Short Scripts – Março 2019


Olá boa tarde, estamos no mês de março, primeiro trimestre de 2019 esta quase se encerrando.

Seguindo em frente, que alegria poder te encontrar em mais um post da sessão Short Scripts, uma das sessões mais recentes do meu blog que esta alçando a marca de 36 posts publicados trimestralmente.

Mantendo a tradição estou retornando com mais um conjunto de “pequenos” scripts catalogados e armazenados em minha biblioteca pessoal de códigos relacionados ao Microsoft SQL Server e sua fantástica linguagem de desenvolvimento Transact-SQL.

Como promessa é dívida e deve ser cumprida “ou melhor” compartilhada, estou compartilhando a minha feita a alguns meses no final do último post desta sessão, publicando mais um conjunto de scripts adicionados atualmente na minha biblioteca particular de códigos e exemplos.

O post de hoje

Como de costume selecionei os principais scripts armazenados recentemente na minha biblioteca de códigos, que apresentam os seguintes assuntos:

  • Cálculo de Idade;
  • Cláusula Values;
  • Cláusula Where;
  • Comando Create Procedure;
  • Comando Declare;
  • Comando Exec;
  • Comando Group By;
  • Comando Insert;
  • Comando Order By;
  • Comando Pivot;
  • Comando Select;
  • Common Table Expression;
  • Diretiva Set;
  • DMV sys.dm_os_ring_buffers;
  • DMV sys.dm_os_virtual_address_dump;
  • Filegroup;
  • Função Concat();
  • Função DateDiff();
  • Função de Agregação SUM;
  • Função Month();
  • Função Year();
  • Gerenciamento de Memória;
  • Grupo de Arquivos;
  • Inner Joins;
  • Left Joins;
  • Operador Lógico Condicional Case;
  • Operador Lógico Condicional While;
  • Stored Procedure;
  • Variáveis;
  • Variável do Tipo Tabela;
  • Visão;
  • Visão de Sistema sys.all_objects;
  • Visão de Sistema sys.filegroups;
  • Visão de Sistema sys.indexes;
  • Visão de Sistema sys.syslanguages;
  • Visão de Sistema SYSCACHEOBJECTS; e
  • Visão de Sistemas sys.messages.

Chegou a hora, mãos nos teclados, a seguir apresento os códigos e exemplos selecionados para o Short Script – Março 2019. Vale ressaltar que todos os scripts publicados nesta sessão foram devidamente testados, mas isso não significa que você pode fazer uso dos mesmo em seu ambiente de produção, vale sim todo cuidado possível para evitar maiores problemas.

Fique à vontade para compartilhar, comentar e melhorar cada um destes códigos.

Short Scripts

— Short Script 1  – Alterando a sequência numérica com base em uma condição —

— Criando a Tabela Valores —
Create Table Valores
(Contador Int Primary Key Identity(1,1),
CodigoCaracter Char(4),
SequenciaDeControle Int)
Go

 

— Inserindo os registros com CódigoCaracter 0001 —
Insert Into Valores Values (‘0001’,1),(‘0001’,2),(‘0001’,3),(‘0001’,4)
Go

— Inserindo os registros com CódigoCaracter 0002 —
Insert Into Valores Values (‘0002’,5),(‘0002’,6),(‘0002’,7),(‘0002’,8)
Go

— Inserindo os registros com CódigoCaracter 0003 —
Insert Into Valores Values (‘0003’,9),(‘0003’,10)
Go

 

— Consultando os registros inseridos —
Select Contador, CodigoCaracter, SequenciaDeControle from Valores
Go

 

— Declarando um bloco de execução para alterar os registros de acordo com uma condição —
Declare @ContadorRegistros Int,
@ContadorSequenciaDeControle Int,
@ValorColunaCodigoCaracter Char(4)

Set @ContadorRegistros=1
Set @ContadorSequenciaDeControle=1

While @ContadorRegistros <= (Select Count(CodigoCaracter) from Valores)
Begin

Set @ValorColunaCodigoCaracter=(Select CodigoCaracter From Valores Where Contador = @ContadorRegistros)

If (@ValorColunaCodigoCaracter = (Select CodigoCaracter From Valores Where Contador = @ContadorRegistros) And @ContadorRegistros > 1)
Set @ContadorSequenciaDeControle=@ContadorSequenciaDeControle + 1
Else
Set @ContadorSequenciaDeControle=0

Update Valores
Set SequenciaDeControle = @ContadorSequenciaDeControle
Where Contador = @ContadorRegistros

Set @ContadorRegistros += 1

End

 

— Consultando os registros após a alteração —
Select Contador, CodigoCaracter, SequenciaDeControle from Valores
Go

 

— Short Script 2 – Utilizando Extended Events – Ring Buffer através da sessão system_health para obter detalhes sobre conexões abertas —

Declare @LanguageID int

Select @LanguageID = lcid
From sys.syslanguages
Where name = @@Language

WITH RingBufferXML
As (SELECT CAST(record as xml) AS RecordXML
FROM sys.dm_os_ring_buffers
WHERE ring_buffer_type= ‘RING_BUFFER_CONNECTIVITY’),
RingBufferConnectivity
As (SELECT x.y.value(‘(/Record/@id)[1]’, ‘int’) AS [RecordID],
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/RecordType)[1]’, ‘varchar(max)’) AS RecordType,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/RecordTime)[1]’, ‘datetime’) AS RecordTime,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/SniConsumerError)[1]’, ‘int’) AS Error,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/State)[1]’, ‘int’) AS State,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/Spid)[1]’, ‘int’) AS SPID,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/RemoteHost)[1]’, ‘varchar(max)’) AS RemoteHost,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/RemotePort)[1]’, ‘varchar(max)’) AS RemotePort,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/LocalHost)[1]’, ‘varchar(max)’) AS LocalHost,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/LoginTimersInMilliseconds/TotalTime)[1]’, ‘int’) AS TotalTime,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/LoginTimersInMilliseconds/EnqueueTime)[1]’, ‘int’) AS EnqueueTime,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/LoginTimersInMilliseconds/NetWritesTime)[1]’, ‘int’) AS NetWritesTime,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/LoginTimersInMilliseconds/NetReadsTime)[1]’, ‘int’) AS NetReadsTime,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/LoginTimersInMilliseconds/Ssl/TotalTime)[1]’, ‘int’) AS SslTotalTime,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/LoginTimersInMilliseconds/Sspi/TotalTime)[1]’, ‘int’) AS SspiTotalTime,
x.y.value(‘(/Record/ConnectivityTraceRecord/LoginTimersInMilliseconds/TriggerAndResGovTime)[1]’, ‘int’) AS TriggerAndResGovTime
FROM RingBufferXML
CROSS APPLY RecordXML.nodes(‘//Record’) AS x(y))

SELECT RBC.*, m.text
FROM RingBufferConnectivity RBC
LEFT JOIN sys.messages M ON
RBC.Error = M.message_id AND M.language_id = @LanguageID
WHERE RBC.RecordType IN (‘Error’, ‘LoginTimers’)
ORDER BY RBC.RecordTime DESC
Go

 

— Short Script 3 – Stored Procedure – Realizando o versionamento de código fonte  —

CREATE PROCEDURE dbo.GetOne
AS
SELECT 1
GO

CREATE PROCEDURE dbo.GetOne;2 —Versionamento, recurso antigo
AS
SELECT 2
GO

 

Exec dbo.GetOne;2 — Executando a procedure versão 2
go

 

 

— Short Script 4 – Gerenciamento de Memória  — Como encontrar quem está usandoo espaço de endereço virtual no seu SQL Server —

 

SELECT convert(varchar,getdate(),120) as [Timestamp], max(region_size_in_bytes)/1024 [Total max contiguous block size in KB]

from sys.dm_os_virtual_address_dump

where region_state = 0x00010000 — MEM_FREE
Go

 

Select SUM(virtual_memory_reserved_kb)/1024 as virtual_memory_reserved_mb

from sys.dm_os_memory_clerks

Where type not like ‘%bufferpool%’
Go

With VASummary(Size,Reserved,Free) AS
(SELECT
Size = VaDump.Size,
Reserved =  SUM(CASE(CONVERT(INT, VaDump.Base)^0)
WHEN 0 THEN 0 ELSE 1 END),
Free = SUM(CASE(CONVERT(INT, VaDump.Base)^0)
WHEN 0 THEN 1 ELSE 0 END)
FROM
(
SELECT  CONVERT(VARBINARY, SUM(region_size_in_bytes))
AS Size, region_allocation_base_address AS Base
FROM sys.dm_os_virtual_address_dump
WHERE region_allocation_base_address <> 0x0
GROUP BY region_allocation_base_address

UNION

SELECT CONVERT(VARBINARY, region_size_in_bytes), region_allocation_base_address
FROM sys.dm_os_virtual_address_dump
WHERE region_allocation_base_address  = 0x0
)
AS VaDump
GROUP BY Size)
SELECT SUM(CONVERT(BIGINT,Size)*Free)/1024 AS [Total avail Mem, KB] ,CAST(MAX(Size) AS BIGINT)/1024 AS [Max free size, KB]
FROM VASummary
WHERE Free <> 0
Go

 

