#17 – Para que serve


Olá você, boa noite.

Tudo bem? Este é mais um post da sessão Para que serve, plena sexta – feira, enquanto meus alunos da Fatec São Roque estão quebrando a cabeça e gastando um pouco dos neurônios na resolução de exercícios, estou aqui para compartilhar um pouco do conhecimento adquirido nos alguns dias.

Quando eu falei sobre conhecimento adquirido, estou me referindo a algumas novidades adicionadas na nova versão do Microsoft SQL Server, neste caso mais especificamente a versão 2017. E ai você já realizou o download? Espero que a resposta seja positiva e você já esteja utilizando, pois caso contrário o post de hoje talvez não seja a solução da dúvida ou problema que você esta esperando.

Mas antes de falar do post, vamos destacar um pouco sobre o Microsoft SQL Server 2017. Acredito que você deva saber que no último mês de outubro, a Microsoft realizou mais um lançamento de uma nova versão do Microsoft SQL Server, estou me referindo a versão 2017. Por acaso você estão utilizando esta nova versão? Caso ainda não tenha feito, aproveite e faça agora mesmo acessando o link: https://www.microsoft.com/en-us/sql-server/sql-server-2017.

Se você, assim como eu realizou o download no mesmo dia do lançamento, ou seja, dia 02/10, pode ter um certo tempo para notar que a cada nova versão, o produto esta evoluindo, tanto no seu processo de instalação que realmente é fantástico e muito prático, como também, na quantidade de recursos, funcionalidades e componentes internos apresentados a partir desta da versão 2017.

Voltando para o post de hoje, como de costume a cada nova versão a Microsoft em conjunto com o seu time de engenheiros e desenvolvedores tem o hábito de adicionar um conjunto novo de funcionalidades e recursos, dentre eles alguns voltados especificamente para a área de desenvolvimento, no caso de comandos, stored procedures e functions adicionadas a grande linguagem Transact-SQL.

Logicamente na versão 2017 isso não seria diferente, e justamente pensando neste tipo de oportunidade para aquisição de conhecimento que o post de hoje será dedicado a duas novas funções adicionadas a partir desta versão sendo elas: Concat_WS e Translate.

E ai por acaso você já as conhece, espero que não, mas caso já tenha encontrado alguma informação ou até mesmo tenha feito uso, fique a vontade para contribuir com este post deixando seu comentário.

Seguindo em frente, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre estas novas funções, desta forma, seja bem vindo ao #17 – Para que serve – Novas String Functions Concat_WS e Translate adicionadas ao Microsoft SQL Server 2017.

Introdução

Em diversos momentos trabalhando com diversos dados armazenados em nossas tabelas temos a necessidade de realizar a concatenação entre eles, ou seja, estabelecer uma possível forma de união destes diversos valores e apresentar de uma única coluna ou até mesmo linha de registro.

Procedimento que até a versão 2012 do Microsoft SQL Server nos exigia um pouco de linhas de código para realizar esta atividade, sendo que, a mesma agora na versão 2o17 tornou-se ainda mais simples e fácil através da nova string function Concat_WS.

Você pode estar pensando, mas qual o motivo do tipo de engenheiros do SQL Server em adicionar uma função similar a Concat, na verdade não existe um motivo, o que existe e posso dizer é que a Concat e a Concat_WS podem ser consideradas irmãs ou até mesmo funções que se complementam.

Neste sentido o WS pode ser reconhecido como o argumento (concatenate with separator) separador, aquele caracterer que será utilizado para separar um valor string do outro mais ao mesmo tempo estará fazendo parte do conjunto de valores que serão concatenados.

Para que você possa entender e conhecer melhor a função Concat_WS, vou apresentar alguns exemplos:

— Exemplo 1 – Obtendo informações sobre as tabelas, utilizando o hífen como separador —
SELECT CONCAT_WS( ‘ – ‘, name, OBJECT_ID, create_date, modify_date) AS TablesInfo
FROM sys.tables
Go

Após a execução do Exemplo 1, você deverá obter um resultado similar conforme apresenta a Figura 1 abaixo:


Figura 1 – Dados concatenados e separados pelo sinal de hífen.

