Arquivo da tag: Mercado

Programa Microsoft para Startups


A Microsoft realizou ontem dia 14/02 o anúncio do programa Microsoft para Startups, que oferece acesso a negócios, tecnologia e benefícios da comunidade e que ajuda as empresas iniciantes a expandir sua base de clientes e a receita, construir uma plataforma confiável que cresça com elas e conectar-se à sua comunidade e clientes.

A empresa alocará US$ 500 milhões nos próximos dois anos para oferecer opções de covenda para startups, além do acesso à tecnologia da Microsoft e novos espaços comunitários que promovam a colaboração dentro dos ecossistemas locais. Startups são um motor de inovação indiscutível, e a Microsoft está em parceria com fundadores e investidores para ajudar a acelerar seu crescimento. Este novo programa foi projetado para ajudar as startups em ações relacionadas á:

Vender para novos clientes, setores e mercados
O programa Microsoft para Startups possui uma abordagem única que liga startups a clientes. A Microsoft possui mais de 30.000 representantes de vendas e 800.000 parceiros cujo objetivo é impulsionar a adoção de soluções de nuvem da Microsoft em empresas de todos os tamanhos e setores em todo o mundo. O programa fornece recursos que preparam suas equipes de marketing e vendas para atender aos padrões dos clientes corporativos e, em seguida, permitir que eles vendam para essas organizações em parceria com a vasta organização de vendas da Microsoft e o ecossistema parceiro.

 

Microsoft anuncia o programa Microsoft para Startups

Inovar rapidamente com o acesso a ferramentas confiáveis ​​de tecnologia, suporte e desenvolvimento
O programa oferece às startups até US$ 120 mil em créditos gratuitos de Azure, suporte técnico de nível empresarial e ferramentas de desenvolvimento para ajudá-los a criar soluções inovadoras na nuvem utilizada ​​por 90% das empresas do ranking Fortune 500.

Acessar os recursos certos no momento certo
O Microsoft para Startups ajuda empresas iniciantes em todas as etapas em ecossistemas de todo o mundo:

Microsoft Reactors são espaços físicos onde empresários, desenvolvedores, investidores e a comunidade empresarial podem se unir para interagir, aprender e compartilhar. Durante o próximo mês, abriremos as portas nos novos espaços Microsoft Reactor em Londres, Sydney, Tel Aviv, Berlim, Xangai e Pequim. Esses espaços somam-se a nossos locais existentes em Redmond, Seattle, San Francisco e Nova York.

– Acesso ao Microsoft ScaleUp (antigo Microsoft Accelerators), ajudando as startups de série A e posterior a se ajustar ao mercado de produtos, aprimorar suas infraestruturas e construir seus negócios usando os serviços Azure e Microsoft Dynamics.

– Conexões com a Microsoft Ventures, equipe estratégica de investimento em capital de risco da Microsoft, cuja missão é ser um parceiro ativo em estágios-chave do crescimento de uma empresa, normalmente investindo entre as séries A e D.

As startups nos inspiram a ir além do possível e construir produtos que melhoram nossas vidas pessoais e profissionais. A Microsoft está animada para se associar a startups para capacitar cada pessoa e organização no planeta.

Para maiores informações acesse: startups.microsoft.com.

Fontes e Direitos Autorais: https://startups.microsoft.com/en-us/ – 14/02/2018.

Anúncios

Mercado corporativo responde bem à adoção do Windows 10, diz Gartner


Havia muita dúvida a respeito da adoção do Windows 10 ao mercado corporativo. Isso porque o Windows 8 e o Windows 8.1 foram rejeitados pelas empresas que preferiram permanecer com o Windows 7 em suas máquinas. No entanto, com as diversas mudanças e melhorias presentes no novo sistema operacional da Microsoft, o mercado corporativo está respondendo muito bem às expectativas.

Apesar das mudanças exigirem alterações na forma de gerir o suporte, a reação das empresas em relação ao Windows 10 superou as expectativas do Gartner. “Sabíamos que a recepção ia ser melhor que a do Windows 8”, disse Stephen Kleynhans durante o Gartner Symposium/ITExpo, nos Estados Unidos. Mesmo assim, o analista se disse “chocado” com a resposta positiva.

