Azure for Students anunciada pela Microsoft


A Microsoft anunciou no último dia 05/03 o Azure for Students. Desenvolvido para o uso da nuvem, com os estudantes em mente, ele oferece aos alunos verificados acesso total a mais de 25 produtos Azure gratuitos, além de crédito de US$ 100 para uso em produtos pagos, sem exigência de cartão de crédito.

O Azure for Students faz parte do crescente compromisso da Microsoft com a Educação, tanto na nuvem quanto na sala de aula STEM (“Science, Technology, Engineering and Mathematics”, ou Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, em português).

Microsoft anuncia o Azure for Students

Você pode começar a construir com qualquer um dos serviços gratuitos e usar o seu crédito Azure para gastar agora:

– Descubra a flexibilidade do Azure por meio da biblioteca de serviços de código aberto.

– Implemente máquinas virtuais Azure, incluindo equipadas com GPUs poderosas, com suporte para Linux, Windows Server, SQL Server, Oracle, IBM e SAP. O Azure oferece aos usuários a flexibilidade de virtualização para uma ampla gama de soluções de computação.

– Crie aplicativos Web e Móveis rapidamente usando .NET, .NET Core, Java, Ruby, Node.js, PHP e Python. Integre o Azure App Service em modelos existentes e obtenha uma produtividade de desenvolvedor incomparável com recursos de ponta, como integração contínua, depuração no site ao vivo e o líder do setor, Microsoft Visual Studio IDE – Integrated Development Environment.

– Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquinas conectam aplicativos, sites e robôs com algoritmos inteligentes para ver, ouvir, falar, entender e interpretar as necessidades de um usuário por meio de métodos naturais de comunicação. Habilitando computadores para aprender com dados e experiências e para agir sem ser programado.

– Aproveite o Big Data analisando todos os dados em um único lugar sem restrições artificiais com o Azure Data Lake Store. O Data Lake Store pode armazenar trilhões de arquivos, e um único arquivo pode ser maior do que um petabyte em tamanho – 200 vezes maior do que outras opções da loja na nuvem.

Para maiores informações, acesse: https://azure.microsoft.com/pt-br/free/students/

Fontes e Direitos Autorais: 

Anúncios

Programa Microsoft para Startups


A Microsoft realizou ontem dia 14/02 o anúncio do programa Microsoft para Startups, que oferece acesso a negócios, tecnologia e benefícios da comunidade e que ajuda as empresas iniciantes a expandir sua base de clientes e a receita, construir uma plataforma confiável que cresça com elas e conectar-se à sua comunidade e clientes.

A empresa alocará US$ 500 milhões nos próximos dois anos para oferecer opções de covenda para startups, além do acesso à tecnologia da Microsoft e novos espaços comunitários que promovam a colaboração dentro dos ecossistemas locais. Startups são um motor de inovação indiscutível, e a Microsoft está em parceria com fundadores e investidores para ajudar a acelerar seu crescimento. Este novo programa foi projetado para ajudar as startups em ações relacionadas á:

Vender para novos clientes, setores e mercados
O programa Microsoft para Startups possui uma abordagem única que liga startups a clientes. A Microsoft possui mais de 30.000 representantes de vendas e 800.000 parceiros cujo objetivo é impulsionar a adoção de soluções de nuvem da Microsoft em empresas de todos os tamanhos e setores em todo o mundo. O programa fornece recursos que preparam suas equipes de marketing e vendas para atender aos padrões dos clientes corporativos e, em seguida, permitir que eles vendam para essas organizações em parceria com a vasta organização de vendas da Microsoft e o ecossistema parceiro.

 

Microsoft anuncia o programa Microsoft para Startups

Inovar rapidamente com o acesso a ferramentas confiáveis ​​de tecnologia, suporte e desenvolvimento
O programa oferece às startups até US$ 120 mil em créditos gratuitos de Azure, suporte técnico de nível empresarial e ferramentas de desenvolvimento para ajudá-los a criar soluções inovadoras na nuvem utilizada ​​por 90% das empresas do ranking Fortune 500.

