Short Scripts – Fevereiro 2018 – Transaction Log


Olá, bom dia, mais uma semana começando….

E você já esta aqui acessando o meu blog, que alegria poder te encontrar em mais um post da sessão Short Scripts, uma das sessões mais recentes do meu blog que esta alçando a marca de 32 posts, sendo estes publicados trimestralmente.

Mantendo a tradição estou retornando com mais um conjunto de “pequenos” scripts catalogados e armazenados em minha biblioteca pessoal de códigos relacionados ao Microsoft SQL Server e sua fantástica linguagem de desenvolvimento Transact-SQL.

Mas como este é o primeiro post desta sessão em 2018, farei algo um pouco diferente, você terá uma pequena surpresa.

Desejo que o conteúdo aqui compartilhado possa lhe ser útil, como também sirvo de referência e sugestões para novas formar de resolução de problemas e aprendizado.

Vamos então conhecer um pouco mais sobre este novo post….

O post de hoje

Como já destacado no início do post, ao invés de compartilhar os últimos scripts adicionados a  minha biblioteca, quero dividir com você um conteúdo dedicado especificamente a um assunto muito importante quando nos referimos ao Microsoft SQL Server, mais especificamente ao Transaction Log (Log de Transações), funcionalidade presente em todos os bancos de dados criados em qualquer versão e edição do SQL Server.

E ai que você achou desta surpresa, gostou? Eu gostei, não é fácil você conseguir encontrar em um único local um conteúdo focado exclusivamente a este assunto tão importante, que muitos profissionais que trabalham com banco de dados até hoje não conseguem entender o conceito e forma de atuação do Transaction-Log.

Seguindo em frente, a seguir apresento os códigos e exemplos selecionados para o Short Script – Fevereiro 2018 – Transaction Log. Vale ressaltar que todos os scripts publicados nesta sessão foram devidamente testados, mas isso não significa que você pode fazer uso dos mesmo em seu ambiente de produção, vale sim todo cuidado possível para evitar maiores problemas.

Short Scripts

Fique a vontade para compartilhar, comentar e melhorar cada um destes códigos:

— Short Script 1 – Log Record —

— Altera o Recovery Model para SIMPLE
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY SIMPLE
Go

— Truncar o Transaction Log —
CHECKPOINT
Go

— Conteúdo do log – todas as colunas —
USE AdventureWorks2016
Select * from ::fn_dblog(null, null)
Go

–update
Begin Transaction

UPDATE dbo.Pessoa
SET nome = ‘XUXA’
Where ID=3

Rollback
Go

— Conteúdo armazenado no Log File —
Select [Current LSN],
Operation,
Context,
[Transaction ID],
[Log Record Length],
[Previous LSN],
AllocUnitName,
[Page ID],
[Slot ID],
[Checkpoint Begin],
[Checkpoint End],
[Minimum LSN],
SPID,
[Begin Time],
[Transaction Name],
[Parent Transaction ID],
[Lock Information],
Description,
[RowLog Contents 0],
[RowLog Contents 1],
[Log Record]
From ::fn_dblog(null, null)
Go

— DBCC SQLPERF —
DBCC SQLPERF(LOGSPACE)
Go

— Short Script 2 – CheckPoint —

— Criando a Base de Dados —
CREATE DATABASE DemoCheckpoint
ON PRIMARY
(NAME = ‘DemoCheckpoint_data’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\DemoCheckpoint_data.mdf’)
LOG ON
(Name = ‘DemoCheckpoint_Log’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\DemoCheckpoint_log.ldf’,
SIZE = 100MB,
FILEGROWTH = 10MB)
GO

— Alterando o Recovery Model —
ALTER DATABASE DemoCheckpoint
SET RECOVERY SIMPLE
Go

— Criando a Tabela Teste —
USE DemoCheckpoint
GO

CREATE TABLE Teste
(C1 varchar(50) NOT NULL,
C2 varchar(50) NOT NULL)
GO

— Forçando o Checkpoint —
CHECKPOINT
Go

— Abrir o Perfmon com os contadores

— em outra sessão
USE DemoCheckpoint
GO

WHILE 1=1
BEGIN

INSERT INTO dbo.teste
VALUES (‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’)
END