SELECT SUM(PAGESUSED)*8/1024 ‘MB of MemToLeave memory consumed by procedures’ FROM MASTER.DBO.SYSCACHEOBJECTS

WHERE PAGESUSED >1
Go

 

— Short Script 5 – Criando um Pivot em conjunto com Visão com Sumarização —

Create Table Fornos
(Id Int Primary Key,
Defeito Varchar(20) Not Null,
Forno Varchar(20) Not Null,
Equipe Varchar(20) Not Null)
Go

 

Insert Into Fornos
Values (1,’DEFEITO A’,’FORNO 3′,’AZUL’),
(2,’DEFEITO A’,’FORNO 2′,’VERDE’),
(3,’DEFEITO B’,’FORNO 1′,’AZUL’),
(4,’DEFEITO A’,’FORNO 1′,’PRETO’),
(5,’DEFEITO B’,’FORNO 2′,’VERDE’),
(6,’DEFEITO B’,’FORNO 2′,’AZUL’),
(7,’DEFEITO A’,’FORNO 1′,’PRETO’),
(8,’DEFEITO A’,’FORNO 2′,’AZUL’)
Go

Select * From Fornos
Go

 

— Gerando o Pivot —
Select * from
(Select CONCAT(Defeito,’ – ‘, Equipe) As DefeitosPorEquipe,
CONCAT(Defeito,’ – ‘, Equipe) As ‘Defeitos Agrupados Por Equipes’,
Equipe,
Forno As ‘Fornos’
From Fornos) As F
Pivot (Count(DefeitosPorEquipe) For Equipe In ([Azul],[Preto],[Verde])) as Pvt
Go

 

— Adicionando os Totais —
Select * from
(
Select CONCAT(Defeito,’ – ‘, Equipe) As DefeitosPorEquipe,
CONCAT(Defeito,’ – ‘, Equipe) As ‘Defeitos Agrupados Por Equipes’,
Equipe,
Forno As ‘Fornos’
From Fornos
) As F
Pivot (Count(DefeitosPorEquipe) For Equipe In ([Azul],[Preto],[Verde])) as Pvt

Union All

Select ‘Totais….’, ‘—->’,
Sum(Azul) As SomaAzul,
Sum(Preto) As SomaPreto,
Sum(Verde) As SomaVerde
From
(
Select CONCAT(Defeito,’ – ‘, Equipe) As DefeitosPorEquipe,
Equipe
From Fornos
) As F
Pivot (Count(DefeitosPorEquipe) For Equipe In ([Azul],[Preto],[Verde])) as Pvt
Go

 

— Short Script 6 – Identificando o filegroup vinculado para cada tabela de usuário —

SELECT o.[name],
o.[type],
i.[name],
i.[index_id],
f.[name]
FROM sys.indexes i INNER JOIN sys.filegroups f
ON i.data_space_id = f.data_space_id
INNER JOIN sys.all_objects o
ON i.[object_id] = o.[object_id]
WHERE i.data_space_id = f.data_space_id
AND o.type = ‘U’ — User Created Tables
GO

 

— Short Script 7 – Realizando o cálculo da idade —

— Exemplo 1 —
Declare @Hoje date

Set @Hoje= cast (current_timestamp as date)

 

SELECT CPF, DATA_NASC,
case when month(@Hoje) > month(DATA_NASC)
then datediff (year, DATA_NASC, @Hoje)
when month(@Hoje) = month(DATA_NASC) and day(@Hoje) >= day(DATA_NASC)
then datediff (year, DATA_NASC, @Hoje)
else datediff (year, DATA_NASC, @Hoje) -1
end as Idade
from tb_idade_dez
Go

 

— Exemplo 2 —
Select CPF, DATA_NASC, (datediff (month, DATA_NASC, @Hoje) / 12) as Idade

from tb_idade_dez
Go

 

— Exemplo 3 —
Select CPF, DATA_NASC, datediff(day,DATA_NASC,getdate())/365.15 as idade

from TB_IDADE_JANEIRO
Go

 

— Exemplo 4 —
Declare @DATAS table (DataNasc date)

INSERT into @DATAS values
(‘19880101’), (‘19880111’), (‘19880112’), (‘19880113’),
(‘19880213’), (‘19880313’), (‘19880413’), (‘19880513’),
(‘19880613’), (‘19880713’), (‘19880813’), (‘19880913’),
(‘19881013’), (‘19881113’), (‘19881213’)

 

Declare @Hoje date
Set @Hoje= ‘20190112’

 

SELECT DataNasc, @Hoje as Hoje,
datediff(day, DataNasc, @Hoje)/365.15 as idade,
case when month(@Hoje) > month(DataNasc) then datediff (year, DataNasc, @Hoje)
when month(@Hoje) = month(DataNasc) and day(@Hoje) >= day(DataNasc) then datediff (year, DataNasc, @Hoje)
else
datediff (year, DataNasc, @Hoje) -1
end as Anos
from @DATAS
Go

Muito bem, missão mais que cumprida! Uma nova relação de short scripts acaba de ser compartilhada, mesmo sendo denominados short entre aspas “pequenos”, posso garantir que todos estes exemplos são de grande importância, apresentam um valor e conhecimento do mais alto nível.

Chegamos ao final de mais um Short Scripts, espero que este material possa lhe ajudar, ilustrando o uso de alguns recursos e funcionalidades do Microsoft SQL Server.

Acredito que você tenha observado que estes códigos são conhecidos em meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server publicados no decorrer dos últimos anos.

Boa parte deste material é fruto de um trabalho dedicado exclusivamente a colaboração com a comunidade, visando sempre encontrar algo que possa ser a solução de um determinado problema, bem como, a demonstração de como se pode fazer uso de um determinado recurso.

Links

Caso você queira acessar os últimos posts desta sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/11/20/short-scripts-novembro-2018/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/09/18/short-scripts-setembro-2018/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/05/10/short-scripts-maio-2018/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/02/19/short-scripts-fevereiro-2018-transaction-log/

Agradecimento

Obrigado mais uma vez por sua visita, fico honrado com sua ilustre presença ao meu blog, desejo e espero que você possa ter encontrado algo que lhe ajudou.

Volte sempre, nos encontraremos mais uma vez na sessão Short Scripts no post a ser publicado no mês de junho.

Um forte abraço, saúde e paz.

Até mais.

Novo Microsoft SQL Server Migration Assistant v8.1 disponível


A Microsoft disponibilizou na última terça – feira dia 05/03 o Microsoft SQL Server Migration Assistant v8.1, ferramenta gratuita que permite a migração de dados existentes em outras soluções de bancos de dados, como:

De uma forma bastante simples e prática é possível consumir os dados armazenados nas soluções listadas acima, enviando os mesmos diretamente para o Microsoft SQL Server e Microsoft Azure SQL.

O Microsoft SQL Server Migration Assistant v8.0 é compatível com o sistemas operacionais:

  • Windows 7;
  • Windows 8;
  • Windows 8.1;
  • Windows 10;
  • Windows Server 2008 R2;
  • Windows Server 2012;
  • Windows Server 2012 R2; e
  • Windows Server 2016.

Esta nova versão do Microsoft SQL Server Migration Assistant  inclui o suporte para:

– MySQL 4.1 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, SQL Server 2019, Azure SQL DB e Azure SQL Database Managed Instance;

–  Access 97 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, SQL Server 2019, Azure SQL DB e Azure SQL Database Managed Instance;

– SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase) 11.9 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, SQL Server 2019, Azure SQL DB e Azure SQL Database Managed Instance;

–  Oracle Database 9.0 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, SQL Server 2019, Azure SQL DB, Azure SQL Data Warehouse e Azure SQL Database Managed Instance; e

– IBM DB2 9.0 e 10.0 no z/OS e das versões 9.7 e 10.1 no Linux/Unix/Windows para o SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017,SQL Server 2019, Azure SQL DB e Azure SQL Database Managed Instance.

Microsoft SQL Server Migration Assistant v8.1

O download pode ser realizado de acordo com sua fonte de dados de origem, selecione uma das opções existentes abaixo:

Recursos adicionais

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – Download Center – https://blogs.msdn.microsoft.com/datamigration/2019/03/05/release-sql-server-migration-assistant-ssma-v8-1/

Microsoft libera nova preview do SQL Server 2019 denominada 2.3


Em grande evento dedicado ao Microsoft SQL Server que esta sendo realizado na Inglaterra o SQL Bits, a Microsoft informou a  liberação de mais uma versão preview da próxima versão SQL Server 2019.

Este novo preview foi batizado de SQL Server 2019 2.3 (quarta versão), vale ressaltar que nos últimos meses a Microsoft vem trabalhando fortemente para liberação de novas versões preliminares.

Novidades

Um dos destaques desta nova versão preliminar faz referência a integração do SQL Server com o Apache Spark™ e o HDFS com o SQL Server, criando assim  uma nova plataforma de dados unificada, que possibilita um grande salto no produto relacionado com os novos padrões de dados e processamento em larga escala. 

Segundo informações fornecidas pela Microsoft, o SQL Server 2019 oferece mais segurança, disponibilidade e desempenho para todas as cargas de dados, além de trazer novas ferramentas de conformidade (relacionadas a GDPR e LGPD), melhor desempenho em hardware moderno e alta disponibilidade em Windows, Linux e contêineres.

