#23 – Para que serve


Olá, bom dia, tudo bem? E ai preparado para festividades de final de Ano?

Seja bem-vindo a mais um post da sessão Para que Serve, sendo este o de número 23, mais um dia de muito começando, repleto de atividades e compromissos, ainda mais hoje sexta – feira e muito próximo ao Natal.

Mesmo no ritmo de fim de ano, tenho mantido a minha rotina, acordar bem cedo, para poder aproveitar da melhor maneira possível meu precioso tempo livre, colocando em prática algo que adoro fazer, publicar um post novo em meu blog mantendo a tradição de querer renovar e compartilhar as experiências e aprendizados adquiridos em minhas atividades profissionais e acadêmicas.

No post de hoje, vou compartilhar com você que esta acessando meu blog, uma nova opção adicionada diretamente aos bancos de dados que criamos a partir do Microsoft SQL Server 2016 que nos permite que seja utilizada de forma exclusiva no nível de banco de dados ao invés de aplicar diretamente no nível de instância.

Talvez você já possa ter utilizada esta nova opção, mas tenho a certeza que muitos dos profissionais que ainda não migraram seus ambientes para versões mais novas talvez não a conheçam, estou me referindo a opção AUTOGROW_ALL_FILES, que basicamente define no nível de banco de dados (Database Level) ao contrário do que acontecia nas versões anteriores que tínhamos a necessidade de ativar a Trace Flag T1117 que aplicava esta alteração de comportamento padrão no nível de instância (Server Level).

No decorrer deste post será realizado um pequeno comparativo entre as opções AUTOGROW_ALL_FILES e AUTOGROW_SINGLE_FILE, analisando seus comportamentos padrões, tendo como base um simples bloco de código inserindo 500.000 (Quinhentas mil linhas de registros lógicos) com dados fixos.

Adianto que esta análise comparativa em nenhum momento leva em consideração características de Hardware, versão de Sistema Operacional ou uso de uma aplicação específica. Na verdade o objetivo desta simples análise é elucidar que o uso destas  opções podem influenciar na maneira que o Microsoft SQL Server utiliza um ou mais arquivos de dados de forma proporcional ou simultânea.

Sendo assim, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre o post de número 23 da sessão Para que serve. Mas uma vez, bem vindo ao #23 – Para que serve – Opções de Bancos de Dados – AUTOGROW_ALL_FILES versus AUTOGROW_SINGLE_FILE.

Espero que você esta animado para conhecer um pouco mais sobre esta propriedade, caso já conheça, continue lendo este post, sempre podemos aprender algo novo….


Introdução

Todo o banco de dados SQL Server tem, no mínimo, dois arquivos de sistema operacional: um arquivo de dados e um arquivo de log. Os arquivos de dados contêm dados e objetos como tabelas, índices, procedimentos armazenados e exibições.

Os arquivos de log contêm as informações necessárias para recuperar todas as transações no banco de dados, ao contrário dos arquivos de dados que podem ser agrupados em grupos de arquivos para propósitos de alocação e administração.

Os bancos de dados SQL Server possuem três tipos de arquivos, como mostrado na Tabela 1 a seguir:

Arquivo  Descrição 
Primário O arquivo de dados primário contém as informações de inicialização do banco de dados e aponta para os outros arquivos no banco de dados.
Dados do usuário e objetos podem ser armazenados neste arquivo ou em arquivos de dados secundários. Todo banco de dados possui um arquivo de dados primário. A extensão de nome de arquivo indicada para arquivos de dados primários é .mdf.
Secundário Os arquivos de dados secundários são opcionais, definidos pelo usuário, e armazenam dados do usuário.
Arquivos secundários podem ser usados para distribuir os dados entre os diversos discos, colocando cada arquivo em uma unidade de disco diferente. Além disso, caso um banco de dados exceda o tamanho máximo em um único arquivo Windows, será possível usar arquivos de dados secundários, assim, o banco de dados continuará a crescer.
A extensão de nome de arquivo indicada para arquivos de dados secundários é .ndf.
Log de transações Os arquivos de log de transações armazenam as informações de log usadas para recuperar o banco de dados. Deve haver, no mínimo, um arquivo de log para cada banco de dados.
A extensão de nome de arquivo indicada para arquivos de transação é .ldf.

Tabela 1 – Tipos de Arquivos que formam um banco de dados criado no Microsoft SQL Server.

Agora que já conhecemos os tipos de arquivos que podem compor um banco de dados, vamos conhecer um pouco sobre um outro importante recurso que esta diretamente relacionado a este post, os denominados Filegroups.

Filegroups

Quando objetos são criados no banco de dados sem especificar a qual grupo de arquivos eles pertencem, os objetos são atribuídos ao grupo de arquivos padrão. A qualquer hora, um grupo de arquivos é designado como o grupo de arquivos padrão.

Os arquivos no grupo de arquivos padrão devem ser grandes o suficientes para armazenar qualquer objeto novo alocado a outros grupos de arquivo.

O grupo de arquivos PRIMÁRIO é o grupo de arquivos padrão, a menos que seja alterado usando a instrução ALTER DATABASE. A alocação para os objetos de sistema e de tabelas permanece no grupo de arquivos PRIMÁRIO, e não no novo grupo de arquivos padrão. O SQL Server mapeia um banco de dados de um conjunto de arquivos do sistema operacional.

As informações de log e dados nunca ficam misturadas no mesmo arquivo, e os arquivos individuais são usados apenas por um banco de dados, os grupos de arquivos são conhecidos como coleções de arquivos e são usados para simplificar o posicionamento de dados e em tarefas administrativas, como operações de backup e restauração.

Crescimento de Arquivos de Dados

Ao criar um banco de dados, estamos estabelecendo o uso de uma ou mais áreas em disco rígido para alocar nossos arquivos de dados. Dentre as diversas opções e propriedades que podemos configurar no momento da criação de um novo banco de dados ou em sua alteração, nos deparamos com a propriedade FileGrowth, sendo esta responsável em estabelecer a forma ou método de crescimento que toda estrutura de arquivos de dados que formam nossos bancos deverá aplicar, escolhendo a método de rodízio (Round-Robin) na qual os arquivos vão sendo preenchidos de forma aleatória de acordo com a necessidade ou através do método Preenchimento Proporcional (Proportional Fill).

Chegou a hora de colocar a mão nos teclados, como de costume teremos um ambiente de testes a ser criado, o que será utilizado como cenário de estudos.

Criando o Ambiente

Em meu ambiente de estudos estou utilizando o Microsoft SQL Server 2017 Enterprise Edition – Cumulative Update 9 e Sistema Operacional Windows 10, fique a vontade para utilizar o melhor cenário possível dentro das suas necessidades, a partir da versão 2016 do Microsoft SQL Server.

Para realizar nossa simples prática, começaremos pela execução do Bloco de Código 1, responsável por criar a seguinte estrutura:

  • Databases: TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE; e TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES;
  • Tables: TabelaGrowSingleFile; e TabelaGrowAllFile.

Importante: Destaco que os caminhos informados para criação dos referidos bancos e seus arquivos, estão apresentados de acordo com a configuração do meu ambiente, fique a vontade para alterar de acordo com suas necessidades e configurações.

— Bloco de Código 1 —
— Criando os respectivos bancos de dados  —

— Criando o Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE —
Create Database TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE
On Primary
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data.mdf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB),
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data1’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data1.ndf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB),
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data2’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data2.ndf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB)
Log On
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Log’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Log\TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Log.Ldf’,
Size=20 MB,
MaxSize=8192 MB,
FileGrowth=200 MB)
Go

— Criando o Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES —
Create Database TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES
On Primary
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data.mdf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB),
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data1’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data1.ndf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB),
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data2’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data2.ndf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB)
Log On
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Log’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Log\TesteDatabaseAUTOGROWALLFILE_Log.Ldf’,
Size=20 MB,
MaxSize=8192 MB,
FileGrowth=200 MB)
Go

Nota: Vale ressaltar que ambos os bancos de dados estão estruturados com a mesma quantidade de arquivos de dados e log, respectivamente 3(três) arquivos de dados e somente um único arquivo de log.

Muito bem, neste momento nossos bancos de dados estão criados e ambos contendo a mesma configuração para as propriedades: Size, MaxSize e FileGrowth, como também, configurados para que o crescimento ocorra de forma aleatória para os arquivos de dados.

Vamos validar nossa estrutura através do Bloco de Código 2 apresentado abaixo, o qual vai nos permitir identificar justamente as configurações que aplicamos no momento da criação dos referidos bancos de dados:

— Bloco de Código 2 —
Select DB_NAME() AS [DatabaseName], Name, file_id, physical_name,
(size * 8.0/1024) as Size,
((size * 8.0/1024) – (FILEPROPERTY(name, ‘SpaceUsed’) * 8.0/1024)) As FreeSpace
From sys.database_files
Go

Após executar o Bloco de Código 2, o Management Studio deverá apresentar o resultado similar a ilustrado na Figura 1 para ambos os bancos de dados:
Figura 1 – Informações sobre os bancos de dados seus arquivos, tamanhos e espaço livre ocupado.

Nosso próximo passo será forçar o crescimento dos nossos arquivos para o Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE, observando o comportamento que o SQL Server vai utilizar, ressalto que estaremos fazendo a criação da tabela que utilizaremos como base para inserir os dados, para tal cenário vamos utilizar o Bloco de Código 3 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 3 —
Use TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE
Go

— Criando a Tabela TabelaGrowSingleFile —
Create Table TabelaGrowSingleFile
(Codigo Int Identity(1,1) Not Null Primary Key,
Texto VarChar(100) Default ‘Grow Single File’,
Quantidade SmallInt Default 2018,
ValoresNumericos Numeric(8,2) Default ‘2018.12’,
DataAtual Date Default GetDate()+Rand()*30)
Go

— Inserindo a massa de dados —
Insert Into TabelaGrowSingleFile Default Values
Go 500000

A partir do momento que o Bloco de Código 3 é executado, o Microsoft SQL Server em conjunto com o SQL OS, Database Engine e Storage Engine, começam a fazer uso dos arquivos de dados, distribuindo em tempo real as páginas de dados conforme o método ou técnica escolhida para preenchimento dos arquivos de dados.

Para confirmarmos a alocação e distribuição destas páginas, vamos executar o Bloco de Código 4 apresentado abaixo em uma Nova Query e observar o resultado apresentado:

— Bloco de Código 4 —
Use TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE
Go

DBCC ShowFileStats — Comando que vai apresentar a distribuição de páginas de dados entre os arquivos
Go

Observação: Execute o comando DBCC ShowFileStats durante a execução do Bloco de Código 3, para que você possa obter um resultado similar ao apresentado na Figura 2 abaixo:

Figura 2 – Resultado apresentado pelo comando DBCC ShowFileStats.

No decorrer do processamento do Bloco de Código 3, podemos novamente o Bloco de Código 2 para identificar que neste momento o Microsoft SQL Server esta fazendo uso método de preenchimento dos arquivos de dados Round-Robin, no qual ele identifica qual seria o melhor arquivo para alocar a página, para confirmar este cenário a Figura 3 ilustra o resultado obtido de mais uma execução do Bloco de Código 2:
Figura 3 – Alocação dos arquivos de dados.

Observe a mudança de valores nas colunas Size e FreeSpace, como também, suas diferenças de valores em relação ao File_ID=1 para com os File_ID = 2 e 3, são justamente estas diferenças que nos orientam a entender que o Round-Robin esta sendo utilizado.

Estamos indo bem, falta um pouco para chegarmos ao final….

