Microsoft SQL Server 2016 e String_Split(), agora ficou fácil dividir uma string.


Fala galera, boa tarde, segunda – feira, eita dia complicado, começo de semana é tenso, pois saber que mais um final de semana passou voando é triste. Vamos em frente e pensar que mais um final de semana está chegando, é bem melhor.

Seguindo a onda de informações, anúncios, posts, entre outras formas de divulgação sobre o Microsoft SQL Server 2016, hoje vou destacar mais um pouco no meu blog sobre esta nova versão e destacar mais uma das suas novidades, estou me referindo a nova Table Value Function String_Split(). Algo que realmente era muito pedido pelos desenvolvedores e que a Microsoft demorou um pouco para reconhecer a sua importância, mas na versão 2016 ela está presente e será muito útil.

 

A String_Split()

Pode-se dizer que é uma daquelas funções desejadas por todos os profissionais que trabalham com desenvolvimento e necessitam em algum momento realizar o chamado split de uma string. Se você não sabe ou conhece este termo, split pode ser entendido como fatiar, dividir, cortar, quebrar em pedaços.

Fazendo uma analogia, a string_split() vai fazer exatamente isso com uma string, transformando a mesma em pequenas outras strings (substrings ou partes de uma string).

Funcionalidade ou capacidade considerado por muitos como algo realmente complexo se der feito por um SGBD – Sistema Gerenciador de Banco de Dados, ainda mais para o SQL Server se pensarmos que até a versão 2014 tínhamos a necessidade de customizar este tipo de necessidade.

Mas que para nossa alegria a Microsoft introduziu este recurso na versão RC0 sinal que provavelmente e o que tudo indica a mesma vai fazer parte da versão final do SQL Server 2016.

 

Compatibilidade

Por se tratar de uma nova funcionalidade, até o presente momento a documentação oficial da Microsoft indica que esta função é compatível com a versões:

  • Microsoft SQL Server 2016; e
  • Azure Database.

As versões Azure SQL Data Warehouse e Parallel Data Warehouse até o momento não estão na lista de produtos compatíveis com a esta nova função.

Observação: Um detalhe muito importante é a necessidade do nível de compatibilidade do banco de dados estar definido na versão 130, sendo este o nível do SQL Server 2016.

 

Sua importância. O porquê ela pode ajudar

A String_Split() vem para preencher uma lacuna muito grande deixada pelo tipo de desenvolvimento e engenheiros da Microsoft desde a versão 2008 e 2012, onde novas funções para se trabalhar com string foram adicionadas no produto.

Sua importância vai muito além da capacidade técnica de permitir que uma string seja dividida em pequenas partes e posteriormente armazenada em uma tabela, variável ou função, ela vai com certeza flexibilidade e facilitar em muito a maneira com que os dados podem ser tratados e reconhecidos pelo SQL Server o que poderá permitir a criação de novos padrões de reconhecimento de caracteres.

Uma das grandes vantagens de se utilizar a String_Split() está relacionada com a uma simples sintaxe, onde requer basicamente dois parâmetros.

 

Como utilizar a String_Split()

Criada para ser utilizada de maneira rápida e simples, a String_split é composta pode dois parâmetros string compatíveis com os tipos de dados: (nvarcharvarcharnchar ou char) para a string que desejamos supostamente dividir em conjunto com o caractere reconhecido como “divisor” ou “separador”, que também deve ser informado em um tipo de string compatível com os tipos de dados: nvarchar(1)varchar(1)nchar(1) ou char(1)).

Outra característica muito interessante desta função é a maneira que os dados são apresentados e retornados para usuário, onde podemos ter o retorno do split da string em uma coluna com diversas linhas representando os fragmentos “pedaços” ou “partes” da string, como também um valor caractere no tipo de dados nchar ou nvarchar de acordo com o tipo de dado utilizado, respeitando o tamanho do dado identificado no momento da fragmentação da string. Caso não seja reconhecido o tipo de dados original da string, o resultado da sua fragmentação será retornado com o tipo de dados varchar.

Exemplos

A seguir você vai poder encontrar alguns exemplos de como podemos fazer uso da função String_Split(). Vale ressaltar que esta função se encontra disponível a partir da versão RC0, requerendo a configuração o nível de compatibilidade para o número 130.

Alguns dos exemplos apresentados aqui foram elaborados e executados no banco de dados de exemplo AdventureWorks2016 CTP3, caso venha tenha interesse em realizar o download desta sample database, utilize o link: https://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=49502

Outro detalhe importante a ser destacado é o resultado apresentado para cada exemplo ilustrado a seguir, por padrão o SQL Server gera uma coluna chamada value contendo a lista de valores fragmentados após o processo de split da string.

 

 

— Exemplo 1 – Separando de forma simples uma string –

SELECT *

FROM STRING_SPLIT(‘Junior,Galvão,MVP,SQL Server’,’,’)

Go

 

Resultado

value
Junior
Galvão
MVP
SQL Server

 

— Exemplo 2 – Fazendo uso de variáveis como parâmetros de entrada de valores –

DECLARE @string VARCHAR(100) = ‘Microsoft,SQL Server,2016,RC0′,

@separador CHAR(1) =’,’

 

SELECT *

FROM STRING_SPLIT(@string,@separador)

Go

 

Resultado

value
Microsoft
SQL Server
2016
RC0

 

— Exemplo 3 – Armazenando o resultado da divisão de uma string em uma nova tabela –

DECLARE @string VARCHAR(100) = ‘Microsoft,SQL Server,2016,RC0′,

@separador CHAR(1) =’,’

 

SELECT * INTO #SplitTable

FROM STRING_SPLIT(@string,@separador)

GO

 

— Visualizando a estrutura da tabela —

sp_Columns #SplitTable

Go

 

— Consultando os dados da tabela —

Select * from #SplitTable

Go

 

Após executar a system stored procedure sp_columns podemos notar que o tamanho e tipo de dados da coluna value criada através do select…into foi definido como Varchar() sendo este o tipo de dados padrão utilizado pela String_Split() para garantir compatibilidade no armazenamento e apresentação de dados oriundos de uma outra tabela.

 

— Exemplo 4 – Apresentando a mensagem quando o separador de string for definido com mais de um caracter —

DECLARE @string VARCHAR(100) = ‘pedrogalvaojunior#@gmail#@com’,

@separador CHAR(2) =’#@’

 

SELECT * FROM STRING_SPLIT(@string,@separador)

Go

 

Como pode ser observado o Microsoft SQL Server 2016 vai lançar e apresentar uma mensagem de erro com o código 214 informando que a quantidade de caracteres ou melhor dizendo que o tamanho utilizado para o parâmetro separador foi definido acima de um caractere, sendo que, este parâmetro só identifica e reconhece um único caractere.

Resultado

Msg 214, Level 16, State 11, Line 3

Procedure expects parameter ‘separator’ of type ‘nchar(1)/nvarchar(1)’.

