Windows Server 2019 terá OpenSSH como recurso opcional


A Microsoft informou no início desta semana em seu blog que o cliente e servidor OpenSSH agora está disponível oficialmente como recurso opcional no Windows Server 2019, ele também está disponível no Windows 10 v1809 (o Windows 10 October 2018 Update).

A versão para Windows foi introduzida inicialmente no Windows 10 Fall Creators Update e no Windows Server v1709 como uma versão de testes:

Windows 10 Openssh 001

A partir do lançamento do Windows 10 v1803, o OpenSSH começou a ser suportado oficialmente como um recurso opcional, entretanto no Windows Server, ele começa a ser introduzida nesta nova versão do sistema operacional, mas oficialmente suportado como recurso opcional:

Windows 10 Openssh 002
Windows 10 Openssh 003

A Microsoft anunciou em 2015 que estava trabalhando para incluir o suporte nativo para OpenSSH no Windows, o SSH ou Secure Shell é uma ferramenta de linha de comando presente no UNIX e em distribuições do Linux usada para realização de conexões criptografadas a servidores remotos.

Para mais informações acesse a página do projeto Win32-OpenSSH no GitHub ou através da documentação oficial Microsoft, acessando o Microsoft Docs.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – Windows Blogs –  / Program Manager, PowerShell Team – 12/12/2018.

Anúncios

Script Challenge – 14 – A resposta….


Boa tarde, pessoal…

Tudo bem?  Seja mais uma vez muito bem vindo ao meu blog, mais especificamente ao post que apresenta a resposta para o Script Challenge – 2018 – Post 14, publicado em junho de 2018, sendo este respectivamente o segundo post após o retorno desta desafiadora sessão em meu blog denominada Script Challenge (Script Desafiador ou Desafio do Script) como queiram traduzir.

Espero que você já tenha ouvido falar desta sessão ou acessado alguns dos posts publicados na mesma, caso ainda não tenha feito, fique tranquilo você vai encontrar no final deste post uma pequena relação contendo os últimos desafios lançados e seus respostas.

Vamos então falar um pouco mais sobre o último desafio, estou me referindo ao Script Challenge 14, desta forma, seja bem vindo a mais um post da sessão Script Challenge.


Script Challenge 14

Falando do desafio de número 14, o mesmo foi publicado no mês de junho de 2018, período de data em que o mundo todo praticamente direcionou os seus olhares para a Rússia, mais especificamente para os jogos de futebol que estavam ocorrendo no país naquele momento.

Pois bem, o Script Challenge 14 não tem nenhum relação com o mundo do futebol, muito menos com o esporte, e como diria aquele apresentador do programa que passa ao domingos: “Sabe o que isso significa? Nada…..”.

Na verdade não é bem assim, para todos aqueles que trabalham com tecnologia e são responsáveis em armazenar, compartilhar, gerenciar e manter dados armazenados em banco de dados, sabe muito bem o quanto temos que nos preocupar em estabelecer boas práticas de retenção de dados afim de podermos ter uma quem sabe vida tranquila ou momentos de lazer.

Continuando nossa história, quero lhe perguntar: E ai já matou a charada? Eu acredito que sim!

Mas para te ajudar mais um pouco vou apresentar a Figura 1 que contem todo código Transact-SQL utilizado neste desafio, contendo trechos ou partes de código ocultas, procedimento que realizei no post que contempla o lançamento deste desafio como forma de aumentar o nível de dificuldade:

Figura 1 – Código Transact-SQL apresentado no Script Challenge 14.

Bom chegou a hora de revelar o que exatamente este bloco de código esta fazendo, chegou o momento de revelar e desvendar este desafio, a seguir apresento a resposta para o Script Challenge 14 e o trecho de código disponível para você utilizar em seus ambientes de trabalho ou estudos.

A resposta

Tanto no post de lançamento do desafio, bem como, neste post que a resposta para o mesmo, eu deixei algumas pequenas dicas para tentar ajudar a identificar a resposta, dentre as quais a relação do script com uma das mais tradicionais atividades desempenhadas por um Administrador de Banco de Dados ou Profissional de tabela, mais diretamente falando a execução de uma operação de backup de banco de dados.

Mas se mesmo assim, você ainda não conseguiu adivinhar ou até mesmo esta se perguntando qual a relação do Script Challenge – 14 tem haver com um momento de lazer, a resposta é muito simples, para qualquer Administrador de Banco de Dados, Administrador de Servidores, Desenvolvedor, enfim um profissional de tecnologia, tudo o que fazemos basicamente em um computador é manipular dados (Criar, Atualizar, Excluir).

Tudo o que fazemos esta relacionado com esta palavrinha pequena mas de altíssima importância e pensando neste sentido a resposta para este desafio se relaciona a estimativa de crescimento de um arquivo de backup, e o quanto esta atividade tão importante e de alta complexidade pode impactar totalmente na vida daqueles que assim como eu um dia ou por diversos momentos teve que abrir mão do seu convívio familiar para se dedicar a acompanhar esta atividade.