A Figura 1 abaixo ilustra a página inicial do website da Microsoft dedicado ao Microsoft SQL Server 2019:

Figura 1 – Introdução ao Microsoft SQL Server 2019.

Melhorias

  • Recuperação de banco de dados acelerada para fornecer melhor aproveitamento do tempo de recuperação e possibilidades de reversão instantânea para transações de longa duração;
  • Aprimoramentos de desempenho em recompilações de plano de consulta, gerenciamento de log de transações e repositório de consultas; e
  • Melhorias no recurso SQL Graph, permitindo exclusão em cascata para bordas e nós.

Download

Dentre as opções disponíveis, você poderá optar tanto para rodar em ambientes físicos como Windows e Linux ou virtualizados através de máquinas virtuais ou containers, conforme Figura 2 abaixo ilustra:

Figura 2 – Plataformas para download disponíveis para versão 2.3 do Microsoft SQL Server 2019.

O Microsoft Server 2019 Preview 2.3 para Windows está disponível em arquivos ISO, arquivo .cab para os seguintes idiomas:

  • ‎Inglês;
  • Alemão;
  • Japonês;
  • Espanhol;
  • Coreano;
  • Russo;
  • Italiano;
  • Francês;
  • Chinês (simplificado);
  • Chinês (tradicional); e
  • Português (Brasil)‎.

Saiba mais sobre o SQL Server 2019

Caso você queria saber mais sobre esta nova versão do Microsoft SQL Server e seus principais recursos, selecione um dos links abaixo:

https://info.microsoft.com/ww-landing-SQLDB-Microsoft-SQL-Server-WhitePaper.html

http://download.microsoft.com/download/8/B/6/8B643729-6224-4ECC-8C50-3292B8156F0E/SQL_Server_2019_Transform-Data_into_Insights_Infographic_EN_US.pdf

http://download.microsoft.com/download/D/2/5/D2519504-0ACD-4CD7-9C34-AB85D5824F34/SQL_Server_2019_Top_10_Reasons_to_Choose_Infographic_EN_US.pdf

https://info.microsoft.com/ww-landing-intro-sql-server-2019.html

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – SQL Server BlogSQL Server Team – 07/03/2019.
Leia na integra acessando: https://cloudblogs.microsoft.com/sqlserver/2019/03/01/sql-server-2019-community-technology-preview-2-3-is-now-available/

Visual Studio 2019 Release Candidate (RC) já está disponível


Em seu blog oficial dedicado ao Visual Studio, a Microsoft realizou o anuncio informando sobre a liberação da primeira versão RC – Release Candidate do novo Microsoft Visual Studio 2019, o qual será oficialmente apresentando para o mundo no dia 02 de abril.

Release Candidate

Segundo, John Montgomery – Diretor de gestão do programa. “Com esta versão, estamos introduzindo dois produtos “canais“: o canal de lançamento e o canal de visualização.

A partir de hoje, o Visual Studio 2019 RC está disponível no canal de lançamento (visualstudio.com/downloads) e o Visual Studio 2019 Preview 4 está disponível no canal de visualização (visualstudio.com/preview). Ambas as versões podem ser instaladas e usadas lado a lado e, agora, ambos os canais contêm os mesmos bits.

A partir de 2 de abril, a compilação do canal de lançamento (RC) pode ser atualizada para a nossa versão disponível em geral (GA), que estará pronta para uso na produção. O canal de visualização continuará a oferecer uma visão antecipada dos recursos programados, assim como você se acostumou a no Visual Studio 2017.

Visual Studio 2019 canais do produto.

Estamos incrivelmente gratos a todos os usuários que têm vindo a experimentar o Visual Studio 2019 desde a primeira visualização e têm vindo a dar-nos feedback a cada passo do caminho.”

Dentre as edições existentes, a Microsoft desta a Community que manteve presente e passou por diversas melhorias neste nova versão: “Para o Visual Studio Community 2019, estamos fazendo as referências, Application insights (solicitações e exceções), e teste (status de teste e testado por) CodeLens recursos disponíveis, que só estavam disponíveis no Visual Studio Professional e Enterprise Anteriormente.


Isso significa que qualquer usuário do Visual Studio 2019 pode agora obter insights específicos e informações sobre o código, diretamente no editor de código.”

Quer saber mais sobre o Visual Studio 2019? Confira as notas de lançamento disponíveis para esta primeira release candidate e seus detalhes.

Caso deseje realizar o download acesse: https://visualstudio.microsoft.com/downloads/

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – Visual Studio – John Montgomery  – 28/02/2019.
Leia na integra acessando: https://devblogs.microsoft.com/visualstudio/visual-studio-2019-release-candidate-rc-now-available/

Raspberry Pi: 10 opções de kits para você conhecer e se apaixonar


Foto: Shutterstock

O Raspberry Pi é um pequeno computador incrivelmente flexível. Você pode usá-lo para uma ampla gama de projetos: o mesmo hardware pode alimentar uma configuração de jogo retro tão facilmente quanto um servidor de ad-blocking.

Mas para quem nunca lidou com uma placa de circuito em sua vida, começar a usar um Raspberry Pi pode parecer intimidante. Para esses desbravadores iniciantes, existem kits especiais que facilitam o primeiro projeto. Os básicos juntam uma placa Raspberry Pi e os componentes necessários (menos o teclado, mouse e monitor). Opções mais avançadas não possuem a placa Raspberry Pi e, em vez disso, concentram-se no hardware necessário para um projeto específico.

Procuramos as opções no mercado para identificar os melhores kits Raspberry Pi. Nossas principais escolhas incluem alternativas para todos os graus de projetos, quer você queira construir um PC secundário básico ou mergulhar diretamente em projetos avançados no melhor estilo maker.

Como comprar: no site da Raspberry Pi Foundation há uma loja online para a compra das placas. Você também pode encontrar placas e vários kits na Amazon.com.br. Na Amazon.com também é possível encontrar a maioria dos kits mencionados aqui. E uma busca no Google revela que há mais kits sendo vendidos no Brasil do que você imagina. Agora, se você tem amigos na Inglaterra ou vai viajar para lá, nada mais cool do que comprar direto na novíssima loja que a fundação Raspberry Pi inaugurou no shopping Grand Arcade no centro da cidade de Cambridge, Reino Unido.

Os Kits

Pi Desktop – Revendedor: Element 14 ; Preço: US$ 50 ; Não inclui a placa Raspberry Pi

Esse kit é básico. Visualmente é uma grande caixa quadrada que vem com uma placa adicional que se conecta ao Raspberry Pi por meio de seus pinos GPIO. Há também uma variedade de elementos tipo PC, incluindo uma interface mSATA, controlador de energia, relógio do sistema e dissipador de calor. Tudo o que você precisa incluir é uma placa Raspberry Pi 3 , um SSD com capacidade de até 1TB e uma atitude DIY de fazer tudo. Em pouco tempo você estará pronto para rodar com seu próprio desktop Raspberry Pi.

CanaKit Basic – Revendedor: CanaKit (via Amazon); Preço: US$ 50; Incluir placa Raspberry Pi 3

A fabricante de kits Raspberry Pi CanaKit oferece um kit básico com apenas os itens essenciais incluídos . Ele vem com uma placa Raspberry Pi 3, carregador, gabinete e dois dissipadores de calor. Os dissipadores de calor não são estritamente necessários, mas são um detalhe agradável. Para começar a funcionar, você precisará adicionar um cartão microSD , teclado, mouse e cabo HDMI.

CanaKit Raspberry Pi 3 Complete Starter Kit – Revendedor: CanaKit (via Amazon) – Preço: US$ 70 – Inclui placa Raspberry Pi 3

Este kit é um avanço do pacote inicial básico. O Complete Starter Kit da CanaKit inclui tudo o que você precisa para começar com um Raspberry Pi: você recebe uma placa Pi 3, um microSD de 32GB com o sistema operacional NOOBS pré-instalado, um gabinete, adaptador de energia, dois dissipadores de calor e um cabo HDMI. Se você quiser cair de cabeça sem ter que esperar por remessas separadas para seus componentes, este kit específico é a melhor alternativa.

Kit Retro Gaming – Revendedor: The Pi Hut – Preço: US$ 90.61 – Inclui placa Raspberry Pi 3

Um dos usos favoritos do Raspberry Pi é montar um console de jogos clássicos. Se você não quer vasculhar a Amazon e outros varejistas pelos materiais que você precisa, este kit de jogos da Pi Hut reúne tudo para você em um só lugar. Além do Raspberry Pi 3 e do case que o acompanha, você tem dois controles de jogos Super NES, um cartão microSD em branco, adaptador microSD para USB, se necessário, e um cabo HDMI de 1,8 m. Por razões legais, o varejista não pode fornecer o sistema operacional ou ROMs de videogame, então você terá que baixar todas essas coisas por conta própria. Se você não tem certeza de como começar, a  PC World tem um tutorial (em inglês) sobre como construir seu próprio console de jogos retro baseado em Pi .

