Microsoft Edge Chromium Based muito próximo de ser liberado


O Microsoft Edge baseado no Chromium agora com WebView2 e isso é algo muito bom e que iria acontecer mais cedo ou mais tarde. Por quê?

A resposta é simples, porque é o WebView que permite aos desenvolvedores criar conteúdo da Web em seus aplicativos, incluindo páginas de entrada para determinados serviços ou PWA, que dependem quase inteiramente do conteúdo da web.

Agora, com o WebView2 sendo alimentado pelo mesmo motor do Chromium que impulsiona a nova versão do Edge, a experiência pode ser melhor de diversas maneiras, especialmente porque deve ser mais interoperável com as experiências da Web criadas para outras plataformas. Para mostrar os recursos do WebView2, a Microsoft estará desenvolvendo uma nova experiência de add-ins para seus aplicativos do Office no futuro, impulsionada pelo novo controle.

Afim de garantir que a experiência dos usuários seja consistente em todos os dispositivos Windows, o controle WebView2 será atualizado com o próprio navegador Edge por padrão, o que significa que todos os usuários terão os mesmos recursos, independentemente de qual versão do Windows eles estejam executando.

Caso os desenvolvedores queiram ter mais controle sobre a experiência, eles podem enviar seus aplicativos com uma versão específica do WebView2 e atualizá-los em seu próprio ritmo.

microsoft edge
A chegada do WebView2 facilitará o processo de login dentro de aplicações web e muito mais

O melhor de tudo é:

O mais importante é que o WebView2 abre as portas para unificação do browser rumo a completa substituição do motor EdgeHTML e MSHTML ainda usado no Edge que vem com o Windows 10. A novidade anunciada era um dos passos que faltava para a completa migração do browser padrão do Windows 10 para sua nova versão e para que enfim aconteça sua liberação geral e irrestrita para todos os usuários do Windows.

Dessa forma, não deve demorar para a Microsoft liberar o novo Edge baseado no Projeto Chromium ser entregue junto com uma grande atualização do seu sistema operacional, colocando um fim na era do Edge baseado no EdgeHTML, deixando de ser apenas um programa Beta.

O que é o Microsoft Chromium Based?

O novo Microsoft Edge é um browser da Microsoft criado com base no Projeto Chromium, que é um projeto de código aberto também utilizado pelo Google para desenvolver o Chrome. Ele faz uso do motor Blink. A mudança radical da Microsoft visa elevar o nível de compatibilidade do seu navegador afim de aumentar o engajamento dos seus usuários e a popularidade do browser.

O Edge Chromium based ainda está em sua fase inicial de desenvolvimento, tanto que atualmente ele só está disponível em versões consideradas Alpha. Nem o Beta foi liberado ainda. Existem dois canais para escolher, o Canary e o DEV.

Clique aqui para obter mais informações sobre o novo Edge e também para fazer o download a versão que mais lhe agrada.

Fonte e Direitos Autorais: Blog – Windows.com – / Program Manager, WebView – 19/06/2019.
Leia na integra acessando: https://blogs.windows.com/msedgedev/2019/06/18/building-hybrid-applications-with-the-webview2-developer-preview/#zEWM4oLlHDEKkkGT.97

Uma parceria histórica envolvendo games firmada entre Microsoft e Sony


Na última quinta-feira dia 16, as empresas Microsoft e Sony anunciaram uma parceria histórica que visa oferecer o que é de mais moderno quando o assunto é experiência de usuário em plataformas de entretenimento e soluções de inteligência artificial (AI) em torno do mercado de jogos eletrônicos.

a parceria?

microsoft e sony
CEO da Sony ao lado do CEO da Microsoft

Em resumo a Sony vai começar a usar as soluções da plataforma em Nuvem da Microsoft, o Azure, para seus serviços de games e streaming, além da exploração da incorporação das ferramentas avançadas de AI da Microsoft e semicondutores nos produtos da empresa, tudo no intuito de fornecer experiências “altamente intuitivas e fáceis de usar”, isso nas palavras da própria empresa.

Sobre a parceria o presidente e CEO da Sony, Kenichiro Yoshida, disse o seguinte:

“O PlayStation surgiu através da integração de criatividade e tecnologia. Nossa missão é evoluir continuamente essa plataforma como uma que continua a oferecer as melhores e mais imersivas experiências de entretenimento, junto com um ambiente de nuvem que garante a melhor experiência possível, a qualquer hora, em qualquer lugar. Por muitos anos, a Microsoft tem sido um parceiro comercial importante para nós, embora, é claro, as duas empresas também estejam competindo em algumas áreas. Acredito que o desenvolvimento conjunto de futuras soluções em nuvem contribuirá muito para o avanço do conteúdo interativo”.

Yoshida lembrou bem que Sony e Microsoft são parceria há anos. As empresas já trabalharam juntas em vários projetos, especialmente quando o assunto são PCs com Windows, mas sempre competiram no mercado de games, então, essa é a primeira vez que elas trabalharão juntas em algo relacionados ao mercado de jogos eletrônicos.

Depois do CEO da Sony, temos a seguir algumas palavras do chefe do Xbox dentro da Microsoft, Phil Spencer, que também fez alguns comentários sobre a nova parceria.

“Empolgado com as oportunidades à frente com a @Sony para que possamos perseguir nossas ambições mútuas em jogos e encantar os jogadores ao redor do mundo”

O CEO da Microsoft não poderia ficar de fora da conversa e falou o seguinte:

“A Sony sempre foi líder em entretenimento e tecnologia, e a colaboração que anunciamos hoje se baseia nessa história de inovação”, disse Nadella. “Nossa parceria traz o poder do Azure e do Azure AI para a Sony para oferecer novas experiências de entretenimento e jogos para os clientes”, ressaltou ele.