Então a resposta para o Script Challenge 14 se relaciona com a possibilidade que o script apresenta em nos ajudar a identificar e estimar o quanto de espaço livre em disco em megabytes ainda teremos antes da execução do backup database levando-se em consideração o tamanho do arquivo de backup a ser criado.

Isso mesmo, esta é a resposta, e o script original que apresenta esta funcionalidade apresentada abaixo:

— Script Challenge 14 – A resposta – Identificando o total de espaço livre em disco antes da realização do backup database — 

— Criando a Stored Procedure —
USE AdventureWorksDW2016
Go

CREATE PROCEDURE dbo.dbo.EstimatedDriveFreeSpaceAndDBSize (
@drvLetter VARCHAR (5),
@enoughSpaceForBackupFlag BIT OUTPUT
)
AS
BEGIN
DECLARE @estimatedBackSizeMB INT,
@estimatedDriveFreeSpaceMB INT,
@dbCheckMessage varchar(80)

SET NOCOUNT ON

SET @dbCheckMessage = Concat (‘Checking database ‘, DB_NAME ())

SELECT @estimatedBackSizeMB = round (sum (a.total_pages) * 8192 / SQUARE (1024.0), 0)
FROM sys.partitions p JOIN sys.allocation_units a
                                            ON p.partition_id = a.container_id
                                           LEFT JOIN sys.internal_tables it
                                            ON p.object_id = it.object_id

CREATE TABLE #freespace

(drive VARCHAR (5),

MBFree DECIMAL (8, 2))

INSERT INTO #freespace (Drive, MBFree)
EXEC xp_fixeddrives

SELECT @estimatedDriveFreeSpaceMB = MBFree
FROM #freespace
WHERE drive = @drvLetter

IF @estimatedBackSizeMB * 1.15 < @estimatedDriveFreeSpaceMB
 SET @enoughSpaceForBackupFlag = 1
ELSE
 SET @enoughSpaceForBackupFlag = 0

SELECT DatabaseName = db_name(),
Estimated_Back_Size_MB = @estimatedBackSizeMB,
Estimated_Drive_Free_Space_MB = @estimatedDriveFreeSpaceMB,
EnoughSpaceForBackupFlag = @enoughSpaceForBackupFlag

DROP TABLE #freespace
SET NOCOUNT OFF
END
GO

Então, agora você deve ter gostado deste desafio, não é verdade? Poder estimar o espaço livre em disco e o tamanho ocupado pelo arquivo mesmo sem executar o Backup Database é realmente uma grande funcionalidade que o Microsoft SQL Server possui. 

Observações

  1. Estamos criando uma User Stored Procedure EstimatedDriveFreeSpaceAndDBSize;
  2. A mesma possui um parâmetros de entrada de valores: @drvLetter (utilizado para informar qual a letra da unidade de disco que iremos analisar); e
  3. Um parâmetro de saída @enoughSpaceForBackupFlag (utilizado no momento da execução da stored procedure como sinalizar responsável em apresentar uma mensagem ao usuário).

Para que você possa entender mais ainda sobre como podemos obter os resultados apresentados por este script, declaro a seguir uma possível maneira de executar o Script Challenge – 14:

— Executando o Script Challenge – 14 —

USE AdventureWorksDW2016
Go

DECLARE @enoughSpaceForBackupFlag bit

EXEC Master.dbo.EstimatedDriveFreeSpaceAndDBSize ‘S’, @enoughSpaceForBackupFlag OUTPUT

PRINT @enoughSpaceForBackupFlag
IF @enoughSpaceForBackupFlag = 1
PRINT ‘Continue to Backup…’
ELSE
PRINT ‘Drive Space Problem…’
GO

A Figura 2 apresentada abaixo, ilustra o conjunto de dados retornados após a execução do Script Challenge – 14:

Figura 2 – Informações relacionadas a estimativa de tamanho do arquivo de backup e espaço livre em disco em megabytes.

Muito bom, sensacional, conseguimos, chegamos ao final, esta é a resposta para o Script Challenge 14, fico extremamente feliz por ter conseguido compartilhar este conteúdo com vocês.

Espero que você tenha gostado deste novo post da sessão Script Challenge!


Sua Participação

No post de lançamento deste desafio, contei com a participação através de uma enquete contendo algumas opções de respostas que poderiam estar relacionadas com o Script Challenge 14. A seguir apresento o resultado desta enquete:

A opção mais votada com 77,78% dos votos é justamente a resposta correta para este desafio, o qual exibe retorna ao usuário informações relacionadas a estimativa de espaço em disco ocupado pelo arquivo de backup de banco de dados e o espaço livre disponível em disco após a conclusão do backup.

Referências

Agradecimentos

Obrigado por sua visita, espero que este conteúdo aqui apresentado como um possível “desafio” possa ser útil e ao mesmo tempo prover conhecimento, aprendizado ou mostrar recursos e problemas existentes no Microsoft SQL Server que as vezes parecem não ter uma resposta.

Um forte abraço nos encontramos em breve nas demais sessões e especialmente em fevereiro de 2019 em mais um post da sessão Script Challenge.

