Dica do Mês – Utilizando a Trace Flag 9292 para exibir objetos estatísticos úteis


 

Olá comunidade, boa tarde.

Tudo bem? Estamos se aproximando dos últimos dias de férias ou recesso para grande maioria dos professores e profissionais de educação espalhados por todo Brasil. E ai, já esta preparado para voltar a luta? Posso dizer tranquilamente que sim, eu estou pronto para voltar a conviver com meus alunos e amigos de trabalho.

Antes de começarmos a falar sobre o post de hoje, nada mais justo começar agradecendo como de costume a você está aqui neste momento acessando meu blog. Espero que possa ter encontrado o que precisa, bem como, esteja gostando do conteúdo publicado, fique a vontade para entrar em contato expressando suas opiniões e demais pensamentos.

Neste novo post da sessão Dica do Mês, vou apresentar um recurso que imagino ser conhecido por muitos ou principalmente pelos profissionais de banco de dados, estou me referindo as Trace Flag ou sinalizador de rastreamento em português.

Você já ouvir falar sobre isso ou já utilizou? Eu imagino que sim pois aqui no meu blog diversos posts e artigos foram publicado ao longo dos últimos anos sobre este tipo de recurso. Hoje mais especificamente vou destacar o uso da Trace Flag 9292, por acaso você já utilizou em algum momento esta trace flag?

Bom independente da sua reposta vamos conhecer um pouco mais sobre ela, sua forma de uso e como poderá nos ajudar a entender ainda mais o funcionamento das estatísticas e seus chamados objetos úteis para análise do plano de execução.

E ai esta curioso para saber um pouco sobre este recurso? Eu estou, sendo assim, vamos em frente, seja bem vindo ao post Dica do Mês – Utilizando a Trace Flag 9292 para exibir objetos estatísticos úteis.

Vamos em frente…..


Introdução

Todos sabemos que as estatísticas desempenham um papel muito importante dentro do SQL Server, como também, sabemos que as estatísticas são usadas pelo otimizador de consultas para gerar o plano de execução para cada consulta.
Então a questão é, podemos verificar qual objeto estatístico é útil para a execução da consulta? Sim, usando o Trace Flag do SQL Server 9292. Este é um do sinalizador de rastreamento que pode ser usado durante a solução de problemas.
Esse sinalizador de rastreamento é usado para obter o relatório sobre objetos de estatísticas considerados como “interessantes” ou “úteis” pelo otimizador de consulta durante a compilação ou recompilação de consulta.

Adicionada ao Microsoft SQL Server 2008 após a instalação do service pack 1 e mantida até as atuais versões, no momento em tomamos a decisão de utilizar a Trace Flag 9292, orientamos o SQL Server a apresentar todos os objetos estatísticos considerados úteis por parte do plano de execução para realizar o processamento e retorno dos dados.

O uso da Trace Flag 9292 dentro de uma sessão ou query específica, nos ajuda a entender e conhecer como as estatísticas e seus elementos podem mudar totalmente a maneira que o plano de execução é idealizado, armazenado e processado.

Através dela podemos obter um relatório sobre as estatíticas para cada objeto envolvido em nossa query, onde estes supostos objetos devem ser considerados úteis, ou melhor dizendo válidos e aplicáveis no decorrer do caminho realizado até a apresentação do resultado.

Esta é uma trace flag que pode ser usada durante a resolução de problemas, onde sua função é apresentar na guia de mensagens do Management Studio, um pequeno cabeçalho contendo informações estatísticas sobre cada componente útil e válido para formas os dados estatísticos de processamento da query. Este cabeçalho é conhecido como Stats header loaded.

Para ativar a trace flag utilize o comando DBCC TraceON (9292) ou DBCC TraceOFF (9292) para desativar, ou se preferir utilize a opção QueryTraceOn em sua respectiva query.

Agora que já conhecemos um pouco mais sobre os conceitos desta trace flag, chegou a hora de colocar as mãos no teclado e conhecer melhor o funcionamento da flag 9292 e de que forma ela poderá impactar o trabalho do Microsoft SQL Server, nos permitindo identificar os objetos úteis processados ou candidatos a processamento por parte do Query Processor em conjunto com Execution Plan.