“As duas empresas explorarão o desenvolvimento conjunto da futura solução de nuvem no Microsoft Azure para suportar seus respectivos serviços de streaming de conteúdo e jogos”, explica uma declaração da Microsoft.

Sem dúvida essa é uma reação aos mais recentes anúncios do Google, como por exemplo, da plataforma de streaming de jogo Stadia, então, Sony e Microsoft parecem não querer deixar nem uma migalha do bolo do mercado de jogos para o Google.

Com Inteligência Artificial também está no foco da parceria, a Microsoft também vai usar tecnologia Sony para aprimorar seus produtos, como por exemplo, a Microsoft pretende usar os mais avançados sensores de imagem da Sony em sintonia com a tecnologia de IA da Azure para melhorar as experiências em sua Nuvem.

E o Xbox e o Playstation nessa história?

Neste primeiro momento, não há qualquer sinal de integração entre a plataforma Xbox e a Playstation, como jogos multiplataforma ou algo do gênero, no entanto, dada a abrangência dessa nova parceria em torno de Cloud Services, nada impede que no futuro as empresas combinem de abrir uma loja única e online para permitir o acesso a jogos diversos via streaming. Não de jogos exclusivos, mas ao menos de títulos de terceiros que geralmente lançam seus produtos para ambas as plataformas.

Fontes e Direitos Autorais: theenemy e Microsoft – 16/05/2019.

Novidades sobre Microsoft Edge baseado no Chromium


Recentemente a Microsoft disponibilizou uma série de notícias que apresentam as principiais novidades que o novo Microsoft Edge baseado na tecnologia e recursos Chromium ira apresentar.

Abaixo destaco algumas:

  • Adicionada uma opção “Copiar o link de download” para o menu de um item baixado;
  • O menu de contexto de um download cancelado não mostra mais uma lista de itens desativados e, em vez disso, mostra apenas “Copiar o link de download” ou “Copy download link”;
  • Adicionada uma opção “Salvar como” à barra de ferramentas no visualizador de PDF
  • A opção do menu de contexto “Adicionar ao dicionário” para uma palavra incorreta agora tem um ícone;
  • Para links rápidos na nova guia, se não houver um ícone de site disponível, o browser mostrará um ícone criado a partir da primeira letra do site; e
  • Eles aumentaram o tamanho de alguns textos no flyout do perfil do usuário para facilitar a leitura.

Além destas novidades, uma grande relação de bugs reportados foram corrigidos, dentre eles:

  • A caixa de diálogo enviar feedback não verifica mais os URLs e os endereços de e-mail;
  • Corrigido um bug em que o Microsoft Edge poderia travar após ser acessado por meio de uma sessão de área de trabalho remota;
  • Corrigida uma falha ao navegar de volta para os resultados da pesquisa de histórico;
  • Corrigida uma falha relacionada a dicas de ferramenta que ocorreria em vários cenários diferentes; e
  • Corrigido um problema de formatação visual com o aviso sobre um download de arquivo perigoso.

Antes de update vale lembrar que ele ganhou suporte ao Bing Tradutor, que passou a ser nativo no navegador, contudo, ainda não é funcional para quem usa um idioma diferente do inglês, já que por enquanto ele só traduz página para esse idioma; ganhou ainda um corretor ortográfico e por ai vai.

o que foi sentido falta até o momento?

Continuamos sentindo falta da opção que permita a tradução completa do navegador para nosso idioma (menus, caixa de contexto, etc). Na verdade, não só para o nosso, pois, a Microsoft ainda não liberou a tradução do aplicativo para nenhuma outro idioma que não o inglês. Até já baixei o PT-BR para quando liberar eu já fazer a mudanças, mas por hora, todo o conteúdo do browser só está disponível em inglês.

Gravação de tela mostrando coleções exportando um conjunto de câmeras salvas para um documento do Word.

Por fim, também estamos sentindo falta da liberação da versão Beta. Hoje, só dois canais estão disponíveis para download, que é o DEV e o Canary, ou seja, dois canais com compilações muito experimentais, digamos assim, versões Alpha. Queremos que eles liberem logo a versão Beta, pois, teoricamente ela seria mais estável e assim poderíamos ver mais pessoas “se arriscando” nos testes de modo que isso aceleraria o desenvolvimento do navegador. Ao menos eles liberam as versões de teste para o macOS.

Como obter essa versão do browser?

Para usar o novo Edge é necessário se inscrever no Programa Insider do Microsoft Edge baseado no Chromium e isso pode ser feito clicando aqui. Você não precisa ser um Windows Insider para se tornar um insider do Edge.

Fontes e Direitos Autorais: Alexandre Lima – WindowsTeam.com.br – 16/05/2019.
Leia na integra acessando: https://www.windowsteam.com.br/as-novidades-mais-recentes-do-microsoft-edge-baseado-no-chromium/

Uma ótima novidade Microsoft Edge agora compatível com o Windows 10 de 32bits


Segundo informações obtidas pelo portal brasileiro WindowsTeam, a próxima versão do Microsoft Edge terá suporte nativa versões do Windows 10 rodando em plataforma 32 bits.


A versão Canary do Microsoft Edge baseado no projeto Chromium foi atualizada para a v. 75.0.133.0. A principal novidade é a chegada do suporte a versões do Windows 10 de 32 bits e baseadas em ARM, além do Windows 7, Windows 8.1 e Mac. E a partir de ontem à noite, a Microsoft finalmente deu o primeiro passo nessa direção.

“Começando com a versão de hoje do Canary (75.0.133.0), você pode agora instalar o preview do Microsoft Edge em 32-bit [PCs]”, tweetou a conta do Microsoft Edge Dev . “Experimente e deixe-nos saber o que você pensa!”

Ontem (18), foi a versão DEV do browser que recebeu seu primeiro update e agora a versão ainda mais experimental foi pra frente com uma novidade que nem nós esperávamos.

