Conheça um pouco sobre BI sem muitas perguntas

Segundo Mary K. Pratt, CIO.com, adoção de BI é essencial para a transformação dos negócios.


Image result for business intelligence

Business Intelligence (BI) não é uma estratégia nova entre as companhias que buscam a digitalização. Entretanto, seu alcance e pormenores ainda podem ser desconhecidos. A prática utiliza software e serviços para transformar dados em insights ​​que informam as decisões estratégicas e táticas para uma organização. As ferramentas de BI acessam e analisam conjuntos de dados e apresentam descobertas analíticas em relatórios, resumos, dashboards, gráficos, tabelas e mapas para fornecer aos usuários informações detalhadas sobre o estado dos negócios.

O termo inteligência comercial também se refere a uma variedade de ferramentas que fornece acesso rápido e fácil a insights sobre o estado atual de uma empresa, com base nos dados disponíveis.

Exemplos de Business Intelligence

Os relatórios são uma faceta central do BI e o dashboard é talvez a ferramenta arquetípica da área. Os dashboards são aplicativos de software hospedados que reúnem automaticamente os dados disponíveis em tabelas e gráficos que dão uma noção do estado imediato da empresa.

Embora a inteligência comercial não diga aos usuários de negócios o que fazer ou o que acontecerá se eles seguirem um determinado curso, o BI também não é apenas sobre a geração de relatórios. Em vez disso, o BI oferece uma maneira de as pessoas examinarem os dados para entender tendências e obter insights, simplificando o esforço necessário para procurar, mesclar e consultar os dados necessários para tomar boas decisões de negócios.

Continue Lendo “Conheça um pouco sobre BI sem muitas perguntas”

Dica do Mês – Temporal Table e o Calor, uma combinação muito quente


Salve pessoal, bom dia.

Estamos no mês de janeiro, férias, sol, calor, chuvas, e para minha alegria te encontro mais uma vez no meu blog, caso esta seja a sua primeira visita ou acesso, fico mais feliz ainda, seja muito bem vindo.

Este é mais um post da sessão Dica do Mês, sessão dedicada a compartilhar bimestralmente dicas, novidades, curiosidades e demais assuntos, conteúdos e informações relacionadas ao Microsoft SQL Server, Banco de Dados e Tecnologias de Banco de Dados.

No post de hoje, quero compartilhar com vocês uma das funcionalidades adicionadas ao Microsoft SQL Server a partir da versão 2016 e que recentemente acabei conhecendo com um pouco mais, como você já pode notar no título deste post, estou fazendo referência as chamadas Temporal Tables (Tabelas Temporais).

Você já conhece? Teve a necessidade de utilizar? Eu particularmente falando conhecia muito pouco sobre este recurso, mas na semana passada neste período de férias tive a ideia de fazer uma brincadeira aqui em casa em conjunto com um termômetro, e justamente através desta brincadeira que utilizei uma temporal table.

Ficou curioso para saber como eu fiz uso dela? Calma, daqui a pouco eu conto mais sobre isso para você.

Pois bem, sem mais delongas, vamos em frente, vou tentar mitigar a sua curiosidade e ao mesmo também satisfazer os meus objetivos. Sendo assim, seja bem vindo ao post – Dica do Mês – Temporal Table e o Calor, uma combinação muito quente.


Introdução

A partir da versão 2016 do Microsoft SQL Server, a Microsoft introduziu o suporte para tabelas temporais de sistema baseadas no versionamento de dados como um recurso de banco de dados, sendo este,  uma funcionalidade que traz o suporte interno para fornecer informações sobre dados armazenados na tabela em qualquer ponto no tempo, ao invés de apenas os dados que é corretos no momento atual em está na hora.

Esta nova funcionalidade, também é reconhecida e trata como um recurso de banco de dados criado com base nos padrões em ANSI SQL 2011.

A partir do momento em que idealizamos fazer uso de uma tabela temporal, estamos criando um novo objeto ou transformando um objeto já existente em nosso banco de dados, em um elemento responsável em manter o histórico completo das alterações de dados ocorridos durante um período de tempo, sendo esta a principal finalidade de uso de uma temporal que é tratada internamento como um repositório de gerenciamento de tempo.

Cada tabela temporal tem duas colunas explicitamente definidas, cada um com um tipo de dados datetime2 , estas colunas são referidas como colunas de período, sendo período colunas usadas exclusivamente pelo sistema de registro prazo de validade para cada linha, sempre que uma linha for modificada. Além dessas colunas de período, uma tabela temporal também contém uma referência a outra tabela, a qual será utilizada como esquema espelho.

Por padrão o Microsoft SQL Server utiliza esta tabela para armazenar automaticamente a versão anterior de uma linha cada vez que a mesma na tabela temporal é atualizada ou excluída. Esta tabela adicional é referida como a tabela de histórico, enquanto a tabela principal que armazena versões de linha (real) atual é conhecida como a tabela atual ou simplesmente como a tabela temporal.

Importante ressaltar que durante a criação do quadro temporal, os usuários podem especificar a existência de uma tabela de histórico (deve ser esquema compatível) ou deixar o sistema criar tabela de histórico padrão.

Agora que já conhecemos um pouco do que é uma Temporal Table, vamos avançar mais um pouco em nossa caminhada, vou apresentar o porque tive a ideia de fazer uso deste recurso.