— Exemplo 2 – Concatenando caracteres utilizando o sinal de dois pontos como separador —
Select CONCAT_WS(‘ :: ‘, ‘Pedro Antonio Galvão Junior’, ‘Idade:37’, ‘MVP desde 2007’) As Info
Go

Após a execução do Exemplo 2, você deverá obter um resultado similar conforme apresenta a Figura 2 abaixo:


Figura 2 – Dados concatenados e separados pelo sinal de dois pontos.

Observação: Note que nos dois exemplos apresentados acima o primeiro argumento ou parâmetro obrigatório que deve ser especificado na função Concat_WS é justamente o elemento separador, o qual vai estar envolvido diretamente entre cada conjunto de valores informados sequencialmente na função.

Dando continuidade, vamos conhecer a função Translate, inicialmente fazendo uma rápida analogia ao seu nome parece que esta nova função seria algo similar a um tradutor de texto, na verdade ela tem um papel entre aspas próximo em relação a tradução de um valor ou sentença de valores string, mas dizer que ela realiza a tradução não é o entendimento correto.

Na verdade esta função realiza em tempo de execução retorna uma nova sentença de valores string com base no conjunto de argumentos declarados em sua sintaxe, sendo que obrigatoriamente o primeiro argumento representa a sentença de valores que deverá ser utilizada, para posteriormente servir como base para nova sentença que será resultando da “tradução”.

Vamos então conhecer um pouco mais sobre esta função, através dos exemplos apresentados a seguir:

— Exemplo 1 – Equação de 2º Grau — Substituindo a letra x pelo número 4 —Select ‘x² – 10x + 24 = 0’ As ‘Antes’
Go

Select Translate(‘x² – 10x + 24 = 0’, ‘x’, ‘4’) As ‘Depois’
Go

Após a execução do Exemplo 1, você deverá obter um resultado similar conforme apresenta a Figura 3 abaixo:


Figura 3 – Uso da função Translate aplicada em uma equação de segundo grau.

— Exemplo 2 – Método de Bhaskara – Substituindo as letras A e C pelos valores 1 e 8 informados respectivamente com grupos de valores em cada argumento —
Select N’∆ = b² – 4 * a * c’ As ‘Antes’

Go

Select Translate(N’∆ = b² – 4 * a * c’ , ‘ac’, ’18’) As ‘Depois’
Go

Após a execução do Exemplo 2, você deverá obter um resultado similar conforme apresenta a Figura 4 abaixo:


Figura 4 – Uso da função Translate aplicada ao método de bhaskara.

Observação: Note que nos dois exemplos apresentados anteriormente argumento ou parâmetro obrigatório que deve ser especificado na função Translate corresponde ao valores ou sentença string, o qual será utilizada como elemento base para “tradução” e apresentação do novo conjunto de valores ou sentença após sua execução. 

Muito bem, desta forma, chegamos ao final de mais uma post da sessão Para que Serve….


Referências

https://technet.microsoft.com/pt-br/library/ms186862(v=sql.110).aspx

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/functions/concat-ws-transact-sql

https://docs.microsoft.com/pt-br/sql/t-sql/functions/translate-transact-sql

https://docs.microsoft.com/pt-br/sql/t-sql/functions/string-functions-transact-sql

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/10/01/16-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/28/15-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/30/14-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/25/13-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

Conclusão

Como sempre a Microsoft e toda sua equipe nos surpreende com sua capacidade de trabalho, fortalecendo cada vez mais o Microsoft SQL Server não somente com um SGBD ou ferramenta de banco de dados, mas sim um ambiente completo para qualquer tipo de análise, desenvolvimento e administração que esteja relacionada com dados.

