Arquivo da tag: Internet

Microsoft confirma desativação dos protocolos TLS 1.0 e 1.1 para Microsoft Edge e Internet Explorer em 2020


A Microsoft anunciou no último dia 15 de outubro em seu blog que os protocolos TLS 1.0 e 1.1 no Microsoft Edge e Internet Explorer serão desativados por padrão a partir do primeiro semestre de 2020.

Estas versões do protocolo Transport Layer Security serão desativadas nas versões suportadas dos dois navegadores da empresa, conforme notificação da Microsoft, que também ressalta que 19 de janeiro de 2019 marca o 20º aniversário do TLS 1.0 – versão inaugural do protocolo para criptografia e autenticação de conexões seguras na Web

Nos últimos 20 anos, outras versões do TLS mais avançadas e seguras foram lançadas e o suporte para o TLS 1.3 em uma futura versão do Microsoft Edge já está em desenvolvimento.

Como as versões 1.0 e 1.1 deverão ser depreciadas formalmente pela IETF (Internet Engineering Task Force) no final deste ano, a recomendação é que sites migrem para as versões mais recentes do protocolo o mais rápido possível.

Preparando seus sites e organizações

Dados da SSL Labs mostram que 94% dos sites hoje já suportam o TLS 1.2 e menos de 1% das conexões feitas diariamente no Microsoft Edge usam o TLS 1.0 ou 1.1:

Microsoft desativará o TLS 1.0 e 1.1 no Microsoft Edge e Internet Explorer em 2020A Microsoft optou por anunciar bem antes que desativará o TLS 1.0 e 1.1 no Microsoft Edge e Internet Explorer para que os sites que ainda fazem uso destas versões tenham tempo suficiente para se preparar e fazer o upgrade para a versão 1.2 ou 1.3.

Esta mudança segue os semelhantes anúncios feitos pela Apple, Google e Mozilla, suporte mais seguro, suporte com melhor performance, conexões seguras, ajudando a avançar uma experiência de navegação mais segura para todos.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – Windows.blog – 15/10/2018 –  https://blogs.windows.com/msedgedev/2018/10/15/modernizing-tls-edge-ie11/#yItMJIZHSkMwOiY3.97

Anúncios

Microsoft adquire PlayFab, fornecedora de serviços de backend para jogos em na nuvem


No final do mês de janeiro a Microsoft realizou a compra e aquisição da empresa PlayFab,  fornecedora de plataforma de serviços backend para construir, desenvolver e lançar jogos conectados à nuvem, conforme anúncio feito por Kareem Choudhry.

Como Satya Nadella, nosso CEO, observou na reunião anual de acionistas: “Estamos nos mobilizando para seguir nossa ampla oportunidade em um mercado de mais de 100 bilhões de jogos. Isso significa ampliar nossa abordagem sobre como pensamos os jogos de ponta a ponta, como começá-los e a maneira que estão sendo criados e distribuídos, e como são jogados e visualizados.”

Mais de 1 bilhão de pessoas jogam videogame, alimentando uma indústria próspera cujo ecossistema está evoluindo e crescendo rapidamente. Muitos setores estão mudando para a nuvem inteligente, e essa tendência é verdadeira também na área de jogos. Isso significa que um número crescente de desenvolvedores procura criar jogos conectados para dispositivos móveis, PCs e consoles, que tenham ênfase nas operações pós-lançamento. No entanto, o custo e a complexidade de alcançar esse resultado por meio de ferramentas e tecnologias personalizadas do servidor são altas, e a PlayFab oferece aos desenvolvedores um modelo atraente que varia naturalmente com os jogadores de seus games.

Os serviços de backend da PlayFab reduzem as barreiras do lançamento para os desenvolvedores de jogos, oferecendo soluções de desenvolvimento com bom custo-benefício para estúdios grandes e pequenos, que escalam seus jogos e os ajudam a engajar, reter e rentabilizar os jogadores. A PlayFab permite que os desenvolvedores usem a nuvem inteligente para criar e operar jogos, analisar dados e melhorar as experiências gerais dos títulos.

A plataforma PlayFab é um complemento natural do Azure para jogos (Visite azure.com/gaming para mais informações). O Azure, disponível localmente em 42 regiões em todo o mundo, fornece infraestrutura de servidores de primeira linha, permitindo que os criadores se concentrem na construção de ótimos jogos com alcance global. Para os jogadores, isso leva a um grau de inovação mais alto e rápido, além de melhores experiências.