Essa reação, na opinião de Kleynhans, é reflexo da qualidade do sistema operacional, mas também do fato de a atualização para o Windows 10 ser praticamente inevitável. Em 2018, o Gartner prevê que cerca de 80% dos usuários empresariais estejam utilizando o Windows 10.

A mudança de sistema realça alguns aspectos importantes no planejamento dos executivos de TI. Algumas desinstalações devem ser realizadas, visto que há um prazo curto para o suporte, como é o caso do Internet Explorer para as versões 8 e 10, que termina neste ano.

É importante que as empresas estejam atentas ao fato da Microsoft optar por atualizações incrementais de quatro em quatro meses, considera o analista. Pode haver complicações, caso as empresas desconsiderem isso. Não será necessário correr imediatamente para atualizar cada posto de trabalho, mas é preciso manter as máquinas atualizadas nas últimas versões. Manter o sistema desatualizado poderá implicar em problemas de segurança críticos para ambientes corporativos.

Para Kleynhans, os executivos de TI interessados em “realmente fazer uso do Windows 10” devem repensar em seus processos. A adoção do sistema operacional é um compromisso de manter a empresa atualizada “com a mais recente versão”. Não basta apenas instalar o Windows 10 na rede empresarial. Os que querem manter a segurança e o bom desempenho do sistema “precisam de um pouco mais de trabalho”, ressalta o analista.

Fontes e Direitos Autorais: Canaltech – Redação | em 14.10.2015 às 10h15.

Windows Phone rouba mercado de Android e iOS e chega a 10% dos smartphones na Europa


thumb-32171246-windowsphone-resized

O Windows Phone continua atrás dos rivais Android e iOS, mas na Europa, a situação está melhorando bastante. Segundo dados divulgados nesta segunda-feira pela Kantar Worldpanel, o sistema operacional móvel da Microsoft chegou a 10% dos smartphones nos cinco principais países europeus – Reino Unido, Alemanha, França, Itália e Espanha.

A análise contempla agosto a outubro de 2013, e mostra que, em comparação com o mesmo período do ano passado, a participação do SO no mercado do velho continente subiu de 4,8% para 10,2% – ajudado pelos aparelhos de baixo custo, seguindo a escola do Google. O Android, que ainda reina absoluto, cresceu de 64,5% para 70,9%, enquanto o iOS, por sua vez, registrou uma queda, de 20,8% para 15,8%. A BlackBerry, por fim, foi de 5,1% para 1,8% – entre os países analisados pela Kantar, o SO cresceu apenas na Austrália.

171244-tabela

Na França, a parcela de mercado do WP é menor, mas o salto foi bem maior, refletindo melhor o comportamento da Europa. Do terceiro trimestre de 2012 para o terceiro de 2013, o sistema da Microsoft saltou de 5,1% para 12,5%. O iOS, por sua vez, caiu de 19,5% para 15,9%, enquanto o Android foi de 60,4% para 68,1% – e são os franceses que acabaram refletindo melhor o comportamento da Europa.

Lançamentos da Apple – Se mantivermos a comparação limitada apenas aos terceiros trimestres de 2012 e 2013, os dados divulgados pela Kantar mostram uma boa ascensão do Windows Phone e uma aparente queda do iOS. Vendo por esse lado, tais dados sugeririam que os lançamentos que os lançamentos dos iPhones 5s e 5c foram “um fracasso”.

No entanto, o cenário muda se pegarmos as informações da Kantar relativas a setembro deste ano. Colocando-as de frente com as de outubro, vê-se que a participação da Apple no mercado europeu aumentou depois da chegada dos novos aparelhos – foi de 14,6% para 15,8%, e o crescimento só não foi registrado na Itália. Essa melhora foi vista também nos Estados Unidos e na Austrália, países que receberam os novos smartphones no período.

Mas de um mês para o outro, o Windows Phone ainda mostra indícios da ascensão, tanto na Europa quanto em outros mercados, exceção feita à China. Comparando setembro com outubro de 2013, quem perdeu espaço foi o Android – levemente no mercado europeu (de 71,9% para 70,9%) e mais bruscamente no norte-americano (de 57,3% para 52,6%).

De qualquer forma, mesmo com essa melhora nos números na reta final de 2013, ainda se vê que nem os lançamentos de novos aparelhos conseguiram colocar a Apple no mesmo patamar de 2012 – basta ver a comparação dos dois terceiros trimestres, de agosto a outubro. Ainda falta um período de três meses, no entanto, para ver qual será o resultado deste ano.

