Script Challenge – 15 – A resposta….

Realizando Auditoria em tempo real (In Live) no Microsoft SQL Server


Boa tarde, pessoal…

Tudo bem? Seja mais uma vez muito bem vindo ao meu blog, mais especificamente ao post que apresenta a resposta para o Script Challenge – 2018 – Post 15, sendo este respectivamente o terceiro post após o retorno desta desafiadora sessão denominada Script Challenge (Script Desafiador ou Desafio do Script) como queiram traduzir.

Espero que você já tenha ouvido falar desta sessão ou acessado alguns dos posts publicados anteriormente. Caso ainda não tenha feito, fique tranquilo você vai encontrar no final deste post uma pequena relação contendo os últimos desafios lançados e seus respostas.

Vamos então falar um pouco mais sobre o último desafio, estou me referindo ao Script Challenge 15…


Script Challenge 15

Falando do desafio de número 15, o mesmo foi publicado no mês de fevereiro de 2019, período de data em que praticamente todos nós estamos começando a iniciar nossas atividades profissionais e principalmente acadêmicas.

Começo de ano não é fácil, volta as aulas, correria de comprar material escolar, renovação de mensalidades, matrículas, IPVA, IPTU, tanta conta para pagar que as coisas acabam se tornando um grande furação em nossas vidas e precisamos de alguma maneira, anotar, gerenciar ou auditar tudo o que estamos fazendo.

Pois bem, o Script Challenge 15 possui um pouco relação ou conexão com toda esta loucura, não necessariamente com a volta as volta as aulas, ou impostos que devemos pagar.

Na verdade, sabemos que existem determinadas situações, ações, procedimentos e demais atividades que se não cumprimos da maneira que estava preestabelecida acabamos de alguma forma sendo notificados ou até mesmo penalizados, pensando justamente desta forma, o Script Challenge 15 se relaciona.

Continuando nossa história, quero lhe perguntar: E ai já matou a charada? Acho que ainda não! Não é mesmo?

Mas para te ajudar mais um pouco vou apresentar a Figura 1 que contem todo código Transact-SQL utilizado neste desafio, contendo trechos ou partes de código ocultas, procedimento que realizei no post que contempla o lançamento deste desafio como forma de aumentar o nível de dificuldade:

Figura 1 – Código Transact-SQL apresentado no Script Challenge 15.

Bom chegou a hora de revelar o que exatamente este bloco de código se propõem a fazer, chegou o momento de revelar e desvendar este desafio. A seguir apresento a resposta para o Script Challenge 15 e o todo bloco de código disponível para você utilizar em seus ambientes de trabalho ou estudos.

A resposta

Como você pode ter percebido, no decorrer deste post e também no post de lançamento, procurei de uma forma bastante simples mas não explícita exibir ao longo do texto, pequenas dicas que poderiam ajudar, nortear e quem sabe indicar uma possível resposta ou solução para o desafio.

Falando mais diretamente, a resposta para o Script Challenge 15, esta totalmente relacionada as nossas atividades diárias, mas não no mundo real, mas sim no mundo virtual, estou me referindo a chamada auditoria, palavrinha que para muitos chega a dar calafrios. Não é mesmo?

Mas se mesmo assim, você ainda não conseguiu adivinhar ou até mesmo pode estar se perguntando: Qual a relação do Script Challenge – 15 tem haver com auditoria? A resposta para seu questionamento é muito simples, para qualquer Administrador de Banco de Dados, Administrador de Servidores, Desenvolvedor, enfim um profissional de tecnologia, tudo o que fazemos basicamente em um computador deve de alguma forma ser monitorada, auditada, controlada, afim de gerar evidência do que foi feito e por quem foi feito, como uma forma de nos proteger e si proteger.

Então a resposta para o Script Challenge 15 se relaciona com a possibilidade que o script apresenta em nos ajudar a identificar tudo o que esta sendo acesso, manipulado e processado, por quem, como, quando, onde e de que forma ao se conectar em um servidor ou instância de banco de dados Microsoft SQL Server, isso tudo em tempo real, ou como gostam de dizer Real Time.

De uma forma muito simples e direta, esta é a resposta, auditoria em tempo real. Abaixo apresento o script original que ilustra esta capacidade que o Microsoft SQL Server em conjunto com suas visões e funções de gerenciamento dinâmico possui:

— Script Challenge 15 – A resposta – Realizando Auditoria em tempo real (In Live) —

Use Master
Go

SELECT ser.session_id As ‘SessionID’,
ssp.ecid,
DB_NAME(ssp.dbid) As ‘DatabaseName’,
ssp.nt_username as ‘User’,
ser.status As ‘Status’,
ser.wait_type As ‘Wait’,
SUBSTRING (sqt.text,  ser.statement_start_offset/2,
(CASE WHEN
ser.statement_end_offset = -1 THEN LEN(CONVERT(NVARCHAR(MAX), sqt.text)) * 2
ELSE ser.statement_end_offset
END – ser.statement_start_offset)/2) As ‘Individual Query’,
sqt.text As ‘Parent Query’,
ssp.program_name As ‘ProgramName’,
ssp.hostname,
ssp.nt_domain As ‘NetworkDomain’,
ser.start_time
FROM sys.dm_exec_requests ser INNER JOIN sys.sysprocesses ssp
On ser.session_id = ssp.spid
CROSS APPLY sys.dm_exec_sql_text(ser.sql_handle)as sqt
WHERE ser.session_Id > 50
AND ser.session_Id NOT IN (@@SPID)
ORDER BY SessionID, ssp.ecid
Go

Então, agora você deve ter gostado deste desafio, não é verdade? Ter a capacidade de identificar, monitorar e registrar tudo o que esta sendo acessado ou manipulado em tempo real, com certeza é algo útil e de extrema importância para qualquer empresa.