Acessar os recursos certos no momento certo
O Microsoft para Startups ajuda empresas iniciantes em todas as etapas em ecossistemas de todo o mundo:

Microsoft Reactors são espaços físicos onde empresários, desenvolvedores, investidores e a comunidade empresarial podem se unir para interagir, aprender e compartilhar. Durante o próximo mês, abriremos as portas nos novos espaços Microsoft Reactor em Londres, Sydney, Tel Aviv, Berlim, Xangai e Pequim. Esses espaços somam-se a nossos locais existentes em Redmond, Seattle, San Francisco e Nova York.

– Acesso ao Microsoft ScaleUp (antigo Microsoft Accelerators), ajudando as startups de série A e posterior a se ajustar ao mercado de produtos, aprimorar suas infraestruturas e construir seus negócios usando os serviços Azure e Microsoft Dynamics.

– Conexões com a Microsoft Ventures, equipe estratégica de investimento em capital de risco da Microsoft, cuja missão é ser um parceiro ativo em estágios-chave do crescimento de uma empresa, normalmente investindo entre as séries A e D.

As startups nos inspiram a ir além do possível e construir produtos que melhoram nossas vidas pessoais e profissionais. A Microsoft está animada para se associar a startups para capacitar cada pessoa e organização no planeta.

Para maiores informações acesse: startups.microsoft.com.

Fontes e Direitos Autorais: https://startups.microsoft.com/en-us/ – 14/02/2018.

Microsoft Visual Studio 2017 v15.6 Preview 2 e Visual Studio for Mac Version 7.4 Preview disponíveis


A Microsoft anunciou a disponibilidade do Visual Studio 2017 v15.6 Preview 2. A versão Preview 1 original foi disponibilizada no dia 7 de dezembro de 2017.

De acordo com o changelog publicado aqui pela Microsoft, o Visual Studio 2017 v15.6 Preview 2 traz correções para múltiplos bugs, opções de depuração agora estão disponíveis para Embedded ARM GCC.

Esta nova versão Preview também traz uma extensa lista de melhorias no suporte para Visual C++, o instalador do Visual Studio foi melhorado e agora quando você instalá-lo pela primeira vez ou atualizá-lo via Web você verá um processo de instalação mais transparente:

Microsoft Visual Studio 2017 v15.6 Preview 2

O Preview 2 também inclui o suporte parta navegação por fontes descompiladas. Habilite isto acessando Tools > Options > Text Editor > C# > Advanced > Enable navigation to decompiled sources:

A lista completa com todas as novidades nesta versão Preview pode ser vista no link acima.

Desenvolvedores interessados podem fazer o download do Visual Studio 2017 v15.6 Preview 2 aqui ou podem utilizar o link fornecido na página com o changelog.

Fontes e Direitos Autorais: The Visual Studio Blog – 10/01/2018.

Microsoft abre inscrições para o maratona bots


A Microsoft abriu as inscrições para o Maratona Bots, um curso de capacitação online e gratuito destinado a programadores que querem aprender como criar chatbots, robôs que conversam via chat utilizando recursos de Inteligência Artificial.

O curso terá quatro semanas de duração e os conteúdos didáticos serão liberados semanalmente. O primeiro módulo estará disponível a partir de segunda-feira, dia 15 de janeiro.

Após o término das aulas, os participantes terão até o dia 26 de março para desenvolverem um bot atendendo aos critérios da organização do curso. Os projetos serão avaliados por um time de especialistas da Microsoft. O objetivo é fomentar a criatividade e o aprimoramento técnico dos participantes em serviços de Inteligência Artificial disponíveis na nuvem.

A maratona também fará uma breve introdução aos conceitos de machine learning e Inteligência Artificial, que podem auxiliar na construção de aplicativos de diferentes tipos. São conhecimentos que ajudam a formar um profissional capaz de fazer frente às demandas atuais das empresas interessadas em promover a transformação digital.

Microsoft abre inscrições para o Maratona Bots

O público-alvo principal do curso são os desenvolvedores de software. Profissionais de áreas relacionadas que tenham conhecimento básico de programação e desejam entender melhor a aplicabilidade da tecnologia nos negócios também podem participar.