— Short Script 3 – Log Chain Simple —

— Iniciar nova sessão do Perfmon —
SELECT name, recovery_model_desc
FROM sys.databases
WHERE name = ‘AdventureWorks2016’
Go

— Alterar Recovery Model para Simple —
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY SIMPLE
Go

— Abrir nova Query —
USE AdventureWorks2016
Go

WHILE 1=1
BEGIN
INSERT INTO dbo.pessoa
VALUES (‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’)
END

— Alterar Recovery Model para Full —
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY FULL
GO

— Realizar Backup Database —
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016
TO DISK = ‘d:\backupcompress.bak’
WITH COMPRESSION,
DIFFERENTIAL
GO

— Short Script 4 – DBCC LogInfo —

— Criando uma nova base de dados —
CREATE DATABASE TestDB
ON PRIMARY
(NAME = ‘TestDB_data’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\TestDB_data.mdf’)
LOG ON
(Name = ‘TestDB_Log’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\TestDB_log.ldf’,
SIZE = 10MB,
FILEGROWTH = 10MB)
GO

— Obtendo informações sobre a base de dados —
DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

–Forçando o crescimento do Transact-Log manualmente em 20MB —
ALTER DATABASE TestDB
MODIFY FILE
(NAME = ‘TestDB_Log’,
SIZE = 20MB);
GO

— Obtendo informações sobre a base de dados —
DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

— Short Script 5 – Natureza Circular —

— Alterando Recovery Model FULL —
ALTER DATABASE TestDB
SET RECOVERY FULL;
Go

— Realizando Backup Database —
BACKUP DATABASE TestDB
TO DISK = ‘D:\TestDB.bak’
Go

— Forçando o encolhimento do Transaction – Log —
DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

BACKUP LOG TestDB
TO DISK = ‘bkplogTestDB.trn’
Go

USE TestDB
Go

DBCC SHRINKFILE (TestDB_Log,1)
Go

DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

— Criando uma nova Tabela —
USE TestDB
GO

CREATE TABLE dbo.pessoa
(ID int identity PRIMARY KEY NOT NULL,
Nome varchar(50) NOT NULL,
Sobrenome varchar(50) NOT NULL,
Nascimento date NOT NULL,
Cargo varchar(50))
GO

— Abrir nova query —
USE TestDB
GO

WHILE 1=1
BEGIN
INSERT INTO dbo.pessoa
VALUES (‘Junior’, ‘Galvão’, ‘19800428’, ‘Database Administrator’)
END

— Monitorar o crescimento do log em tempo de execução —
DBCC LOGINFO(TestDB)

CHECKPOINT

SELECT name,
Log_reuse_wait_desc
FROM sys.databases
WHERE name = ‘TestDB’
Go

— Realizar Backup do Arquivo de Log —
BACKUP LOG TestDB TO DISK = ‘d:\log.trn’
Go

— Alterando Recovery Model para Full
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY FULL
Go

— Realizando novo Backup Database —
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016
TO DISK = ‘d:\backup.bak’
WITH COMPRESSION
Go

— Short Script 6 – Backup and Transaction Log —

— Preparando a base – 1m10s se não preparada na demo 5
ALTER DATABASE AdventureWorks2016 SET RECOVERY FULL
GO
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016 TO DISK = ‘d:\backup.bak’ WITH COMPRESSION
GO

— Realizando Backup do Arquivo de Log —
BACKUP LOG AdventureWorks2016
TO DISK = ‘bkplog.trn’
Go

— Obtendo informações sobre o Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Encolhendo o Transaction Log —
USE AdventureWorks2016
Go

DBCC SHRINKFILE (AdventureWorks2016_Log,1)
Go

— Obtendo informações sobre o Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Ajustando o tamanho do Transaction Log —
USE AdventureWorks2016
Go

— Encolhendo o Transaction Log —
DBCC SHRINKFILE (AdventureWorks2016_Log,1)
Go

— Obtendo informações sobre o Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Modificando o arquivo de Log —
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
MODIFY FILE
(NAME = AdventureWorks2016_Log,
SIZE = 4MB)
Go