CanaKit Raspberry Pi Kit for Dummies – Revendedor: CanaKit – Preço: US$ 90 – Inclui placa

O kit Raspberry Pi for Dummies é ótimo para quem quer entrar na onde dos hackers de hardware. Ele inclui um livreto Raspberry Pi for Dummies, que serve como uma cartilha para trabalhar com o Raspberry Pi e iniciar seus próprios projetos. O hardware do kit é o que você esperaria: uma placa Raspberry Pi 3, cartão microSD com o sistema operacional NOOBS instalado, fonte de alimentação, caixa Raspberry Pi 3, cabo HDMI de dois metros e dois dissipadores de calor. Você também recebe uma placa de montagem, fios de jumper (M / M e M / F), LEDs, interruptores de botão, resistores Ohm e um cartão de referência rápida GPIO.

PiAware Aircraft Tracking Kit – Revendedor: ModMyPi – Preço: US$ 110,02 – Inclui placa

Este é um kit de projeto interessante para os fãs de viagens aéreas . Ele permite transformar seu Raspberry Pi 3 em uma estação terrestre ADS-B (transmissão dependente de vigilância automática) – você receberá dados em tempo real de aviões dentro do alcance da antena FlightAware incluída. O kit inclui o Raspberry Pi 3, um estojo Raspberry Pi, cartão microSD com software PiAware instalado, fonte de alimentação, cabo de vídeo, cabo ethernet, dissipador de calor, FlightAware Pro Stick ou Pro Stick Plus, cabo USB, antena 1090MHz, 1090MHz band-pass Filtro SMA e um teclado. Este kit é personalizável, portanto, verifique as várias opções que o ModMyPi oferece antes de pagar.

Kit PiTop v2 – Revendedor: Adafruit – Preço: US$ 300 – Não inclui a placa

Se você está desejando que seu Raspberry Pi 3 vire um laptop, este kit da Adafruit é para você. Você terá que incluir sua própria placa Raspberry Pi , mas ela tem tudo o que você precisa: uma tela de 1080p de 14 polegadas, fácil acesso ao Pi, bem como quaisquer outros cabos ou dispositivos USB, um cartão SD de 8GB com Pi -Top OS, vários cabos e parafusos e carregador. Este kit PiTop de segunda geração é compatível com várias placas Raspberry Pi, incluindo o novo Raspberry Pi 3 Modelo B + .

Google AIY Voice Kit – Revendedor: ModMyPi  – Preço: US$ 32,36 – Não inclui placa

O kit de voz do Google AIY não é para criar um Google desktpo. Em vez disso, ele é um projeto faça-você-mesmo de um Google Home usando um Raspberry Pi 3. Lembrando que o kit não inclui a placa Raspberry Pi. Ele vem com uma placa acessória de voz HAT, placa de microfone de voz HAT, um alto-falante de três polegadas, um botão, fios e componentes variados, e uma caixa de papelão e moldura para abrigar todo o projeto. Para completar o projeto, você precisará de um Raspberry Pi 3 , um cartão microSD , uma chave de fenda Philips e uma fita.

Google AIY Voice Kit v2 – Revendedor: Alvo – Preço: US$ 50 – Inclui placa

O Google ganha uma segunda versão do seu kit de voz AIY que facilita muito a montagem de um Google Home. Este modelo vem com os principais componentes, incluindo um alto-falante, voz HAT e botão de pressão. A grande diferença entre este kit e a versão anterior é que ele vem com a placa Raspberry Pi Zero WH como parte do kit, bem como um cartão SD pré-carregado. Você pode optar por comprar um Raspberry Pi 3 separadamente, é claro. Há também um aplicativo complementar para Android para facilitar a configuração e a configuração sem fio.

Google AIY Vision Kit v2 – Revendedor: Alvo – Preço: US$ 90 – Inclui placa

Semelhante ao seu companheiro de kit de voz, a versão mais recente do Kit de Visão vem com uma placa Raspberry Pi Zero WH incluída e cartão SD pré-carregado. Este kit ajuda os DIYers a criar uma câmera inteligente que pode “reconhecer objetos, detectar rostos e emoções”. Os outros componentes principais são a câmera Raspberry Pi, o Vision HAT, o botão pulsador, o chicote de botões, o LED de privacidade e a campainha. Ele também funciona com o mesmo aplicativo complementar do AIY para Android.

Google AIY Voice Kit v2 – Revendedor: Alvo – Preço: US$ 50 – Inclui placa

O Google ganha uma segunda versão do seu kit de voz AIY que facilita muito a montagem de um Google Home. Este modelo vem com os principais componentes, incluindo um alto-falante, voz HAT e botão de pressão. A grande diferença entre este kit e a versão anterior é que ele vem com a placa Raspberry Pi Zero WH como parte do kit, bem como um cartão SD pré-carregado. Você pode optar por comprar um Raspberry Pi 3 separadamente, é claro. Há também um aplicativo complementar para Android para facilitar a configuração e a configuração sem fio.

Google AIY Vision Kit v2 – Revendedor: Alvo – Preço: US$ 90 – Inclui placa

Semelhante ao seu companheiro de kit de voz, a versão mais recente do Kit de Visão vem com uma placa Raspberry Pi Zero WH incluída e cartão SD pré-carregado. Este kit ajuda os DIYers a criar uma câmera inteligente que pode “reconhecer objetos, detectar rostos e emoções”. Os outros componentes principais são a câmera Raspberry Pi, o Vision HAT, o botão pulsador, o chicote de botões, o LED de privacidade e a campainha. Ele também funciona com o mesmo aplicativo complementar do AIY para Android.

Fontes e Direitos Autorais: cio.com.br – Da Redação, com PC World.
Leia na integra acessando: https://cio.com.br/raspberry-pi-10-opcoes-de-kits-para-makers/

Formjacking é o mais novo esquema de lucro dos criminosos cibernéticos


Diante da redução dos retornos provenientes de ransomware e cryptojacking, os criminosos cibernéticos têm recorrido a métodos alternativos, como o formjacking, para ganhar dinheiro, de acordo com o Internet Security Threat Report (ISTR), Volume 24, da Symantec, recém divulgado.

O estudo oferece uma visão geral do panorama de ameaças, incluindo informações sobre atividades das ameaças globais, tendências de criminosos cibernéticos e motivações dos invasores, a partir da análise dos dados da Global Intelligence Network da Symantec, uma das maiores redes civis de inteligência contra ameaças do mundo, que registra eventos de 123 milhões de sensores de ataque, bloqueia 142 milhões de ameaças diariamente e monitora as atividades em mais de 157 países. Os destaques do relatório deste ano incluem:

1 – Crescimento do formjacking
Os ataques de formjacking são simples (essencialmente, como roubos virtuais de caixa eletrônico), com criminosos cibernéticos injetando código malicioso em sites de lojas, para roubar informações sobre os cartões de pagamento dos clientes. Em média, mais de 4.800 sites únicos são comprometidos por código de formjacking, todos os meses. A Symantec bloqueou mais de 3,7 milhões de ataques de formjacking contra endpoints em 2018, com quase um terço de todas as detecções ocorrendo durante o período mais movimentado do ano em compras online, entre novembro e dezembro.

Embora os sites de pagamentos de algumas empresas conhecidas, incluindo a Ticketmaster e a British Airways, tenham sido comprometidos por código de formjacking recentemente, a pesquisa da Symantec revela que as lojas pequenas e médias são as mais comprometidas.

Em estimativas conservadoras, os criminosos cibernéticos podem ter se apropriado de dezenas de milhões de dólares no ano passado, roubando informações pessoais e financeiras dos clientes, por meio de fraudes com cartão de crédito e vendas na Dark Web. Apenas 10 cartões de crédito roubados de cada site comprometido poderiam render até U$ 2,2 milhões por mês, com um único cartão de crédito, alcançando o preço de U$ 45 nos fóruns de vendas ilegais. Com mais de 380.000 cartões de crédito roubados, apenas o ataque à British Airways pode ter permitido que os criminosos lucrassem mais de U$ 17 milhões.

“O formjacking é uma ameaça séria, tanto para as empresas como para os clientes”, diz Greg Clark, CEO da Symantec. “Sem usar uma solução de segurança abrangente, os clientes não têm meios de saber se estão visitando uma loja online infectada, deixando suas valiosas informações pessoais e financeiras vulneráveis a um roubo de identidade que pode ser devastador. Para as empresas, o aumento explosivo do formjacking reflete o risco crescente de ataques de logística, para não mencionar os riscos à reputação que as empresas enfrentam quando são comprometidas.”

2 – A redução de retorno de cryptojacking e ransomware
Nos últimos anos, o ransomware e o cryptojacking foram os métodos mais usados por criminosos cibernéticos em busca de dinheiro fácil – os criminosos aproveitam o poder de processamento roubado e o uso da CPU de clientes e empresas, na nuvem, para minerar criptomoedas. Porém, em 2018 houve uma redução de retorno e, consequentemente, desse tipo de atividade. Esses ataques se tornaram menos eficazes principalmente devido à queda dos valores das criptomoedas e da adoção crescente da nuvem e da computação móvel. Pela primeira vez desde 2013, as infecções por ransomware diminuíram, caindo 20%. Apesar disso, as organizações não devem baixar a guarda. As infecções por ransomware em empresas saltaram 12% em 2018, contrariando a tendência geral de queda e demonstrando que o ransomware continua sendo uma ameaça contínua às empresas. De fato, mais de oito em cada dez infecções por ransomware são em empresas.

