Arquivo da tag: Curiosidades

Script Challenge – 14 – A resposta….


Boa tarde, pessoal…

Tudo bem?  Seja mais uma vez muito bem vindo ao meu blog, mais especificamente ao post que apresenta a resposta para o Script Challenge – 2018 – Post 14, publicado em junho de 2018, sendo este respectivamente o segundo post após o retorno desta desafiadora sessão em meu blog denominada Script Challenge (Script Desafiador ou Desafio do Script) como queiram traduzir.

Espero que você já tenha ouvido falar desta sessão ou acessado alguns dos posts publicados na mesma, caso ainda não tenha feito, fique tranquilo você vai encontrar no final deste post uma pequena relação contendo os últimos desafios lançados e seus respostas.

Vamos então falar um pouco mais sobre o último desafio, estou me referindo ao Script Challenge 14, desta forma, seja bem vindo a mais um post da sessão Script Challenge.


Script Challenge 14

Falando do desafio de número 14, o mesmo foi publicado no mês de junho de 2018, período de data em que o mundo todo praticamente direcionou os seus olhares para a Rússia, mais especificamente para os jogos de futebol que estavam ocorrendo no país naquele momento.

Pois bem, o Script Challenge 14 não tem nenhum relação com o mundo do futebol, muito menos com o esporte, e como diria aquele apresentador do programa que passa ao domingos: “Sabe o que isso significa? Nada…..”.

Na verdade não é bem assim, para todos aqueles que trabalham com tecnologia e são responsáveis em armazenar, compartilhar, gerenciar e manter dados armazenados em banco de dados, sabe muito bem o quanto temos que nos preocupar em estabelecer boas práticas de retenção de dados afim de podermos ter uma quem sabe vida tranquila ou momentos de lazer.

Continuando nossa história, quero lhe perguntar: E ai já matou a charada? Eu acredito que sim!

Mas para te ajudar mais um pouco vou apresentar a Figura 1 que contem todo código Transact-SQL utilizado neste desafio, contendo trechos ou partes de código ocultas, procedimento que realizei no post que contempla o lançamento deste desafio como forma de aumentar o nível de dificuldade:

Figura 1 – Código Transact-SQL apresentado no Script Challenge 14.

Bom chegou a hora de revelar o que exatamente este bloco de código esta fazendo, chegou o momento de revelar e desvendar este desafio, a seguir apresento a resposta para o Script Challenge 14 e o trecho de código disponível para você utilizar em seus ambientes de trabalho ou estudos.

A resposta

Tanto no post de lançamento do desafio, bem como, neste post que a resposta para o mesmo, eu deixei algumas pequenas dicas para tentar ajudar a identificar a resposta, dentre as quais a relação do script com uma das mais tradicionais atividades desempenhadas por um Administrador de Banco de Dados ou Profissional de tabela, mais diretamente falando a execução de uma operação de backup de banco de dados.

Mas se mesmo assim, você ainda não conseguiu adivinhar ou até mesmo esta se perguntando qual a relação do Script Challenge – 14 tem haver com um momento de lazer, a resposta é muito simples, para qualquer Administrador de Banco de Dados, Administrador de Servidores, Desenvolvedor, enfim um profissional de tecnologia, tudo o que fazemos basicamente em um computador é manipular dados (Criar, Atualizar, Excluir).

Tudo o que fazemos esta relacionado com esta palavrinha pequena mas de altíssima importância e pensando neste sentido a resposta para este desafio se relaciona a estimativa de crescimento de um arquivo de backup, e o quanto esta atividade tão importante e de alta complexidade pode impactar totalmente na vida daqueles que assim como eu um dia ou por diversos momentos teve que abrir mão do seu convívio familiar para se dedicar a acompanhar esta atividade.

Então a resposta para o Script Challenge 14 se relaciona com a possibilidade que o script apresenta em nos ajudar a identificar e estimar o quanto de espaço livre em disco em megabytes ainda teremos antes da execução do backup database levando-se em consideração o tamanho do arquivo de backup a ser criado.

