Programa Microsoft para Startups


A Microsoft realizou ontem dia 14/02 o anúncio do programa Microsoft para Startups, que oferece acesso a negócios, tecnologia e benefícios da comunidade e que ajuda as empresas iniciantes a expandir sua base de clientes e a receita, construir uma plataforma confiável que cresça com elas e conectar-se à sua comunidade e clientes.

A empresa alocará US$ 500 milhões nos próximos dois anos para oferecer opções de covenda para startups, além do acesso à tecnologia da Microsoft e novos espaços comunitários que promovam a colaboração dentro dos ecossistemas locais. Startups são um motor de inovação indiscutível, e a Microsoft está em parceria com fundadores e investidores para ajudar a acelerar seu crescimento. Este novo programa foi projetado para ajudar as startups em ações relacionadas á:

Vender para novos clientes, setores e mercados
O programa Microsoft para Startups possui uma abordagem única que liga startups a clientes. A Microsoft possui mais de 30.000 representantes de vendas e 800.000 parceiros cujo objetivo é impulsionar a adoção de soluções de nuvem da Microsoft em empresas de todos os tamanhos e setores em todo o mundo. O programa fornece recursos que preparam suas equipes de marketing e vendas para atender aos padrões dos clientes corporativos e, em seguida, permitir que eles vendam para essas organizações em parceria com a vasta organização de vendas da Microsoft e o ecossistema parceiro.

 

Microsoft anuncia o programa Microsoft para Startups

Inovar rapidamente com o acesso a ferramentas confiáveis ​​de tecnologia, suporte e desenvolvimento
O programa oferece às startups até US$ 120 mil em créditos gratuitos de Azure, suporte técnico de nível empresarial e ferramentas de desenvolvimento para ajudá-los a criar soluções inovadoras na nuvem utilizada ​​por 90% das empresas do ranking Fortune 500.

Acessar os recursos certos no momento certo
O Microsoft para Startups ajuda empresas iniciantes em todas as etapas em ecossistemas de todo o mundo:

Microsoft Reactors são espaços físicos onde empresários, desenvolvedores, investidores e a comunidade empresarial podem se unir para interagir, aprender e compartilhar. Durante o próximo mês, abriremos as portas nos novos espaços Microsoft Reactor em Londres, Sydney, Tel Aviv, Berlim, Xangai e Pequim. Esses espaços somam-se a nossos locais existentes em Redmond, Seattle, San Francisco e Nova York.

– Acesso ao Microsoft ScaleUp (antigo Microsoft Accelerators), ajudando as startups de série A e posterior a se ajustar ao mercado de produtos, aprimorar suas infraestruturas e construir seus negócios usando os serviços Azure e Microsoft Dynamics.

– Conexões com a Microsoft Ventures, equipe estratégica de investimento em capital de risco da Microsoft, cuja missão é ser um parceiro ativo em estágios-chave do crescimento de uma empresa, normalmente investindo entre as séries A e D.

As startups nos inspiram a ir além do possível e construir produtos que melhoram nossas vidas pessoais e profissionais. A Microsoft está animada para se associar a startups para capacitar cada pessoa e organização no planeta.

Para maiores informações acesse: startups.microsoft.com.

Fontes e Direitos Autorais: https://startups.microsoft.com/en-us/ – 14/02/2018.

Anúncios

Material de Apoio – Fevereiro 2018


Boa tarde.

Tudo bem? E ai esta curtindo o carnaval?

Espero que sim, eu estou aqui mais uma vez procurando colaborar e compartilhar com a comunidade técnica em mais um post dedicado exclusivamente ao meu blog. Fico feliz em encontrar você aqui fazendo mais uma visita ao meu blog, neste feriado, espero que tenha gostado do conteúdo aqui encontrado.

O post de hoje

 

Seja bem-vindo a mais um post da sessão Material de Apoio, sendo o primeiro do ano de 2018 e de número 155 no total desta sessão.

Para aqueles que já acompanham o meu blog a um certo tempo, os posts dedicados a sessão Material de Apoio, possuem o objetivo de compartilhar o conhecimento de recursos, funcionalidades e procedimentos que podemos realizar no Microsoft SQL Server.

Hoje não será diferente, estou trazendo alguns dos mais recentes scripts  catalogados nos últimos meses, que atualmente estão compondo a minha galeria de códigos formada ao longo dos anos de trabalho como DBA e atualmente como Professor de Banco de Dados.