 

SEU FUNCIONAMENTO

Como já destacado anteriormente o sistema de controle de versão de uma tabela temporal é implementado através do uso de um par de tabelas, uma tabela atual e uma tabela de histórico. Dentro de cada uma destas tabelas, as seguintes duas colunas adicionais datetime2 são usadas para definir o período de validade para cada linha:

  • Coluna de início de período: O sistema registra a hora de início para a linha nesta coluna, denotado tipicamente como a coluna de SysStartTime .
  • Coluna de fim do período: O sistema registra a hora final para a linha nesta coluna, normalmente indicado na coluna SysEndTime .

A tabela atual contém o valor atual para cada linha. A tabela de histórico contém cada valor anterior para cada linha, se for o caso, e a hora de início e hora de término para o período para o qual foi válido.

A Figura 1 apresentada abaixo, ilustra de forma simples o funcionamento do sistema de controle dos dados aplicado a partir do uso de uma tabela temporal:

Temporal-HowWorks

Figura 1 – Funcionamento do sistema de controle de uma tabela temporal.

Este sistema de controle de versionamento dos dados é realizado sempre as instruções: Insert, Update, Delete ou Merge venham a ser realizadas de forma individual ou simultânea.

 

PORQUE UTILIZAR UMA TEMPORAL TABLE

Uma das coisas que eu aprendi a gostar no decorrer da minha carreira na área de tecnologia é a importância e as possibilidades de mudanças que um mesmo dado pode apresentar no decorrer de um período de tempo, este é um dos meus maiores prazeres entender o quanto aquele dado a uma minuto atrás agora já é outro dado e podem me trazer representar novas informações e conhecimentos.

Desta forma, ao analisarmos uma temporal table podemos também reconhecer ou fazer uso da mesma como uma Slowly Changing Dimension (Dimensão com mudanças lentas ou mudanças lentas em uma dimensão), o que vai nos possibilitar criar uma visão dos nossos dados com base uma período ou determinada data.

Uma outra funcionalidade que pode ser aplicada a uma temporal table se relacionada a controles de auditoria mais propriamente falando de auditoria de dados, normalmente as fontes de dados reais são dinâmicas e se tornam voláteis ao longo do tempo, para uma empresas isso pode influenciar diretamente em suas decisões as quais dependem de percepções que os analistas podem começar a identificar a partir da evolução ou mudanças de dados.

Já sabemos o porque escolhi fazer uso de uma temporal table, agora vou apresentar o cenário que me permitiu aplicar este recurso com base na minha ideia.

 

MINHA IDEIA

Estamos visando uma forte onda de calor em praticamente todo o Brasil, algo que muitos brasileiros adoram eu sinceramente não sou um destes brasileiros, pois eu não suporto estas altas temperaturas.

Para tentar de alguma maneira aprender algo de novo com este calor e tentando se distrair dentro das possibilidades, pensei em ter uma noção do quanto a temperatura aqui na minha casa localizada na cidade de São Roque interior do estado de São Paulo muda no decorrer de um período de tempo, sendo justamente esta a minha ideia de utilizar uma temporal table, talvez esta não tenha sido a melhor ideia ou até mesmo o melhor cenário para uso, mas entendo que pode ser uma possibilidade dentre as mais variadas possíveis.

Seguindo em frente e avançando mais um pouco, chegou a hora de colocar em prática a minha ideia, para isso vamos construir um simples cenário para fazer uso da Temporal Table.

NOSSO AMBIENTE

Como de costume vamos utilizar um ambiente isolado dos demais bancos de dados que você possa conter, desta maneira nosso cenário será constituído dos seguintes elementos:

  • Banco de Dados: DatabaseTemporalTabel;
  • Tabela Atual: TemporalTableTemperatura;
  • Tabela Historico: TemporalTableTemperaturaHistorico;
  • Colunas Temporais: DataHoraInicial e DataHoraFinal; e
  • Period For System formado por: DataHoraInicial e DataHoraFinal.

Criando o ambiente

Através do Bloco de Código 1 apresentado abaixo, vamos realizar a criação dos respectivos elementos destacados anteriormente:

— Bloco de Código 1 —

— Criando o Banco de Dados —
Create Database DatabaseTemporalTable
Go

— Acessando o Banco de Dados —
Use DatabaseTemporalTable
Go

— Criando a Tabela TemporalTableTemperatura —
Create Table TemporalTableTemperatura
(Codigo Int Identity(1,1) Primary Key Clustered,
Local Char(10) Default ‘Minha Casa’,
Cidade Char(9) Default ‘São Roque’,
DataAtual Date Default GetDate(),
HoraAtual Time Default GetDate(),
Temperatura TinyInt,
DataHoraInicial Datetime2 (0) GENERATED ALWAYS AS ROW START,
DataHoraFinal Datetime2 (0) GENERATED ALWAYS AS ROW END,
PERIOD FOR SYSTEM_TIME (DataHoraInicial, DataHoraFinal))
WITH (SYSTEM_VERSIONING = ON (HISTORY_TABLE = dbo.TemporalTableTemperaturaHistorico))
Go

A Figura 2 apresentada abaixo, ilustra a estrutura da tabela TemporalTableTemperatura e sua tabela espelho TemporalTableTemperaturaHistorico:

Figura 2 – Tabelas TemporalTableTemperatura e TemporalTableTemperaturaHistorico.