Embora as atividades de cryptojacking tenham chegado ao ápice no início do ano passado, elas diminuíram em 52% ao longo de 2018. Mesmo com o valor das criptomoedas caindo 90% e perdendo lucratividade, o cryptojacking ainda é atraente para os invasores, devido à facilidade dos ataques, sobrecarga mínima e anonimato que oferece. A Symantec bloqueou mais de 3,5 milhões de eventos de cryptojacking em endpoints apenas em dezembro de 2018.

3 – Em segurança, a nuvem é o novo PC
Os mesmos erros de segurança que eram cometidos nos PCs durante sua adoção inicial pelas organizações, agora estão acontecendo na nuvem. Uma única carga de trabalho ou instância de armazenamento mal configurada na nuvem pode custar milhões de dólares a uma empresa ou colocá-la em um pesadelo de conformidade. Somente no ano passado, mais de 70 milhões de registros foram roubados ou vazados por causa de buckets do S3 mal configurados. Também existem várias ferramentas facilmente acessíveis na Internet, que permitem aos invasores identificar recursos mal configurados na nuvem.

As descobertas recentes de vulnerabilidades em chips de hardware, incluindo Meltdown, Spectre e Foreshadow também colocam os serviços na nuvem em risco de exploração – para obtenção de acesso aos espaços de memória protegidos – outros recursos da companhia que estejam hospedados no mesmo servidor físico.

4 – Ataques mais furtivos e ambiciosos graças ao uso de ferramentas de ataque de subsistência e pontos fracos de logística
Os ataques de logística e de subsistência (LotL) agora são comuns no panorama moderno de ameaças, sendo amplamente adotados tanto por criminosos cibernéticos como por grupos de ataques direcionados. De fato, os ataques de logística aumentaram 78% em 2018.

As técnicas de ataque de subsistência permitem que os invasores mantenham um perfil discreto e escondam suas atividades em meio a uma massa de processos legítimos. Por exemplo, o uso de scripts maliciosos do PowerShell aumentou em 1.000% no ano passado. Embora a Symantec bloqueie 115.000 scripts maliciosos do PowerShell todos os meses, isso representa menos de 1% do uso geral do PowerShell. Uma abordagem excessiva, visando o bloqueio de todas as atividades do PowerShell, atrapalharia as empresas, demonstrando ainda mais claramente porque a técnica de ataque de subsistência se tornou a tática preferida de muitos grupos de ataques direcionados.

Identificar e bloquear esses ataques são tarefas que requerem o uso de métodos avançados de detecção, incluindo análise e Machine Learning.

Além das táticas de ataque de subsistência e pontos fracos na logística de software, os invasores também estão aumentando o uso de métodos convencionais de ataque, como o phishing direcionado, para se infiltrar nas organizações. Embora a coleta de inteligência continue sendo o motivo principal dos ataques direcionados, o número de grupos de ataque usando malware para destruir e atrapalhar as operações comerciais aumentou 25% em 2018.

5 – A Internet das Coisas na mira dos criminosos cibernéticos e grupos de ataque
Apesar do volume de ataques à Internet das Coisas (Internet of Things, IoT) ter permanecido alto e consistente com os níveis de 2017, o perfil dos ataques está mudando bastante. Embora roteadores e câmeras conectadas componham a maior porcentagem de dispositivos infectados (90%), foi provado que quase todos os dispositivos IoT são vulneráveis, e todos eles, de lâmpadas inteligentes a assistentes de voz, podem criar pontos de entrada adicionais para invasores.

Os grupos de ataques direcionados estão cada vez mais concentrados na IoT como um ponto de entrada crucial. O surgimento do malware roteador VPNFilter representa uma evolução das ameaças tradicionais à IoT. Concebido por um agente de ameaças habilidoso e com recursos, ele permite que seus criadores destruam ou apaguem um dispositivo, roubem credenciais e dados, e interceptem comunicações SCADA.

“Com a tendência crescente da convergência da TI e da IoT industrial, o próximo campo de batalha cibernético será a tecnologia operacional”, afirma Kevin Haley, diretor de Security Response da Symantec. Um número crescente de grupos, como Thrip e Triton, demonstrou interesse em comprometer sistemas operacionais e sistemas de controle industrial em uma possível preparação para guerra cibernética.

6 – O grande despertar da privacidade
Com o recente escândalo de dados da Cambridge Analytica, as audiências sobre privacidade do Facebook, a implementação do Regulamento Geral de Proteção de Dados (General Data Privacy Regulation  – GDPR) e revelações sobre o rastreamento de localização de aplicativos e bugs de privacidade em apps muito utilizados, como o recurso FaceTime da Apple, a privacidade do consumidor ganhou os holofotes no ano passado.

O smartphone pode ser o melhor dispositivo de espionagem que já existiu – câmera, dispositivo de escuta e rastreador de localização, tudo no mesmo aparelho, que é carregado voluntariamente e usado onde quer que o proprietário esteja. Embora já sejam alvo de Estados devido a espionagem tradicional, os smartphones também se tornaram uma ferramenta lucrativa para coletar informações pessoais dos clientes, com os desenvolvedores de aplicativos móveis figurando como piores infratores.

De acordo com a pesquisa Symantec, 45% dos aplicativos Android e 25% dos aplicativos iOS mais populares solicitam rastreamento de local; 46% dos aplicativos Android e 24% dos aplicativos mais populares do iOS solicitam permissão para acessar a câmera do dispositivo; e os endereços de e-mail são compartilhados com 44% dos principais aplicativos para Android e 48% dos aplicativos mais populares do iOS.

Ferramentas digitais que coletam dados de celulares para rastrear crianças, amigos ou telefones perdidos também estão aumentando e abrindo um caminho para o abuso de tecnologia, ao rastrear outras pessoas sem consentimento.

Mais de 200 aplicativos e serviços oferecem aos possíveis perseguidores uma variedade de recursos, incluindo rastreamento básico de localização, coleta de texto e até a gravação secreta de vídeos.

Fontes e Direitos Autorais: cio.com.br – Direto da Redação.

#24 – Para que serve


Olá, bom dia, que bom te ver por aqui, neste sabadão, estamos entrando na semana que antecede a maior festa do Brasil.

Seja bem-vindo a mais um post da sessão Para que Serve, sendo este o de número 24, mais um dia de muito começando, repleto de atividades e compromissos.

No post de hoje, vou compartilhar com você que esta acessando meu blog, um dos mais tradicionais recursos existentes no Microsoft SQL Server introduzido desde as versões iniciais do produto, e mantendo sempre atualizada, útil e principalmente um pouco perigoso de ser utilizada quando não se conhece.

De uma forma bem diferente e mais direta, não vou realizar suspense ou criar qualquer clima de expectativa sobre este tema, na verdade estou me referindo ao uso das Table Hints (dicas de tabelas), com certeza você já deve ter ouvido falar ou já utilizou pelo menos um delas, adianto que neste post não vou falar da mais conhecida a NoLock e sim de outras duas que também são importantes.

Sendo assim, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre o post de número 24 da sessão Para que serve. Mas uma vez, bem vindo ao #24 – Para que serve – Table Hint – UpdLock e TabLock.

Espero que você esteja animado para conhecer um pouco mais sobre estas funcionalidades, caso já conheça, continue lendo este post, sempre podemos aprender algo novo….


Introdução

As dicas de tabela tem um papel muito importante a partir do momento que decidimos fazer uso delas, alterar o comportamento padrão do otimizador de consulta durante a instrução DML (linguagem de manipulação de dados) ao especificar um método de bloqueio, um ou mais índices, uma operação de processamento de consulta, como uma verificação de tabela ou busca de índice, ou outras opções. As dicas da tabela são especificadas na cláusula FROM da instrução DML e afetam apenas a tabela ou exibição referenciada nessa cláusula.

Mesmo sabendo que o otimizador de consulta do SQL Server normalmente seleciona o melhor plano de execução para uma consulta, muitos desenvolvedores e administradores de banco de dados tomam a decisão de fazer uso deste recurso em diversos cenários de forma indiscriminada.

As dicas de tabelas podem ao longo de sua utilização impactar de forma direta na maneira que o otimizador de consultas existente no Microsoft SQL Server trabalha desde o momento da identificação da análise da query e criação do seu plano de execução, mas principalmente no momento da própria execução.

Vale ressaltar que as table hints serão ignoradas se a tabela não for acessada pelo plano de consulta, isso pode ser provocado porque o query optimizer opta por não acessar a tabela ou porque uma exibição indexada é acessada, mas este cenário também pode ser contornado, quem sabe em outro momento.

Vamos em frente, sabendo que estas funcionalidades precisam ser um pouco mais conhecidas e melhor entendidas, tomei a decisão de elaborar este post, destacando as duas dicas de tabela que atualmente acabei me deparando em cenários de consultoria, me refiro a:

·         UpdLock; e

·         Tablock.

Desta forma, vou apresentar uma breve descrição destas duas dicas de tabelas, e posteriormente utilizar um simples cenário prático para demonstrar como podemos fazer uso de ambas, começando pela UpdLock.

