Formjacking é o mais novo esquema de lucro dos criminosos cibernéticos


Diante da redução dos retornos provenientes de ransomware e cryptojacking, os criminosos cibernéticos têm recorrido a métodos alternativos, como o formjacking, para ganhar dinheiro, de acordo com o Internet Security Threat Report (ISTR), Volume 24, da Symantec, recém divulgado.

O estudo oferece uma visão geral do panorama de ameaças, incluindo informações sobre atividades das ameaças globais, tendências de criminosos cibernéticos e motivações dos invasores, a partir da análise dos dados da Global Intelligence Network da Symantec, uma das maiores redes civis de inteligência contra ameaças do mundo, que registra eventos de 123 milhões de sensores de ataque, bloqueia 142 milhões de ameaças diariamente e monitora as atividades em mais de 157 países. Os destaques do relatório deste ano incluem:

1 – Crescimento do formjacking
Os ataques de formjacking são simples (essencialmente, como roubos virtuais de caixa eletrônico), com criminosos cibernéticos injetando código malicioso em sites de lojas, para roubar informações sobre os cartões de pagamento dos clientes. Em média, mais de 4.800 sites únicos são comprometidos por código de formjacking, todos os meses. A Symantec bloqueou mais de 3,7 milhões de ataques de formjacking contra endpoints em 2018, com quase um terço de todas as detecções ocorrendo durante o período mais movimentado do ano em compras online, entre novembro e dezembro.

Embora os sites de pagamentos de algumas empresas conhecidas, incluindo a Ticketmaster e a British Airways, tenham sido comprometidos por código de formjacking recentemente, a pesquisa da Symantec revela que as lojas pequenas e médias são as mais comprometidas.

Em estimativas conservadoras, os criminosos cibernéticos podem ter se apropriado de dezenas de milhões de dólares no ano passado, roubando informações pessoais e financeiras dos clientes, por meio de fraudes com cartão de crédito e vendas na Dark Web. Apenas 10 cartões de crédito roubados de cada site comprometido poderiam render até U$ 2,2 milhões por mês, com um único cartão de crédito, alcançando o preço de U$ 45 nos fóruns de vendas ilegais. Com mais de 380.000 cartões de crédito roubados, apenas o ataque à British Airways pode ter permitido que os criminosos lucrassem mais de U$ 17 milhões.

“O formjacking é uma ameaça séria, tanto para as empresas como para os clientes”, diz Greg Clark, CEO da Symantec. “Sem usar uma solução de segurança abrangente, os clientes não têm meios de saber se estão visitando uma loja online infectada, deixando suas valiosas informações pessoais e financeiras vulneráveis a um roubo de identidade que pode ser devastador. Para as empresas, o aumento explosivo do formjacking reflete o risco crescente de ataques de logística, para não mencionar os riscos à reputação que as empresas enfrentam quando são comprometidas.”

2 – A redução de retorno de cryptojacking e ransomware
Nos últimos anos, o ransomware e o cryptojacking foram os métodos mais usados por criminosos cibernéticos em busca de dinheiro fácil – os criminosos aproveitam o poder de processamento roubado e o uso da CPU de clientes e empresas, na nuvem, para minerar criptomoedas. Porém, em 2018 houve uma redução de retorno e, consequentemente, desse tipo de atividade. Esses ataques se tornaram menos eficazes principalmente devido à queda dos valores das criptomoedas e da adoção crescente da nuvem e da computação móvel. Pela primeira vez desde 2013, as infecções por ransomware diminuíram, caindo 20%. Apesar disso, as organizações não devem baixar a guarda. As infecções por ransomware em empresas saltaram 12% em 2018, contrariando a tendência geral de queda e demonstrando que o ransomware continua sendo uma ameaça contínua às empresas. De fato, mais de oito em cada dez infecções por ransomware são em empresas.

Embora as atividades de cryptojacking tenham chegado ao ápice no início do ano passado, elas diminuíram em 52% ao longo de 2018. Mesmo com o valor das criptomoedas caindo 90% e perdendo lucratividade, o cryptojacking ainda é atraente para os invasores, devido à facilidade dos ataques, sobrecarga mínima e anonimato que oferece. A Symantec bloqueou mais de 3,5 milhões de eventos de cryptojacking em endpoints apenas em dezembro de 2018.