Observações

1 – Para que o Microsoft SQL Server reconheça uma tabela como Temporal Table as colunas temporais devem ser formadas pelo tipo de dados DateTime2 e logo após a declaração do seu tipo de dados informar as instruções:

  • Generated Always as Row Start – Valor gerado sempre no início da linha; e
  • Generated Always as Row End – Valor gerado sempre no final da linha.

2 – O controle do período dos valores é feito através da instrução PERIOD FOR SYSTEM_TIME, declarada obrigatoriamente no final da construção da tabela, formada pelas colunas que recebem os valores DateTime2.

3 – Ao declarar o nome da tabela a ser utilizada para o versionamento dos dados, é obrigatório informar o nome do ower ou schema a qual esta tabela irá pertencer, caso isso não seja feito o Microsoft SQL Server retornará a seguinte mensagem de erro:

Msg 13539, Level 15, State 1, Line 18
Setting SYSTEM_VERSIONING to ON failed because history table ‘TemporalTableTemperaturaHistorico2 is not specified in two-part name format.

4 – Ao informar a tabela que será utilizada para o versionamento dos dados o Database Engine realiza automaticamente a criação desta tabela histórico caso a mesma não exista.

Ótimo estamos no caminho certo, nosso próximo passo será abastecer a tabela TemporalTableTemperatura com dados iniciais e na sequência proporcionar alterações nestes mesmos dados iniciais para que o Database Engine faça uso da nossa Temporal Table registrando na Tabela TemperalTableTemperaturaHistorico todas as manipulações realizadas.

Para isso vamos utilizar o Bloco de Código 2 declarado abaixo:

— Bloco de Código 2 —

— Inserindo Dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Insert Into TemporalTableTemperatura (Temperatura)
Values (25)
Go

— Gerando um Delay de 20 segundos —
WAITFOR DELAY ’00:00:20′
Go

— Atualizando os dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Update TemporalTableTemperatura
Set Temperatura = 26,
HoraAtual = GetDate()
Go

— Gerando um novo Delay de 40 segundos —
WAITFOR DELAY ’00:00:40′
Go

— Atualizando os dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Update TemporalTableTemperatura
Set Temperatura = 27,
HoraAtual = GetDate()
Go

— Gerando um novo Delay de 1 minuto e 20 segundos —
WAITFOR DELAY ’00:01:20′
Go

— Atualizando os dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Update TemporalTableTemperatura
Set Temperatura = 27,
HoraAtual = GetDate()
Go

Até aqui tudo tranquilo, realizamos o processo de inserção de dados iniciais na tabela TemporalTableTemperatura e na sequência através do comando WaitFor forçamos a ocorrência de alguns delays (atrasos) de tempo para simular o aumento da temperatura como se fosse um termômetro realizando uma nova marcação, com isso, já temos neste momento um pequena porção de dados a serem consultados.

Vamos então executar o Bloco de Código 3 a seguir para identificar as possíveis maneiras de se consultar os dados armazenados em nossa temporal table:

— Bloco de Código 3 —

— Consultando dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Select * From TemporalTableTemperatura
Go

Após realizarmos o Select declarado acima teremos um retorno de dados similar ao apresentado na Figura 3 abaixo:
Figura 3 – Posição atual de dados armazenados na tabela TemporalTableTemperatura.

Observe que a coluna Temperatura apresenta o valor 27, número informado no último update realizado, a coluna DataHoraInicial apresentando o valor que representa o início da realização da última manipulação aplicada a tabela, no caso o comando Update e a coluna DataHoraFinal vai apresentar o valor final que representa o encerramento do período de controle de versionamento dos dados com o valor fixo e padrão 9999-12-31 23:59:59.

Pois bem, mas se quisermos então identificar ao longo do tempo todas as manipulação que podem ter ocorrido em nossa tabela temporal? É ai que entra em ação nossa tabela de espelho, nossa tabela TemporalTableTemperaturaHistorico, a qual é responsável em armazenar e controlar todo versionamento e alterações que venham a ser realizadas em nossa Temporal Table.

O próximo passo consiste na execução do Bloco de Código 4, o qual vai nos permitir consumir os dados temporais armazenados em nossa tabela TemporalTableTemperaturaHistorico:

— Bloco de Código 4 —

— Consultando dados Temporais, obtendo todas as manipulações realizadas —
Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time All — Apresenta todas as manipulações realizadas
Go

Figura 4 – Todas as manipulações realizadas na tabela TemporalTableTemperatura armazenadas de forma espealhada na tabela histórico TemporalTableTemperaturaHistorico.

Nota que a coluna DataHoraFinal apresenta na linha 1 o valor fixo e padrão 9999-12-31 23:59:59, mas no decorrer das demais linhas, de acordo com as operações realizadas os valores foram sendo atualizados, como podemos comprovar na linha 7 a qual apresenta o valor 2019-01-22 12:59:42.

Já estamos praticamente no final desta caminhada, nosso últimos passos consistem em realizar outras formas de consultar dados temporais, através das instruções:

  • For System_Time as Of;
  • For System_Time From ” To ”;
  • For System_Time Between ” And ”; e
  • For System_Time Contained In ().