Até a próxima…

Microsoft .NET Core v2.1.2 liberado


Em anunciou realizado na última terça-feira dia 10/07, a Microsoft informou a disponibilidade do .NET Core v2.1.2. Trata-se da nova disponível para desenvolvimento via linha de comando, editor de texto, Visual Studio 2017, Visual Studio Code ou Visual Studio for Mac. O .NET Core é uma versão modular, multiplataforma e open-source do .NET Framework.

O SDK (kit para desenvolvimento de software) mais recente (v2.1.302) e o .NET Core Runtime v2.1.2 para Windows estão disponíveis para download aqui.

Nesta mesma página você poderá encontrar além do o .NET Core e outros downloads para Linux e macOS, instruções para instalação em diferentes distribuições do Linux também estão compartilhadas.

As imagens para download da versão 2.1.2 do .NET Core estão disponíveis no Docker Hub, compatíveis também  para Linux e no Windows Nano Server.

Através do anúncio, a Microsoft destacou que a versão 2.1.2 traz a correção para a vulnerabilidade CVE-2018-8356.

Acessando https://github.com/dotnet/announcements/issues/73, link disponível no GitHub, você poderá encontrar maiores detalhes e informações sobre esta nova versão do .Net Core.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – 10/07/2018 – Server & Tools Blogs > Developer Tools Blogs > .NET Blog

Script Challenge – 2018 – Post 14


Boa tarde comunidade…

Tudo bem? Sexta – feira dia 29/06 estamos no inverno, graças a deus aquele friozinho diminui muito nos últimos dias, eu particularmente gosto do frio, principalmente acompanhado da minha família e do leite quente, chocolate e aquela sopinha no final da tarde que somente minha “pequena” Fernanda sabe fazer.

Introdução

Os posts publicados nesta sessão tem o objetivo de desafiar o visitante a descobrir o que um determinado script pode fazer ao ser executado, e não somente isso, mostrar como podemos aprender com o uso da linguagem Transact-SQL e sua vasta coleção de comandos, funções e instruções adicionadas a cada nova versão ou atualização do Microsoft SQL Server.

Se você ainda não conhecia a sessão Script Challenge, fique tranquilo vai ter a possibilidade agora mesmo, como também a cada 4 meses poder desfrutar de um novo desafio e sua respectiva resposta, por isso esta sessão é denominada Script Challenge(Script Desafio ou Desafio do Script), bom a melhor forma de traduzir eu deixo para você escolher.

Seguindo um frente….

Gostaria de destacar mais uma vez duas mudanças iniciais implementadas na sessão Script Challenge tendo como base o post publicado em outubro de 2017, sendo elas:

  1. Como maneira ou forma de dificultar ainda mais o nível de complexidade do código, o bloco de código que representa o Script Challenge selecionado para compor o post será  apresentado no formato de imagem ou figura; e
  2. Algumas partes das linhas de código, trechos, ou partes de código serão omitidas, justamente como forma de tornar este código ainda mais desafiador.

Antes de destacar o script de hoje, não custa nada saber um pouco mais sobre esta sessão, por este motivo, quero lhe contar um pouco da história que cerca os posts relacionadas a ela…

Um pouco de História

Esta é uma sessão criado no final do ano de 2010 e mantida mensalmente até meados de 2012, desde então não me dediquei mais a mesma devido principalmente em não conseguir identificar possíveis scripts dentro da minha biblioteca que poderiam ser apresentados como um scripts considerados como desafio para os profissionais da área de banco de dados.

Mas acredito que nos últimos anos com o crescimento do Microsoft SQL Server, seu nível de evolução, amadurecimento e recursos adicionais, como também, meu nível de experiência profissional e acadêmica também evolui muito, sinto-me preparado para retornar com esta sessão e poder de forma bastante técnica, didática e conceitual poder lançar um “desafio” e responder o mesmo com muito segurança.

Outro detalhe importante, esta é uma sessão que foi criada, pensando em apresentar pequenos blocos de códigos oriundos da linguagem Transact-SQL que possam apresentar um nível de dificuldade e conhecimento técnico um pouco mais elevado, exigindo assim uma análise mais profunda e até mesmo a criação um pequeno cenário de teste para seu entendimento.

Vamos então conhecer o bloco de código selecionado para ser o Script Challenge deste post.


Script Challenge – 14

O bloco de código Transact-SQL selecionado para fazer parte do Script Challenge de hoje, esta relacionado com uma das atividades diárias exercidas por Administradores de Servidores, Desenvolvedores e logicamente por DBAs e Administradores de Banco de Dados. Bom não vou dizer a qual atividade eu me refiro, mas que ela apresenta uma importância muito grande para a vida de qualquer corporação, com certeza apresenta.

O desafio deste respectivo script, esta diretamente ligado com o impacto que o resultado obtido após sua execução e antes da realização da atividade poderá nos trazer, bem como, o mesmo torna-se uma útil ferramenta no que se relacionada a sobrevivência de nossos dados em caso de uma possível falha física.

Esta curioso para saber qual é esta atividade? Então não vou lhe responder, mas no final do post como de costume vou deixar um enquete para você expor sua opinião.

A seguir apresento o bloco de código:

Figura 1 – Short Script 14.

Muito bem, nosso Script Challenge esta apresentado, e ai você preparado para mais este desafio?

Tenho a certeza que sim!