3 – Em segurança, a nuvem é o novo PC
Os mesmos erros de segurança que eram cometidos nos PCs durante sua adoção inicial pelas organizações, agora estão acontecendo na nuvem. Uma única carga de trabalho ou instância de armazenamento mal configurada na nuvem pode custar milhões de dólares a uma empresa ou colocá-la em um pesadelo de conformidade. Somente no ano passado, mais de 70 milhões de registros foram roubados ou vazados por causa de buckets do S3 mal configurados. Também existem várias ferramentas facilmente acessíveis na Internet, que permitem aos invasores identificar recursos mal configurados na nuvem.

As descobertas recentes de vulnerabilidades em chips de hardware, incluindo Meltdown, Spectre e Foreshadow também colocam os serviços na nuvem em risco de exploração – para obtenção de acesso aos espaços de memória protegidos – outros recursos da companhia que estejam hospedados no mesmo servidor físico.

4 – Ataques mais furtivos e ambiciosos graças ao uso de ferramentas de ataque de subsistência e pontos fracos de logística
Os ataques de logística e de subsistência (LotL) agora são comuns no panorama moderno de ameaças, sendo amplamente adotados tanto por criminosos cibernéticos como por grupos de ataques direcionados. De fato, os ataques de logística aumentaram 78% em 2018.

As técnicas de ataque de subsistência permitem que os invasores mantenham um perfil discreto e escondam suas atividades em meio a uma massa de processos legítimos. Por exemplo, o uso de scripts maliciosos do PowerShell aumentou em 1.000% no ano passado. Embora a Symantec bloqueie 115.000 scripts maliciosos do PowerShell todos os meses, isso representa menos de 1% do uso geral do PowerShell. Uma abordagem excessiva, visando o bloqueio de todas as atividades do PowerShell, atrapalharia as empresas, demonstrando ainda mais claramente porque a técnica de ataque de subsistência se tornou a tática preferida de muitos grupos de ataques direcionados.

Identificar e bloquear esses ataques são tarefas que requerem o uso de métodos avançados de detecção, incluindo análise e Machine Learning.

Além das táticas de ataque de subsistência e pontos fracos na logística de software, os invasores também estão aumentando o uso de métodos convencionais de ataque, como o phishing direcionado, para se infiltrar nas organizações. Embora a coleta de inteligência continue sendo o motivo principal dos ataques direcionados, o número de grupos de ataque usando malware para destruir e atrapalhar as operações comerciais aumentou 25% em 2018.

5 – A Internet das Coisas na mira dos criminosos cibernéticos e grupos de ataque
Apesar do volume de ataques à Internet das Coisas (Internet of Things, IoT) ter permanecido alto e consistente com os níveis de 2017, o perfil dos ataques está mudando bastante. Embora roteadores e câmeras conectadas componham a maior porcentagem de dispositivos infectados (90%), foi provado que quase todos os dispositivos IoT são vulneráveis, e todos eles, de lâmpadas inteligentes a assistentes de voz, podem criar pontos de entrada adicionais para invasores.

Os grupos de ataques direcionados estão cada vez mais concentrados na IoT como um ponto de entrada crucial. O surgimento do malware roteador VPNFilter representa uma evolução das ameaças tradicionais à IoT. Concebido por um agente de ameaças habilidoso e com recursos, ele permite que seus criadores destruam ou apaguem um dispositivo, roubem credenciais e dados, e interceptem comunicações SCADA.

“Com a tendência crescente da convergência da TI e da IoT industrial, o próximo campo de batalha cibernético será a tecnologia operacional”, afirma Kevin Haley, diretor de Security Response da Symantec. Um número crescente de grupos, como Thrip e Triton, demonstrou interesse em comprometer sistemas operacionais e sistemas de controle industrial em uma possível preparação para guerra cibernética.

6 – O grande despertar da privacidade
Com o recente escândalo de dados da Cambridge Analytica, as audiências sobre privacidade do Facebook, a implementação do Regulamento Geral de Proteção de Dados (General Data Privacy Regulation  – GDPR) e revelações sobre o rastreamento de localização de aplicativos e bugs de privacidade em apps muito utilizados, como o recurso FaceTime da Apple, a privacidade do consumidor ganhou os holofotes no ano passado.