Isso mesmo, esta é a resposta, e o script original que apresenta esta funcionalidade apresentada abaixo:

— Script Challenge 14 – A resposta – Identificando o total de espaço livre em disco antes da realização do backup database — 

— Criando a Stored Procedure —
USE AdventureWorksDW2016
Go

CREATE PROCEDURE dbo.dbo.EstimatedDriveFreeSpaceAndDBSize (
@drvLetter VARCHAR (5),
@enoughSpaceForBackupFlag BIT OUTPUT
)
AS
BEGIN
DECLARE @estimatedBackSizeMB INT,
@estimatedDriveFreeSpaceMB INT,
@dbCheckMessage varchar(80)

SET NOCOUNT ON

SET @dbCheckMessage = Concat (‘Checking database ‘, DB_NAME ())

SELECT @estimatedBackSizeMB = round (sum (a.total_pages) * 8192 / SQUARE (1024.0), 0)
FROM sys.partitions p JOIN sys.allocation_units a
                                            ON p.partition_id = a.container_id
                                           LEFT JOIN sys.internal_tables it
                                            ON p.object_id = it.object_id

CREATE TABLE #freespace

(drive VARCHAR (5),

MBFree DECIMAL (8, 2))

INSERT INTO #freespace (Drive, MBFree)
EXEC xp_fixeddrives

SELECT @estimatedDriveFreeSpaceMB = MBFree
FROM #freespace
WHERE drive = @drvLetter

IF @estimatedBackSizeMB * 1.15 < @estimatedDriveFreeSpaceMB
 SET @enoughSpaceForBackupFlag = 1
ELSE
 SET @enoughSpaceForBackupFlag = 0

SELECT DatabaseName = db_name(),
Estimated_Back_Size_MB = @estimatedBackSizeMB,
Estimated_Drive_Free_Space_MB = @estimatedDriveFreeSpaceMB,
EnoughSpaceForBackupFlag = @enoughSpaceForBackupFlag

DROP TABLE #freespace
SET NOCOUNT OFF
END
GO

Então, agora você deve ter gostado deste desafio, não é verdade? Poder estimar o espaço livre em disco e o tamanho ocupado pelo arquivo mesmo sem executar o Backup Database é realmente uma grande funcionalidade que o Microsoft SQL Server possui. 

Observações

  1. Estamos criando uma User Stored Procedure EstimatedDriveFreeSpaceAndDBSize;
  2. A mesma possui um parâmetros de entrada de valores: @drvLetter (utilizado para informar qual a letra da unidade de disco que iremos analisar); e
  3. Um parâmetro de saída @enoughSpaceForBackupFlag (utilizado no momento da execução da stored procedure como sinalizar responsável em apresentar uma mensagem ao usuário).

Para que você possa entender mais ainda sobre como podemos obter os resultados apresentados por este script, declaro a seguir uma possível maneira de executar o Script Challenge – 14:

— Executando o Script Challenge – 14 —

USE AdventureWorksDW2016
Go

DECLARE @enoughSpaceForBackupFlag bit

EXEC Master.dbo.EstimatedDriveFreeSpaceAndDBSize ‘S’, @enoughSpaceForBackupFlag OUTPUT

PRINT @enoughSpaceForBackupFlag
IF @enoughSpaceForBackupFlag = 1
PRINT ‘Continue to Backup…’
ELSE
PRINT ‘Drive Space Problem…’
GO

A Figura 2 apresentada abaixo, ilustra o conjunto de dados retornados após a execução do Script Challenge – 14:

Figura 2 – Informações relacionadas a estimativa de tamanho do arquivo de backup e espaço livre em disco em megabytes.

Muito bom, sensacional, conseguimos, chegamos ao final, esta é a resposta para o Script Challenge 14, fico extremamente feliz por ter conseguido compartilhar este conteúdo com vocês.

Espero que você tenha gostado deste novo post da sessão Script Challenge!


Sua Participação

No post de lançamento deste desafio, contei com a participação através de uma enquete contendo algumas opções de respostas que poderiam estar relacionadas com o Script Challenge 14. A seguir apresento o resultado desta enquete:

A opção mais votada com 77,78% dos votos é justamente a resposta correta para este desafio, o qual exibe retorna ao usuário informações relacionadas a estimativa de espaço em disco ocupado pelo arquivo de backup de banco de dados e o espaço livre disponível em disco após a conclusão do backup.

Referências

Agradecimentos

Obrigado por sua visita, espero que este conteúdo aqui apresentado como um possível “desafio” possa ser útil e ao mesmo tempo prover conhecimento, aprendizado ou mostrar recursos e problemas existentes no Microsoft SQL Server que as vezes parecem não ter uma resposta.