 

— Exemplo 5 – Apresentando o comportamento da String_Split() quando um parâmetro apresenta valor nulo –

SELECT * FROM STRING_SPLIT(‘pedrogalvaojunior,wordpress,com’,NULL)

Go

 

Para este exemplo 5 o comportamento do SQL Server 2016 é exatamente o mesmo do exemplo 4, onde será apresentanda uma mensagem de erro informando que o tamanho informado no parâmetro separado, foi definido acima de um caractere.

Resultado

Msg 214, Level 16, State 11, Line 3

Procedure expects parameter ‘separator’ of type ‘nchar(1)/nvarchar(1)’.

 

— Exemplo 6 – Realizando o split de uma string com base na junção de uma tabela com a função String_Split() –

— Criando a tabela Split —

Create Table Split

( SplitId INT IDENTITY (1,1) NOT NULL,

SplitValue1 NVARCHAR(50),

SplitValue2 NVARCHAR(50))

GO

 

— Inserindo linhas de registro —

INSERT INTO Split (SplitValue1, SplitValue2)

VALUES (‘Pedro’,’Galvão’),

(‘Junior’,’Galvão’),

(‘Antonio’,’Silva’),

(‘Chico’,’Bento’)

Go

 

— Realizando a Junção da Tabela Split com a função Split_String() —

Select SplitId, SplitValue1, SplitValue2, Value

From Split S Inner Join String_Split(‘Pedro,Antonio’,’,’) STS

On S.SplitValue1 = STS.Value

Go

 

Observe que o SQL Server realizou o split dos dados com base na junção e valores informados para a função e mesmo assim apresentou os dados dados de cada coluna que compõem a estrutura da tabela Split.

 

Resultado

SplitID SplitValue1 SplitValue2 Value
1 Pedro Galvão Pedro
3 Antonio Silva Antonio

 

— Exemplo 7 – Apresentando o resultado quando ambos os parâmetros vazios –

Select * from String_Split(‘ ‘,’,’)

Go

 

Após executa o select acima o SQL Server identificou que ambos os parâmetros encontra-se vazios, sem nenhum tipo de dado que permita fazer a identificação da string e do separador, sendo assim o resultado retornado será uma única linha de registro vazia.

 

Resultado

Value

 

— Exemplo 8 – Apresentando o comportamento da String_Split() quando o caracter do final da string é o mesmo utilizado como separador –

SELECT * FROM STRING_SPLIT(‘Conhecendo,SQL Server,2016,’,’,’)

Go

 

Este é um cenário bem interessante e pode ocorrer a qualquer momento, nesta situação o SQL Server 2016 vai trabalhar da mesma forma que os outros exemplos, analisando e identificando a string e posteriormente fazendo a fragmentação com base no caractere separador, mesmo que este seja um caractere utilizado no final da string.

Note que que criada 4 linhas de registro sendo que a última não apresentará valores por será reconhecida e tratada como uma linha nula ou em branco.

Resultado

value
Conhecendo
SQL Server
2016

 

Legal, legal, acredito que agora ficou ainda mais fácil de entender e compreender como a String_Split() é fácil de ser utilizado e principalmente a maneira que os dados são apresentando e retornado para usuário. Desta forma, vou encerrar mais este artigo por aqui, quero também aproveitar para disponibilizar abaixo uma relação de links sobre os principais posts referentes ao SQL Server 2016 que estou desde 2015 publicando.

 


 

 

Links

Caso você não tenha acessado os posts anteriores dedicados ao Microsoft SQL Server 2016, não perca tempo e a oportunidade de conhecer mais sobre esta nova versão acessando os links abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2015/12/28/microsoft-sql-server-2016-e-json-uma-combinacao-bem-interessante-final/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2015/11/09/microsoft-sql-server-2016-e-json-uma-combinacao-bem-interessante-parte-i/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2015/10/02/conhecendo-o-live-query-statistics-no-microsoft-sql-server-2016/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2015/07/10/microsoft-sql-server-2016-lista-de-novidades-parte-i/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2015/07/16/microsoft-sql-server-2016-lista-de-novidades-parte-ii/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2015/07/30/microsoft-sql-server-2016-lista-de-novidades-final

 

Conheça o SQL Server 2016 RC0: Faça download da versão RC0 disponibilizada a poucos dias acessando: https://www.microsoft.com/en-us/evalcenter/evaluate-sql-server-2016. Acesse também da documentação oficial Microsoft sobre a String_Split(): https://msdn.microsoft.com/en-us/library/mt684588.aspx

 


 

Conclusão

Como você pode observar uma das mais esperadas funcionalidades foi adicionada ao SQL Server, a capacidade de fragmentar, dividir, fatiar uma string em pequenas partes ou substrings. Recurso mais que necessário e importante para qualquer desenvolver ou profissional de banco de dados que necessita analisar um texto “string” e através de um caractere denominado separador delimitar como pode ser gerada fragmentos deste texto.

A cada novo build liberado pela Microsoft podemos observar e notar o grande trabalho e esforço que esta sendo feito para transformar o Microsoft SQL Server 2016 na maior e principal versão do produto desde o grande salto dado em 2005 com o lançamento naquele momento da versão 2005.

Funções similares ao String_Split() estão sendo cada vez mais disponibilidades e adicionadas ao produto como forma de fazer com que o SQL Server se torne uma plataforma única de desenvolvimento, administração, armazenamento e gestão de banco de dados, isso representa uma grande evolução e atenção das equipes de desenvolvimento e engenheiros do produto em atender e satisfazer a comunidade técnica que se dedica a estudar e conhecer cada vez mais o SQL Server.

Acredito que os exemplos apresentados aqui conseguir mostrar a simplicidade de se trabalhar com esta nova funcionalidade, ilustrando sua simplicidade no uso e forma de obter os resultados.

Mais uma vez agradeço a sua atenção, seu interesse em visitar o meu blog, espero encontra-lo em outras oportunidades. Deixe seus comentários, críticas e sugestões.

Até a próxima.

Descubra cinco vantagens do Azure Stack


O Microsoft Azure não é apenas sobre oferecer várias ferramentas em nuvem como o Microsoft OMS ou a suíte de mobilida empresarial, como também pode ajudar você a fazer melhor uso das capacidades de seu data center com o Azure Stack. Descruba algumas de suas vantagens e as ferramentas que o compõem.

O Azure Stack é um conjunto de funcionalidades que pode ser implementado em data centers que estará presente no Windows Server 2016. Uma versão Technical Preview já está disponível no site.

Conheça cinco vantagens do Azure Stack

As principais funções do Azure no local

cinco vantagens do Azure Stack

Ao contrário do Microsoft Azure, a solução em nuvem para as empresas, o Azure Stack possibilita que a empresa implemente a sua própria solução baseada na já estabelecida plataforma Microsoft Azure.