Nosso próximo passo se destina a alterar a forma de preenchimento e utilização dos arquivos de dados definidos para o Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES, e em seguida forçar o uso de cada arquivos e a distribuição de páginas. Vamos então executar o Bloco de Código 5 e sua sequência de passos:

 — Bloco de Código 5 —
— Alterando a definição de crescimento dos arquivos de Dados para o FileGroup Primary —
Use Master
Go

Alter Database TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES
Modify FileGroup [Primary] AUTOGROW_ALL_FILES — Definindo o crescimento proporcional   para todos os arquivos de dados —
Go

— Acessando o Banco de Dados —
Use TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES
Go

— Criando a Tabela TabelaGrowSingleFile —
Create Table TabelaGrowAllFile
(Codigo Int Identity(1,1) Not Null Primary Key,
Texto VarChar(100) Default ‘Grow All File’,
Quantidade SmallInt Default 2018,
ValoresNumericos Numeric(8,2) Default ‘2018.12’,
DataAtual Date Default GetDate()+Rand()*30)
Go

— Inserindo a massa de dados —
Insert Into TabelaGrowAllFile Default Values
Go 500000

Neste momento temos o banco de dados TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES sendo utilizando, no qual sua estrutura de arquivos esta definida para ser utilizada de forma conjunto e proporcional, ou seja, conforme a necessidade de crescimento dos arquivos de dados, ao invés de um único arquivo ser invocado e ter seu valor de crescimento definido, todos os arquivos serão envolvidos e afetados, conforme a Figura 4 a seguir ilustra:
Figura 4 – Preenchimento de todos os arquivos de dados sendo realizado com base no uso da opção Grow_All_Files.

Estamos quase lá, para finalizar nosso estudos, vamos executar o Bloco de Código 6, o qual tem a finalidade de repetir a inserção das 500.000 mil linhas de registros em cada banco de dados e posteriormente forçar um crescimento para os arquivos de dados:

 — Bloco de Código 6 —
— Acessando o Banco de Dados —
Use TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE
Go

— Inserindo a massa de dados —
Insert Into TabelaGrowSingleFile Default Values
Go 500000

— Acessando o Banco de Dados —
Use TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES
Go

— Inserindo a massa de dados —
Insert Into TabelaGrowAllFile Default Values
Go 500000

Note que para o Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE o crescimento vai ocorrer no primeiro arquivo de dados e para no Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES este crescimento será aplicado a todos os arquivos, conforme apresenta a Figura 5 abaixo:
Figura 5 – Espaço ocupado pelos arquivos de dados após o crescimento ser ocorrido.

Para finalizar, compartilho a Figura 6 que apresenta a utilização dos arquivos de dados por parte do Storage Engine de acordo com o método de alocação e preenchimento dos arquivos de dados, respeitando a configuração dos bancos de dados aqui utilizados:

Figura 6 – Comparativo entre AutoGrowSingleFile versus AutoGrowAllFiles.

Importante: Observe que todos os arquivos de dados definidos para uso no banco de Dados TesteDatabaseAutoGrowAllFiles apresentam os mesmos valores para colunas Size e FreeSpace, cenário totalmente diferente para o banco de dados TesteDatabaseAutoGrowSingleFile, que ilustra a utilização de forma diferente dos arquivos de dados, no qual os arquivos File_ID=2 e 3 estão neste momento sem espaço livre, o que indica que o crescimento foi aplicado ao primeiro arquivo de dados.

Com isso, e sem mais delongas, chegamos ao final. Ufa deu um pouco de trabalho este post, como de costume, mesmo assim sempre vale a pena poder compartilhar um pouco do conhecimento e experiências adquiridas ao longo dos anos de trabalho como DBA e Professor.

Espero que você tenha gostado, eu posso dizer que sim, mas sua opinião é muito importante.


Referências

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/database-console-commands/dbcc-traceon-trace-flags-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/statements/alter-database-transact-sql-file-and-filegroup-options?view=sql-server-2017

https://blogs.msdn.microsoft.com/psssql/2016/03/15/sql-2016-it-just-runs-faster-t1117-and-t1118-changes-for-tempdb-and-user-databases/

https://www.brentozar.com/archive/2014/06/trace-flags-1117-1118-tempdb-configuration/

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/databases/database-files-and-filegroups?view=sql-server-2017

https://www.sqlshack.com/understanding-sql-server-proportional-fill-algorithm/

http://www.sqlservercentral.com/scripts/Maintenance+and+Management/30218/

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/08/22/22-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/05/28/21-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/04/12/20-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/01/02/19-para-que-serve/

Conclusão

Conhecer a cada nova versão as mudanças e novidades aplicadas ao Microsoft SQL Server não é uma tarefa fácil, mas deixar de fazer uso delas pode em algum momento parecer falta de interesse ou até mesmo desconhecimento do potencial existente no produto.

Neste post, podemos conhecer esta nova opção Auto_Grow_All_Files, que nos permite aplicar uma nova maneira de orientar o SQL Server no uso, alocação e principalmente crescimento de nossos arquivos de dados, o que pode ou não impactar de forma direta na performance, contenção ou distribuição de recursos relacionados a disco rígido.

Em momento algum, o cenário aqui utilizado, muito menos a análise feita, teve o objetivo de comprovar qual forma de alocação e uso dos arquivos de dados é melhor, isso deve ser analisado para cada necessidade e ambiente.

Espero que o conteúdo aqui apresentado possa lhe ajudar a conhecer um pouco sobre como os arquivos de dados são importantes e úteis para nossos bancos, além disso, a importância de se utilizar mais de um arquivo de dados ou filegroups.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, que desde suas primeiras versões nos apresenta inúmeras possibilidade de se aprender, possibilitando usar o passado como fonte de inspiração para construção de um futuro melhor, por isso que a cada dia eu me apaixono ainda mais por este produto…

Vai SQL Server, Vai SQL Server….

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua ilustre visita, sinto-me honrado com sua presença, espero que este conteúdo possa lhe ajudar e ser útil em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Um forte abraço, até o próximo post da sessão Para que serve a ser publicado no mês fevereiro de 2019.

Um grande abraço e ótima semana.

Valeu.

Anúncios

Microsoft SQL Server Management Studio 17.8 liberado


Em anuncio oficial, A Microsoft apresentou em seu blog a nova versão do Microsoft SQL Server Management Studio 17.8, conhecida por muitos profissionais de tecnologia pela sigla SSMS.

O SSMS combina um amplo grupo de ferramentas gráficas com vários editores de script avançados para fornecer acesso para desenvolvedores e administradores de todos os níveis de conhecimento ao SQL Server, além disso, através desta ferramenta você vai encontrar um ambiente totalmente integrado com os mais diversos serviços e recursos existentes no Microsoft SQL Server.

Vale ressaltar que desde a versão 2016 do Microsoft SQL Server, o time de engenheiros e desenvolvedores da Microsoft, decidiram superar a dependência do Management Studio da versão do SQL Server, sendo assim, deste então independente da versão do Microsoft SQL Server instalado é possível utilizar e instalar versões superiores ou não do Management Studio, tornando-se então um novo produto independente do SQL Server.

A partir da versão 17, o Microsoft SQL Server Management Studio apresenta um novo ícone que faz referência a esta ferramenta substituindo justamente o ícone utilizado pelas versões anteriores do Management Studio específicos de cada versão do Microsoft SQL Server.

A Figura 1 abaixo apresenta este novo ícone:

Figura 1 – Novo ícone utilizado pelo Microsoft SQL Server Management Studio a partir da versão 17.

Para realizar download do Microsoft SQL Server Management Studio 17.8, utilize um dos links apresentados abaixo:

Download SQL Server Management Studio 17.8

Download SQL Server Management Studio 17.8 Upgrade Package (upgrades 17.x to 17.8)

Após a instalação desta nova versão o Microsoft SQL Server Management Studio terá sua número de versão evoluído para: 17.8 e seu release build para: 14.0.17276.0. Dentre os bugs e melhorias implementadas nesta nova versão a Microsoft destaca correções específicas para editor de querys, nova interface para scripts e suporte a propriedade AUTOGROW_ALL_FILES, entre outras inovações.

Caso queira saber mais sobre esta versão, sua lista de correções e melhorias, acesse: https://docs.microsoft.com/en-us/sql/ssms/download-sql-server-management-studio-ssms?view=sql-server-2017

Esta nova versão do SSMS 17.8 esta disponível para as versões do Mirosoft SQL Server versão 2008 até 2017, é compatível com as versões 64 bits do Windows 7, Windows 8/8.1, Windows 10, Windows Server 2008 R2, Windows Server 2012, Windows Server 2012 R2 e Windows Server 2016 e também suporta o SQL Analysis Service PaaS.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – Docs SQL Tools SQL Server Management Studio (SSMS) – 21/06/2018.

Short Scripts – Maio 2018


Olá Mundo, bom dia, comunidade….

Tudo bem? E ai como passaram os últimos meses?

Pergunto isso, devido ao post anterior desta sessão ter sido publicado no mês de fevereiro, posso imaginar que neste intervalo de tempo nossas vidas apresentaram inúmeras situações, espero que todas possam ter sido dentro do possível boas, assim como a minha, e se caso venha a existir algo mais espinhoso, que você possa ter superado.

Seguindo em frente, que alegria poder te encontrar em mais um post da sessão Short Scripts, uma das sessões mais recentes do meu blog que esta alçando a marca de 33 posts publicados trimestralmente.

Mantendo a tradição estou retornando com mais um conjunto de “pequenos” scripts catalogados e armazenados em minha biblioteca pessoal de códigos relacionados ao Microsoft SQL Server e sua fantástica linguagem de desenvolvimento Transact-SQL.

Como promessa é dívida e deve ser cumprida “ou melhor” compartilhada, estou compartilhando a minha feita a exatos três meses no final do último post da sessão Short Scripts, hoje publicando mais um conjunto de scripts adicionados atualmente na minha biblioteca particular de códigos e exemplos.

O post de hoje

Como de costume selecionei os principais scripts armazenados recentemente na minha biblioteca de códigos, que apresentam os seguintes assuntos:

  • Acesso de usuário a tabelas;
  • Acesso e Leitura a Banco de dados;
  • Contas de Execução;
  • Descrição de Colunas;
  • DMV – Sys.dm_os_memory_clerks;
  • DMV – Sys.dm_server_services;
  • Ident_Current;
  • Leitura de Log;
  • Memória;
  • Memory Cache Entries;
  • Memory Clerks;
  • Multipage Allocators Statistic
  • OS Threads;
  • Processos em execução;
  • Scope_Ident;
  • Serviços do SQL Server;
  • SessioID;
  • System Identity Variable; e
  • XP_ReadErrorLog.

Chegou a hora, mãos nos teclados, a seguir apresento os códigos e exemplos selecionados para o Short Script – Maio 2018 . Vale ressaltar que todos os scripts publicados nesta sessão foram devidamente testados, mas isso não significa que você pode fazer uso dos mesmo em seu ambiente de produção, vale sim todo cuidado possível para evitar maiores problemas.

Fique a vontade para compartilhar, comentar e melhorar cada um destes códigos.