A Figura 2 apresentada abaixo, ilustra o conjunto de dados retornados após a execução do Script Challenge – 15:
Figura 2 – Informações coletadas em tempo real, dentre elas SessionID, DatabaseName e ProgramName.

Dentre o conjunto de colunas retornadas pelo Script Challenge 15, destaco algumas:

  • User – Apresenta o nome do usuário que esta conectado e processando a query;
  • Status – Apresenta o status em tempo real da execução, waiting ou suspended da query;
  • Wait – Apresenta qual é o Wait Types utilizado pela query;
  • Individual Query – Apresenta se a query processada esta sendo executada de forma individual, em conjunta ou até mesmo se ele é uma sequência de execuções de blocos de código; e
  • ProgramName – Apresenta o nome do programa, aplicações ou software que esta disparando a execução da query.

Muito bom, sensacional, conseguimos, chegamos ao final, esta é a resposta para o Script Challenge 15, fico extremamente feliz por ter conseguido compartilhar este conteúdo com vocês.

Espero que você tenha gostado deste novo post da sessão Script Challenge!


Sua Participação

No post de lançamento deste desafio, contei com a sua participação através de uma enquete contendo algumas opções de respostas que poderiam estar relacionadas com o Script Challenge 15. A seguir apresento o resultado desta enquete:

A opção mais votada com 44% dos votos é justamente a resposta correta para este desafio: ” O bloco de código apresentado se relacionado com a possibilidade de realizar o monitoramento de sessões e programas que solicitaram dados em tempo real ao SQL Server.”

Referências

Posts anteriores

Caso esta seja a primeira vez que você acessa um post desta sessão, fico muito feliz e aproveito para compartilhar os posts mais recentes:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2019/02/13/script-challenge-2019-post-15/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/10/06/script-challenge-14-a-resposta/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/06/29/script-challenge-2018-post-14/

Agradecimentos

Obrigado por sua visita, espero que este conteúdo aqui apresentado como um possível “desafio” possa ser útil e ao mesmo tempo prover conhecimento, aprendizado ou mostrar recursos e problemas existentes no Microsoft SQL Server que as vezes parecem não ter uma resposta.

Um forte abraço nos encontramos em breve nas demais sessões e especialmente em outubro de 2019 em mais um post da sessão Script Challenge.

Até mais….

Script Challenge – 2019 – Post 15


Olá, bom dia comunidade…

Tudo bem? Quarta – feira dia 13/02 estamos no verão, sofrendo muito com este super calor que esta “queimando nossas cacholas”, mas hoje aqui em São Roque, amanheceu um dia bem diferente dos últimos, muito chuva, vento e temperaturas bem amenas, podemos dizer que aquele friozinho gostoso esta de volta.

Pois bem, sou suspeito a dizer sobre o frio, ainda mais por ser fã incondicional de temperatura baixas, devido a ter trabalhado muitos anos dentro de os mais variados datacenters de empresas e clientes suportando “aquelas” altas temperaturas de 16 ou 18 graus.

Mas o que esta mudança de tempo tem haver com este novo post da sessão Script Chalenge, bom na minha opinião tem tudo haver, ainda mais dependendo do situação e como diria um velho amigo meu “do nível da problemática da coisa” ele poderá aumentar ou diminuir a sua temperatura em pouso segundo, kkkkkk.

Introdução

Os posts publicados nesta sessão tem o objetivo de desafiar o visitante a descobrir o que um determinado script pode fazer ao ser executado, e não somente isso, mostrar como podemos aprender com o uso da linguagem Transact-SQL e sua vasta coleção de comandos, funções e instruções adicionadas a cada nova versão ou atualização do Microsoft SQL Server.

Se você ainda não conhecia a sessão Script Challenge, fique tranquilo vai ter a possibilidade agora mesmo, como também a cada 4 meses poder desfrutar de um novo desafio e sua respectiva resposta, por isso esta sessão é denominada Script Challenge(Script Desafio ou Desafio do Script), bom a melhor forma de traduzir eu deixo para você escolher.

Seguindo um frente….

Gostaria de destacar mais uma vez duas mudanças iniciais implementadas na sessão Script Challenge tendo como base o post publicado em outubro de 2017, sendo elas:

  1. Como maneira ou forma de dificultar ainda mais o nível de complexidade do código, o bloco de código que representa o Script Challenge selecionado para compor o post será  apresentado no formato de imagem ou figura; e
  2. Algumas partes das linhas de código, trechos, ou partes de código serão omitidas, justamente como forma de tornar este código ainda mais desafiador.

Antes de destacar o script de hoje, não custa nada saber um pouco mais sobre esta sessão, por este motivo, quero lhe contar um pouco da história que cerca os posts relacionadas a ela…

Um pouco de História

Esta é uma sessão criado no final do ano de 2010 e mantida mensalmente até meados de 2012, desde então não me dediquei mais a mesma devido principalmente em não conseguir identificar possíveis scripts dentro da minha biblioteca que poderiam ser apresentados como um scripts considerados como desafio para os profissionais da área de banco de dados.

Mas acredito que nos últimos anos com o crescimento do Microsoft SQL Server, seu nível de evolução, amadurecimento e recursos adicionais, como também, meu nível de experiência profissional e acadêmica também evolui muito, sinto-me preparado para retornar com esta sessão e poder de forma bastante técnica, didática e conceitual poder lançar um “desafio” e responder o mesmo com muito segurança.

Outro detalhe importante, esta é uma sessão que foi criada, pensando em apresentar pequenos blocos de códigos oriundos da linguagem Transact-SQL que possam apresentar um nível de dificuldade e conhecimento técnico um pouco mais elevado, exigindo assim uma análise mais profunda e até mesmo a criação um pequeno cenário de teste para seu entendimento.