Destacando as novas funções apresentadas neste post Concat_WS e Translate, atividades como concatenação de dados que já havia se tornada mais fácil a partir da versão 2o12, agora se tornou algum praticamente irrelevante no que diz respeito a complexidade.

Sem se esquecer da função Translate que através de um simples argumento nos permite “realizar uma possível tradução de caracteres” muito similar a antiga e útil função Replace, mas que trabalha de uma forma mais ágil independente da posição do caracter dentro do conjunto de valores apresentados.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, eita produto bão so……

Agradecimentos

Chegou a hora do descanso, se preparar para um novo dia que daqui a pouco estará raiando, espero que você possa fazer o mesmo, aproveitar o seu dia ainda mais, tentar viver um pouco sem se preocupar com os problemas.

Mais uma vez obrigado por sua ilustre visita, sinto-me honrado com sua presença, espero que este conteúdo possa lhe ajudar e ser útil em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Um forte abraço, até o próximo post da sessão Para que serve…..

Valeu.

 

 

Anúncios

Material de Apoio – Agosto 2017


Boa tarde pessoal!

Salve, salve amantes de banco de dados, Tudo bem?

Este é mais um post da sessão Material de Apoio, sendo o terceiro no decorrer de 2017 e de número 153 no total desta sessão.

Já passamos da metade de 2017, que loucura isso, como a rotina do dia a dia não nos deixa perceber o quanto o tempo na para de correr. Falando justamente da correria da nossas vida, a relação de arquivos compartilhadas neste post poderá justamente lhe ajudar a economizar muito do seu tempo.

O post de hoje

Para aqueles que já acompanham o meu blog a um certo tempo, os posts dedicados a sessão Material de Apoio, possuem o objetivo de compartilhar o conhecimento de recursos, funcionalidades e procedimentos que podemos realizar no Microsoft SQL Server.

Hoje não será diferente, estou trazendo alguns dos mais recentes scripts  catalogados nos últimos meses, que atualmente estão compondo a minha galeria de códigos formada ao longo dos anos de trabalho como DBA, e hoje principalmente como Professor de Banco de Dados.

Neste post você vai encontrar arquivos relacionados com os seguintes temas:

  • Cláusula Values;
  • Comando Distinct;
  • Comando Select;
  • Comando Top;
  • CTE Recursiva para geração de sequência de datas;
  • CTE Recursiva para geração de sequência numérica de CEPs;
  • Extended Events;
  • Função Format;
  • Função PARSE;
  • Funções de Ranking – Row_Number;
  • Monitoramento de senhas;
  • Operador Cross Apply;
  • Operador Outer Appy;
  • Recursos bloqueados;
  • SPDIDs de Conexões;
  • SPIDs de usuários; e
  • User Defined Function para cálculo de anos em colunas computadas.

Tenho a certeza que este conteúdo poderá lhe ajudar muito em seus atividades profissionais e acadêmicas, fique a vontade para copiar, editar, compartilhar e distribuir estes arquivos com seus contatos.

Material de Apoio

A seguir apresento a relação de scripts selecionados:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por questões de compatibilidade com a plataforma WordPress.com, todos os arquivos estão renomeados com a extensão .doc ao final do seu respectivo nome, sendo assim, após o download torna-se necessário remover esta extensão, mantendo somente a extensão padrão .sql.

Nota: Todos os arquivos disponibilizados foram obtidos ou criados com autorização de seus autores, sendo estes, passíveis de direitos autorais.

Links

Caso você queira acessar os posts anteriores da sessão, não perca tempo utilize os links listados abaixo:

Agradecimento

Quero agradecer imensamente a sua visita, espero lhe encontrar muitas vezes no decorrer deste ano em meu blog.

Não deixe de acessar os outros posts das demais sessões, e o próximo post desta sessão será publicado no mês de Novembro, até lá continue curtindo sua vida e compartilhando suas experiência.

Um forte abraço.

Short Script – Junho – 2015


Bom dia, Comunidade! Hello Everybody!!!