Incorporar a experiência da PlayFab, a crescente rede de desenvolvedores de jogos e a poderosa plataforma de jogo como serviço em nossa oferta de produtos é um passo importante para os jogos na Microsoft. A PlayFab atendeu mais de 700 milhões de jogadores e atualmente abriga mais de 1.200 jogos de empresas como Disney, Rovio e Atari. Sua plataforma de jogos inclui alguns dos títulos mais proeminentes do setor, como “Idle Miner Tycoon”, “Angry Birds: Seasons” e “Roller Coaster Tycoon Touch”.

Juntos, o Azure e a PlayFab vão liberar ainda mais o poder da nuvem inteligente para o setor de jogos, permitindo que os desenvolvedores e gamers apreciem em todo o mundo.”

As ferramentas da PlayFab são projetadas para ser usadas por desenvolvedores de jogos em todas as plataformas (móveis, PC e console). Essa aquisição amplia os investimentos e o trabalho que fizemos no Microsoft Azure para fornecer uma plataforma de nuvem de primeira linha para o setor de jogos.

Microsoft anuncia a compra da PlayFabPara mais informações sobre a PlayFab, acesse um post no blog de James Gwertzman, CEO e co-fundador.

Fontes e Direitos Autorais: 

Microsoft apresenta o Windows Desktop Application Program, sua nova ferramenta de análise para desenvolvedores


A Microsoft apresentou no último dia 23 o Windows Desktop Application Program, uma nova ferramenta online de análise voltada para desenvolvedores. Com ela os desenvolvedores podem visualizar e analisar detalhes sobre a performance de seus aplicativos, ocorrência de falhas, popularidade com os usuários e mais.

De posse dos dados obtidos pela ferramenta os desenvolvedores também podem monitorar e priorizar correções e monitorar a distribuição dos aplicativos. Os desenvolvedores interessados no Windows Desktop Application Program podem fazer o login com uma conta da Microsoft e registar seus certificados.

Desenvolvedores que já possuem uma conta no Windows Dev Center podem optar pelo acesso ao programa acessando a página Programs nas configurações da conta.

Mais detalhes, incluindo um vídeo que oferece uma visão geral da ferramenta, podem ser encontrados no post com o anúncio da Microsoft:

Microsoft anuncia o Windows Desktop Application Program, sua nova ferramenta para desenvolvedores


Fontes e Direitos Autorais: 23/01/2018 – Windows Blog –
https://blogs.windows.com/buildingapps/2018/01/23/introducing-windows-desktop-program-desktop-application-analytics/#KQ6MPa29QL8XEJsx.97

Microsoft não oferecerá atualizações de segurança realizadas ao Windows em computadores com antivírus considerados incompatíveis


A Microsoft publicou em seu site de suporte um alerta informando que não oferecerá atualizações de segurança para o Windows em PCs com antivírus incompatíveis.

A empresa tomou esta atitude depois que os usuários enfrentaram problemas com a atualização disponibilizada recentemente com foco nas vulnerabilidades Meltdown e Spectre.

Por causa dos antivírus incompatíveis, alguns PCs não puderam mais ser inicializados corretamente após a instalação da atualização. Para evitar problemas similares no futuro, a Microsoft alertou que não oferecerá atualizações de segurança para o Windows em PCs com antivírus incompatíveis.

Os desenvolvedores de softwares antivírus deverão tornar seus produtos compatíveis com esta e futuras atualizações definindo a seguinte chave de registro:

Key=”HKEY_LOCAL_MACHINE” Subkey=”SOFTWARE\Microsoft\Windows\CurrentVersion\QualityCompat”
Value=”cadca5fe-87d3-4b96-b7fb-a231484277cc”
Type=”REG_DWORD”
Data=”0x00000000”

Microsoft não oferecerá atualizações de segurança para o Windows em PCs com antivírus incompatíveis

Perguntas frequentes

Por que algumas soluções antivírus são incompatíveis com as atualizações de segurança?
Durante seu processo de testes, a Microsoft descobriu que alguns softwares antivírus de terceiros estão fazendo chamadas sem suporte para memória do kernel do Windows, causando erros de parada (também conhecidos como erros de tela azul).

O que a Microsoft está fazendo para ajudar a atenuar os problemas causados por esses aplicativos sem suporte?
Para proteger seus clientes contra telas azuis e cenários desconhecidos, a Microsoft exige que todos os fornecedores de software antivírus confirmem a compatibilidade de seus aplicativos, definindo uma chave de registro do Windows.