Além das aulas de vídeo online, o curso terá materiais de apoio em formato PDF e laboratórios práticos. Durante o período de aulas, os participantes poderão tirar suas dúvidas com instrutores que estarão on-line. Depois do encerramento, o conteúdo das aulas continuará disponível na plataforma on-line.

Desenvolvedores e demais interessados podem se inscrever aqui.

Fontes e Direitos autorais: Microsoft News Center Brasil – 10/01/2018.

Microsoft Visual Studio 2015 Update 2 CTP


A Microsoft disponibilizou recentemente para download o Visual Studio 2015 Update 2 CTP (Community Technology Preview), primeira versão de testes desta atualização.

O Update 1 foi lançado em novembro de 2015.

Microsoft Visual Studio 2015 Update 2 CTP

Visual Studio 2015 Update 2 CTP

De acordo com a Microsoft, o foco do Visual Studio 2015 Update 2 CTP é melhorar o desempenho e estabilidade do software.

Esta atualização traz correções para múltiplos bugs, incluindo um que faz com que o software fique lento quando o usuário tenta abrir projetos C++ e um que faz com que o Visual Studio 2015 trave quando o usuário tenta acessar os arquivos de ajuda.

Com o Update 1, a Microsoft introduziu um mecanismo de banco de dados mais rápido (mas desabilitado por padrão) para C e C++ que acelera operações como Go To Definition e Find All References. Com o Update 2 CTP, novas instalações do Visual Studio 2015 usarão este novo mecanismo por padrão.

Quem fizer o upgrade do Update 1 para o Update 2 CTP continuará usando o mecanismo habilitado anteriormente. É possível selecionar o novo usando a opção abaixo:

microsoft-visual-studio-2015-U2-ctp-02

O Update 2 CTP agora inclui compatibilidade com repositórios do GitHub configurados para usar Git LFS (Large File Storage) e outras novidades. Saiba mais aqui.

Os desenvolvedores podem fazer o download do Visual Studio 2015 Update 2 CTP aqui.

Visual Studio 2015

O Visual Studio 2015 é um grande lançamento da Microsoft. Com ele a empresa abriu o Visual Studio para desenvolvedores interessados em novas plataformas – indo desde o desenvolvimento multiplataforma para dispositivos móveis com foco no Windows, iOS e Android, até o desenvolvimento de jogos com foco em Unity, Unreal Engine, Cocos e mais.

O Visual Studio 2015 também redefine a produtividade dos desenvolvedores com novas ferramentas de diagnóstico proativas e com os novos serviços da linguagem Roslyn para C# e VB.

A versão 2015 está disponível nas edições Community (gratuita), Enterprise, Professional, Test Professional, Express para Desktop, Express para Web e Express para Windows 10.

A edição Community oferece ferramentas de desenvolvimento para criação de apps para Windows, iOS e Android, ferramentas para desenvolvimento com foco na Web e na nuvem e acesso a milhares de extensões.

Esta versão é gratuita para desenvolvedores individuais, desenvolvimento de aplicações open source, pesquisa acadêmica, educação e para equipes pequenas.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – Sid Vicious @ 15 fev 2016 | 8:23 am.

Estados brasileiros cobrarão ICMS para software obtido via download


Aprovado recentemente pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), o Convênio ICMS Nº 181 autoriza a cobrança de ICMS para software obtido via download no Brasil.

Estados brasileiros cobrarão ICMS para software obtido via download

Aprovado recentemente pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), o Convênio ICMS Nº 181 autoriza a cobrança de ICMS para software obtido via download no Brasil

ICMS para software obtido via download

Com isso, 19 estados poderão cobrar o imposto sobre a venda de softwares e serviços obtidos pela internet a partir de 1 de janeiro de 2016.