Estamos começando mais um mês e como diz alguns dos cronistas esportivos durante suas transmissões “O tempo passa….”, realmente passa e temos que procurar aproveitar.

Como já destaquei anteriormente procure diariamente estudar e conhecer cada vez mais sobre o mundo de Banco de Dados, Carreira de DBA, SQL Server e outros elementos que se relacionam com a minha função de Administrador de Banco de Dados, que exerço a muito tempo. Na verdade faço isso por que gosto e principalmente para me manter atualizado neste concorrido mercado de trabalho, seja ele profissional ou acadêmico, neste sentido em muitos momentos algumas informações, dicas, truques e até mesmo códigos de exemplo acabam fazendo parte da minha “Biblioteca de Scripts” que venho nos últimos anos compartilhando com todos vocês.

Seguindo esta escrita e mantendo a tradição, como de costume todo inicio ou final de mês estou compartilhando com vocês novos Shorts Scripts ou Materiais de Apoio, e hoje não será diferente.

Neste Short Script, você vai encontrar pequenos blocos de código ou exemplos relacionados aos seguintes itens:

  • Criação de Jobs e Steps por linha de comando utilizando a opção @subsytem;
  • Criação de função para manipulação de String;
  • Criação de uma User Function Scalar para trabalhar com a Tabela Price;
  • Simulando um Select “*” que não retorna todas as colunas;
  • Trabalhando com XML em conjunto com SP_XML_PrepareDocument;
  • Utilizando a função Count_Big em conjunto com Funções de Agregação;
  • Utilizando o comando Intersect com valores Char e Int; e
  • Utilizando Sparse Columns e Sparse Columns Sets.

Fique a vontade para copiar e compartilhar os Short Scripts apresentados abaixo:

 

— Short Script 1 – Criando Job para substituir o uso do XP_CMDShell –

Create PROCEDURE dbo.usp_ExecCmdShellProcess

AS

BEGIN

DECLARE @job NVARCHAR(100), @BulkCMD Varchar(1000)

SET @job = ‘xp_cmdshell replacement’+Convert(Varchar(10),GetDate()) ;

 

SET @BulkCMD = ‘BULK INSERT ListFiles FROM ‘+”’C:\TEMP\LISTFILES.TXT” ‘+

‘WITH (FIELDTERMINATOR = ”;”, ROWTERMINATOR = ”’+ CHAR(10) +”’, CODEPAGE = ”ACP”)’

 

EXEC msdb..sp_add_job @job_name = @job,

@description = ‘Automated job to execute command shell script’,

@owner_login_name = ‘pedro’, @delete_level = 1 ;

 

EXEC msdb..sp_add_jobstep @job_name = @job, @step_id = 1,

@step_name = ‘Command Shell Execution’, @subsystem = ‘CMDEXEC’,

@command =’dir /b > C:\TEMP\LISTFILES.TXT’, @on_success_action = 1;

 

EXEC msdb..sp_add_jobserver @job_name = @job ;

 

EXEC msdb..sp_start_job @job_name = @job ;

 

Exec(@Bulkcmd)

 

END ;

GO

 

— Short Script 2 – Criando User Function para cortar Strings em partes —

CREATE FUNCTION fncCortaString(@txt VARCHAR(50), @txt_ini VARCHAR(50), @txt_fim VARCHAR(50))

RETURNS VARCHAR(50)

BEGIN

RETURN

(

SUBSTRING(@txt, CHARINDEX(@txt_ini, @txt) + LEN(@txt_ini), (CHARINDEX(@txt_fim, @txt) – CHARINDEX(@txt_ini, @txt)) – LEN(@txt_ini))

)

END

 

Select dbo.fncCortaString(‘SQL Server’, ‘SQL ‘, ‘ver’)

 

— Short Script 3 – Utilizando a função Count_Big para criar índice único em view com função de agregação —