Com isso, a simplicidade das ferramentas e do portal do Azure estarão à disposição do setor de TI, assim como de funcionários. Seja para aplicativos modernos ou armazenamentos de banco de dados, o Azure Stack oferece soluções que podem ser personalizadas de acordo com a demanda e necessidade de cada usuário. Você pode conhecer mais sobre ele no vídeo explicativo do Technical Summit 2015.

O Azure Service Fabric

cinco vantagens do Azure Stack

Por ser desenvolvido com as mesmas ferramentas que criaram o Microsoft Azure, o Azure Stack trará suporte ao Azure Service Fabric. Ela é uma plataforma de sistemas usada para criar aplicativos escalonáveis e que podem ser facilmente gerenciados na nuvem.

Com ele, os aplicativos Azures podem ser reduzidos em pequenos componentes, chamados de microscerviços, que podem ser atualizados e gerenciados independentemente da infraestrutura usada.  Para entender mais sobre como funciona o Azure Service Fabric e como criar aplicativos com ele acesse a documentação no portal do Azure.

Implantação simples independente do local

cinco vantagens do Azure Stack

Com a ajuda do Azure Stack e o Azure Service Fabric, você pode desenvolver aplicativos e escolher depois como melhor implantá-los, seja no datacenter da empresa, no Azure ou em uma solução híbrida. Basta algumas mudanças no Powershell e o app irá ser implantado onde você desejar.

Junto a isso o Azure Stack também fornece toda as funcionalidades como Grupo de recursos e atribuição de papeis aos funcionários, assim facilitando o gerenciamento de aplicativos com diferentes elementos. Veja um vídeo de implantação de aplicativo com o Azure Stack (em inglês)

Nano Server

cinco vantagens do Azure Stack

Uma das novas funcionalidades do Windows Server 2016 é o Nano Server. Essa opção de instalação fornece apenas o básico necessário para o funcionamento do servidor (Hyper-V, Clustering, Networking, Storage, .Net, Core CLR) e sem interface gráfica.

Desenvolvido com aplicativos em nuvem em mente, o Nano Server requer menos custo de infraestrutura, assim como tempos mais rápidos de boot, menos espaço em disco e uma menor quantidade de reboots. Assista a uma apresentação do Nano Server e do Windows Server 2016 (Em inglês).

O novo System Center 2016

cinco vantagens do Azure Stack

Outra ferramenta que fará com que o Azure Stack fique melhor ainda é o System Center 2016. A nova versão do programa de gerenciamento para TI inclui mais confiabilidade na transferência de dados em conexões lentas, melhorias na visualização das ferramentas de monitoramento, suporte ao Microsoft Intune (da Suíte de mobilidade Empresarial) e muito mais.

O Technical Preview 4 já está disponível para Download no centro de avaliações da Microsoft. Conheça outras funcionalidades dele no Technet.

Essas foram as cinco vantagens do Azure Stack. O azure também oferece vantagens para pequenas e médias empresas, conheça algumas delas aqui e veja algumas das medidas de seguranças ofertadas pela plataforma.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com

Cloud Roadshow: cursos gratuitos de computação em nuvem em São Paulo


A Microsoft realizará nos dias 19 e 20 de janeiro de 2016, o Cloud Roadshow, em São Paulo. O evento é gratuito e oferecerá cerca de 90 palestras ministradas por especialistas internacionais da companhia.

O objetivo é compartilhar, com aqueles que desejam aperfeiçoar suas habilidades em nuvem, as melhores práticas, visões, dicas e técnicas para quem cria e executa serviços na nuvem por meio das plataformas Office 365, Microsoft Azure e Windows 10.

Cloud Roadshow: cursos gratuitos de computação em nuvem em São Paulo

A Microsoft realizará nos dias 19 e 20 de janeiro de 2016, o Cloud Roadshow, em São Paulo. O evento é gratuito e oferecerá cerca de 90 palestras ministradas por especialistas internacionais da companhia

Cloud Roadshow: cursos gratuitos de computação em nuvem em São Paulo

Entre os demais temas que as sessões irão abranger figuram: segurança, open source, armazenamento, containers, DevOps, networking, Internet das Coisas, comunicações unificadas, identidade, web, colaboração, gestão, nuvem híbrida e muito mais.

Os participantes poderão optar por assistir às sessões específicas, como: comunicações, dados, desktop, ferramentas e processos, TI e infraestrutura em nuvem, aplicação da plataforma, mobilidade e segurança. Assim, poderão se especializar e aprofundar a aprendizagem em áreas de produtos e serviços específicos.

No final do primeiro dia do evento, também será possível interagir com os engenheiros e especialistas da Microsoft e com a comunidade técnica de especialistas MVPs (Most Valuable Professional).

As palestras serão realizadas todas em inglês e contarão com tradução simultânea.

O Brasil é o único país da América Latina que vai receber o Cloud Roadshow da Microsoft. Participarão, ao todo, 12 cidades no mundo, onde mais de 20 mil pessoas terão acesso às melhores práticas e treinamentos para o cenário da nuvem.

Saiba mais aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – Sid Vicious @ 3 dez 2015 | 7:42 am

Mais de 15 empresas estão recrutando profissionais de TI


Está procurando uma boa oportunidade para alavancar a carreira na área de tecnologia? Então, dê uma olhada nestas oportunidades. Há vagas para trabalhar em diversos estados do país:

1. Google

O Google está contratando profissionais de diversas áreas em São Paulo (SP) e Belo Horizonte (MG). Para quem quer trabalhar com tecnologia, há oportunidades para consultores de soluções em anúncios, gerentes de tecnologia e engenharia de software.

Consulte esta página para saber mais sobre cada cargo e se inscrever.

2. Facebook

O escritório do Facebook em São Paulo está com diversas oportunidades em aberto para profissionais de todas as áreas, inclusive em TI.

Veja nesta página os requisitos para cada cargo e inscreva-se.

3. Accenture

A Accenture – empresa de consultoria em gestão, tecnologia e outsourcing – está com 295 oportunidades para profissionais em diversas cidades do país. Na página de carreira da companhia é possível consultar a descrição e os requisitos para cada cargo.

O candidato também pode filtrar a pesquisa por tipo de cargo, cidade, data de postagem, número da vaga ou relevância. Para se inscrever e concorrer a uma das posições, basta entrar na vaga desejada e clicar em Inscreva-se on-line.

4. CTIS

A CTIS está com mais de 80 oportunidades para profissionais de TI em vários estados do país. Para se candidatar é preciso realizar um cadastro na página de empregos da companhia.

5. Movile

A Movile, empresa desenvolvedora de aplicativos móveis, está procurando profissionais de TIpara trabalhar em Campinas (SP), São Paulo (SP). São seis vagas para a área de tecnologia, e outras duas para produção e marketing.

Confira os detalhes e requisitos para cada cargo na página de carreira da companhia. Para se candidatar a uma das oportunidades, clique no botão Candidatar via e-mail e anexe seu currículo na mensagem, informando a vaga desejada.

6. Capgemini

A Capgemini, empresa de tecnologia presente em mais de 40 países, está com 200 vagas para profissionais efetivos e 50 oportunidades para estagiários em várias áreas.

