SQL Server Management Studio 17.2 liberado para download


Você conhece o SQL Server Management Studio?

SQL Server Management Studio é um ambiente integrado para o gerenciamento de qualquer infra-estrutura SQL do SQL Server banco de dados SQL. SQL Server Management Studio fornece ferramentas para configurar, monitorar e administrar as instâncias de SQL. Use o SQL Server Management Studio para implantar, monitorar e atualizar os componentes de camada de dados usados por suas aplicações, bem como construir consultas e scripts.

Use o SQL Server Management Studio (SSMS) para consultar, projetar e gerenciar seus bancos de dados e data warehouses, onde quer que estejam – no computador local ou na nuvem.

SQL Server Management Studio é grátis!

Baixar o SQL Server Management Studio 17,2

Baixar o SQL Server Management Studio 17,2 atualizar pacote (atualizações 17 para 17,2)

A instalação de 17 SSMS não atualizar ou substituir as versões do SQL Server Management Studio 16.x ou anterior. SSMS 17 instalações lado a lado com as versões anteriores para que ambas as versões estão disponíveis para uso. Se um computador contiver instalações lado a lado de SQL Server Management Studio, verifique se que você começar a versão correta para suas necessidades específicas. A versão mais recente é rotulado como Microsoft SQL Server Management Studio 17e tem um novo ícone:

SSMS 17.x

Informações de versão

O número de versão: 17,2 o número de compilação para esta versão: 14.0.17177.0.

Novidades

SSMS 17,2 é a versão mais recente do SQL Server Management Studio. A geração de 17 do SQL Server Management Studio fornece suporte para quase todas as áreas de recurso no SQL Server 2008 através de SQL Server de 2017. Versão 17 também suporta SQL Analysis Service PaaS.

Versão 17,2 inclui:

    • Autenticação de vários fatores (AMF)
      • Autenticação de usuário múltiplo AD Azure para autenticação Universal com autenticação de vários fatores (UA com AMF)
      • Um novo campo de entrada de credencial do usuário foi adicionado para autenticação Universal com AMF para oferecer suporte à autenticação multi-usuário.
    • A caixa de diálogo de conexão agora suporta os seguintes métodos de 5 autenticação:
      • Autenticação do Windows
      • Autenticação do SQL Server
      • Active Directory – Universal, com o apoio do MFA
      • Active Directory – senha
      • Active Directory – integrado
    • Banco de dados de importação/exportação para assistente de DacFx agora pode usar autenticação Universal com AMF.
    • ADAL biblioteca gerenciada usada pela autenticação Azure AD Universal com AMF foi atualizada para versão 3.13.9.
    • Uma nova interface CLI suportando configuração de admin AD Azure para banco de dados SQL e SQL Data Warehouse.
    • Janela de saída possui entradas para consultas executadas durante a expansão de nós do pesquisador de objetos.
    • Habilitado o modo de exibição designer para bancos de dados SQL Azure
    • Mudaram-se as opções de script padrão para scripts de objetos de Object Explorer no SQL Server Management Studio:
      • Anteriormente, o padrão em uma instalação nova era ter o destino do script gerado a versão mais recente do SQL Server (atualmente SQL Server 2017).
      • No SSMS 17,2 foi adicionada uma nova opção: Configurações de Script Match a fonte. Quando definida como True, o script gerado destina-se a mesma versão, tipo do motor e do motor edition como servidor do objeto sendo roteirizado é de.
      • O valor de Configurações de Script Match a fonte é definido para True por padrão, para que novas instalações do SQL Server Management Studio automaticamente padrão serão sempre scripts de objetos para o mesmo destino que o servidor original.
      • Quando o valor de Configurações de Script Match a fonte é definido como False, as opções de destino script normal serão habilitadas e funcionam como fizeram anteriormente.
      • Além disso, todas as opções de script foram movidas para a sua própria seção – Opções de versão. Eles não estão mais sob Opções gerais de Scripting.
    • Adicionado suporte para nuvens nacional em “Restaurar a partir de URL”
    • QueryStoreUI relatórios agora suporta adicional métricas (número de linhas, DOP, CLR tempo etc.) do sys.query_store_runtime_stats.
    • IntelliSense agora é suportado por banco de dados SQL Azure.
    • Segurança: caixa de diálogo conexão será o padrão para não confiar em certificados de servidor e solicitando criptografia para conexões de banco de dados SQL Azure
    • Melhorias gerais em torno de suporte para o SQL Server no Linux:
      • Nó de correio do banco de dados está de volta
      • Abordadas algumas questões relacionadas com caminhos
      • Melhorias de estabilidade de Monitor de atividade
      • Caixa de diálogo Propriedades de Conexão exibe a plataforma correta
    • Relatório de servidor Dashboard desempenho agora disponível como um relatório padrão:
      • Pode se conectar ao SQL Server 2008 e versões mais recentes.
      • Subrelatório de índices ausentes usa Pontuação para ajudar a identificar índices mais útil.
      • Estatísticas de espera histórica sub relatam agora agregados esperas ser categoria. Ocioso e esperas de sono filtrados por padrão.
      • Novo histórico travas subrelatório.
    • Pesquisa de plano de execução nó permite buscar em Propriedades do plano. Facilmente procure qualquer propriedade de operador como nome da tabela. Para usar esta opção quando visualizar um plano:
      • Botão direito do mouse no plano e no menu de contexto clique na opção Localizar nó
      • Usar CTRL + F

Para obter uma lista completa de alterações, consulte SQL Server Management Studio – Changelog (SSMS).

Suporte para versões

    • Esta versão do SQL Server Management Studio funciona com todas as versões suportadas do SQL Server 2008 – 2017 de SQL Server e fornece o maior nível de suporte para trabalhar com as mais recentes características de nuvem no banco de dados SQL Azure e SQL Azure Data Warehouse.
    • Não há nenhum bloco explícito para SQL Server 2000 ou SQL Server 2005, mas alguns recursos podem não funcionar corretamente.
    • Além disso, o SSMS 17 pode ser instalado lado a lado com o SQL Server Management Studio 16.x ou SQL Server 2014 SSMS e versões anteriores.