Para realizar estas consultamos, vamos executar o Bloco de Código 5 apresentando abaixo:

— Bloco de Código 5 —

— Conhecendo outras formas de consultar dados temporais —
Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time as Of ‘2019-01-22 12:33:56’
Go

Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time From ‘2019-01-22 12:33:56’ To ‘2019-01-22 12:48:36’
Go

Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time Between ‘2019-01-22 12:48:36’ And ‘2019-01-22 12:58:22’
Order By Temperatura Desc
Go

Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time Contained In (‘2019-01-22 12:33:00′ ,’2019-01-22 12:55:00’)
Go

A Figura 5 a seguir apresentado o resultado tornado após a execução do Bloco de Código 5 declarado acima:Figura 5 – Resultados obtidos após a execução de cada comando select declarado no Bloco de Código 5.

Praticamente términos, mas quero finalizar este post com uma pequena amostra do quanto uma tabela temporal pode ser útil, imagine se excluirmos todos os dados da nossa tabela TemporalTableTemperatura.

O que aconteceria com os dados em nossa tabela espelho:

1 – Os dados seriam excluídos também?

2 – Os dados são mantidos?

3 – A tabela espelho será excluída?

4 – Não podemos remover dados em tabelas que utilizam versionamento de dados?

Bom, vou deixar o Bloco de Código 6 declarado abaixo, mas a respostas para esta pergunta você que vai descobrir e posteriormente publicar seu comentário aqui neste post:

— Bloco de Código 6 —

— Excluíndo os dados cadastrados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Delete From TemporalTableTemperatura
Go

— Consultando dados na Tabela TemporalTableTemperaturaHistorico —
Select Local, Cidade, DataAtual, HoraAtual, Temperatura
From TemporalTableTemperaturaHistorico
Go

Com isso chegamos ao final de mais um post da sessão Dica do Mês, antes de encerrarmos, gostaria de contar com a sua participação neste post, respondendo a enquete abaixo:


Referências

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/temporal-tables?view=sql-server-2017

https://en.wikipedia.org/wiki/Slowly_changing_dimension

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/creating-a-system-versioned-temporal-table?view=sql-server-2017

https://social.technet.microsoft.com/wiki/pt-br/contents/articles/12580.slowly-changing-dimensions.aspx

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/querying-data-in-a-system-versioned-temporal-table?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/getting-started-with-system-versioned-temporal-tables?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/system-versioned-temporal-tables-with-memory-optimized-tables?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/temporal-table-metadata-views-and-functions?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/language-elements/waitfor-transact-sql?view=sql-server-2017

Posts Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/10/23/dica-do-mes-comando-restore-database-page-restaurando-paginas-de-dados-de-uma-tabela-no-microsoft-sql-server/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/07/26/dica-do-mes-ocultando-uma-instancia-em-execucao-do-microsoft-sql-server/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/04/25/dica-do-mes-sql-operations-studio-view-as-chart/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/03/14/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2017-sql-graph-databases/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/01/24/dicadomes-sqlservertoolsuiteintroduction/

CONCLUSÃO

Como já destaquei em outros posts, a cada nova versão, atualização e correção a Microsoft transforma o SQL Server em um produto surpreende, ainda mais na sua capacidade e versatilidade de permitir aos profissionais de tecnologia, administradores de bancos de dados, programadores, entre outros, utilizar recursos nativos e também novos como ferramentas que podem nos ajudar a aplicar os mais variados possíveis cenários afim de obter soluções rápidas e práticas para nossas necessidades.

No post de hoje, mais uma vez isto foi constatado, o uso de novos recursos com base em funcionalidades já existentes se tornam ferramentas valiosas e de grande importância, podemos fazer esta relação com as tabelas temporais, funcionalidade que nos possibilita viajar, navegar, caminhar ao longo do tempo analisar e entendendo as mudanças ocorridas em nossos dados.

Desta forma, nos deparamos com uma poderosa ferramenta e sua gama de recursos que nos permitem realizar as mais diversas e variados preposições de análises de dados para identificarmos a melhor forma para se tomar uma decisão.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, produto tão fascinante que a cada dia eu não consigo deixar de querer estudar e conhecer mais ainda.

Agradecimentos

Agradeço a você por sua atenção e visita ao meu blog. Fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Nos encontramos no próximo post da sessão Dica do Mês a ser publicado em breve.

Um forte abraço, sucesso, não se esqueça de se manter hidratado, passar bastante protetor solar para se proteger deste forte calor que estamos vivendo.

Até mais.

Dica do Mês – SQL Operations Studio – View as Chart


Olá, amantes de banco de dados e profissionais de tecnologia.

Bom dia, bom dia, bom dia….. Tudo bem? Que bom te encontrar por aqui mais uma vez, seja bem, volte sempre. Este é mais um post da sessão Dica do Mês, sessão dedicada a compartilhar bimestralmente dicas, novidades, curiosidades e demais informações relacionadas ao Microsoft SQL Server, Banco de Dados e Tecnologias de Banco de Dados.

No post de hoje, quero dividir com você um recurso que conheci recentemente adicionado ao novo SQL Operations Studio, ferramenta que a Microsoft esta trabalhando a todo vapor para se tornar muito em breve um produto confiável, prático e robusto, da mesma maneira que aconteceu com o Management Studio (“isso já faz um tempinho, lá em 2005”), e principalmente multiplataforma(um produto interoperável).