Um forte abraço nos encontramos em breve nas demais sessões e especialmente em fevereiro de 2019 em mais um post da sessão Script Challenge.

Até a próxima…

Anúncios

Microsoft Visual Studio 2017 v15.6 Preview 2 e Visual Studio for Mac Version 7.4 Preview disponíveis


A Microsoft anunciou a disponibilidade do Visual Studio 2017 v15.6 Preview 2. A versão Preview 1 original foi disponibilizada no dia 7 de dezembro de 2017.

De acordo com o changelog publicado aqui pela Microsoft, o Visual Studio 2017 v15.6 Preview 2 traz correções para múltiplos bugs, opções de depuração agora estão disponíveis para Embedded ARM GCC.

Esta nova versão Preview também traz uma extensa lista de melhorias no suporte para Visual C++, o instalador do Visual Studio foi melhorado e agora quando você instalá-lo pela primeira vez ou atualizá-lo via Web você verá um processo de instalação mais transparente:

Microsoft Visual Studio 2017 v15.6 Preview 2

O Preview 2 também inclui o suporte parta navegação por fontes descompiladas. Habilite isto acessando Tools > Options > Text Editor > C# > Advanced > Enable navigation to decompiled sources:

A lista completa com todas as novidades nesta versão Preview pode ser vista no link acima.

Desenvolvedores interessados podem fazer o download do Visual Studio 2017 v15.6 Preview 2 aqui ou podem utilizar o link fornecido na página com o changelog.

Fontes e Direitos Autorais: The Visual Studio Blog – 10/01/2018.

#09 – Para que serve


Boa noite pessoal!!! Salve galera….

 

Tudo bem? Como passaram os últimos dias?

Graças a deus continuo forte na minha batalha profissional e acadêmica, como eu sempre falo para meus alunos, a vida é uma roda gigante e não podemos deixar ela parar muito menos perder a chance de curtir e aprender com cada momento.

Seguindo esta onda de oportunidades, estou retornando com mais uma post dedicado a sessão Para que serve, e conforme prometido hoje vamos finalizar o assunto de índices hipotéticos apresentado inicialmente no post: https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/08/06/07-para-que-serve/

Neste post vamos entender como o comando DBCC Autopilot pode influenciar o database engine e seus elementos execution plan e query optimizer na execução de nossas consultas, então vamos nessa galera…..


Começa agora o #09 – Para que serve – Índices Hipotéticos – Final.

 

Conforme apresentado nos posts anteriores o conceito de índices hipotéticos é uma técnica antiga, mas pouco conhecida na área de banco de dados. Para muitos profissionais da área este tipo de recurso acaba sendo algo obscuro e de pouco compreensão, por outro lado outros profissionais destacam como sendo como um recurso que permite simular a existência de um índice de forma lógica. Como em qualquer área profissional ou acadêmica sempre vai existir os dois lados da moeda e cabe a cada um de nós procurar entender, respeitar e conhecer estas opiniões.

Seguindo em frente, vamos dar continuidade em nosso estudo, fazendo uso da estrutura criada anteriormente no post: https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/09/03/08-para-que-serve/

Como você pode ter verificado, criamos o banco de dados HypotheticalDB e dentro dele os seguintes objetos apresentados na Figura 1:

hypotheticaldb-figura1

Figura 1 – Relação de objetos criados no banco de dados HypotheticalDB.

Podemos observar a existência dos três índices hipotéticos criados anteriormente para tabela ClientesCategorias, bem como, o código da tabela ClientesCategorias definido no valor: 597577167. Anote bem este código post nos próximos passos vamos fazer uso do mesmo.

Agora que já relembramos um pouco do que foi feito anteriormente em relação ao nosso ambiente, podemos continuar a fazer uso dos índices hipotéticos em nosso ambiente, onde neste momento vamos fazer com que o Microsoft SQL Server realize o uso deste recurso de forma empírica na execução da nossa query, para tal iremos utilizar o comando DBCC AutoPilot, caso você ainda não conheça ou não se lembre deste comando o mesmo foi apresentada de maneira detalhada no post: https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/08/06/07-para-que-serve/

Então mãos no teclado, chegou a hora de utilizarmos o comando DBCC AutoPilot fazendo uso do bloco de código 1, mas antes de teclar F5, clique no botão “Include Actual Execution Plan” ou tecle Ctrl+M para ativar o mesmo. Para que você possa entender o que será executado neste bloco de código e qual será o resultado apresentado é obrigatório que o plano de execução se encontre ativado.