Microsoft edge

O update de hoje deixa bem claro que esse novo Edge um dia irá migrar para o Windows 10 no ARM ou mesmo para a Microsoft Store.

Fontes e Direitos: WindowsTeam – https://www.windowsteam.com.br/novo-microsoft-edge-agora-compativel-com-o-windows-10-de-32bits/

Microsoft libera nova preview do SQL Server 2019 denominada 2.4


Ontem a Microsoft através do seu time MSSQLTiger, disponibilizou a nova versão preview da próxima versão do Microsoft SQL Server 2019.

Este novo preview foi batizado de SQL Server 2019 2.4 (quinta versão), vale ressaltar que nos últimos meses a Microsoft vem trabalhando fortemente para liberação de novas versões preliminares.

Novidades

Um dos destaques desta nova versão preliminar faz referência a integração do SQL Server com o Apache Spark™ e o HDFS com o SQL Server, criando assim  uma nova plataforma de dados unificada, que possibilita um grande salto no produto relacionado com os novos padrões de dados e processamento em larga escala.

Segundo informações fornecidas pela Microsoft, o SQL Server 2019 oferece mais segurança, disponibilidade e desempenho para todas as cargas de dados, além de trazer novas ferramentas de conformidade (relacionadas a GDPR e LGPD), melhor desempenho em hardware moderno e alta disponibilidade em Windows, Linux e contêineres.

A Figura 1 abaixo ilustra a página inicial do website da Microsoft dedicado ao Microsoft SQL Server 2019:

Figura 1 – Introdução ao Microsoft SQL Server 2019.

Melhorias

Esta versão inclui melhorias de versões CTP anteriores para corrigir bugs, melhorar a segurança e otimizar o desempenho.

Além disso, os seguintes recursos são adicionados ou aprimorados para SQL Server 2019 pré-visualização CTP 2.4:

    • Cluster de grande volume de dados
      • Orientação na GPU suporte para a execução de profunda aprendizagem com TensorFlow no Spark.
      • Atualização em tempo real para Spark 2.4.
    • Mecanismo de banco de dados
      • Novo evento estendido.query_post_execution_plan_profile
      • Nova DMF retorna o equivalente o último plano de execução real conhecido para a maioria das consultas.sys.dm_exec_query_plan_stats
      • Criptografia de dados transparente (TDE) varredura – suspender e continuar.
    • SQL Server Analysis Services
      • Relacionamentos muitos-para-muitos em modelos tabulares.
      • Configurações de propriedade para a gerenciamento de recursos.

Download

Dentre as opções disponíveis, você poderá optar tanto para rodar em ambientes físicos como Windows e Linux ou virtualizados através de máquinas virtuais ou containers, conforme Figura 2 abaixo ilustra:

Figura 2 – Plataformas para download disponíveis para versão 2.3 do Microsoft SQL Server 2019.

O Microsoft Server 2019 Preview 2.4 para Windows está disponível em arquivos ISO, arquivo .cab para os seguintes idiomas:

  • Inglês;
  • Alemão;
  • Japonês;
  • Espanhol;
  • Coreano;
  • Russo;
  • Italiano;
  • Francês;
  • Chinês (simplificado);
  • Chinês (tradicional); e
  • Português (Brasil)‎.

Saiba mais sobre o SQL Server 2019

Caso você queria saber mais sobre esta nova versão do Microsoft SQL Server e seus principais recursos, selecione um dos links abaixo:

https://info.microsoft.com/ww-landing-SQLDB-Microsoft-SQL-Server-WhitePaper.html

http://download.microsoft.com/download/8/B/6/8B643729-6224-4ECC-8C50-3292B8156F0E/SQL_Server_2019_Transform-Data_into_Insights_Infographic_EN_US.pdf

http://download.microsoft.com/download/D/2/5/D2519504-0ACD-4CD7-9C34-AB85D5824F34/SQL_Server_2019_Top_10_Reasons_to_Choose_Infographic_EN_US.pdf

https://info.microsoft.com/ww-landing-intro-sql-server-2019.html

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – SQL Server BlogSQL Server Team – 27/03/2019.
Leia na integra acessando: https://docs.microsoft.com/en-us/sql/sql-server/what-s-new-in-sql-server-ver15?view=sql-server-ver15#ctp-24

Microsoft Windows Server IoT 2019 fará parte das edições do novo Windows Server 2019


Com base em anuncio realizado no mês de Fevereiro, a Microsoft confirmou a disponibilidade da versão IoT para o futuro Windows Server 2019, denominado Windows Server 2019 IoT.

A documentação oficial destaca que Windows Server IoT 2019 é a versão completa do Windows Server 2019 que oferece capacidades de gerenciamento e segurança corporativas para soluções de IoT (Internet of Things ou Internet das Coisas).

A nova versão compartilha todos os benefícios do ecossistema do Windows em todo o mundo. Ele é um equivalente binário para o Windows Server 2019, para que você possa usar as mesmas ferramentas de desenvolvimento e gerenciamento conhecidas que você usa em seus servidores de uso geral:

Mas quando se referimos a modalidades de licenciamento e distribuição, a versão de uso geral e as versões de IoT diferem. O Windows Server IoT 2019 só é licenciado através do canal OEM com direitos especiais de uso dedicado.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – Windows Blogs – / Director of Program Management, Windows IoT and Networking.

Leia na integra acessando: https://blogs.windows.com/windowsexperience/2019/02/26/microsoft-announces-latest-windows-iot-innovations-for-intelligent-edge-devices-at-embedded-world/#ikeGT2SK1ocK3FbO.97

 

Formjacking é o mais novo esquema de lucro dos criminosos cibernéticos


Diante da redução dos retornos provenientes de ransomware e cryptojacking, os criminosos cibernéticos têm recorrido a métodos alternativos, como o formjacking, para ganhar dinheiro, de acordo com o Internet Security Threat Report (ISTR), Volume 24, da Symantec, recém divulgado.