Os 19 estados estão listados abaixo:

– Acre
– Alagoas
– Amapá
– Amazonas
– Bahia
– Ceará
– Goiás
– Maranhão
– Mato Grosso do Sul
– Paraíba
– Paraná
– Pernambuco
– Piauí
– Rio de Janeiro
– Rio Grande do Norte
– Rio Grande do Sul
– Santa Catarina
– São Paulo
– Tocantins

O comunicado do CONFAZ pode ser visto abaixo:

Cláusula primeira
Ficam os Estados do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, , Santa Catarina, São Paulo, Tocantins autorizados a conceder redução na base de cálculo do ICMS, de forma que a carga tributária corresponda ao percentual de, no mínimo, 5% (cinco por cento) do valor da operação, relativo às operações com softwares, programas, jogos eletrônicos, aplicativos, arquivos eletrônicos e congêneres, padronizados, ainda que sejam ou possam ser adaptados, disponibilizados por qualquer meio, inclusive nas operações efetuadas por meio da transferência eletrônica de dados.

Cláusula segunda
O benefício previsto neste convênio será utilizado opcionalmente pelo contribuinte em substituição à sistemática normal de tributação, sendo vedada à apropriação de quaisquer outros créditos ou benefícios fiscais.

Cláusula terceira
Ficam as unidades federadas referidas na cláusula primeira autorizadas a não exigir, total ou parcialmente, os débitos fiscais do ICMS, lançados ou não, inclusive juros e multas, relacionados com as operações previstas na cláusula primeira, ocorridas até a data de início da vigência deste convênio.

Parágrafo único. A não exigência de que trata esta cláusula:

I – não autoriza a restituição ou compensação de importâncias já pagas;
II – observará as condições estabelecidas na legislação estadual.

Cláusula quarta
Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua ratificação nacional, produzindo efeitos a partir de 1º de janeiro de 2016.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – Sid Vicious @ 11 jan 2016 | 5:47 pm

Sysinternals Suite recebe atualização


Sysinternals Suite é um conjunto de utilitários gratuitos para Windows com foco em usuários avançados e profissionais de TI.

Sysinternals-Suite-Build-2009 Ela inclui utilitários como um desfragmentador de arquivos de paginação (PageDefrag), ferramentas para Active Directory, conversor de discos rígidos físicos para discos rígidos virtuais ou VHDs (Disk2vhd) e outros populares como o Autoruns, Process Explorer e Process Monitor.

process_monitor_305_1

Disponível para download aqui, esta atualização da Sysinternals Suite traz novas versões dos utilitários Coreinfo, Disk2vhd e LiveKd. O Coreinfo é um utilitário baseado em linha de comando que exibe informações sobre a topologia do processador, enquanto que o Disk2vhd permite a conversão de discos rígidos físicos em discos virtuais no formato VHD ou VHDX para uso em soluções de virtualização como o Hyper-V. Por fim, o LiveKd é um utilitário que permite a depuração do kernel em tempo real tanto em sistemas nativos como em máquinas virtuais.

Lista com todos os aplicativos presentes na Sysinternals Suite:

Sysinternals Suite recebe atualização Já os usuários que querem maior comodidade podem baixar o Windows System Control Center. Este aplicativo gratuito organiza todos os utilitários da Sysinternals Suite e Sysinternals Live em categorias para facilitar seu uso e também busca atualizações para eles automaticamente.

O Windows System Control Center também inclui suporte para os utilitários da NirSoft e estádisponível para download em duas versões: portátil (não requer instalação) e padrão.

WSCC_00001

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com

5 motivos para desenvolver aplicativos do Windows 8


São Paulo – O Windows 8, novo sistema operacional da Microsoft, chegou com muitas mudanças: como uma nova interface e a ausência do botão Iniciar. As novidades, dizem os especialistas, exigirão mudanças em programas antigos e novos.

Eles precisarão ser adaptados para a nova interface. Ou seja, os desenvolvedores especializados em Windows terão de reescrever ou fazer pequenas alterações em suas aplicações (ou de empresas). As mudanças serão mais importantes ainda naqueles aplicativos que serão submetidos a Windows Store, loja virtual da Microsoft.