Os candidatos já formados podem consultar as oportunidades no site da companhia, indicando no local de busca o nome da vaga de interesse. Para se inscrever, basta enviar o currículo para o e-mail curriculoti.br@capgemini.com.

Já os interessados nas oportunidades de estágio devem responder a um questionário sobre a Capgemini em sua página do Facebook até 30 de abril.

7. BRQ (estágio)

A empresa de serviços de TI, BRQ, está recrutando estudantes da área de TI para estagiar em suas unidades de Curitiba (PR), São Paulo (SP), e Rio de Janeiro (RJ).

As oportunidades vão de Outsourcing de Aplicações e Service Desk, Desenvolvimento de Aplicações Sob Medida, Soluções de Mobilidade, Cloud Computing, Consultoria em TI e Processos Financeiros, até a Terceirização de Processos de Negócio (BPO). O programa tem previsão de início para este mês.

Os candidatos interessados devem enviar o currículo no e-mail respectivo da região:

São Paulo (Alphaville e Centro) – estagiariosp@brq.com

Curitiba – estagiarioctba@brq.com

Rio de Janeiro – estagiariorj@brq.com

8. Mega Sistemas Corporativos

A Mega Sistemas Corporativos está com 30 vagas em aberto para trabalhar em diversas áreas. Algumas das oportunidades são para cargos de consultores de vendas (áreas comercial e de processo), assistente comercial, analista de automação, analista de suporte em campo, analista contábil pleno e analista de remuneração. Confira as vagas e candidate-se no site da companhia.

9. TCS

A empresa de serviços e consultoria em TI, Tata Consultancy Services, está com 20 oportunidades em aberto para profissionais da área. As vagas são para trabalhar no Rio de Janeiro, capital e interior, como consultor SAP, consultor de ERP em geral, especialista em infraestrutura, arquiteto (de mobilidade e rede), analista de suporte de rede, analista de BI, help desk e gerente de projeto. Para se inscrever, basta enviar seu currículo para brazil.careers@tcs.com.

10. GFT

O Grupo GFT, provedor global de TI especializado no setor financeiro, está procurando 100 profissionais da área para trabalhar em suas duas unidades no país, nas cidades de Sorocaba e Alphaville, em São Paulo.

As oportunidades são para gerente de projetos, arquiteto sênior, desenvolvedores de todos os níveis e consultores.

Para concorrer a uma das oportunidades, o candidato precisa ser formado em ursos como ciência da computação, TI, engenharia, matemática, além de ter inglês com nível médio a fluente.

Veja mais detalhes sobre as vagas e inscreva-se pelo site da companhia.

11. Escriba

A Escriba, empresa especializada em software de gestão para cartórios, está com vagas abertas para executivo de negócios, analista contábil, testador de sistemas, consultor de O&M (CI), consultor de O&M (Atualização), analista de sistemas pleno, consultor de O&M (atendimento), instalador de sistemas e programador júnior e pleno.

As oportunidades são para trabalhar no Paraná, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Minas Gerais, Amazonas e Mato Grosso do Sul. Saiba mais sobre as vagas e candidate-se pelo site da empresa.

12. eWave

A empresa de soluções em TI, eWave, está com mais de 80 oportunidades em aberto para profissionais de TI nas áreas de suporte, desenvolvimento, gestão de projetos, integração de sistemas, processos, infraestrutura, BI e marketing.

Há oportunidades para estagiários e profissionais de nível júnior, pleno e sênior. Os candidatos selecionados poderão trabalhar nas cidades de Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Brasília (DF).

Além da remuneração, benefícios, programas de capacitação, incentivo à certificações e cursos de idiomas também são oferecidos pela companhia. Os interessados podem se candidatar pelo site da eWave ou entrar em contato pelo e-mail recrutamento@ewave.com.br.

13. Sensedia

A empresa de TI especializada em API (Application Programming Interface e SOA, Sensedia, está com 10 vagas abertas para profissionais da área.

As oportunidades são para trabalhar em Campinas (SP), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ). Os cargos são para arquiteto de software, desenvolvedor, desenvolvedor Oracle SOA, desenvolvimento e sucesso de clientes e especialista em APIs.

Os interessados em se candidatar para o processo seletivo devem enviar o currículo para o e-mail rh@sensedia.com com o cargo desejado no assunto da mensagem. Veja mais detalhes sobre as vagas e seus pré-requisitos no site da Sensedia.

14. Venturus

O Centro de Inovação Tecnológica Venturus está oferecendo 36 vagas de emprego na área de TI em Campinas, no estado de São Paulo. Veja as posições em aberto na lista abaixo:

– Analista de Desenvolvimento Web Pleno

– Data Scientist

– Analista de Desenvolvimento Objective-C e C

– Analista de Desenvolvimento .NET Júnior

– Analista de Desenvolvimento .NET Pleno

– Estagiário em Desenvolvimento .NET/ C#

– Analista de Desenvolvimento C/C++ PL e SR

– Analista de Desenvolvimento Java SE JR, PL e SR

– Analista de Testes JR e PL

– Assistente Técnico C++/Java

– Estagiário de Desenvolvimento C++/ Java

– Analista de Desenvolvimento Android Júnior

– Analista de Desenvolvimento Android Pleno

– Redator Técnico

Para saber mais detalhes sobre as vagas e se candidatar a uma das oportunidades acesse osite da Venturus.

15. Avansys

A empresa Avansys está contratando um analista de teste júnior para trabalhar em Salvador, na Bahia. O candidato deve ter formação em cursos como análise de sistemas, sistemas de informação, ciência da computação ou em áreas correlatas.

Além da remuneração, o profissional selecionado terá benefícios como vale alimentação, vale transporte, plano de saúde, plano odontológico, convênio farmácia e auxílio educação. Os interessados devem enviar o currículo para o e-mail currículo@avansys.com.br, indicando o nome da vaga “Analista de Teste Júnior” como assunto.

16. ZCR

A ZCR Informática, companhia de TI instalada no Parque Tecnológico da Bahia, está recrutando profissionais para trabalhar em Salvador. As vagas são para analista de redes e infraestrutura e analista Linuxe antivírus. Para se candidatar a uma das oportunidades, é preciso enviar o currículo para o e-mail selecionatirh@gmail.com e especificar a vaga desejada no assunto da mensagem.

17. Simpress

A fornecedora de outsourcing de impressão e gestão de documentos Simpress está com mais de 40 vagas abertas para trabalhar em São Paulo e Santana do Parnaíba.

As posições em aberto são para supervisores e analistas nas áreas técnica, administrativa e financeira. Na área de TI, há cargos para supervisor de serviços, analista de projetos, analista de soluções e analista de suporte hardware. Saiba mais sobre cada vaga neste link.

Para se candidatar a uma das oportunidades é preciso enviar o currículo pelo site da Simpress.

Fonte e Direitos Autorais: Info.com –   – 23/04/2015 11h33.