Agora que você já realizou este procedimento, pode dar continuidade e executar o bloco de código 1 apresentado abaixo:

— Bloco de Código – Utilizando o DBCC AutoPilot forçando o uso do índice clusterizado IND_ClientesCategorias_Clusterizado_CodigoComEstatisticas –

Use HypotheticalDB

Go

 

DBCC AUTOPILOT (5, 5, 0, 0, 0) – Ativando o commando DBCC AutoPilot para iniciar uma nova sessão limpando o buffer de comando executados anteriormente —

 

DBCC AUTOPILOT (6,5,597577167,4) – Utilizando o commando DBCC AutoPilot orientado no uso exclusive de índices clusterizado —

GO

 

SET AUTOPILOT ON — Ativando a diretiva —

Go

 

Select C.Codigo,

Cc.Codigo As ‘Categoria do Cliente’,

C.Nome,

C.Endereco,

C.Estado,

C.DataUltimaCompra

From Clientes C Inner Join ClientesCategorias CC

On C.CodigoCategoria = CC.Codigo

Where C.Estado = ‘SP’

Go

 

SET AUTOPILOT OFF — Desativando a diretiva —

GO

 

Acredito que tudo deva ter ocorrido normalmente e você tenha conseguido realizar a execução do bloco de código 1 apresentado acima, neste momento o Management Studio apresentou em sua guia denominada execution plan o conjunto de operadores similares aos apresentados na Figura 2 a seguir:

hypotheticaldb-figura2

Figura 2 – Resultado da execução do bloco de código 1.

 

Note que o plano de execução nos apresenta dois operados do tipo Clustered Index Seek, respeitando a ordem de execução, temos o segundo operador com o custo de 51% de processamento apontando para o nosso índice clusterizado IND_ClientesCategorias_Clusterizado_CodigoComEstatisticas, neste momento você pode estar se perguntando.

Como o Database Engine em conjunto com o Query Optimizer e Execution Plan identificou a existência deste recurso sendo que o mesmo é algo hipotético, algo que somente existe de forma lógica, a resposta pode ser encontrada justamente na maneira que o comando DBCC AutoPilot foi declarado e posteriormente executado, onde temos o seguinte conjunto de valores passados como parâmetros de entrada:

PARÂMETRO DESCRIÇÃO VALOR DECLARADO
TypeID TypeID = 6: Usar apenas índices clusterizados 6
DbID ID do Banco de Dados 6 – HypotheticalDB
TabID Id da Tabela a ser utilizada 597577167
Indid Id do índice a ser utilizado 4

Foi através deste conjunto de valores apresentado no DBCC AutoPilot e posteriormente reconhecido e interpretados pelo database engine que o Query Optimizer e Execution Plan fizeram uso do nosso índice clusterizado.

Não é algo fantástico, realmente uma capacidade de análise e reconhecimento de recursos fora do comum, realmente o Microsoft SQL Server é um produto acima de qualquer suspeita, um software surpreendente.

Para finalizar vamos agora forçar o uso do nosso índice nonclustered IND_ClientesCategorias_NaoClusterizado_CodigoSemEstatisticas e observar qual será o comportamento e resultado apresentado pelo Management Studio após a execução do bloco de código 2 apresentando na sequência:

— Bloco de Código 2 – Forçando o uso do índice não clusterizado IND_ClientesCategorias_NaoClusterizado_CodigoSemEstatisticas –

DBCC AUTOPILOT (5, 5, 0, 0, 0)

DBCC AUTOPILOT (0,5,597577167,2)

GO

 

SET AUTOPILOT ON — Ativando a diretiva —

Go

 

Select C.Codigo,

Cc.Codigo As ‘Categoria do Cliente’,

C.Nome,

C.Endereco,

C.Estado,

C.DataUltimaCompra

From Clientes C Inner Join ClientesCategorias CC

On C.CodigoCategoria = CC.Codigo

Where C.Estado = ‘SP’

Go

 

SET AUTOPILOT OFF — Desativando a diretiva —

GO

 

Verificando o resultado apresentado na Figura 3 abaixo, tendo como base a guia Execution Plan, podemos notar a presença do operador Index Seek apontando para nosso índice não clusterizado: IND_ClientesCategorias_Clusterizado_CodigoComEstatisticas.

hypotheticaldb-figura3
Figura 3 – Resultado da execução do bloco de código 2.