Vamos então conhecer o bloco de código selecionado para ser o Script Challenge deste post.


Script Challenge – 15

O bloco de código Transact-SQL selecionado para fazer parte do Script Challenge de hoje, esta relacionado com uma importante atividade exercida por Administradores de Servidores,  DBAs e Administradores de Banco de Dados.

Trata-se de algo que pode ajudar a identificar possíveis situações que venham a atrapalhar o processamento e execução de nossas querys e transações. Vale ressaltar que este script, não possui a finalidade de apresentar os custos de processamento que estão sendo demandados pelos processos em execução.

Vou dar uma pequena canja, sobre este desafio: O mesmo, pode ser executado em conjunto com as demais sessões, transações ou querys em execução, sem necessitar que qualquer procedimento de manutenção ou alterações na configuração do SQL Server para sua execução.

E ai, ficou curioso para saber o que este script realiza? Qual seria esta possível atividade? Mesmo assim, não vou lhe responder hoje, vou deixar que você quebre um pouco a sua cabeça, afim de tentar matar esta curiosidade, mas como não sou tão mal assim, no final do post como de costume vou deixar uma enquete para você expor sua opinião.

A seguir apresento o bloco de código:

Figura 1 – Short Script 15.

Muito bem, nosso Script Challenge esta apresentado. Você preparado para mais este desafio?

Tenho a certeza que sim!


Sua participação

Legal, agora quero conter com a sua participação, me ajudando a responder este post, outra grande novidade que estou adicionando aos posts da sessão Script Challenge será uma pequena enquete com possíveis respostas para identificar qual é a correta, relacionada com o desafio apresentado através do bloco de código selecionado para este post, desta forma, apresento a seguir a Enquete – Script Challenge – 15 e suas alternativas de resposta:

Seguindo em frente, já conhecemos o Script Challenge selecionado, sua enquete e relação de opções de resposta, fica faltando somente a sua participação, algo que eu tenho a certeza que vai acontecer rapidamente.

Durante quanto tempo posso participar…

Outra grande mudança na sessão Script Challenge é seu tempo de publicação “validade”, anteriormente os posts desta sessão eram publicados mensalmente ou bimestralmente, agora serão publicados em um período mais longo, ou seja, a cada 4 meses estarei compartilhando com vocês novos posts dedicados exclusivamente para esta sessão.

Desta forma, você terá mais tempo para participar e me ajudar e encontrar a resposta correta para este desafio, enviando suas possíveis sugestões, críticas e até mesmo alternativas de resposta para minha enquete.

Posts anteriores

Caso esta seja a primeira vez que você acessa um post desta sessão, fico muito feliz e aproveito para compartilhar os posts mais recentes:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/10/06/script-challenge-14-a-resposta/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/06/29/script-challenge-2018-post-14/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/10/26/script-challenge-2017-o-retorno/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/03/01/script-challenge-13-a-resposta/


Agradecimentos

Obrigado por sua visita, espero que post apresentado como um possível “desafio” possa ser úteis e ao mesmo tempo prover conhecimento, aprendizado ou mostrar recursos e problemas existentes no Microsoft SQL Server que as vezes parecem não ter uma resposta, tratados com “bichos de sete cabeças”.

Um forte abraço nos encontramos em breve nas demais sessões e especialmente em junho de 2019 em mais um post da sessão Script Challenge, o qual apresentará a resposta para este post.

Sucesso, mais uma vez obrigado por sua visita, espero que você tenha gostado deste post.

Fique a vontade para conhecer demais post publicados até o presente momento em todas as sessões do meu blog.

Abraços.

Short Scripts – Fevereiro 2018 – Transaction Log


Olá, bom dia, mais uma semana começando….

E você já esta aqui acessando o meu blog, que alegria poder te encontrar em mais um post da sessão Short Scripts, uma das sessões mais recentes do meu blog que esta alçando a marca de 32 posts, sendo estes publicados trimestralmente.

Mantendo a tradição estou retornando com mais um conjunto de “pequenos” scripts catalogados e armazenados em minha biblioteca pessoal de códigos relacionados ao Microsoft SQL Server e sua fantástica linguagem de desenvolvimento Transact-SQL.

Mas como este é o primeiro post desta sessão em 2018, farei algo um pouco diferente, você terá uma pequena surpresa.

Desejo que o conteúdo aqui compartilhado possa lhe ser útil, como também sirvo de referência e sugestões para novas formar de resolução de problemas e aprendizado.

Vamos então conhecer um pouco mais sobre este novo post….

O post de hoje

Como já destacado no início do post, ao invés de compartilhar os últimos scripts adicionados a  minha biblioteca, quero dividir com você um conteúdo dedicado especificamente a um assunto muito importante quando nos referimos ao Microsoft SQL Server, mais especificamente ao Transaction Log (Log de Transações), funcionalidade presente em todos os bancos de dados criados em qualquer versão e edição do SQL Server.

E ai que você achou desta surpresa, gostou? Eu gostei, não é fácil você conseguir encontrar em um único local um conteúdo focado exclusivamente a este assunto tão importante, que muitos profissionais que trabalham com banco de dados até hoje não conseguem entender o conceito e forma de atuação do Transaction-Log.

Seguindo em frente, a seguir apresento os códigos e exemplos selecionados para o Short Script – Fevereiro 2018 – Transaction Log. Vale ressaltar que todos os scripts publicados nesta sessão foram devidamente testados, mas isso não significa que você pode fazer uso dos mesmo em seu ambiente de produção, vale sim todo cuidado possível para evitar maiores problemas.