Neste post você vai encontrar arquivos relacionados com os seguintes temas:

  • Armazenamento de arquivos;
  • Cláusula Values;
  • Comando Select;
    Comando Top;
  • Endereço de e-mails;
  • Excel;
  • Grant All Permissions;
  • Impactos na Ordenação de dados;
  • Índices;
  • Ordenação de Colunas;
  • Passwords;
  • Performance;
  • Random Character;
  • Tabelas;
  • User Defined Function; e
  • Validação de dados.

Espero que este conteúdo possa lhe ajudar em seus atividades profissionais e acadêmicas. Por questões de compatibilidade com a plataforma WordPress.com, todos os arquivos estão renomeados com a extensão .doc ao final do seu respectivo nome, sendo assim, após o download torna-se necessário remover esta extensão, mantendo somente a extensão padrão .sql.

Material de Apoio

A seguir apresento a relação de arquivos  selecionados:

1 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Realizando a validação de endereços de e-mail.sql

2 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Impacto na Ordenação de Colunas em Índice – Comandos DML.sql

3 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Generating A Password in SQL Server with T-SQL from Random Characters.sql

4 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Simple SQL Server Function to Generate Random 8 Character Password.sql

5 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Comando Select em conjunto com comando Top e cláusula Values.sql

6 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Atribuindo Grant All para todas as tabelas.sql

7 – Material de Apoio – Fevereiro 2018 – Como armazenar arquivos do Excel diretamente no SQL Server.sql

Fique a vontade para copiar, editar, compartilhar e distribuir estes arquivos com seus contatos, aproveite se possível deixe seu comentário, críticas, sugestões e observações.

Nota: Todos os arquivos disponibilizados foram obtidos ou criados com autorização de seus autores, sendo estes, passíveis de direitos autorais.

Links

Caso você queira acessar os posts anteriores da sessão, não perca tempo utilize os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/11/04/material-de-apoio-novembro-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/08/08/material-de-apoio-agosto-2017/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/09/material-de-apoio-maio-2017/

Agradecimento

Quero agradecer imensamente a sua visita, ainda mais hoje neste feriadão prolongado de carnaval.

Não deixe de acessar os outros posts das demais sessões, o próximo post desta sessão será publicado no mês de abril, até lá continue curtindo sua vida e compartilhando suas experiência.

Até a próxima, sucesso….

Novo System Center Management Pack v7.0.2.0 para SQL Server


A Microsoft anunciou no último dia 05 de fevereiro no blog SQL Server Release Services a disponibilidade do System Center Management Pack v7.0.2.0 para as versões do SQL Server 2016, 2014, 2012 e 2008.

O Management Pack possibilita a descoberta e monitoramento de bancos de dados, agentes do SQL Server e outros componentes relacionados usando o System Center Operations Manager. De acordo com o anúncio da Microsoft, a versão 7.0.2.0 traz correções para múltiplos bugs. Um deles faz com que scripts de monitoramento falhem com o erro “No coercion operator is defined…”.

System Center Management Pack v7.0.2.0 para SQL Server

Faça o download do System Center Management Pack v7.0.2.0 para SQL Server

Download para SQL Server 2016
Download para SQL Server 2014
Download para SQL Server 2008 e 2012
Download para SQL Server Dashboards

Mais detalhes e a lista com os bugs corrigidos estão disponíveis no post com o anúncio da Microsoft.

Fontes e Direitos Autorais:  – 05/02/2018.

Microsoft Virtual Academy – Novo treinamento sobre noções básicas do Windows Server 2016


Nos últimos dias a Microsoft adicionou a sua biblioteca de cursos on-line disponibilizados no Microsoft Virtual Academy, um novo curso dedicado exclusivamente ao Windows Server 2016, trata-se do curso de Noções Básicas, focado em profissionais, estudantes e entusiastas que querem conhecer um pouco mais sobre o sistema operacional da Microsoft utilizado em servidores.

A Microsoft Virtual Academy (ou MVA) oferece treinamento online da Microsoft realizado por especialistas para ajudar os tecnólogos a aprender constantemente, com centenas de cursos em múltiplos idiomas. A MVA é gratuita e o serviço inteiro é hospedado no Microsoft Azure. Além dos treinamentos, ela também oferece para download diversos ebooks gratuitos.

O treinamento é dividido em seis módulos que apresentam a versão 2016 do Windows Server, que foi lançada em setembro de 2016 durante a conferência Ignite e disponibilizada oficialmente em outubro do mesmo ano.

O Treinamento

O primeiro módulo centra-se na instalação do novo sistema operacional e na comparação da funcionalidade de diferentes versões.