Analisando com mais calma o resultado apresentado na Figura 3, fica fácil identificar a presença do operador Index Seek como já havia destacado, quando o comando DBCC AutoPilot foi executado com o seguinte conjunto de valores:

PARÂMETRO DESCRIÇÃO VALOR DECLARADO
TypeID TypeID = 0: Usar apenas índices não clusterizados 0
DbID ID do Banco de Dados 6 – HypotheticalDB
TabID Id da Tabela a ser utilizada 597577167
Indid Id do índice a ser utilizado 2

Não é algo surpreendente e simples, esse é o Microsoft SQL Server, mais uma vez dando show, mais uma vez com um grande exibição, monstrando toda sua elegância, simplicidade e capacidade de nos supreender no processamento de transações e apresentação de resultados.

Desta forma, chegamos ao final de mais post da sessão Para que serve!


 

Espero que você tenha gostado, que as informações compartilhadas aqui possam lhe ajudar a se tornar cada vez um profissional de banco de dados reconhecido e valorizado, um dos papéis na área de tecnologia mais importantes para qualquer empresa.

Reconher o verdadeiro papel de um DBA dentro de sua estrutura, é reconhecer o verdadeiro valor de seus dados e como eles podem se tornar uma infomação valiosa para sua tomada de decisão.

Caso deseje acessar os posts anteriores desta sessão, utilize os links listados abaixo:

Mais uma vez obrigado por sua visita, um forte abraço, nos encontramos em breve.

Até mais.

DatabaseCast – Banco de Dados na sala de aula


Boa tarde, Pessoal!!!

Gostaria de compartilhar com todos vocês mais um grande reconhecimento para minha carreira profissional e acadêmica, nos últimos dias gravei com a galera do @DatabaseCast mais um podcast dedicado a área de banco de dados.

VitrineDatabaseCast62

Neste episódio do DatabaseCast, Mauro Pichiliani (Twitter | Blog), Wagner Crivelini (@wcrivelini) e o convidado Pedro Antônio Galvão Junior (@JuniorGalvaoMVP) entram na sala de aula para por fim à bagunça. Neste episódio, você vai aprender onde e como banco de dados é ensinado dentro da sala de aula, discutir didática, observar comportamento, ser firme na disciplina, julgar o que é um professor bom ou ruim e saber como não deixar o professor com dor de cabeça.

Para acessar este e outros episódios: https://www.youtube.com/channel/UC8EUZ3gYTxJi-gr4azFJGYA

10 mitos sobre computadores que insistem em resistir ao tempo


Assim como qualquer outra coisa, os computadores são alvos constantes do imaginário popular, que, ao longo dos anos, atribuiu vários mitos e lendas urbanas a eles.

É bem difícil definir como esses mitos surgiram e porquê raios eles foram passando de geração para geração. Apesar disso, é seguro dizer que uma boa parcela dessas fábulas um dia já foi verdade, mas, graças ao avanço da tecnologia, hoje não passam de conversa para boi dormir. Quanto ao restante delas, a maioria surgiu por algum mal-entendido principalmente em torno de como os computadores, o Windows e a própria internet funcionam. A partir daí ideias erradas (e muitas vezes ridículas) se propagaram e ainda estão presentes na cabeça de muita gente como verdades absolutas.

Para acabar de uma vez por todas com essas crenças, desmistificamos 10 delas logo a seguir. Confira:

1. Hackers estão tentando invadir o seu computador o tempo todo

Não há como negar que a internet é um lugar onde os mais incautos acabam sendo vítimas de golpes e invasões hackers por puro descuido. Contudo, ao contrário do que muita gente imagina, aquela figura do hacker que vive trancafiado em um quarto escuro e é alimentado apenas por pizzas jogadas por baixo da porta para não perder o foco nas milhares de invasões diárias que faz não existe.

Essa figura um tanto quanto hollywoodiana não existe e é preciso botar na cabeça que a maioria dos ataques atualmente é automatizada. Ao invés de um sujeito sentado digitando códigos freneticamente na frente de uma tela preta, a ideia aqui é que os hackers desenvolvem ferramentas que se propagam pela internet e infectam computadores em busca de dados pessoais e bancários das vítimas.