Esse, contudo, não é o único motivo para os desenvolvedores apostarem nesse segmento. Conheça, agora, cinco outros. Para criar esta lista, a INFO contou com a ajuda de Christiano de Souza Donke, desenvolvedor na plataforma de trânsito MapLink, e Paulo Iudicibus, diretor de novas tecnologias e inovação da Microsoft.

1 – Compatibilidade – Segundo Iudicibus, a Microsoft planeja ativar o Windows 8 em mais de 400 milhões de aparelhos até outubro de 2013. “É possível ultrapassar esta quantidade porque a Microsoft planejou a interface do Windows 8 com enfoque em computadores, ultrabooks com diferentes tamanhos de tela, dispositivos equipados com e sem teclado e também aparelhos com tela sensível ao toque. Até o momento, há mais de mil aparelhos certificados pela empresa que são compatíveis com o sistema operacional”, comenta.

2 – Diferentes linguagens – Os programas criados para rodar no Windows 8 aceitam diferentes linguagem. Os desenvolvedores com conhecimentos em diferentes tecnologias terão facilidade em desenvolver aplicações para o Windows 8, de acordo com Donke. “Esta versão facilitou o desenvolvimento de apps. É possível, por exemplo, usar os recursos oferecidos pelo HTML5 e C++ em um mesmo projeto”, diz o desenvolvedor.

Já Iudicibus afirma que também é possível reaproveitar o código do aplicativo criado inicialmente para Windows 8 em um mesmo projeto para o sistema operacional móvel Windows Phone.

3 – Novo visual – A Microsoft pede ao desenvolvedor que siga as diretrizes de layout do novo sistema operacional. Ainda de acordo com Donke, este método “padronizará” o visual do Windows 8 e das aplicações compatíveis com esta plataforma. “Os profissionais devem seguir as regras que definem a fonte, a cor do botão e a posição de cada uma das funcionalidades”, comenta.

Donke comenta que esta mudança é positiva para o desenvolvedor, uma vez que um visual padrão facilita o desenvolvimento do projeto. “O botão compartilhar estará sempre no mesmo lugar em todas as aplicações. Da mesma maneira ocorre se o usuário quer imprimir um documento. O desenvolvedor dispensa a preocupação de escolher o melhor local para exibir cada funcionalidade. É só implementar e usar”, explica.

4 – Segurança – A Microsoft criou uma loja virtual de aplicativos para o Windows 8 chamada Windows Store. Segundo Donke, a empresa possui controle de qualidade para validar a aplicação antes de publicar cada um dos projetos. “A aprovação leva, em média, uma semana”. Ainda de acordo com o desenvolvedor, este método diminuirá, por exemplo, a distribuição de software infectado por vírus.

Já o executivo da Microsoft afirma que a loja virtual foi criada com o objetivo de mostrar ao profissional o estado de cada etapa de distribuição do aplicativo. “O desenvolvedor consegue acompanhar todas as etapas. Não é um sistema fechado e ainda ajuda a evitar a pirataria. Além disso, evita conteúdos ofensivos e promove a alta qualidade da loja”, comenta.

5 – Suporte – O site da Microsoft fornece todo o conteúdo necessário para criar uma aplicação compatível com o Windows 8. É possível baixar gratuitamente, por exemplo, um pacote com 200 exemplos de códigos, o Kit de Desenvolvimento de Software (sigla SDK, em inglês), componentes de design para aplicativos estilo Metro, livros digitais grátis e participar de um treinamento sobre design de experiência de usuário.

Além disso, o site oficial da empresa possui um tutorial que ensina a divulgar a aplicação na Windows Store, a loja virtual de apps da Microsoft.

Segundo Iudicibus, a Microsoft fornece também webcasts e templates prontos para criar, por exemplo, apps de notícias e jogos. A empresa também promove treinamentos em 16 centros em diferentes regiões e promove os hackathons, competições hacker de desenvolvimento. “Há também a Microsoft Virtual Academy com treinamentos em português sobre programação”, diz.

Fontes e Direitos Autorais: , de INFO Online • Segunda-feira, 26 de novembro de 2012 – 09h07.