Create Table MySampleTable

(Id1 Int,

Id2 Int,

SomeData Varchar(100))

 

Create View SampleView

With SchemaBinding

As

Select COUNT(*) TableCount,

Id2

From dbo.MySampleTable

Group By Id2

 

— Erro ao criar —

Create Unique Clustered Index [IX_ViewSample]

On [dbo].[SampleView]

(Id2 Asc)

Go

 

— Alterando o tipo de contagem de dados —

Create View SampleView

With SchemaBinding

As

Select COUNT_BIG(*) TableCount,

Id2

From dbo.MySampleTable

Group By Id2

 

— Criando o Índice —

Create Unique Clustered Index [IX_ViewSample]

On [dbo].[SampleView]

(Id2 Asc)

Go

 

— Short Script 4 – Utilizando o comando Intersect com valores Char e Int —

Create Table #A (x Char(2));

 

Insert Into #A Values (‘1’);

Insert Into #A Values (‘6’);

Insert Into #A Values (‘2’);

Insert Into #A Values (‘3’);

Insert Into #A Values (‘5’);

Insert Into #A Values (‘5’);

Insert Into #A Values (‘6’);

Insert Into #A Values (‘9’);

Go

 

Create Table #B (M BigInt);

 

Insert Into #B Values(5);

Insert Into #B Values(5);

Insert Into #B Values(6);

Insert Into #B Values(7);

Insert Into #B Values(7);

Go

 

SELECT x AS ‘Select #1’ FROM #A

INTERSECT SELECT M FROM #B;

 

— (Select #2)

SELECT DISTINCT(x) AS ‘Select #2’

FROM #A

LEFT OUTER JOIN #B

ON #A.x = #B.M

 

— (Select #3)

SELECT DISTINCT(x) AS ‘Select #3’

FROM #A

LEFT OUTER JOIN #B

ON #A.x = #B.M

 

— (Select #4)

SELECT DISTINCT(x) AS ‘Select #4’

FROM #A

INNER JOIN #B

ON #A.x = #B.M

 

— (Select #5)

SELECT x AS ‘Select #5’

FROM #A

INNER JOIN #B

ON #A.x = #B.M

 

— Short Script 5 – Criando User Function com base na Tabela Price —

CREATE FUNCTION CalcPrest (@C money, @i numeric(9,5), @n int)

returns table as return

SELECT Cast(@C *

(Power((1 + (@i / 100)), @n) * (@i / 100)) /

(Power((1 + (@i / 100)), @n) -1)

as money) as Prestação;

go

 

— Short Script 6 – Select “*” não retornando todas as colunas de uma tabela —

— Exemplo 1 —

DROP TABLE #temp;

 

CREATE TABLE #temp (

RowID INT IDENTITY PRIMARY KEY CLUSTERED,

Name VARCHAR(25),

Column1 INT SPARSE,

Column2 INT SPARSE,

Column3 INT SPARSE,

Column4 INT SPARSE,

ColumnSet XML COLUMN_SET FOR ALL_SPARSE_COLUMNS);

 

INSERT INTO #temp (Name, Column1) VALUES (‘Row1’, 1);

INSERT INTO #temp (Name, Column1, Column2) VALUES (‘Row2’, 2, 2);

INSERT INTO #temp (Name, Column1, Column2, Column3) VALUES (‘Row3’, 3, 3, 3);

INSERT INTO #temp (Name, Column1, Column2, Column3, Column4) VALUES (‘Row4’, 4, 4, 4, 4);

INSERT INTO #temp (Name, Column1, Column3) VALUES (‘Row5’, 5, 5);

INSERT INTO #temp (Name, Column3, Column4) VALUES (‘Row6’, 6, 6);

 

SELECT * FROM #temp;

— Exemplo 2 —

DROP TABLE #temp;

 

CREATE TABLE #temp (

RowID INT IDENTITY PRIMARY KEY CLUSTERED,

Name VARCHAR(25),

Column1 INT SPARSE,

Column2 INT SPARSE,

Column3 INT SPARSE,

Column4 INT SPARSE);