Sua participação

Legal, agora quero conter com a sua participação, me ajudando a responder este post, outra grande novidade que estou adicionando aos post da sessão Script Challenge será uma pequena enquete com possíveis respostas para identificar qual é a correta relacionada com o desafio apresentado através do bloco de código selecionado para este post, desta forma, apresento a seguir a Enquete – Script Challenge – 14 e suas alternativas de resposta:

Seguindo em frente, já conhecemos o Script Challenge selecionado, sua enquete e relação de opções de resposta, fica faltando somente a sua participação, algo que eu tenho a certeza que vai acontecer rapidamente.

Durante quanto tempo posso participar…

Outra grande mudança na sessão Script Challenge é seu tempo de publicação “validade”, anteriormente os posts desta sessão eram publicados mensalmente ou bimestralmente, agora serão publicados em um período mais longo, ou seja, a cada 4 meses estarei compartilhando com vocês novos posts dedicados exclusivamente para esta sessão.

Desta forma, você terá mais tempo para participar e me ajudar e encontrar a resposta correta para este desafio, enviando suas possíveis sugestões, críticas e até mesmo alternativas de resposta para minha enquete.

Posts anteriores

Caso esta seja a primeira vez que você acessa um post desta sessão, fico muito feliz e aproveito para compartilhar os posts mais recentes:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/10/26/script-challenge-2017-o-retorno/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/03/01/script-challenge-13-a-resposta/


Agradecimentos

Obrigado por sua visita, espero que o retorno desta sessão e o conteúdo aqui apresentado como um possível “desafio” possam ser úteis e ao mesmo tempo prover conhecimento, aprendizado ou mostrar recursos e problemas existentes no Microsoft SQL Server que as vezes parecem não ter uma resposta.

Um forte abraço nos encontramos em breve nas demais sessões e especialmente em outubro de 2018 em mais um post da sessão Script Challenge.

Sucesso, mais uma vez obrigado por sua visita, espero que você tenha gostado deste post.

Fique a vontade para conhecer demais publicados até o presente momento nas demais sessões.

Abraços.

SQL Operations Studio versão preview v0.29.3 liberado


A Microsoft disponibilizou para download no último dia 05/08 a nova versão preview do SQL Operations Studio denominada v0.29.3. A ferramenta está disponível para Windows, macOS e Linux.

O SQL Operations Studio é uma ferramenta gratuita para gerenciamento do SQL Server, Azure SQL Database e Azure SQL Data Warehouse.

De acordo com o changelog, a versão 0.29.3 traz correções de bugs, nova extensão Redgate SQL Search disponível no Extension Manager, suporte para mais idiomas e outras novidades. Quer saber mais sobre todas as novidades, melhorias e mudança, clique aqui.

A versão para Windows do SQL Operations Studio Preview v0.29.3 está disponível para download com instaladorou versão portátil (não requer instalação).

Para maiores informações sobre o SQL Operations Studio para Windows e demais plataformas de sistemas operacionais acessem link: https://docs.microsoft.com/en-us/sql/sql-operations-studio/download?view=sql-server-2017.

Fontes e Direitos Autorias: Microsoft.com – 05/08/2018 –  Docs | SQL | Tools | SQL Operations Studio.

Programa Microsoft para Startups


A Microsoft realizou ontem dia 14/02 o anúncio do programa Microsoft para Startups, que oferece acesso a negócios, tecnologia e benefícios da comunidade e que ajuda as empresas iniciantes a expandir sua base de clientes e a receita, construir uma plataforma confiável que cresça com elas e conectar-se à sua comunidade e clientes.

A empresa alocará US$ 500 milhões nos próximos dois anos para oferecer opções de covenda para startups, além do acesso à tecnologia da Microsoft e novos espaços comunitários que promovam a colaboração dentro dos ecossistemas locais. Startups são um motor de inovação indiscutível, e a Microsoft está em parceria com fundadores e investidores para ajudar a acelerar seu crescimento. Este novo programa foi projetado para ajudar as startups em ações relacionadas á:

Vender para novos clientes, setores e mercados
O programa Microsoft para Startups possui uma abordagem única que liga startups a clientes. A Microsoft possui mais de 30.000 representantes de vendas e 800.000 parceiros cujo objetivo é impulsionar a adoção de soluções de nuvem da Microsoft em empresas de todos os tamanhos e setores em todo o mundo. O programa fornece recursos que preparam suas equipes de marketing e vendas para atender aos padrões dos clientes corporativos e, em seguida, permitir que eles vendam para essas organizações em parceria com a vasta organização de vendas da Microsoft e o ecossistema parceiro.

 

Microsoft anuncia o programa Microsoft para Startups

Inovar rapidamente com o acesso a ferramentas confiáveis ​​de tecnologia, suporte e desenvolvimento
O programa oferece às startups até US$ 120 mil em créditos gratuitos de Azure, suporte técnico de nível empresarial e ferramentas de desenvolvimento para ajudá-los a criar soluções inovadoras na nuvem utilizada ​​por 90% das empresas do ranking Fortune 500.