Por quanto tempo a Microsoft exigirá a definição de uma chave do Registro para receber atualizações de segurança?
A Microsoft adicionou esse requisito para garantir que os clientes possam instalar com êxito as atualizações de segurança de janeiro de 2018. A empresa continuará a impor esse requisito até que haja confiança de que a maioria dos clientes não encontrará falhas de dispositivo depois de instalar as atualizações de segurança.

Tenho um aplicativo antivírus compatível, mas não recebi a opção de atualizações de segurança de janeiro de 2018. O que devo fazer?
Em alguns casos, pode demorar até que as atualizações de segurança sejam entregues nos sistemas, particularmente para dispositivos que foram desligados ou que não conectados à Internet (offline). Depois que eles forem novamente ligados, esses sistemas receberão atualizações de seus provedores de software antivírus. Os clientes que ainda estiverem enfrentando problemas 24 horas depois de garantirem que seus dispositivos têm boa conectividade com a Internet deverão contactar seus fornecedores de software antivírus para conhecer as etapas de solução de problemas adicionais.

Meu software antivírus não é compatível. O que devo fazer?
A Microsoft tem trabalhado estreitamente com parceiros de software antivírus para ajudar a garantir que todos os clientes recebam as atualizações de segurança do Windows de janeiro de 2018 o mais rápido possível. Se os clientes não estiverem recebendo a atualização de segurança deste mês, a Microsoft recomenda que eles contatem seus fornecedores de software antivírus.

Tenho um aplicativo de software antivírus compatível, mas ainda estou com problemas de tela azul. O que devo fazer?
A Microsoft reuniu os seguintes recursos para ajudar os clientes potencialmente afetados:

– Solucionar problemas de erros de tela azul
– Solucionando erros de parada (tela azul) no Windows 7

Fontes e Direitos Autorais: Suporte da Microsoft – 05/01/2018 – https://support.microsoft.com/pt-br/help/4072699/january-3-2018-windows-security-updates-and-antivirus-software

Microsoft anuncia o Windows 10 IoT Core Starter Kit


A Microsoft anunciou hoje o Windows 10 IoT Core Starter Kit, que basicamente é um kit pronto para ajudar os desenvolvedores na criação de um novo projeto.

O kit foi desenvolvido em parceria com a Adafruit e inclui componentes como sensores, cabos, cartão SD com o Windows 10 IoT Core instalado e placa Raspberry Pi 2.

O Windows 10 IoT Core Starter Kit está disponível por US$ 114,95 com a placa Raspberry Pi 2 e por US$ 39,95 sem a placa Raspberry Pi 2.

O kit também vem com um conjunto de instruções e amostras de códigos para projetos que você pode criar.

Windows 10 IoT Core Starter Kit:

Microsoft anuncia o Windows 10 IoT Core Starter Kit

iot-core-skit-02-mini
Clique na imagem para ampliá-la

O Windows 10 para “Internet das Coisas” permite que desenvolvedores e entusiastas criem dispositivos conectados à nuvem usando placas de desenvolvimento como as já citadas Raspberry Pi 2 e Minnowboard Max. Mais detalhes sobre estas duas placas e sobre outras similares podem ser encontrados aqui.

A Microsoft falou pela primeira vez sobre esta versão do Windows 10 em novembro de 2014.

Os interessados podem fazer o download da versão final do Windows 10 IoT Core para as placas Raspberry Pi 2 e Intel MinnowBoard MAX, e das ferramentas adicionais aqui. O sistema operacional está disponível gratuitamente.

O site oficial do Windows 10 IoT Core inclui informações sobre ele, modelos de projetos que podem ser usados pelos desenvolvedores e muito mais.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – Sid Vicious @ 24 set 2015 | 3:05 pm

Microsoft cria navegador com código aberto usando HTML, JavaScript e CSS


A equipe de desenvolvimento do navegador Microsoft Edge publicou um post em seu blog mostrando que é possível criar um navegador com código aberto usando HTML, JavaScript e CSS.

Navegador com código aberto usando HTML, JavaScript e CSS

O núcleo principal deste navegador é o controle WebView, que inclui o mecanismo de renderização EdgeHTML – o mesmo do navegador Microsoft Edge. Este controle oferece diversas APIs e não traz as limitações que afetam os iframes.

A Microsoft disponibilizou o código do navegador baseado em HTML, JavaScript e CSS em seu repositório no GitHub.

Uma versão de demonstração do navegador também está disponível para download através da Windows Store.