Sistemas operacionais com suporte

Esta versão do SQL Server Management Studio suporta as seguintes plataformas de 64 bits quando usado com o mais recente disponível service pack:

    • 10 Windows (64 bits)
    • Windows 8.1 (64 bits)
    • Windows 8 (64 bits)
    • Windows 7 (SP1) (64-bit)
    • Windows Server 2016 *
    • Windows Server 2012 R2 (64 bits)
    • Windows Server 2012 (64 bits)
    • Windows Server 2008 R2 (64 bits) 

* O SSMS 17 baseia-se na shell do Visual Studio 2015 isolada, que foi lançado antes de 2016 de servidor Windows. Microsoft leva a sério o compatibilidade de aplicativo e garante que já enviados com aplicações continuam a correr sobre as versões mais recentes do Windows. Para minimizar problemas na execução do SQL Server Management Studio em 2016 de servidor Windows, certifique-se de que SSMS tem todas as últimas atualizações aplicadas. Se você tiver quaisquer problemas com o SQL Server Management Studio no Windows Server 2016, contate o suporte. A equipe de suporte determina se o problema for com o SQL Server Management Studio, Visual Studio, ou com compatibilidade do Windows. A equipe de suporte roteia a questão para a equipe apropriada para maiores investigações.

Idiomas disponíveis

Esta versão do SQL Server Management Studio pode ser instalado nos seguintes idiomas:+

SQL Server Management Studio 17,2:
chinês (República Popular da China) | Chinês (Taiwan) | Inglês (Estados Unidos) | Francês | Alemão | Italiano | Japonês | Korean | Português (Brasil) | Russas | Espanhol

SQL Server Management Studio 17,2 atualizar pacote (atualizações 17 para 17,2):
chinês (República Popular da China) | Chinês (Taiwan) | Inglês (Estados Unidos) | Francês | Alemão | Italiano | Japonês | Korean | Português (Brasil) | Russas | Espanhol

Download de versões anteriores

Versões anteriores do SQL Server Management Studio

Links adicionais

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – 07/08/2017 – https://docs.microsoft.com/en-us/sql/ssms/download-sql-server-management-studio-ssms

Microsoft anuncia o SQL Server 2012 Service Pack 4


A Microsoft anunciou no blog SQL Server Release Services que está planejando lançar o SQL Server 2012 Service Pack 4 ainda este ano.

O Service Pack 3 (ou SP3) foi lançado em novembro de 2015 e trouxe novidades como:

• Aprimoramentos de escalabilidade e desempenho para o mecanismo de armazenamento.

• Melhorias no desempenho da verificação de consistência.

• Dicas de consulta para fornecer controle granular enquanto estiver usando o Resource Governor.

• Adicionais recursos por meio de melhorias na DMV, Extended Events e planos de consulta de monitoramento.

• Melhorias no desempenho ao abrir e ler arquivos XEL usando leitor XEvent Linq.

Microsoft anuncia o SQL Server 2012 Service Pack 4

SQL Server 2012 Service Pack 4

De acordo com a Microsoft, o SQL Server 2012 Service Pack 4 será o último Service Pack para a versão 2012 do SQL Server e além de ser uma coleção de hotfixes, ele também trará mais de 20 melhorias com foco na performance, escalabilidade e diagnóstico com base no feedback de clientes e da comunidade.

Mais especificamente, o Service Pack 4 incluirá:

– Todas as correções e atualizações cumulativas para o SQL Server 2012.

– Melhorias na performance e escalabilidade.

– Recursos de monitoramento adicionais através de melhorias no DMV, Extended Events e Query Plans.

– Melhorias com base no feedback da comunidade.

– Melhorias introduzidas originalmente pelo SQL Server 2014 SP2 e SQL Server 2016 SP1.

A Microsoft confirmou que o SQL Server 2012 Service Pack 4 será lançado em setembro deste ano e um anúncio com mais informações sobre a atualização será publicado na época do lançamento.

Fontes e Direitos Autorais: SQL Server Release Services – SourabhAgarwal https://blogs.msdn.microsoft.com/sqlreleaseservices/announcing-sql-server-2012-service-pack-4/

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2017 CTP 2.1


A Microsoft anunciou nesta semana em seu blog a disponibilidade no TechNet Evaluation Center do SQL Server 2017 CTP 2.1, a versão de testes pública mais recente do novo SQL Server.

Performance inigualável
Faça consultas até 100 vezes mais rápido do que o disco com columnstore in-memory e transações até 30 vezes mais rápido com OLTP in-memory.

Menos vulnerável
Melhore a segurança com criptografia em repouso e em movimento. O SQL Server é o banco de dados menos vulnerável nos últimos sete anos no banco de dados de vulnerabilidades do NIST.

Inteligência em tempo real
Obtenha insights transformadores com até 1 milhão de previsões por segundo usando o Python interno e a integração da linguagem R e obtenha o BI móvel completo em qualquer plataforma.

Qualquer aplicativo, em qualquer lugar
Crie aplicativos modernos usando quaisquer dados e qualquer linguagem, na infraestrutura local e na nuvem.

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2017 CTP 2.1

Faça o download do SQL Server 2017 CTP 2.1

O SQL Server 2017 CTP 2.0 para Windows (64 bits) está disponível para download aqui como uma imagem ISO e como um arquivo CAB nos seguintes idiomas: Inglês, alemão, espanhol, japonês, italiano, francês, russo, chinês simplificado, chinês tradicional, português (Brasil) e coreano.

A lista com as novidades no CTP 2.1 para Windows pode ser vista aqui. As versões para Linux, Docker, Azure e Mac OS estão disponíveis aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – .

Material de Apoio – Maio 2017


Muito boa tarde comunidade e amantes de banco de dados!!!

Tudo bem? Este é mais um post da sessão Material de Apoio, sendo o segundo no decorrer de 2017 e de número 152 no total desta sessão. Estamos nos aproximando da metade de 2017, que loucura isso, como a rotina do dia a dia não nos deixa perceber o quanto o tempo correr, falando justamente da correria da nossas vida, a relação de arquivos compartilhadas neste post poderá justamente lhe ajudar a economizar muito do seu tempo.

O post de hoje

Para aqueles que já acompanham o meu blog a um certo tempo, os posts dedicados a sessão Material de Apoio, possuem o objetivo de compartilhar o conhecimento de recursos, funcionalidades e procedimentos que podemos realizar no Microsoft SQL Server.

Hoje não será diferente, estou trazendo alguns dos mais recentes scripts  catalogados nos últimos meses que atualmente estão compondo a minha galeria de códigos formada ao longo dos anos de trabalho como DBA e hoje principalmente como Professor de Banco de Dados.