O estudo oferece uma visão geral do panorama de ameaças, incluindo informações sobre atividades das ameaças globais, tendências de criminosos cibernéticos e motivações dos invasores, a partir da análise dos dados da Global Intelligence Network da Symantec, uma das maiores redes civis de inteligência contra ameaças do mundo, que registra eventos de 123 milhões de sensores de ataque, bloqueia 142 milhões de ameaças diariamente e monitora as atividades em mais de 157 países. Os destaques do relatório deste ano incluem:

1 – Crescimento do formjacking
Os ataques de formjacking são simples (essencialmente, como roubos virtuais de caixa eletrônico), com criminosos cibernéticos injetando código malicioso em sites de lojas, para roubar informações sobre os cartões de pagamento dos clientes. Em média, mais de 4.800 sites únicos são comprometidos por código de formjacking, todos os meses. A Symantec bloqueou mais de 3,7 milhões de ataques de formjacking contra endpoints em 2018, com quase um terço de todas as detecções ocorrendo durante o período mais movimentado do ano em compras online, entre novembro e dezembro.

Embora os sites de pagamentos de algumas empresas conhecidas, incluindo a Ticketmaster e a British Airways, tenham sido comprometidos por código de formjacking recentemente, a pesquisa da Symantec revela que as lojas pequenas e médias são as mais comprometidas.

Em estimativas conservadoras, os criminosos cibernéticos podem ter se apropriado de dezenas de milhões de dólares no ano passado, roubando informações pessoais e financeiras dos clientes, por meio de fraudes com cartão de crédito e vendas na Dark Web. Apenas 10 cartões de crédito roubados de cada site comprometido poderiam render até U$ 2,2 milhões por mês, com um único cartão de crédito, alcançando o preço de U$ 45 nos fóruns de vendas ilegais. Com mais de 380.000 cartões de crédito roubados, apenas o ataque à British Airways pode ter permitido que os criminosos lucrassem mais de U$ 17 milhões.

“O formjacking é uma ameaça séria, tanto para as empresas como para os clientes”, diz Greg Clark, CEO da Symantec. “Sem usar uma solução de segurança abrangente, os clientes não têm meios de saber se estão visitando uma loja online infectada, deixando suas valiosas informações pessoais e financeiras vulneráveis a um roubo de identidade que pode ser devastador. Para as empresas, o aumento explosivo do formjacking reflete o risco crescente de ataques de logística, para não mencionar os riscos à reputação que as empresas enfrentam quando são comprometidas.”

2 – A redução de retorno de cryptojacking e ransomware
Nos últimos anos, o ransomware e o cryptojacking foram os métodos mais usados por criminosos cibernéticos em busca de dinheiro fácil – os criminosos aproveitam o poder de processamento roubado e o uso da CPU de clientes e empresas, na nuvem, para minerar criptomoedas. Porém, em 2018 houve uma redução de retorno e, consequentemente, desse tipo de atividade. Esses ataques se tornaram menos eficazes principalmente devido à queda dos valores das criptomoedas e da adoção crescente da nuvem e da computação móvel. Pela primeira vez desde 2013, as infecções por ransomware diminuíram, caindo 20%. Apesar disso, as organizações não devem baixar a guarda. As infecções por ransomware em empresas saltaram 12% em 2018, contrariando a tendência geral de queda e demonstrando que o ransomware continua sendo uma ameaça contínua às empresas. De fato, mais de oito em cada dez infecções por ransomware são em empresas.

Embora as atividades de cryptojacking tenham chegado ao ápice no início do ano passado, elas diminuíram em 52% ao longo de 2018. Mesmo com o valor das criptomoedas caindo 90% e perdendo lucratividade, o cryptojacking ainda é atraente para os invasores, devido à facilidade dos ataques, sobrecarga mínima e anonimato que oferece. A Symantec bloqueou mais de 3,5 milhões de eventos de cryptojacking em endpoints apenas em dezembro de 2018.

3 – Em segurança, a nuvem é o novo PC
Os mesmos erros de segurança que eram cometidos nos PCs durante sua adoção inicial pelas organizações, agora estão acontecendo na nuvem. Uma única carga de trabalho ou instância de armazenamento mal configurada na nuvem pode custar milhões de dólares a uma empresa ou colocá-la em um pesadelo de conformidade. Somente no ano passado, mais de 70 milhões de registros foram roubados ou vazados por causa de buckets do S3 mal configurados. Também existem várias ferramentas facilmente acessíveis na Internet, que permitem aos invasores identificar recursos mal configurados na nuvem.

As descobertas recentes de vulnerabilidades em chips de hardware, incluindo Meltdown, Spectre e Foreshadow também colocam os serviços na nuvem em risco de exploração – para obtenção de acesso aos espaços de memória protegidos – outros recursos da companhia que estejam hospedados no mesmo servidor físico.

4 – Ataques mais furtivos e ambiciosos graças ao uso de ferramentas de ataque de subsistência e pontos fracos de logística
Os ataques de logística e de subsistência (LotL) agora são comuns no panorama moderno de ameaças, sendo amplamente adotados tanto por criminosos cibernéticos como por grupos de ataques direcionados. De fato, os ataques de logística aumentaram 78% em 2018.

As técnicas de ataque de subsistência permitem que os invasores mantenham um perfil discreto e escondam suas atividades em meio a uma massa de processos legítimos. Por exemplo, o uso de scripts maliciosos do PowerShell aumentou em 1.000% no ano passado. Embora a Symantec bloqueie 115.000 scripts maliciosos do PowerShell todos os meses, isso representa menos de 1% do uso geral do PowerShell. Uma abordagem excessiva, visando o bloqueio de todas as atividades do PowerShell, atrapalharia as empresas, demonstrando ainda mais claramente porque a técnica de ataque de subsistência se tornou a tática preferida de muitos grupos de ataques direcionados.