Clique na imagem para ver um gif animado do navegador:

Microsoft cria navegador com código aberto usando HTML, JavaScript e CSS

Fontes e Direitos Autorias: Baboo.com – Sid Vicious

Internet Explorer completa 20 anos


Lançado em 16 de agosto de 1995, o Internet Explorer completa 20 anos de vida neste mês. A versão 1.0 do navegador foi distribuída inicialmente junto com o pacote Microsoft Plus! para Windows 95.

Para não deixar a data passar em branco, a equipe do Microsoft Edge publicou em sua conta no Twitter uma pequena mensagem desejando um feliz aniversário para o navegador:

Internet Explorer completa 20 anos

Internet Explorer completa 20 anos

O Internet Explorer 1.0, que pode ser visto na imagem abaixo, era baseado no Spyglass Mosaic, que foi licenciado pela Microsoft e usado para formar a base do código de outras versões do Internet Explorer.

MS_IE1.0_01

O Internet Explorer 3.0, lançado no dia 13 de agosto de 1996, foi a primeira versão do navegador realmente bem sucedida. A versão 3.0 também marca o início da integração do Internet Explorer com o Windows:

MS_IE3.0_02

O lançamento da versão 4.0 em setembro de 1997 marcou o início do domínio do Internet Explorer no mercado de navegadores (quando ele chegou a ter uma fatia de mais de 90%). Este domínio continuou até o lançamento da versão 6.0:

MS_IE4.0_03

Por falar na versão 6.0, ela foi lançada junto com o Windows XP em outubro de 2001 (embora tenha ficado pronta em agosto do mesmo ano) e até hoje é muito criticada por sua grande quantidade de falhas de segurança e problemas de compatibilidade com diversos padrões na Web:

MS_IE6.0_04

Já a versão 7.0, lançada em outubro de 2006, marcou a primeira grande mudança visual no navegador desde o lançamento do IE 1.0 com a inclusão do suporte para tabbed browsing (navegação por abas):

MS_IE7.0_05

A versão 8 foi lançada em março de 2009. Esta versão trouxe melhorias no suporte para alguns padrões da Web como CSS e diversas melhorias na segurança (para a época).

O Internet Explorer 8 também foi o primeiro navegador da Microsoft a passar no teste Acid2.

MS_IE8.0_06

Em 2009, a União Europeia determinou que a Microsoft incluísse no Windows uma tela listando diversos navegadores alternativos. A determinação visava garantir a liberdade de escolha dos usuários do Windows na Europa.

O Internet Explorer 9 chegou ao mercado oficialmente em março de 2011. O desenvolvimento desta versão começou logo após o lançamento da versão 8.

Ele foi anunciado pela Microsoft durante a edição de 2009 da sua Professional Developers Conference (ou PDC).

Esta versão trouxe o suporte para renderização acelerada via hardware, suporte para alguns elementos do HTML5 e um novo mecanismo JavaScript em sua versão 32 bits:

MS_IE9.0_07

O Internet Explorer 10 foi lançado junto com o Windows 8 em outubro de 2012 e em fevereiro de 2013 para Windows 7. O Windows Vista não é suportado.

No Windows 8, o Internet Explorer 10 foi dividido em duas interfaces, a tradicional para uso na área de trabalho e a versão “Moderna”, otimizada para uso com telas sensíveis ao toque.

A versão 10 também trouxe melhorias no suporte para a aceleração via hardware e para diversos padrões da Web, como o CSS3.

MS_IE10.0_08
Com a chegada do Windows 8.1, que foi lançado no dia 18 de outubro de 2013, a Microsoft também lançou o Internet Explorer 11. Esta versão do navegador também está disponível para o Windows 7.

O Internet Explorer 11 trouxe novidades como suporte para o protocolo SPDY, suporte para renderização de elementos 3D usando WebGL, novo modo protegido avançado, melhorias em seu mecanismo de renderização de páginas, melhorias no recurso de proteção contra rastreamento e melhorias em seu mecanismo JavaScript.

MS_IE11.0_09
MS_IE11.Metro_010
O Internet Explorer 11 também está presente no Windows 10, que foi lançado em 29 de julho de 2015. O detalhe é que ele foi substituído pelo Microsoft Edge como o navegador padrão do sistema operacional.

O Microsoft Edge foi desenvolvido como um app da Windows Store, o que agilizará o processo de atualização para novas versões.

O navegador está presente tanto no Windows 10 “tradicional” para PCs e laptops como no Windows 10 Mobile para smartphones e tablets pequenos.

MS_Edge_011
O Internet Explorer completa 20 anos neste mês. Qual foi a primeira versão usada por você?

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – Sid Vicious