Neste post você vai encontrar arquivos relacionados com os seguintes temas:

  • Check Constraint para Cálculo de Data;
  • CTE – Preenchendo dados de um registro com base no registro anterior;
  • Função para formatação de valores;
  • Função para retornar nome de tabelas e seus respectivos atributos(colunas);
  • Identificação do primeiro dia do mês corrente;
  • Monitoramento de Processos Bloqueados;
  • Movimentação de tabelas entre filegroups;
  • Obtendo o último valor Identity de uma coluna; e
  • Requisição de disco.

Tenho a certeza que este conteúdo poderá lhe ajudar muito em seus atividades profissionais e acadêmicas, fique a vontade para copiar, editar, compartilhar e distribuir estes arquivos com seus contatos.

Material de Apoio

A seguir apresento a relação de scripts selecionados:

1 – Material de Apoio – Maio – 2017 – Check Constraint – Cálculo de Data.sql

2 – Material de Apoio – Maio – 2017 – Preencher dados de um registro com dados do registro anterior.sql

3 – Material de Apoio – Maio – 2017 – Função – Formatação de Valores.sql

4 – Material de Apoio – Maio – 2017 – Função para retornar o nome e seus atributos – Utilizando operador Outer Apply.sql

5 – Material de Apoio – Maio – 2017 – Identificar o primeiro dia do mês com base na data atual.sql

6 – Material de Apoio – Maio – 2017 – Monitorando Processos Bloqueados no SQL Server.sql

7 – Material de Apoio – Maio – 2017 – Move Table between Filegroup – Stored Procedure.sql

8 – Material de Apoio – Maio – 2017 – Obtendo último valor identity.sql

9 – Material de Apoio – Maio – 2017 – Listando as querys que mais realizam requisição de disco.sql

Por questões de compatibilidade com a plataforma WordPress.com, todos os arquivos estão renomeados com a extensão .doc ao final do seu respectivo nome, sendo assim, após o download torna-se necessário remover esta extensão, mantendo somente a extensão padrão .sql.

Nota: Todos os arquivos aqui disponibilizados foram obtidos ou criados com autorização de seus autores, sendo estes, passíveis de direitos autorais.

Links

Caso você queira acessar os posts anteriores da sessão, não perca tempo utilize os links listados abaixo:

Agradecimento

Mais uma vez obrigado por sua visita, espero lhe encontrar muitas vezes no decorrer deste ano em meu blog.

Não deixe de acessar os outros posts das demais sessões, e o próximo post desta sessão será publicado em Agosto, um forte abraço.

Até mais.

#14 – Para que serve


Olá, boa noite….

Final de noite de domingo, véspera de feriado e nosso Brasil desde a última sexta – feira dia 28/04 vivendo fortes emoções na política, economia, esporte e principalmente cidadania. Alias dia 28/04/2017 uma das datas mais importantes da minha vida, neste dia comemorei mais uma primavera como gostam de dizer alguns dos meus familiares, já se vão 37 anos, muitos destes anos dedicados a minha esposa, filhos, filha, trabalho e principalmente a áreas de educação e tecnologia.

Aproveito para agradecer a todos os amigos, colegas, familiares, alunos, enfim pessoas que por algum momento passaram pela minha vida nestes últimos 37 anos.

Dando continuidade, este é o novo post da sessão Para que serve, sendo o post de número 14, muito bom, lentamente esta sessão esta ganhando corpo e força com os meus seguidores.

Hoje vou destacar um conteúdo bastante simples e direto, mas muito interesse e bastante útil, que consiste basicamente em como através da linguagem Transact-SQL podemos identificar ou até mesmo descobrir quais portas de rede estão em uso em uma instância ou servidor SQL Server baseadas no protocolo TCP/IP e na versão IPV4 do protocolo IP.

Isso pode parecer algo bastante simples de ser feito, na verdade é mesmo, mas até a versão do SQL Server 2008 R2 SP1 era um pouco chato e até mesmo complexo para se obter esta simples informação, cenário que muito drasticamente a partir da versão 2012 e se mantem presente na versão 2016.

Desta forma, seja bem – vindo ao #14 – Para que serve – Identificando as portas de rede TCP/IP através da DMV – sys.dm_tcp_listener_states.

Introdução

Obter informações sobre as portas de rede utilizadas por uma instância ou servidor SQL Server, por mais simples que parece ser era considerada por muitos profissionais de bancos de dados uma das tarefas mais chatas e até mesmo tediosas pelo simples fato de não existir especificamente uma ferramenta da Microsoft dedicada para este cenário, mesmo assim existem algumas possibilidades que podemos ou não considerar práticas ou inseguras.

A seguir apresento as possibilidades mais conhecidas:

BPCheck: Não pode ser considerada dentre as possibilidades a mais conhecida, muito menos a mais simples, mas sim a mais completa no conjunto de dados retornados para o usuário. O BPCheck – Best Practices and Performance Check, criado em 28-07-2011 por Pedro Lopes (Senior Program Manager for the Microsoft SQL Server Product Group – Tiger Team), com base na versão 2005 do SQL Server e mantido até as versões atuais.

Posso dizer, que este é um daqueles scripts mágicos criados pelos maiores profissionais do SQL Server espalhados pelo mundo, dentre os quais o Pedro Lopes faz parte, o nível de complexidade existente no código fonte deste arquivo comprova o grau de conhecimento e capacidade técnica que este profissional apresenta.

Microsoft SQL Server 2008 e 2008 R2: Microsoft trabalhou e adicionou a partir da versão 2008 R2 SP1 uma forma não muito usual, nem muito interessante de se obter informações sobre as portas de rede fazendo uso da DMV – Dynamic Management View (Visão de Gerenciamento Dinâmico): sys.dm_server_registry, onde era possível coletar informações com base nas chaves de registro do Windows, o que sinceramente não podemos dizer que é algo muito indicado ou até mesmo seguro, mesmo assim era a única forma direta através do Management Studio de se encontrar estas informações. Esta DMV apresenta o seguinte conjunto de colunas:

Nome da coluna Tipo de dados Descrição
registry_key nvarchar(256) Nome da chave do Registro. Permitir valor nulo.
value_name nvarchar(256) Nome do valor da chave. Este é o item mostrado na coluna Nome do Editor do Registro. Permitir valor nulo.
value_data sql_variant Valor dos dados da chave. Este é o valor mostrado na coluna Dados do Editor do Registro para uma determinada entrada. Permitir valor nulo.