— Encolhendo o Transaction Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)

— Abrir nova query —
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016
TO DISK = ‘d:\backup.bak’
Go

— Abrir nova query —
USE AdventureWorks2016
GO

WHILE 1=1
BEGIN
INSERT INTO dbo.pessoa
VALUES (‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’)
END
Go

— Forçando o Truncate do Log —
BACKUP LOG AdventureWorks2016
TO DISK = ‘bkplog.trn’
Go

— Obtedo informações do arquivo de log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
CHECKPOINT
SELECT name,
log_reuse_wait_desc
FROM sys.databases
WHERE name = ‘AdventureWorks2016’
Go

— Ajustando o tamanho do TLog
USE AdventureWorks2016
GO

DBCC SHRINKFILE (AdventureWorks2016_Log,1)
GO

DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Short Script 7 – File Growth —

— Habilitando Trace Flags para evidênciar mudanças no Log —
DBCC TRACEON (3004, 3605, -1);
Go

— Limpar o log do SQL Server —
sp_cycle_errorlog
Go

— Criar uma nova Base de Dados —
CREATE DATABASE TransactionLog
ON PRIMARY
(NAME = ‘TransactionLog_data’,
FILENAME = ‘D:\MSSQLSERVER\DATA\TransactionLog_data.mdf’,
SIZE = 10240MB)
LOG ON
(Name = ‘TransactionLog_Log’,
FILENAME = ‘D:\MSSQLSERVER\DATA\TransactionLog_log.ldf’,
SIZE = 1024MB,
FILEGROWTH = 1024MB)
GO

— Identificar o tempo decorrido para processamento relacionado somente ao Log —
xp_readerrorlog
Go

— Desabilitando Trace Flags —
DBCC TRACEOFF (3004, 3605, -1);
Go

— Short Script 8 – Open Transaction in Tracking —

— Identificando as Transações abertas e seu respectivo consumo do Transaction Log —
SELECT
[s_tst].[session_id],
[s_es].[login_name] AS [Login Name],
DB_NAME (s_tdt.database_id) AS [Database],
[s_tdt].[database_transaction_begin_time] AS [Begin Time],
[s_tdt].[database_transaction_log_bytes_used] AS [Log Bytes],
[s_tdt].[database_transaction_log_bytes_reserved] AS [Log Rsvd],
[s_est].text AS [Last T-SQL Text],
[s_eqp].[query_plan] AS [Last Plan]
FROM sys.dm_tran_database_transactions [s_tdt] Inner JOIN sys.dm_tran_session_transactions [s_tst]
ON [s_tst].[transaction_id] = [s_tdt].[transaction_id]
Inner JOIN sys.[dm_exec_sessions] [s_es]
ON [s_es].[session_id] = [s_tst].[session_id]
Inner JOIN sys.dm_exec_connections [s_ec]
ON [s_ec].[session_id] = [s_tst].[session_id]
LEFT OUTER JOIN sys.dm_exec_requests [s_er]
ON [s_er].[session_id] = [s_tst].[session_id]
CROSS APPLY sys.dm_exec_sql_text ([s_ec].[most_recent_sql_handle]) AS [s_est]
OUTER APPLY sys.dm_exec_query_plan ([s_er].[plan_handle]) AS [s_eqp]
ORDER BY [Begin Time] ASC;
Go

É isso ai, missão cumprida! Mais uma relação de short scripts acaba de ser compartilhada, mesmo sendo denominados short entre aspas “pequenos”, posso garantir que todos estes exemplos são de grande importância, apresentam um valor e conhecimento do mais alto nível.

Quero agradecer ao amigo Luiz Mercante que colaborou com a criação e uso destes scripts em algumas palestras realizadas nos últimos anos no evento SQL Saturday.


Chegamos ao final de mais um Short Scripts, espero que este material possa lhe ajudar, ilustrando o uso de alguns recursos e funcionalidades do Microsoft SQL Server.