 

INSERT INTO #temp (Name, Column1) VALUES (‘Row1’, 1);

INSERT INTO #temp (Name, Column1, Column2) VALUES (‘Row2’, 2, 2);

INSERT INTO #temp (Name, Column1, Column2, Column3) VALUES (‘Row3’, 3, 3, 3);

INSERT INTO #temp (Name, Column1, Column2, Column3, Column4) VALUES (‘Row4’, 4, 4, 4, 4);

INSERT INTO #temp (Name, Column1, Column3) VALUES (‘Row5’, 5, 5);

INSERT INTO #temp (Name, Column3, Column4) VALUES (‘Row6’, 6, 6);

 

SELECT * FROM #temp;

 

— Short Script 7 – Trabalhando com XML em conjunto com SP_XML_PrepareDocument –

Declare @Table As Table (SINo Int, Name Varchar(500), Salary Money)

Declare @XMLIntLog As XML

Declare @IDoc Int

 

Set @XMLIntLog = Null

Insert Into @Table Values(1,’SES’,10000)

Insert Into @Table Values(2,’SRS’,40000)

Insert Into @Table Values(3,’SS’,50000)

Set @XMLIntLog = (Select SINo, Name, Salary from @Table Tab For XML Auto, Root(‘Root’), elements)

 

Exec sp_xml_preparedocument @IDoc Output, @XMLIntLog

 

Select SINo, Name, Salary from OpenXML(@iDoc, ‘/Root/Tab’,7)

With(SINo Int, Name Varchar(500), Salary Money)

 

Exec sp_xml_removedocument @IDoc

 

— Short Script 8 – Utilizando Sparse Columns e Sparse Columns Sets —

CREATE TABLE dbo.Table1 (

RowID INTEGER IDENTITY PRIMARY KEY CLUSTERED,

DateTimeStamp DATETIME DEFAULT GETDATE(),

Col1 INTEGER SPARSE,

Col2 INTEGER SPARSE,

Col3 INTEGER SPARSE,

TblColumnSet XML COLUMN_SET FOR ALL_SPARSE_COLUMNS);

 

INSERT INTO dbo.Table1 (Col1) VALUES (1), (2);

INSERT INTO dbo.Table1 (Col2) VALUES (3), (4);

INSERT INTO dbo.Table1 (Col3) VALUES (5), (6);

INSERT INTO dbo.Table1 (TblColumnSet) VALUES (‘<Col1>1</Col1><Col2>2</Col2><Col3>3</Col3>’);

 

SELECT RowID, DateTimeStamp, Col1, Col2, Col3, TblColumnSet

FROM dbo.Table1;

 

Agradeço a sua visita, espero que este material posso te ajudar, qualquer dúvida, sugestão ou crítica post o seu comentário.

Até mais.

Pesquisando o mesmo registro em diversas tabelas no SQL Server 2008, R2 e 2012.

Dica – Pesquisando o mesmo registro em diversas tabelas no SQL Server 2008, R2 e 2012.


Pessoal, bom dia.

Gostaria de lançar uma pergunta para vocês.

Quem nunca teve a necessidade de pesquisar a mesa informação em mais de uma tabela no Banco de Dados, mais especificamente no Microsoft SQL Server?

Pois bem, é justamente a resposta para este questionamento que é um dos mais comuns nos fóruns, listas de usuários e até mesmo dentro da sua empresa, que esta dica pretende responder.

Como todos sabem, um simples Banco de Dados é organizado logicamente por uma estrutura de armazenamento de dados chamada Tabela. Este estrutura é dividida de forma lógica e física em pequenas áreas de armazenamento chamadas colunas.

Seguindo este conceito, podemos imaginar a dificuldade para qualquer Administrador de Banco de Dados, Analista de Sistemas, Desenvolvedor ou qualquer outro profissional da área de TI, BI ou Tomada de Decisão tem a dificuldade para se encontrar o mesmo dado espalhado por estas estruturas de armazenamento.