Acessar os recursos certos no momento certo
O Microsoft para Startups ajuda empresas iniciantes em todas as etapas em ecossistemas de todo o mundo:

Microsoft Reactors são espaços físicos onde empresários, desenvolvedores, investidores e a comunidade empresarial podem se unir para interagir, aprender e compartilhar. Durante o próximo mês, abriremos as portas nos novos espaços Microsoft Reactor em Londres, Sydney, Tel Aviv, Berlim, Xangai e Pequim. Esses espaços somam-se a nossos locais existentes em Redmond, Seattle, San Francisco e Nova York.

– Acesso ao Microsoft ScaleUp (antigo Microsoft Accelerators), ajudando as startups de série A e posterior a se ajustar ao mercado de produtos, aprimorar suas infraestruturas e construir seus negócios usando os serviços Azure e Microsoft Dynamics.

– Conexões com a Microsoft Ventures, equipe estratégica de investimento em capital de risco da Microsoft, cuja missão é ser um parceiro ativo em estágios-chave do crescimento de uma empresa, normalmente investindo entre as séries A e D.

As startups nos inspiram a ir além do possível e construir produtos que melhoram nossas vidas pessoais e profissionais. A Microsoft está animada para se associar a startups para capacitar cada pessoa e organização no planeta.

Para maiores informações acesse: startups.microsoft.com.

Fontes e Direitos Autorais: https://startups.microsoft.com/en-us/ – 14/02/2018.

Dica do Mês – Você sabe o que é Normalização de Banco de Dados?


Olá galera, bom dia, bom dia comunidade!!!

Estou de volta com mais um post da sessão Dica do Mês, nossa como o tempo esta passando, este é o sexto post desta nova sessão criada este ano no meu blog e que lentamente começa a apresentar alguns resultados. Como você já deve estar acostumado quando visita o meu blog, todo final de mês é dedicado a post exclusivos das sessões Dica do Mês e Para que Serve.

No último post publicado no mês de Maio, apresentei um conteúdo mais focado para área acadêmica e hoje não será diferente, vou falar sobre um dos conceitos mais importantes quando falamos sobre banco de dados, estou me referindo a Normalização de Dados ou para muitos Normalização.

 Acredito que você já deve ter ouvir falar sobre este conceito, para muitos algo bastante complexo, mas na verdade não é bem assim, por isso eu decidi compartilhar com vocês um pouco do meu conhecimento nesta área.

Então, seja bem vindo a mais uma dica do mês, começa aqui a Dica do Mês – Você sabe o que é Normalização de Banco de Dados?


Introdução

Conhecida como técnicas de racionalização das estruturas de dados de um sistema, eliminando redundâncias, problemas de manipulação e armazenamento, basicamente a normalização é um processo através do qual esquemas de relação, que não sejam satisfatórios às características do modelo relacional, são decompostos em esquemas menores que satisfaçam as propriedades desejáveis.

Inicialmente proposta como uma ferramenta de auxílio no projeto físico para a definição de relações, porém na prática tornou-se uma ferramenta de verificação, pois serve para verificar se os esquemas do projeto físico satisfazem algumas características básicas. Estas características são conhecidas como medidas de qualidade que devem obrigatóriamente estar alinhadas as necessidades do projeto de banco de dados e seu modelagem conceitual.

Medidas de Qualidade

Na normalização, são analisadas algumas medidas de qualidade para o projeto de um esquema de relação. Estas medidas de qualidade visam, por exemplo, evitar um mau uso da memória. As medidas são as seguintes:

1 – Correta representação semântica – os dados devem ser projetados de forma a terem seus significados bem definidos e coerentes com o que realmente querem representar;

2 – Redução de valores redundantes – sempre que possível deve-se reduzir ao máximo os valores redundantes desnecessários, ou seja, valores que muitas vezes aparecem repetidos quando isto não seria preciso;

3 – Redução de valores nulos – sempre que possível deve-se reduzir o número de atributos que por alguma razão receberão muitos valores nulos;

4 – Não geração de tuplas espúrias (sem sentido) – durante o processo de normalização deve-se atentar para evitar que sejam geradas tuplas que não façam sentido diante da realidade, isto pode ocorrer devido a alguma decomposição.

Estas medidas de qualidade nos ajudam a estabelecer uma estrutura organizacional para nosso modelo de banco de dados, onde podemos tentar afirmar que estamos criando um cenário para armazenar com coerência.

Outro elemento muito importante quando estamos trabalhando com Normalização é a chamada dependência funcional, conhecida como propriedade da semântica ou do significado dos atributos. Você pode estar se perguntando poxa vida o que seria isso, calma vou tentar se ajudar neste respostas.

Dependência Funcional

As decomposições da normalização ocorrem seguindo os conceitos de dependências funcionais. A seguir estes conceitos serão apresentados, juntamente com as três principais e mais utilizadas formas normais.

Uma dependência funcional (DF) é uma propriedade da semântica ou do significado dos atributos. Formalmente, uma dependência funcional entre dois conjuntos de atributos, x e y, que são subconjuntos de um esquema de relação R, denotada por x® y é uma restrição que estabelece que para quaisquer tuplas t1 e t2 de uma instância r de R, tal que, se temos t1[x] = t2[x], então também devemos ter que t1[y] = t2[y].

