Script Challenge – 16 – A resposta

Obtendo o histórico de consumo de CPU durante um intervalo de tempo em minutos….


Bom dia, bom dia, bom dia….

Tudo bem? Que bom te encontrar tão cedo por aqui….

Seja mais uma vez muito bem vindo ao meu blog, mais especificamente ao post que apresenta a resposta para o Script Challenge – 2019 – Post 16, sendo este respectivamente o quinto post após o retorno desta desafiadora sessão denominada Script Challenge (Script Desafiador ou Desafio do Script) como queiram traduzir.

Espero que você já tenha ouvido falar desta sessão ou acessado alguns dos posts publicados anteriormente. Caso ainda não tenha feito, fique tranquilo você vai encontrar no final deste post uma pequena relação contendo os últimos desafios lançados e seus respostas.

Vamos então falar um pouco mais sobre o último desafio, estou me referindo ao Script Challenge 16….


Script Challenge 16

Falando do desafio de número 16, o mesmo foi publicado no mês de outubro de 2019, período de data em que praticamente todos nós estamos começando a preparar para o encerramento do ano, as festas de final de ano estão se aproximando.

Da mesma forma que o início do ano não é algo muito fácil, o final também não, normalmente estamos no nosso limite físico, emocional, psicológico também, dos últimos dois meses parecem que duram o ano todo, mas não podemos nos abater e temos que serguir em frente, o mesmo foi feito aqui no meu blog.

Pois bem, o Script Challenge 16 possui um pouco relação ou conexão com toda esta loucura, não necessariamente com o natal ou final de ano, muito menos com presentes e toda aquela mesa farta com diversas comidas.

Na verdade, sabemos que existem determinadas situações, ações, procedimentos e demais atividades que se não cumprimos da maneira que estava preestabelecida acabamos de alguma forma sendo notificados ou até mesmo penalizados, pensando justamente desta forma, o Script Challenge 16 se relaciona.

Continuando nossa história, quero lhe perguntar: E ai já matou a charada? Acho que ainda não! Não é mesmo?

Para te ajudar mais um pouco vou apresentar a Figura 1 que contem todo código Transact-SQL utilizado neste desafio, contendo trechos ou partes de código ocultas, procedimento que realizei no post que contempla o lançamento deste desafio como forma de aumentar o nível de dificuldade:

Figura 1 – Código Transact-SQL apresentado no Script Challenge 16.

E ai, revendo novamente o código publicado no post de abertura deste desafio, você conseguiu checar a alguma conclusão?

Bom chegou a hora de revelar o que exatamente este bloco de código se propõem a fazer, chegou o momento de revelar e desvendar este desafio. A seguir apresento a resposta para o Script Challenge 16 e o todo bloco de código disponível para você utilizar em seus ambientes de trabalho ou estudos.

A resposta

Como você pode ter percebido, no decorrer deste post e também no post de lançamento, procurei de uma forma simples mas não explícita exibir ao longo do texto, pequenas dicas que poderiam ajudar, nortear e quem sabe indicar uma possível resposta ou solução para o desafio.

Falando mais diretamente, a resposta para o Script Challenge 16, esta totalmente relacionada as nossas atividades diárias, mas não no mundo real, mas sim no mundo virtual, estou me referindo ao histórico de tudo aquilo que fazemos durante um período ou intervalo de tempo, e foi pensando justamente neste tipo de situação que o Script Challenge 16 foi criado.

Mas se mesmo assim, você ainda não conseguiu adivinhar ou até mesmo pode estar se perguntando: Qual a relação do Script Challenge – 16 tem haver com histórico? A resposta para seu questionamento é muito simples, para qualquer Administrador de Banco de Dados, Administrador de Servidores, Desenvolvedor, enfim um profissional de tecnologia, tudo o que fazemos basicamente em um computador deve de alguma gerar dados históricos, gerar registros que evidenciam o que foi feito, quando, como, e até mesmo o porque, e como todos devem saber, um histórico nada mais é que uma relação de itens e ações registradas ao longo do tempo que ilustram de fato estes acontecimentos.