Preparando o ambiente

Nosso ambiente será bastante simples, basicamente criaremos um banco de dados denominado DBTrace9292, constituído de uma tabela denominada TBTrace9292, para tal utilizaremos o Bloco de Código 1 que apresenta a criação dos respectivos objetos:

— Bloco de Código 1 —
— Criando o Banco de Dados DBTrace9292 —
Create Database DBTrace9292
Go

— Acessando —
Use DBTrace9292
Go

— Criando a Tabela TBTrace9292 —
Create Table TBTrace9292
(Codigo Int Identity(1,1) Primary Key,
Valores Int,
Descricao Varchar(100))
Go

Após a criação dos objetos básicos, nosso próximo passo será a criação de índice nonclustered para coluna Valores que nos permitirá fazer o uso de estatísticas de processamento para esta coluna durante o processo de inserção de dados, conforme apresenta o Bloco de Código 2 apresentado abaixo:

— Bloco de Código 2 —
— Criando o Índice NonClustered IND_TBTrace9292Valores —
Create NonClustered Index IND_TBTrace9292Valores on TBTrace9292(Valores)
Go

— Inserindo uma linha de registro na Tabela TBTrace9292 —
Insert Into TBTrace9292
Values(2000,’pedrogalvaojunior.wordpress.com’)
Go

— Inserindo 1.000 linhas de registros na Tabela TBTrace9292 —
Insert Into TBTrace9292
Values(4000,’pedrogalvaojunior.wordpress.com’)
Go 1000

Note que existir uma pequena mais importante diferença entre os dois Inserts, no primeiro estamos inserindo uma linha de registro na tabela TBTrace9292. No segundo criamos em tempo de execução um pequeno bloco de inserção de linhas, sendo este processado 1.000 vezes, inserindo então 1.000 linhas.

Seguindo em frente, o Bloco de Código 3 será utilizado para criarmos uma Stored Procedure denominada P_PesquisarValores como forma para buscar os respectivos registros armazenados na tabela TBTrace9292. A seguir apresento o Bloco de Código 3:

— Bloco de Código 3 –
— Criando a Stored Procedure P_PesquisarValores —
Create Procedure P_PesquisarValores @Valor int
As
Begin
Select Descricao from TBTrace9292
Where Valores = @Valor
OPTION (RECOMPILE)
End
Go

Se você for como eu, normalmente gosto de fazer uma análise de código antes de colocar em prática no meu ambiente, sendo assim, vamos lá. Analisando de forma superficial a Stored Procedure P_PesquisarValores a princípio não apresenta nada muito especial ou de grande complexidade em seu código, mas sim o uso de opção Recompile que justamente vai orientar o plano de execução a recompilar a  P_PesquisarValores no momento da sua execução, forçando assim que a cada execução um novo plano de execução seja criado em conjunto com uma nova análise estatística e seus demais elementos.

O próximo passo consiste na pesquisa de um dos valores armazenados na tabela TBTrace9292 através da execução e processamento da Stored Procedure P_PesquisarValores. Para este passo vamos utilizar o Bloco de Código 4 a seguir, antes de sua execução recomendo habilitar a apresentação do Plano de Execução Atual no SQL Server Management Studio através do botão Include Actual Execution Plan ou simplesmente através da tecla de atalho CTRL+M.

— Bloco de Código 4 —
— Habilitando as TraceFlags 9292 e 3604 —
DBCC TraceOn(9292,3604,-1)
Go

Dica: Utilize o comando DBCC TraceStatus WITH NO_INFOMSGS para verificar quais Trace Flags estão habilitadas em qual nível de escopo.

— Execuntando a Stored Procedure P_PesquisarValores —
Exec P_PesquisarValores 4000
Go

Pois bem, após a execução do Bloco de Código 4, o Microsoft SQL Server realizou o processamento da nossa Stored Procedure P_PesquisarValores realizando uma busca de todas as linhas de registros que possuem o valor 4.000, onde obrigatoriamente foram retornadas 1.000 linhas de registros.

Até ai nada de novo ou surpreende, o que justamente eu quero mostrar para vocês é o que o Management Studio apresenta na guia Messages após o processamento do Bloco de Código 4, conforme apresenta a Figura 1 abaixo:

Note que o cabeçalho retornado pela Trace Flag 9292 conhecido como Stats header loaded esta apresentando os objetos realmente utilizados para o processamento de nossa query, bem como, os objetos considerados úteis e necessários para criação, compilação e processamento do plano de execução envolvidos na execução, sendo eles:

  • Database: DBTrace9292;
  • Table: TBTrace9292,
  • Index: IND_TBTrace9292Valores, sendo este do tipo Nonclustered;
  • Column: Valores; e
  • EmptyTable: False, representa que a tabela possui linhas de registro.

