no último update realizado, a coluna DataHoraInicial apresentando o valor que representa o início da realização da última manipulação aplicada a tabela, no caso o comando Update e a coluna DataHoraFinal vai apresentar o valor final que representa o encerramento do período de controle de versionamento dos dados com o valor fixo e padrão 9999-12-31 23:59:59.

Pois bem, mas se quisermos então identificar ao longo do tempo todas as manipulação que podem ter ocorrido em nossa tabela temporal? É ai que entra em ação nossa tabela de espelho, nossa tabela TemporalTableTemperaturaHistorico, a qual é responsável em armazenar e controlar todo versionamento e alterações que venham a ser realizadas em nossa Temporal Table.

O próximo passo consiste na execução do Bloco de Código 4, o qual vai nos permitir consumir os dados temporais armazenados em nossa tabela TemporalTableTemperaturaHistorico:

— Bloco de Código 4 —

— Consultando dados Temporais, obtendo todas as manipulações realizadas —
Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time All — Apresenta todas as manipulações realizadas
Go

Figura 4 – Todas as manipulações realizadas na tabela TemporalTableTemperatura armazenadas de forma espealhada na tabela histórico TemporalTableTemperaturaHistorico.

Nota que a coluna DataHoraFinal apresenta na linha 1 o valor fixo e padrão 9999-12-31 23:59:59, mas no decorrer das demais linhas, de acordo com as operações realizadas os valores foram sendo atualizados, como podemos comprovar na linha 7 a qual apresenta o valor 2019-01-22 12:59:42.

Já estamos praticamente no final desta caminhada, nosso últimos passos consistem em realizar outras formas de consultar dados temporais, através das instruções:

  • For System_Time as Of;
  • For System_Time From ” To ”;
  • For System_Time Between ” And ”; e
  • For System_Time Contained In ().

Para realizar estas consultamos, vamos executar o Bloco de Código 5 apresentando abaixo:

— Bloco de Código 5 —

— Conhecendo outras formas de consultar dados temporais —
Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time as Of ‘2019-01-22 12:33:56’
Go

Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time From ‘2019-01-22 12:33:56’ To ‘2019-01-22 12:48:36’
Go

Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time Between ‘2019-01-22 12:48:36’ And ‘2019-01-22 12:58:22’
Order By Temperatura Desc
Go

Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time Contained In (‘2019-01-22 12:33:00′ ,’2019-01-22 12:55:00’)
Go

A Figura 5 a seguir apresentado o resultado tornado após a execução do Bloco de Código 5 declarado acima:Figura 5 – Resultados obtidos após a execução de cada comando select declarado no Bloco de Código 5.

Praticamente términos, mas quero finalizar este post com uma pequena amostra do quanto uma tabela temporal pode ser útil, imagine se excluirmos todos os dados da nossa tabela TemporalTableTemperatura.

O que aconteceria com os dados em nossa tabela espelho:

1 – Os dados seriam excluídos também?

2 – Os dados são mantidos?

3 – A tabela espelho será excluída?

4 – Não podemos remover dados em tabelas que utilizam versionamento de dados?

Bom, vou deixar o Bloco de Código 6 declarado abaixo, mas a respostas para esta pergunta você que vai descobrir e posteriormente publicar seu comentário aqui neste post:

— Bloco de Código 6 —

— Excluíndo os dados cadastrados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Delete From TemporalTableTemperatura
Go

— Consultando dados na Tabela TemporalTableTemperaturaHistorico —
Select Local, Cidade, DataAtual, HoraAtual, Temperatura
From TemporalTableTemperaturaHistorico
Go

Com isso chegamos ao final de mais um post da sessão Dica do Mês, antes de encerrarmos, gostaria de contar com a sua participação neste post, respondendo a enquete abaixo:


Referências

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/temporal-tables?view=sql-server-2017

https://en.wikipedia.org/wiki/Slowly_changing_dimension

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/creating-a-system-versioned-temporal-table?view=sql-server-2017

https://social.technet.microsoft.com/wiki/pt-br/contents/articles/12580.slowly-changing-dimensions.aspx

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/querying-data-in-a-system-versioned-temporal-table?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/getting-started-with-system-versioned-temporal-tables?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/system-versioned-temporal-tables-with-memory-optimized-tables?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/temporal-table-metadata-views-and-functions?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/language-elements/waitfor-transact-sql?view=sql-server-2017