Então a resposta para o Script Challenge 16 se relaciona com a possibilidade que o script apresenta em nos ajudar a saber como foi o consumo de CPU utilizado em nosso servidor ou instância SQL Server durante um determinado intervalo de tempo, neste caso levando-se em consideração um período de tempo de 30 minutos, com intervalos pequenos do registro de histórico de processamento a cada um minuto.

Abaixo apresento o script original que ilustra esta capacidade que o Microsoft SQL Server em conjunto com suas visões e funções de gerenciamento dinâmico possui:

— Script Challenge 16 – A resposta – Realizando Auditoria em tempo real (In Live) —

DECLARE @ts_now bigint = (SELECT cpu_ticks/(cpu_ticks/ms_ticks) FROM sys.dm_os_sys_info);
SELECT TOP(30)
               SQLProcessUtilization AS [SQL Server Process CPU Utilization],
               SystemIdle AS [System Idle Process],
               100 – SystemIdle – SQLProcessUtilization AS [Other Process CPU Utilization],
               DATEADD(ms, -1 * (@ts_now – [timestamp]), GETDATE()) AS [Event Time]
FROM (
              SELECT record.value(‘(./Record/@id)[1]’, ‘int’) AS record_id,
                           record.value(‘(./Record/SchedulerMonitorEvent/SystemHealth/SystemIdle)[1]’, ‘int’) AS [SystemIdle],
                           record.value(‘(./Record/SchedulerMonitorEvent/SystemHealth/ProcessUtilization)[1]’,’int’) AS [SQLProcessUtilization],
                           [timestamp]
FROM (
             SELECT [timestamp], CONVERT(xml, record) AS [record]
             FROM sys.dm_os_ring_buffers
             WHERE ring_buffer_type = N’RING_BUFFER_SCHEDULER_MONITOR’
             AND record LIKE N’%<SystemHealth>%’) AS x
            ) AS y
ORDER BY record_id DESC
Go

Então, agora você deve ter gostado deste desafio, não é verdade? Saber que existe a possibilidade de identificar como foi o consumo de CPU utilizado por nosso SQL Server durante um período de tempo, com certeza é algo que poderá nos ajudar muito a entender possíveis mudanças de comportamento em nosso ambiente.

Figura 2 apresentada abaixo, ilustra o conjunto de dados retornados após a execução do Script Challenge – 16:

Figura 2 – Histórico de execução e consumo de CPU.

Dentre o conjunto de colunas retornadas pelo Script Challenge 15, destaco algumas:

  • SQL Server Process CPU Utilization: Apresenta os valores relacionados a quantidade de CPU consumida pelo SQL Server de acordo com a linha de histórico retornada dentro do intervalo de tempo registrado. Esta coluna é gerada atráves processo Scheduler Monitor Event / System Health / Process Utilization, o qual é parte da camada do sistema operacional existente no SQL Server conhecido como SQLOS, em conjunto com o próprio sistema operacional e sua camada de monitoramento de eventos; e
  • Other Process CPU Utilization: Apresenta os valores relacionados a quantidade de CPU consumida por todos os outros serviços e recursos em execução de acordo com a linha de histórico retornada dentro do intervalo de tempo registrado. Esta coluna é gerada atráves do cálculo: 100 –
    SystemIdle – SQLProcessUtilization, onde a coluna SystemIdle é concebida através do processo Scheduler Monitor Event / System Health / System Idle, sendo este também pertencente parte da camada do sistema operacional existente no SQL Server.

Enfim, conseguimos, chegamos ao final, esta é a resposta para o Script Challenge 16, fico honrado, feliz por ter conseguido compartilhar este conteúdo com vocês.

Espero que você tenha gostado deste novo post da sessão Script Challenge!