Perfeito, perfeito, ai esta a prova que a Trace Flag 9292 nos permite identificar de forma simples, coerente e muito intuitiva todos os objetos envolvidos na execução de uma query, stored procedure ou demais elementos que permitem a criação de um plano de execução.

Desta forma, chegamos ao final de mais um post, tendo a sensação de dever cumprido, espero que você tenha gostado, como sempre o Microsoft SQL Server nos surpreende com a sua capacidade e potencialidade de recursos.


Referências

https://thomaslarock.com/2016/06/sql-server-Trace-flags/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/02/26/02-para-que-serve/

DBCC TRACEOFF (Transact-SQL)

DBCC TRACEON (Transact-SQL)

DBCC TRACESTATUS (Transact-SQL)

EXECUTE (Transact-SQL)

Query Hints (Transact-SQL)

Post Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/23/conhecendo-e-aplicando-o-uso-de-atualizacao-de-estatisticas-incrementais/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/13/dica-do-mes-microsoft-sql-server-identificando-as-transacoes-que-estao-utilizando-o-transact-log/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/01/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2016-sp1-novo-argumento-use-hint-disponivel-para-query-hints/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/16/dica-do-mes-conhecendo-a-nova-dmf-sys-dm_exec_input_buffer-no-microsoft-sql-server-2016/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/11/28/dica-do-mes-sql-server-2016-sp1-comando-create-or-alter/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/10/24/dica-do-mes-sql-server-2016-obtendo-informacoes-sobre-o-cache-de-execucao-de-funcoes/

Conclusão

Muitas vezes temos dificuldade em entender como um determinado recurso ou funcionalidade esta sendo utilizada pelo Microsoft SQL Server, com também, de que maneira este elemento poderá impactar nosso ambiente.

Neste post foi possível apresentar como a Trace Flag 9292 nos permite identificar quais objetos estão sendo utilizando durante o processamento e execução de uma determinada query. Um recurso de fácil configuração tanto para ser ativado como também desativado a qualquer momento ou necessidade.

Recomendo que você realize diversos testes e validações antes de fazer qualquer tipo de uso de uma trace flag em seu ambiente de produção, isso também se aplica a Trace Flag 9292.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, nos encontramos em breve com mais um post da sessão Dica do Mês.

Valeu….

#05 – Para que serve


Hello everybody, Good Afternoon, Buenas Tardes e Buon pomeriggio!!!!

Domingão chuvoso aqui em São Roque, olha esta chuvinha já esta dando o que falar e causando alguns estranhos na região, poxa vida eu gosto de chuva mas acho que já deu na hora de parar(kkkkk), desse jeito vamos ficar todos embolorados(kkkkkk)….

Comentários e brincadeirasa parte, aproveitando este tempinho para ficar em casa se preparando para mais uma semana de muito trabalho no FIT e na FATEC, falando de FATEC já estamos chegando ao final do semestre.

Pois bem, estava pensando e decidi compartilhar com vocês na sessão Para que serve, mais dois comandos DBCCs (Database Command Console) não documentadas que recentimente acabei me deparando em uma necessidade na empresa e por incrível que pareça uma das QoD (Question of Day) no portal SQLServerCentral.com, alias eu sou suspeito a falar deste portal, sou fã de carterinha desta plataforma que emana conhecimento especializado e dedicado ao Microsoft SQL Server.

Seguindo em frente, estou me referindo a DBCC Freeze_IODBCC Thaw_IO! Por acaso você já teve a necessidade de utilizar ou já ouvi falar destes commandos?

Ficou surpreso em saber da existência destes recursos, eu também, mas tenho a certeza que você vai ficar mais supreso quando fazer uso deles, algo que realmente pode ajudar em muito a entender o comportamento do SQL Server durante o procedimento de leitura e escrita de uma transação.