Setor de TI deve faturar US$ 132 bi em 2013, diz Brasscom


TI

São Paulo – O setor de Tecnologia da Informação deve faturar US$ 132 bilhões em 2013, disse o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), Antonio Gil, nesta quarta-feira, 26. Esse crescimento, se concretizado, deve representar uma alta de 7,3% sobre o desempenho do setor no ano passado, de US$ 123 bilhões.

“Isto coloca o Brasil como o sétimo maior mercado do mundo”, afirmou durante seminário Perspectivas para o Setor de TI promovido pela Bolsa e Apimec.

Segundo ele, a participação de TI sobre a atividade econômica brasileira atinge pouco mais de 5% e a perspectiva é de que possa chegar a 8% até 2022. Gil afirmou que esaa projeção contempla uma alta de 54% do setor ao longo de 10 anos.

“O que falta é o aumento do uso de TI, sobretudo, entre as pequenas e médias empresas”, afirmou. Outro segmento que pode puxar o uso é o setor público. “Estima-se que apenas 500 municípios façam uso intensivo de TI, algo além da compra de computadores”, disse.

Fontes e Direitos Autorais: 

• quarta, 26 de junho de 2013 – 15h53.

Europa tenta ganhar mercado em TI, após escândalo nos EUA


No ano passado, o governo francês investiu 200 milhões de dólares em duas startups de cloud computing

Paris/Londres – A França tem o seu “projeto soberano de nuvem” enquanto do outro lado do Reno as empresas de dados criaram o rótulo de “Serviços de Nuvem: fabricados na Alemanha”, todos tentando tranquilizar grandes empresas de que suas informações são armazenadas longe dos olhos curiosos dos espiões norte-americanos.

Empresas europeias acreditam que revelações de que a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) têm secretamente reunido dados de nove grandes empresas de Internet dos EUA, incluindo Microsoft e Google, vão dar a elas uma vantagem competitiva à medida que competem com as empresas americanas dominantes da computação de nuvem.

Empresas e indivíduos podem ter de aceitar que, enquanto armazenarem e processarem suas informações em servidores europeus e localizados na Europa, estão protegidos da NSA, mas as agências de inteligência mais perto de casa podem estar à espreita de qualquer maneira.

“Se você vai ter um Big Brother, eu prefiro ter um Big Brother doméstico a um Big Brother estrangeiro”, disse Mikko Hypponen, diretor de pesquisa da empresa de segurança em Internet F-Secure, que também oferece serviços em nuvem com dados armazenados nos países nórdicos.

A computação de nuvem – termo genérico para tudo, desde e-mail baseado na web a software de negócios que é executado remotamente através da Internet – está sendo adotado por grandes empresas e governos a nível global para reduzir custos e aumentar a flexibilidade para seus departamentos de TI.

No ano passado, o governo francês investiu 200 milhões de dólares em duas start-ups (empresas iniciantes), incluindo o dono do centro de dados Cloudwatt, para dotar o País de infraestrutura independente dos gigantes norte-americanos de cloud computing.

Após as revelações de que o programa PRISM da NSA coletou dados de usuários de nove empresas que também incluem Yahoo e Facebook, a posição francesa agora parece precavida para algumas pessoas.

Fontes e Direitos Autorais: • Segunda-feira, 17 de junho de 2013 – 18h00.

Salário alto faz empresas importarem profissionais de TI


Sérgio Zolezzi, da Softtek: o mexicano ocupa a vaga de um brasileiro

São Paulo – O setor de tecnologia da informação (TI) vive um momento especial no Brasil. De acordo com a Brasscom, entidade que representa as empresas do setor, em 2012 as companhias de TI movimentaram 123 bilhões de dólares no país, 20% mais do que no ano anterior.

Mas há um problema: os salários da área têm crescido num nível que já não é considerado sustentável pelas companhias. Segundo a consultoria Towers Watson, de 2008 até hoje o rendimento dos profissionais de TI cresceu quase 30% — ou 6% ao ano. No mesmo período, a inflação acumulada foi de 22,4%.

“Quando se consideram os benefícios concedidos às pessoas da área, o impacto é ainda maior do que o registrado nos salários”, afirma Christian Mattos, da Towers Watson. E não há sinais de que o quadro seja reversível.

De acordo com a Brasscom, só em São Paulo em 2013 devem se formar 20.000 profissionais a menos do que o segmento vai demandar. Para contornar o problema, o Grupo Meta, de consultoria e serviços em TI, resolveu parar de disputar funcionários com a concorrência e inaugurou em abril, em São João do Polêsine, no interior do Rio Grande do Sul, um novo centro de TI.

Ao longo dos próximos três anos, o núcleo vai contratar 200 pessoas. O objetivo da mudança é fugir do leilão de salários e reduzir a rotatividade. “Pego o jovem no início de carreira e ofereço emprego onde ele vive. Com isso, tendo a ter uma retenção maior”, diz Claudio Carrara, vice-presidente do Grupo Meta.

Já o Grupo i9 foi buscar no exterior o profissional de que precisava. A empresa contratou o holandês Edwin Zuidema, que desde julho de 2012 está no cargo de arquiteto de soluções.

“Precisávamos de alguém que dominasse uma tecnologia nova, que ainda não existia no Brasil. Seria praticamente impossível encontrá-lo aqui”, diz Fabio Sá, sócio-diretor da companhia. A Softtek, por sua vez, trouxe ao Brasil o mexicano Sérgio Zolezzi para ocupar o cargo de diretor de qualidade, porque não conseguiu preencher localmente.

Vista por alguns com desconfiança, a contratação de estrangeiros é uma saída emergencial para evitar que o país fique atrasado na criação e na oferta de serviços tecnológicos.

“O Brasil tem uma demanda por profissionais de TI duas vezes maior do que outros países, como a Rússia”, diz Thiago Medeiros, da Manpower, consultoria de recursos humanos. Só quando essa demanda for atendida é que o setor de TI no Brasil poderá desfrutar, de fato, do momento especial que tem vivido.

Fontes e Direitos Autorais:  , da Você S/A • Segunda-feira, 17 de junho de 2013 – 11h49.

Investimento mundial em TI deve subir 4,2% em 2013, diz Gartner


Londres  – O investimento mundial em Tecnologia da Informação (TI) deve subir 4,2 por cento em 2013, para 3,7 trilhões de dólares, uma aceleração ante crescimento de 1,2 por cento estimado para o ano passado, afirmou a empresa de pesquisa de mercado Gartner, nesta quinta-feira.

A maior parte da incerteza envolvendo as perspectivas para uma retomada do crescimento global está perto de uma solução, afirmou o vice-presidente da Gartner, Richard Gordon. “Conforme isso acontece, estamos vendo uma aceleração no crescimento do investimento em 2013 em relação a 2012.”

O gasto em equipamentos como PCs, tablets, celulares e impressoras está previsto em 666 bilhões de dólares, aumento de 6,3 por cento. O crescimento está abaixo da previsão anterior do Gartner de expansão de 7,9 por cento, em parte por causa do aumento da competição gerada por tablets com sistema operacional Android.