Short Scripts

— Short Script 1  – Encerramento processos que apresentam várias horas ou longo tempo de execução  —
SET NOCOUNT ON
DECLARE @spid SMALLINT, @spidString VARCHAR(12)

DECLARE spidCursor CURSOR
FOR SELECT spid
FROM master.sys.sysprocesses
WHERE last_batch < DATEADD(hh, -8, GETDATE()) AND spid > 50 — Change 8 to any other value for hours AND spid > 50 — for user spid
FOR READ ONLY
OPEN spidCursor
FETCH NEXT FROM spidCursor INTO @spid

SELECT ‘Killed spid(s) – ‘
WHILE (@@fetch_status = 0)
AND (@@error = 0)
BEGIN
SELECT @spidString = CONVERT(VARCHAR(12), @spid)
EXEC (‘kill ‘ + @spidString)
SELECT @spid
FETCH NEXT FROM spidCursor INTO @spid
END

CLOSE spidCursor
DEALLOCATE spidCursor
SET NOCOUNT OFF

— Short Script 2 –  Identificando – Memory Cache Entries —
WITH memory_cache_entries
AS
(
SELECT
name AS entry_name,
[type],
in_use_count,
pages_allocated_count,
CAST(entry_data AS XML) AS entry_data
FROM sys.dm_os_memory_cache_entries(nolock)
WHERE type = ‘USERSTORE_TOKENPERM’
),
memory_cache_entries_details
AS
(
SELECT
entry_data.value(‘(/entry/@class)[1]’, ‘bigint’) AS class,
entry_data.value(‘(/entry/@subclass)[1]’, ‘int’) AS subclass,
entry_data.value(‘(/entry/@name)[1]’, ‘varchar(100)’) AS token_name,
pages_allocated_count,
in_use_count
FROM memory_cache_entries
)
SELECT
class,
subclass,
token_name,
COUNT(*) AS nb_entries
FROM memory_cache_entries_details
GROUP BY token_name, class, subclass
ORDER BY nb_entries DESC;

— Short Script 3 – Obtendo a relação de últimos acessos de leitura e escrita por banco de dados —

;WITH myCTE AS
(
SELECT
DB_NAME(database_id) AS TheDatabase,
last_user_seek,
last_user_scan,
last_user_lookup,
last_user_update
FROM sys.dm_db_index_usage_stats
)
SELECT
ServerRestartedDate = (SELECT CREATE_DATE FROM sys.databases where name=’tempdb’),
x.TheDatabase,
MAX(x.last_read) AS last_read,
MAX(x.last_write) AS last_write
FROM
(
SELECT TheDatabase,last_user_seek AS last_read, NULL AS last_write FROM myCTE
UNION ALL
SELECT TheDatabase,last_user_scan, NULL FROM myCTE
UNION ALL
SELECT TheDatabase,last_user_lookup, NULL FROM myCTE
UNION ALL
SELECT TheDatabase,NULL, last_user_update FROM myCTE
) AS x

GROUP BY TheDatabase
ORDER BY TheDatabase

— Short Script 4 – Identificando e analisando as diferenças entre Ident_Current, Scope_Identity e Variável de Sistema Identity —
USE AdventureWorks2016;
Go

CREATE TABLE t6(id int IDENTITY);
CREATE TABLE t7(id int IDENTITY(100,1));
Go

CREATE TRIGGER t6ins ON t6 FOR INSERT
AS
BEGIN
INSERT t7 DEFAULT VALUES
END;
Go

SELECT id FROM t6;
SELECT id FROM t7;

— Do the following in Session 1.
INSERT t6 DEFAULT VALUES;
SELECT @@IDENTITY;
/*Returns the value 100.*/

SELECT SCOPE_IDENTITY();
/* Returns the value 1. This was inserted by the
INSERT statement two statements before this query.*/

SELECT IDENT_CURRENT(‘t7’);
/* Returns value inserted into t7, that is in the trigger.*/

SELECT IDENT_CURRENT(‘t6’);
/* Returns value inserted into t6. This was the INSERT statement four statements before this query.*/

— Do the following in Session 2.
SELECT @@IDENTITY;
/* Returns NULL because there has been no INSERT action
up to this point in this session.*/

SELECT SCOPE_IDENTITY();
/* Returns NULL because there has been no INSERT action
up to this point in this scope in this session.*/

SELECT IDENT_CURRENT(‘t7’);
/* Returns the last value inserted into t7.*/

— Short Script 5 – Identificando a SessionID e suas respectivas OS Threads —
SELECT osTask.session_id,
osThreads.os_thread_id,
osTask.scheduler_id,
osTask.task_state
FROM sys.dm_os_tasks AS osTask INNER JOIN sys.dm_os_threads AS osThreads
ON osTask.worker_address = osThreads.worker_address
WHERE osTask.session_id IS NOT NULL
ORDER BY osTask.session_id;
Go

— Short Script 6 – Identificando o último usuário que acesso a tabela —
SELECT DB_NAME(ius.[database_id]) AS [Database],
                 OBJECT_NAME(ius.[object_id]) AS [TableName],
                 MAX(ius.[last_user_lookup]) AS [last_user_lookup],
                 MAX(ius.[last_user_scan]) AS [last_user_scan],
                 MAX(ius.[last_user_seek]) AS [last_user_seek] FROM sys.dm_db_index_usage_stats AS ius
WHERE ius.[database_id] = DB_ID()
AND ius.[object_id] = OBJECT_ID(‘[PlayerAllData]’)
GROUP BY ius.[database_id], ius.[object_id]
Go

— Short Script 7 – Obtendo informações sobre a descrição de uma coluna —
declare @ColumnName nvarchar(300),
@TableName nvarchar(300);

Set @ColumnName= N’…’;
Set @TableName= N’…’;

Select st.name [Table],
sc.name [Column],
sep.value [Description]
from sys.tables st inner join sys.columns sc
on st.object_id = sc.object_id
left join sys.extended_properties sep
on st.object_id = sep.major_id
and sc.column_id = sep.minor_id
and sep.name = ‘MS_Description’
Where st.name = @TableName
And sc.name = @ColumnName
Go

— Short Script 8 – XP_ReadErrorLog – Identificando a porta padrão do SQL Server —
USE MASTER
Go

XP_readerrorlog 0, 1, N’Server is listening on’
Go

— Short Script 9 –  Utilizando – sys.dm_os_memory_clerks – Multipage Allocators Statistic —
Select name AS clerk_name, memory_node_id,
                 sum(single_pages_kb) / 1024 as single_page_total_size_mb,
                 sum(multi_pages_kb) / 1024 as multi_page_total_size_mb,
                 sum(awe_allocated_kb) / 1024 as awe_allocaed_size_MB
From sys.dm_os_memory_clerks(nolock)
Where memory_node_id = 64
Group by memory_node_id, name
Having SUM(multi_pages_kb) > 0
Order BY sum(single_pages_kb) + sum(multi_pages_kb) +
sum(awe_allocated_kb) DESC
Go

— Short Script 10 –  Utilizando – sys.dm_server_services – Identificando a conta que esta executando os serviços do SQL Server —
Select  servicename,
startup_type_desc,
status_desc,
               last_startup_time,
               service_account,
               is_clustered,
               cluster_nodename,
               filename,
               startup_type,
               status,
               process_id
From sys.dm_server_services
Go

Missão mais que cumprida! Uma nova relação de short scripts acaba de ser compartilhada, mesmo sendo denominados short entre aspas “pequenos”, posso garantir que todos estes exemplos são de grande importância, apresentam um valor e conhecimento do mais alto nível.


Chegamos ao final de mais um Short Scripts, espero que este material possa lhe ajudar, ilustrando o uso de alguns recursos e funcionalidades do Microsoft SQL Server.

Acredito que você tenha observado que estes códigos são conhecidos em meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server publicados no decorrer dos últimos anos.

Boa parte deste material é fruto de um trabalho dedicado exclusivamente a colaboração com a comunidade, visando sempre encontrar algo que possa ser a solução de um determinado problema, bem como, a demonstração de como se pode fazer uso de um determinado recurso.

Links

Caso você queira acessar os últimos posts desta sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/02/19/short-scripts-fevereiro-2018-transaction-log/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/12/09/short-scripts-dezembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/09/16/short-scripts-setembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/08/short-scripts-junho-2017/

Agradecimento

Obrigado mais uma vez por sua visita, fico honrado com sua ilustre presença ao meu blog, desejo e espero que você possa ter encontrado algo que lhe ajudou.

Volte sempre, nos encontraremos mais uma vez na sessão Short Scripts no post do mês de agosto de 2018.

Abraços…

Material de Apoio – Abril 2018


Muito, mas, muito bom dia!

São exatamente 08:00 horas da manhã e você já esta dando uma passadinha por aqui, que legal, obrigado por mais esta visita.

E ai tudo bem com você? Espero que sim. Estou aqui mais uma vez procurando colaborar e compartilhar com a comunidade técnica em mais um post da sessão Material de Apoio dedicado exclusivamente ao meu blog.

Espero que você esteja gostando do conteúdo aqui disponibilizado, como também, possa me ajudar a cada vez mais melhorar ainda.

O post de hoje

Seja bem-vindo a mais um post da sessão Material de Apoio, sendo o segundo do ano de 2018 e de número 156 no total desta sessão.

Para aqueles que já acompanham o meu blog a um certo tempo, os posts dedicados a sessão Material de Apoio, possuem o objetivo de compartilhar o conhecimento de recursos, funcionalidades e procedimentos que podemos realizar no Microsoft SQL Server.

Hoje não será diferente, estou trazendo alguns dos mais recentes scripts  catalogados nos últimos meses, que atualmente estão compondo a minha galeria de códigos formada ao longo dos anos de trabalho como DBA e atualmente como Professor de Banco de Dados.

Neste post você vai encontrar arquivos relacionados com os seguintes temas:

  • @@TranCount;
  • Claúsula Where;
  • Comando Declare;
  • Comando Kill;
  • Comando Order By;
  • Comando Rollback;
  • Comando While;
  • Conversão implícita de dados;
  • Cursor;
  • Database Level Events;
  • Dynamic Management Function sys.dm_exec_query_plan;
  • Dynamic Management Function sys.dm_exec_sql_text;
  • Dynamic Management View sys.dm_exec_query_stats;
  • Dynamic Management View sys.dm_os_tasks;
  • Dynamic Management View sys.dm_os_threads;
  • Error Code 3609;
  • Função Cast;
  • Função EventData();
  • Função Raiserror();
  • Função Top();
  • Loop de processamento infinito;
  • Opção Recompile;
  • Operador Cross Apply;
  • OS Threads;
  • Processos em execução;
  • Sessions;
  • Set RowCount;
  • Stored Procedure Exec;
  • System Table sys.sysprocesses;
  • Tratamento de Erros;
  • Trigger DDL; e
  • Variáveis.

Espero que este conteúdo possa lhe ajudar em seus atividades profissionais e acadêmicas. Por questões de compatibilidade com a plataforma WordPress.com, todos os arquivos estão renomeados com a extensão .doc ao final do seu respectivo nome, sendo assim, após o download torna-se necessário remover esta extensão, mantendo somente a extensão padrão .sql.

Material de Apoio

A seguir apresento a relação de arquivos  selecionados:

1 – Material de Apoio – Abril 2018 – Encerramento processos que apresentam várias horas ou longo tempo de execução.sql

2 – Material de Apoio – Abril 2018 – Trigger DDL DATABASE LEVEL EVENTS – Bloqueando a criação de tabelas com um determinado nome.sql

3 – Material de Apoio – Abril 2018 – Identificando a SessionID e suas respectivas OS Threads.sql

4 – Material de Apoio – Abril 2018 – Relação de Querys – Apresentam conversão implícita de dados.sql

5 – Material de Apoio – Abril 2018 – Criando um loop infinito utilizando SET ROWCOUNT com Variable Table.sql

6 – Material de Apoio – Abril 2018 – Utilizando Rollback Transaction dentro de Trigger com tratamento de erro 3609.sql

7 – Material de Apoio – Abril 2018 – Utilizando Rollback Transaction dentro de Trigger decrementando o valor de @@Trancount.sql

Fique a vontade para copiar, editar, compartilhar e distribuir estes arquivos com seus contatos, aproveite se possível deixe seu comentário, críticas, sugestões e observações.

Nota: Todos os arquivos disponibilizados foram obtidos ou criados com autorização de seus autores, sendo estes, passíveis de direitos autorais.

Links

Caso você queira acessar os posts anteriores da sessão, não perca tempo utilize os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/02/13/material-de-apoio-fevereiro-2018/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/11/04/material-de-apoio-novembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/08/08/material-de-apoio-agosto-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/09/material-de-apoio-maio-2017/

Agradecimento

Quero agradecer imensamente a sua visita, sinto-me honrado e orgulhoso de contar com a sua presença.