Posts Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/10/23/dica-do-mes-comando-restore-database-page-restaurando-paginas-de-dados-de-uma-tabela-no-microsoft-sql-server/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/07/26/dica-do-mes-ocultando-uma-instancia-em-execucao-do-microsoft-sql-server/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/04/25/dica-do-mes-sql-operations-studio-view-as-chart/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/03/14/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2017-sql-graph-databases/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/01/24/dicadomes-sqlservertoolsuiteintroduction/

CONCLUSÃO

Como já destaquei em outros posts, a cada nova versão, atualização e correção a Microsoft transforma o SQL Server em um produto surpreende, ainda mais na sua capacidade e versatilidade de permitir aos profissionais de tecnologia, administradores de bancos de dados, programadores, entre outros, utilizar recursos nativos e também novos como ferramentas que podem nos ajudar a aplicar os mais variados possíveis cenários afim de obter soluções rápidas e práticas para nossas necessidades.

No post de hoje, mais uma vez isto foi constatado, o uso de novos recursos com base em funcionalidades já existentes se tornam ferramentas valiosas e de grande importância, podemos fazer esta relação com as tabelas temporais, funcionalidade que nos possibilita viajar, navegar, caminhar ao longo do tempo analisar e entendendo as mudanças ocorridas em nossos dados.

Desta forma, nos deparamos com uma poderosa ferramenta e sua gama de recursos que nos permitem realizar as mais diversas e variados preposições de análises de dados para identificarmos a melhor forma para se tomar uma decisão.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, produto tão fascinante que a cada dia eu não consigo deixar de querer estudar e conhecer mais ainda.

Agradecimentos

Agradeço a você por sua atenção e visita ao meu blog. Fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Nos encontramos no próximo post da sessão Dica do Mês a ser publicado em breve.

Um forte abraço, sucesso, não se esqueça de se manter hidratado, passar bastante protetor solar para se proteger deste forte calor que estamos vivendo.

Até mais.

Brasil é o 10º país do mundo com mais supercomputadores

País possui seis máquinas de alto desempenho em ranking global.
Computadores chegam a ser 3 milhões de vezes mais ágeis que desktops.


Supercomputador Santos Dumont, do Laboratório Nacional de Computação Científica, de Petrópolis (RJ). (Foto: Divulgação/LNCC)Supercomputador Santos Dumont, do Laboratório Nacional de Computação Científica, de Petrópolis (RJ). (Foto: Divulgação/LNCC)

Alguns dos supercomputadores mais rápidos e potentes em operação estão no Brasil, o que faz do país ser o 10º no mundo com a maior quantidade de máquinas de alto desempenho, aponta o ranking Top 500, divulgado nesta terça-feira (17).

A lista reúne computadores velozes a ponto fazer milhões de milhões de cálculos enquanto você nem terminou de piscar os olhos. As seis máquinas brasileiras da lista não são nenhum modelo dos diversos laptops, tablets ou smartphones presentes nas prateleiras de lojas varejistas. Nem são vendidos pela bagatela de milhares de reais paga por eles.

Além de pertencerem a institutos de pesquisa e à indústria, os supercomputadores brasileiros custam milhões. Três deles são do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), em Petrópolis (RJ), um do Cimatec, em Salvador (BA), um do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe), de São Paulo (SP), e um da Petrobras.

Supercomputador mais rápido da América Latina é inaugurado em Salvador (Foto: Angelo-Pontes/ Sistema Fieb)Supercomputador do Cimatec, em Salvador (Foto: Angelo-Pontes/ Sistema Fieb)

Apesar de serem os únicos da América Latina listado, nenhum deles figura entre os cem melhores. O Brasil já chegou a estar na elite da elite mundial, quando o Inpe instalou em 2010 o Tupã, supercomputador classificado naquele ano no 29º posto — hoje, também figura na lista mas no 476º lugar.

O critério dos cientistas do Laboratório Nacional de Berkeley, Universidade do Tennessee e da Prometeus, que elaboram o ranking, é a capacidade de executar cálculos. Máquina brasileira mais bem posicionada, na 200º posição, o Santos Dumont GPU, do LNCC, é capaz funcionar a 456 TFlops teraflops, equivalente a 456 trilhões de cálculos de ponto-flutuante por segundo (trocando em miúdos: contas de soma e subtração por segundo).