Identificar e bloquear esses ataques são tarefas que requerem o uso de métodos avançados de detecção, incluindo análise e Machine Learning.

Além das táticas de ataque de subsistência e pontos fracos na logística de software, os invasores também estão aumentando o uso de métodos convencionais de ataque, como o phishing direcionado, para se infiltrar nas organizações. Embora a coleta de inteligência continue sendo o motivo principal dos ataques direcionados, o número de grupos de ataque usando malware para destruir e atrapalhar as operações comerciais aumentou 25% em 2018.

5 – A Internet das Coisas na mira dos criminosos cibernéticos e grupos de ataque
Apesar do volume de ataques à Internet das Coisas (Internet of Things, IoT) ter permanecido alto e consistente com os níveis de 2017, o perfil dos ataques está mudando bastante. Embora roteadores e câmeras conectadas componham a maior porcentagem de dispositivos infectados (90%), foi provado que quase todos os dispositivos IoT são vulneráveis, e todos eles, de lâmpadas inteligentes a assistentes de voz, podem criar pontos de entrada adicionais para invasores.

Os grupos de ataques direcionados estão cada vez mais concentrados na IoT como um ponto de entrada crucial. O surgimento do malware roteador VPNFilter representa uma evolução das ameaças tradicionais à IoT. Concebido por um agente de ameaças habilidoso e com recursos, ele permite que seus criadores destruam ou apaguem um dispositivo, roubem credenciais e dados, e interceptem comunicações SCADA.

“Com a tendência crescente da convergência da TI e da IoT industrial, o próximo campo de batalha cibernético será a tecnologia operacional”, afirma Kevin Haley, diretor de Security Response da Symantec. Um número crescente de grupos, como Thrip e Triton, demonstrou interesse em comprometer sistemas operacionais e sistemas de controle industrial em uma possível preparação para guerra cibernética.

6 – O grande despertar da privacidade
Com o recente escândalo de dados da Cambridge Analytica, as audiências sobre privacidade do Facebook, a implementação do Regulamento Geral de Proteção de Dados (General Data Privacy Regulation  – GDPR) e revelações sobre o rastreamento de localização de aplicativos e bugs de privacidade em apps muito utilizados, como o recurso FaceTime da Apple, a privacidade do consumidor ganhou os holofotes no ano passado.

O smartphone pode ser o melhor dispositivo de espionagem que já existiu – câmera, dispositivo de escuta e rastreador de localização, tudo no mesmo aparelho, que é carregado voluntariamente e usado onde quer que o proprietário esteja. Embora já sejam alvo de Estados devido a espionagem tradicional, os smartphones também se tornaram uma ferramenta lucrativa para coletar informações pessoais dos clientes, com os desenvolvedores de aplicativos móveis figurando como piores infratores.

De acordo com a pesquisa Symantec, 45% dos aplicativos Android e 25% dos aplicativos iOS mais populares solicitam rastreamento de local; 46% dos aplicativos Android e 24% dos aplicativos mais populares do iOS solicitam permissão para acessar a câmera do dispositivo; e os endereços de e-mail são compartilhados com 44% dos principais aplicativos para Android e 48% dos aplicativos mais populares do iOS.

Ferramentas digitais que coletam dados de celulares para rastrear crianças, amigos ou telefones perdidos também estão aumentando e abrindo um caminho para o abuso de tecnologia, ao rastrear outras pessoas sem consentimento.

Mais de 200 aplicativos e serviços oferecem aos possíveis perseguidores uma variedade de recursos, incluindo rastreamento básico de localização, coleta de texto e até a gravação secreta de vídeos.

Fontes e Direitos Autorais: cio.com.br – Direto da Redação.

Microsoft anuncia modo escuro no OneNote e melhorias na navegação


O OneNote é um programa de anotações incrivelmente popular da Microsoft que é usado por milhões de clientes em todo o mundo. Enquanto o OneNote apresenta uma variedade de ferramentas como a capacidade de desenhar, o mesmo ainda não se sente uma ferramenta  unificada ou até mesmo integrado com o sistema operacional de um certo modo.

Repare no seguinte cenário, observe que sempre ao acessar o OneNote, o mesmo apresenta um ambiente totalmente brilhante, isso ao longo do seu uso, pode tornar seu usabilidade um pouco cansativa, e não só isso, este brilho pode gerar possível danos as nossas retinas.

Desta maneira, o aplicativo é sempre incrivelmente brilhante, não importa se o seu sistema operacional é personalizado para ir fácil sobre os olhos. Felizmente, isso está prestes a mudar muito em breve.

De acordo com um relatório da aggiornamenti Lumia, a Microsoft está adicionando um tema escuro para o OneNote em seus próximas atualizações. Não é claro quando esse recurso será liberado, mas parece que ele já está rolando para um seleto grupo de insiders do Windows na atual fase de testes.

A Figura 1 abaixo ilustre o OneNote em modo escuro (Dark Mode):Figura 1 – Visual do OneNote em uso apresentando o Dark Mode.

Além do modo escuro, o OneNote parece estar recebendo navegação melhorada. Segundo o Vice-Presidente da Microsoft Laura Buttler informou em uma nota: “um novo conjunto de aprimoramentos foram adicionados, permitindo assim estabelecer a navegação melhorada”,  outros indícios destes possíveis aprimoramentos também foi encontrar em imagens recentes publicadas no Twitter.

Esperemos que as alterações irão tornar o OneNote ainda mais fácil de usar,  o qual está disponível em uma variedade de plataformas do Windows para o Mac, por isso é uma ferramenta bastante versátil.

Fonte e Direitos Autorais: Windows Central – Asher Madan  – 06/02/2019.
Leia na integra acessando: https://www.windowscentral.com/onenote-gets-dark-mode-and-improved-navigation-soon

O que é o Microsoft ‘ Windows Lite ‘ OS?