No segundo módulo, são apresentadas as novas funções na área de identidade. O terceiro módulo apresenta os novos recursos da rede.

O módulo 4 fornece uma visão geral dos novos recursos e melhorias na memória. No quinto módulo, são apresentadas as novas funções no campo da virtualização. Após uma pequena introdução ao Hyper-V, também é mostrado como criar e configurar máquinas virtuais.

No último módulo, a Microsoft aborda os contêineres que fornecem uma extensão da virtualização.

Treinamento gratuito: Noções básicas sobre o Windows Server 2016
O treinamento é dividido em seis módulos que apresentam a versão 2016 do Windows Server, que foi lançada em setembro de 2016 durante a conferência Ignite e disponibilizada oficialmente em outubro do mesmo ano

Módulos do treinamento gratuito Noções básicas sobre o Windows Server 2016:

01 | Introdução ao Windows Server 2016
O primeiro módulo se concentra na instalação do novo sistema operacional e na comparação da funcionalidade de diferentes versões.

02 | Serviços de diretório do Windows Server 2016
No segundo módulo, são apresentadas as novas funções no campo da identidade.

03 | Serviços de rede no Windows Server 2016
No terceiro módulo você receberá uma introdução às novas funções na rede.

04 | Soluções de armazenamento do Windows Server 2016
Este módulo fornece uma visão geral dos novos recursos e melhorias de memória.

05 | Virtualização do Windows Server 2016
No quinto módulo são apresentadas as novas funções no campo da virtualização.

06 | Windows Server 2016 Container Basics
O último módulo tem como foco os contêineres.

Para maiores informações e acesso ao treinamento clique aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – 05/02/2018.

Microsoft disponibiliza atualização cumulativa 9 para SQL Server 2014 SP2


A Microsoft disponibilizou para download nesta semana a Atualização Cumulativa 9 para SQL Server 2014 SP2. Esta atualização contém correções para os problemas que foram descobertos depois do lançamento do SQL Server 2014 SP2.

O SP2 foi lançado pela Microsoft em julho de 2016.

Atualização Cumulativa 9 para SQL Server 2014 SP2

De acordo com o artigo KB4055557 publicado no site de suporte da Microsoft, a Atualização Cumulativa 9 altera o build para 12.0.5563.0 e traz correções para múltiplos bugs.

Entre os bugs corrigidos estão que faz com que o DBCC CHECKDB retorne erros de consistência se a função SOUNDEX é usada em certos cenários e um que gera o erro “Invalid comparison due to NO COLLATION”.

A lista completa com todos os bugs corrigidos por esta atualização cumulativa pode ser vista no link acima.

A Atualização Cumulativa 9 para SQL Server 2014 SP2 está disponível para download aqui em múltiplos idiomas para plataformas 32 e 64 bits.

Atualização Cumulativa 9 para SQL Server 2014 SP2
De acordo com o artigo KB4055557 publicado no site de suporte da Microsoft, a Atualização Cumulativa 9 altera o build para 12.0.5563.0 e traz correções para múltiplos bugs

Correcções incluídas neste pacote de atualizações cumulativas


Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – 19/12/2017 –https://support.microsoft.com/pt-br/help/4055557/cumulative-update-9-for-sql-server-2014-sp2

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2017 CTP 2.1


A Microsoft anunciou nesta semana em seu blog a disponibilidade no TechNet Evaluation Center do SQL Server 2017 CTP 2.1, a versão de testes pública mais recente do novo SQL Server.

Performance inigualável
Faça consultas até 100 vezes mais rápido do que o disco com columnstore in-memory e transações até 30 vezes mais rápido com OLTP in-memory.

Menos vulnerável
Melhore a segurança com criptografia em repouso e em movimento. O SQL Server é o banco de dados menos vulnerável nos últimos sete anos no banco de dados de vulnerabilidades do NIST.

Inteligência em tempo real
Obtenha insights transformadores com até 1 milhão de previsões por segundo usando o Python interno e a integração da linguagem R e obtenha o BI móvel completo em qualquer plataforma.

Qualquer aplicativo, em qualquer lugar
Crie aplicativos modernos usando quaisquer dados e qualquer linguagem, na infraestrutura local e na nuvem.

Microsoft disponibiliza o SQL Server 2017 CTP 2.1

Faça o download do SQL Server 2017 CTP 2.1

O SQL Server 2017 CTP 2.0 para Windows (64 bits) está disponível para download aqui como uma imagem ISO e como um arquivo CAB nos seguintes idiomas: Inglês, alemão, espanhol, japonês, italiano, francês, russo, chinês simplificado, chinês tradicional, português (Brasil) e coreano.