Fontes e Direitos Autorais: 02/12/2013 17h48 – Atualizado em 02/12/2013 20h44 – Gustavo Gusmão, de INFO Online

Microsoft agora permite transferência do Office 2013 para outros PCs


A Microsoft anunciou nesta quarta-feira (6) que a partir de agora licenças do Office 2013 poderão ser transferidas para outros computadores.

A mudança foi feita com base no feedback dos usuários do pacote de produtividade, de acordo com um post no blog oficial do Office. Segundo a empresa de Redmond, a novidade garante que os consumidores poderão transferir o Office 2013 para um computador diferente caso aconteça algum problema com seus PCs ou eles comprem um novo. Anteriormente, o cliente só podia transferir a suíte de escritório para um novo dispositivo se o seu PC desse algum problema na autenticação.

Segue abaixo o trecho que a MS publicou no blog, no formato de pergunta e resposta (tradução livre):

Posso transferir o software para outro computador ou usuário?
Você pode transferir o software para outro computador que pertence a você, mas não mais do que uma vez a cada 90 dias (exceto devido à falha de hardware, caso em que você pode transferir novamente). Se você transferir o software para outro computador, esse outro se torna o “pc licenciado”. Você também pode passar o programa (junto com a licença) para um computador pertencente à outra pessoa, se a) você é o primeiro usuário licenciado do software e b) o novo usuário concorda com os termos deste acordo antes da transferência. Toda vez que você passar o software para um novo computador, é necessário removê-lo do PC anterior e você não poderá reter cópias.

De acordo com a CNET, a decisão é imediata e o acordo abrange o Office Home & Student 2013, Office Home & Business 2013, Office Professional 2013, e todas as aplicações autônomas do Office 2013.

Fontes e Direitos Autorais: Karen Carneti – 07 de março de 2013 – 11h00.

Microsoft compra startup id8 Studio


San Francisco – A Microsoft, em meio aos esforços para crescer na tecnologia de uso doméstico e de entretenimento, comprou a iniciante id8 Group R2 Studios, afirmou uma fonte próxima ao assunto na quarta-feira.

A id8 Group R2 Studios foi criada em 2011 pelo empresário e investidor do Vale do Silício Blake Krikorian. Recentemente, a empresa lançou um aplicativo para o Google Android que permite ao usuário controlar o aquecimento e o sitema de iluminação em sua residência através de smartphones.

A Microsoft também comprou algumas patentes detidas pela id8 Group R2 Studios relacionadas a controle de equipamentos eletrônicos, segundo o Wall Street Journal.

Krikorian e um porta-voz da Microsoft não quiseram comentar o assunto.

Fontes e Direitos Autorais: 

Por 

• Quinta-feira, 03 de janeiro de 2013 – 08h30.

Falta de conhecimento em nuvem atrasa recrutamento


São Paulo – As desenvolvedoras de soluções e empresas que fornecem serviços de computação em nuvem sofrem com a falta de colaboradores bem qualificados. De acordo com a Page Personnel, especializada em recrutamento, este cenário é prejudicado especialmente pela escassez de bons profissionais e rotatividade de pessoas promovida pelo aquecido mercado de TI.A Citrix, desenvolvedora de infraestrutura usada em ambientes de computação em nuvem, reconhece que muitas pessoas não possuem conhecimento avançado nesta área. Neste caso, a solução foi investir em treinamentos internos.

“Este é um mercado novo e é realmente necessário oferecer uma forte capacitação. Contratamos somente pessoas que contam com os requisitos básicos exigidos pela empresa, mas quase sempre é necessário reciclar o conhecimento destes profissionais. Para atuar com a venda dos produtos, por exemplo, os funcionários e parceiros vão aos Estados Unidos obter a certificação da empresa”, afirma Flávio Nóbrega, gerente de vendas corporativas na Citrix.

Segundo Diego Rondon, gerente de consultoria da divisão de TI da Page Personnel, alguns recrutadores desconhecem a tecnologia de cloud computing, não acompanham as notícias deste mercado e indicam pessoas sem qualificação para as empresas. Além disso, a quantidade de colaboradores não supre a demanda do aquecido mercado de TI.

O consultor da Page Personnel diz também que a tecnologia de computação em nuvem é usada há, no mínimo, uma década. Um agravante, segundo Rondon, é que os profissionais de outras áreas e até mesmo usuários comuns desconhecem os detalhes de como a tecnologia funciona.