Falar de uma nova versão, leve do Windows tem sido cada vez mais comum desde o final do ano passado, principalmente após algumas referências ao  “Windows Lite ” terem aparecido dentro de um dos muitos Windows Insider Preview liberados regularmente.

Não demorou muito para o primeiro relatório surgir e apresentar alguns detalhes sobre o Windows Lite. A partir daí, entendemos que o Windows Lite vai ser o concorrente da Microsoft Chrome OS… assim como o Windows 10 S supostamente foi.

Windows Lite será ideal para você?

Isso levanta a questão, o que exatamente será esse “Windows Lite”? Esforços anteriores da Microsoft em tentar fazer uma versão do Windows 10 para o mercado do Chrome OS tem se aumentado ainda mais.

Um cliente querendo comprar um dispositivo Windows provavelmente está esperando que ele seja capaz de executar programas como Google Chrome e muitas outras aplicações Win32 que não estão Microsoft Store. Para a Microsoft ter a hipótese de fazer um sistema operacional que está equilibrado como o Chrome OS ou mais leve que o iOS , precisa cortar os laços com a marca Windows.

A diferença com Windows Lite, é que ele corta todos os laços com o que vamos esperar de um produto de “Windows”, muito que os rumores sugerem que Microsoft nem venha a fazer referência ao nome “Windows” quando provavelmente realizar seu anunciado oficial. 

Fazendo isso abre a Microsoft esta abrindo as portas em relação a capacidade do seu novo sistema operacional, ela estará na verdade evitando expectativas de disponibilidade do app, como também permitindo a própria empresa experimentar e se aventurar em um novo território, quando se trata de experiência do usuário.

Usuários do Windows vem para esperar uma barra de tarefas familiar e começar a combinação de botão e se afastar muito longe de que experiência causa problemas para os usuários. Caso no ponto: Windows 8. Não ligar para a nova versão do Windows deve ajudar a Microsoft a afastar isso.

Voltando à nossa pergunta inicial, que é de Lite para Windows? Simplificando, é para pessoas que não precisam de dispositivos com um Windows completo. É para as mesmas pessoas que estão olhando para o iPad com iOS e pensamento Sim, eu faço o que eu preciso fazer com algo assim. Mesmo para as pessoas que compram dispositivos de Chrome OS.

A Microsoft vai direto para esse mercado, o que eu gosto de chamar o mercado de “computação de luz”. Computação de luz é um dispositivo e experiência de sistema operacional que foi projetado para sair do modo e atender as necessidades básicas da maioria das pessoas usando um laptop ou tablet.

O que mais pode significar Windows Lite ?

Neste sentido, o Windows Lite muito provavelmente vai para ser um grande jogador na estratégia de educação da Microsoft, que também tem visto Chrome OS com este potencial.

A Microsoft não pode perder o mercado de educação para o Chrome OS e iOS, mas 10 Windows em si não é suficiente para competir mais nesta indústria, uuitas escolas querem uma plataforma que é simples e fácil de manter.

A web também é uma parte enorme do Windows Lite. Me disseram que muito esta sendo priorizar a web com suas experiências nos laços profundos neste novo sistema operacional. Eu não ficaria surpreso se a Microsoft anunciar um Windows Lite PCs como dispositivos que vêm com o gabinete de graça, ou Office web apps.

Windows Lite é tanto um competidor ao lado do Chrome OS como ele também está competindo com o Google Docs. Chrome OS e Google Docs estão amarrados juntos muito bem, e eu espero ver o mesmo com Lite Windows e Office Online. O Windows Lite é para usuários casuais, pessoas em educação e a multidão de computação luz.

Se você é alguém que verifica e-mail, escreve documentos, elabora planilhas, faz apresentações, ouve música, assiste a Netflix e navega Reddit, então Windows Lite, assim como o Chrome OS e o iPad, é para você.

É uma versão do Windows que está se esforçando muito para não ser Windows, e estou interessado em ver até onde a Microsoft leva essa ideia.

Fontes e Direitos Autorais: Zac Bowden – Editor Sênior no Windows Central – 30/01/2019.
Leia na integra acessando: https://www.windowscentral.com/who-windows-lite-going-be

Microsoft confirma desativação dos protocolos TLS 1.0 e 1.1 para Microsoft Edge e Internet Explorer em 2020


A Microsoft anunciou no último dia 15 de outubro em seu blog que os protocolos TLS 1.0 e 1.1 no Microsoft Edge e Internet Explorer serão desativados por padrão a partir do primeiro semestre de 2020.

Estas versões do protocolo Transport Layer Security serão desativadas nas versões suportadas dos dois navegadores da empresa, conforme notificação da Microsoft, que também ressalta que 19 de janeiro de 2019 marca o 20º aniversário do TLS 1.0 – versão inaugural do protocolo para criptografia e autenticação de conexões seguras na Web

Nos últimos 20 anos, outras versões do TLS mais avançadas e seguras foram lançadas e o suporte para o TLS 1.3 em uma futura versão do Microsoft Edge já está em desenvolvimento.

Como as versões 1.0 e 1.1 deverão ser depreciadas formalmente pela IETF (Internet Engineering Task Force) no final deste ano, a recomendação é que sites migrem para as versões mais recentes do protocolo o mais rápido possível.

Preparando seus sites e organizações

Dados da SSL Labs mostram que 94% dos sites hoje já suportam o TLS 1.2 e menos de 1% das conexões feitas diariamente no Microsoft Edge usam o TLS 1.0 ou 1.1:

Microsoft desativará o TLS 1.0 e 1.1 no Microsoft Edge e Internet Explorer em 2020A Microsoft optou por anunciar bem antes que desativará o TLS 1.0 e 1.1 no Microsoft Edge e Internet Explorer para que os sites que ainda fazem uso destas versões tenham tempo suficiente para se preparar e fazer o upgrade para a versão 1.2 ou 1.3.