Microsoft SQL Server 2012: Talvez pode ser considerada até o presente momento a forma mais de se obter através de uma ferramenta gráfica neste caso o Management Studio as informações relacionadas a portas e protocolos de rede TCP/IP, fazendo-se uso da DMV – Dynamic Management View (Visão de Gerenciamento Dinâmico): sys.dm_tcp_listener_states, introduzida neste versão do SQL Server. Esta DMV apresenta o seguinte conjunto de colunas:

Nome da coluna Tipo de dados Descrição
listener_id int A ID interna do ouvinte. Não permite valor nulo.

Chave primária.

ip_address nvarchar48 O endereço IP do ouvinte que está online e está sendo escutando no momento. IPv4 ou IPv6 é permitido. Se um ouvinte possuir os dois tipos de endereços, eles serão listados separadamente. Um curinga de IPv4, exibido como “0.0.0.0”. Um curinga de IPv6, exibido como “::”.

Não permite valor nulo.

is_ipv4 bit Tipo de endereço IP

1 = IPv4

0 = IPv6

port int O número da porta na qual o ouvinte está escutando. Não permite valor nulo.
Tipo tinyint Tipo de ouvinte, um dos seguintes:

0 = Transact-SQL

1 = Service Broker

2 = Espelhamento do banco de dados

Não permite valor nulo.

type_desc nvarchar(20) Descrição do tipo, um dos seguintes:

TSQL

SERVICE_BROKER

DATABASE_MIRRORING

Não permite valor nulo.

state tinyint O estado do ouvinte do grupo de disponibilidade, um dos seguintes:

1 = Online. O ouvinte está escutando e processando solicitações.

2 = Reinício pendente. o ouvinte está offline, pendente de uma reinicialização.

Se o ouvinte do grupo de disponibilidade estiver escutando na mesma porta que a instância do servidor, esses dois ouvintes sempre terão o mesmo estado.

Não permite valor nulo.

Observação Observação
Os valores desta coluna são oriundos do objeto TSD_listener. A coluna não dá suporte a um estado offline porque, quando o TDS_listener está offline, ele não pode ser consultado para obter o estado.
state_desc nvarchar(16) Descrição do estado, um dos seguintes:

ONLINE

PENDING_RESTART

Não permite valor nulo.

start_time datetime Carimbo de data/hora que indica quando o ouvinte foi iniciado. Não permite valor nulo.

Bom, agora que já conhecemos as possibilidades de se coletar as informações relacionadas a portas e protocolos de rede, vamos colocar a mão na massa ou melhor no teclado e por em prática o uso das DMVs: sys.dm_server_registry e sys.dm_tcp_listener_states.

Exemplos

1 – Identificando a Default Port através da sys.dm_server_registry:

SELECT MAX(CONVERT(VARCHAR(15),value_data)) As ‘Default Port’ FROM sys.dm_server_registry

WHERE registry_key LIKE ‘%MSSQLServer\SuperSocketNetLib\Tcp\%’

AND value_name LIKE N’%TcpPort%’

AND CONVERT(float,value_data) > 0

Go

 

 2 – Identificando a Dynamic Port através da sys.dm_server_registry:

SELECT MAX(CONVERT(VARCHAR(15),value_data)) As ‘Dynamic Port ‘ FROM sys.dm_server_registry

WHERE registry_key LIKE ‘%MSSQLServer\SuperSocketNetLib\Tcp\%’

AND value_name LIKE N’%TcpDynamicPort%’

AND CONVERT(float,value_data) > 0

Go

 

3 – Obtendo a relação de Listeners, Ports, Protocols e demais dados relacionadas a network através da sys.dm_server_registry:

select Registry_key, Value_Name, Value_Data FROM sys.dm_server_registry

where registry_key like ‘%SuperSocketNetLib%’

Go

 

4 – Identificando a Default Port através da sys.dm_tcp_listener_states:

SELECT port As ‘Default Port’ FROM sys.dm_tcp_listener_states

WHERE is_ipv4 = 1

AND [type] = 0

AND ip_address <> ‘127.0.0.1’

Go

 

5 – Obtendo a relação de Listeners, Ports e Protocols através da sys.dm_tcp_listener_states:

Select listener_id, ip_address, is_ipv4,

Port, Type, type_desc, state_desc,

start_time

from sys.dm_tcp_listener_states

Go

Show de bola, legal, legal, aqui estão os exemplos, se você obter realmente o uso da DMV sys.dm_server_registry em comparação com a DMV sys.dm_tcp_listener_states pode ser considerado bem mais complexo e confuso, pois torna-se necessário conhecer um pouco da estrutura de chaves de registro do Windows, bem como, o que representa a sequência de valores apresentados na coluna Registry_Key o que para muitos profissionais não é algo são comum de ser entendido.

Referências

https://blogs.msdn.microsoft.com/sql_server_team/programmatically-find-sql-server-tcp-ports/

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/system-dynamic-management-views/sys-dm-tcp-listener-states-transact-sql

https://msdn.microsoft.com/en-us/library/hh204561.aspx

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/25/13-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

Conclusão

Mesmo com todas as possíveis dificuldades, falta de ferramenta exclusiva ou facilidade para se conseguir obter uma simples informação relacionadas as portas de rede e protocolos, sempre vai existir alguma maneira de se conseguir encontrar o que deseja no Microsoft SQL Server, seja através de um script mágico como o destacado hoje neste post ou através de um recurso não muito usual, independente da maneira que possa ser dentro da estrutura, do coração do SQL Server em suas tabelas internar em conjunto com o uso das DMVs torna-se totalmente viável coletar qualquer tipo de dado desejado.

Neste post, você pode comprovar como é possível encontrar os dados relacionados á protocolos, portas, listeners e demais elementos envolvidos nos processos de network, onde uma simples aplicação, website, aplicativo ou ERP venha a necessitar acessar, consumir e trocar dados via pacotes de rede com o Microsoft SQL Server.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.
Nos encontramos em breve, até lá….

Dica do Mês – Microsoft SQL Server – Identificando as transações que estão utilizando o Transact Log


Bom dia pessoal, tudo bem?

Véspera de feriado religioso e um dos mais importantes para boa parte da população mundial! Justamente por ser véspera de feriado hoje é um daqueles dias que qualquer profissional da área de banco de dados reza para que nada ocorra de errado próximo ás 17hrs ou mais conhecido como 5 horas da tarde.

Pensando neste tipo de necessário o post de hoje dedicado a sessão Dica do Mês tem o objetivo de ajudar você profissional que esta em apuros neste momento tentando identificar o que pode estar ocorrendo em seu ambiente ou servidor Microsoft SQL Server.