A lista com as novidades no CTP 2.1 para Windows pode ser vista aqui. As versões para Linux, Docker, Azure e Mac OS estão disponíveis aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – .

#09 – Para que serve


Boa noite pessoal!!! Salve galera….

 

Tudo bem? Como passaram os últimos dias?

Graças a deus continuo forte na minha batalha profissional e acadêmica, como eu sempre falo para meus alunos, a vida é uma roda gigante e não podemos deixar ela parar muito menos perder a chance de curtir e aprender com cada momento.

Seguindo esta onda de oportunidades, estou retornando com mais uma post dedicado a sessão Para que serve, e conforme prometido hoje vamos finalizar o assunto de índices hipotéticos apresentado inicialmente no post: https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/08/06/07-para-que-serve/

Neste post vamos entender como o comando DBCC Autopilot pode influenciar o database engine e seus elementos execution plan e query optimizer na execução de nossas consultas, então vamos nessa galera…..


Começa agora o #09 – Para que serve – Índices Hipotéticos – Final.

 

Conforme apresentado nos posts anteriores o conceito de índices hipotéticos é uma técnica antiga, mas pouco conhecida na área de banco de dados. Para muitos profissionais da área este tipo de recurso acaba sendo algo obscuro e de pouco compreensão, por outro lado outros profissionais destacam como sendo como um recurso que permite simular a existência de um índice de forma lógica. Como em qualquer área profissional ou acadêmica sempre vai existir os dois lados da moeda e cabe a cada um de nós procurar entender, respeitar e conhecer estas opiniões.

Seguindo em frente, vamos dar continuidade em nosso estudo, fazendo uso da estrutura criada anteriormente no post: https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/09/03/08-para-que-serve/

Como você pode ter verificado, criamos o banco de dados HypotheticalDB e dentro dele os seguintes objetos apresentados na Figura 1:

hypotheticaldb-figura1

Figura 1 – Relação de objetos criados no banco de dados HypotheticalDB.

Podemos observar a existência dos três índices hipotéticos criados anteriormente para tabela ClientesCategorias, bem como, o código da tabela ClientesCategorias definido no valor: 597577167. Anote bem este código post nos próximos passos vamos fazer uso do mesmo.

Agora que já relembramos um pouco do que foi feito anteriormente em relação ao nosso ambiente, podemos continuar a fazer uso dos índices hipotéticos em nosso ambiente, onde neste momento vamos fazer com que o Microsoft SQL Server realize o uso deste recurso de forma empírica na execução da nossa query, para tal iremos utilizar o comando DBCC AutoPilot, caso você ainda não conheça ou não se lembre deste comando o mesmo foi apresentada de maneira detalhada no post: https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/08/06/07-para-que-serve/

Então mãos no teclado, chegou a hora de utilizarmos o comando DBCC AutoPilot fazendo uso do bloco de código 1, mas antes de teclar F5, clique no botão “Include Actual Execution Plan” ou tecle Ctrl+M para ativar o mesmo. Para que você possa entender o que será executado neste bloco de código e qual será o resultado apresentado é obrigatório que o plano de execução se encontre ativado.

Agora que você já realizou este procedimento, pode dar continuidade e executar o bloco de código 1 apresentado abaixo:

— Bloco de Código – Utilizando o DBCC AutoPilot forçando o uso do índice clusterizado IND_ClientesCategorias_Clusterizado_CodigoComEstatisticas –

Use HypotheticalDB

Go

 

DBCC AUTOPILOT (5, 5, 0, 0, 0) – Ativando o commando DBCC AutoPilot para iniciar uma nova sessão limpando o buffer de comando executados anteriormente —

 

DBCC AUTOPILOT (6,5,597577167,4) – Utilizando o commando DBCC AutoPilot orientado no uso exclusive de índices clusterizado —

GO

 

SET AUTOPILOT ON — Ativando a diretiva —

Go

 

Select C.Codigo,

Cc.Codigo As ‘Categoria do Cliente’,

C.Nome,

C.Endereco,

C.Estado,

C.DataUltimaCompra

From Clientes C Inner Join ClientesCategorias CC

On C.CodigoCategoria = CC.Codigo

Where C.Estado = ‘SP’

Go

 

SET AUTOPILOT OFF — Desativando a diretiva —

GO

 

Acredito que tudo deva ter ocorrido normalmente e você tenha conseguido realizar a execução do bloco de código 1 apresentado acima, neste momento o Management Studio apresentou em sua guia denominada execution plan o conjunto de operadores similares aos apresentados na Figura 2 a seguir:

hypotheticaldb-figura2

Figura 2 – Resultado da execução do bloco de código 1.