Table Hint – UpdLock

Sendo está uma das mais antigas dicas de tabela existente no Microsoft SQL Server, reconhecida como uma table hint exclusiva para seu uso no comando update, o que na verdade não se aplicada, mesmo sendo este o cenário mais comum de uso podemos em determinados momentos aplicar a instruções Select e Insert.

Seu papel é especificar que bloqueios de atualização serão usados e mantidos até que a transação seja concluída. UpdLock utiliza bloqueios de atualização apenas em operações de leitura no nível de linha ou de página.

Caso o UpdLock venha a combinado com TabLock, ou se um bloqueio em nível de tabela for usado por outro motivo, um bloqueio exclusivo reconhecido pela sigla (x) será usado.

Importante destacar que sempre que um UpdLock é especificado, as dicas em nível de isolamento ReadCommitted e ReadCommittedLock são ignoradas, sendo assim, podemos em alguns cenários se deparar com a ocorrência de dados fantasmas.

Agora que conhecemos um pouco mais sobre esta table hint, vamos avançar um pouco mais e conhecer o seu funcionamento de forma prática, para tal, utilizaremos como base o Bloco de Código 1, que realizará a criação do seguinte ambiente:

·         Databases: TesteDatabaseTableHintUpdLock;

·         Tables: UpdLockTable; e

·         Transações: TUPD e TUPDII.

— Bloco de Código 1 —
— Criando o Banco de Dados – TesteDatabaseTableHintUpdLock —
Create Database TesteDatabaseTableHintUpdLock
Go

 

— Acessando o Banco de Dados – TesteDatabaseTableHintUpdLock —
Use TesteDatabaseTableHintUpdLock
Go

 

— Criando a Tabela – UpdLockTable —
Create Table UpdLockTable
(Codigo Int Identity(1,1) Not Null Primary Key Clustered,
Valores Varchar(20))
Go

 

Até aqui nada de especial, nosso ambiente já está criado e pronto para receber alguns dados, para tal, utilizaremos o Bloco de Código 2, responsável em realizar o insert e consulta dos dados, conforme apresento a seguir:

 

— Bloco de Código 2 —
— Inserindo uma pequena porção de dados —
Insert Into UpdLockTable
Values (‘Pedro’), (‘Antonio’), (‘Galvão’), (‘Junior’),
(‘MVP’), (‘MCC’), (‘MSTC’), (‘MIE’), (‘SQL Server’),
(‘Banco de Dados’),(‘Table Hint UpdLock’)
Go
— Consultando os dados —
Select Codigo, Valores From UpdLockTable
Order By Valores Desc
Go

 

A partir deste momento temos uma porção de dados armazenados em nossa table UpdLockTable, o que nos permite realizar uma pequena simulação de seu comportamento e entender como a ela realiza o bloqueio em nossa query.

 

Vamos então realizar a execução do Bloco de Código 3, sendo este o ponto chave que vai nortear nosso entendimento, observe que estamos abrindo um bloco transacional denominado TUPD (conforme já destacado anteriormente).

 

— Bloco de Código 3 —

— Iniciando um novo Bloco de Transações denominada TUPD —

Begin Transaction TUPD

 

— Realizando o Update —

Update UpdLockTable
Set Valores = ‘BD’
Where Codigo = 10
Go

 

Neste instante o Microsoft SQL Server em conjunto com alguns de seus mais importantes componentes: Database Engine e Storage Engine, estabelecem uma nova transação que deverá ser processada dentro da sessão que estamos trabalhando mais que a mesma não recebeu até o presente momento nenhuma instrução Commit ou Rollback.

 

No próximo passo a ser realizado aparentemente pode parecer bastante simples, mas após sua execução você vai entender que nenhum sempre é assim que as coisas podem ser interpretadas.

 

Seguindo em frente, vamos executar o Bloco de Código 4, o qual vai nos exigir abrir uma nova query dentro da ferramenta que você se encontra acessando o Microsoft SQL Server no momento, eu como de costume estou utilizando o bom e velho Management Studio.

 

— Bloco de Código 4 —

Select Codigo, Valores From UpdLockTable
Order By Valores Desc

Go

 

Acredito que você deva ter feito a execução deste simples bloco de código e até o presente momento o Microsoft SQL Server ainda não te retornou nenhum dado. Não é verdade?


A Figura 1 pode te ajudar a comprovar e responder este meu questionamento:

Figura 1 – Execução do bloco de código 4 sendo realizada e nenhum dado retornado em tela.

Viu, nem tudo que parece ser fácil realmente é! Mas o que pode ter acontecido?

 

Na verdade, o SQL Server está trabalhando da forma correta, realizamos o processamento de um comando Update dentro de um bloco de transações que ainda não foi encerrado e internamente o bloqueio da tabela foi aplicada de forma geral o que impede que quaisquer outras transações que venha a acessar a tabela como um todo consiga.

 

Mas se você observou em nosso Bloco de Código 3 não fizemos uso da table hint UpdLock, é justamente este o ponto chave, a partir do momento em que fazemos uso desta dica de tabela teremos a capacidade de acessar nossos dados mesmo que estes se encontrem dentro de outra transação ou bloqueio.

 

Para confirmar esta mudança de comportamento, vamos executar agora o Bloco de Código 5 e logo na sequência abrir uma nova query e observar o resultado apresentado na Figura 2:

 

— Bloco de Código 5 —

RollBack Transaction TUPD — Encerrando a transação anterior

Go

 

 

— Realizar novamente o Update agora com UpdLock e Abrir nova Sessão —
Begin Transaction TUPDII

 

Update UpdLockTable With (UpdLock)
Set Valores = ‘Forçando UpdLock’
Where Codigo = 11
Go

Figura 2 – Select realizado em outra query mesmo com a transação TUPDII ainda não encerrada.

Show, não é verdade, neste momento o Microsoft SQL Server acaba de retornar nossos dados manipulados na tabela UpdLock a qual se encontra pertencente a um bloqueio de atualizações de dados que pode estar sendo aplicado no nível de linha ou página de dados (mas este comportamento e estudo vou deixar para outro momento).

 

Com isso, conhecemos a table hint UpdLock, ainda não terminamos nossa caminhada, podemos evoluir mais um pouco nesta jornada, conhecendo agora a dica de tabela TabLock na sequência.

 

Table Hint – TabLock

Também uma das mais tradicionais dicas de tabela, e durante minha pesquisa e entendimento sobre esta table hint, cheguei a conclusão que a ela é muito misteriosa, devido ao seu comportamento.

Aonde a mesma tem a função de especificar que o bloqueio adquirido seja aplicado no nível de tabela, o tipo de bloqueio que é adquirido depende da instrução que está sendo executada.

Por exemplo:

1.      Uma instrução Select pode adquirir um bloqueio compartilhado. Ao especificar TABLOCK, o bloqueio compartilhado é aplicado à tabela inteira, e não no nível de linha ou página. Se HoldLock também for especificado, o bloqueio de tabela será mantido até o final da transação; e

2.      Ou então quando usado com o provedor de conjuntos de linhas em massa através do uso de uma instrução OPENROWSET para importar dados em uma tabela, TabLock permite que vários clientes carreguem dados simultaneamente na tabela de destino com o registro em log e o bloqueio otimizados.

Estamos preparados para seguir em frente, conhecemos um pouco mais sobre esta table hint, chegou a hora de conhecer o seu funcionamento de forma prática, para tal, utilizaremos como base o Bloco de Código 6, que realizará a criação do seguinte ambiente:

·         Databases: TesteDatabaseTableHintTabLock;

·         Tables: TabLockTable; e

·         Transações: TTBL e TTBLII.

— Bloco de Código 6 —
— Criando o Banco de Dados – TesteDatabaseTableHintTabLock —
Create Database TesteDatabaseTableHintTabLock
Go

— Acessando o Banco de Dados – TesteDatabaseTableHintTabLock —
Use TesteDatabaseTableHintTabLock
Go

 

— Criando a Tabela – TabLockTable —
Create Table TabLockTable
(Codigo Int Identity(1,1) Not Null Primary Key Clustered,
Valores Varchar(20))
Go

 

Até aqui nada de especial, nosso ambiente foi criado, preparado para receber alguns dados, para tal, utilizaremos o Bloco de Código 7, responsável em realizar o insert e consulta dos dados, conforme apresento a seguir:

 

— Bloco de Código 7 —

— Inserindo uma pequena porção de dados —
Insert Into  UpdLockTable
Values (‘Pedro’), (‘Antonio’), (‘Galvão’), (‘Junior’),
(‘MVP’), (‘MCC’), (‘MSTC’), (‘MIE’), (‘SQL Server’),
(‘Banco de Dados’),(‘Table Hint TabLock’)
Go

 

— Consultando os dados —
Select Codigo, Valores From UpdLockTable
Order By Valores Desc

Go

 

Nossa porção de dados encontra-se armazenados em nossa table TabLockTable, o que nos permite realizar uma pequena simulação de seu comportamento e entender como ela realiza o bloqueio em nossa query.

 

Vamos então realizar a execução do Bloco de Código 8, sendo este o ponto chave que vai nortear nosso entendimento, observe que estamos abrindo um bloco transacional denominado TTBL (conforme já destacado anteriormente).