O smartphone pode ser o melhor dispositivo de espionagem que já existiu – câmera, dispositivo de escuta e rastreador de localização, tudo no mesmo aparelho, que é carregado voluntariamente e usado onde quer que o proprietário esteja. Embora já sejam alvo de Estados devido a espionagem tradicional, os smartphones também se tornaram uma ferramenta lucrativa para coletar informações pessoais dos clientes, com os desenvolvedores de aplicativos móveis figurando como piores infratores.

De acordo com a pesquisa Symantec, 45% dos aplicativos Android e 25% dos aplicativos iOS mais populares solicitam rastreamento de local; 46% dos aplicativos Android e 24% dos aplicativos mais populares do iOS solicitam permissão para acessar a câmera do dispositivo; e os endereços de e-mail são compartilhados com 44% dos principais aplicativos para Android e 48% dos aplicativos mais populares do iOS.

Ferramentas digitais que coletam dados de celulares para rastrear crianças, amigos ou telefones perdidos também estão aumentando e abrindo um caminho para o abuso de tecnologia, ao rastrear outras pessoas sem consentimento.

Mais de 200 aplicativos e serviços oferecem aos possíveis perseguidores uma variedade de recursos, incluindo rastreamento básico de localização, coleta de texto e até a gravação secreta de vídeos.

Fontes e Direitos Autorais: cio.com.br – Direto da Redação.

10 motivos para você preferir o Windows Phone ao Android


O sistema móvel da Microsoft ainda não possui grande participação no mercado de smartphones, não atingindo nem 10% do total. No entanto, se for considerado o crescimento da base de usuários que nos últimos anos vem dobrando, é provável que nos próximos anos tenhamos uma disputa mais acirrada entre Android, iOS e Windows Phone.

A plataforma receberá uma grande mudança assim que o Windows 10 for lançado, com melhorias no desempenho e na interface que deverão atrair ainda mais usuários em um ecossistema unificado. Mas isso não quer dizer que o atual sistema é ruim ou ultrapassado. Pelo contrário: o software tem diversas vantagens em relação aos seus principais concorrentes, em especial o sistema do Google.

A Microsoft investiu pesado na melhoria da interface do usuário no Windows Phone 8.1. Agora, os usuários podem contam com atalhos simplificados e processos mais simples. Com as mudanças, o sistema se aproximou da versão para desktop, ganhando melhorias na integração entre diversos dispositivos equipados com Windows. Se você é um usuário Android e está pensando em trocar de aparelho, o Windows Phone poderá ser uma excelente opção. Em uma análise detalhada, elaboramos uma lista com dez motivos para você preferir o Windows Phone ao Android.

1. Boa integração com os produtos da Microsoft

Windows Phone

Diferente do que acontece com o Android, o Windows Phone possui excelente integração com diversos produtos da Microsoft. A experiência de uso de alguns aplicativos como Skype, Office e Bing é visivelmente superior. A fluidez com que esses aplicativos trabalham no Windows Phone é fruto do desenvolvimento de uma única empresa, a Microsoft. Ou seja, o aparelho ganha em performance pelo fato do sistema e de diversos aplicativos serem desenvolvidos pela mesma fabricante.

2. Aparelhos com excelente design

Windows Phone

Os dispositivos equipados com Windows Phone apresentam um design diferenciado dos concorrentes. Antes da aquisição da Nokia pela Microsoft, já era possível notar que os aparelhos que continham o sistema se destacavam. Tradicionalmente a companhia finlandesa era conhecida por construir ótimos gadgets com aparência invejável e, mesmo após a compra pela Microsoft, os celulares da linha Lumia continuaram muito bem construídos.

Outras fabricantes também já investiram no sistema da gigante de Redmond, como a Samsung e a HTC, e não há dúvida que os aparelhos que contém o Windows Phone são bastante atraentes aos olhos dos consumidores. Já em relação ao Android, provavelmente você já se deparou com alguns dispositivos desagradáveis.

3. Aplicativos bem construídos

Windows Phone

Apesar da Windows Store ter menos aplicativos que a Google Play, a verdade é que os apps possuem uma qualidade superior. Isso pode ser creditado ao fato do Windows Phone não ser uma plataforma de código aberto. A grande diferença em relação aos apps Android é a aparência minimalista que proporciona um aspecto bem agradável aos apps do Windows Phone. É possível notar essa diferença com mais nitidez em apps como o Facebook e o Skype, por exemplo.