Acredito que você tenha observado que estes códigos são conhecidos em meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server publicados no decorrer dos últimos anos.

Boa parte deste material é fruto de um trabalho dedicado exclusivamente a colaboração com a comunidade, visando sempre encontrar algo que possa ser a solução de um determinado problema, bem como, a demonstração de como se pode fazer uso de um determinado recurso.

Links

Caso você queira acessar os últimos posts desta sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/12/09/short-scripts-dezembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/09/16/short-scripts-setembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/08/short-scripts-junho-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/31/short-scripts-marco-2017/

Agradecimento

Obrigado mais uma vez por sua visita, fico honrado com sua ilustre presença ao meu blog, desejo e espero que você possa ter encontrado algo que lhe ajudou.

Volte sempre, nos encontraremos mais uma vez na sessão Short Scripts no post do mês de maio de 2018.

Sucesso….

Anúncios

Conferência Build 2018 realizada pela Microsoft será em Maio


A Microsoft ainda não divulgou os detalhes da conferência Build 2018, a nova edição do seu evento anual para desenvolvedores e profissionais de tecnologia. No post publicado no dia 06/02 por Mehedi Hassan  a data de realização do evento foi divulgada. A nova edição da conferência será realizada de 7 a 9 de maio em Seattle, nos Estados Unidos. Mais informações sobre a conferência Build 2018 serão publicadas em breve pela empresa no site https://build.microsoft.com/.

A edição de 2018 da conferência deve abordar a próxima grande atualização do Windows 10, codinome Redstone 4, e outras novidades para os desenvolvedores com foco em Azure, IA (Inteligência Artificial), IoT (Internet of Things ou Internet das Coisas), Visual Studio e mais.

Assim como ocorreu com a edição de 2017, a conferência deste ano também deverá ser transmitida ao vivo.

Conferência Build 2018 será realizada em maio pela MicrosoftFontes e Direitos Autorais: https://www.thurrott.com – 06/02/2018 – Mehedi Hassan.

Participe do evento online Live Migration na Nuvem


A Microsoft realizará no próximo dia 31 de maio o evento online Live Migration na Nuvem, que trará palestras relevantes de especialistas em cloud, containers e soluções Open Source do mercado mundial e nacional.

Entenda como movimentar dinamicamente seus ambientes entre diferentes provedores de nuvem sem downtime e perda de dados, além de aprender como solucionar os principais problemas de DevOps utilizando Live Migration por meio de exemplos práticos de implementação de soluções.

O evento será realizado no dia 31 de maio e das 19:30 às 22:30. Mais detalhes podem ser encontrados aqui.

Participe do evento online  Live Migration na Nuvem Participe do evento online Live Migration na Nuvem - {focus keyword}

A Microsoft realizará no próximo dia 31 de maio o evento online Live Migration na Nuvem, que trará palestras relevantes de especialistas em cloud, containers e soluções Open Source do mercado mundial e nacional

Agenda do evento Live Migration na Nuvem

19h30 – Abertura

O novo mundo dos containers – Osvaldo Daibert
Especialista em desenvolvimento de aplicações para nuvem na Microsoft abordará a mudança radical pela qual a forma de desenvolvimento de software está passando. Seja em aplicações hospedadas em nuvens PaaS ou IaaS, os containers e microservices são os alicerces dessa mudança, ajudando a movimentar o novo modelo de integração entre Profissionais de IT e Desenvolvedores.

Containers as a Service (CaaS) – Alessandro Jannuzzi
Gerente de inovações e novas tecnologias da Microsoft Brasil explanará o assunto Container como Serviço, mostrando como o Azure Container Service otimiza a configuração de tecnologias e ferramentas Open Source, como Mesosphere DCOS na plataforma de nuvem. Abordará algumas features deste, como a portabilidade para recipientes e configuração de aplicativo.

Live Migration com Jelastic – Ruslan Synytsky
CEO e fundador da Jelastic, empresa que entrega DevOps com orquestração de containers apresentará como algumas das principais questões DevOps podem ser resolvidas utilizando a opção de Live Migration, e como implementar esta solução, de forma que sua migração seja tranquila e altamente automatizada. Veremos como mover uma aplicação da nuvem AWS para o Microsoft Azure, sem paradas e sem perda de dados!