 

— Bloco de Código 8 —

— Iniciando um novo Bloco de Transações denominada TTBL —

Begin Transaction TTBL

 

 

— Utilizando o TabLock —
Begin Transaction TTBL

 

Declare @Contador TinyInt = 1

 

Select ‘Início…’

 

While @Contador < 255
BeginUpdate TabLockTable
Set Valores = @Contador
Where Codigo = 10

 

Select Valores From TabLockTable
Where Codigo = 10

 

Set @Contador += 1
End

 

Select ‘Fim…’

Go

 

Observação: Você deve ter notado um pouco de lentidão na execução de bloco de código, bem como, o uso de alguns comandos e técnicas que podem ser melhoradas ou até mesmo substituídas, ressalto que o mesmo não possui o objetivo de ser executado no menor tempo possível ou até mesmo ser entendimento como uma técnica para inserção de dados. Este bloco de código foi criado e elaborado somente para esta prática, sem qualquer finalidade de uso em cenários reais.

 

Dando continuidade, enquanto nosso Bloco de Código 8 é processado, vamos abrir uma nossa query e executar o Bloco de Código 9 e observar se algo de errado ou diferente acontece:

 

— Bloco de Código 9 —
— Inserindo uma nova linha de registró lógico na TableTableLock durante o processamento do bloco de código 8 —

Insert Into TabLockTable Values (‘Teste TabLock’)
Go

 

Tenho a certeza que você imaginava que o SQL Server iria demorar para processar nossa query ou simplesmente não iria retornar nada em tela, da mesma forma que a UpdLock.

Não!

 

Ele mais uma vez está trabalhando de forma certa, da mesma maneira que fizemos anteriormente não utilizamos de forma proposital a table hint TabLock em nosso bloco de código, algo que vamos realizar agora utilizando os blocos de código 10 e 11, declarados a seguir:

 

— Bloco de Código 10 —

Rollback Transaction TTBL — Encerrando a transação anterior —

Go

 

 

— Adicionar TabLock —
Begin Transaction TTBLII

 

Declare @Contador TinyInt = 1

 

Select ‘Início…’

While @Contador < 255
BeginUpdate TabLockTable With (TabLock)
Set Valores = @Contador
Where Codigo = 10

 

Select Valores From TabLockTable
Where Codigo = 10

Set @Contador += 1
End

 

Select ‘Fim…’
Go

 

— Bloco de Código 11 —

— Abrir nova query e realizar Insert vai ocorrer bloqueio —
Insert Into TabLockTable Values (‘Teste TabLock II’)
Go

 

Para nossa surpresa, o Bloco de Código 10 já deve ter sido processado, mas o 11 ainda se encontra em processamento, a Figura 3 apresentada abaixo, comprova este comportamento:

Figura 3 – Bloco de código 11 ainda em execução, aguardando algum retorno do bloco de código 10, mesmo após sua execução.

Você pode estar questionamento a si mesmo, o porquê deste comportamento por parte do nosso Microsoft SQL Server. Não precisa ficar preocupado, por padrão o Database Engine em conjunto com o Storage Engine estão aplicando em tempo de execução um bloqueio em nossa tabela TabLockTable, ou seja, a mesma ficou bloqueada pela operação de Update que nos disparamos no bloco de código 10 em conjunto table hint TabLock.

 

Para que possamos concluir a execução do Bloco de Código 11, precisamos encerrar nossa transação aberta anteriormente denominada TTBLII, para tal vamos executar o Bloco de Código 12 dentro da mesma query utilizada para executar o Bloco de Código 10:

 

— Bloco de Código 12 —

— Confirmando e encerrando a transação TTBLII dentro da mesma sessão do bloco de código 10 —

Commit Transaction TTBLII
Go

 

E como um passe de mágica, o Bloco de Código 11 foi encerrado simultaneamente após o processamento do Bloco de Código 12.

Vou deixar para que você mesmo comprove este resultado.

 

Não é algo realmente surpreendente, como a mesma funcionalidade utilizada de formas similares ou parecidas possa ser comportar de maneiras tão diferentes.

 

Eu sou suspeito a dizer, mas não podemos dizer que isso é um passe de mágicas ou truque, ao contrário, existe um conjunto de propriedades relacionadas ao controle de transacional e bloqueios que os Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados utilizam para garantir que tudo funcione da melhor forma possível chamado ACID:

 

  • Atomicidade;
  • Consistência;
  • Isolamento; e
  • Durabilidade.

 

Quem sabe em um outro post eu aborde este tema, por hoje, vou ficando por aqui.

Com isso, e sem mais delongas, chegamos ao final. Ufa deu um pouco de trabalho este post, como de costume, mesmo assim sempre vale a pena poder compartilhar um pouco do conhecimento e experiências adquiridas ao longo dos anos de trabalho como DBA e Professor.

Espero que você tenha gostado, eu posso dizer que sim, mas sua opinião é muito importante.


Referências

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/queries/hints-transact-sql-table

http://sqlissuessa.blogspot.com/2016/07/table-hints-transact-sql.html#!

https://sqlhelp.wordpress.com/2009/01/13/table-hints-transact-sql/

https://social.msdn.microsoft.com/Forums/sqlserver/en-US/d2e78faa-9c79-4faf-8232-5ae08a5dd23e/sql-table-hints-not-working-updlock-holdlock

https://social.msdn.microsoft.com/Forums/sqlserver/en-US/a7536fc4-ed1e-44aa-a16b-d4dc9ca6cd70/what-is-the-difference-between-holdlock-and-updlock-in-sql-server

https://www.sqlservercentral.com/Forums/Topic1227171-392-1.aspx

http://www.sql-server-performance.com/2004/2000-table-hints/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/03/01/script-challenge-13-a-resposta/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/tag/trace-flag/

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/12/21/23-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/08/22/22-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/05/28/21-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/04/12/20-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/01/02/19-para-que-serve/

Conclusão

Mais uma vez podemos observar como o Microsoft SQL Server apresenta um conjunto tão grande de funcionalidades, realizando uma forma totalmente diferente e especifica para cenários simulares em suas estruturas de código, mas que durante sua execução pode ser entendida de uma maneira muito particular.

Neste post podemos conhecer, aprender e visualizar como as table hints UpdLock e TabLock são utilizadas, seus comportamentos, e principalmente como os bloqueios realizados por ambas podem ser aplicar para um mesmo cenário no caso o uso do comando Update dentro de um bloco de transações.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, que desde suas primeiras versões nos apresenta inúmeras possibilidades de se aprender, possibilitando usar o passado como fonte de inspiração para construção de um futuro melhor, por isso que a cada dia eu me apaixono ainda mais por este produto…

Vai SQL Server, Vai SQL Server….

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua ilustre visita, sinto-me honrado com sua presença, espero que este conteúdo possa lhe ajudar e ser útil em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Um forte abraço, até o próximo post da sessão Para que serve a ser publicado no mês maio de 2019.

Um grande abraço e ótimo final de semana.

Valeu.

Novo Microsoft SQL Server Migration Assistant v8.0 disponível


A Microsoft liberou nesta semana o Microsoft SQL Server Migration Assistant v8.0, ferramenta gratuita que permite a migração de dados existentes em outras soluções de bancos de dados, como: 

De uma forma bastante simples e prática é possível consumir os dados armazenados nas soluções listadas acima, enviando os mesmos diretamente para o Microsoft SQL Server e Microsoft Azure SQL.

O Microsoft SQL Server Migration Assistant v8.0 é compatível com o sistemas operacionais:

  • Windows 7;
  • Windows 8;
  • Windows 8.1;
  • Windows 10;
  • Windows Server 2008 R2;
  • Windows Server 2012;
  • Windows Server 2012 R2; e
  • Windows Server 2016.

Esta nova versão do Microsoft SQL Server Migration Assistant  inclui o suporte para:

– MySQL 4.1 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, SQL Server 2019, Azure SQL DB e Azure SQL Database Managed Instance;

–  Access 97 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, SQL Server 2019, Azure SQL DB e Azure SQL Database Managed Instance;

– SAP Adaptive Server Enterprise (ex-Sybase) 11.9 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, SQL Server 2019, Azure SQL DB e Azure SQL Database Managed Instance;

–  Oracle Database 9.0 e posteriores para todas as edições do SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017, SQL Server 2019, Azure SQL DB, Azure SQL Data Warehouse e Azure SQL Database Managed Instance; e

– IBM DB2 9.0 e 10.0 no z/OS e das versões 9.7 e 10.1 no Linux/Unix/Windows para o SQL Server 2012, SQL Server 2014, SQL Server 2016, SQL Server 2017,SQL Server 2019, Azure SQL DB e Azure SQL Database Managed Instance.

Microsoft SQL Server Migration Assistant v8.0

O download pode ser realizado de acordo com sua fonte de dados de origem, selecione uma das opções existentes abaixo:

Recursos adicionais

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – Download Center – https://www.microsoft.com/en-us/download

Microsoft começa a testar atualizações de recursos do Windows 10 previstos para 2020


Microsoft apenas lançou seu primeiro “skip ahead “ do Windows 10 para insiders, mas este vem com uma considerável diferença em relação aos ciclos anteriores.