4. Consistência em vários dispositivos

Windows Phone

No Android, a experiência do usuário depende do dispositivo utilizado. Um aparelho de entrada é muito inferior em relação a desempenho do que um smartphone high-end. Já com o Windows Phone isso é diferente: mesmo em telefones mais simples, com poucos recursos de hardware, a experiencia de uso é praticamente a mesma. Toda a linha Lumia, por exemplo, contempla os seus usuários com sistemas eficientes, rápidos e agradáveis.

5. Personalização da tela de bloqueio

Windows Phone

Diferente do que acontece com o iOS e com o Android, cuja a possibilidade de personalizar a tela é pouco explorada, no Windows Phone é possível fazer diversas modificações. Uma das vantagens é poder alterar o fundo das imagens na tela de bloqueio. Outra opção é a de integração com aplicativos que ficarão “ao vivo” na no display. Nessa mesma tela bloqueada, ainda é possível definir algumas fotos para rodar ou então receber informações da música que você está escutando.

6. Possibilidade de jogar games do Xbox One

Windows Phone

Enquanto o Android possui apenas jogos que podem ser instalados através da Google Play, o Windows Phone possui uma excelente integração com o Xbox, plataforma de games da Microsoft. Assim, o usuário poderá tirar o máximo de proveito dos seus jogos favoritos. Com a integração, é possível jogar e receber pontos de sua conta pessoal. Games como Asphalt 6, Jetpack Joyride ou Fifa 14 estão disponíveis para você se divertir. A qualidade presente em um smartphone ou tablet também é excelente.

7. Maior quantidade de armazenamento com OneDrive

Windows Phone

Apesar dos aparelhos com Windows Phone menos potentes possuírem 8 GB de armazenamento internet e suportarem um cartão MicroSD de até 64 GB, o serviço de nuvem OneDrive oferece uma boa quantia gratuita de armazenamento. No caso do Lumia 640 XL, o espaço oferecido é de 30 GB. Isso reduz as chances de você ter de utilizar plataformas de terceiros e ainda pagar por elas.

8. Resumo do que está acontecendo nos aplicativos

Windows Phone

Outra característica interessante no Windows Phone e que não existe no Android é a possibilidade de ver o que está acontecendo em seus aplicativos sem precisar sair da tela inicial. Sem acessar diretamente o app, você pode obter informações sobre clima, últimos tuítes e notificações do Facebook por meio da chamada “live tile”. É claro que o Android disponibiliza os widgets, mas convenhamos que, em termos visuais, não é uma boa alternativa.

9. Assistente Cortana

Windows Phone

Mesmo que ainda não esteja disponível em português, a Cortana já está entre nós. Se você precisa de uma assistente pessoal pronta para ajudá-lo a fazer todos os tipos de tarefas e mantê-lo a par das coisas que realmente importa, esta função é fundamental. Se você quer um assistente de voz que tenha ótima integração com o Bing, a Cortana é sua escolha. Para utilizá-la, basta alterar o idioma de seu Windows Phone para o inglês.

10. Office nativo

Windows Phone

O pacote Office mobile é nativo no Windows Phone, algo que não acontece com o Android. Se você utiliza as ferramentas do Office em seu desktop, nada melhor do que poder contar com ele em seu smartphone ou tablet. Assim você pode utilizar sua conta para sincronizar arquivos, iniciando em seu computador e terminando em seu aparelho celular, por exemplo.

Fontes e Direitos Autorais: CanalTech.com.br – William Nascimento RSS

Cientistas descobrem como recarregar o celular usando urina


smartphone
Especialistas esperam poder desenvolver a tecnologia das baterias com combustível microbiano

Londres – Uma equipe de cientistas britânicos afirma ter conseguido desenvolver um mecanismo que consegue recarregar parcialmente a bateria de um telefone celular usando urina.

Em um artigo publicado pela revista da Real Academia de Química, os cientistas afirmam que conseguiram produzir energia elétrica suficiente para enviar mensagens de texto, usar a internet e fazer uma rápida ligação telefônica.

De acordo com o artigo, os especialistas agora esperam poder desenvolver a tecnologia das baterias com combustível microbiano que permitam recarregar totalmente um celular.

“Utilizar um produto de dejeto como fonte de eletricidade é notável. Estamos muito entusiasmados porque se trata da primeira vez que se consegue isso”, afirmou o cientista Ioannis Ieropoulos, que participou nos estudos conjuntos entre as Universidades de Bristol e do Oeste da Inglaterra, além do Laboratório de Robótica de Bristol.