Não deixe de acessar os outros posts das demais sessões, o próximo post desta sessão será publicado no mês de junho, até lá continue curtindo sua vida e compartilhando suas experiência.

Um forte abraço, muita saúde, sucesso e vamos em frente…

Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.7 disponível para download


A Microsoft disponibilizou para download no início desta semana o Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.7.

Nova versão da ferramenta utilização para migração de dados entre diversas fontes, dentre elas MySQL, SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase), Oracle Database, IBM DB2 e Access, o Microsoft SQL Server Migration Assistant é uma ferramenta gratuita que simplifica o processo de migração destes produtos para o SQL Server e Azure SQL. A ferramenta automatiza todos os aspectos da migração. A versão 7.7 inclui o suporte para:

– Migração do MySQL 4.1 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2008, SQL Server 2008 R2, SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

– Migração do Access 97 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

– Migração do SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase) 11.9 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2008, SQL Server 2008 R2, SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

– Migração do Oracle Database 9.0 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2008, SQL Server 2008 R2, SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, Azure SQL DB e Azure SQL Data Warehouse.

– Migração do IBM DB2 9.0 e 10.0 no z/OS e das versões 9.7 e 10.1 no Linux/Unix/Windows para o SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.7

Download da versão 7.7 para MySQL
Download da versão 7.7 para Access
Download da versão 7.7 para SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase)
Download da versão 7.7 para Oracle Database
Download da versão 7.7 para IBM DB2

O Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.7 é compatível com o Windows 10, Windows 7, Windows 8, Windows 8.1, Windows Server 2008 R2, Windows Server 2012, Windows Server 2012 R2 e Windows Server 2016. Ele também requer o .NET Framework 4.5.2 ou posterior.

As páginas de download também listam alguns requisitos específicos, como MySQL Connector/ODBC e SAP ASE OLEDB/ADO.Net/ODBC provider.

Fontes e Direitos Autorais: https://www.microsoft.com/en-us – 27/02/2018.

Short Scripts – Fevereiro 2018 – Transaction Log


Olá, bom dia, mais uma semana começando….

E você já esta aqui acessando o meu blog, que alegria poder te encontrar em mais um post da sessão Short Scripts, uma das sessões mais recentes do meu blog que esta alçando a marca de 32 posts, sendo estes publicados trimestralmente.

Mantendo a tradição estou retornando com mais um conjunto de “pequenos” scripts catalogados e armazenados em minha biblioteca pessoal de códigos relacionados ao Microsoft SQL Server e sua fantástica linguagem de desenvolvimento Transact-SQL.

Mas como este é o primeiro post desta sessão em 2018, farei algo um pouco diferente, você terá uma pequena surpresa.

Desejo que o conteúdo aqui compartilhado possa lhe ser útil, como também sirvo de referência e sugestões para novas formar de resolução de problemas e aprendizado.

Vamos então conhecer um pouco mais sobre este novo post….

O post de hoje

Como já destacado no início do post, ao invés de compartilhar os últimos scripts adicionados a  minha biblioteca, quero dividir com você um conteúdo dedicado especificamente a um assunto muito importante quando nos referimos ao Microsoft SQL Server, mais especificamente ao Transaction Log (Log de Transações), funcionalidade presente em todos os bancos de dados criados em qualquer versão e edição do SQL Server.

E ai que você achou desta surpresa, gostou? Eu gostei, não é fácil você conseguir encontrar em um único local um conteúdo focado exclusivamente a este assunto tão importante, que muitos profissionais que trabalham com banco de dados até hoje não conseguem entender o conceito e forma de atuação do Transaction-Log.

Seguindo em frente, a seguir apresento os códigos e exemplos selecionados para o Short Script – Fevereiro 2018 – Transaction Log. Vale ressaltar que todos os scripts publicados nesta sessão foram devidamente testados, mas isso não significa que você pode fazer uso dos mesmo em seu ambiente de produção, vale sim todo cuidado possível para evitar maiores problemas.

Short Scripts

Fique a vontade para compartilhar, comentar e melhorar cada um destes códigos:

— Short Script 1 – Log Record —

— Altera o Recovery Model para SIMPLE
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY SIMPLE
Go

— Truncar o Transaction Log —
CHECKPOINT
Go

— Conteúdo do log – todas as colunas —
USE AdventureWorks2016
Select * from ::fn_dblog(null, null)
Go

–update
Begin Transaction

UPDATE dbo.Pessoa
SET nome = ‘XUXA’
Where ID=3

Rollback
Go

— Conteúdo armazenado no Log File —
Select [Current LSN],
Operation,
Context,
[Transaction ID],
[Log Record Length],
[Previous LSN],
AllocUnitName,
[Page ID],
[Slot ID],
[Checkpoint Begin],
[Checkpoint End],
[Minimum LSN],
SPID,
[Begin Time],
[Transaction Name],
[Parent Transaction ID],
[Lock Information],
Description,
[RowLog Contents 0],
[RowLog Contents 1],
[Log Record]
From ::fn_dblog(null, null)
Go

— DBCC SQLPERF —
DBCC SQLPERF(LOGSPACE)
Go

— Short Script 2 – CheckPoint —

— Criando a Base de Dados —
CREATE DATABASE DemoCheckpoint
ON PRIMARY
(NAME = ‘DemoCheckpoint_data’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\DemoCheckpoint_data.mdf’)
LOG ON
(Name = ‘DemoCheckpoint_Log’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\DemoCheckpoint_log.ldf’,
SIZE = 100MB,
FILEGROWTH = 10MB)
GO

— Alterando o Recovery Model —
ALTER DATABASE DemoCheckpoint
SET RECOVERY SIMPLE
Go

— Criando a Tabela Teste —
USE DemoCheckpoint
GO

CREATE TABLE Teste
(C1 varchar(50) NOT NULL,
C2 varchar(50) NOT NULL)
GO

— Forçando o Checkpoint —
CHECKPOINT
Go

— Abrir o Perfmon com os contadores

— em outra sessão
USE DemoCheckpoint
GO

WHILE 1=1
BEGIN

INSERT INTO dbo.teste
VALUES (‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’)
END

— Short Script 3 – Log Chain Simple —

— Iniciar nova sessão do Perfmon —
SELECT name, recovery_model_desc
FROM sys.databases
WHERE name = ‘AdventureWorks2016’
Go

— Alterar Recovery Model para Simple —
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY SIMPLE
Go

— Abrir nova Query —
USE AdventureWorks2016
Go

WHILE 1=1
BEGIN
INSERT INTO dbo.pessoa
VALUES (‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’)
END

— Alterar Recovery Model para Full —
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY FULL
GO

— Realizar Backup Database —
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016
TO DISK = ‘d:\backupcompress.bak’
WITH COMPRESSION,
DIFFERENTIAL
GO

— Short Script 4 – DBCC LogInfo —

— Criando uma nova base de dados —
CREATE DATABASE TestDB
ON PRIMARY
(NAME = ‘TestDB_data’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\TestDB_data.mdf’)
LOG ON
(Name = ‘TestDB_Log’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\TestDB_log.ldf’,
SIZE = 10MB,
FILEGROWTH = 10MB)
GO

— Obtendo informações sobre a base de dados —
DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

–Forçando o crescimento do Transact-Log manualmente em 20MB —
ALTER DATABASE TestDB
MODIFY FILE
(NAME = ‘TestDB_Log’,
SIZE = 20MB);
GO

— Obtendo informações sobre a base de dados —
DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

— Short Script 5 – Natureza Circular —

— Alterando Recovery Model FULL —
ALTER DATABASE TestDB
SET RECOVERY FULL;
Go

— Realizando Backup Database —
BACKUP DATABASE TestDB
TO DISK = ‘D:\TestDB.bak’
Go

— Forçando o encolhimento do Transaction – Log —
DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

BACKUP LOG TestDB
TO DISK = ‘bkplogTestDB.trn’
Go

USE TestDB
Go

DBCC SHRINKFILE (TestDB_Log,1)
Go

DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

— Criando uma nova Tabela —
USE TestDB
GO

CREATE TABLE dbo.pessoa
(ID int identity PRIMARY KEY NOT NULL,
Nome varchar(50) NOT NULL,
Sobrenome varchar(50) NOT NULL,
Nascimento date NOT NULL,
Cargo varchar(50))
GO

— Abrir nova query —
USE TestDB
GO

WHILE 1=1
BEGIN
INSERT INTO dbo.pessoa
VALUES (‘Junior’, ‘Galvão’, ‘19800428’, ‘Database Administrator’)
END

— Monitorar o crescimento do log em tempo de execução —
DBCC LOGINFO(TestDB)

CHECKPOINT

SELECT name,
Log_reuse_wait_desc
FROM sys.databases
WHERE name = ‘TestDB’
Go

— Realizar Backup do Arquivo de Log —
BACKUP LOG TestDB TO DISK = ‘d:\log.trn’
Go

— Alterando Recovery Model para Full
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY FULL
Go

— Realizando novo Backup Database —
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016
TO DISK = ‘d:\backup.bak’
WITH COMPRESSION
Go

— Short Script 6 – Backup and Transaction Log —

— Preparando a base – 1m10s se não preparada na demo 5
ALTER DATABASE AdventureWorks2016 SET RECOVERY FULL
GO
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016 TO DISK = ‘d:\backup.bak’ WITH COMPRESSION
GO

— Realizando Backup do Arquivo de Log —
BACKUP LOG AdventureWorks2016
TO DISK = ‘bkplog.trn’
Go

— Obtendo informações sobre o Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Encolhendo o Transaction Log —
USE AdventureWorks2016
Go

DBCC SHRINKFILE (AdventureWorks2016_Log,1)
Go

— Obtendo informações sobre o Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Ajustando o tamanho do Transaction Log —
USE AdventureWorks2016
Go

— Encolhendo o Transaction Log —
DBCC SHRINKFILE (AdventureWorks2016_Log,1)
Go

— Obtendo informações sobre o Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Modificando o arquivo de Log —
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
MODIFY FILE
(NAME = AdventureWorks2016_Log,
SIZE = 4MB)
Go

— Encolhendo o Transaction Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)

— Abrir nova query —
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016
TO DISK = ‘d:\backup.bak’
Go

— Abrir nova query —
USE AdventureWorks2016
GO

WHILE 1=1
BEGIN
INSERT INTO dbo.pessoa
VALUES (‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’)
END
Go

— Forçando o Truncate do Log —
BACKUP LOG AdventureWorks2016
TO DISK = ‘bkplog.trn’
Go

— Obtedo informações do arquivo de log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
CHECKPOINT
SELECT name,
log_reuse_wait_desc
FROM sys.databases
WHERE name = ‘AdventureWorks2016’
Go

— Ajustando o tamanho do TLog
USE AdventureWorks2016
GO

DBCC SHRINKFILE (AdventureWorks2016_Log,1)
GO

DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Short Script 7 – File Growth —

— Habilitando Trace Flags para evidênciar mudanças no Log —
DBCC TRACEON (3004, 3605, -1);
Go

— Limpar o log do SQL Server —
sp_cycle_errorlog
Go

— Criar uma nova Base de Dados —
CREATE DATABASE TransactionLog
ON PRIMARY
(NAME = ‘TransactionLog_data’,
FILENAME = ‘D:\MSSQLSERVER\DATA\TransactionLog_data.mdf’,
SIZE = 10240MB)
LOG ON
(Name = ‘TransactionLog_Log’,
FILENAME = ‘D:\MSSQLSERVER\DATA\TransactionLog_log.ldf’,
SIZE = 1024MB,
FILEGROWTH = 1024MB)
GO