Sistemas automatizados já analisam jogos e escrevem textos


Análise por algorítimos permite interpretar jogos
            São Paulo – “Quando acabou a etapa inicial do primeiro jogo Brasil x Paraguai, o placar acusava um lírico, um platônico 0 a 0. Ora, o empate é o pior resultado do mundo. O torcedor sente-se roubado no dinheiro da entrada e inclinado a chamar os 22 jogadores, o juiz e os bandeirinhas de vigaristas.” 

 

Assim Nelson Rodrigues começava uma de suas memoráveis crônicas para a revista Manchete Esportiva, em 1955. O escritor carioca, que completaria 100 anos em agosto, ficou famoso não apenas pela contundência e humor mas também pelo desprezo à entrada da tecnologia no mundo do futebol. Quando as imagens de um pênalti marcado de forma duvidosa o contrariaram, Nelson Rodrigues não hesitou antes de lançar outra pérola: “O videoteipe é burro”.

 

O que diria, então, se soubesse que uma combinação de sensores, softwares e algoritmos pode aposentar a figura do jornalista esportivo? Melhor, o que você diria se soubesse que alguns dos textos sobre o seu time do coração já são escritos com a ajuda de um sistema automatizado de notícias?

 

Todos os clichês tão batidos quanto amados do futebol nosso de cada domingo não serão mais exclusividade de apresentadores de TV eufóricos e ex-jogadores que escorregam no português. A caixinha de surpresas foi hackeada e, agora, programas de computador baseados em algoritmos podem observar e entender o jogo, entregando reportagens completas sobre as partidas. E o mais incrível: com pouquíssima ou nenhuma interferência humana e segundos após o apito final.

 

Não estamos falando aqui de estatísticas como número de escanteios, de impedimentos ou faltas. Usando uma massa de dados que, a cada partida, soma entre 1,3 mil e 2 mil eventos, entre passes, chutes e faltas, os softwares que escrevem sobre futebol são capazes de contar a história de um jogo e até sugerir abordagens criativas para o texto. “Um atleta do Botafogo fez sete finalizações e nenhuma foi para o gol. O sistema percebeu que esse foi o maior número de erros do Campeonato Brasileiro até então. Essa sugestão ajudou a escrever uma notícia que ficou entre as mais lidas do dia”, afirma Rafael Pena, gerente de projetos responsável pelos dados esportivos do portal Globo.com. O título da notícia: Maior finalizador da partida, Elkeson vive noite de pontaria descalibrada.

 

O GloboEsporte.com usou de forma experimental, no ano passado, um sistema feito em parceria com a PUC do Rio de Janeiro para ajudar os jornalistas a enriquecer a cobertura dos jogos. O programa utiliza os dados das partidas para criar modelos de textos que se encaixam em 15 das situações mais corriqueiras do esporte bretão, entre elas vitórias, derrotas, empates e goleadas. “Identificamos esses padrões, depois vimos quais os indicadores que fazem a partida cair em um deles”, diz Daniel Schwabe, professor titular do departamento de informática da PUC-Rio.

sss

 

 

“Um desses estereótipos é o que chamamos ‘o que o placar não diz’, quando, por exemplo, a equipe tem amplo domínio da bola, mas não consegue vencer o jogo.” No Campeonato Brasileiro deste ano, a Globo.com vai ampliar o uso da ferramenta, mas ainda não pensa em publicar as notícias sem a edição prévia de um jornalista. “Dá para fazer tudo automatizado, com conteúdo mais descritivo, relatando fatos. É perfeitamente factível. Mas os melhores resultados vêm do trabalho em conjunto com os jornalistas”, afirma o professor Schwabe.

 

Nos Estados Unidos, a empresa Automated Insights é mais radical em relação às notícias por software. Com sistemas que cobrem as ligas profissionais de beisebol e basquete, fornece textos prontos que vão ao ar sem que nenhum jornalista os revise. Robbie Allen, presidente e cofundador da empresa, disse a INFO que em breve as partidas de futebol também serão cobertas por sua redação virtual. Ele defende a qualidade dos textos escritos de forma automática. “Uma das vantagens desses sistemas é que podem ser constantemente melhorados. Enquanto eu ou você não conseguimos melhorar muito nossas habilidades, o software se aperfeiçoa a cada dia e incorpora o conhecimento de várias pessoas”, diz Allen.