O gasto mundial em software corporativo deve subir 6,4 por cento, para 296 bilhões de dólares, segundo a Gartner, puxado por segurança e gestão de armazenamento de dados e de relacionamento com clientes.

Serviços de telecomunicações, que continuam a representar a maior parte do mercado de TI, ficarão estáveis nos próximos anos já que a receita maior com serviços de dados sem fio foi minimizada por quedas nos mercados de voz fixa e móvel.

Fontes e Direitos Autorais: Reuters

Pesquisa mostra o salário e perfil do profissional de TI


São Paulo – A empresa de serviços de recrutamento Catho divulgou recentemente um estudo que mostra o perfil do profissional de TI.

Os dados são baseados no banco de dados da empresa e, de acordo com a pesquisa, 84% das pessoas que atuam na área de TI são homens.

Além disso, apenas 11% sabem falar ou escrever corretamente o idioma espanhol.

O estudo mostra também a escolaridade, a faixa etária e a fluência no inglês. Veja abaixo os dados:

SEXO MÉDIA SALARIAL Nº RESPONDENTES % PARTICIPAÇÃO
Masculino R$ 4.541,38 6716 84,01%
Feminino R$ 3.848,41 1278 15,99%

 

ESCOLARIDADE MÉDIA SALARIAL Nº RESPONDENTES % PARTICIPAÇÃO
Doutorado R$ 8.819,28 65 0,8%
Mestrado R$ 8.815,25 248 3,1%
MBA R$ 7.767,68 900 11,3%
Cursos   Pós-Graduação/Especialização R$ 5.974,66 1430 17,9%
Formação Superior R$ 3.882,12 3527 44,1%
Não fez ou não concluiu a universidade R$ 2.211,04 1824 22,8%

 

FAIXA ETÁRIA MÉDIA SALARIAL Nº RESPONDENTES % PARTICIPAÇÃO
ATÉ 20 ANOS R$ 2.185,69 688 8,6%
DE 21 25 ANOS R$ 2.156,75 1596 20,0%
DE 26 30 ANOS R$ 3.566,14 2128 26,6%
DE 31 35 ANOS R$ 5.007,16 1619 20,3%
DE 36 40 ANOS R$ 6.554,74 845 10,6%
DE 40 50 ANOS R$ 7.878,51 884 11,1%
ACIMA DE 50 ANOS R$ 8.890,87 234 2,9%

 

FLUÊNCIA ESPANHOL MÉDIA SALARIAL Nº RESPONDENTES % PARTICIPAÇÃO
Falo e escrevo   corretamente R$ 5.656,67 916 11,5%
Falo fluentemente com alguns erros R$ 7.819,16 409 5,1%
Falo com dificuldades R$ 4.308,76 3027 37,9%
Não Falo R$ 3.943,18 3642 45,6%

 

FLUÊNCIA INGLÊS MÉDIA SALARIAL Nº RESPONDENTES % PARTICIPAÇÃO
Falo e escrevo   corretamente R$ 4.910,01 3073 38,4%
Falo fluentemente com alguns erros R$ 6.976,73 1376 17,2%
Falo com dificuldades R$ 3.219,65 2746 34,4%
Não Falo R$ 2.433,64 799 10,0%

 Fontes e Direitos Autorais: , de INFO Online• Segunda-feira, 29 de outubro de 2012 – 12h23.

Morador de rua encontra urna eletrônica furtada em SP


São Paulo – Um morador de rua encontrou na madrugada de hoje (29) a urna eletrônica furtada antes do início da eleição municipal de ontem (28) na capital paulista.

O aparelho foi encontrado em um saco na Avenida Osvaldo de Oliveira, perto do local de onde foi levada, a Escola Estadual Professor Francisco de Assis Pires Corrêa, no bairro Conjunto José Bonifácio, em Itaquera, zona leste da capital paulista.

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) paulista, os lacres do equipamento estavam intactos. O microterminal, aparato eletrônico usado pelo mesário, que acompanha a máquina, não foi encontrado junto com a urna, assim como o cabo de energia.

A urna estava suja e com a chave quebrada. A Polícia Militar (PM) foi avisada na madrugada de hoje pelo próprio morador de rua. Segundo o TRE, a PM ainda não sabe quem é o autor do crime. O Código Eleitoral prevê pena de até três anos de reclusão e pagamento de multa.

O furto foi percebido no início da manhã do domingo pelos auxiliares da escola, onde funcionou a 405ª Zona Eleitoral. Eles mesmos providenciaram a substituição da urna, às 8h20. O incidente não provocou filas no local para a votação. A urna furtada foi bloqueada do sistema eleitoral,  impossibilitando fraudes. O cartório eleitoral registrou boletim de ocorrência.

Fontes e Direitos Autorais:  • Segunda-feira, 29 de outubro de 2012 – 18h15.

Startup Brasil


“O pacote existe agora por que o governo ficou com ciúmes do programa chileno”, diz o empreendedor Flavio Pripas sobre o pacote de investimentos TI Maior, lançado na semana passada pelo governo federal. Pripas, dono da startup Fashion.me e organizador do encontro Br New Tech, aposta que a chance de o plano vingar é justamente por meio das empresas nascentes de tecnologia.

O programa de investimentos oferecerá um estímulo de R$ 486 milhões a ser aplicado na produção de software no Brasil, e estabelecerá uma política de incentivo às startups. Cerca de R$ 40 milhões serão destinados a formar ao menos quatro empresas aceleradoras, responsáveis por orientar as novas iniciativas. Até 2014, espera-se que elas acompanhem 150 startups.

Pripas diz que o “custo Brasil” ainda é o principal problema para as startups nacionais. “É caro contratar pessoas e operar uma empresa aqui. A maior parte do dinheiro vai para o governo, contabilidade ou para publicar informes em jornais. A lei é atrasada. E minha empresa nem faturamento tem ainda!”, desabafa. O empreendedor, que está criando uma subsidiária em Nova York (“lá tudo é mais barato”), apoia a ideia do governo de direcionar a atuação das startups para áreas estratégicas como saúde, energia ou petróleo. “O governo tem que ter metas, não dá para replicar o modelo do Vale do Silício, nem o chileno, onde se investe em qualquer boa ideia. Mas também, se focar demais, às vezes não se dá abertura para inovações. Tudo tem que ser bem coordenado.” Protecionismo. Segundo o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) os setores que receberão os investimentos serão educação, saúde, petróleo, energia, eventos esportivos e “tecnologias estratégicas”, como software livre e computação na nuvem. A Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da

Informação (Assespro) elogiou o plano, mas chamou a meta do governo para dobrar o faturamento de TI de “conservadora”. Ainda disse esperar não estar diante de um “instrumento de marketing político”. A Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes) questionou a preferência do governo pelo software livre, apontado como culpado pela baixa participação de software nacional no mercado interno. “Não temos o objetivo de restringir o mercado brasileiro”, defende Virgílio Almeida, secretário de política da informática do MCTI. Almeida elogia a ideia de certificar o software desenvolvido no País. Isso abriria uma brecha legal para que o governo garanta a preferência aos produtos certificados nas licitações. “Assim a gente privilegia a empresa nacional e equilibra a balança comercial.”