Sua Participação

No post de lançamento deste desafio, contei com a sua participação através de uma enquete contendo algumas opções de respostas que poderiam estar relacionadas com o Script Challenge 16. A seguir apresento o resultado desta enquete:

A opção mais votada com 66% dos votos é justamente a resposta correta para este desafio: “O bloco de código apresentado se relacionado com a possibilidade de realizar o monitoramento do consumo cpu como parte dos processos e aplicações que estão acessando o SQL Server em um longo período de tempo.”

Referências

https://www.mssqltips.com/sqlservertip/1915/how-to-automatically-monitor-windows-event-log-from-sql-server/

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/ssms/agent/monitor-and-respond-to-events

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/system-dynamic-management-views/sys-dm-os-schedulers-transact-sql

https://www.mssqltips.com/sqlservertip/4403/understanding-sql-server-schedulers-workers-and-tasks/

https://blogs.msdn.microsoft.com/mvpawardprogram/2012/06/04/using-sys-dm_os_ring_buffers-to-diagnose-memory-issues-in-sql-server/

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/system-dynamic-management-views/sys-dm-os-buffer-descriptors-transact-sql

https://gallery.technet.microsoft.com/SQL-Server-Monitoramento-ea6dd632

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/system-dynamic-management-views/sql-server-operating-system-related-dynamic-management-views-transact-sql

Posts anteriores

Caso esta seja a primeira vez que você acessa um post desta sessão, fico muito feliz e aproveito para compartilhar os posts mais recentes:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2019/10/26/script-challenge-2019-post-16/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2019/06/26/script-challenge-15-a-resposta/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2019/02/13/script-challenge-2019-post-15/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/10/06/script-challenge-14-a-resposta/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/06/29/script-challenge-2018-post-14/

Agradecimentos

Obrigado por sua visita, espero que este conteúdo aqui apresentado como um possível “desafio” possa ser útil e ao mesmo tempo prover conhecimento, aprendizado ou mostrar recursos e problemas existentes no Microsoft SQL Server que as vezes parecem não ter uma resposta.

Um forte abraço nos encontramos em breve nas demais sessões e especialmente em junho de 2020 em mais um post da sessão Script Challenge.

Até mais….

Script Challenge – 2019 – Post 16


Olá, bom dia amantes de banco de dados…

Tudo bem? Nossa como o tempo esta passando, como você sabe a cada quatro meses nos encontramos em mais um post dedicado especialmente a sessão Script Challenge.

Hoje sabado dia 26/10 a primavera chegou a alguns dias, mas continuamos sofrendo muito com este forte calor,  pode até parecer coincidência mas o post anterior publicado no mês de fevereiro desta sessão também foi iniciado falando do calor. O ano de 2019 esta terminando da mesma forma que começou: Sol forte, Ventos quentes e Temperaturas altas para os padrões nacionais, em especial para minha “grande” São Roque (kkkkk……)

O post de hoje não esta relacionado com as mudanças de temperatura do nosso clima, muito menos com o calor, chuva, ao contrário, ele vai tentar lhe ajudar a identificar possíveis situações que começam a ser apresentadas em nosso ambiente decorrentes de mudança rápida, totalmente inesperada, algo que ocorre em poucos minutos que poderá provocar um estrago, isso é muito comum de acontecer. Não é mesmo?

Pense então, nas situações relacionados ao seu ambiente de banco de dados que em poucos minutos começa a se comportar de forma totalmente desconhecida, é a mesma coisa que sair para dar uma volta e começar a chover e você não tem um guarda-chuva, e ai que fazer, como identificar esta mudança ou o que pode ter provocado isso, mas principalmente a partir de qual momento esse comportamento diferente teve início.

Introdução

Os posts publicados nesta sessão tem o objetivo de desafiar o visitante a descobrir o que um determinado script pode fazer ao ser executado, e não somente isso, mostrar como podemos aprender com o uso da linguagem Transact-SQL e sua vasta coleção de comandos, funções e instruções adicionadas a cada nova versão ou atualização do Microsoft SQL Server.