Requisitos – Os especialistas entrevistados pela INFO afirmam que as pessoas que deseja atuar com computação em nuvem devem possuir um conhecimento técnica e também administrativo.

Na Citrix, por exemplo, Nóbrega comenta que a empresa prioriza a contratação de colaboradores com experiência em virtualização, sistemas operacionais, redes, segurança da informação e armazenamento.

Já Rondon, da Page Personnel, diz que não basta obter um diploma de ensino superior em TI porque nenhum curso abrange todas as áreas de computação em nuvem. “Este mercado conta com diferentes pilares. Além de conhecer as soluções, as corporações exigem visão administrativa e planejadora alinhadas aos interesses da empresa”, comenta.

Salário – Um analista de infraestrutura recebe, em média, 4.500 reais mensais em empresas de pequeno porte. Já um analista de cloud computing conta com salário entre 3.000 reais e 6.500 reais, de acordo com a região de benefícios. Os dados são de um recente estudo da empresa de recrutamento especializado Page Personnel.

Já os interessados em crescer na carreira e obter um cargo melhor podem obter uma certificação para comprovar o conhecimento técnico. Segundo Rondon, o preço das certificações na área de cloud computing é considerado elevado.

”O custo fica entre 500 reais e mil reais, sem contar o transporte, hospedagem e a possibilidade de reprovar e ter de pagar a taxa novamente. As empresas de grande porte como a Microsoft, Red Hat, Oracle, Cisco, VMware, Novell, por exemplo, contam com certificações para as tecnologias próprias”, diz.

Veja abaixo a lista elaborada pela Page Personell com as certificações que valorizam o currículo do profissional que deseja atuar com computação em nuvem:

Entidade

Certificação

Custo

CSA (Cloud Security   Alliance)

Certificate of Cloud Security Knowledge (CCSK)

USD 100 – 300

Microsoft

Microsoft Certified Systems Engineer (MCSE)

USD 100 – 300

Cisco

Cisco Certified Design Professional (CCDP)

USD 100 – 300

Microsoft

Office 365

USD 100 – 300

Citrix

Citrix Certified   Administrator (CCA)

USD 100 – 300

VMware

VMware vSphere 5.0

USD 100 – 300

Fontes e Direitos Autorais: , de INFO Online • Terça-feira, 04 de setembro de 2012 – 09h41.

Microsoft diz que WIndows 8 estará nas lojas até outubro


São Paulo – A Microsoft anunciou, hoje, em evento no Canadá, que computadores com Windows 8 estarão disponíveis nas lojas até o fim de outubro.

De acordo com a vice-presidente corporativa do Windows, Tami Reller, a cópia da versão final do Windows 8 (chamada de Release to Manufacturing) será enviada aos fabricantes na primeira semana de agosto.

Em maio desse ano, a empresa havia disponibilizado a versão Release Preview do sistema operacional, que já vem com a maioria dos updates previstos para o lançamento oficial.

O anúncio foi realizado no Canadá por Tami Reller durante uma conferência para parceiros da Microsoft. A executiva também afirmou que a Microsoft está no “caminho certo” para terminar a cópia final do Windows 8 no início de agosto.

Na semana passada, a Microsoft divulgou que cobrará até 40 dólares de seus clientes que desejarem fazer update do Windows 7, Vista ou XP para o novíssimo Windows. Quem comprou um computador com Windows 7 a partir de 3 de julho terá direito a um desconto e pagará 14 dólares pelo update.

O Windows 8 é um produto sensível para a Microsoft. Se for bem recebido pelos usuários, significará que a companhia vai permanecer relevante para milhões de usuários no mundo e terá chances maiores de ter sucesso com tablets e smartphones equipados com a interface Metro, criada no Windows 8.

Por outro lado, uma recepção fria por parte dos consumidores pode ser interpretada pelo mercado como sinal de declínio do Windows, que vem perdendo espaço para outros sistemas operacionais no mundo, particularmente o Mac OS em notebooks e desktops, mas sobretudo para o iOS e Android, sistemas que dominam o segmento de tablets e smartphones.

[Baixe o Windows 8]

Fontes e Direitos Autorais: , de INFO Online • Segunda-feira, 09 de julho de 2012 – 12h38