Short Scripts

Fique a vontade para compartilhar, comentar e melhorar cada um destes códigos:

— Short Script 1 – Log Record —

— Altera o Recovery Model para SIMPLE
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY SIMPLE
Go

— Truncar o Transaction Log —
CHECKPOINT
Go

— Conteúdo do log – todas as colunas —
USE AdventureWorks2016
Select * from ::fn_dblog(null, null)
Go

–update
Begin Transaction

UPDATE dbo.Pessoa
SET nome = ‘XUXA’
Where ID=3

Rollback
Go

— Conteúdo armazenado no Log File —
Select [Current LSN],
Operation,
Context,
[Transaction ID],
[Log Record Length],
[Previous LSN],
AllocUnitName,
[Page ID],
[Slot ID],
[Checkpoint Begin],
[Checkpoint End],
[Minimum LSN],
SPID,
[Begin Time],
[Transaction Name],
[Parent Transaction ID],
[Lock Information],
Description,
[RowLog Contents 0],
[RowLog Contents 1],
[Log Record]
From ::fn_dblog(null, null)
Go

— DBCC SQLPERF —
DBCC SQLPERF(LOGSPACE)
Go

— Short Script 2 – CheckPoint —

— Criando a Base de Dados —
CREATE DATABASE DemoCheckpoint
ON PRIMARY
(NAME = ‘DemoCheckpoint_data’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\DemoCheckpoint_data.mdf’)
LOG ON
(Name = ‘DemoCheckpoint_Log’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\DemoCheckpoint_log.ldf’,
SIZE = 100MB,
FILEGROWTH = 10MB)
GO

— Alterando o Recovery Model —
ALTER DATABASE DemoCheckpoint
SET RECOVERY SIMPLE
Go

— Criando a Tabela Teste —
USE DemoCheckpoint
GO

CREATE TABLE Teste
(C1 varchar(50) NOT NULL,
C2 varchar(50) NOT NULL)
GO

— Forçando o Checkpoint —
CHECKPOINT
Go

— Abrir o Perfmon com os contadores

— em outra sessão
USE DemoCheckpoint
GO

WHILE 1=1
BEGIN

INSERT INTO dbo.teste
VALUES (‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’)
END

— Short Script 3 – Log Chain Simple —

— Iniciar nova sessão do Perfmon —
SELECT name, recovery_model_desc
FROM sys.databases
WHERE name = ‘AdventureWorks2016’
Go

— Alterar Recovery Model para Simple —
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY SIMPLE
Go

— Abrir nova Query —
USE AdventureWorks2016
Go

WHILE 1=1
BEGIN
INSERT INTO dbo.pessoa
VALUES (‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’)
END

— Alterar Recovery Model para Full —
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY FULL
GO

— Realizar Backup Database —
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016
TO DISK = ‘d:\backupcompress.bak’
WITH COMPRESSION,
DIFFERENTIAL
GO

— Short Script 4 – DBCC LogInfo —

— Criando uma nova base de dados —
CREATE DATABASE TestDB
ON PRIMARY
(NAME = ‘TestDB_data’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\TestDB_data.mdf’)
LOG ON
(Name = ‘TestDB_Log’,
FILENAME = ‘D:\MSSQL\TestDB_log.ldf’,
SIZE = 10MB,
FILEGROWTH = 10MB)
GO

— Obtendo informações sobre a base de dados —
DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

–Forçando o crescimento do Transact-Log manualmente em 20MB —
ALTER DATABASE TestDB
MODIFY FILE
(NAME = ‘TestDB_Log’,
SIZE = 20MB);
GO

— Obtendo informações sobre a base de dados —
DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

— Short Script 5 – Natureza Circular —

— Alterando Recovery Model FULL —
ALTER DATABASE TestDB
SET RECOVERY FULL;
Go

— Realizando Backup Database —
BACKUP DATABASE TestDB
TO DISK = ‘D:\TestDB.bak’
Go

— Forçando o encolhimento do Transaction – Log —
DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

BACKUP LOG TestDB
TO DISK = ‘bkplogTestDB.trn’
Go

USE TestDB
Go

DBCC SHRINKFILE (TestDB_Log,1)
Go

DBCC LOGINFO(TestDB)
Go

— Criando uma nova Tabela —
USE TestDB
GO

CREATE TABLE dbo.pessoa
(ID int identity PRIMARY KEY NOT NULL,
Nome varchar(50) NOT NULL,
Sobrenome varchar(50) NOT NULL,
Nascimento date NOT NULL,
Cargo varchar(50))
GO

— Abrir nova query —
USE TestDB
GO

WHILE 1=1
BEGIN
INSERT INTO dbo.pessoa
VALUES (‘Junior’, ‘Galvão’, ‘19800428’, ‘Database Administrator’)
END

— Monitorar o crescimento do log em tempo de execução —
DBCC LOGINFO(TestDB)

CHECKPOINT

SELECT name,
Log_reuse_wait_desc
FROM sys.databases
WHERE name = ‘TestDB’
Go

— Realizar Backup do Arquivo de Log —
BACKUP LOG TestDB TO DISK = ‘d:\log.trn’
Go

— Alterando Recovery Model para Full
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
SET RECOVERY FULL
Go

— Realizando novo Backup Database —
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016
TO DISK = ‘d:\backup.bak’
WITH COMPRESSION
Go

— Short Script 6 – Backup and Transaction Log —

— Preparando a base – 1m10s se não preparada na demo 5
ALTER DATABASE AdventureWorks2016 SET RECOVERY FULL
GO
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016 TO DISK = ‘d:\backup.bak’ WITH COMPRESSION
GO

— Realizando Backup do Arquivo de Log —
BACKUP LOG AdventureWorks2016
TO DISK = ‘bkplog.trn’
Go