— Identificar o tempo decorrido para processamento relacionado somente ao Log —
xp_readerrorlog
Go

— Desabilitando Trace Flags —
DBCC TRACEOFF (3004, 3605, -1);
Go

— Short Script 8 – Open Transaction in Tracking —

— Identificando as Transações abertas e seu respectivo consumo do Transaction Log —
SELECT
[s_tst].[session_id],
[s_es].[login_name] AS [Login Name],
DB_NAME (s_tdt.database_id) AS [Database],
[s_tdt].[database_transaction_begin_time] AS [Begin Time],
[s_tdt].[database_transaction_log_bytes_used] AS [Log Bytes],
[s_tdt].[database_transaction_log_bytes_reserved] AS [Log Rsvd],
[s_est].text AS [Last T-SQL Text],
[s_eqp].[query_plan] AS [Last Plan]
FROM sys.dm_tran_database_transactions [s_tdt] Inner JOIN sys.dm_tran_session_transactions [s_tst]
ON [s_tst].[transaction_id] = [s_tdt].[transaction_id]
Inner JOIN sys.[dm_exec_sessions] [s_es]
ON [s_es].[session_id] = [s_tst].[session_id]
Inner JOIN sys.dm_exec_connections [s_ec]
ON [s_ec].[session_id] = [s_tst].[session_id]
LEFT OUTER JOIN sys.dm_exec_requests [s_er]
ON [s_er].[session_id] = [s_tst].[session_id]
CROSS APPLY sys.dm_exec_sql_text ([s_ec].[most_recent_sql_handle]) AS [s_est]
OUTER APPLY sys.dm_exec_query_plan ([s_er].[plan_handle]) AS [s_eqp]
ORDER BY [Begin Time] ASC;
Go

É isso ai, missão cumprida! Mais uma relação de short scripts acaba de ser compartilhada, mesmo sendo denominados short entre aspas “pequenos”, posso garantir que todos estes exemplos são de grande importância, apresentam um valor e conhecimento do mais alto nível.

Quero agradecer ao amigo Luiz Mercante que colaborou com a criação e uso destes scripts em algumas palestras realizadas nos últimos anos no evento SQL Saturday.


Chegamos ao final de mais um Short Scripts, espero que este material possa lhe ajudar, ilustrando o uso de alguns recursos e funcionalidades do Microsoft SQL Server.

Acredito que você tenha observado que estes códigos são conhecidos em meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server publicados no decorrer dos últimos anos.

Boa parte deste material é fruto de um trabalho dedicado exclusivamente a colaboração com a comunidade, visando sempre encontrar algo que possa ser a solução de um determinado problema, bem como, a demonstração de como se pode fazer uso de um determinado recurso.

Links

Caso você queira acessar os últimos posts desta sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/12/09/short-scripts-dezembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/09/16/short-scripts-setembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/08/short-scripts-junho-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/31/short-scripts-marco-2017/

Agradecimento

Obrigado mais uma vez por sua visita, fico honrado com sua ilustre presença ao meu blog, desejo e espero que você possa ter encontrado algo que lhe ajudou.

Volte sempre, nos encontraremos mais uma vez na sessão Short Scripts no post do mês de maio de 2018.

Sucesso….

Material de Apoio – Fevereiro 2018


Boa tarde.

Tudo bem? E ai esta curtindo o carnaval?

Espero que sim, eu estou aqui mais uma vez procurando colaborar e compartilhar com a comunidade técnica em mais um post dedicado exclusivamente ao meu blog. Fico feliz em encontrar você aqui fazendo mais uma visita ao meu blog, neste feriado, espero que tenha gostado do conteúdo aqui encontrado.

O post de hoje

 

Seja bem-vindo a mais um post da sessão Material de Apoio, sendo o primeiro do ano de 2018 e de número 155 no total desta sessão.

Para aqueles que já acompanham o meu blog a um certo tempo, os posts dedicados a sessão Material de Apoio, possuem o objetivo de compartilhar o conhecimento de recursos, funcionalidades e procedimentos que podemos realizar no Microsoft SQL Server.

Hoje não será diferente, estou trazendo alguns dos mais recentes scripts  catalogados nos últimos meses, que atualmente estão compondo a minha galeria de códigos formada ao longo dos anos de trabalho como DBA e atualmente como Professor de Banco de Dados.

Neste post você vai encontrar arquivos relacionados com os seguintes temas:

  • Armazenamento de arquivos;
  • Cláusula Values;
  • Comando Select;
    Comando Top;
  • Endereço de e-mails;
  • Excel;
  • Grant All Permissions;
  • Impactos na Ordenação de dados;
  • Índices;
  • Ordenação de Colunas;
  • Passwords;
  • Performance;
  • Random Character;
  • Tabelas;
  • User Defined Function; e
  • Validação de dados.

Espero que este conteúdo possa lhe ajudar em seus atividades profissionais e acadêmicas. Por questões de compatibilidade com a plataforma WordPress.com, todos os arquivos estão renomeados com a extensão .doc ao final do seu respectivo nome, sendo assim, após o download torna-se necessário remover esta extensão, mantendo somente a extensão padrão .sql.

Material de Apoio

A seguir apresento a relação de arquivos  selecionados:

1 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Realizando a validação de endereços de e-mail.sql

2 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Impacto na Ordenação de Colunas em Índice – Comandos DML.sql

3 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Generating A Password in SQL Server with T-SQL from Random Characters.sql

4 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Simple SQL Server Function to Generate Random 8 Character Password.sql

5 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Comando Select em conjunto com comando Top e cláusula Values.sql

6 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Atribuindo Grant All para todas as tabelas.sql

7 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Como armazenar arquivos do Excel diretamente no SQL Server.sql

Fique a vontade para copiar, editar, compartilhar e distribuir estes arquivos com seus contatos, aproveite se possível deixe seu comentário, críticas, sugestões e observações.

Nota: Todos os arquivos disponibilizados foram obtidos ou criados com autorização de seus autores, sendo estes, passíveis de direitos autorais.

Links

Caso você queira acessar os posts anteriores da sessão, não perca tempo utilize os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/11/04/material-de-apoio-novembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/08/08/material-de-apoio-agosto-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/09/material-de-apoio-maio-2017/

Agradecimento

Quero agradecer imensamente a sua visita, ainda mais hoje neste feriadão prolongado de carnaval.

Não deixe de acessar os outros posts das demais sessões, o próximo post desta sessão será publicado no mês de abril, até lá continue curtindo sua vida e compartilhando suas experiência.

Até a próxima, sucesso….

Novo System Center Management Pack v7.0.2.0 para SQL Server


A Microsoft anunciou no último dia 05 de fevereiro no blog SQL Server Release Services a disponibilidade do System Center Management Pack v7.0.2.0 para as versões do SQL Server 2016, 2014, 2012 e 2008.

O Management Pack possibilita a descoberta e monitoramento de bancos de dados, agentes do SQL Server e outros componentes relacionados usando o System Center Operations Manager. De acordo com o anúncio da Microsoft, a versão 7.0.2.0 traz correções para múltiplos bugs. Um deles faz com que scripts de monitoramento falhem com o erro “No coercion operator is defined…”.

System Center Management Pack v7.0.2.0 para SQL Server

Faça o download do System Center Management Pack v7.0.2.0 para SQL Server

Download para SQL Server 2016
Download para SQL Server 2014
Download para SQL Server 2008 e 2012
Download para SQL Server Dashboards

Mais detalhes e a lista com os bugs corrigidos estão disponíveis no post com o anúncio da Microsoft.

Fontes e Direitos Autorais:  – 05/02/2018.

Dica do Mês – SQL Setup ToolSuite Introduction


Olá pessoal, muito boa tarde.

Tudo bem? Mais um dia de fortes chuvas aqui em São Roque e região, ainda bem que a internet até o presente  momento esta funcionando de forma razoável(é bom não elogiar muito)….

Estou retornado neste início de 2018 conforme prometido no último post da sessão Dica do Mês em 2017 com mais um post exclusivo desta sessão, daa mesma forma que o anterior apresentando algo diferente relacionado ao Microsoft SQL Server.

Neste post, quero compartilhar um conteúdo fresquinho que acabou de sair do forno, na verdade que acaba de ser liberado pelo time de engenheiros do Microsoft SQL Server dedicados exclusivamente ao suporte e desenvolvimento de soluções para o produto, conhecidos mundial como CSS SQL Server EngineersOfficial team Web Log for Microsoft Customer Service and Support (CSS) SQL Support. Caso você ainda não os conheça, não perca tempo acesse: https://blogs.msdn.microsoft.com/psssql/.

Continuando com o post, este fantástico time de profissionais mantidos pelo Microsoft esta a cada dia implementando novas soluções que nos permitem administrar, gerenciar e soluções problemas que o Microsoft SQL Server poderá apresentar em qualquer uma das atuais versões disponibilizadas nos últimos anos. Pensando justamente neste tipo de cenário o CSS SQL Server Engineers acabam de compartilhar uma nova suíte chamada de SQL Setup ToolSuite Introduction.

Ficou curioso em saber um pouco mais sobre esta nova suíte? Então vamos em frente, vou tentar matar a sua curiosidade. Sendo assim, seja bem vindo ao post – Dica do Mês – SQL Setup ToolSuite Introduction.

Você vai conhecer um pouco sobre esta suíte e suas ferramentas…


SQL Setup ToolSuite Introduction (1) – FixMissingMSI

Se você encontrou problemas de MSI/MSP armazenados em cache durante a instalação do SQL Server, você pode ter acessado o artigo: Como restaurar os arquivos de cache do Windows Installer ausentes e resolver problemas que ocorrem durante uma atualização do SQL Server. 

Pensando justamente neste cenário que o time do CSS desenvolveu esta ferramenta, sendo esta uma solução para contornar este tão frequente comportamento apresentado pelo setup de instalação do Microsoft SQL Server. A Figura 1 ilustra a tela da FixMissingMSI, clique na própria figura para realizar o download:Figura 1 – SQL Suíte ToolSetup Introduction – FixMissingMSI.

SQL Setup ToolSuite Introduction (2) – Product Browser

Através desta simples e prática ferramenta, temas a capacidade de obter informações sobre todos os produtos relacionados ao Microsoft SQL Server instalados em sua máquina, dentre elas local de instalação, patch, versão entre outras.

A Figura 2 abaixo ilustra a tela do Product Browser, clique na própria figura para realizar o download:

Figura 2 – SQL Suíte ToolSetup Introduction – Product Browser.

SQL Setup ToolSuite Introduction (3) – SQL Registry Viewer

Você pode querer saber quais chaves do registro serão adicionadas ao sistema para uma instalação do SQL Server. Se você usar alguma ferramenta de snapshot do registro para comparar a mudança de registros de janela antes e depois da instalação do SQL você vai encontrar há 40.000 ~ 60000 modificações acontecendo.

No entanto, se você estudar as modificações com cuidado você vai descobrir que a maioria deles não tem muito sentido, por exemplo, muitas modificações vão para HKLM\DRIVERS\DriverDatabase\DeviceIds\ entrada. As modificações mais interessantes são:

<>Installer related registry keys under
HKEY_CLASSES_ROOT\Installer and
Computer\HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Windows\CurrentVersion\Installer\UserData\S-1-5-18

<>COM+ related,Like
Computer\HKEY_CLASSES_ROOT\CLSID
Computer\HKEY_CLASSES_ROOT\Interface
Computer\HKEY_CLASSES_ROOT\TypeLib

<> SQL specific
Computer\HKEY_LOCAL_MACHINE\SOFTWARE\Microsoft\Microsoft SQL Server

<>Service
WOW6432Node

Agora com o SQL Registry Viewer, você poderá obter facilmente todo este conjunto de dados armazenados no registro do Windows, relacionados ao Microsoft SQL Server e seus componentes. A Figura 3 a seguir apresenta a tela desta excepcional ferramenta:

Figura 3 –  SQL Suíte ToolSetup Introduction – SQL Registry Viewer.