Se você ainda não conhecia a sessão Script Challenge, fique tranquilo vai ter a possibilidade agora mesmo, como também a cada 4 meses poder desfrutar de um novo desafio e sua respectiva resposta, por isso esta sessão é denominada Script Challenge(Script Desafio ou Desafio do Script), bom a melhor forma de traduzir eu deixo para você escolher.

Seguindo um frente….

Gostaria de destacar mais uma vez duas mudanças iniciais implementadas na sessão Script Challenge tendo como base o post publicado em outubro de 2017, sendo elas:

  1. Como maneira ou forma de dificultar ainda mais o nível de complexidade do código, o bloco de código que representa o Script Challenge selecionado para compor o post será  apresentado no formato de imagem ou figura; e
  2. Algumas partes das linhas de código, trechos, ou partes de código serão omitidas, justamente como forma de tornar este código ainda mais desafiador.

Antes de destacar o script de hoje, não custa nada saber um pouco mais sobre esta sessão, por este motivo, quero lhe contar um pouco da história que cerca os posts relacionadas a ela…

Um pouco de História

Esta é uma sessão criado no final do ano de 2010 e mantida mensalmente até meados de 2012, desde então não me dediquei mais a mesma devido principalmente em não conseguir identificar possíveis scripts dentro da minha biblioteca que poderiam ser apresentados como um scripts considerados como desafio para os profissionais da área de banco de dados.

Mas acredito que nos últimos anos com o crescimento do Microsoft SQL Server, seu nível de evolução, amadurecimento e recursos adicionais, como também, meu nível de experiência profissional e acadêmica também evolui muito, sinto-me preparado para retornar com esta sessão e poder de forma bastante técnica, didática e conceitual poder lançar um “desafio” e responder o mesmo com muito segurança.

Outro detalhe importante, esta é uma sessão que foi criada, pensando em apresentar pequenos blocos de códigos oriundos da linguagem Transact-SQL que possam apresentar um nível de dificuldade e conhecimento técnico um pouco mais elevado, exigindo assim uma análise mais profunda e até mesmo a criação um pequeno cenário de teste para seu entendimento.

Vamos então conhecer o bloco de código selecionado para ser o Script Challenge deste post.


Script Challenge – 16

O bloco de código Transact-SQL selecionado para fazer parte do Script Challenge de hoje, esta relacionado com uma importante atividade exercida por Administradores de Servidores, DBAs e Administradores de Banco de Dados.

Trata-se de algo que pode ajudar a identificar possíveis situações que venham a atrapalhar o processamento e execução de nossas querys e transações. Ao contrário do Script Challenge 15, este script possui a finalidade de apresentar os custos de processamento que estão sendo demandados pelos processos em execução relacionados diretamente com o Microsoft SQL Server.

Não deveria, mas vou lhe ajudar, apresentando duas dicas sobre este desafio

  1. O mesmo, pode ser executado em conjunto com as demais sessões, transações ou querys em execução, sem necessitar que qualquer procedimento de manutenção ou alterações na configuração do SQL Server para sua execução, como também, esta totalmente relacionado com o que venha ou possa estar sendo processado pelo sistema operacional que necessite de dados do SQL Server naquele exato momento; e
  2. Preste atenção na relação de tags que estão compartilhadas, nelas você poderá encontrar as partes omitidas do bloco de código, bem como, a resposta para a enquente apresentado no final do post.

E ai, ficou curioso para saber o que este script realiza? Qual seria a sua atividade? O conjunto de resultados que ele retornaria? Pois bem, foi fazer o papel de chato, a resposta para estes e outras demais questões não serão apresentadas hoje (hahahahahahaha……), vou deixar com que você quebre um pouco a sua cabeça, afim de tentar matar esta curiosidade, no final do post como de costume você terá a sua disposição uma enquete que lhe permitirá expor tentar encontrar a resposta para este desafio.

A seguir apresento o bloco de código:


Figura 1 – Short Script 16.

Muito bem, nosso Script Challenge esta apresentado. Você preparado para mais este desafio?