— Obtendo informações sobre o Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Encolhendo o Transaction Log —
USE AdventureWorks2016
Go

DBCC SHRINKFILE (AdventureWorks2016_Log,1)
Go

— Obtendo informações sobre o Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Ajustando o tamanho do Transaction Log —
USE AdventureWorks2016
Go

— Encolhendo o Transaction Log —
DBCC SHRINKFILE (AdventureWorks2016_Log,1)
Go

— Obtendo informações sobre o Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Modificando o arquivo de Log —
ALTER DATABASE AdventureWorks2016
MODIFY FILE
(NAME = AdventureWorks2016_Log,
SIZE = 4MB)
Go

— Encolhendo o Transaction Log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)

— Abrir nova query —
BACKUP DATABASE AdventureWorks2016
TO DISK = ‘d:\backup.bak’
Go

— Abrir nova query —
USE AdventureWorks2016
GO

WHILE 1=1
BEGIN
INSERT INTO dbo.pessoa
VALUES (‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’),
(‘bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb’, ‘bbbbbbbbbbbbbbb’)
END
Go

— Forçando o Truncate do Log —
BACKUP LOG AdventureWorks2016
TO DISK = ‘bkplog.trn’
Go

— Obtedo informações do arquivo de log —
DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
CHECKPOINT
SELECT name,
log_reuse_wait_desc
FROM sys.databases
WHERE name = ‘AdventureWorks2016’
Go

— Ajustando o tamanho do TLog
USE AdventureWorks2016
GO

DBCC SHRINKFILE (AdventureWorks2016_Log,1)
GO

DBCC LOGINFO(AdventureWorks2016)
Go

— Short Script 7 – File Growth —

— Habilitando Trace Flags para evidênciar mudanças no Log —
DBCC TRACEON (3004, 3605, -1);
Go

— Limpar o log do SQL Server —
sp_cycle_errorlog
Go

— Criar uma nova Base de Dados —
CREATE DATABASE TransactionLog
ON PRIMARY
(NAME = ‘TransactionLog_data’,
FILENAME = ‘D:\MSSQLSERVER\DATA\TransactionLog_data.mdf’,
SIZE = 10240MB)
LOG ON
(Name = ‘TransactionLog_Log’,
FILENAME = ‘D:\MSSQLSERVER\DATA\TransactionLog_log.ldf’,
SIZE = 1024MB,
FILEGROWTH = 1024MB)
GO

— Identificar o tempo decorrido para processamento relacionado somente ao Log —
xp_readerrorlog
Go

— Desabilitando Trace Flags —
DBCC TRACEOFF (3004, 3605, -1);
Go

— Short Script 8 – Open Transaction in Tracking —

— Identificando as Transações abertas e seu respectivo consumo do Transaction Log —
SELECT
[s_tst].[session_id],
[s_es].[login_name] AS [Login Name],
DB_NAME (s_tdt.database_id) AS [Database],
[s_tdt].[database_transaction_begin_time] AS [Begin Time],
[s_tdt].[database_transaction_log_bytes_used] AS [Log Bytes],
[s_tdt].[database_transaction_log_bytes_reserved] AS [Log Rsvd],
[s_est].text AS [Last T-SQL Text],
[s_eqp].[query_plan] AS [Last Plan]
FROM sys.dm_tran_database_transactions [s_tdt] Inner JOIN sys.dm_tran_session_transactions [s_tst]
ON [s_tst].[transaction_id] = [s_tdt].[transaction_id]
Inner JOIN sys.[dm_exec_sessions] [s_es]
ON [s_es].[session_id] = [s_tst].[session_id]
Inner JOIN sys.dm_exec_connections [s_ec]
ON [s_ec].[session_id] = [s_tst].[session_id]
LEFT OUTER JOIN sys.dm_exec_requests [s_er]
ON [s_er].[session_id] = [s_tst].[session_id]
CROSS APPLY sys.dm_exec_sql_text ([s_ec].[most_recent_sql_handle]) AS [s_est]
OUTER APPLY sys.dm_exec_query_plan ([s_er].[plan_handle]) AS [s_eqp]
ORDER BY [Begin Time] ASC;
Go

É isso ai, missão cumprida! Mais uma relação de short scripts acaba de ser compartilhada, mesmo sendo denominados short entre aspas “pequenos”, posso garantir que todos estes exemplos são de grande importância, apresentam um valor e conhecimento do mais alto nível.

Quero agradecer ao amigo Luiz Mercante que colaborou com a criação e uso destes scripts em algumas palestras realizadas nos últimos anos no evento SQL Saturday.


Chegamos ao final de mais um Short Scripts, espero que este material possa lhe ajudar, ilustrando o uso de alguns recursos e funcionalidades do Microsoft SQL Server.

Acredito que você tenha observado que estes códigos são conhecidos em meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server publicados no decorrer dos últimos anos.

Boa parte deste material é fruto de um trabalho dedicado exclusivamente a colaboração com a comunidade, visando sempre encontrar algo que possa ser a solução de um determinado problema, bem como, a demonstração de como se pode fazer uso de um determinado recurso.

Links

Caso você queira acessar os últimos posts desta sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/12/09/short-scripts-dezembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/09/16/short-scripts-setembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/08/short-scripts-junho-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/31/short-scripts-marco-2017/

Agradecimento

Obrigado mais uma vez por sua visita, fico honrado com sua ilustre presença ao meu blog, desejo e espero que você possa ter encontrado algo que lhe ajudou.

Volte sempre, nos encontraremos mais uma vez na sessão Short Scripts no post do mês de maio de 2018.

Sucesso….

Dica do Mês – Microsoft SQL Server – Identificando as transações que estão utilizando o Transact Log


Bom dia pessoal, tudo bem?