Se por acaso você ainda não conhece esta nova ferramenta da Microsoft, fique calmo, seu primeiro preview foi lançado no final de 2017, e caso você queria conhecer um pouco mais sobre este novo produto, acesse: https://docs.microsoft.com/pt-br/sql/sql-operations-studio/what-is?view=sql-server-2017.

 

Falando um pouco mais sobre o post de hoje, normalmente quando executamos uma query no Microsoft SQL Server Management Studio, temos a possibilidade de apresentar o retorno de dados em tela no formato de tabela, texto ou se quisermos salvar em um arquivo texto, agora no SQL Operations Studio, temos algumas outras formas de apresentar ou salvar nosso retorno de dados, dentre elas a que eu mais gostei e acredito que você também vai gostar é conhecida como View as Chart (Visualizar como gráfico).

Como assim visualizar como gráfico? É isso mesmo, que você esta pensando, visualizar o resultado da sua query em alguns modelos predefinidos de gráfico em tempo real. Olha que fiquei de queijo caído com este recurso.

E ai, esta curioso em saber um pouco mais sobre esta nova forma de apresentar seus dados? Eu estou, e não vejo a hora de poder dividir com você um pouco deste recurso.

Então, vamos em frente, vou tentar mitigar a sua curiosidade e ao mesmo também satisfazer os meus objetivos. Sendo assim, seja bem vindo ao post – Dica do Mês – SQL Operations Studio – View as Chart.

Tenho a certeza visualizar seus dados em forma de gráfico, vai lhe ajudar muito nos momentos de análise e tomada de decisão.


Introdução

Lançado em novembro de 2017, o SQL Operations Studio, possui algumas missões um pouco indigestas (na minha opinião), mas que podem ser alcançadas, dentre elas:

  1. Se tornar um produto conhecido;
  2. Ser reconhecido como um produto independente e multiplataforma;
  3. Ser utilizado com uma ferramenta de apoio ao atual Management Studio;
  4. Não ser rotulado ou visto como o substituto do Management Studio para Windows; e
  5. Ser utilizado em ambientes Linux e Mac.

Mesmo com esta pequena relação de missões a serem cumprida, a Microsoft esta trabalhando de forma árdua a realmente lançar uma versão final do produto o mais breve possível (eu mesmo esperei um pouco mais para instalar o produto na minha máquina).

Mas, vamos em frente, dentro as novidades e melhorias adicionadas na última preview lançada do SQL Operations Studio (em 28/03/2018), aquela que mais me chamou a atenção, foi justamente a introdução do botão View as Chart, sendo este visível logo após o processamento e apresentação do resultado de um query.

Se você já estou utilizando este produto, talvez não tenha ainda percebido a presença deste ou outros botões que surgem em nossa tela ao lado da result as table que exibe as linhas de dados processadas, pois bem, a Figura 1 abaixo ilustra este e os demais botões:

Figura 1 – Apresentação dos botões View as Chart na guia de resultados exibida pelo SQL Operations Studio.

Agora eu acredito que você vai conseguir encontrar mais facilmente estes botões logo após processar suas querys no SQL Operations Studio.

Vamos avançar mais um pouco…..

View as Chart

Ao imaginar a possibilidade de apresentar nosso retorno de dados em tela, tendo como base, formatos predefinidos de gráficos é algo que nos permite estabelecer uma série de palavras do momento, dentre elas: Análise de Dados, Tomada de Decisão, Modelagem de Negócios, Mineração de Dados, Business Intelligence, enfim… possibilidade de tentar rotular um resultado apresentado como um gráfico, os fascinados por administração e gestão vão adorar. Sinceramente falando, não vejo que este recurso possa ser rotulado para todas as possíveis áreas, mas em especial uma dentre as mais diversas podemos, sendo ela: Análise de Dados.

Apresentar um conjunto de dados no formato de gráfico, com certeza é algo visualmente falando mais atrativo, bonito e didático do que simplesmente apresentar um monto de valores em uma tabela com colunas que muitas vezes não conseguir expressar ou transmitir seu significado.

Analisar um ou mais dados, é uma atividade diferencial para qualquer profissional da área de tecnologia, principalmente aqueles que possuem a ingrata missão de tentar através do números, símbolos e indicadores orientar seus clientes, empresas e parceiros em momento chaves para tomada de decisão, por outro lado ter a possibilidade de simular situações com base no processamento em tempo real de dados coletados ao longo de tempo e ver o que pode acontecer caso algo venha e mudar pode sim ser um grande “pulo do gato”.

Ao meu ver é justamente isso que podemos tentar adjetivar este recurso adicionado ao SQL Operations Studio, a capacidade de proporcionar um análise de dados para os profissionais de tecnologia, dentre eles: Desenvolvedores, Programadores e Administradores de Bancos de dados, que podem em tempo real realizar possíveis simulações e testes com seus dados nem necessitar utilizar ferramentas específicas para esta atividade.

Vamos em frente que atrás vem o DBA correndo (kkkkk)…..

Exibindo um Chart

Para que possamos realizar nossas práticas, vou utilizar o mesmo ambiente que venho trabalhando nos meus últimos post, mais especificamente o banco de dados utilizado no jogo de videogame Fifa 2018 recentemente compartilhado no meu blog.

Pois bem, caso você não deseje fazer o download do banco de dados, nas práticas que vamos realizar neste post, estou compartilhando um arquivo no formato JSON que justamente apresenta a massa de dados específica que iremos utilizar, além disso, o arquivo já esta pronto para você realizar o processo de importação caso esteja utilizando o Microsoft SQL Server 2016 ou superior. Faça o download do arquivo JSON clicando aqui.