Tenho a certeza que sim!


Sua participação

Legal, agora quero conter com a sua participação, me ajudando a responder este post, outra grande novidade que estou adicionando aos posts da sessão Script Challenge será uma pequena enquete com possíveis respostas para identificar qual é a correta, relacionada com o desafio apresentado através do bloco de código selecionado para este post, desta forma, apresento a seguir a Enquete – Script Challenge – 16 e suas alternativas de resposta:

Seguindo em frente, já conhecemos o Script Challenge selecionado, sua enquete e relação de opções de resposta, fica faltando somente a sua participação, algo que eu tenho a certeza que vai acontecer rapidamente.

Durante quanto tempo posso participar…

Outra grande mudança na sessão Script Challenge é seu tempo de publicação “validade”, anteriormente os posts desta sessão eram publicados mensalmente ou bimestralmente, agora serão publicados em um período mais longo, ou seja, a cada 4 meses estarei compartilhando com vocês novos posts dedicados exclusivamente para esta sessão.

Desta forma, você terá mais tempo para participar e me ajudar e encontrar a resposta correta para este desafio, enviando suas possíveis sugestões, críticas e até mesmo alternativas de resposta para minha enquete.

Posts anteriores

Caso esta seja a primeira vez que você acessa um post desta sessão, fico muito feliz e aproveito para compartilhar os posts mais recentes:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2019/06/26/script-challenge-15-a-resposta/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2019/02/13/script-challenge-2019-post-15/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/10/06/script-challenge-14-a-resposta/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/06/29/script-challenge-2018-post-14/


Agradecimentos

Obrigado por sua visita, espero que post apresentado como um possível “desafio” possa ser úteis e ao mesmo tempo prover conhecimento, aprendizado ou mostrar recursos e problemas existentes no Microsoft SQL Server que as vezes parecem não ter uma resposta, tratados com “bichos de sete cabeças”.

Um forte abraço nos encontramos em breve nas demais sessões, e especialmente em fevereiro de 2020 em mais um post da sessão Script Challenge, o qual apresentará a resposta para este post.

Fique a vontade para conhecer demais post publicados até o presente momento em todas as sessões do meu blog.

Tenha um ótimo final de semana.

Abraços.

Dica do Mês – Identificando pressão de memória interna e externa no Microsoft SQL Server


Olá comunidade, muito boa tarde.

Tudo bem? Mais um mês que chega ao final, graças a deus este mês de Julho foi complicado, espero que toda a correria que passei mesmo em período de férias não se repita por um longo tempo. Estamos no sétimo post desta nova sessão lançada no início de 2016, muito legal, já temos um pouco de história para contar em relação a aceitação dos visitantes do meu blog em relação a esta sessão.

Como você já deve estar acostumado quando visita o meu blog, todo final de mês é dedicado a post exclusivos das sessões Dica do Mês e Para que Serve. No último post publicado no mês de Junho, apresentei um conteúdo mais focado para área acadêmica, destaquei um dos conceitos mais importantes quando estamos falando de Modelagem de Banco de Dados, a tão temida e misteriosa Normalização(kkkkk), algo que para muitos é um bicho de sete cabeças, mas na verdade não se passa de um gatinho lindo e manhoço.

Como diria aquela boa e velha “Amanheceu pequeno a viola botei na sacola e fui viajar”, no meu caso seria mais ou menos assim: “Amanheceu entrei no meu carro peguei minha mochila e fui trabalhar, anoiteceu entre no meu carro peguei minha apostila e fui lecionar……”.

Deixando a brincadeira de lado no post de hoje vou falar um pouco sobre como podemos identificar o consumo de memória por parte do SQL Server ou Windows através do Management Studio ou Scripts, estou me referindo a chamada pressão de memória interna ou externa.

Então, seja bem vindo a mais uma dica do mês, começa aqui a Dica do Mês – Identificando pressão de memória interna e externa no SQL Server.