Entre os exemplos mais comuns da atualidade estão os malwares que instalam keyloggers, que registram toda e qualquer informação digitada pela vítima no computador; e o phishing, que engana os mais desavisados, levando-os, na maioria das vezes, a um site idêntico ao original, mas que cujo propósito é lhes roubar informações de autenticação.

Diferente do que muitos pensam, os hackers não passam o dia inteiro trancados em ambientes escuros. Na maioria das vezes, ferramentas automatizadas fazem todo o serviço sujo por eles

Diferente do que muitos pensam, os hackers não passam o dia inteiro trancados em ambientes escuros. Na maioria das vezes, ferramentas automatizadas fazem todo o serviço sujo por eles (Imagem: Reprodução)

2. Atualizações automáticas sempre estragam o computador

No passado, atualizar o Windows ou qualquer software era sinônimo de dor de cabeça. Não raramente nos deparávamos com a famosa (e temida) tela azul da morte após instalar um pacote de atualização e voltar atrás era uma tarefa hercúlea.

Esse inconveniente, no entanto, ficou para trás e é cada vez mais raro ver alguém reclamando que um update dizimou o computador por completo e exigiu que tudo fosse reinstalado. Nos raros casos em que isso acontece, sempre é possível utilizar a restauração do sistema para retornar a um ponto anterior à instalação ou, na pior das hipóteses, retornar a máquina para o estado de fábrica.

Atualmente, porém, esses casos são extremamente raros e a melhor solução é deixar as atualizações automáticas do seu Windows ou software favorito ativadas para não dar chance ao azar.

3. Você precisa desligar o computador antes de ir dormir

Muita gente cresceu ouvindo os pais dizer que era necessário desligar o computador sempre que ele não fosse ser utilizado. Essa recomendação muito provavelmente surgiu nos primórdios do computador, quando deixar a máquina ligada durante um período ocioso e, sobretudo, durante a noite abria espaço para o surgimento de bugs e queima de peças.

Essa realidade ficou para trás há um bom tempo e atualmente não é mais necessário desligar a máquina com tanta frequência. Isso porque os computadores mais modernos conseguem gerenciar a energia de uma maneira tão eficiente que apenas deixar a máquina “dormindo” já é suficiente para economizar na conta de luz no fim do mês. Além disso, colocar o computador apenas para dormir acelera bastante o processo de inicialização, que é bastante lento quando a máquina é desligada completamente.

Portanto, procure pelas opções de energia do seu computador e configure-as para que elas lhe ajudem a poupar energia ao mesmo tempo em que não comprometem sua produtividade. E mesmo que você acredite que não vale a pena pressionar o botão “Dormir”, dê uma chance à hibernação, que coloca o computador em estado de suspensão completa, sem consumir nenhum watt de energia, e ainda inicializa o computador rapidamente.

Na época do Windows 95, desligar o computador após sua utilização era praticamente obrigatório. Nos tempos atuais, sistemas de consumo eficiente de energia permitem apenas colocar o computador para dormir e hibernar, poupando preciosos minutos no momento da inicialização

Na época do Windows 95, desligar o computador após sua utilização era praticamente obrigatório. Nos tempos atuais, sistemas de consumo eficiente de energia permitem apenas colocar o computador para dormir e hibernar, poupando preciosos minutos no momento da inicialização (Imagem: Reprodução)

4. Vírus e malwares são o motivo do seu computador estar lento

Quando um usuário reclama de lentidão no computador, o que normalmente ouvimos em resposta é um “ele deve estar com vírus”. A verdade é que as pragas digitais atuais são focadas quase que exclusivamente na obtenção de informações pessoais dos incautos e não têm qualquer intenção de prejudicar o desempenho dos computadores, pelo contrário.

A ordem aqui é permanecer escondido, agindo no pianinho, coletando os dados das vítimas. Muitas vezes, até mesmo as mais modernas ferramentas antivírus não conseguem identificar e remover essas pestes, tendo o usuário que partir para uma remoção manual.

Apesar disso, pode ser sim que seu computador esteja infectado e sendo usado numa rede de computadores zumbis, as botnets. Mesmo assim, esses são casos mais raros e, via de regra, o motivo da lentidão é a quantidade excessiva de aplicações iniciando junto com o sistema operacional ou um navegador carregado de extensões desnecessárias.

Em casos mais graves, pode ser que algum componente de hardware esteja com defeito e comprometendo o desempenho da sua máquina. Aqui, o ideal é levar o computador a um técnico especializado e de confiança para saber o que pode estar ocorrendo e fazer uma eventual substituição de peça.