Hoje vou apresentar como você pode no Microsoft SQL Server a partir da versão 2008 R2 identificar quais transações estão realizando o acesso e demandando informações para o Transact – Log, arquivo utilizado por qualquer banco de dados existente em seu servidor ou instância SQL Server para registrar dados relacionados as transações atuais ou já processadas, sendo este mais conhecido como log de transações.

Estão vamos em frente…..


Introdução

Quando se referimos ao log de transações, temos sempre aquele boa e velha definição, “o transact log é o arquivo utilizado pelo banco de dados para registrar o que esta sendo processado por nossas transações, conhecido como o dedo duro”, na verdade o transact-log é bem mais do que isso, trata-se de um dos principais componentes de qualquer banco de dados criado no Microsoft SQL Server que nos permite através do seu uso garantir a continuidade e disponibilidade de nossos dados para diversos cenários de armazenamento e principalmente recuperação de informações.

Durante o processamento de uma ou mais querys o transact-log pode apresentar comportamentos diversas de acordo com o que esta sendo processado, mas principalmente no que se relacionado aos processos de escrita e leitura do log, onde nossas querys podem gerar processos de gravação de dados no transact-log e internamente o SQL Server pode necessitar a acessar outros dados em log para atender outras possíveis demandas.

Estes processos são conhecidos como leitura ou escrita do transact-log, situações que podem impactar aleatoriamente no processamento de nossas querys.

Pensando neste tipo de possibilidade, o post de hoje visa ilustrar e apresentar como através do Management Studio ferramenta de administração e gerenciamento do Microsoft SQL Server podemos em conjunto com as DMVs – Dynamic Management Views listadas abaixo, monitorar, catalogar e identificar quais querys ou transações estão fazendo uso do Transact-Log em possíveis processos de leitura ou escrita do log.

Dynamic Management Views

Para saber mais sobre cada DMV acesse as referências apresentadas no final do post:

  • sys.dm_tran_session_transactions;
  • sys.dm_tran_active_transactions;
  • sys.dm_tran_database_transactions;
  • sys.dm_exec_sessions;
  • sys.dm_exec_requests; e
  • sys.dm_exec_sql_text.

O Cenário

Para tentar ilustrar como podemos realizar de maneira fácil este tipo de monitoramento e identificação, vamos criar um pequeno cenário através do Bloco de Código 1, onde estaremos realizando a criação de um novo banco de dados denominado UsingTransactLog para armazenar a tabela TabelaTransactionLog.

— Bloco de Código 1 —
— Criando o banco de dados —
Create Database UsingTransactLog
Go

— Acessando o banco de dados —
Use UsingTransactLog
Go
— Criando a tabela —
Create Table TabelaTransactLog
(TransactionID Int Default Current_Transaction_ID(),
TransactionUser Varchar(100) Default System_User,
TransactionDate DateTime Default Current_TimeStamp)
Go

 

Note que nosso tabela TabelaTransactLog possui um simples estrutura composto por três colunas: TransactionID, TransactionUser e TransactionDate, sendo estes elementos básicos utilizados para catalogar o ID da transação em processamento, o usuário conectado ao banco de dados e data/hora do momento da inserção da linha.

Até aqui nada de tão importante, mas importante para podemos simular o uso do log, nosso próximo passo consiste no processamento do Bloco de Código 2, onde estaremos realizando o processamento de uma transação de inserção de 50.000 mil linhas de registros, sendo a operação de insert uma das mais diversas operações que demando processos de escrita ao transact – log, sendo assim, apresento a seguir o Bloco de Código 2:

— Bloco de Código 2 —
Insert Into TabelaTransactLog Default Values
Go 50000

Observe que não estamos passando nenhum tipo de valores para nossas colunas, na verdade estou forçando o SQL Server a utilizar a criação de valores padrões durante o processamento de cada linha de registro através da instrução Default Values (valores padrões), o que vai obrigar nossa instância e ter que gerar valores durante o tempo de processamento e posteriormente registrar em log.

Muito bem, o processamento desta massa de dados, teremos a necessidade de abrir uma nova query para justamente fazer uso do Bloco de Código 3, sendo este o principalmente elemento do nosso cenário, a query que nos permiti monitorar e identificar as transações que estão em tempo real utilizando o transact-log. Então abra uma nova query e log o Bloco de Código 3 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 3 —
SET TRANSACTION ISOLATION LEVEL READ UNCOMMITTED
Go