Importante: Vale ressaltar que por questões de segurança a plataforma WordPress.com não permite upload de arquivo com extensão .json, sendo assim, foi adicionado ao final do arquivo a extensão .doc, após realizar o download basta remover esta extensão o final do nome do arquivo mantendo a extensão .json.

Caminhando mais um pouquinho….

Vou deduzir que você conseguiu realizar o download do arquivo, em seguida acessou seu Microsoft SQL Server 2016 ou 2017 e importou este conjunto de dados para dentro de um específico banco de dados, show de bola, sucesso, vamos em frente.

Agora com este dados disponíveis para serem acessados, podemos fazer uso do recurso View as Chart, para isso acesse o SQL Operations Studio, conecte-se em seu banco de dados, abra uma nova query e execute o Bloco de Código 1 apresentado abaixo, sendo esta a query base que utilizaremos para proporcionar a criação e execução de nossos gráficos:

— Bloco de Código 1 —

Select Top (50) Name,
Age,
Nationality,
Overall,
Potential
From PlayerPersonalData
Order By Overall Desc, Potential DESC
Go

Observe a simplicidade da query que utilizaremos, não se espante é isso mesmo, algo bastante simples para trabalhar com 50 linhas de registros armazenadas em um tabela denominada PlayerPersonalData.

Logo após a execução do Bloco de Código 1 apresentando anteriormente, o SQL Operations Studio deve ter retornado na sua tela um conjunto de dados similar ao apresentado na Figura 2 a seguir:

Figura 2 – Relação de dados apresentados após o processamento do Bloco de Código 1.

Muito bem, observe com atenção a Figura 2, veja que os botões apresentados na respectiva ordem:

  • Save as CSV;
  • Save as JSON(o arquivo json aqui compartilhado, foi criado através deste botão);
  • Save as Excel; e
  • View as Chart, foram habilitados e encontram-se disponíveis para uso, sendo o último botão o qual iremos utilizar para gerar nossos gráficos, sendo assim, clique nele.

Após clicar no botão View as Chart, automaticamente o SQL Operations Studio apresenta um primeiro modelo de gráfico em barras horizontais(HorizontalBar), conforme apresenta a Figura 3 a seguir:

Figura 3 – Gráfico padrão criado no modelo predefinido HorizontalBar.

Como eu havia destacado no início deste post, o SQL Operations Studio através do recurso View as Chart, apresenta um conjunto de gráficos predefinidos que podem ser aplicados ou não dependendo do tipo de retorno de dados apresentado por cada query, a Figura 4 apresentado a seguir, ilustra o conjunto de modelo de gráficos predefinidos independente do conjunto de dados processados pelo Bloco de Código 1:

Figura 4 – Relação de modelos predefinidos existentes no recurso View as Chart.

Legal, temos nossa massa de dados, já sabemos a relação de possíveis modelos de gráficos, o próximo passo é começar a brincar com este recurso em conjunto com suas querys criando novos gráficos, como forma de demonstração de algumas possibilidades, apresento abaixo algumas figuras que ilustram as diversidades de retornos de dados através do recurso View as Chart.

Exemplos de Gráficos

A seguir apresento em sua respectiva ordem as Figuras 5, 6, 7 e 8, que ilustram os modelos de gráficos: Line, Bar e PIE, note que todos os gráficos apresentam uma legenda, como também, podem ser exibidos na posição horizontal e vertical, e ao passar com o mouse em cima da área do gráfico, um hint é apresentado destacando a área e seus respectivos dados:

Figura 5 – Modelo de Gráfico Line.

Figura 6 – Modelo de Gráfico Bar.

Observação: Após exibir um gráfico em tela o SQL Operations Studio, nos permite salvar (Save as image) ou copiar (Copy as image), botões os quais estão disponíveis na barra de ferramentas apresentada em conjunto com nosso gráfico, bem acima da área de gráfico.

Por padrão ao salvar um gráfico como imagem será criado um novo arquivo formato de imagem no padrão .png (Portable Network Graphics, também conhecido como PNG’s Not GIF).

Figura 7 – Modelo de Gráfico Line – Dados analisados no formato de números e distribuídos na posição vertical.

Figura 8 – Modelo de Gráfico PIE – Dados distribuídos na posição vertical.

Ufa, chegamos ao final, sãos e salvos e como de costume com mais uma gama de conhecimento adquirido a partir deste momento. E ai ficou de queijo caiu com este recurso da mesma maneira que eu fiquei quando por acaso o descobrir? Acho que sim, não é verdade.

Então, mas não é somente a possibilidade de gerar gráficos que o View as Chart nos permite, ele também tem um outro botãozinho mágico que fica escondido chamado Create Insight, mas este botão eu vou deixar para que você descubra como fazer uso dele e quais os benefícios ele pode te trazer.