E ai gostou destas novas ferramentas que fazem parte da SQL Setup ToolSuite Introduction? Posso lhe dizer que gostei muito, já realizei o download e testei em minhas máquinas físicas e virtuais, mas vou confessar de todas elas a que eu mais gostei foi a SQL Registry Viewer. E você?

Quer deixar a sua opinião? Compartilhar a sua preferência?

Então vote na enquete abaixo escolhendo a ferramenta que mais você gostou e acredita que poderá lhe ajudar mais:

Sensacional, show, chegamos ao final de mais um post da sessão Dica do Mês, espero que você tenha gostado, com certeza estas novas ferramentas desenvolvidas pelo CSS SQL Server Engineers poderão lhe ajudar muito em suas atividades diárias.


Referências

https://blogs.msdn.microsoft.com/psssql/2018/01/24/sql-setup-toolsuite-introduction-1-fixmissingmsi/

https://blogs.msdn.microsoft.com/psssql/2018/01/24/sql-setup-toolsuite-introduction-2-product-browser/

https://blogs.msdn.microsoft.com/psssql/2018/01/24/sql-setup-toolsuite-introduction-3-sql-registry-viewer/

Posts Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/11/01/dicadomessql2017novascolunasinternas/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/08/26/dica-do-mes-simulando-a-insercao-de-uma-massa-de-dados-aleatoria/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/23/conhecendo-e-aplicando-o-uso-de-atualizacao-de-estatisticas-incrementais/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/13/dica-do-mes-microsoft-sql-server-identificando-as-transacoes-que-estao-utilizando-o-transact-log/

Conclusão

Falar, compartilhar informações, e um pouco do meu conhecimento sobre o Microsoft SQL Server é algo que me da um imensão prazer e satisfação. Mas saber que existe um time de profissionais focados diariamente na evolução, correções e melhorias do produto é um sentimento que faz a cada dia saber que tomei a decisão certa em meados do ano 2000, quando resolvi mudar totalmente a minha carreira e se dedicar exclusivamente a este produto e todo o seu conjunto de ferramentas, componentes, recursos e soluções.

Estas três novas ferramentas, são um pequeno pedaço existente do lado externo do Microsoft SQL Server que nos permite entender e analisar a grandeza do produto, não somente na sua capacidade de processamento e armazenamento de dados, mas sim no seu real tamanho, proporção de soluções e possibilidades de se contornar, corrigir e mitigar qualquer possibilidade de falha, perda de performance ou um simples erro durante o processo de instalação.

Foi pensando justamente neste cenário que estas novas ferramentas que formam a SQL Setup ToolSuite Introduction nos permite fazer, colentando informações de chaves de registro ou até mesmo identificar produtos instalados em nossas máquinas relacionados a o SQL Server.

Parece ser simples isso! Na verdade é algo muito além de um simples editor de texto para se montar uma query, é justamente um ambiente SGBD. Este é o universo do Microsoft SQL Server, criado a muito anos que esta sempre evoluindo, passando por transformações sem perder a sua essência.

Para os demais produtos que acreditam fazer o mesmo que ele, eu digo, sinto muito.

Agradecimentos

Quero deixar um agradecimento especial ao Team CSS SQL Server Engineers, profissionais do mais alto escalão e nível técnico, que a cada dia nos ajudam a conhecer e desvendar os diversos mistérios existentes nas versões e edições do Microsoft SQL Server.

Agora agradeço a você por sua atenção e visita ao meu blog. Fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, nos encontramos no próximo post a ser publicado no mês de março.

Vai SQL Server, Vai SQL Server…..

Sucesso e até mais.

Microsoft SQL Server Data Tools v15.5.1 para Visual Studio 2017 disponível


O SQL Server Data Tools v15.5.1 é uma ferramenta de desenvolvimento moderna que você pode baixar gratuitamente para criar bancos de dados relacionais do SQL Server, bancos de dados SQL do Azure, pacotes do Integration Services, modelos de dados do Analysis Services e relatórios do Reporting Services.

Com o SSDT, você pode projetar e implantar qualquer tipo de conteúdo do SQL Server com a mesma facilidade com que desenvolve um aplicativo no Visual Studio.

O SQL Server Data Tools v15.5.1 para Visual Studio 2017 está disponível para download aqui e é compatível com o Windows 7 SP1, Windows 8.1, Windows 10, Windows Server 2012 R2 e Windows Server 2016.

SQL Server Data Tools v15.5.1 para Visual Studio 2017Esta versão do SSDT pode ser instalada nos seguintes idiomas:

Chinês (República Popular da China) | Chinês (Taiwan) | Inglês (Estados Unidos) | Francês | Alemão | Italiano | Japonês | Coreano | Português (Brasil) | Russo | Espanhol

De acordo com o changelog, esta versão traz a correção de um problema no qual o instalador trava na pós-instalação do SQL Server Integration Services e a correção de um problema no qual a instalação falha com a seguinte mensagem de erro: “Não há suporte para a operação de metarquivo solicitada (0x800707D3)”.

IMPORTANTE: Antes de instalar o SSDT v15.5.1 para Visual Studio 2017, desinstale as extensões “Projetos do Microsoft Analysis Services” e “Projetos do Microsoft Reporting Services”, caso eles já estejam instalados no VS 2017 e feche todas as instâncias do VS.

Mais informações sobre o SQL Server Data Tools podem ser encontradas aqui. Ele também possui uma versão para o Visual Studio 2015.

Fontes e Direitos Autorais: https://docs.microsoft.com/pt-br/sql/ssdt/changelog-for-sql-server-data-tools-ssdt

#19 – Para que serve


Salve galera, boa tarde.

Feliz Ano Novo, Feliz 2018, o tempo passou e hoje dia 02/01 nos encontramos no primeiro dia útil para grande maioria da população mundial, mas que dureza pensar que temos mais 365 dias pela frente para superarmos, por outro lado que bom pensar assim.

Neste primeiro post de 2018 não vou trazer nenhuma novidade relacionada ao Microsoft SQL Server ou banco de dados, mas sim compartilhar como faço em alguns momentos, conceitos já conhecidos da grande maioria.

Hoje quero trazer para vocês um dos assuntos mais discutidos quando estamos trabalhando com nossos servidores de banco de dados, estou me referindo ao período de processamento do comando select dentro de um bloco de transação conhecido como Ciclo de Vida de Query através do comando Select.

Sendo assim, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre o primeiro post de 2018, post de número 19 da sessão Para que serve. Então seja bem vindo ao #19 – Para que serve – Ciclo de Vida de Query através do comando Select.


Introdução

Um dos comandos mais utilizados em qualquer Sistema Gerenciador de Banco de Dados ou propriamente um Banco de Dados é o comando Select, sendo este responsável em recuperar linhas do banco de dados e permite a seleção de uma ou várias linhas ou colunas de uma ou várias tabelas, no Microsoft SQL Server isso não é diferente.

Basicamente ao se executar um comando Select podemos estar trabalhando com uma simples query ou conjunto de querys que podem formar uma ou mais transações, é com base neste cenário que o comando Select composto por sua conjunto de argumentos e opções permite estabelecer um ciclo de vida dedicado exclusivamente ao seu período de compilação, execução e encerramento.

Desta forma, algumas perguntas podem surgir decorrentes do seu processo de processamento, dentre as quais destaco:

  1. Quais são as etapas para o processamento de um select? 
  2. Onde inicia e onde termina cada processo?

De uma maneira bastante simples e direta vou tentar responder estas questões, iniciando pela organização da estrutura de componentes utilizadas pelo comando Select, conhecidos como:

  • Relation Engine;
  • Storage Engine; e
  • Buffer Pool.
  1. Relational Engine é responsável pelos processos de Query Optmizer, Query Executor e Parse entre outros, avaliando toda a parte algébrica, sintaxe e plano de execução da Query.
  2. Storage Engine é o cara do I/O, responsável pelo gerenciamento e requisições de disco, alocações, Access Methods Code, Buffer Manager e Transaction MGR.
  3. Buffer Pool tem vários papeis, mas, um dos mais importantes é o gerenciamento de memória para o plano de execução e alocação de páginas no data cache.

A Figura 1 apresentada abaixo ilustra um modelo básico da estrutura de relação entre estes componentes:

Figura 1 – Estrutura dos componentes utilizados pelo comando select.

Logicamente, dentro de cada componente podemos encontrar diversos subcomponentes que formam sua estrutura, responsáveis por diversas ações e procedimentos, formando um ecossistema único para cada elemento, dentre eles destaco o Query Optimizer com suas diversas fases de otimização para gerar o plano de execução mais assertivo.

O Ciclo (Select)

O primeiro passo é estabelecer a conexão entre aplicação (ERP, CRM, Web, etc…) e o SQL Server. Para isso, é utilizado um protocolo chamado Network Interface (SNI). No fundo o SNI utiliza um outro protocolo, na verdade, podem existir vários protocolos e o mais conhecido é o famoso TCP/IP.

A Figura 2 abaixo ilustra o inicio do ciclo de vida do comando select através do acesso feito por uma aplicação:

Figura 2 – Representação do inicio do ciclo de vida do comando select.

Ao realizar a conexão através da comanda e do protocolo (TCP/IP), os pacotes TDS (Tabular Data Stream Endpoints) são encaminhados ao Protocolo Layer, que tem como papel “reconhecer e interpretar” o pacote e validar a informação, assim como sua origem (client). Após isso o conteúdo (SQL Command) do pacote é enviado ao Command Parse.

A Figura 3 apresenta o comportamento do Command Parse após o processo de reconhecimento e interpretação do pacote contendo o comando select ser realizado:

Figura 3 – Comportamento do Command Parse após o processo de reconhecimento dos pacotes.

Neste cenário o CMD Parser vai fazer o seu trabalho, primeiro validando o T-SQL, checando sintaxe, nomes de objetos, parâmetros, palavras chaves. A segunda parte é procurar no Buffer Pool se já existe um plano de execução compatível para está query, se sim, ele recupera este plano e executa (Query Executor), caso contrário, passa o result da análise (Query Tree) para o Query Optmizer que é o responsável por gerar o Execution Plan (plano de execução) que será usado na execução (próxima etapa) do ciclo.

Ao receber as instruções o Query Optimizer,  identifica a query realizando diversas etapas (fases 0,1,2) de otimização, afim de encontrar o plano mais eficiente, com base no “cost-based” (I/O, CPU). Nesta etapa as estatísticas são utilizadas servindo como Input de informação para tomada de decisão do Query Optimizer. Após o termino desta etapa, o plano de execução está pronto, passando o bastão para o Query Executor

O Query Executor é quem executa a Query, na verdade ele executa o plano de execução, colocando os operadores para trabalhar. É neste ponto também que ocorre a interação com a Storage Engine via interface Access Methods (OLE DB).

Seguindo em frente, Access Methods passa a solicitação para o Buffer Manager recuperar a página de dados, se a página especifica estiver em memória, o Buffer Pool solicita ao Data Cache que recupere a pagina, e retorna ao Access Methods (leituras logicas). Ao contrário, os dados são recuperados do disco (leituras físicas), colocados em cache e devolvendo o controle para o Access Methods. 

De posse dos dados, o Access Methods devolve a informação para o Relational Engine que será enviada ao Client que a solicitou, assim o resultando do comando select é apresentado na tela da aplicação exibindo assim os dados solicitados pelo usuário. Desta maneira, nosso ciclo ou melhor o ciclo de vida do comando select esta concluído, conforme a Figura 4 apresenta abaixo:

Figura 4 – Ciclo de vida do comando select concluído e dados apresentados para o usuário.

Com isso chegamos ao final do primeiro post de 2018 e post de número 19 da sessão Para que serve.