RANKING DE PAÍSES COM MAIS SUPERCOMPUTADORES
Países Nº de máquinas
1) EUA 199
2) China 109
3) Japão 37
4) Alemanha 33
5) França 18
6) Reino Unido 18
7) Índia 11
8) Coreia do Sul 10
9) Rússia 7
10) Brasil 6
Fonte: Top 500

Para se ter ideia do que isso representa, ele é 4.560 mil vezes mais rápido que um computador de mesa em bom estado, que opere em torno de 100 GFlops (100 bilhões de operações por segundo). Não é tão rápido quando comparado ao “Usain Bolt dos circuitos integrados”. Primeiro da lista, o Tianhe-2, da Universidade Nacional de Tecnologia para a Defesa, da China, pode rodar a 33.862 TFlops, ou seja, é 3,3 milhões de vezes mais ágil que um desktop.

“Aqui, o nosso principal problema é esse: estamos em 10º, mas, do ponto de vista de performance, estamos atrás de vários países”, afirma Pedro Dias, diretor do LNCC.

O comentário de Dias nem faz menção a Estados Unidos e China, que possuem respectivamente 199 e 109 supercomputadores na lista. O diretor faz referência a países como Austrália, Polônia, Suíça e Itália, com poucos representantes no ranking mas que são mais potentes.
Segundo ele, se fosse pela demanda, o Brasil deveria estar entre os vinte do mundo.

Uso
Supercomputadores são usados para simular perfurações em campos de petróleo, como o pré-sal, criar novos fármacos antes de serem testados em laboratórios e analisar informações de sequenciamento genético.

Por ser híbrido, ou seja, capaz de não só processar grandes massas de informação, mas de forma rápida e com grande memória, o Santos Dumont foi “fatiado” para entrar na lista. Cada um desses módulos foi incluído em postos diferentes do Top 500. Somados, conferem capacidade de 1.141 TFlops.

Ao custo de R$ 60 milhões, o Santos Dumont entrará em operação plenamente em 2016. Inicialmente, vai ajudar a Fiocruz a elaborar novos medicamentos, a Coppe-UFRJ a analisar como a areia se deslocará durante as perfurações do pré-sal e o Inpe na previsão do tempo. No que vem, o time do Brasil será reforçado por um novo supercomputador do Inpe.

SUPERCOMPUTADORES PODEROSOS
Supercomputador País Potência (TFlops)
1) Tianhe-2 China (Universidade Nacional de Tecnologia para a Defesa) 33,8 mil
2) Titan EUA (Laboratório Nacional Oak Ridge) 17,5 mil
3) Sequoia EUA (LLNL) 17,1 mil
4) K Computer Japão (Instituto Avançado para Ciência da Computação) 10,5 mil
5) Mira EUA (Laboratório Nacional Argone) 8,5 mil
6) Trinity EUA (SNL) 8,1 mil
7) Piz Daint Suíça (Centro Nacional Suíço de Supercomputação) 6,2 mil
8) Hazel Hen Alemanha (Centro de Computação de Alta Perfomance Stuttgart) 5,6 mil
9) Shaheen II Arábia Saudita (Universidade de Ciência e Tecnologia King Abdullah) 5,5 mil
10) Stampede EUA (Universidade do Texas) 5,1 mil
200) Santos Dumont GPU Brasil (Laboratório Nacional de Computação Científica) 456
241) Cimatec Yemoja Brasil (Cimatec) 405
265) Santos Dumont Hybrid Brasil (Laboratório Nacional de Computação Científica) 363
310) Santos Dumont CPU Brasil (Laboratório Nacional de Computação Científica) 321
406) Grifo04 Brasil (Petrobras) 251
476) Tupã EUA (Inpe) 214
Fonte: Top 500

Fontes e Direitos Autorais: G1 – Helton Simões Gomes – 19/11/2015 08h16 – Atualizado em 19/11/2015 08h16.

Internet vai falhar em metade dos estádios da Copa. Por quê?


O primeiro a dar o alerta foi o sindicato das operadoras de telefonia, o SindiTelebrasil. Para falar a verdade, faz tempo que as operadoras móveis reclamam que, pelo andar da carruagem, não teriam tempo para instalar a infraestrutura indoor necessária para atender a alta demanda por comunicação de voz e dados 2G, 3G e 4G nos estádios que receberão os jogos da Copa do Mundo.