Introdução

Uma das maiores preocupação de qualquer profissional de infraestrutura ou administrador de banco de dados é saber se seus recursos de hardware estão atendendo as demandas solicitadas por suas aplicações e usuários.

Quando se referimos a consumo de memória por parte de um servidor de banco de dados, existem pontos que podem nos direcionar a uma pequena confusão, dentre elas destaco:

  • Identificar o quanto uma sessão ou transação esta consumindo de memória;
  • Identificar o quanto um ou mais bancos de dados estão consumindo de memória; ou
  • Identificar o quanto um servidor ou instância de sql server esta consumindo de memória.

Você pode fazer isso, bom identificar o quanto o SQL Server esta consumindo de memória é fácil, basta eu utilizar as ferramentas Task Manager ou Resource Monitor para obter estes dados, na verdade não é bem assim, ambas as ferramentas podem ajudar a encontra vestígios deste possível consumo, o que particularmente não pode ser considerada uma tarefa complexa nem tão simples.

Mas quando se referimos a pressão de memória, o cenário muda totalmente, trata-se de uma situação onde nosso servidor pode por diversos motivos estar sofrendo uma sobrecarga de processamento interno ou externo que gera um consumo elevado ou até mesmo falta de memória para atender todas as requisições que estão sendo disparadas para ele. Seguindo nesta linha de raciocínio a Microsoft disponibilizou a partir da versão do Microsoft SQL Server 2008 e 2008 R2 duas DMVs – Dynamic Management Views (Visões de Gerenciamento Dinâmico):

  • sys_dm_os_ring_buffers: Retorna um conjunto de rings “anéis” de dados que nos permitem relacionar com outras dmv afim de identificarmos problemas de erros de conectividade, faixa exceções, além disso, utilizada também como mecanismo para identificar a saúde de nosso ambiente de banco de dados, sem proporcionar qualquer tipo de pressão de memória, deadlocked ou mudança no comportamento dos agendadores de tarefas em execução.
  • sys_dm_os_sys_info: Retorna um conjunto de informações relacionadas as recursos de hardware utilizados pelo SQL Server, como por exemplo:
    • CPU_TICKS;
    • CPU_COUNT; e
    • Physical_Memory_KB.

Você pode estar pensando, bom já que a sys_dm_os__sys_info apresenta um conjunto de informações relacionadas a hardware que esta em uso pelo SQL Server, é através dela que eu poderei identificar o consumo de memória. Bom se você me pergunta-se isso neste momento a minha resposta seria NÃO.

Porque não, porque estes dados do que esta sendo consumido de maneira interna pelo SQL Server ou até mesmo externamente pelo Windows que possui relação são para muitos conhecidos como ring_buffers ou melhor dizendo ring “anéis”, e são através destes anéis ou basicamente falando com base nestes neles que temos como através da DMV sys.dm_os_ring_buffers coletar os ring_buffers que estão consumindo recursos de memória.

Então se você me perguntar se através da dmv sys.dm_os_ring_buffers podemos obter informações sobre pressão interna ou externa de memória a resposta será SIM. Pois bem, o segredo foi revelado o pulo do gato para saber detalhes escondidos de como o SQL Server coleta e armazena estes anéis é relavado pela sys.dm_os_ring_buffers.

Agora que sabemos os recuros que vamos utilizar para coletar estes dados e identificar os recursos  que estão consumindo memória em nosso ambiente, para tal utilizaremos o bloco de código 1 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 1 – Identificando pressão de memória interna e externa —