SELECT tst.session_id As ‘Sessão’,
es.original_login_name As ‘Login’,
DB_NAME(tdt.database_id) AS ‘Database’,
DATEDIFF(SECOND, tat.transaction_begin_time, GETDATE()) AS ‘Tempo decorrido’,
tdt.database_transaction_log_record_count AS ‘Espaço Utilizado’,
CASE tat.transaction_state
WHEN 0 THEN ‘A transação não foi completamente inicializada ainda…’
    WHEN 1 THEN ‘A transação foi inicializada, mas não começou…’
    WHEN 2 THEN ‘A transação esta ativa…’
    WHEN 3 THEN ‘A transação foi encerrada…’
    WHEN 4 THEN ‘Foi iniciado o processo de confirmação sobre o transação distribuída…’
    WHEN 5 THEN ‘A transação está em estado preparação e esperando resolução…’
    WHEN 6 THEN ‘A transação foi confirmada…’
    WHEN 7 THEN ‘A transação esta sendo revertida para o estado anterior…’
    WHEN 8 THEN ‘A transação foi revertida para o estado anterior…’
   ELSE ‘Estado da transação desconhecido’
   END AS ‘Estado da Transação’,
SUBSTRING(TXT.text, ( er.statement_start_offset / 2 ) + 1, ((CASE WHEN er.statement_end_offset = -1
THEN LEN(CONVERT(NVARCHAR(MAX), TXT.text)) * 2
ELSE er.statement_end_offset
END – er.statement_start_offset ) / 2 ) + 1) AS ‘Query Atual’,
TXT.text AS ‘Query relacionada’,
es.host_name As ‘Hostname’,
   CASE tat.transaction_type
    WHEN 1 THEN ‘Transação Read/Write’
    WHEN 2 THEN ‘Transação Read-Only’
    WHEN 3 THEN ‘Transação de Sistema’
                WHEN 4 THEN ‘Transação distribuída’
            ELSE ‘Tipo de Transação desconhecido’
            END AS ‘Tipo da Transação’,
tat.transaction_begin_time AS ‘Iniciado em’
FROM sys.dm_tran_session_transactions AS tst INNER JOIN sys.dm_tran_active_transactions AS tat
ON tst.transaction_id = tat.transaction_id
INNER JOIN sys.dm_tran_database_transactions AS tdt
ON tst.transaction_id = tdt.transaction_id
INNER JOIN sys.dm_exec_sessions es
ON tst.session_id = es.session_id
INNER JOIN sys.dm_exec_requests er
ON tst.session_id = er.session_id
CROSS APPLY sys.dm_exec_sql_text(er.sql_handle) TXT
ORDER BY [Tempo decorrido] DESC
Go
Pois bem, você pode estar querendo saber um pouco mais sobre o que exatamente esta acontecendo ao processar o Bloco de Código 3, pode ficar tranquilo que a seguir vou fazer um pequeno overview sobre este bloco de código, começando pelo conjunto de colunas retornadas por ele:
  • Sessão – Apresenta o ID da sessão que esta utilizando o transact-log;
  • Login – Nome da conta de login que esta conectada ao SQL Server;
  • Database – Nome do banco de dados utilizado pela query que esta acessando o transact-log;
  • Tempo decorrido – Representa o tempo de processamento que o query esta demandando para utilizar o transact-log;
  • Log Record Count– Identifica a quantidade de registros de log gerados pela query ou transações em processamento;
  • Estado da transação – Esta coluna apresenta o estado atual da query em processamento, sendo este formado por um conjunto de valores;
  • Query Atual – Apresenta as instruções que estão sendo processadas por cada query;
  • Query Relacionada– Apresenta as instruções processadas por querys que podem estar relacionadas com as atuais querys em processamento;
  • Hostname – Apresenta o nome dos hosts utilizados por cada query em processamento;
  • Tipo de Transação – Identifica se a transação em processamento esta realizando acesso de leitura ou escrita ao log, bem como, se esta query é uma query de sistema ou distribuída; e
  • Iniciado em – Apresenta o horário de início do acesso ao transact-log por parte da query em processamento.

Agora que você já conhece um pouco sobre cada coluna que será retornada após o processamento do Bloco de Código 3, vou abordar o uso da instrução Set Transaction Isolation Level declarada no início do código, que possui a finalidade de alterar no nível de isolamento do nosso banco de dados para Read Uncommitted afim de força o SQL Server a descartar ou desconsiderar qualquer possível ocorrência de bloqueios tanto no nível de tabela e registros, mas principalmente no escopo de banco de dados.

Nota: Se você me perguntar que isso é obrigatório ser feito para conseguir identificar as querys que estão utilizando o transact-log eu vou responder NÃO, isso não é obrigatório, mas pode ser considerada uma possível solução para garantir que o Bloco de Código 3 possa ser processado e consultar as dynamic management views na busca das informações catalogadas por ela em tempo de execução.

Ufa, estamos quase lá, agora nos resta fazer a execução do mesmo e observar o retorno dos dados coletados por este bloco de código, com base, na Figura 1 apresentada abaixo:

Figura 1 – Relação de querys em execução utilizando transact-log.

Perfeito, nosso monitoramento funcionou, conseguimos coletar os dados referentes as querys que estão neste momento em processamento fazendo acesso e utilizando o transact-log criado para o banco de dados UsingTransactLog.

Isso não é sensacional, desta forma, chegamos ao final de mais um post dedicado a sessão Dica do Mês, espero que você tenha gostado.

Referências

Post anteriores

  1. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/01/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2016-sp1-novo-argumento-use-hint-disponivel-para-query-hints/
  2. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/16/dica-do-mes-conhecendo-a-nova-dmf-sys-dm_exec_input_buffer-no-microsoft-sql-server-2016/

  3. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/11/28/dica-do-mes-sql-server-2016-sp1-comando-create-or-alter/

  4. https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/10/24/dica-do-mes-sql-server-2016-obtendo-informacoes-sobre-o-cache-de-execucao-de-funcoes/

Conclusão

Administrar, gerenciar, cuidar e prover um ambiente sempre no melhor estado possível não é uma das atividades mais tranquilas e simples desempenhadas por profissionais ou administradores de banco de dados, mas também não pode ser considerada um “bicho de sete cabeças” ou uma “caixa preta” ainda mais quando este servidor de banco de dados utiliza o Microsoft SQL Server.

Neste post você pode observar que através do uso de alguns DMVs – Dynamic Management Views a Microsoft nos permite coletar, analisar e entender de forma visual e muito intuitiva como o um servidor ou instância SQL Server gerencia o que esta sendo processado por nossas aplicações, querys ou transações no que se relaciona aos seus componentes e recursos internas, algo que nos permite em diversas situações de administração ou manutenção tentar identificar o que pode estar ocorrendo, bem como, impactando em nosso ambiente.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, bom feriado, espero que neste momento você não esteja no seu trabalho tentando resolver problemas do seu servidor (kkkkk).

Valeu….

Short Scripts – Março 2017


Hoje é sexta – feira, sexta – feira…

Salve, salve comunidade e amantes de bancos de dados e SQL Server, Tudo bem? Mais uma final de semana próximo após uma longa semana de muito trabalho, se eu for falar de muito trabalho, sinceramente  esta semana foi complicada, repleta de novidades e muita troca de conhecimento.

Conforme o prometido no final de 2016, estou retornando com o primeiro post da sessão Short Scripts, sessão criada a alguns anos no meu blog que lentamente esta conseguindo ajudar diversos profissionais da área de banco de dados na busca por exemplos de códigos que possam solucionar ou elucidar na resolução de um determinado problema.

O post de hoje

Como já destaquei acima, este é o primeiro post de 2017 dedicado exclusivamente a sessão Short Scripts, na relação de scritps selecionados para hoje, você vai poder encontrar códigos relacionados com os seguintes assuntos:

  • Auditoria,
  • Comando Intersect,
  • Comando OpenQuery,
  • Comando Order By,
  • Datatype Char,
  • Datatype Int,
  • DMF Sys.dm_exec_sessions,
  • DMV Sys.system_internals_partitions,
  • DMV Sys.system_internals_allocation_units,
  • Função Substring,
  • Índices,
  • Informações sobre conexão de usuário,
  • Páginas de Dados,
  • Trigger, e
  • Variáveis.