Semanas atrás foi a vez de Jérôme Valcke manifestar publicamente preocupação com a falta de testes na infraestrutura de comunicações disponível para os torcedores e para parte da imprensa, antes do início da Copa, no dia 12 de Julho.

Agora, chegou a vez do governo admitir: a rede de dados móvel será deficiente em metade dos 12 estádios da Copa do Mundo, incluindo a Arena Corinthians, em São Paulo, sede da abertura do Mundial.

“Em pelo menos seis estádios a rede Wifi já está instalada. Neles a Internet vai funcionar melhor do que nos outros. Mesmo que as operadoras comecem a instalar as redes agora, dificilmente vai dar tempo de oferecer um serviço de boa qualidade”, afirmou ontem o ministro.

Recordando
Depois das críticas à má qualidade do serviço de banda larga móvel na Copa das Confederações, as operadoras (Claro, Oi, Nextel, Tim e Vivo) fizeram uma parceria para a implantação de um projeto único de implantação de cobertura indoor para suportar o tráfego móvel de voz e dados nos estádios, com investimentos e infraestrutura compartilhada.

A cobertura indoor permite o atendimento dos serviços móveis, seja para ligação telefônica, envio de mensagens ou uso de internet, com mais qualidade e capacidade que no modelo usado no passado para a cobertura dos estádios. Com a cobertura interna, os torcedores dependem menos das antenas externas convencionais, que encontram nas estruturas de concreto dos estádios dificuldades para o alcance dos sinais.

Em janeiro passado, durante entrevista à rádio CBN, o diretor-executivo do SindiTelebrasil, Eduardo Levy, revelou que os responsáveis pelas obras dos estádios em São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Natal e Curitiba, não estavam liberando os estádios para a instalação da rede indoor.

O projeto requer que os equipamentos das operadoras fiquem instalados em uma sala de onde parte uma rede de fibras óptica conectada às antenas, de pequena dimensão, distribuídas ao longo do estádio para garantir cobertura nas arquibancadas, camarotes, vestiários, corredores, praças de acesso e estacionamento. Para garantir a qualidade do serviço são necessárias, em média, 300 antes por estádios, segundo o SindiTelebrasil.

Repeteco
No ano passado, na Copa das Confederações, o celular falhou. A explicação?

Segundo o SindiTelebrasil, embora o processo de negociação com os administradores dos estádios tenha sido iniciado em meados de 2012, as operadoras de telefonia só obtiveram a liberação para iniciar as obras dois meses antes do início dos jogos, com vários estádios ainda em fase de construção.

Como a implantação de redes indoors de telefonia celular leva, em média, 120 dias, as operadoras afirmaram que fariam o que fosse possível em 90 dias. Resultado? A configuração básica da infraestrutura ficou parcialmente pronta. E em alguns estádios, como o Maracanã, muitos testes e ajustes ficaram para depois da Copa das Confederações.

E, mesmo com sinal precário, o tráfego nos estádios durante as partidas foi de 1,7 milhão de ligações de telefonia celular e mais de 4,6 milhões de comunicações de dados, incluindo envio de e-mails, fotos e mensagens multimídia, com tamanho médio de 0,5 MB.

Na Copa do Mundo, vários problemas apresentados na Copa das Confederações deverão se repetir, e com mior intensidade, principalmente nos estádios que só agora estão terminando as obras, como no Itaquerão, em São Paulo, e na Arena da Baixada, em Curitiba. Com aproximadamente 40 dias para a partida de abertura, a Copa vai começar com apenas parte do projeto de instalação de equipamentos funcionando.

Status
No início de abril, apenas os estádios de Brasília, Cuiabá, Manaus, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Salvador já haviam autorizado a instalação da infraestrutura. Nos demais, os administradores e as operadoras demoraram para chegar a um acordo comercial.

No dia 17/4, o SinditeleBrasil anunciou ter acertado com os administradores dos estádios do Itaquerão, em São Paulo, e da Arena da Baixada, em Curitiba, acordos comerciais para a implantação da cobertura indoor. Mas voltou a afirmar que não funcionariam 100%, porque o prazo médio de instalação desse tipo de cobertura é de 120 dias e, até agora, as o trabalho de instalação ainda não começou.