“A beleza disso tudo é que não estamos nos apoiando na natureza errática do vento ou do sol: a urina é uma fonte sem fim”, afirmou Ieropoulos, especialista em eletricidade microbiana.

A tecnologia das baterias de combustível microbiano permite produzir eletricidade diretamente através da degradação da matéria orgânica, abrindo assim o caminho para o desenvolvimento combustíveis de muito baixo custo e, inclusive, gratuitos, como a urina.

Neste caso, a urina permite estimular os micróbios que geram eletricidade.

“Fazer uma ligação é a operação que exige mais energia de um telefone celular, mas chegaremos ao ponto em que poderemos carregar a bateria para períodos longos”, afirmou Ieropoulos.

Fontes e Direitos Autorais:  • quarta, 17 de julho de 2013 – 13h01.

Samsung lançará smartphones com Windows Phone 8 em outubro


A Samsung confirmou os rumores de que estariam trabalhando em aparelhos com Windows Phone 8. A filial taiwanesa afirmou que a empresa lançará seu primeiro aparelho com o sistema operacional móvel da Microsoft em outubro. Segundo eles, o foco da empresa será o WP8, pois a plataforma terá uma melhor aceitação em aparelhos com configurações mais poderosas.

Samsung Omnia W com Windows Phone 7.5 (Foto: Divulgação)Samsung Omnia W com Windows Phone 7.5 (Foto:
Divulgação)

Apesar da confirmação, a Samsung não divulgou nenhuma característica do novo aparelho. Na ocasião, a empresa apenas declarou que o Windows Phone 7.5 é utilizando apenas em aparelhos single-core, e que o sistema já entrou no mercado sem força para competir com os Androids e o iPhone (alguns até com processadores quad-core).

É provável que o Windows Phone 8 da Samsung venha com processador dual-core. Outra informação que pode ser tirada do anúncio é a vontade da empresa em colocar um aparelho de alto nível no mercado, competindo diretamente com o iPhone e os outros Androids.

É importante ressaltar que a Samsung está numa guerra de mercado com o Nokia, que a pouco lançou seus telefones com Windows Phone 7. A sul-coreana quer tomar o posto de maior fabricante de aparelhos móveis, liderado pela Nokia há 14 anos. Para isso, a sul-coreana tem investido em smartphones de baixo custo. De acordo com uma pesquisa realizada pela CCS Insight, a Samsung já pode ultrapassar a Nokia este ano.

saiba mais

Fontes e Direitos Autorais: Guilherme Godin Para o TechTudo – 16/04/2012 13h05.

Vazam detalhes do Windows Phone 8


São Paulo – A próxima versão do sistema operacional móvel da Microsoft terá bastante integração com o Windows 8, apontou um vazamento de informações trocadas entre a empresa e a Nokia.

Segundo o site Pocket Now, um vídeo de Joe Belfiore, diretor do programa do Windows Phone, endereçado a executivos da Nokia exibe detalhes de como será o Windows Phone 8.

O principal destaque do sistema será sua integração com o Windows 8, que será o novo sistema operacional para computadores e tablets. De acordo com o vídeo, os desenvolvedores poderão reutilizar os códigos quando forem transferir aplicativos entre diferentes dispositivos. Ou seja, um app para celular poderá rodar em um aparelho com Windows 8.

O Windows Phone 8 recebe o codinome de “Apollo”, e deverá ser lançado após a próxima atualização do Windows Phone 7 para a versão “Tango”. Atualmente o sistema se encontra na versão “Mango” (7.5).

O novo sistema também trará suporte para a tecnologia NFC, que permite pagamentos via celular por meio de aproximação do aparelho. Além disso, também terá suporte para novas resoluções de tela, processadores de múltiplos núcleos, redes 4G e cartões de memória microSD removíveis.

O sistema também terá melhorias na sincronização de dados como coleções de música e dados de jogos do Xbox serão compartilhados entre computadores e dispositivos móveis.

Com essas melhorias, a intenção da Microsoft seria também aumentar sua fatia de mercado entre os sistemas móveis, uma vez que atualmente possui cerca de 2% do mercado, que hoje é dominado pelas plataformas Android e iOS.

Fontes e Direitos Autorais:  Monica Campi, de INFO Online • Segunda-feira, 06 de fevereiro de 2012 – 11h45.