Fontes e Direitos Autorais: 26 de agosto de 2012| 19h03| Tweet este Post – Por Murilo Roncolato.

Como funciona a TI do INSS


São Paulo – Por muitos anos, o instituto nacional do Seguro Social (INSS) foi uma espécie de porta-bandeira da ineficiência governamental. As filas na porta das agências do órgão eram o exemplo máximo desse título nada honroso.

Como um simples pedido de perícia médica podia levar um dia inteiro, as filas começavam de madrugada — o que criou a bizarra profissão de “fileiro”, exercida por desempregados que cobravam até 10 reais para guardar lugar para quem não queria chegar à agência às 4 horas da manhã.

As filas começaram a sumir quando o INSS instituiu uma ferramenta tão banal quanto eficaz: o agendamento por telefone dos atendimentos. Agora, outra iniciativa mostra como é possível injetar eficiência no setor público sem grandes pirotecnias. É a sala de monitoramento do INSS, uma espécie de Big Brother dos serviços prestados pelo órgão.

De uma central na sede do instituto, em Brasília, é possível saber quanto tempo uma pessoa espera para ser atendida em uma dada agência, quanto demora o atendimento no balcão ou qual o serviço mais solicitado. Resultado: a concessão de uma aposentadoria, um dos serviços mais procurados, que levava pelo menos seis meses, hoje pode ser feita em 30 minutos.

A sala de monitoramento teve custo zero. Técnicos do próprio INSS desenvolveram o sistema — um similar de uma empresa privada poderia custar até 120 milhões de reais por mês aos cofres públicos — e os monitores utilizados foram retirados de outras salas do órgão.

Essa infraestrutura caseira recebe os dados online enviados automaticamente pelas 1 288 agências do INSS espalhadas pelo país. As informações se transformam em gráficos e tabelas nos computadores dos técnicos responsáveis pelo monitoramento. É assim que o governo sabe hoje, com precisão, que auxílio-doença é o serviço mais requisitado ao INSS (60% do total de atendimentos).

Isso põe às claras a necessidade de contratação de médicos peritos mais do que de qualquer outro profissional — faltam pelo menos 1 500 médicos no país, segundo a Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência. E foi assim que as filas nas agências acabaram de vez.

Na agência do INSS em Osasco, na Grande São Paulo, por exemplo, uma das mais ágeis, a espera pelo atendimento é hoje de apenas 10 minutos. “Gestão é informação. Não dá para administrar sem mensurar dados”, diz o secretário executivo do Ministério da Previdência e um dos idealizadores da sala de monitoramento, Carlos Eduardo Gabas. “Nosso sistema pode até ser simples, mas é preciso botar a mão na massa para o óbvio ter serventia.”

Informação é parte decisiva para a melhoria do atendimento, mas não é toda a história. Hoje, 70% da remu­neração dos 40 000 funcionários do órgão está condicionada à superação de metas. O prêmio por mérito põe todos a perseguir objetivos comuns. “Se as metas não são atingidas, ninguém recebe o adicional. Nem eu”, diz Mauro Hauschild, presidente do INSS.

Desde 2006, ano de início dos agendamentos por telefone, a fila de pedidos de benefícios em análise há mais de 75 dias — tempo considerado limite pelo órgão —, que era de 172 000 casos, caiu para 43 000. E o sistema está mergulhando mais fundo nas informações.

O cardápio de dados já inclui os gastos para a manutenção de cada agência. Foi assim que se descobriu um vazamento de água no prédio central do INSS: a conta de água, que normalmente era de até 18 000 reais por mês, repentinamente saltou para 31 000 reais. O conserto foi feito — e o dinheiro dos contribuintes deixou de sair, literalmente, pelo ralo.

Tarefa comezinha para um governo federal? Ao contrário. “A prestação de serviços públicos de qualidade não é um tema menor. É a própria razão de ser do Estado”, diz Claudete Camarano, especialista do Banco Interamericano de Desenvolvimento em projetos governamentais.

Os serviços do órgão ainda têm problemas. Muita gente reclama da demora para a marcação de atendimentos, que teria criado uma “fila virtual”. Essa fila de fato existe: entre o telefonema para marcar o atendimento e a chegada ao balcão da agência, a espera média é hoje de 25 dias.

Mas o sistema atual tem a vantagem de ter metas claras — até o fim de 2012, o objetivo é que a espera por atendimento caia para 21 dias. Outros órgãos do governo agora copiam o sistema do INSS por ordem da presidente Dilma Rousseff, que elogiou a ferramenta quando a conheceu, em janeiro.

Inspirada na iniciativa do INSS, a Casa Civil está criando uma central similar para acompanhar a distância as obras do Plano de Aceleração do Crescimento. Será que a “espiadinha” fará o PAC enfim sair do chão?

Fontes e Direitos Autorais: , de Exame • Terça-feira, 17 de julho de 2012 – 09h13.

Um guia de carreira para recém-formados


Trainees da PwC: Começar a carreira em um programa de trainee não é sinônimo de garantia de sucesso profissional.
Passada a formatura, qual a melhor estratégia para dar um pontapé inicial na carreira? De acordo com pesquisa da Page Talent, 35% dos jovens entre 18 e 25 anos apostam nos programas de trainee para responder a esta pergunta. 

 

Mas esta é, realmente, a melhor alternativa para começar a carreira? De acordo com especialistas, a resposta varia de acordo com o perfil e plano de carreira do recém-formado.

“A formação do trainee é mais generalista. É quase uma extensão da própria graduação e, geralmente, tem o foco na formação de futuras lideranças”, afirma Manoela Costa, da Page Talent.

 

Mas isso não significa que quem começou a carreira sem uma passagem por um programa de trainee esteja fadado a um futuro profissional mediano ou longe do alto escalão das grandes empresas. Ao contrário.

 

“Um trainee pode ter mais exposição e um salário maior nos dois primeiros anos de carreira. Mas isso tende a se igualar depois deste período”, diz Bruna Tokunaga Dias, gerente de orientação de carreira da Cia de Talentos.

 

Independente da linha de largada e de onde você quer chegar, as especialistas afirmam que todo jovem profissional deve adotar uma postura de compromisso com a própria carreira e apostar em caminhos para longe daquilo que chamamos de zona de conforto. Aprenda como.

 

Para além da baia

 

Primeiro desafio para todo jovem profissional? Dar o melhor de si em cada tarefa sem, contudo, virar refém do cotidiano e perder o longo prazo de vista.

 

Há quem, nos primeiros anos de carreira, vire um refém da própria função. Em outras palavras, com tantas demandas e novidades para aprender, muitos jovens profissionais não conseguem olhar para além da própria baia, quanto mais do próprio departamento.