 

Empresas como as americanas Automated Insights e Narrative Science têm como clientes os sites oficiais dos times e os portais de notícias. Ele publicam centenas de textos a cada rodada dos campeonatos nacionais e regionais. Além do relato com o resultado das partidas, os textos contêm adjetivos e análises detalhadas sobre várias situações. “Estamos começando a trabalhar textos sobre aspectos mais amplos do jogo, como a influência da escolha de um juiz para uma determinada partida. Isso é controverso, pois os dados podem prever que o time da casa sempre ganha com a arbitragem de um determinado juiz”, afirma Allen.

 

Surpreendentemente, para conseguir textos melhores e mais abrangentes, essas empresas fogem das estatísticas. Ao contrário do que ocorre na maioria dos sistemas que envolvem grandes quantidades de dados, na produção das notícias automatizadas de esportes os humanos trabalham e os computadores pensam. O processo de criação das reportagens começa com os dados fornecidos por empresas de scout, termo usado para designar o monitoramento detalhado de um time ou de um jogador numa partida ou campeonato.

“Para cada jogo monitorado contamos com três profissionais. Dois analisam os jogadores e o terceiro supervisiona a captação dos dados. É como se eles estivessem jogando videogame. Cada um cuida de um time”, afirma o engenheiro Cesar Sponchiado, cofundador da brasileira Footstats, que tem entre seus clientes os portais iG, Lancenet e Terra, os canais ESPN e Band, além de clubes e agentes de jogadores.  Esses dados são o combustível para que os sistemas automatizados possam entender o jogo.

 

Os textos, claro, mostrarão o placar, mas graças aos algoritmos, detalhes como a mudança de desempenho de um jogador nos últimos minutos podem ser notados e destacados pelo repórter robô.

 

Maior empresa de scout do mundo, a inglesa Opta Sports ficou conhecida ao mostrar um gráfico em que os 754 passes do habilidoso time do Barcelona foram representados por setas azuis e os 158 do Chelsea por setas vermelhas. Ao olhar o gráfico é possível entender exatamente o que aconteceu nos 90 minutos do jogo, uma das semifinais da Liga dos Campeões da Europa deste ano.

 

O Barça martelou, martelou, mas não conseguiu o resultado que queria. Em um cenário assim, os sistemas automatizados podem analisar a atuação do time catalão dizendo que obteve amplo domínio da partida, no lugar de simplesmente afirmar que teve 80% de posse de bola. Quanto mais refinados forem os dados da partida, mais os textos poderão usar adjetivos e termos coloquiais.

 

“O Georgetown acabou sua participação no torneio em oitavo lugar, após uma derrota apertada por 72 a 70 contra o quarto colocado, o Cincinnati. Em um jogo muito disputado desde o início, o adversário estava atrás no placar até o intervalo, mas voltou forte para a segunda metade do jogo e agarrou a vitória no final”.

O aplicativo para celulares Stats Zone, resultado de uma parceria entre a Opta e a revista inglesa FourFourTwo, consegue, por exemplo, mostrar quem foi o melhor jogador em campo. “O Stats Zone define a influência do jogador de acordo com seu envolvimento na partida e a posição de suas ações, medida pelo número de toques na bola”, afirma Simon Banoub, diretor de marketing da Opta. Com os dados, as empresas  interessadas podem criar seus próprios sistemas de inteligência do futebol.

 

Atualmente, além das experiências de mídia, grandes clubes e agentes de jogadores já utilizam os dados para decidir suas estratégias. Um relatório da Opta sobre uma partida contém oito páginas de informações detalhadas.