SELECT CONVERT (varchar(30), GETDATE(), 121) as [RunTime],
dateadd (ms, (rbf.[timestamp] – tme.ms_ticks), GETDATE()) as [Notification_Time],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Notification)[1]’, ‘varchar(30)’) AS [Notification_type],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryRecord/MemoryUtilization)[1]’, ‘bigint’) AS [MemoryUtilization %],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryNode/@id)[1]’, ‘bigint’) AS [Node Id],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/IndicatorsProcess)[1]’, ‘int’) AS [Process_Indicator],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/IndicatorsSystem)[1]’, ‘int’) AS [System_Indicator],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect/@type)[1]’, ‘varchar(30)’) AS [type],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect/@state)[1]’, ‘varchar(30)’) AS [state],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect/@reversed)[1]’, ‘int’) AS [reserved],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect)[1]’, ‘bigint’) AS [Effect],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect[2]/@type)[1]’, ‘varchar(30)’) AS [type],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect[2]/@state)[1]’, ‘varchar(30)’) AS [state],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect[2]/@reversed)[1]’, ‘int’) AS [reserved],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect)[2]’, ‘bigint’) AS [Effect],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect[3]/@type)[1]’, ‘varchar(30)’) AS [type],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect[3]/@state)[1]’, ‘varchar(30)’) AS [state],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect[3]/@reversed)[1]’, ‘int’) AS [reserved],
cast(record as xml).value(‘(//Record/ResourceMonitor/Effect)[3]’, ‘bigint’) AS [Effect],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryNode/ReservedMemory)[1]’, ‘bigint’) AS [SQL_ReservedMemory_KB],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryNode/CommittedMemory)[1]’, ‘bigint’) AS [SQL_CommittedMemory_KB],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryNode/AWEMemory)[1]’, ‘bigint’) AS [SQL_AWEMemory],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryNode/SinglePagesMemory)[1]’, ‘bigint’) AS [SinglePagesMemory],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryNode/MultiplePagesMemory)[1]’, ‘bigint’) AS [MultiplePagesMemory],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryRecord/TotalPhysicalMemory)[1]’, ‘bigint’) AS [TotalPhysicalMemory_KB],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryRecord/AvailablePhysicalMemory)[1]’, ‘bigint’) AS [AvailablePhysicalMemory_KB],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryRecord/TotalPageFile)[1]’, ‘bigint’) AS [TotalPageFile_KB],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryRecord/AvailablePageFile)[1]’, ‘bigint’) AS [AvailablePageFile_KB],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryRecord/TotalVirtualAddressSpace)[1]’, ‘bigint’) AS [TotalVirtualAddressSpace_KB],
cast(record as xml).value(‘(//Record/MemoryRecord/AvailableVirtualAddressSpace)[1]’, ‘bigint’) AS [AvailableVirtualAddressSpace_KB],
cast(record as xml).value(‘(//Record/@id)[1]’, ‘bigint’) AS [Record Id],
cast(record as xml).value(‘(//Record/@type)[1]’, ‘varchar(30)’) AS [Type],
cast(record as xml).value(‘(//Record/@time)[1]’, ‘bigint’) AS [Record Time],
tme.ms_ticks as [Current Time]
FROM sys.dm_os_ring_buffers rbf
cross join sys.dm_os_sys_info tme
where rbf.ring_buffer_type = ‘RING_BUFFER_RESOURCE_MONITOR’
ORDER BY rbf.timestamp ASC

 

Perfeito, após executar este bloco de código o Management Studio vai retornar as linhas de recursos internos e externos que podem estar gerando uma possível pressão de memória para seu servidor ou instância SQL Server, isso vai variar e depender muito de cada ambiente, hardware, versão de sistema operacional e principalmente versão do SQL Server e service pack instalado.


Sendo assim chegamos ao final de mais uma dica do mês.

Espero que você tenha gostado deste post,  acredito que as informações e exemplo publicadas aqui possam de alguma maneira ajudar e colaborar em suas atividades diárias, profissionais e ou acadêmicas.

Fique ligado nos próximos meses, novas dicas relacionadas a sys.dm_os_ring_buffers serão postadas, todas voltadas para ajudar identificar como solucionar problemas que o SQL Server pode estar apresentando e você ainda não percebeu dentre eles erros de segurança.

Desejo um forte abraço, agradeço mais uma vez a sua visita.

Até mais.