Referências

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/queries/select-transact-sql

https://technet.microsoft.com/en-us/library/ms189559(v=sql.90).aspx

http://www.sqlservergeeks.com/sql-server-architecture-part-2-the-relational-engine/

https://blogs.msdn.microsoft.com/tcaserta/2016/01/04/sql-server-fundamentos-storage-engine-parte-i/

https://blogs.msdn.microsoft.com/tcaserta/2016/01/04/sql-server-fundamentos-storage-engine-parte-i/

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/12/15/18-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/11/24/17-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/10/01/16-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/28/15-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/30/14-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/25/13-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

Conclusão

Como sempre a Microsoft e toda sua equipe nos surpreende com sua capacidade de trabalho, fortalecendo cada vez mais o Microsoft SQL Server não somente com um SGBD ou ferramenta de banco de dados, mas sim um ambiente completo para qualquer tipo de análise, desenvolvimento e administração que esteja relacionada com dados.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, surpreendente em todos os sentidos…

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua ilustre visita, sinto-me honrado com sua presença, espero que este conteúdo possa lhe ajudar e ser útil em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Um forte abraço, até o próximo post da sessão Para que serve…..

Valeu.

Short Scripts – Dezembro 2017


Hello World, muito, mas muito bom dia….

Mais um sábado começando, justamente hoje que excepcionalmente eu não vou trabalhar e deveria estar dormindo estou aqui aproveitando um pouco do meu tempo para me dedicar a outra enorme paixão, meu blog e meu seguidores que estão me ajudando desde o começo deste ano a aumentar de forma considerável a audiência dos meus posts e sessões aqui compartilhadas.

Como promessa é dívida e deve ser cumprida “ou melhor” compartilhada, estou compartilhando a minha feita a exatos três meses no final do último post da sessão Short Scripts, hoje publicando mais um conjunto de scripts adicionados a minha biblioteca particular de códigos e exemplos nos últimos meses.

O post de hoje

Como de costume selecionei os principais scripts armazenados recentemente na minha biblioteca de códigos, que apresentam os seguintes assuntos:

  • Armazenamento de arquivos;
  • Construção de Frases;
  • Conversão de caracteres;
  • Data Type Money;
  • Excel;
  • Grant All Permissions;
  • Operador Cube;
  • Operador Rollup;
  • Select Recursivo;
  • Sequência Numérica;
  • Views;
  • XP_DirTree;
  • XML Path.

Chegou a hora, mãos nos teclados, a seguir apresento os códigos e exemplos selecionados para o Short Script – Dezembro 2017. Vale ressaltar que todos os scripts publicados nesta sessão foram devidamente testados, mas isso não significa que você pode fazer uso dos mesmo em seu ambiente de produção, vale sim todo cuidado possível para evitar maiores problemas.

Fique a vontade para compartilhar, comentar e melhorar cada um destes códigos.

Short Scripts

— Short Script 1  – Armazenando arquivos do Excel diretamente no SQL Server —
Set Nocount On
Go

Create Table FileList
(id int identity(1,1) primary key clustered,
FileName varchar(max))
Go

Create Table #TempTable
(id int identity(1,1) primary key clustered,
FileName varchar(max),
FileDepth int,
FileID int)
Go

Create Table dbo.TestBlob
(tbId int IDENTITY(1,1) NOT NULL,
tbName varchar (50) NULL,
tbDesc varchar (100) NULL,
tbBin varbinary (max) NULL)
Go

Insert Into #TempTable
EXEC master.sys.xp_dirtree ‘E:\ExcelOutput’,0,1;
Go

Select * from #TempTable
Go

Declare @I int=0, @FileName varchar(max), @Count int

Select * into #TempFileList from FileList
Set @Count=(Select count(*) from #TempFileList)

Declare @SQLText nvarchar(max)
While (@i<@Count)
 Begin

Set @FileName=(select top 1 FileName from #TempFileList)
  Set @SQLText=’Insert TestBlob(tbName, tbDesc, tbBin) Select ”’+@FileName+”’,”Files”,
  BulkColumn from Openrowset( Bulk ”’+@FileName+”’, Single_Blob) as tb’

  Print @SQLText
  Delete from #TempFileList where FileName=@FileName
  Set @I=@I+1
 End

Select tbID as ID,
tbName as ‘File Name’,
tbBin as ‘Converted file’
from TestBlob
Go

Drop Table #TempFileList
Go

— Short Script 2  – Convertendo caracteres diretamente para o formato e data type Money —
SELECT ‘1,,,,,,’+$0
Go

— Short Script 3  – Criando uma frase através de um Select Recursivo —
Create Table myWords
(RowID Int,
Word Varchar(20))
Go

Insert Into myWords Values(1, ‘This’),(2, ‘is’),(3, ‘an’),(4, ‘interesting’),
(5,’table’)

Declare @Sentence as varchar(8000)
SET @Sentence = ”

SELECT @Sentence = @Sentence + word + ‘ ‘
FROM myWords
ORDER BY RowID

PRINT @Sentence
Go

— Short Script 4  – Utilizando XML Path para gerar uma sequência numérica —
Declare @MyTable Table
(MyID Int)

Insert Into @MyTable Values(1),(2),(3),(4),(5)
Go

— Execução 1 —
Select MyID as “text()”, ‘;’ as “text()” from @MyTable for xml path(”)
Go

— Execução 2 —
Select MyID + ‘;’ as “text()” from @MyTable for xml path(”)
Go

— Short Script 5  – Atribuindo Grant All para todas tabelas em um Banco de Dados —

USE MyDatabase
Go

If EXISTS (Select [name] FROM master..sysdatabases WHERE [name] = ‘MyDatabase’)
Begin

Print ‘Updating Permissions for MyDatabase’
Print ‘ ‘

Declare @tablename varchar(255), @tablename_header varchar(255)

Declare tnames_cursor CURSOR FOR
Select name FROM MyDatabase..sysobjects
WHERE type = ‘U’

Open tnames_cursor
Fetch Next From tnames_cursor INTO @tablename

While (@@Fetch_status <> -1)
Begin

If (@@Fetch_status <> -2)
Begin
Select @tablename_header = ‘Updating ‘ + ‘MyDatabase..’ + RTrim(UPPER(@tablename) )
Print @tablename_header
Exec (‘Grant All on ‘ + @tablename +’ to shanewiso’)
End

Fetch Next From tnames_cursor INTO @tablename
End

Deallocate tnames_cursor
End
Go

— Short Script 6  – Diferença entre os operadores Rollup e Cube —
Create Table Funcionarios
(Codigo Int Primary Key,
Nome VarChar(50) Not Null,
Sexo VarChar(10) Not Null,
Salario Int Not Null,
Departamento VarChar(50) Not Null)
Go

Insert Into Funcionarios
Values
(1, ‘David’, ‘Masculino’, 5000, ‘Sales’),
(2, ‘Jim’, ‘Feminino’, 6000, ‘HR’),
(3, ‘Kate’, ‘Feminino’, 7500, ‘IT’),
(4, ‘Will’, ‘Masculino’, 6500, ‘Marketing’),
(5, ‘Shane’, ‘Feminino’, 5500, ‘Finance’),
(6, ‘Shed’, ‘Masculino’, 8000, ‘Sales’),
(7, ‘Vik’, ‘Masculino’, 7200, ‘HR’),
(8, ‘Vince’, ‘Feminino’, 6600, ‘IT’),
(9, ‘Jane’, ‘Feminino’, 5400, ‘Marketing’),
(10, ‘Laura’, ‘Feminino’, 6300, ‘Finance’),
(11, ‘Mac’, ‘Masculino’, 5700, ‘Sales’),
(12, ‘Pat’, ‘Masculino’, 7000, ‘HR’),
(13, ‘Julie’, ‘Feminino’, 7100, ‘IT’),
(14, ‘Elice’, ‘Feminino’, 6800,’Marketing’),
(15, ‘Wayne’, ‘Masculino’, 5000, ‘Finance’)
Go

— Agrupamento simples através de Group By através da coluna Departamento —
Select Departamento,
Sum(Salario) As Salario_Sum
From Funcionarios
Group By Departamento
Go

— Utilizando operador Rollup para gerar totais e subtotais com base na coluna Departamento —
Select Coalesce (Departamento, ‘Departamentos’) As Departamento,
Sum(Salario) As Salario_Sum
From Funcionarios
Group By Rollup (Departamento)
Go

— Procurando subtotais através do operador Rollup para colunas Departamento e Sexo —
Select Coalesce (Departamento, ‘Departamentos’) As Departamento,
Coalesce (Sexo,’Sexos’) As Sexo,
Sum(Salario) As Salario_Sum
From Funcionarios
Group By Rollup (Departamento, Sexo)
Go

— Utilizando o Operador Cube para gerar todas as possíveis combinações de agrupamentos de dados através das colunas Departamento e Sexo —
Select Coalesce (Departamento, ‘Departamentos’) As Departamento,
Coalesce (Sexo,’Sexos’) As Sexo,
Sum(Salario) As Salario_Sum
From Funcionarios
Group By Cube (Departamento, Sexo)
Go

— Short Script 7  – Identificando a relação de colunas utilizadas em uma view —
— Exemplo 1: Utilizando Information_Schema —

SELECT * FROM INFORMATION_SCHEMA.VIEW_COLUMN_USAGE AS UsedColumns
WHERE UsedColumns.VIEW_NAME=’NameofView’
Go

— Exemplo 2: Utilizando DMVs —
SELECT
v.name AS ViewName,
c.name AS ColumnName,
columnTypes.name AS DataType,
aliases.name AS Alias
FROM sys.views v INNER JOIN sys.sql_dependencies d
ON d.object_id = v.object_id
INNER JOIN .sys.objects t
ON t.object_id = d.referenced_major_id
INNER JOIN sys.columns c
ON c.object_id = d.referenced_major_id
INNER JOIN sys.types AS columnTypes
ON c.user_type_id=columnTypes.user_type_id
AND c.column_id = d.referenced_minor_id
INNER JOIN sys.columns AS aliases
On c.column_id=aliases.column_id
AND aliases.object_id = object_id(‘[SchemaName].[ViewName]’)
WHERE v.name = ‘ViewName’;
Go

Show, missão cumprida! Mais uma relação de short scripts acaba de ser compartilhada, mesmo sendo denominados short entre aspas “pequenos”, posso garantir que todos estes exemplos são de grande importância, apresentam um valor e conhecimento do mais alto nível.


Chegamos ao final de mais um Short Scripts, espero que este material possa lhe ajudar, ilustrando o uso de alguns recursos e funcionalidades do Microsoft SQL Server.

Acredito que você tenha observado que estes códigos são conhecidos em meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server publicados no decorrer dos últimos anos.

Boa parte deste material é fruto de um trabalho dedicado exclusivamente a colaboração com a comunidade, visando sempre encontrar algo que possa ser a solução de um determinado problema, bem como, a demonstração de como se pode fazer uso de um determinado recurso.

Links

Caso você queira acessar os últimos posts desta sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

Agradecimento

Obrigado mais uma vez por sua visita, fico honrado com sua ilustre presença ao meu blog, desejo e espero que você possa ter encontrado algo que lhe ajudou.

Volte sempre, nos encontraremos mais uma vez na sessão Short Scripts no post do mês de fevereiro de 2018.

Um forte abraço, feliz natal e próspero ano novo.

Curso de Extensão – Fundamentos de Data Warehouse e BI


Olá pessoal, bom dia.

Tudo bem?

Em parceria com a Fundação FAT e Fatec São Roque, estarei realizando no mês de outubro um novo curso de extensão voltado para área de análise de dados, mais especificamente sobre Data Warehouse e Business Intelligence.

Ficou interessado sobre o curso? A seguir você poderá encontrar maiores detalhes e informações.