Em outras palavras, os valores do componente y em uma tupla de r dependem de (ou são determinados por) valores do componente x.

Por exemplo:  Seja x = {Matrícula} e y = {Nome, Endereço, Telefone, CodCurso}, então {Matrícula} {Nome, Endereço, Telefone, CodCurso}, ou seja, a depender do valor da Matrícula, serão determinados os valores do Nome, Endereço, Telefone, e CodCurso.

Quando se define uma dependência funcional, esta regra deve valer para todas as instâncias da relação, é como se fosse uma restrição de integridade, onde em muitos casos não se pode deduzir a existência de uma dependência, conforme a Figura 1 apresentada abaixo demonstra:

Normalização

Figura 1 – Exemplo de como podemos identificar a existência ou não de dependência funcional.

Seguindo em frente, agora que conhecemos um pouco sobre a normalização, suas medidas de qualidade e seu principal elemento de decomposição chamado dependência funcional, o próximo passo é justamente conhecer e entender um pouco mais sobre esta técnica de decomposição de estrutura, para tal será necessário se aprofundar um pouco mais, vamos então começar a desmistificar as tão temidas Formas Normais (kkkkkk), tenho a certeza que você vai gostar.

Formas Normais Baseadas em Chaves Primárias

O processo de normalização é realizado gradativamente através de formas normais, definidas a partir do conceito de DF. As três principais formas normais são a Primeira Forma Normal (1FN), a Segunda Forma Normal (2FN) e a Terceira Forma Normal (3FN).

1FN  2FN  3FN……

Este processo de normalização é composto por algumas propriedades:

  1. Junções sem perda – uma vez definida uma decomposição, caso esta seja recomposta através de uma operação de junção, no resultado gerado não pode haver perdas;  e
  2. Preservação de dependências – assegura que cada DF seja representada em algumas relações individuais resultantes após a decomposição.

A Figura 2 apresentada a seguir ilustra como as formas normais trabalham, sua forma de uso e finalidade:

Normalização1
Figura 2 – Resumo formas normais.

Primeira Forma Normal (1FN)

Um esquema de relação R está na 1FN se todos os seus atributos forem atômicos e monovalorados, ou seja, não possuem valores que formam atributos compostos.

1 – Exemplo:
ESTUDANTES = {MATRÍCULA + NOME + ENDEREÇO + CODCURSO} e
ENDEREÇO é um atributo composto, ENDEREÇO = {RUA + NUMERO + BAIRRO + CIDADE + UF}.

Para colocar na 1FN faz:
ESTUDANTES={MATRÍCULA+NOME+RUA+NUMERO+BAIRRO+CIDADE+UF+CODCURSO}

Um esquema de relação R está na 1FN se todos os seus atributos forem atômicos e monovalorados, ou seja, não possuem valores que formam atributos compostos.

2 – Exemplo:

FUNCIONÁRIOS = {CODFUNC + NOME + CARGO + {PROJETO + DATAINI + DATAFIM}}

Para colocar na 1FN faz:

– FUNCIONÁRIOS = {CODFUNC + NOME + CARGO}

– FUNC_PROJ = {CODFUNC + PROJETO + DATAINI + DATAFIM}

Observação: todas as tabelas são relações na 1FN.

 

Segunda Forma Normal (2FN)

Dependência funcional total ou completa: Uma DF x® y é total, se não existir nenhum atributo A em x, tal que (x – {A})® y, para qualquer AÎ x, ou seja, se retirarmos este atributo A da relação x a DF deixa de existir. Caso contrário, x® y é parcial.

Definição da 2FN: Um esquema de relação está na 2FN se: estiver na 1FN e, além disso, todo atributo que não pertença a alguma de suas chaves for totalmente dependente da sua chave primária.

Em outras palavras, para que uma relação esteja na 2FN é preciso que esteja na 1FN e que, havendo uma chave primária composta, todos os dados que não são chaves dependem de toda a chave primária (a chave primária completa).

Seja o exemplo de uma relação que represente o estoque de um estabelecimento comercial, da seguinte forma:

ESTOQUE = {PRODUTO + ALMOX + END_ALMOX + UNID_EST + QTD + PRECO}

Não está na 2FN porque alguns dados não chave dependem somente de parte da chave, como END_ALMOX depende só de ALMOX, e UNID_EST depende só de PRODUTO.

Com a normalizando ficaria:
– Estoque = {PRODUTO + UNID_EST}
– Almoxarifado = {ALMOX + END_ALMOX}
– Produto= {PRODUTO + ALMOX + QTD + PRECO}

 

Terceira Forma Normal (3FN)

Dependência funcional transitiva: Uma DF x® y é transitiva em um esquema de relação R se existir um conjunto de atributos z, que não seja um subconjunto de alguma chave de R, e as DFs x® z e z® y forem válidas em R.

Um esquema de relação está na 3FN se: estiver na 2FN e, além disso, nenhum atributo que não pertença a alguma das suas chaves for transitivamente dependente da sua chave primária.

Em outras palavras, para que uma relação esteja na 3FN é preciso que esteja na 2FN e todo atributo, que não pertença a alguma chave for não dependente de algum outro atributo, que também não pertença a alguma chave.