Com base nesta necessidade, e também respondendo a diversos questionamentos que venho sempre recebendo em meus e-mails, posts que respondo diariamente nos Fóruns MSDN. Como não sempre, sabemos por onde começar pesquisei um pouco de informações na Internet e acredito ter consegui desenvolver uma possível solução ou ideia de solução para este cenário.

A possível solução:

Conforme destaquei anteriormente, desenvolvi uma possível solução para este cenário, denominada “Mecanismo de Pesquisa de Dados em Objetos”. O código utilizado por esta funcionalidade esta dividido em sete partes para facilitar o entendimento e criação deste mecanismo de pesquisa.

Parte 1 – Considerada o ponto inicial da criação do Mecanismo, bastante simples e de fácil compreensão. Trata-se da Criação das Tabelas que serão utilizadas como repositório para os dados.

— Parte 1: Verificando a existência das Tabelas —

If Exists(Select Object_Id(‘Tabela1’))

 Begin

  Drop Table Tabela1

 

  CREATE TABLE Tabela1

   (Coluna1 INT,

    Coluna2 INT,

    Coluna3 INT)

 End

 Else

  Begin

   CREATE TABLE Tabela1

    (Coluna1 INT,

     Coluna2 INT,

     Coluna3 INT)

  End 

 

If Exists(Select Object_Id(‘Tabela2’))

 Begin

  Drop Table Tabela2

 

  CREATE TABLE Tabela2

   (Coluna1 INT,

    Coluna2 INT,

    Coluna3 INT)

 End

 Else

  Begin

   CREATE TABLE Tabela2

    (Coluna1 INT,

     Coluna2 INT,

     Coluna3 INT)

  End  

 

If Exists(Select Object_Id(‘Tabela3’))

 Begin

  Drop Table Tabela3

 

  CREATE TABLE Tabela3

   (Coluna1 INT,

    Coluna2 INT,

    Coluna3 INT)

 End

  Else

  Begin

   CREATE TABLE Tabela3

    (Coluna1 INT,

     Coluna2 INT,

     Coluna3 INT)

  End

Parte 2 – Responsável pela população de dados, para tabelas criadas anteriormente:

— Parte 2: Inserindo os registros —

INSERT INTO Tabela1 VALUES (1, 2, 3)

INSERT INTO Tabela1 VALUES (0, 7, 9)

INSERT INTO Tabela1 VALUES (3, 4, 2)

 

INSERT INTO Tabela2 VALUES (2, 2, 2)

INSERT INTO Tabela2 VALUES (3, 9, 5)

INSERT INTO Tabela2 VALUES (1, 6, 8)

 

INSERT INTO Tabela3 VALUES (4, 0, 7)

INSERT INTO Tabela3 VALUES (6, 5, 1)

INSERT INTO Tabela3 VALUES (4, 7, 9)

Parte 3 – Relaciona-se a declaração de variáveis, utilizadas como parâmetros de entrada de valores como forma de inteligência para o Mecanismo de Pesquisa de dados. Mas não é somente isso que esta parte do código faz, existe um ponto importante relacionado à variável @ValordePesquisa, esta variável é o elemento definido na estrutura do código responsável em receber o valor que será pesquisado.

— Parte 3: Declarando as variáveis —

DECLARE @Comando VARCHAR(1000),

                @ComandoTransact VARCHAR(100),

                @ValordePesquisa INT,

                @TABLE_NAME VARCHAR(20),

                @Coluna_NAME VARCHAR(20)

 

Set @Comando = ”

Set @TABLE_NAME = ”

Set @Coluna_NAME = ”

 

Set @ComandoTransact = ‘SELECT ”?”, ”^”, COUNT(*) AS TOTAL FROM ? WHERE ^ = @ UNION ALL’ + CHAR(10)

 

Set @ValordePesquisa = 3 — Informe o valor a ser pesquisado dentro do Mecanismo.