Com isso chegamos ao final de mais um post da sessão Dica do Mês, antes de encerrarmos, gostaria de contar com a sua participação neste post, respondendo a enquete abaixo:


Referências

https://docs.microsoft.com/pt-br/sql/sql-operations-studio/release-notes?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/pt-br/sql/sql-operations-studio/insight-widgets?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/sql-operations-studio/tutorial-build-custom-insight-sql-server?view=sql-server-2017&viewFallbackFrom=ssdt-18vs2017

Posts Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/03/14/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2017-sql-graph-databases/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/01/24/dicadomes-sqlservertoolsuiteintroduction/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/11/01/dicadomessql2017novascolunasinternas/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/08/26/dica-do-mes-simulando-a-insercao-de-uma-massa-de-dados-aleatoria/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/23/conhecendo-e-aplicando-o-uso-de-atualizacao-de-estatisticas-incrementais/

Conclusão

Como de costume a cada novo produto, versão, service pack ou atualizações que a Microsoft e seu time de engenheiros especialista do SQL Server disponibiliza, novos e novos elementos são implementados ao vasto conjunto de possibilidades que o Microsoft SQL Server nos oferecer.

O SQL Operations Studio é justamente um destes elementos que vem aos poucos adquirindo seu espaços, se tornando componente importante para os desenvolvedores, programadores, analistas e administradores no que se relaciona as tarefas ou atividades oriundas de um ambiente de banco de dados.

A partir da nova versão do SQL Operations Studio, temos um grande recurso que nos permite utilizar modelos de gráficos predefinidos como fonte de análise dos dados os quais foram processados e apresentados em nossa tela, através do View as Chart, a Microsoft trouxe um pequeno ambiente que nos permite analisar, validar e tomar possíveis decisões de acordo com as simulações de dados processadas em real time em nossas querys.

Agradecimentos

Agradeço a você por sua atenção e visita ao meu blog. Fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, nos encontramos no próximo post da sessão Dica do Mês a ser publicado no mês de junho.

Salve o SQL Operations Studio, estamos todos ansiosos te esperando…

Curso de Extensão – Fundamentos de Data Warehouse e BI


Olá pessoal, bom dia.

Tudo bem?

Em parceria com a Fundação FAT e Fatec São Roque, estarei realizando no mês de outubro um novo curso de extensão voltado para área de análise de dados, mais especificamente sobre Data Warehouse e Business Intelligence.

Ficou interessado sobre o curso? A seguir você poderá encontrar maiores detalhes e informações.

INSCRIÇÕES
Entre 20 de Setembro a 10 de Outubro de 2017
Modalidade Presencial : 28 horas aulas distribuídas ao longo de 07 dias.
Realização : nos dias 16, 17, 18, 19, 20, 23 e 24 de Outubro de 2017 . 
Horário 01 (uma) turma : das 08:00 as 12:00h

CURSO
Este curso visa transmitir aos alunos os conhecimentos básicos dos sistemas de informação de uma empresa, com ênfase na utilização do sistema de apoio a decisão como importante sustentação para otimizar os resultados desejados, mediante a coleta, seleção, armazenamento, processamento e recuperação de dados para prover os executivos das informações relevantes, passadas, presentes e futuras, sobre a empresa e o ambiente, possibilitando tomadas de decisão com o mínimo de incerteza. 

Permitir uma visão clara das técnicas aplicáveis para a construção de um data warehouse, ferramentas, recursos e ciclo de vida, para o desenvolvimento de projetos de data warehouse, que é ajustado às necessidades do negócio


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
• Conceitos básicos. 
• Sistemas de Apoio à Decisão. 
• Os Ecossistemas de Informação. 
• O Ciclo de Vida do DW: Planejamento e Administração, Levantamento de Requisitos, Arquiteturas e Business Intelligence.

METODOLOGIA

• Exercícios práticos em laboratório e prova valendo nota para aprovação
• Serão aprovados e receberão o Certificado de Conclusão do Curso os alunos que cumprirem todas as atividades obrigatórias estabelecidas pela 
avaliação, nos prazos determinados e atingirem níveis de qualidade compatíveis com os objetivos de formação estabelecidos pelo Plano de Curso.

LOCAL E REALIZAÇÃO
Campus da FATEC São Roque
Investimento: R$ 200,00 ou Matricula (R$ 100,00) + 01 parcela (R$ 100,00) – Boleto Bancário.
Dúvidas: Pedro Antonio Galvão Junior – pedro.galvao3@fatec.sp.gov.br

Para realizar a inscrição clique aqui


Agradeço a sua atenção, nos encontramos em breve.

Até mais.

Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016 SP1


A Microsoft disponibilizou para download nesta semana a Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016 SP1.

O primeiro Service Pack do SQL Server 2016 foi lançado pela empresa em 17 de novembro de 2016 e está disponível para download aqui.

SQL Server 2016

O SQL Server 2016 traz recursos críticos inovadores com desempenho em memória e análise operacional integrada. Os recursos de segurança abrangentes, como a tecnologia de criptografia ininterrupta (Always Encrypted), ajudam a proteger seus dados fixos e em movimento, e uma solução avançada de alta disponibilidade e recuperação de desastres acrescenta novos aprimoramentos à tecnologia AlwaysOn.

As organizações terão visões mais aprofundadas de todos os seus dados com novos recursos que vão além da business intelligence, executando a análise avançada diretamente dentro de seus bancos de dados e apresentando visualizações avançadas para oferecer visões de negócios de qualquer dispositivo.

Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016 SP1

Você também pode se beneficiar da nuvem em hiperescala, com novos cenários híbridos habilitados pela nova tecnologia de banco de dados elástico (Stretch Database), que permite expandir dinamicamente seus dados transacionais a quente e a frio até o Microsoft Azure de forma segura, para que seus dados estejam sempre à disposição para consultas, independentemente do tamanho.