Na mesma data,o SindiTelebrasil garantiu que a cobertura indoor já estava em fase de ajustes finais em Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro e Salvador. E que em Cuiabá, Manaus, Natal e Porto Alegre, os acordos comerciais já haviam sido fechados e o processo de instalação, começado, após as administrações de alguns desses estádios terem solucionados problemas nas suas salas onde os equipamentos estão sendo instalados, permitindo às prestadoras acelerarem a implantação da infraestrutura.

WiFi
Paralelo à rede indoor, as operadoras estão instalando também redes WiFi para fornecer acesso internet gratuito dentro dos estádios, e desafogar o tráfego de dados da rede celular 4G e, principalmente, 3G (que suportará o roaming). Dos 12 estádios que sediarão jogos da Copa, os de Brasília, Cuiabá, Manaus, Porto Alegre, do Rio de Janeiro e de Salvador já autorizaram a instalação e os demais ainda não autorizaram. Muitos administradores querem ter suas próprias instalações, para poderem cobrar pelo acesso.

Jogo de empurra
Moral da história: o grave é o jogo de empurra dos diferentes atores sobre as responsabilidades de cada um deles nesse imbróglio, que pode gerar um “caladão” do torcedores, dentro do estádio, justamente no jogo de abertura da Copa.

As operadoras culpam os administrados dos estádios pela má qualidade do serviço que os torcedores experimentarão em muitos deles.

O governo, por sua vez, culpa as operadoras por terem alongado demais as negociações comerciais com os administradores dos estádios e cobra delas uma solução. Elas que arquem com o custo do atraso.

Antes do atraso, a previsão das operadoras era a de investir R$ 200 milhões nos 12 estádios para a colocação da cobertura indoor, que não faz parte dos requisitos da Fifa (Federação Internacional de Futebol) para os estádios, nem das obrigações previstas nos editais da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

O deixa que eu deixo pode levar os torcedores a perderem de goleada.

O que podia se tornar a vitrine da eficiência para administradores, operadoras e, por tabela, governo, periga virar a vitrine da incompetência coletiva para negociar.

Do lado de fora, tudo bem
Do lado de fora dos estádios, as operadoras planejam instalar ERBs provisórias, como já acontece hoje em áreas de concentração. Por conta disso, não deverá haver problemas.

As operadoras também já cumpriram, com folga, a obrigação de instalação das redes 4G nas 12 cidades sedes.

Fontes e Direitos Autorais: IDGNow! – Circuito de Luca – 01/05/2014 14:28.

Brasil ocupa 73ª posição em ranking de velocidade da internet


Uma pesquisa realizada pela rede de entrega de conteúdo Akamai em 243 países concluiu que a velocidade média de conexão à internet no Brasil ficou em 2,3 Mbps no primeiro trimestre de 2013, abaixo da média global, que é 3,1 Mbps.

No ranking de velocidade na internet proposto pelo relatório “State of the Internet”, o Brasil ocupa a 73ª colocação, perdendo para países como Colômbia (2,8 Mbps) e Coreia do Norte (2,7 Mbps).

Segundo Marcos Feitosa, engenheiro da empresa do segmento de fibra óptica TE Connectivity, o desenvolvimento do setor de telecomunicações no Brasil foi prejudicado pela estatização das companhias telefônicas.

Ele aponta, contudo, que o país tem visto um avanço substancial desde 1998. “Nossas redes estavam sucateadas, os equipamentos envelhecidos, a capilaridade não existia e só agora, depois de 15 anos, estamos alcançando uma condição estrutural que nos permite distribuir as comunicações como se deve”, diz.

Outros fatores podem explicar a posição do Brasil no ranking, segundo Feitosa. Entre elas a excessiva carga tributária e o alto preço da fibra óptica.

“As operadoras começaram a fazer sua parte construindo novas redes ópticas e celulares. Porém, sem um profundo programa dos governos, aliado à iniciativa privada, ajudando a fazer com que todos tenham acesso, será difícil”, afirma.

MUNDO AFORA

O “State of the Internet” mostra ainda que a velocidade média da internet em países subdesenvolvidos segue crescendo, ainda que num ritmo lento, o que indica mais investimento em infraestrutura.

A Ásia continua sendo o continente com a internet mais veloz, com Coreia do Sul (14,2 Mbps), Japão (11,7 Mbps) e Hong Kong (10,9 Mbps) liderando o ranking.

Fontes e Direitos Autorais: Folha de São Paulo – Tec.