Esta mudança segue os semelhantes anúncios feitos pela Apple, Google e Mozilla, suporte mais seguro, suporte com melhor performance, conexões seguras, ajudando a avançar uma experiência de navegação mais segura para todos.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – Windows.blog – 15/10/2018 –  https://blogs.windows.com/msedgedev/2018/10/15/modernizing-tls-edge-ie11/#yItMJIZHSkMwOiY3.97

Microsoft adquire PlayFab, fornecedora de serviços de backend para jogos em na nuvem


No final do mês de janeiro a Microsoft realizou a compra e aquisição da empresa PlayFab,  fornecedora de plataforma de serviços backend para construir, desenvolver e lançar jogos conectados à nuvem, conforme anúncio feito por Kareem Choudhry.

Como Satya Nadella, nosso CEO, observou na reunião anual de acionistas: “Estamos nos mobilizando para seguir nossa ampla oportunidade em um mercado de mais de 100 bilhões de jogos. Isso significa ampliar nossa abordagem sobre como pensamos os jogos de ponta a ponta, como começá-los e a maneira que estão sendo criados e distribuídos, e como são jogados e visualizados.”

Mais de 1 bilhão de pessoas jogam videogame, alimentando uma indústria próspera cujo ecossistema está evoluindo e crescendo rapidamente. Muitos setores estão mudando para a nuvem inteligente, e essa tendência é verdadeira também na área de jogos. Isso significa que um número crescente de desenvolvedores procura criar jogos conectados para dispositivos móveis, PCs e consoles, que tenham ênfase nas operações pós-lançamento. No entanto, o custo e a complexidade de alcançar esse resultado por meio de ferramentas e tecnologias personalizadas do servidor são altas, e a PlayFab oferece aos desenvolvedores um modelo atraente que varia naturalmente com os jogadores de seus games.

Os serviços de backend da PlayFab reduzem as barreiras do lançamento para os desenvolvedores de jogos, oferecendo soluções de desenvolvimento com bom custo-benefício para estúdios grandes e pequenos, que escalam seus jogos e os ajudam a engajar, reter e rentabilizar os jogadores. A PlayFab permite que os desenvolvedores usem a nuvem inteligente para criar e operar jogos, analisar dados e melhorar as experiências gerais dos títulos.

A plataforma PlayFab é um complemento natural do Azure para jogos (Visite azure.com/gaming para mais informações). O Azure, disponível localmente em 42 regiões em todo o mundo, fornece infraestrutura de servidores de primeira linha, permitindo que os criadores se concentrem na construção de ótimos jogos com alcance global. Para os jogadores, isso leva a um grau de inovação mais alto e rápido, além de melhores experiências.

Incorporar a experiência da PlayFab, a crescente rede de desenvolvedores de jogos e a poderosa plataforma de jogo como serviço em nossa oferta de produtos é um passo importante para os jogos na Microsoft. A PlayFab atendeu mais de 700 milhões de jogadores e atualmente abriga mais de 1.200 jogos de empresas como Disney, Rovio e Atari. Sua plataforma de jogos inclui alguns dos títulos mais proeminentes do setor, como “Idle Miner Tycoon”, “Angry Birds: Seasons” e “Roller Coaster Tycoon Touch”.

Juntos, o Azure e a PlayFab vão liberar ainda mais o poder da nuvem inteligente para o setor de jogos, permitindo que os desenvolvedores e gamers apreciem em todo o mundo.”

As ferramentas da PlayFab são projetadas para ser usadas por desenvolvedores de jogos em todas as plataformas (móveis, PC e console). Essa aquisição amplia os investimentos e o trabalho que fizemos no Microsoft Azure para fornecer uma plataforma de nuvem de primeira linha para o setor de jogos.

Microsoft anuncia a compra da PlayFabPara mais informações sobre a PlayFab, acesse um post no blog de James Gwertzman, CEO e co-fundador.

Fontes e Direitos Autorais: 

Microsoft apresenta o Windows Desktop Application Program, sua nova ferramenta de análise para desenvolvedores


A Microsoft apresentou no último dia 23 o Windows Desktop Application Program, uma nova ferramenta online de análise voltada para desenvolvedores. Com ela os desenvolvedores podem visualizar e analisar detalhes sobre a performance de seus aplicativos, ocorrência de falhas, popularidade com os usuários e mais.

De posse dos dados obtidos pela ferramenta os desenvolvedores também podem monitorar e priorizar correções e monitorar a distribuição dos aplicativos. Os desenvolvedores interessados no Windows Desktop Application Program podem fazer o login com uma conta da Microsoft e registar seus certificados.

Desenvolvedores que já possuem uma conta no Windows Dev Center podem optar pelo acesso ao programa acessando a página Programs nas configurações da conta.

Mais detalhes, incluindo um vídeo que oferece uma visão geral da ferramenta, podem ser encontrados no post com o anúncio da Microsoft:

Microsoft anuncia o Windows Desktop Application Program, sua nova ferramenta para desenvolvedores


Fontes e Direitos Autorais: 23/01/2018 – Windows Blog –
https://blogs.windows.com/buildingapps/2018/01/23/introducing-windows-desktop-program-desktop-application-analytics/#KQ6MPa29QL8XEJsx.97

Microsoft não oferecerá atualizações de segurança realizadas ao Windows em computadores com antivírus considerados incompatíveis


A Microsoft publicou em seu site de suporte um alerta informando que não oferecerá atualizações de segurança para o Windows em PCs com antivírus incompatíveis.

A empresa tomou esta atitude depois que os usuários enfrentaram problemas com a atualização disponibilizada recentemente com foco nas vulnerabilidades Meltdown e Spectre.

Por causa dos antivírus incompatíveis, alguns PCs não puderam mais ser inicializados corretamente após a instalação da atualização. Para evitar problemas similares no futuro, a Microsoft alertou que não oferecerá atualizações de segurança para o Windows em PCs com antivírus incompatíveis.