 

Note que o plano de execução nos apresenta dois operados do tipo Clustered Index Seek, respeitando a ordem de execução, temos o segundo operador com o custo de 51% de processamento apontando para o nosso índice clusterizado IND_ClientesCategorias_Clusterizado_CodigoComEstatisticas, neste momento você pode estar se perguntando.

Como o Database Engine em conjunto com o Query Optimizer e Execution Plan identificou a existência deste recurso sendo que o mesmo é algo hipotético, algo que somente existe de forma lógica, a resposta pode ser encontrada justamente na maneira que o comando DBCC AutoPilot foi declarado e posteriormente executado, onde temos o seguinte conjunto de valores passados como parâmetros de entrada:

PARÂMETRO DESCRIÇÃO VALOR DECLARADO
TypeID TypeID = 6: Usar apenas índices clusterizados 6
DbID ID do Banco de Dados 6 – HypotheticalDB
TabID Id da Tabela a ser utilizada 597577167
Indid Id do índice a ser utilizado 4

Foi através deste conjunto de valores apresentado no DBCC AutoPilot e posteriormente reconhecido e interpretados pelo database engine que o Query Optimizer e Execution Plan fizeram uso do nosso índice clusterizado.

Não é algo fantástico, realmente uma capacidade de análise e reconhecimento de recursos fora do comum, realmente o Microsoft SQL Server é um produto acima de qualquer suspeita, um software surpreendente.

Para finalizar vamos agora forçar o uso do nosso índice nonclustered IND_ClientesCategorias_NaoClusterizado_CodigoSemEstatisticas e observar qual será o comportamento e resultado apresentado pelo Management Studio após a execução do bloco de código 2 apresentando na sequência:

— Bloco de Código 2 – Forçando o uso do índice não clusterizado IND_ClientesCategorias_NaoClusterizado_CodigoSemEstatisticas –

DBCC AUTOPILOT (5, 5, 0, 0, 0)

DBCC AUTOPILOT (0,5,597577167,2)

GO

 

SET AUTOPILOT ON — Ativando a diretiva —

Go

 

Select C.Codigo,

Cc.Codigo As ‘Categoria do Cliente’,

C.Nome,

C.Endereco,

C.Estado,

C.DataUltimaCompra

From Clientes C Inner Join ClientesCategorias CC

On C.CodigoCategoria = CC.Codigo

Where C.Estado = ‘SP’

Go

 

SET AUTOPILOT OFF — Desativando a diretiva —

GO

 

Verificando o resultado apresentado na Figura 3 abaixo, tendo como base a guia Execution Plan, podemos notar a presença do operador Index Seek apontando para nosso índice não clusterizado: IND_ClientesCategorias_Clusterizado_CodigoComEstatisticas.

hypotheticaldb-figura3
Figura 3 – Resultado da execução do bloco de código 2.

Analisando com mais calma o resultado apresentado na Figura 3, fica fácil identificar a presença do operador Index Seek como já havia destacado, quando o comando DBCC AutoPilot foi executado com o seguinte conjunto de valores:

PARÂMETRO DESCRIÇÃO VALOR DECLARADO
TypeID TypeID = 0: Usar apenas índices não clusterizados 0
DbID ID do Banco de Dados 6 – HypotheticalDB
TabID Id da Tabela a ser utilizada 597577167
Indid Id do índice a ser utilizado 2

Não é algo surpreendente e simples, esse é o Microsoft SQL Server, mais uma vez dando show, mais uma vez com um grande exibição, monstrando toda sua elegância, simplicidade e capacidade de nos supreender no processamento de transações e apresentação de resultados.

Desta forma, chegamos ao final de mais post da sessão Para que serve!


 

Espero que você tenha gostado, que as informações compartilhadas aqui possam lhe ajudar a se tornar cada vez um profissional de banco de dados reconhecido e valorizado, um dos papéis na área de tecnologia mais importantes para qualquer empresa.

Reconher o verdadeiro papel de um DBA dentro de sua estrutura, é reconhecer o verdadeiro valor de seus dados e como eles podem se tornar uma infomação valiosa para sua tomada de decisão.

Caso deseje acessar os posts anteriores desta sessão, utilize os links listados abaixo:

Mais uma vez obrigado por sua visita, um forte abraço, nos encontramos em breve.

Até mais.