Parte 4 –  Começamos a montar a estrutura responsável em pesquisar dos dados, com base, nas tabelas e colunas existentes em nosso ambiente. Fazemos a declaração de uma variável do tipo Cursor. Sendo este cursor, declarado com a opção Fast_forward, habilitando os otimizadores de desempenho existentes no SQL Server, visando otimizar a pesquisa de dados e também o armazenamento dos mesmos nas variáveis vinculadas ao Cursor.

— Parte 4: Declarando o CursordePesquisa para retornar o nome da tabela e nome da Coluna —

DECLARE CursordePesquisa CURSOR FAST_FORWARD

FOR SELECT TABLE_NAME,

COLUMN_NAME

FROM INFORMATION_SCHEMA.COLUMNS

 

— Abrindo o CursordePesquisa —

OPEN CursordePesquisa FETCH NEXT FROM CursordePesquisa

INTO @TABLE_NAME, @Coluna_NAME

Parte 5 – Iniciamos o bloco condicional While, elemento importante no nosso ambiente, responsável em montar a estrutura de execução do Select armazenado na variável @Comando, fazendo um busca do nome das tabelas e suas respectivas colunas através das variáveis @TableName e @ColunaName, vinculadas ao CursordePesquisa, contendo os valores encontrados na execução de cada registro encontrado pelo Cursor.

— Parte 5: Iniciando o bloco condicional While —

WHILE @@FETCH_STATUS = 0

 BEGIN

  SET @Comando = @Comando + REPLACE(REPLACE(REPLACE(@ComandoTransact,’?’,@TABLE_NAME),’^’,@Coluna_NAME),’@’,@ValordePesquisa)

  FETCH NEXT FROM CursordePesquisa

  INTO @TABLE_NAME, @Coluna_NAME

 END

Parte 6 – Pode ser considerada uma das mais importantes para o funcionamento do Mecanismo de pesquisa. Ela tem como finalidade realizar a concatenação e União dos Selects conforme os mesmos vão sendo montados durante a execução do CursordePesquisa e do Bloco Condicional While.

— Parte 6: Realizando a Concatenação e União dos Selects —

SET @Comando = LEFT(@Comando,LEN(@Comando)-LEN(‘UNIONALL’)-2)

Parte 7 – Consiste na parte final do código, responsável em criar a Tabela Temporária #Resultados, utilizada para armazenar o resultado dos dados encontrados pelo CursordePesquisa. Nas parte do código, realizamos a inserção dos dados nesta tabela temporário através do comando Insert tendo como parâmetro para entrada de valores o comando Exec (@comando), fazendo a execução da variável @Comando, contendo em sua estrutura as Partes 4, 5 e 6 do Mecanismo de Pesquisa dos Dados.

— Parte 7: Criando a Tabela Temporária para armazenar os Resultados —

CREATE TABLE #Resultados

 (NomeTabela Varchar(20),

  NomeColuna VARCHAR(20),

  TotaldeRegistros INT)

 

— Inserindo os dados na tabela Resultados com base na execução do @Comando —

INSERT INTO #Resultados

Exec (@Comando)

 

— Encerrando o Cursor —

CLOSE CursordePesquisa

DEALLOCATE CursordePesquisa

 

— Apresentando os dados —

SELECT * FROM #Resultados

 

— Excluíndo a Tabela Temporária Resultados —

DROP TABLE #Resultados

A final da execução do nosso Mecanismo de Pesquisa de Dados em Objetos, temos o resultado apresentado na Figura 1:

Figura 1 – Resultado da pesquisa de dados, com base no valor informado na variável @ValordePesquisa.

Bom galera, é isso, chegamos ao final de mais dica, acredito que através deste código, muitos questionamentos, dúvidas e até mesmo dificuldades foram respondidas.

Espero que todos tenham gostado.

Nos encontramos em breve.

Até mais.