Q&A
Tire suas dúvidas com os palestrantes do evento Live Migration na Nuvem.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com

Dica do Mês – Default Trace To Audit Events – Backup and Restore


Hello everybody!!!

Tudo bem? Final de mês chegando e o que isso significa para você?

Se fosse aquele apresentador do programa do fim de noite do domingo poderia dizer, NADA, mas no meu blog todo final de mês é sempre muito importante e aguardado, é a hora de mais um post dedicado a sessão dica do mês ser publicado, alias se você ainda não conheço ou acessou os dois primeiros posts desta nova sessão não perca seu tempo, utilize um dos links abaixo e conheça mais sobre esta na área do meu blog dedicada especialmente em apresentar como um recurso ou script pode se tornar uma dica extremamente útil:

Vamos em frente, no post de hoje vou destacar um velho e conhecido assunto existente no Microsoft SQL Server e bastante difundido a partir da versão 2005, denominado Default Trace File (Arquivo de rastreamento/monitoramento padrão) em conjunto com os Audit Events (Eventos de Auditoria) introduzidos a partir da versão 2008, ambos os recursos combinados se tornando uma fantástica ferramenta para consulta e monitoramento das atividades, tarefas e processos em execução no Microsoft SQL Server.

Como de costume, vou apresentar um pouco sobre estes recursos de forma breve e resumida, tentando ilustrar sua importância:

  • Default Trace File: Surguiu da necessidade que os profissionais de banco de dados em suas atividades monitoramento tinham em colocar dados sobre o que estava sendo executado em seu servidor ou instância SQL Server de uma maneira mais “aberta”, ou seja, diferente do que acontecia na versão 2000 onde o monitoramento era realizado de uma forma conhecida como “caixa preta”, sem possibilitar algum tipoo de interação.A partir da versão 2005 este recurso foi aprimorado, se tornando uma grande ferramenta na coleta de dados sobre o comportamento do SQL Server. Com esta evolução muitas respostas para problemas de performance, deadlock e troubleshotting começaram a ser respondidas e entendidas de forma mais rápida, fácil e dinâmica. Em diversos momentos o Default Trace File, foi considerado uma ferramenta valiosa e moderna para os profissionais de Banco de DAdos – DBA.

    Oferece uma riqueza de informações, enquanto minimamente, impactando o sistema. O Default Trace File é um recurso amplamente divulgado do SQL Server 2005, mas com o passar do tempo ganhou fama e evolução nas demais versões do produto, por oferece aos administradores a capacidade de obter informações detalhadas sobre:

    • Auditoria de eventos;
    • Eventos de banco de dados;
    • Eventos de erros;
    • Eventos de texto completo;
    • Criação do objeto;
    • Exclusão de objeto; e eventos de alteração do objeto.

 

  • Audit Events: Introduzido a partir da versão 2008, o Audit Events tornou-se uma verdadeira solução de auditoria dentro do Microsoft SQL Server, considerada por muitos um complemento aos recursos e funcionalidades desempenhadas pelo Default Trace File. Composto por um longo conjunto de eventos que a cada nova versão do SQL Server é incrementado com outros os eventos de auditoria possibilitam coletar e catalogar de maneira mais detalhada e repleta de dados todo comportamento de um servidor, banco de dados e objetos existentes em um servidor ou instância SQL Server.Outro fator importante quando falamos dos eventos de auditoria esta relacionado com os pilares de segurança do SQL Server, possibilitando todo controle e monitoramento de acesso a objetos e dados direcionados ao SQL Server, possibilitando detectar possíveis tentativas de acesso não autorizado ou acessões maliciosas por partes de usuários com acesso legítimo.