Seja o exemplo de uma relação que represente os dados referentes às músicas, da seguinte forma:

Exemplo: MÚSICA = {CÓDIGO + TÍTULO + GÊNERO + PAÍS_ORIGEM}, supondo que neste exemplo, o PAÍS_ORIGEM refere-se ao GÊNERO musical e não a música, sendo assim, apesar de estar na 2FN, a relação não está na 3FN, pois existe  dependência entre GÊNERO e PAÍS_ORIGEM.

Com a normalizando ficaria:
MÚS_1 = {CÓDIGO + TÍTULO + GÊNERO}
MÚS_2 = {GÊNERO + PAÍS_ORIGEM}

Acredito que você pode ter entendido como inicialmente a normalização de dados vai influenciar na estrutura da sua modelagem de dados, como a mesma vai ser elaborada, estruturada e elaborada.

Para tentar ajudar o seu entendimento e tentar praticar o que estamos vendo neste post, vou deixar algumas perguntas que podem ser de extrema importância para o esclarecimento de dúvidas, como também, um exercício prático de normalização.


Questionário

1.O que é uma dependência funcional?

2.Quem especifica as dependências funcionais que se mantêm (são válidas) entre os atributos de um esquema de relação?

3.A que se refere a expressão “relação desnormalizada”?

4.Defina primeira, segunda e terceira formas normais quando somente chaves primárias são consideradas. Como as definições da 2FN e 3FN, que consideram todas as chaves de uma relação, diferem daquelas que consideram somente chaves primárias?

Exercício

Sejam os seguintes dados de uma locadora de automóveis:

A locadora aluga automóveis de uma determinada marca apenas para clientes pessoa jurídica (empresas). Estes clientes credenciam motoristas para utilizarem os veículos, o preço diário de aluguel e a potência do carro dependem de seu modelo. Considerando que a locadora necessite, para seu controle, dos dados descritos na seguinte relação:

  • REGISTRO_ALUGUEL = {NumCNH + NomeMotorista + DataNasc + CGCCliente + NomeCliente + EndCliente + {PlacaCarro + Modelo + Cor + Potência + QTDDiárias + PreçoDiária}}

Sendo assim chegamos ao final de mais uma dica do mês.

O conhecimento técnico é muito importante para qualquer profissional, mas o conceito é algo que sempre devemos valorizar e conhecer, a diferença entre um bom profissional e um profissional reconhecido e respeitado no mercado de trabalho é saber aliar o conhecimento teórico com o conhecimento prática, como muitos costumam dizer aliar a téoria a prática, sendo este o objetivo deste post.

Espero que você tenha gostado, que as informações e exemplos publicadas possam de alguma maneira ajudar e colaborar com suas atividades diárias, profissionais e ou acadêmicas.

Desejo um forte abraço, agradeço mais uma vez a sua visita.

Até mais.

 

MICROSOFT SQL SERVER MIGRATION ASSISTANT V6.0.1


A Microsoft disponibilizou para download nesta semana o Microsoft SQL Server Migration Assistant v6.0.1. Disponível para MySQL, Sybase, Oracle Database, IBM DB2 e Access, o Microsoft SQL Server Migration Assistant é uma ferramenta gratuita que simplifica o processo de migração destes produtos para o SQL Server e Azure SQL.

Microsoft SQL Server Migration Assistant v6.0.1

Microsoft SQL Server Migration Assistant v6.0.1 está disponível para MySQL, Sybase, Oracle Database, IBM DB2 e Access

A ferramenta automatiza todos os aspectos da migração e a versão 6.0.1 inclui o suporte para migração do MySQL 4.1 e posteriores, Sybase ASE 11.9 e posteriores, Oracle Database 9.07.3 e posteriores, e Access 97 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2005, SQL Server 2008, SQL Server 2008 R2, SQL Server 2012, SQL Server 2014 e para o Azure SQL.

No caso do IBM DB2, ele suporta a migração das versões 9.0 e 10.0 no z/OS e das versões 9.8 e 10.1 no Linux/Unix/Windows para o SQL Server 2012, SQL Server 2014 e Azure SQL.

O Microsoft SQL Server Migration Assistant v6.0.1 é compatível com o Windows 10 , Windows 7, Windows 8, Windows 8.1, Windows Server 2008 R2, Windows Server 2012 e Windows Server 2012 R2. Ele também requer o .NET Framework 4.0 ou posterior.

BAIXE O MICROSOFT SQL SERVER MIGRATION ASSISTANT V6.0.1

Download da versão 6.0.1 para MySQL
Download da versão 6.0.1 para Sybase
Download da versão 6.0.1 para Oracle Database
Download da versão 6.0.1 para Access
Download da versão 6.0.1 para IBM DB2

As páginas de download também listam alguns requisitos específicos, como MySQL Connector/ODBC v5.1 e Sybase OLEDB/ADO.Net/ODBC provider.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – SID VICIOUS @ 3 MAR 2016 | 10:03 AM

#01 – Para que serve


Muito bom dia, comunidade…..Tudo bem?