Véspera de feriado religioso e um dos mais importantes para boa parte da população mundial! Justamente por ser véspera de feriado hoje é um daqueles dias que qualquer profissional da área de banco de dados reza para que nada ocorra de errado próximo ás 17hrs ou mais conhecido como 5 horas da tarde.

Pensando neste tipo de necessário o post de hoje dedicado a sessão Dica do Mês tem o objetivo de ajudar você profissional que esta em apuros neste momento tentando identificar o que pode estar ocorrendo em seu ambiente ou servidor Microsoft SQL Server.

Hoje vou apresentar como você pode no Microsoft SQL Server a partir da versão 2008 R2 identificar quais transações estão realizando o acesso e demandando informações para o Transact – Log, arquivo utilizado por qualquer banco de dados existente em seu servidor ou instância SQL Server para registrar dados relacionados as transações atuais ou já processadas, sendo este mais conhecido como log de transações.

Estão vamos em frente…..


Introdução

Quando se referimos ao log de transações, temos sempre aquele boa e velha definição, “o transact log é o arquivo utilizado pelo banco de dados para registrar o que esta sendo processado por nossas transações, conhecido como o dedo duro”, na verdade o transact-log é bem mais do que isso, trata-se de um dos principais componentes de qualquer banco de dados criado no Microsoft SQL Server que nos permite através do seu uso garantir a continuidade e disponibilidade de nossos dados para diversos cenários de armazenamento e principalmente recuperação de informações.

Durante o processamento de uma ou mais querys o transact-log pode apresentar comportamentos diversas de acordo com o que esta sendo processado, mas principalmente no que se relacionado aos processos de escrita e leitura do log, onde nossas querys podem gerar processos de gravação de dados no transact-log e internamente o SQL Server pode necessitar a acessar outros dados em log para atender outras possíveis demandas.

Estes processos são conhecidos como leitura ou escrita do transact-log, situações que podem impactar aleatoriamente no processamento de nossas querys.

Pensando neste tipo de possibilidade, o post de hoje visa ilustrar e apresentar como através do Management Studio ferramenta de administração e gerenciamento do Microsoft SQL Server podemos em conjunto com as DMVs – Dynamic Management Views listadas abaixo, monitorar, catalogar e identificar quais querys ou transações estão fazendo uso do Transact-Log em possíveis processos de leitura ou escrita do log.

Dynamic Management Views

Para saber mais sobre cada DMV acesse as referências apresentadas no final do post:

  • sys.dm_tran_session_transactions;
  • sys.dm_tran_active_transactions;
  • sys.dm_tran_database_transactions;
  • sys.dm_exec_sessions;
  • sys.dm_exec_requests; e
  • sys.dm_exec_sql_text.

O Cenário

Para tentar ilustrar como podemos realizar de maneira fácil este tipo de monitoramento e identificação, vamos criar um pequeno cenário através do Bloco de Código 1, onde estaremos realizando a criação de um novo banco de dados denominado UsingTransactLog para armazenar a tabela TabelaTransactionLog.

— Bloco de Código 1 —
— Criando o banco de dados —
Create Database UsingTransactLog
Go

— Acessando o banco de dados —
Use UsingTransactLog
Go
— Criando a tabela —
Create Table TabelaTransactLog
(TransactionID Int Default Current_Transaction_ID(),
TransactionUser Varchar(100) Default System_User,
TransactionDate DateTime Default Current_TimeStamp)
Go

 

Note que nosso tabela TabelaTransactLog possui um simples estrutura composto por três colunas: TransactionID, TransactionUser e TransactionDate, sendo estes elementos básicos utilizados para catalogar o ID da transação em processamento, o usuário conectado ao banco de dados e data/hora do momento da inserção da linha.

Até aqui nada de tão importante, mas importante para podemos simular o uso do log, nosso próximo passo consiste no processamento do Bloco de Código 2, onde estaremos realizando o processamento de uma transação de inserção de 50.000 mil linhas de registros, sendo a operação de insert uma das mais diversas operações que demando processos de escrita ao transact – log, sendo assim, apresento a seguir o Bloco de Código 2:

— Bloco de Código 2 —
Insert Into TabelaTransactLog Default Values
Go 50000

Observe que não estamos passando nenhum tipo de valores para nossas colunas, na verdade estou forçando o SQL Server a utilizar a criação de valores padrões durante o processamento de cada linha de registro através da instrução Default Values (valores padrões), o que vai obrigar nossa instância e ter que gerar valores durante o tempo de processamento e posteriormente registrar em log.

Muito bem, o processamento desta massa de dados, teremos a necessidade de abrir uma nova query para justamente fazer uso do Bloco de Código 3, sendo este o principalmente elemento do nosso cenário, a query que nos permiti monitorar e identificar as transações que estão em tempo real utilizando o transact-log. Então abra uma nova query e log o Bloco de Código 3 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 3 —
SET TRANSACTION ISOLATION LEVEL READ UNCOMMITTED
Go