Bom vamos conhecer um pouco mais sobre estas duas DBCCs não documentadas, tendo como base um tradicional ambiente de testes que normalmente utilizo para este tipo de necessidade, e como de costume, vamos vais uma vez resaltar que este tipo de procedimento deve ser realizado sempre em ambientes ou cenários de teste e desenvolvimento, pois são comandos que podem alterar o comportamento do seu servidor ou instância SQL Server, proporcionando algum tipo de perda de informação ou impactos nos seus dados. Mesmo assim acredito que vale a pena conhece-los.


Começa aqui o #05 – Para que serve, boa viagem meu amigo.

Basicamente estas duas DBCCs não documentadas estão presentes na relação de comandos não oficiais e não reconhecidos pela documentação Microsoft á algum tempo, nas pesquisas que realizei para obter mais exemplos e informações encontrei posts publicados em alguns blogs americas, russos e europeus datados de meados do ano de 2011, sendo assim deduzido que ambas as funcionalidades podem ser utilizadas de uma maneira mais “segura” nas versões 2008 R2, 2012 e 2014.

Para nosso ambiente de testes vou utilizar o Microsoft SQL Server 2014 Express SP1, também realizei testes no Microsoft SQL Server 2012 Express SP3, não observei nenhum tipo de mudança de comportamento ou processamento em relação a cada versão, tanto na sua forma de execução como também na maneira de processamento o resultado obtive foi o mesmo, sendo assim, fique a vontade para escolher a versão que você deseja utilizar. Então vamos conhecer um pouco sobre cada comando DBCC, começando pela DBCC Freeze_IO.

DBCC Freeze_IO

Como seu próprio nome segure, esta dbcc tem a função de congelar de forma temporária do processo de leitura e escrita realizada para um banco de dados, quando eu me referi a congelar estou fazendo referência a possibilidade de suspender todo processo de IO(Input – Output) para gravação de dados no banco de dados que você encontra conectado.

Quando o DBCC Freeze_IO é executado todas as atividades realizadas pelo SQL Server que envolvam processos de IO que estejam vinculadas a operação de escrita serão suspensas, não estou dizendo que estas atividades vão receber uma instrução de encerramento ou finalização, nada disso todas serão congeladas até que o comando DBCC Thaw_IO seja executado.
Uma vez que o IO é congelado, você pode tratar o banco de dados como um banco de dados somente leitura. Qualquer atividade de escrita não retornará nenhum tipo de informação, pois este banco de dados terá naquele exato momento o comportamento de um banco somente leitura. 
Você pode estar se pergunta, cara isso é muito perigo? Sim a resposta é sim, ainda mais se você fizer uso deste tipo de implementação em um ambiente que sofre uma carga enorma de leitura e escritas em pouco espaço de tempo.
DBCC Thaw_IO
Como destacado anteriormente este comando DBCC tem a finalidade de descongelar ou remover o status de suspensão nos processos de leitura e escrita marcados pela DBCC Freeze_IO. Quando executado o DBCC Thaw_IO envia para o Database Engine uma instrução que permite reverter o estado do banco de dados de somente leitura para leitura e escrita, desta forma, o SQL Server entende que a partir daquele momento o banco de dados envolvimento na execução da DBCC Freeze_IO não necessita mais ser impedido de receber novos dados, como também, esta livre para retornar qualquer tipo de informação solicitado pelo usuário e suas aplicações.
Ufa, parece ser bastante assustador fazer uso destes dois comandos, mas não é bem assim, e para mostrar que nem tudo o que parece realmente é tão perigoso, vamos fazer uma pequena prática para ilustrar o comportamento do SQL Server durante a execução de cada DBCC, para isso iremos utilizar uma pequena tabela chamada Estudantes, chegou então a hora de colocar a mão na massa ou melhor no código (kkkkk)….

Colocando a mão no código #05 – Para que serve – DBCC Freeze_IO e DBCC Thaw_IO

Para nosso ambiente de testes, vamos criar um novo banco de dados chamado DBFreeze e como destacado anteriormente será criada uma tabela chamada Estudantes que receberá alguns linhas de registros, conforme apresenta o bloco de Código 1 a seguir:
— Código 1 —

— Criando o Banco de Dados DBFreeze —

Create Database DBFreeze

Go

 

— Acessando o Banco de Dados —

Use DBFreeze

Go

 

— Criando a Tabela Estudantes —

Create Table Estudantes

(Id Int Primary Key Identity(1,1),

Nome Varchar(20) Not Null,

Classificacao TinyInt Not Null,

Curso Varchar(20) Not Null)

Go

 