Então mãos no teclado, a seguir apresento os códigos e exemplos selecionados para o Short Script – Março 2017. Vale ressaltar que todos os scripts publicados nesta sessão são devidamente testados antes de serem publicados, mas isso não significa que você pode fazer uso dos mesmo em seu ambiente de produção, vale sim todo cuidado possível para evitar maiores problemas. Fique a vontade para compartilhar, comentar, melhorar cada um destes códigos.

Short Scripts

— Short Script 1 – Realizando Auditoria in Live —

SELECT [Spid] = session_Id
, ecid
, [Database] = DB_NAME(sp.dbid)
, [User] = nt_username
, [Status] = er.status
, [Wait] = wait_type
, [Individual Query] = SUBSTRING (qt.text,
er.statement_start_offset/2,
(CASE WHEN er.statement_end_offset = -1
THEN LEN(CONVERT(NVARCHAR(MAX), qt.text)) * 2
ELSE er.statement_end_offset END –
er.statement_start_offset)/2)
,[Parent Query] = qt.text
, Program = program_name
, Hostname
, nt_domain
, start_time
FROM sys.dm_exec_requests er
INNER JOIN sys.sysprocesses sp ON er.session_id = sp.spid
CROSS APPLY sys.dm_exec_sql_text(er.sql_handle)as qt
WHERE session_Id > 50              — Ignore system spids.
AND session_Id NOT IN (@@SPID)     — Ignore this current statement.
ORDER BY 1, 2
Go

— Short Script 2 – Utilizando comando Intersect com Datatypes Char e Int —

Create Table #A (x Char(2));
Go
Insert Into #A Values (‘1’);
Insert Into #A Values (‘6’);
Insert Into #A Values (‘2’);
Insert Into #A Values (‘3’);
Insert Into #A Values (‘5’);
Insert Into #A Values (‘5’);
Insert Into #A Values (‘6’);
Insert Into #A Values (‘9’);
Go
Create Table #B (M BigInt);
Go
Insert Into #B Values(5);
Insert Into #B Values(5);
Insert Into #B Values(6);
Insert Into #B Values(7);
Insert Into #B Values(7);
Go
— (Select #1)
SELECT x AS ‘Select #1’ FROM #A
INTERSECT SELECT M FROM #B
Go
— (Select #2)
SELECT DISTINCT(x) AS ‘Select #2’
FROM #A LEFT OUTER JOIN #B
ON #A.x = #B.M
Go
— (Select #3)
SELECT DISTINCT(x) AS ‘Select #3’
FROM #A LEFT OUTER JOIN #B
ON #A.x = #B.M
Go
— (Select #4)
SELECT DISTINCT(x) AS ‘Select #4’
FROM #A INNER JOIN #B
ON #A.x = #B.M
Go
— (Select #5)
SELECT x AS ‘Select #5’
FROM #A INNER JOIN #B
ON #A.x = #B.M
Go
— Short Script 3 – Utilizando comando OpenQuery com variáveis —
— Valores Básicos —
DECLARE @TSQL varchar(8000), @VAR char(2)
SELECT  @VAR = ‘teste’
SELECT  @TSQL = ‘SELECT * FROM OPENQUERY(MeuLinkedServer,”SELECT * FROM MinhaTabela WHERE User = ””’ + @VAR + ”””’)’
EXEC (@TSQL)
Go
— Query Complexa —
DECLARE @OPENQUERY nvarchar(4000), @TSQL nvarchar(4000), @LinkedServer nvarchar(4000)
SET @LinkedServer = ‘MyLinkedServer’
SET @OPENQUERY = ‘SELECT * FROM OPENQUERY(‘+ @LinkedServer + ‘,”’
SET @TSQL = ‘SELECT au_lname, au_id FROM pubs..authors”)’
EXEC (@OPENQUERY+@TSQL)
— Use o Sp_executesql procedimento armazenado —
DECLARE @VAR char(2)
SELECT  @VAR = ‘CA’
EXEC MyLinkedServer.master.dbo.sp_executesql
N’SELECT * FROM pubs.dbo.authors WHERE state = @state’,
N’@state char(2)’,
@VAR
Go
— Short Script 4 – Realizando order by com base na função SubString —
Declare @Tabela Table
(Codigo VarChar(15))
Insert Into @Tabela Values(‘191-XXX-003’)
Insert Into @Tabela Values(‘192-XXX-003’)
Insert Into @Tabela Values(‘193-XXX-003’)
Insert Into @Tabela Values(‘194-XXX-003’)
Insert Into @Tabela Values(‘195-XXX-003’)
Insert Into @Tabela Values(‘191-XXX-001’)
Insert Into @Tabela Values(‘192-XXX-001’)
Insert Into @Tabela Values(‘193-XXX-001’)
Insert Into @Tabela Values(‘194-XXX-001’)
Insert Into @Tabela Values(‘195-XXX-001’)
Insert Into @Tabela Values(‘191-XXX-002’)
Insert Into @Tabela Values(‘192-XXX-002’)
Insert Into @Tabela Values(‘193-XXX-002’)
Insert Into @Tabela Values(‘194-XXX-002’)
Insert Into @Tabela Values(‘195-XXX-002’)
Select * from @Tabela
Order By SubString(codigo,Len(Codigo)-2,3) Asc
Go
— Short Script 5 – Monitorando querys em execução —
SELECT
DES.SESSION_ID,
DES.CPU_TIME,
DES.READS,
DES.WRITES,
DES.LOGICAL_READS,
DES.ROW_COUNT,
DER.SESSION_ID,
DES.STATUS,
DES.HOST_NAME,
DES.PROGRAM_NAME,
DES.LOGIN_NAME,
DES.ORIGINAL_LOGIN_NAME,
DEC.CLIENT_NET_ADDRESS,
DEC.AUTH_SCHEME,
DEC.NET_TRANSPORT,
SUBSTRING(T.[TEXT], DER.[STATEMENT_START_OFFSET] / 2,
COALESCE(NULLIF(DER.[STATEMENT_END_OFFSET], – 1) / 2, 2147483647)) AS COMANDO
FROM
SYS.DM_EXEC_SESSIONS AS DES
INNER JOIN SYS.DM_EXEC_REQUESTS DER
ON DER.BLOCKING_SESSION_ID = DES.SESSION_ID
INNER JOIN SYS.DM_EXEC_CONNECTIONS DEC
ON DEC.SESSION_ID = DES.SESSION_ID
INNER JOIN SYS.DM_EXEC_REQUESTS DER2
ON DER2.SESSION_ID = DES.SESSION_ID
CROSS APPLY SYS.DM_EXEC_SQL_TEXT(DER.[SQL_HANDLE]) AS T
GO
— Short Script 6 – Identificando tabelas e suas respectivas páginas de dados —
— Exemplo 1: —
SELECT P.partition_id,
OBJECT_NAME(P.object_id) As ObjectName,
U.allocation_unit_id,
SU.First_Page,
SU.Root_Page,
SU.First_IAM_Page
From Sys.Partitions As P INNER JOIN Sys.Allocation_Units As U
ON P.hobt_id = U.container_id
Inner Join Sys.system_internals_allocation_units SU
On u.allocation_unit_id = su.allocation_unit_id
Go
— Exemplo 2: —
SELECT SIP.partition_id,
OBJECT_NAME(SIP.object_id) As ObjectName,
sip.rows,
SU.First_Page,
SU.Root_Page,
SU.First_IAM_Page
From Sys.system_internals_partitions As SIP Inner Join Sys.system_internals_allocation_units SU
On sip.partition_id = su.allocation_unit_id
Go
— Short Script 7 – Identificando índices com Escrita Excessiva —
— Quantidade de Índices com Escrita Excessiva em comparação a leitura —
SELECT  OBJECT_NAME(s.object_id),
i.name,
i.type_desc
FROM    sys.dm_db_index_usage_stats s WITH ( NOLOCK ) Inner JOIN sys.indexes i WITH (NOLOCK)
ON s.index_id = i.index_id
AND s.object_id = i.object_id
WHERE OBJECTPROPERTY(s.[object_id], ‘IsUserTable’) = 1
AND s.database_id = DB_ID()
AND s.user_updates > ( s.user_seeks + s.user_scans + s.user_lookups )
AND s.index_id > 1
Go
— Quantidade de Índices com Escrita Excessiva —
SELECT  COUNT(*)
FROM    sys.dm_db_index_usage_stats s WITH ( NOLOCK )
WHERE   OBJECTPROPERTY(s.[object_id], ‘IsUserTable’) = 1
AND s.database_id = DB_ID()
AND s.user_updates > ( s.user_seeks + s.user_scans + s.user_lookups )
AND s.index_id > 1
Go
— Short Script 8 – Identificando o espaço ocupado por conexões em uso —
SELECT A.session_id,
B.host_name, B.Login_Name ,
(user_objects_alloc_page_count + internal_objects_alloc_page_count)*1.0/128 as TotalalocadoMB,
D.Text
FROM sys.dm_db_session_space_usage A Inner JOIN sys.dm_exec_sessions B
ON A.session_id = B.session_id
Inner JOIN sys.dm_exec_connections C
ON C.session_id = B.session_id
CROSS APPLY sys.dm_exec_sql_text(C.most_recent_sql_handle) As D
WHERE A.session_id > 50
and (user_objects_alloc_page_count + internal_objects_alloc_page_count)*1.0/128 > 100 — Ocupam mais de 100 MB
ORDER BY totalalocadoMB desc
COMPUTE sum((user_objects_alloc_page_count + internal_objects_alloc_page_count)*1.0/128)
Go
— Short Script 9 – Obtendo a diferença de datas entre registro anterior e o próximo registro —
Create Table Datas
(ID Int Identity(1,1),
DataInicio Date,
DataFinal Date)
Go
Insert Into Datas Values (GETDATE(), GETDATE()+30)
Insert Into Datas Values (GETDATE()+1, GETDATE()+20)
Insert Into Datas Values (GETDATE()+2, GETDATE()+10)
Insert Into Datas Values (GETDATE(), GETDATE()+5)
Go
— Exemplo 1 —
Select I.ID, I.DataInicio, F.DataFinal,
DateDiff(D, I.DataInicio, F.DataFinal) As Intervalo
From Datas I Left Join Datas F
On I.ID = F.ID + 1