5. O Internet Explorer é lento, vulnerável e ruim

Outrora o navegador mais popular do mundo, há um bom tempo o Internet Explorer é alvo de chacota dos usuários e sobretudo do público geek. O bullying com o browser foi tão grande que a Microsoft se viu obrigada a se livrar da má reputação e recomeçar do zero com o Edge, o novo navegador que virá embutido no Windows 10.

Apesar de todo esse mal-estar, a verdade é que as últimas versões do Internet Explorer vinham apresentando melhorias sensíveis em relação aos tempos mais sombrios. As duas últimas versões do navegador, por exemplo, já ofereciam suporte a um grande leque de padrões web modernos que antes só eram vistos no Chrome e no Firefox. Inclusive uma das funções do navegador da raposa que foi abraçada pela turma de Redmond foi o modo “sandbox”, que permite a desenvolvedores web mexer e visualizar alterações no código HTML em tempo real. Por fim, o Internet Explorer 11 trouxe suporte a multiprocessamento, algo que até agora não é visto em nenhum concorrente.

É claro que ninguém voltará a utilizar o IE só por causa disso, mas a verdade é que ele não é mais aquela piada que outrora foi até sua oitava versão.

Por anos o Internet Explorer foi alvo de piadas em todo lugar na internet. Má fama veio sobretudo após o fiasco do Internet Explorer 6

Por anos o Internet Explorer foi alvo de piadas em todo lugar na internet. Má fama veio sobretudo após o fiasco do Internet Explorer 6 (Imagem: Reprodução)

6. Codecs são necessários para assistir vídeos online

Os dias em que isso foi verdade já ficaram para trás há muito tempo. Na época, para assistir qualquer coisa online era necessário ter uma penca de codecs instalados no computador, sem contar os famigerados RealPlayer, QuickTime e DivX Player. Aqui e acolá surgia um e outro site que exigia o Java, o que geralmente acabava travando qualquer computador mais modesto.

Atualmente, no entanto, essa realidade de trevas já não mais existe e tudo funciona na base do HTML5 ou do Flash.

É importante ressaltar que nenhuma dessas duas tecnologias exige que você baixe e instale codecs específicos. Aqui, tudo é transmitido diretamente para o computador do usuário, sem necessidade de decodificação, e a única exigência é ter ou um navegador com suporte a HTML5 (o que a maioria já oferece) ou o plugin do Flash instalado. Fora isso, jamais clique em banners que demandam a instalação de algo desse tipo, pois, no final das contas, você acabará instalando um punhado de junkware e comprometendo o desempenho do seu computador.

Codecs só são necessários quando você baixa um arquivo de vídeo para o computador – e mesmo nesses casos o melhor a se fazer é optar por algo como o VLC, player para lá de popular que já traz consigo uma enorme quantidade de codecs e nenhuma pegadinha.

7. Muita memória RAM em uso é sinal de que há algo errado

Foi-se o tempo em que 64 MB de memória RAM eram suficientes para dar conta do recado. Contudo, à medida que se torna mais comum vermos computadores com 4 GB, 8 GB e até 16 GB de RAM, mais pessoas relatam que o Windows e outros programas parecem sempre querer mais.

É verdade que cada vez mais não só o Windows, como também o Linux, Mac OS X e até mesmo os sistemas operacionais móveis consomem mais memória, mas isso não é necessariamente algo ruim. O uso cada vez maior de memória RAM é proposital e os softwares atuais são desenvolvidos de maneira tal a alocar cada vez mais recursos nela.

Isso tem sido feito basicamente para que o acesso a esses recursos seja cada vez mais rápido e o usuário não fique esperando para que os dados sejam acessados no HD, que é mais lento que a memória RAM. E, ao contrário do que acontecia antigamente, se o seu computador “sentir” que precisa de mais espaço livre na memória RAM, ele próprio irá executar uma limpeza e abrir espaço para algo mais importante.

Portanto, não adianta se preocupar com isso a não ser que o seu computador realmente esteja sofrendo com um desempenho abaixo da média.