Após este breve resumo sobre estes dois recursos, você pode estar se perguntando como ou quando podemos fazer uso deste tipo de funcionalidade? A resposta é bem simples, de diversas forma, dentre elas apresento algumas:

  • Captura de eventos e ocorrência de eventos;
  • Captura da lista e detalhes de eventos;
  • Informações sobre crescimento de um banco de dados;
  • Informações sobre erros e alertas disparados pelo SQL Server;
  • Informações sobre alertadas de ordenação de dados;
  • Quando um procedimento de Shrink foi realizado em um banco de dados ou arquivo de log;
  • Quando um determinado comando DBCC foi executado;
  • Quando um Backup de Banco de Dados ou Restore de Banco de Dados foi realizado; e
  • Pesquisa de informações sobre auto estatísticas ou eventos de estatísticas.

Enfim sobre muita coisa relacionada ao SQL Server é possível fazer uso de um Default Trace File em conjunto com o Audit Events, desta maneira na dica de hoje escolhi uma das maneiras mais comuns porém não menos importante para obter informações sobre os eventos relacionados a execução de Backup Database e Restore Database através do dois exemplos apresentados a seguir:

 


 

— Exemplo 1 – Obtendo informações sobre a ocorrência de Backup Database —

Declare @path NVARCHAR(260)

Select @path=path From sys.traces Where is_default = 1

 

SELECT DatabaseName, TextData,

             Duration, StartTime,

             EndTime, SPID,

             ApplicationName, LoginName

FROM sys.fn_trace_gettable(@path, DEFAULT)

WHERE EventClass IN (115)

and EventSubClass=1

ORDER BY StartTime DESC

Go

 

 

— Exemplo 2 – Obtendo informações sobre a ocorrência de Restore Database —

Declare @path NVARCHAR(260)

Select @path=path From sys.traces Where is_default = 1

 

SELECT DatabaseName, TextData,

             Duration, StartTime,

             EndTime, SPID,

             ApplicationName, LoginName

FROM sys.fn_trace_gettable(@path, DEFAULT)

WHERE EventClass IN (115)

and EventSubClass=2

ORDER BY StartTime DESC

 

Espero que você tenha observado que ambos os códigos de exemplo são bem similares, o que determina qual conjunto de informações será apresentada de acordo com o evento é a coluna EventSubClass, onde:

  • EventSubClass = 1 — Representa as informações sobre a sub-classe de eventos relacionada a ocorrência de Backup;
  • EventSubClass = 2 — Representa as informações sobre a sub-classe de eventos relacionada a ocorrência de Restore; e
  • EventSubClass = 3 — Representa as informações sobre a sub-classe de eventos relacionada a ocorrência de Backup Log.

Caso você queira saber mais sobre os eventos de auditoria relacionadas a Backup/Restore acesse:
https://msdn.microsoft.com/en-us/library/ms175015.aspx ou https://msdn.microsoft.com/en-us/library/ms175481.aspx para obter mais sobre a classe de eventos existente no SQL Server.

sys.fn_trace_gettable e sys.traces existentes nas atuais versões do SQL Server 2012 e 2014, segundo a documentação oficial da Microsoft ambas catalog views serão removidas nas futuras versões do produto.

 


 

É isso ai galera, chegamaos ao final de mais uma dica de mês. Com certeza uma dica bastante diferente que forma como o SQL Server é composto por diversos recursos aparentemente independentes e isolados mas que podem ser utilizados em conjunto formando uma grande ferramenta de trabalho.

Espero que você tenha gostado, nos encontramos no final do mês de Abril com mais uma dica do mês.

Um grande abraço, obrigado por sua visita.

Até mais.

Webcast: Licenciamento do Windows 10


A Microsoft realizará no próximo dia 29 de setembro um webcast sobre o licenciamento do Windows 10. O evento online terá 1 hora e 15 minutos de duração.

Neste webcast você poderá tirar dúvidas sobre as melhores formas de licenciar o seu desktop e entenda como funciona a oferta de gratuidade do Windows 10.

Além disso, neste webcast sobre o licenciamento do Windows 10 você também descobrirá como aproveitar melhor os recursos para empresas e como os benefícios do contrato de licenciamento por volume podem fazer a diferença em sua organização.

Webcast: Licenciamento do Windows 10

Data: 29 de setembro de 2015
Horário: 14:00 (horário de Brasília)
Duração: 1 hora e 15 minutos
Mais informações e inscrições: Clique aqui.