INSCRIÇÕES
Entre 20 de Setembro a 10 de Outubro de 2017
Modalidade Presencial : 28 horas aulas distribuídas ao longo de 07 dias.
Realização : nos dias 16, 17, 18, 19, 20, 23 e 24 de Outubro de 2017 . 
Horário 01 (uma) turma : das 08:00 as 12:00h

CURSO
Este curso visa transmitir aos alunos os conhecimentos básicos dos sistemas de informação de uma empresa, com ênfase na utilização do sistema de apoio a decisão como importante sustentação para otimizar os resultados desejados, mediante a coleta, seleção, armazenamento, processamento e recuperação de dados para prover os executivos das informações relevantes, passadas, presentes e futuras, sobre a empresa e o ambiente, possibilitando tomadas de decisão com o mínimo de incerteza. 

Permitir uma visão clara das técnicas aplicáveis para a construção de um data warehouse, ferramentas, recursos e ciclo de vida, para o desenvolvimento de projetos de data warehouse, que é ajustado às necessidades do negócio


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
• Conceitos básicos. 
• Sistemas de Apoio à Decisão. 
• Os Ecossistemas de Informação. 
• O Ciclo de Vida do DW: Planejamento e Administração, Levantamento de Requisitos, Arquiteturas e Business Intelligence.

METODOLOGIA

• Exercícios práticos em laboratório e prova valendo nota para aprovação
• Serão aprovados e receberão o Certificado de Conclusão do Curso os alunos que cumprirem todas as atividades obrigatórias estabelecidas pela 
avaliação, nos prazos determinados e atingirem níveis de qualidade compatíveis com os objetivos de formação estabelecidos pelo Plano de Curso.

LOCAL E REALIZAÇÃO
Campus da FATEC São Roque
Investimento: R$ 200,00 ou Matricula (R$ 100,00) + 01 parcela (R$ 100,00) – Boleto Bancário.
Dúvidas: Pedro Antonio Galvão Junior – pedro.galvao3@fatec.sp.gov.br

Para realizar a inscrição clique aqui


Agradeço a sua atenção, nos encontramos em breve.

Até mais.

Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.6


A Microsoft disponibilizou para download nesta semana o Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.6. Disponível para MySQL, SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase), Oracle Database, IBM DB2 e Access, o Microsoft SQL Server Migration Assistant é uma ferramenta gratuita que simplifica o processo de migração destes produtos para o SQL Server e Azure SQL.

A ferramenta automatiza todos os aspectos da migração. A versão 7.6 inclui o suporte para:

– Migração do MySQL 4.1 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2008, SQL Server 2008 R2, SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

– Migração do Access 97 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

– Migração do SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase) 11.9 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2008, SQL Server 2008 R2, SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

– Migração do Oracle Database 9.0 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2008, SQL Server 2008 R2, SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, Azure SQL DB e Azure SQL Data Warehouse.

– Migração do IBM DB2 9.0 e 10.0 no z/OS e das versões 9.7 e 10.1 no Linux/Unix/Windows para o SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017 e Azure SQL DB.

IMPORTANTE: A versão 32 bits da ferramenta foi descontinuada. Ela está disponível agora somente para plataformas 64 bits.

Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.6

Baixe o Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.6

Download da versão 7.6 para MySQL
Download da versão 7.6 para Access
Download da versão 7.6 para SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase)
Download da versão 7.6 para Oracle Database
Download da versão 7.6 para IBM DB2

O Microsoft SQL Server Migration Assistant v7.6 é compatível com o Windows 10, Windows 7, Windows 8, Windows 8.1, Windows Server 2008 R2, Windows Server 2012, Windows Server 2012 R2 e Windows Server 2016. Ele também requer o .NET Framework 4.5.2 ou posterior.

As páginas de download também listam alguns requisitos específicos, como MySQL Connector/ODBC e SAP ASE OLEDB/ADO.Net/ODBC provider.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – https://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=54258&WT.mc_id=rss_alldownloads_all – 25/09/2017.

Dica do Mês – Simulando a inserção de uma massa de dados aleatória


Olá pessoal, boa tarde.

Estou retornando com mais um post da sessão Dica do Mês, onde hoje vou compartilhar algo que poderá lhe ajudar de maneira simples e direta em suas atividades relacionadas a simulação de manipulação de dados no Microsoft SQL Server.

Acredito que em algum momento você já teve a necessidade de inserir dezenas, centenas ou até mesmo milhares de linhas em uma determinada tabela em seus bancos de dados, se você ainda não passou por esta necessidade pode ter a certeza que em algum momento isso poderá lhe acontecer.

Pensando justamente nisso, vou compartilhar no post de hoje um script de minha autoria que utilizo justamente para realizar esta inserção de dados aleatórios em uma tabela específica sem levar em consideração a qualidade e veracidade dos dados, como também regras de integridade referencial ou normalização.

Sendo assim, seja bem vindo ao post – Dica do Mês – Simulando a inserção de uma massa de dados aleatória.

Bom divertimento……


Introdução

A necessidade de se trabalhar com um volume considerável de dados pode ser algo bastante comum para muitos profissionais de bancos de dados, para outros nem tanto.

Este pode parecer um cenário bastante complexo, que venha a exigir um grande conhecimento técnico ou até mesmo o uso de ferramentas de terceiros para tal finalidade. Mas na sua grande maioria os recursos existentes no próprio Microsoft SQL Server nos permite criar scripts ou blocos de códigos capazes de realizar tão procedimento sem requerer a obtenção ou exigência de um alto nível de conhecimento.

Nosso Cenário

Afim de tentar ilustrar como podemos realizar este tipo de procedimento em um ambiente de banco de dados, vamos trabalhar com um ambiente de banco de dados bastante simples e que apresenta baixa complexidade.

Nosso ambiente será forma por uma única tabela denominada MassaDeDados, composta pela seguinte estrutura de colunas:

  • Codigo;
  • ClienteID;
  • VendedorID;
  • Quantidade;
  • Valor; e
  • Data

A coluna denominada Codigo será definida como nossa coluna chave primária artificial numerada de forma sequência próprio SQL Server, tento como finalidade evitar a duplicação de registros e principalmente ser utilizada como atributo de busca e pesquisa de nossos dados. As demais colunas estarão sendo utilizadas como atributos complementares para ilustrar a capacidade de geração de dados aleatórios e posteriormente inseridos em nossa tabela MassaDeDados.

A seguir apresento o Bloco de Código 1, utilizado para criação da tabela MassaDeDados:

— Bloco de Código 1 —

Create Table MassaDeDados
(Codigo int IDENTITY(1,1) NOT NULL Primary Key,
ClienteId int NOT NULL,
VendedorId varchar(10) NOT NULL,
Quantidade smallint NOT NULL,
Valor numeric(18, 2) NOT NULL,
Data date NOT NULL)
Go

Perfeito, note que este bloco de código é bastante simples, nosso próximo passo será justamente trabalhar com o bloco de código que nos permitirá gerar o volume de dados aleatórios inseridos na sequência dentro da tabela MassaDeDados, para tal procedimentos vamos utilizar o Bloco de Código 2 apresentado abaixo:

— Bloco de Código 2 —

Declare @Texto Char(130), @Posicao TinyInt, @ContadorLinhas Int

Set @Texto = ‘0123456789@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ\_abcdefghijklmnopqrstuvwxyzŽŸ¡ÀÁÂÃÄÅÆÇÈÉÊËÌÍÎÏÐÑÒÓÔÕÖÙÚÛÜÝàáâãäåæçèéêëìíîïðñòóôõöùúûüýÿ’ — Existem 130 caracteres neste texto —

Set @ContadorLinhas = Rand()*100000 — Definir a quantidade de linhas para serem inseridas —

While (@ContadorLinhas >=1)
Begin

Set @Posicao=Rand()*130

 

If @Posicao <=125
Begin
Insert Into MassaDeDados (ClienteId, VendedorId, Quantidade, Valor, Data)
Values(@ContadorLinhas,
Concat(SubString(@Texto,@Posicao+2,2),SubString(@Texto,@Posicao-4,4),SubString(@Texto,@Posicao+2,4)),
Rand()*1000,
Rand()*100+5,
DATEADD(d, 1000*Rand() ,GetDate()))

End
Else
Begin
Insert Into MassaDeDados (ClienteID, VendedorID, Quantidade, Valor, Data)
Values(@ContadorLinhas,
Concat(SubString(@Texto,@Posicao-10,1),SubString    (@Texto,@Posicao+4,6),SubString(@Texto,@Posicao-12,3)),
Rand()*1000,
Rand()*100+5,
DATEADD(d, 1000*Rand() ,GetDate()))

End

Set @ContadorLinhas = @ContadorLinhas – 1
End

Observação: Note que estou utilizando a função Concat() para realizar a concatenação dos dados sem a necessidade de conversão implícita, sendo esta função recurso adicionado a partir da versão 2012 do SQL Server, caso você esteja utilizando uma versão anterior remova a função Concat() e aplique a concatenação utilizando o operador de soma.

Agora basta executar o bloco de código e verificar o resultado obtido, no meu caso após a execução deste mesmo exemplo obtive o resultado apresentado pela Figura 1 apresentada abaixo:

Figura 1 – Massa de Dados aleatórios inseridos na tabela MassaDeDados.

Observando a Figura 1, torna-se fácil analisar o conjunto de dados aleatórios inseridos em cada coluna de nossa tabela, como também, a quantidade de linhas inseridas sendo um total de 41.857 linhas de registros.

Inicialmente o tamanho do bloco de código poderá parecer complexo ou até mesmo confuso, mas na verdade não é bem assim, o grande segredo esta justamente no uso da variável @Texto que apresenta um conjunto de 130 caracteres que podemos utilizar no processo de geração do nosso volume aleatório de dados.

Outro fator muito importante é o uso da função RAND() que nos possibilidade o sorteio de números decimais, algo que ajuda bastante quando queremos trabalhar com faixas de valores distintos.

Vale ressaltar que a função RAND trabalhar com valores decimais, para que seja possível realizar o sorteio aleatório de números e depois transformar em números inteiros temos a necessidade de utilizar variáveis que trabalhem com tipos de dados inteiros, neste caso: TinyInt, SmallInt, Int ou BigInt, caso contrário os valores retornados por esta função será sempre tratados e apresentados no formato de números decimais.

Com isso chegamos ao final de mais um post da sessão Dica do Mês, espero que você tenha gostado.

Referências

https://technet.microsoft.com/pt-br/library/ms177610(v=sql.105).aspx

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/data-types/data-types-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/language-elements/declare-local-variable-transact-sql

https://technet.microsoft.com/pt-br/library/hh231515(v=sql.110).aspx

Posts Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/23/conhecendo-e-aplicando-o-uso-de-atualizacao-de-estatisticas-incrementais/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/13/dica-do-mes-microsoft-sql-server-identificando-as-transacoes-que-estao-utilizando-o-transact-log/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/01/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2016-sp1-novo-argumento-use-hint-disponivel-para-query-hints/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/16/dica-do-mes-conhecendo-a-nova-dmf-sys-dm_exec_input_buffer-no-microsoft-sql-server-2016/

Conclusão

Em diversos cenários temos a necessidade de imaginar diversas possibilidades para se obter a solução de um problema que inicialmente se apresenta com algo de outro mundo, por outro lado realizando uma análise com calma e simulando diversos cenários esta possível solução tão “misteriosa” e “complexa” pode estar na frente de nossos olhos.

No post de hoje isso não foi diferente, realizar a inserção de um volume aleatório e fictício de dados dentro do Microsoft SQL Server pode ser feito de forma bastante simples e prática, sem requerer qualquer tipo ferramentas adicionais ou conhecimento de alto nível.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, nos encontramos no próximo post a ser publicado no mês de outubro.

Valeu….