— Inserindo os dados —

Insert Into Estudantes (Nome, Classificacao, Curso)

Values (‘Kim’, 99, ‘Inglês’),

(‘Thomas’, 95, ‘Inglês’),

(‘Jonh’, 92, ‘Inglês’),

(‘Mag’, 97, ‘Espanhol’),

(‘Sussy’, 90, ‘Espanhol’),

(‘Boby’, 91,‘Português’),

(‘Darth’, 89, ‘Português’)

Go 100000

 

Ótimo, nosso ambiente este criado, agora podemos fazer uma simples simulação do congelamento do banco de dados DBFreeze, para isso vamos utilizar o bloco de código 2, note que iremos executar um simples select com algumas funções de ranking na tabela Estudantes, conforme apresento abaixo:

 

— Código 2 —

Begin Transaction

Select Id, Nome, Classificacao, Curso,

ROW_NUMBER() Over (Order By Curso) As ‘Row Number’,

Rank() Over (Order By Curso) As ‘Rank’,

Dense_Rank() Over (Order By Curso) As ‘Dense Rank’,

NTile(4) Over (Order By Curso) As ‘NTile’

From Estudantes

Go

Observe que para garantir e evitar qualquer tipo de impacto em outras transações, realizei a abertura de uma nova transação para que o comando select e suas respectivas funções de ranking fossem executadas, neste momento esta transação esta sendo executado, vamos então forçar o congelamento do banco de dados, para isso abra uma nova query em seu management studio e execute o bloco de código 3:

— Código 3 —

DBCC Freeze_IO(DBFreeze)
Go

A partir deste momento nosso banco de dados DBFreeze acaba de receber a instrução de Freeze IO, onde o mesmo vai ser obrigado a interromper qualquer processo de atividades que envolvam leitura e escrita de dados, se você decidir voltar a sessão anterior, será possível observar que a mesma continua em execução mas os dados não são retornados em tela, para ter certeza de qual é o atual status desta sessão, podemos fazer uso da system stored procedure sp_lock para obter a lista de recursos e objetos atualmente em lock em nosso SQL Server.

Vamos voltar nosso banco de dados para o estado original, possibilitando que todas as leituras e escritam possam ser executadas normalmente retornando os dados solicitados, para isso utilizaremos o bloco código 4 apresentado a seguir. Para sua execução recomendo utilizar a mesma query criada para execução do código 3:

 

— Código 4 —

DBCC Thaw_IO(9)

Go

Após alguns segundos o Database Engine entende que o nosso banco de dados DBFreeze deve ter o estado de somente leitura alterado para leitura e gravação, sendo assim, o processamento da nossa primeira query será executado e encerrado normalmente, onde teremos todos os nossos dados apresentados conforme a estrutura do comando select executada no bloco de código 2, ilustrado anteriormente.

Observações:

  1. Gostaria de salientar que este tipo de funcionalidade não será muito aplicável ou utilizável em suas atividades diárias, mas poderá ser bastante útil quando você desejar de alguma forma simular uma possível “imagem ou snapshot” do seu banco de dados em um espaço de tempo ou situação; e
  2. O uso do DBCC Freeze_IO, DBCC Thaw_IO e qualquer outro comando DBCC não reconhecido ou documentado pela Microsoft e seus times de Engenheiros e desenvolvedores deve ser utilizado com muita cautela e sempre em ambientes de testes e desenvolvimento. Em algumas situações a adoção de estratégias de backup de bancos de dados ou até mesmo de um snapshot de seu ambiente virtualizado devem ser adotados como forma de garantir a recuperação dos seus recursos.

Então chegamos ao final de mais um post, estamos vivos e salvos e principalmente nosso banco de dados sobreviveu.


É isso ai galera, muito legal este post da sessão Para que serve!

Espero que você tenha gostado, que as informações compartilhadas aqui possam lhe ajudar a se tornar cada vez um profisisonal de banco de dados mais reconhecido e valorizado, algo que atualmente as empresas estão deixando muito de reconhecer o verdadeiro papel de um DBA que muitas vezes passa despercebido, mas é de grande e extremo valor para qual instituição, empresa ou corporação.

Caso deseje acessar os posts anteriores desta sessão, utilize os links postados abaixo:

Mais uma vez obrigado por sua visita, tenha uma ótima semana, nos encontramos em breve.

Até mais.