Webcast: Licenciamento do Windows 10

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – Sid Vicious

O QUE ESPERAR DO WINDOWS 10 CONSUMER PREVIEW?


No próximo dia 21 de janeiro, a Microsoft realizará um evento para a imprensa onde apresentará o Windows 10 Consumer Preview* e provavelmente o Windows 10 para dispositivos móveis.

O evento terá transmissão ao vivo e o novo build deve ser disponibilizado na mesma data para os usuários registrados no Windows Insider Program.

Com base em rumores e informações vazadas, confira o que podemos esperar do Windows 10 Consumer Preview.

*Ainda não se sabe se o build de janeiro usará ou não este nome específico.

O que esperar do Windows 10 Consumer Preview?

O QUE ESPERAR DO WINDOWS 10 CONSUMER PREVIEW?

O Windows 10 Consumer Preview deve trazer uma versão mais completa e estável do modo Continuum.

O modo Continuum foi criado para uso em aparelhos híbridos que combinam tablet e notebook. Com este modo o usuário pode alternar facilmente entre o uso do híbrido como tablet e como notebook, basicamente combinando a simplicidade do tablet com a experiência de uso tradicional.

Uma versão incompleta e bem instável deste modo está presente no build 9879, o último disponibilizado oficialmente para o público.

No caso da área de trabalho tradicional, o Windows 10 Consumer Preview deve trazer menus de contexto com um visual diferente, novas animações para as janelas, assistente pessoal Cortana habilitada por padrão, novo visual para a barra de tarefas, que também traz uma caixa de busca habilitada por padrão, e novos papéis de parede.

Para os entusiastas de multimídia, o novo build trará o suporte oficial para reprodução de arquivos de áudio no formato FLAC e para reprodução de vídeos em MKV baseados nos codecs H.264 e H.265.

O Windows 10 Consumer Preview também deve permitir a instalação de apps da Windows Store em cartões SD, o que é uma boa notícia para usuários de tablets.

Já a verão moderna do Painel de Controle ganhará diversas novas opções e um Windows Update com novas funcionalidades.

Alguns apps pré-instalados, como a Calculador, Alarmes e Xbox foram atualizados. Outro detalhe é que a nova Windows Store, que apareceu no Windows 10 build 9901, também deve estar presente como uma versão de testes no Windows 10 Consumer Preview. Além de apps e jogos, a nova loja também lista vídeos e músicas.

Versão de testes da nova Windows Store no Windows 10 build 9901

Outra novidade já confirmada anteriormente é a mudança da versão do kernel de 6.4 para 10.

Nota: Ainda não foi confirmado oficialmente se os navegadores Internet Explorer 12 e Spartan estarão presentes no novo build.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – SID VICIOUS @ 14 JAN 2015 | 12:28 PM

ACOMPANHE AO VIVO O EVENTO SOBRE O WINDOWS 10


A Microsoft divulgou o link onde será possível acompanhar ao vivo o evento sobre o Windows 10 que será realizado no dia 21 de janeiro.

Acompanhe ao vivo o evento sobre o Windows 10

EVENTO SOBRE O WINDOWS 10

Intitulado Windows 10: The Next Chapter, o evento sobre o Windows 10 será realizado na sede da Microsoft e poderá ser acompanhado ao vivo através deste link a partir das 15:00 no horário de Brasília.

Satya Nadella, CEO da Microsoft, e Terry Myerson e Joe Belfiore, da equipe do Windows, e Phil Spencer, responsável pela divisão Xbox, falarão durante o evento.

Detalhes específicos sobre o que será abordado durante o evento sobre o Windows 10 não foram divulgados, mas é possível que a versão para dispositivos móveis também seja apresentada.

Durante o evento a Microsoft também anunciará a disponibilidade de um novo build do Windows 10 para os usuários registrados no Windows Insider Program.

Ao final da transmissão, o vídeo do evento também será disponibilizado para quem não pôde acompanhar o evento ao vivo.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – SID VICIOUS @ 15 JAN 2015 | 8:23 AM