Electronic Arts pode investir na Rovio


São Paulo – A Rovio, criadora do game Angry Birds, pode receber um aporte de 1,2 bilhões de dólares.

De acordo com a agência de notícias Bloomberg, gigantes do mundo do entretenimento como Electronic Arts, a criadora do FarmVille, Zynga, a News Corp e até mesmo a Disney podem se tornar sócias da empresa finlandesa.

Com o aporte, a Rovio poderia lançar a marca Angry Birds para outros segmentos do entretenimento, como filmes e desenhos animados, além de investir em novas versões do jogo para diferentes plataformas. Em breve, Angry Birds deve sair para Facebook e para Xbox 360.

Desde que foi lançado em 2009 para iPhone, o game já foi baixado mais de 300 milhões de vezes, se tornando um dos games para smartphones mais populares.

Em março deste ano, a Rovio recebeu um aporte de 42 milhões de dólares de um grupo de investidores.  Na semana passada, a empresa disponibilizou o game para usuários da Google+, a nova rede social do Google.

Fontes e Direitos Autorais: Vinicius Aguiari, de INFO Online • Segunda-feira, 15 de agosto de 2011 – 08h50.

Trophy ataca com Windows Phone 7


Avaliação

8,3 /10
1.300 reais
 
Elegante, o Trophy, da HTC, é o segundo smartphone com Windows phone 7 a passar pelo INFolab. Sua tela acolhe bem o sistema operacional da Microsoft, que pode causar certa estranheza ao exibir diretamente os principais aplicativos e avisos. A integração com recursos corporativos e os aplicativos multimídia são os pontos fortes desse aparelho. A câmera não é das melhores, sobretudo em ambientes internos ou com pouca luminosidade. Ele já vem com o HTC Hub, software que integra redes sociais. o aparelho ainda não está à venda no Brasil.

Veja o Zoom com o Windows Phone 7

Armado com um processador Scorpion de 1 GHz e 512 MB de RAM, esse smartphone com Windows Phone 7 tem boa resposta aos toques e velocidade nos aplicativos. A tela de 3,8 polegadas e resolução de 800 por 480 pixels, agradou pela definição e brilho durante os testes do INFOlab. A exibição de fotos e vídeos é bastante convincente, além do uso comum da interface.

A orientação do Windows Phone 7 divide opiniões no INFOlab. Por substituir a tela inicial por um mosaico interativo de aplicativos, com atualização frequente do conteúdo que é exibido, o sistema pode causar estranhamento em alguns e interesse em outros. Com o passar do tempo a interface se mostra bastante prática. Como os aplicativos mais utilizados estão ali, prontos para serem abertos e organizados de maneira interessante, leva pouco tempo para ficar em sintonia com o sistema.

A orientação das apps por abas, sempre na horizontal, impressiona pela qualidade das imagens. Um dos pontos fortes do sistema é o player de música e vídeos. Com um visual que lembra o do finado player Zune, ele é um dos aplicativos mais interessantes da categoria e que já passaram pelo INFOlab. Outro grande recurso é a compatibilidade completa com arquivos do Microsoft Office, não só para visualizar, mas também editar e criar documentos.

Ainda não há um grande número de aplicativos no Marketplace, equivalente da Android Market ou App Store, mas o usuário pode encontrar c’lientes de redes sociais, como o aplicativo oficial do Facebook, leitores de RSS, jogos, etc. A Microsoft revelou que o Brasil deve receber aparelhos com o novo Windows Phone Mango até o final do ano.

As medidas de 11,8 por 1,2 por 6,2 centímetros conferem ao Trophy um visual elegante e robusto. A empunhadura do aparelho é agradável e o peso de 136 gramas está de acordo com a média da categoria. A carcaça é construída em plástico preto brilhante na face frontal e plástico preto emborrachado na parte traseira. A entrada P2 para fones de ouvido está localizada na parte superior do aparelho, ao lado do botão ligar. Na lateral esquerda o usuário encontra os controles de volume e a porta microUSB, que serve para transferência de dados e recarga da bateria. Do lado direito há um botão para a câmera.

O Trophy não é vendido oficialmente no Brasil, mas pode ser encontrado em lojas online.

 
Fonte e Direitos Autorais: Cauã Taborda e Renata Leal, de INFO Online • 26 de maio de 2011.