O SQL Server 2016 também oferece uma plataforma de banco de dados completa para a nuvem híbrida, permitindo criar, implantar e gerenciar facilmente soluções que abrangem instalações locais e na nuvem.

Saiba mais sobre ele aqui.

Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016 SP1

De acordo com o artigo KB4019916 publicado no site de suporte da Microsoft, a Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016 SP1 contém correções para problemas encontrados depois do lançamento do SQL Server 2016 SP1. Essa atualização cumulativa também inclui todas as correções de todas as atualizações anteriores.

A lista de bugs corrigidos inclui um que causa um erro interno no SQL Server Analysis Service durante o processamento de um modelo Tabular, um que faz com que o consumo de memória aumente demais em certos cenários e um que faz com que o SQL Server 2016 pare de responder quando o evento estendido “Latch_Suspend_End” é iniciado incorretamente.

A Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016 SP1 está disponível para download aqui. Já quem usa o SQL Server 2016 sem o SP1 pode fazer o download da Atualização Cumulativa 6 aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com –

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2017 CTP 2.0


A Microsoft anunciou nesta semana em seu blog a disponibilidade no TechNet Evaluation Center do SQL Server 2017 CTP 2.0, a versão de testes pública mais recente do novo SQL Server.

Performance inigualável
Faça consultas até 100 vezes mais rápido do que o disco com columnstore in-memory e transações até 30 vezes mais rápido com OLTP in-memory.

Menos vulnerável
Melhore a segurança com criptografia em repouso e em movimento. O SQL Server é o banco de dados menos vulnerável nos últimos sete anos no banco de dados de vulnerabilidades do NIST.

Inteligência em tempo real
Obtenha insights transformadores com até 1 milhão de previsões por segundo usando o Python interno e a integração da linguagem R e obtenha o BI móvel completo em qualquer plataforma.

Qualquer aplicativo, em qualquer lugar
Crie aplicativos modernos usando quaisquer dados e qualquer linguagem, na infraestrutura local e na nuvem.

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2017 CTP 2.0Faça o download do SQL Server 2017 CTP 2.0
O SQL Server 2017 CTP 2.0 para Windows (64 bits) está disponível para download aqui como uma imagem ISO e como um arquivo CAB nos seguintes idiomas: Inglês, alemão, espanhol, japonês, italiano, francês, russo, chinês simplificado, chinês tradicional, português (Brasil), coreano.
As versões para Linux, Docker, Azure e Mac OS estão disponíveis aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com.br – 20 abr 2017 | 9:40 am.

Microsoft Office 16 build 16.03030.1018 vaza na Web


De acordo com informações do site WinBeta, o Office 16 build 16.03030.1018 vazou na Web e já pode ser encontrado em sites de compartilhamento de arquivos.

Office 16 build 16.03030.1018

Este build vazado é relativamente antigo e pode ser encontrado nos idiomas inglês, alemão e japonês para as plataformas 32 e 64 bits.

Vale destacar que o Office 16 build 16.03030.1018 requer uma assinatura do Office 365, o que significa que ele não poderá ser ativado com outras chaves de produto.

Se você baixar este build e não tiver uma assinatura, ele não poderá ser ativado e expirará em cinco dias.

Outro detalhe é que não é possível instalar o Office 16 build 16.03030.1018 caso o Office 2013 esteja instalado no computador.

Office 16 será lançado no segundo semestre de 2015

A Microsoft informou que a nova geração do Office, conhecida atualmente pelo codinome Office 16, será lançada no segundo semestre de 2015.

A confirmação veio de Julia White, gerente geral de marketing para o Office e Office 365, durante uma sessão na TechEd Barcelona realizada em 28 de outubro.

O Office 16 já está sendo testado por um grupo restrito e traz novidades como o recurso Tell Me. Ele é exibido na parte superior de aplicativos como o Word e também pode ser usado como uma ferramenta de busca:

office16_tellme-001

Basicamente o Tell Me oferece uma forma fácil e rápida de obter ajuda sem que seja necessário navegar pela documentação completa do Office. Fazer perguntas como “Como insiro imagens?” fará com que ele exiba informações relevantes e ajuda adicional.

Outra novidade interessante no Office 16 é o suporte para rotação automática de imagens. Neste caso os metadados das imagens são usados para posicioná-las corretamente nos documentos.

Quando uma imagem é inserida no documento, o Office fará a rotação da imagem automaticamente para ficar de acordo com a orientação da câmera. Se o usuário quiser, ainda será possível fazer a rotação manualmente.

A Microsoft também incluiu um novo tema escuro na versão Preview do novo Office. Este tema escuro não é o padrão, é apenas mais uma opção para os usuários.

A nova versão do Excel traz recursos com foco em Business Intelligence, enquanto que o Visio traz novidades como a seção Getting Started, melhorias na acessibilidade e suporte para proteção de arquivos via Information Rights Management (IRM).

O Microsoft Office 16 também inclui diversas melhorias no Outlook, como novas opções de sincronização de mensagens, assim ele pode fazer o download de apenas um dia de mensagens ou optar por 3, 4, 7 ou 14 dias, e armazenamento mais enxuto em dispositivos móveis.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – Sid Vicious @ 12 nov 2014 | 2:47 pm