 

Campeão Antecipado – Outra inovação que chega aos campos é o tracking óptico dos jogadores. Trata-se de um conjunto de seis câmeras instaladas no estádio e capazes de monitorar a distância e a velocidade de cada jogador. Usando essa tecnologia, a TV Globo já exibe um gráfico de mancha de calor que mostra a movimentação de um atleta, usando áreas mais “quentes” nos locais onde mais atuou e “frias” onde jogou menos.

 

Soma-se a essa avalanche de dados a possibilidade de contextualizar os eventos de uma partida a partir do histórico obtido ao longo do tempo e fundamentar melhor os palpites sobre as chances de cada clube. “Relacionando esses dados é possível entender qual é o desempenho médio dos times que chegam às primeiras posições. Antes mesmo dos jogos, dá para saber, pela análise dos últimos anos, que um time que erra passes não será campeão”, afirma Sponchiado, da Footstats.

 

O software faz tudo sozinho, até redigir as reportagens, o que sobra para o jornalista? “É preciso encontrar uma informação que seja diferente e boa. Não adianta só ser diferente. Esse é um exercício difícil”, diz Paulo Vinícius Coelho, comentarista dos canais ESPN e colunista do jornal O Estado de S. Paulo. Para ele, o risco do uso excessivo de estatísticas é a banalização das informações: “A estatística mostra que os jogadores correm, em média, 10 quilômetros. Isso só vai ser interessante se algum dia um cara passar a correr 22 quilômetros e não 10. Do contrário, não interessa para ninguém”.

 

“As estatísticas não explicam o jogo todo. Os números podem trazer algumas mentiras”, diz Maurício Barros, diretor de redação da revista Placar. As experiências tecnológicas vão evoluir muito ainda. “Estamos só no começo. A intenção é criar várias extensões aprimoradas, buscando correlação entre o texto e a audiência”, diz Schwabe. Um caminho para isso é o uso dos chamados cubos de dados. “Usamos o programa Analysis Services, da Microsoft, para criar esses cubos, que são informações agrupadas por contexto para detectar tendências, como o número de passes errados nos minutos finais”, diz Sponchiado, da Footstats.

 

Será que um dia os algoritmos chegarão perto da beleza, da inteligência e do humor de um Nelson Rodrigues? Os entusiastas da tecnologia dizem que sim. Mas em seus textos, o dramaturgo costumava mencionar um fator que poucos sistemas de computação poderão prever: a sorte. Para um time ser campeão, dizia Nelson Rodrigues, não basta uma defesa intransponível,um meio de campo genial e um ataque assassino. É preciso sorte. Sem ela, escreveu, o time pode ser “atropelado por uma carrocinha de Chicabon”.

Fontes e Direitos Autorais: , da INFO • Quinta-feira, 05 de julho de 2012 – 13h27.

Arquivo do Megaupload pode ser apagado nesta semana


 

São Paulo – Todo o banco de dados do site Megaupload pode ser apagado ainda esta semana por falta de pagamento dos serviços de hospedagem. Desde que os bens da empresa foram congelados no último dia 20, os honorários não são repassados às empresas terceirizadas. O período de contrato vence na próxima quinta-feira (02).

Apesar de receber os arquivos dos usuários, o Megaupload não os hospedava em servidores próprios. As empresas Carpathia Hosting Inc. e Cogent Communications Group, do Estado de Virginia, nos Estados Unidos, eram as responsáveis.

Procuradores da Justiça do Estado, por meio de uma carta, autorizaram as empresas a excluir os arquivos a partir da próxima quinta-feira.

Ao blog Mashable, o advogado do Megaupload, Ira Rothken, afirmou que todos os esforços estão sendo feitos para evitar que os arquivos sejam deletados. Caso os arquivos sejam apagados, a medida pode afetar 50 milhões de usuários do serviço.

Na semana passada, a justiça neozelandesa concedeu liberdade condicional a dois executivos ligados ao Megaupload. Por outro lado, Kim Dotcom teve seu pedido negado. O juiz considerou que ele oferecia risco de fuga por ser milionário e possuir mais de um passaporte.

Fontes e Direitos Autorais: Vinicius Aguiari, de INFO Online • Segunda-feira, 30 de janeiro de 2012 – 11h40.