Hoje com muito orgulho e bastante ansiedade estou lançando uma nova sessão no meu blog, tenho a certeza que será algo muito diferente e que poderá trazer bastante interesse de todos. Este é o post #01 da sessão “Para que serve”, uma nova sessão que estará sendo publicada mensalmente com objetivo de apresentar como um script, ferramenta, linha de comando, enfim algo que esteja relacionado ao SQL Server e Banco de Dados que você não conheça ou tenha uma leve ideia de como pode ser utilizado.

Para este primeiro post, vou apresentar um pequeno script que utilizo frequentemente no SQL Server, sempre que necessito identificar algumas informações relacionadas a índices. Segue abaixo o Script #01 – Para que serve:

— #01 – Para que serve —

SELECT OBJECT_NAME(B.object_id) AS TableName,

              B.name AS IndexName,

              A.index_type_desc AS IndexType,

             A.avg_fragmentation_in_percent

FROM sys.dm_db_index_physical_stats(DB_ID(), NULL, NULL, NULL, ‘LIMITED’) A

            INNER JOIN sys.indexes B WITH(NOLOCK)

             ON B.object_id = A.object_id AND B.index_id = A.index_id

WHERE A.avg_fragmentation_in_percent > 30

AND OBJECT_NAME(B.object_id) NOT LIKE ‘[_]%’

AND A.index_type_desc != ‘HEAP’

ORDER BY A.avg_fragmentation_in_percent DESC


 

Então, veja, analíse e tente identificar o que este pequeno script pode fazer, e agora eu vou fazer a pergunta que leva o nome desta sessão.

Para que serve? Para que serve este script? Você já tem a resposta? Ela é muito simples e bastante útil.

Dicas: Se você analisou o código, poderá ter identificado algumas palavras chaves que podem ajudar:

  • Indexes;
  • Fragmentation;
  • AVG; e
  • Percent.

Hummm, se você juntar todas estas palavras, começamos a ter ideia do que e para que serve este script, se você chegou a conclusão que estamos falando de fragmentação de índices, acerto, consegui descobrir para que serve.

Resposta: O #01 – Para que serve faz referência e apresenta uma das maneiras mais utilizadas no SQL Server para se obter informações sobre índices fragmentados ou com indicadores de fragmentação. A primeira etapa para optar pelo método de fragmentação a ser usado é analisar o índice para determinar o grau de fragmentação.

Usando a função de sistema sys.dm_db_index_physical_stats, você pode detectar a fragmentação em um índice específico, em todos os índices de uma tabela ou exibição indexada, em todos os índices de um banco de dados ou em todos os índices de todos os bancos de dados.

Para índices particionados, sys.dm_db_index_physical_stats também fornece informações de fragmentação por partição.


Então é isso pessoal, este foi #01 – Para que serve, com certeza muito coisa será melhorada, novas ideias e formas de demonstrar como podemos usar e para que serve algo que se relaciona ao SQL Server e Banco de Dados.

Deseje suas críticas, sugestões, comentários e opiniões.

Mais uma vez o meu obrigado, um grande abraço, sucesso, nos encontramos em breve.

Valeu.

Cloud Roadshow: cursos gratuitos de computação em nuvem em São Paulo


A Microsoft realizará nos dias 19 e 20 de janeiro de 2016, o Cloud Roadshow, em São Paulo. O evento é gratuito e oferecerá cerca de 90 palestras ministradas por especialistas internacionais da companhia.

O objetivo é compartilhar, com aqueles que desejam aperfeiçoar suas habilidades em nuvem, as melhores práticas, visões, dicas e técnicas para quem cria e executa serviços na nuvem por meio das plataformas Office 365, Microsoft Azure e Windows 10.

Cloud Roadshow: cursos gratuitos de computação em nuvem em São Paulo

A Microsoft realizará nos dias 19 e 20 de janeiro de 2016, o Cloud Roadshow, em São Paulo. O evento é gratuito e oferecerá cerca de 90 palestras ministradas por especialistas internacionais da companhia

Cloud Roadshow: cursos gratuitos de computação em nuvem em São Paulo

Entre os demais temas que as sessões irão abranger figuram: segurança, open source, armazenamento, containers, DevOps, networking, Internet das Coisas, comunicações unificadas, identidade, web, colaboração, gestão, nuvem híbrida e muito mais.

Os participantes poderão optar por assistir às sessões específicas, como: comunicações, dados, desktop, ferramentas e processos, TI e infraestrutura em nuvem, aplicação da plataforma, mobilidade e segurança. Assim, poderão se especializar e aprofundar a aprendizagem em áreas de produtos e serviços específicos.

No final do primeiro dia do evento, também será possível interagir com os engenheiros e especialistas da Microsoft e com a comunidade técnica de especialistas MVPs (Most Valuable Professional).

As palestras serão realizadas todas em inglês e contarão com tradução simultânea.

O Brasil é o único país da América Latina que vai receber o Cloud Roadshow da Microsoft. Participarão, ao todo, 12 cidades no mundo, onde mais de 20 mil pessoas terão acesso às melhores práticas e treinamentos para o cenário da nuvem.

Saiba mais aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – Sid Vicious @ 3 dez 2015 | 7:42 am