SELECT tst.session_id As ‘Sessão’,
es.original_login_name As ‘Login’,
DB_NAME(tdt.database_id) AS ‘Database’,
DATEDIFF(SECOND, tat.transaction_begin_time, GETDATE()) AS ‘Tempo decorrido’,
tdt.database_transaction_log_record_count AS ‘Espaço Utilizado’,
CASE tat.transaction_state
WHEN 0 THEN ‘A transação não foi completamente inicializada ainda…’
    WHEN 1 THEN ‘A transação foi inicializada, mas não começou…’
    WHEN 2 THEN ‘A transação esta ativa…’
    WHEN 3 THEN ‘A transação foi encerrada…’
    WHEN 4 THEN ‘Foi iniciado o processo de confirmação sobre o transação distribuída…’
    WHEN 5 THEN ‘A transação está em estado preparação e esperando resolução…’
    WHEN 6 THEN ‘A transação foi confirmada…’
    WHEN 7 THEN ‘A transação esta sendo revertida para o estado anterior…’
    WHEN 8 THEN ‘A transação foi revertida para o estado anterior…’
   ELSE ‘Estado da transação desconhecido’
   END AS ‘Estado da Transação’,
SUBSTRING(TXT.text, ( er.statement_start_offset / 2 ) + 1, ((CASE WHEN er.statement_end_offset = -1
THEN LEN(CONVERT(NVARCHAR(MAX), TXT.text)) * 2
ELSE er.statement_end_offset
END – er.statement_start_offset ) / 2 ) + 1) AS ‘Query Atual’,
TXT.text AS ‘Query relacionada’,
es.host_name As ‘Hostname’,
   CASE tat.transaction_type
    WHEN 1 THEN ‘Transação Read/Write’
    WHEN 2 THEN ‘Transação Read-Only’
    WHEN 3 THEN ‘Transação de Sistema’
                WHEN 4 THEN ‘Transação distribuída’
            ELSE ‘Tipo de Transação desconhecido’
            END AS ‘Tipo da Transação’,
tat.transaction_begin_time AS ‘Iniciado em’
FROM sys.dm_tran_session_transactions AS tst INNER JOIN sys.dm_tran_active_transactions AS tat
ON tst.transaction_id = tat.transaction_id
INNER JOIN sys.dm_tran_database_transactions AS tdt
ON tst.transaction_id = tdt.transaction_id
INNER JOIN sys.dm_exec_sessions es
ON tst.session_id = es.session_id
INNER JOIN sys.dm_exec_requests er
ON tst.session_id = er.session_id
CROSS APPLY sys.dm_exec_sql_text(er.sql_handle) TXT
ORDER BY [Tempo decorrido] DESC
Go
Pois bem, você pode estar querendo saber um pouco mais sobre o que exatamente esta acontecendo ao processar o Bloco de Código 3, pode ficar tranquilo que a seguir vou fazer um pequeno overview sobre este bloco de código, começando pelo conjunto de colunas retornadas por ele:
  • Sessão – Apresenta o ID da sessão que esta utilizando o transact-log;
  • Login – Nome da conta de login que esta conectada ao SQL Server;
  • Database – Nome do banco de dados utilizado pela query que esta acessando o transact-log;
  • Tempo decorrido – Representa o tempo de processamento que o query esta demandando para utilizar o transact-log;
  • Log Record Count– Identifica a quantidade de registros de log gerados pela query ou transações em processamento;
  • Estado da transação – Esta coluna apresenta o estado atual da query em processamento, sendo este formado por um conjunto de valores;
  • Query Atual – Apresenta as instruções que estão sendo processadas por cada query;
  • Query Relacionada– Apresenta as instruções processadas por querys que podem estar relacionadas com as atuais querys em processamento;
  • Hostname – Apresenta o nome dos hosts utilizados por cada query em processamento;
  • Tipo de Transação – Identifica se a transação em processamento esta realizando acesso de leitura ou escrita ao log, bem como, se esta query é uma query de sistema ou distribuída; e
  • Iniciado em – Apresenta o horário de início do acesso ao transact-log por parte da query em processamento.

Agora que você já conhece um pouco sobre cada coluna que será retornada após o processamento do Bloco de Código 3, vou abordar o uso da instrução Set Transaction Isolation Level declarada no início do código, que possui a finalidade de alterar no nível de isolamento do nosso banco de dados para Read Uncommitted afim de força o SQL Server a descartar ou desconsiderar qualquer possível ocorrência de bloqueios tanto no nível de tabela e registros, mas principalmente no escopo de banco de dados.

Nota: Se você me perguntar que isso é obrigatório ser feito para conseguir identificar as querys que estão utilizando o transact-log eu vou responder NÃO, isso não é obrigatório, mas pode ser considerada uma possível solução para garantir que o Bloco de Código 3 possa ser processado e consultar as dynamic management views na busca das informações catalogadas por ela em tempo de execução.

Ufa, estamos quase lá, agora nos resta fazer a execução do mesmo e observar o retorno dos dados coletados por este bloco de código, com base, na Figura 1 apresentada abaixo:

Figura 1 – Relação de querys em execução utilizando transact-log.

Perfeito, nosso monitoramento funcionou, conseguimos coletar os dados referentes as querys que estão neste momento em processamento fazendo acesso e utilizando o transact-log criado para o banco de dados UsingTransactLog.

Isso não é sensacional, desta forma, chegamos ao final de mais um post dedicado a sessão Dica do Mês, espero que você tenha gostado.

Referências

Post anteriores

  1. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/01/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2016-sp1-novo-argumento-use-hint-disponivel-para-query-hints/
  2. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/16/dica-do-mes-conhecendo-a-nova-dmf-sys-dm_exec_input_buffer-no-microsoft-sql-server-2016/

  3. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/11/28/dica-do-mes-sql-server-2016-sp1-comando-create-or-alter/

  4. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/10/24/dica-do-mes-sql-server-2016-obtendo-informacoes-sobre-o-cache-de-execucao-de-funcoes/

Conclusão

Administrar, gerenciar, cuidar e prover um ambiente sempre no melhor estado possível não é uma das atividades mais tranquilas e simples desempenhadas por profissionais ou administradores de banco de dados, mas também não pode ser considerada um “bicho de sete cabeças” ou uma “caixa preta” ainda mais quando este servidor de banco de dados utiliza o Microsoft SQL Server.