 

Mas, de acordo com as especialistas, não ficar preso ao próprio departamento é essencial para quem quer crescer na carreira. “É fundamental ampliar a sua visão dentro da empresa. Se você está no cargo de analista contábil, não se restrinja a esta área, tente entender toda a área financeira, por exemplo”, afirma Manoela. “Não é porque estou fazendo um pedaço do processo que não devo saber como é o final”.

Nesta toada, não restrinja seus relacionamento e visão a quem trabalha com você. Circule. Aproveite todas as oportunidades possíveis para entender como outras pessoas, dentro da mesma empresa, trabalham e, principalmente, quem elas são.

Lembre-se: Networking é palavra de ordem em qualquer fase da vida profissional. “Transite por outras áreas, entenda outros negócios, ofereça apoio para quem precisa”, diz Bruna.

 

Um passo à frente, sempre

 

Circular pela empresa, conhecer novos departamentos e pessoas é um exercício útil também para checar quais fatores são valorizados dentro da companhia quando o crescimento profissional está em pauta.

 

“O analista precisa entender o que é importante para crescer dentro da organização”, afirma Bruna. Mas como saber isso? Observando a trajetória de outras pessoas.

 

Mas não se esqueça: se há vida para além da sua baia, há todo um universo fora dos muros da companhia. E, obviamente, você deve estar preparado para as demandas do mercado também. “Leia bastante, esteja sempre informado sobre o que o mercado demanda”, diz Manoela. “Esteja um passo a frente”.

 

Se você não está fazendo o programa de trainee e, por isso (talvez) não tenha acesso aos cursos que são oferecidos aos participantes, não fique para trás. Busque alternativas para sua formação fora dos muros da empresa. E não tenha preguiça de investir na sua qualificação.

 

Resultados e um toque pessoal

 

Agora, de nada adianta networking e um currículo de tirar o fôlego, se no dia a dia, você não entrega o que é pedido. Não adianta. Na vida profissional, a entrega de resultados conta e muito para seu potencial futuro.

 

Fazer tudo com excelência e colocar “quanto és no mínimo que fazes”, como diria Fernando Pessoa, é essencial para começar bem a sua carreira. “Faça mais do que é solicitado. Coloque em tudo um toque especial, algo que mostre o seu diferencial”, afirma Manoela.

Fontes e Direitos Autorais: , de EXAME.com • Terça-feira, 26 de junho de 2012 – 10h44.

Confira 15 vagas na área de TI


São Paulo – As empresas Accenture, SIACorp, IPO e MarketData Solutions abriram vagas em TI. Confira abaixo os requisitos e o link para enviar os dados pessoais:

Accenture do Brasil – Há 1 vaga aberta de analista de infraestrutura. O profissional selecionado participará do desenvolvimento de uma solução tecnológica. A empresa requer diploma de curso superior em Tecnologia da Informação ou áreas afins.

Cidade: Rio de Janeiro (RJ)

Acesse a página com os detalhes da vaga acima.

SIACorp – A empresa possui 3 vagas abertas de analista programador (a) .NET. O salário varia entre 2 mil reais e 3 mil reais. A pessoa aprovada para o cargo atuará na área de desenvolvimento de software de gestão de risco e automação de crédito.

Cidade: São Paulo (SP)

Acesse a página com os detalhes da vaga acima.

IPO – O Instituto de Psicologia Organizacional abriu 1 vaga de programador (a) ASP.

O salário varia entre 3 mil reais e 5 mil reais. O candidato deve ser bacharelado em análise de sistemas ou possuir curso técnico em desenvolvimento de sistemas. O profissional selecionado será responsável por analisar sistemas de projetos, avaliar, implantar e testar aplicativos e ferramentas.

Cidade: São Paulo (SP).

Acesse a página com os detalhes da vaga acima.

MarketData Solutions do Brasil – A empresa abriu 10 vagas de analista de database marketing pleno. Os profissionais serão responsáveis por elaborar relatórios em Microstrategy e trabalharão com extração de campanhas em Oracle. O candidato deve ter cursado ou estar matriculado em um curso superior de análise de sistemas, ciências da computação, engenharia ou administração, estatística, matemática ou afins.

Cidade: São Paulo (SP)

Acesse a página com os detalhes da vaga acima.

Fontes e Direitos Autorais: , de INFO Online • Segunda-feira, 11 de junho de 2012 – 16h24.

Problema no chip prejudica emissão do RIC


Brasília – Lançado há mais de um ano pelo Ministério da Justiça, o Registro de Identidade Civil (RIC), que deveria substituir a carteira de identidade de pelo menos dois milhões de pessoas, ainda não saiu do papel. De acordo com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, um problema de execução no programa prejudicou a emissão dos cartões com chip.
 
“Houve um problema de execução, inclusive do cartão, que, acredito eu, possa ser resolvido em um curto espaço de tempo. Há um atraso nesse programa, mas é justificável”, explicou o ministro.

A nova identidade é um cartão magnético, com impressão digital e chip  eletrônico, que incluirá informações como nome, sexo, data de nascimento, foto, filiação, naturalidade e assinatura, entre outros dados. A estimativa do Ministério da Justiça é que a substituição da carteira de identidade seja feita ao longo de dez anos.

De acordo com Cardozo, o RIC estava sendo implementado pelo ex-secretário executivo Luiz Paulo Barreto. Com a troca de comando da secretaria, o programa passará a ser responsabilidade da nova secretária executiva, Márcia Pelegrini, empossada ontem (9). “É um programa complexo, conta com a necessidade de uma pactuação com os estados. Ele [o projeto] andou, mas acho que ainda falta muito.”

Em dezembro de 2010, além da cerimônia de lançamento, foram veiculadas campanhas publicitárias em rede nacional de rádio e TV. O objetivo, na época, era implantar o projeto piloto em Brasília, Salvador, Hidrolândia (GO), Nísia Floresta (RN), Rio Sono (TO), no Rio de Janeiro e na Ilha de Itamaracá (PE).

Os moradores dessas cidades, contemplados na etapa inicial, seriam escolhidos aleatoriamente e receberiam uma carta indicando a possibilidade de troca do RG pelo RIC. Pelo menos 125 mil pessoas receberiam o RIC nessa primeira etapa. Segundo o ministério, o investimento no primeiro ano alcançaria cerca de R$ 90 milhões.

“Pedimos um relatório atualizado para que, diante da saída do Luiz Paulo Barreto, possamos tomar pé da situação e fixarmos um cronograma bastante rígido. Vamos esperar esse relatório para vermos que medidas poderemos tomar”, disse o ministro da Justiça.

De acordo com Cardozo, ainda não há previsão para a implantação total do programa nem para a troca das cédulas da carteira de identidade pelo RIC.

Fonte e Direitos Autorais: Agência Brasil • Terça-feira, 10 de abril de 2012 – 09h51.