Os desenvolvedores de softwares antivírus deverão tornar seus produtos compatíveis com esta e futuras atualizações definindo a seguinte chave de registro:

Key=”HKEY_LOCAL_MACHINE” Subkey=”SOFTWARE\Microsoft\Windows\CurrentVersion\QualityCompat”
Value=”cadca5fe-87d3-4b96-b7fb-a231484277cc”
Type=”REG_DWORD”
Data=”0x00000000”

Microsoft não oferecerá atualizações de segurança para o Windows em PCs com antivírus incompatíveis

Perguntas frequentes

Por que algumas soluções antivírus são incompatíveis com as atualizações de segurança?
Durante seu processo de testes, a Microsoft descobriu que alguns softwares antivírus de terceiros estão fazendo chamadas sem suporte para memória do kernel do Windows, causando erros de parada (também conhecidos como erros de tela azul).

O que a Microsoft está fazendo para ajudar a atenuar os problemas causados por esses aplicativos sem suporte?
Para proteger seus clientes contra telas azuis e cenários desconhecidos, a Microsoft exige que todos os fornecedores de software antivírus confirmem a compatibilidade de seus aplicativos, definindo uma chave de registro do Windows.

Por quanto tempo a Microsoft exigirá a definição de uma chave do Registro para receber atualizações de segurança?
A Microsoft adicionou esse requisito para garantir que os clientes possam instalar com êxito as atualizações de segurança de janeiro de 2018. A empresa continuará a impor esse requisito até que haja confiança de que a maioria dos clientes não encontrará falhas de dispositivo depois de instalar as atualizações de segurança.

Tenho um aplicativo antivírus compatível, mas não recebi a opção de atualizações de segurança de janeiro de 2018. O que devo fazer?
Em alguns casos, pode demorar até que as atualizações de segurança sejam entregues nos sistemas, particularmente para dispositivos que foram desligados ou que não conectados à Internet (offline). Depois que eles forem novamente ligados, esses sistemas receberão atualizações de seus provedores de software antivírus. Os clientes que ainda estiverem enfrentando problemas 24 horas depois de garantirem que seus dispositivos têm boa conectividade com a Internet deverão contactar seus fornecedores de software antivírus para conhecer as etapas de solução de problemas adicionais.

Meu software antivírus não é compatível. O que devo fazer?
A Microsoft tem trabalhado estreitamente com parceiros de software antivírus para ajudar a garantir que todos os clientes recebam as atualizações de segurança do Windows de janeiro de 2018 o mais rápido possível. Se os clientes não estiverem recebendo a atualização de segurança deste mês, a Microsoft recomenda que eles contatem seus fornecedores de software antivírus.

Tenho um aplicativo de software antivírus compatível, mas ainda estou com problemas de tela azul. O que devo fazer?
A Microsoft reuniu os seguintes recursos para ajudar os clientes potencialmente afetados:

– Solucionar problemas de erros de tela azul
– Solucionando erros de parada (tela azul) no Windows 7

Fontes e Direitos Autorais: Suporte da Microsoft – 05/01/2018 – https://support.microsoft.com/pt-br/help/4072699/january-3-2018-windows-security-updates-and-antivirus-software

Microsoft anuncia o Windows 10 IoT Core Starter Kit


A Microsoft anunciou hoje o Windows 10 IoT Core Starter Kit, que basicamente é um kit pronto para ajudar os desenvolvedores na criação de um novo projeto.

O kit foi desenvolvido em parceria com a Adafruit e inclui componentes como sensores, cabos, cartão SD com o Windows 10 IoT Core instalado e placa Raspberry Pi 2.

O Windows 10 IoT Core Starter Kit está disponível por US$ 114,95 com a placa Raspberry Pi 2 e por US$ 39,95 sem a placa Raspberry Pi 2.

O kit também vem com um conjunto de instruções e amostras de códigos para projetos que você pode criar.

Windows 10 IoT Core Starter Kit:

Microsoft anuncia o Windows 10 IoT Core Starter Kit

iot-core-skit-02-mini
Clique na imagem para ampliá-la

O Windows 10 para “Internet das Coisas” permite que desenvolvedores e entusiastas criem dispositivos conectados à nuvem usando placas de desenvolvimento como as já citadas Raspberry Pi 2 e Minnowboard Max. Mais detalhes sobre estas duas placas e sobre outras similares podem ser encontrados aqui.

A Microsoft falou pela primeira vez sobre esta versão do Windows 10 em novembro de 2014.

Os interessados podem fazer o download da versão final do Windows 10 IoT Core para as placas Raspberry Pi 2 e Intel MinnowBoard MAX, e das ferramentas adicionais aqui. O sistema operacional está disponível gratuitamente.

O site oficial do Windows 10 IoT Core inclui informações sobre ele, modelos de projetos que podem ser usados pelos desenvolvedores e muito mais.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – Sid Vicious @ 24 set 2015 | 3:05 pm

Microsoft cria navegador com código aberto usando HTML, JavaScript e CSS


A equipe de desenvolvimento do navegador Microsoft Edge publicou um post em seu blog mostrando que é possível criar um navegador com código aberto usando HTML, JavaScript e CSS.

Navegador com código aberto usando HTML, JavaScript e CSS

O núcleo principal deste navegador é o controle WebView, que inclui o mecanismo de renderização EdgeHTML – o mesmo do navegador Microsoft Edge. Este controle oferece diversas APIs e não traz as limitações que afetam os iframes.

A Microsoft disponibilizou o código do navegador baseado em HTML, JavaScript e CSS em seu repositório no GitHub.

Uma versão de demonstração do navegador também está disponível para download através da Windows Store.

Clique na imagem para ver um gif animado do navegador:

Microsoft cria navegador com código aberto usando HTML, JavaScript e CSS

Fontes e Direitos Autorias: Baboo.com – Sid Vicious