Neste post você pode observar que através do uso de alguns DMVs – Dynamic Management Views a Microsoft nos permite coletar, analisar e entender de forma visual e muito intuitiva como o um servidor ou instância SQL Server gerencia o que esta sendo processado por nossas aplicações, querys ou transações no que se relaciona aos seus componentes e recursos internas, algo que nos permite em diversas situações de administração ou manutenção tentar identificar o que pode estar ocorrendo, bem como, impactando em nosso ambiente.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, bom feriado, espero que neste momento você não esteja no seu trabalho tentando resolver problemas do seu servidor (kkkkk).

Valeu….

Dica do Mês – Conhecendo a nova DMF sys.dm_exec_input_buffer no Microsoft SQL Server 2016


Bom dia, bom dia, bom dia….. Feliz 2017

Salve, salve comunidade, estou retorno hoje, conforme o prometido após alguns dias de “descanso mental”. Espero que todos tenham passado um ótimo fim de ano e estejam preparados para os desafios de 2017.

Estamos completando o primeiro ano da sessão Dica do Mês, sendo este o post de número 12, poxa vida muito legal ver o quanto de conteúdo e conhecimento já foi transmitido nesta sessão.

Hoje dia 16 de Janeiro primeiro post de 2017 dedicado mais uma vez ao Microsoft SQL Server, dentre os quais voltados exclusivamente a versão 2016, vou destacar um assunto bem conhecido de qualquer DBA denominado Input Buffer.

Não vou destacar do que se trata este conceito mais sim apresentar como a partir do SQL Server 2016 podemos recurperar e coletar as informações relacionado a ele de uma maneira diferente se comparado com as versões anteriores.

Então vamos lá, seja bem vindo ao Dica do Mês número 12……

Introdução

Reconhecer e identificar o que esta sendo transacionado dentro do seu servidor ou instância do Microsoft SQL Server para muitos é coisa de outro mundo, para outros coletar estes dados não passa de um simples comando que você pode executar.

Na verdade os lados da moeda tem a sua verdade, identificar e entender o que esta sendo transacionado não é uma tarefa fácil por isso pode ser considerado algo fora da terra, como também, coletar e armazenar é algo muito simples, e realmente é!!!

Desde as versões mais antigas do SQL Server a maneira mais comum e menos consumista de se obter informações sobre o Buffer ou Input Buffer dentro de um servidor ou instância era através do comando DBCC Input Buffer, onde bastava simplesmente executar este comando para se obter a informações sobre o buffer de uma sessão específica.

Agora na versão 2016 desta RC0 a Microsoft de um novo jeitinho para se obter estes dados através do uso da nova DMF – Dynamic Management Function ou Função de Gerenciamento Dinâmico chamada Sys.dm_exec_input_buffer.

Ao executar pela primeira vez esta DMF, pensei que seria um recurso substituto ao bem e velho DBCC Input Buffer, ao começar a brincar um pouco mais com ela  observei que existe uma pequena similaridade entre ambos.

Similaridade que se tornou mais clara na maneira que a sys.dm_exec_input_buffer apresentar os dados coletados que estão sendo transacionados, o que também acabou ficando somente nisso, durante as diversas execuções que realizei, foi possível  reconhecer algumas pequenas diferenças que podemos reconhecer como vantagens no uso da sys.dm_exec_input_buffer em comparação ao DBCC InputBuffer.

Sys.dm_exec_input_buffer x DBCC Input Buffer

Basicamente a forma de uso de ambos os recursos não posso dizer que seja algo muito diferente, o DBCC InputBuffer você executa de forma direta passando o SID da sessão a qual você deseja obter o buffer, já a sys.dm_exec_input_buffer o mínimo a favor é executar um comando Select direcionado para esta DMF.

Falando das vantagens destaco abaixo as mais fáceis de se identificar:

  1. Ao executar a dmf o resultado é apresentado diretamente como um conjunto de linhas, o que permite em uma bloco de código obter os input buffers de diversas sessões, uma grande vantagem se comparada com o DBCC Input Buffer;
  2. Outra diferença clara é a capacidade de realizar joins com outras DMFs dentre elas: sys.dm_exec_sessions, sys.dm_exec_connections e sys.dm_exec_requests através do uso do operador Cross Join;
  3. Através da execução de uma simples query através do comando select podemos recuperar o buffer de diversas entradas de sessões distintas sem a necessidade de criar um script, tabela temporária ou tabela auxiliar; e
  4. Possibilidade armazenar o resultado da relação de buffers coletados em uma nova tabela.

Exemplos

Como já mencionei anteriormente a forma de uso da sys.dm_exec_input_buffer é bem simples e fácil, como também, a apresentação dos dados coletados, os dois exemplos apresentados a seguir demonstram como podemos fazer uso desta nova DMF no Microsoft SQL Server 2016:

— 1 – Executando um simples Select —
SELECT * FROM sys.dm_exec_input_buffer(52, 0);

dica-12-01Figura 1 – Buffer coletado da sessão 52.

— 2 – Utilizando o operador Cross Apply —
SELECT es.session_id, ib.event_info
FROM sys.dm_exec_sessions AS es
CROSS APPLY sys.dm_exec_input_buffer(es.session_id, NULL) AS ib
WHERE es.session_id > 50;

dica-12-02Figura 2 – Buffers coletados após a execução do exemplo 2.

Referências

Conclusão

Como de costume a cada nova versão ou atualização a Microsft esta apresentando diversas inovações e melhorias no Microsoft SQL Server, mantendo o produto no seu mais alto nível de funcionalidades, recursos e inovações.

Neste post você pode perceber que mais uma vez isso esta presente, uma nova maneira de se obter informações sobre os buffers que estão sendo transacionados e processados dentro de um servidor ou instância do SQL Server através da DMF sys.dm_exec_input_buffers.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Conto com a sua presença em mais este ano aqui no meu blog….

Feliz 2017!!!