A não ser que o desempenho do seu computador esteja abaixo da média, a indicação de muita memória RAM em uso não significa necessariamente que você precisa adicionar um ou dois novos pentes ao computador

A não ser que o desempenho do seu computador esteja abaixo da média, a indicação de muita memória RAM em uso não significa necessariamente que você precisa adicionar um ou dois novos pentes ao computador (Imagem: Reprodução)

8. Antivírus sempre protegerão o seu computador

Embora muita gente já saiba que os softwares antivírus são o último recurso para proteger o computador de uma praga virtual, ainda há quem confie cegamente nesse tipo de ferramenta e acredite que ela é infalível.

A verdade é que a própria Symantec já declarou que seu antivírus, o Norton Antivirus, um dos mais famosos do mundo, não consegue impedir inúmeros tipos de ciberataques. Pior, a maioria dos antivírus sequer protege os usuários dos chamados softwares invasivos, aqueles que são instalados silenciosamente junto com outros softwares e acabam comprometendo o desempenho geral do computador.

Para piorar ainda mais essa realidade, uma série de antivírus gratuitos agora estão trazendo consigo essas pragas, instalando-as sem o conhecimento do usuário. Dito isso, fica bastante claro que os antivírus não são as ferramentas mais confiáveis do mundo.

Mesmo com essa dolorosa verdade, você não deve deixar de lado o seu software antivírus favorito – pelo contrário. Contudo, tenha em mente que ele deve ser a sua última frente de segurança e que você precisa desenvolver hábitos seguros para manter seus arquivos e informações pessoais longe das mãos dos cibercriminosos. Nunca é demais lembrar que um usuário bem informado e precavido é mais eficaz do que muito software de segurança que existe por aí.

9. Desfragmentação manual e ferramentas pagas ajudam a melhorar o PC

Foi-se o tempo em que tínhamos que reservar um horário toda semana para executar a desfragmentação do HD. Atualmente, o usuário não precisa se preocupar com absolutamente nada relacionado a esse assunto, já que o Windows traz uma ferramenta de desfragmentação que faz o serviço automaticamente sem a necessidade de intervenção.

Há casos raríssimos em que o usuário pode querer instalar um jogo muito grande, como Grand Theft Auto V, e seja necessário executar a desfragmentação manual para garantir máximo desempenho. Contudo, esse é um caso bem isolado e específico e, via de regra, não há qualquer necessidade de executar essa rotina manualmente.

Ferramentas pagas que prometem melhorar o desempenho do HD também não valem a pena e surgem como um balde para você jogar dinheiro fora. Em muitos casos, o valor cobrado por softwares como o Diskeeper Professional pode ser usado para comprar um SSD, atualizar o computador e ganhar em desempenho. Portanto, não se preocupe com nada disso, deixe o Windows fazer o serviço dele e guarde o seu dinheiro para investir em algo realmente útil para o seu PC.

10. Limpar o cache melhora o desempenho do computador

Algumas aplicações têm o famoso cache, um conjunto de arquivos que são cópias offline de algo baixado anteriormente da internet. Esses arquivos são armazenados localmente no computador para que, no futuro, quando o conteúdo for acessado novamente não tenha que ser baixado todo da internet. Esse comportamento, como dá para perceber, se traduz em economia de tempo e largura de banda para o usuário.

Apesar disso, nem todo mundo vê o cache como algo bom e acaba baixando ferramentas que prometem livrar o HD desses arquivos temporários baixados da internet e armazenados no computador. A premissa é simples: são arquivos que você não usa (pelo menos não diretamente), logo podem ser excluídos para poupar espaço no disco rígido.

Embora pareça fazer sentido, essa prática força sobretudo os navegadores web a baixarem o conteúdo e o armazenar localmente mais uma vez, consumindo mais banda e gastando mais tempo para carregar as suas páginas mais acessadas. Sem contar que tudo se transforma num ciclo infinito, com você limpando o cache e ele sendo preenchido logo na sequência.

Limpezas no disco rígido nem sempre garantirão um melhor desempenho do computador. A eliminação de cache, por exemplo, apenas tornar a navegação na internet mais lenta e pesada

Limpezas no disco rígido nem sempre garantirão um melhor desempenho do computador. A eliminação de cache, por exemplo, apenas tornar a navegação na internet mais lenta e pesada (Imagem: Reprodução)

Você achava que algum desses mitos eram verdadeiros? Quais outros mitos sobre computadores você conhece? Conta para gente aqui embaixo, na caixa de comentários.
Fontes e Direitos Autorais: CanalTech.com.br – Por Sérgio Oliveira RSS | 21.07.2015 às 10h08