Go

— Exemplo 2 —
SELECT
[current].Id,
[current].Time CurrentValue,
[next].Time          NextValue
FROM #temp AS [current] LEFT JOIN #temp AS [next]
ON [next].Id = (SELECT MIN(Id) FROM #temp

                                 WHERE Id > [current].Id)
Go
— Short Script 10 – Criando um trigger condicional —
–Criando a Table de Novos Produtos–
Create Table NovosProdutos
(Codigo Int Identity(1,1),
Descricao VarChar(10))
–Criando a Table de Histórico Novos Produtos–
Create Table HistoricoNovosProdutos
(Codigo Int,
Descricao VarChar(10))
Go
–Inserindo valores —
Insert Into Novosprodutos Values(‘Arroz’)
Insert Into Novosprodutos Values(‘Arroz1’)
Insert Into Novosprodutos Values(‘Arroz2’)
Insert Into Novosprodutos Values(‘Arroz3’)
Go
–Criando a Trigger para controle de histórico–
Create TRIGGER T_Historico
ON NovosProdutos
for update
AS
IF (Select Descricao from Inserted) <> (Select Descricao from Deleted)
BEGIN
INSERT Into HistoricoNovosProdutos (Codigo, Descricao)
SELECT Codigo, Descricao FROM INSERTED
END
Go
–Fazendo os teste —
Update NovosProdutos
Set Descricao=’Arroz 4′
Where Codigo = 1
Go
Update NovosProdutos
Set Descricao=’Arroz1′
Where Codigo = 2
Go
Select * from NovosProdutos
Go

Muito bem, mais uma relação de short scripts acaba de ser compartilhada, mesmo sendo denominados short entre aspas “pequenos”, posso garantir que todos estes exemplos são de grande importância e apresentam um valor e conhecimento do mais alto nível.


Chegamos ao final de mais um Short Scripts, espero que este material possa lhe ajudar, ilustrando o uso de alguns recursos e funcionalidades do Microsoft SQL Server.

Acredito que você tenha observado que estes códigos são bastante conhecidos em meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server publicados no decorrer dos últimos anos.

Boa parte deste material é fruto de um trabalho dedicado exclusivamente a colaboração com a comunidade, visando sempre encontrar algo que possa ser a solução de um determinado problema, bem como, a demonstração de como se pode fazer uso de um determinado recurso.

Links

Caso você queira acessar os últimos posts desta sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

Agradecimento

Mais uma vez obrigado por sua visita, um forte abraço…

Nos encontramos em breve nos próximos posts desta e outras sessões do meu blog, valeu.