Em vez de testar compilações que são para a próxima atualização do recurso do Windows 10, codinome 19H2, o atual time de insiders anel skip ahead recebeu hoje uma compilação 20H1, fazendo com que a próxima atualização do recurso do Windows 10 agendada para 2020 comece a ser conhecida.

A partir de agora, a maioria da equipe do Windows está trabalhando duro na próxima atualização de recursos do Windows 10, codinome 19H1 e programada para lançamento este ano.

Esta atualização inclui novidades como um novo tema de luz, melhorias para o centro de ação, Windows sandbox, entre outros itens. O 19H2 é a atualização agendada para este ano, e não está em testes com insiders ainda.

Microsoft flights Windows 10 build 18836 to Skip Ahead Insiders with 20H1 changes

Então, é surpreendente ver a Microsoft começar Flighting para o 20H1  em plena fase de voos para insiders que estão trabalhando Skip Ahead tão brevemente, sabendo que boa parte das atualizações referentes ao ciclo 2019 ainda estão em fase de testes.

O gigante Redmond diz que a razão de já estar trabalhando no 20H1 é porque o seu trabalho em novos recursos que requerem um tempo de execução muito maior, na qual a empresa se encontra pisando em território especulativo, que isso tem algo a ver com o Windows Core OS ou CShell.

Fontes e Direitos Autorais: WindowsCentral.com – Zac Bowden – 14/02/2019.
Leia na integra acessando: https://www.windowscentral.com/microsoft-starts-testing-next-years-windows-10-feature-updates

Script Challenge – 2019 – Post 15


Olá, bom dia comunidade…

Tudo bem? Quarta – feira dia 13/02 estamos no verão, sofrendo muito com este super calor que esta “queimando nossas cacholas”, mas hoje aqui em São Roque, amanheceu um dia bem diferente dos últimos, muito chuva, vento e temperaturas bem amenas, podemos dizer que aquele friozinho gostoso esta de volta.

Pois bem, sou suspeito a dizer sobre o frio, ainda mais por ser fã incondicional de temperatura baixas, devido a ter trabalhado muitos anos dentro de os mais variados datacenters de empresas e clientes suportando “aquelas” altas temperaturas de 16 ou 18 graus.

Mas o que esta mudança de tempo tem haver com este novo post da sessão Script Chalenge, bom na minha opinião tem tudo haver, ainda mais dependendo do situação e como diria um velho amigo meu “do nível da problemática da coisa” ele poderá aumentar ou diminuir a sua temperatura em pouso segundo, kkkkkk.

Introdução

Os posts publicados nesta sessão tem o objetivo de desafiar o visitante a descobrir o que um determinado script pode fazer ao ser executado, e não somente isso, mostrar como podemos aprender com o uso da linguagem Transact-SQL e sua vasta coleção de comandos, funções e instruções adicionadas a cada nova versão ou atualização do Microsoft SQL Server.

Se você ainda não conhecia a sessão Script Challenge, fique tranquilo vai ter a possibilidade agora mesmo, como também a cada 4 meses poder desfrutar de um novo desafio e sua respectiva resposta, por isso esta sessão é denominada Script Challenge(Script Desafio ou Desafio do Script), bom a melhor forma de traduzir eu deixo para você escolher.

Seguindo um frente….

Gostaria de destacar mais uma vez duas mudanças iniciais implementadas na sessão Script Challenge tendo como base o post publicado em outubro de 2017, sendo elas:

  1. Como maneira ou forma de dificultar ainda mais o nível de complexidade do código, o bloco de código que representa o Script Challenge selecionado para compor o post será  apresentado no formato de imagem ou figura; e
  2. Algumas partes das linhas de código, trechos, ou partes de código serão omitidas, justamente como forma de tornar este código ainda mais desafiador.

Antes de destacar o script de hoje, não custa nada saber um pouco mais sobre esta sessão, por este motivo, quero lhe contar um pouco da história que cerca os posts relacionadas a ela…

Um pouco de História

Esta é uma sessão criado no final do ano de 2010 e mantida mensalmente até meados de 2012, desde então não me dediquei mais a mesma devido principalmente em não conseguir identificar possíveis scripts dentro da minha biblioteca que poderiam ser apresentados como um scripts considerados como desafio para os profissionais da área de banco de dados.

Mas acredito que nos últimos anos com o crescimento do Microsoft SQL Server, seu nível de evolução, amadurecimento e recursos adicionais, como também, meu nível de experiência profissional e acadêmica também evolui muito, sinto-me preparado para retornar com esta sessão e poder de forma bastante técnica, didática e conceitual poder lançar um “desafio” e responder o mesmo com muito segurança.

Outro detalhe importante, esta é uma sessão que foi criada, pensando em apresentar pequenos blocos de códigos oriundos da linguagem Transact-SQL que possam apresentar um nível de dificuldade e conhecimento técnico um pouco mais elevado, exigindo assim uma análise mais profunda e até mesmo a criação um pequeno cenário de teste para seu entendimento.

Vamos então conhecer o bloco de código selecionado para ser o Script Challenge deste post.


Script Challenge – 15

O bloco de código Transact-SQL selecionado para fazer parte do Script Challenge de hoje, esta relacionado com uma importante atividade exercidas por Administradores de Servidores,  DBAs e Administradores de Banco de Dados.

Trata-se de algo que pode ajudar a identificar possíveis situações que venham a atrapalhar o processamento e execução de nossas querys e transações. Vale ressaltar que este script, não possui a finalidade de apresentar os custos de processamento que estão sendo demandados pelos processos em execução.

Vou dar uma pequena canja, sobre este desafio: O mesmo, pode ser executado em conjunto com as demais sessões, transações ou querys em execução, sem necessitar que qualquer procedimento de manutenção ou alterações na configuração do SQL Server para sua execução.

E ai, ficou curioso para saber o que este script realiza? Qual seria esta possível atividade? Mesmo assim, não vou lhe responder hoje, vou deixar que você quebre um pouco a sua cabeça, afim de tentar matar esta curiosidade, mas como não sou tão mal assim, no final do post como de costume vou deixar uma enquete para você expor sua opinião.

A seguir apresento o bloco de código:

Figura 1 – Short Script 15.

Muito bem, nosso Script Challenge esta apresentado. Você preparado para mais este desafio?

Tenho a certeza que sim!


Sua participação

Legal, agora quero conter com a sua participação, me ajudando a responder este post, outra grande novidade que estou adicionando aos posts da sessão Script Challenge será uma pequena enquete com possíveis respostas para identificar qual é a correta, relacionada com o desafio apresentado através do bloco de código selecionado para este post, desta forma, apresento a seguir a Enquete – Script Challenge – 15 e suas alternativas de resposta:

Seguindo em frente, já conhecemos o Script Challenge selecionado, sua enquete e relação de opções de resposta, fica faltando somente a sua participação, algo que eu tenho a certeza que vai acontecer rapidamente.

Durante quanto tempo posso participar…

Outra grande mudança na sessão Script Challenge é seu tempo de publicação “validade”, anteriormente os posts desta sessão eram publicados mensalmente ou bimestralmente, agora serão publicados em um período mais longo, ou seja, a cada 4 meses estarei compartilhando com vocês novos posts dedicados exclusivamente para esta sessão.

Desta forma, você terá mais tempo para participar e me ajudar e encontrar a resposta correta para este desafio, enviando suas possíveis sugestões, críticas e até mesmo alternativas de resposta para minha enquete.

Posts anteriores

Caso esta seja a primeira vez que você acessa um post desta sessão, fico muito feliz e aproveito para compartilhar os posts mais recentes:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/10/06/script-challenge-14-a-resposta/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/06/29/script-challenge-2018-post-14/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/10/26/script-challenge-2017-o-retorno/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/03/01/script-challenge-13-a-resposta/


Agradecimentos

Obrigado por sua visita, espero que post apresentado como um possível “desafio” possa ser úteis e ao mesmo tempo prover conhecimento, aprendizado ou mostrar recursos e problemas existentes no Microsoft SQL Server que as vezes parecem não ter uma resposta, ou são tratados com “bichos de sete cabeças”.

Um forte abraço nos encontramos em breve nas demais sessões e especialmente em junho de 2019 em mais um post da sessão Script Challenge, o qual apresentará a resposta para este post.

Sucesso, mais uma vez obrigado por sua visita, espero que você tenha gostado deste post.

Fique a vontade para conhecer demais publicados até o presente momento nas demais sessões.

Abraços.

Microsoft anuncia a realização da Build Conference para os dias 06 e 08 de Maio


Agora é oficial!

A Microsoft anunciou que seu grande evento o Build Developer Conference realizada anualmente será mais uma vez no mês de Maio especificamente nos dia 6, 7 e 8 em Seattle – Estados Unidos.

Da mesma maneira que ocorreu em 2018, os dias de realização do Build serão bem próximas aos dias que a Google Developer será realizada, marcada também para o mês de Maio, nos dias 7, 8 e 9.


Presidente Mundial da Microsoft Satya Nadella na abertura do Build Developer Conference 2018.

Espera-se que o Build 2019 tenha mais conversas da Microsoft sobre oportunidades de desenvolvedores usando o Azure e o Windows. Os rumores também sugerem que a Microsoft vai finalmente falar mais sobre o Windows Core OS, e pode até mesmo tirar os envoltórios da Microsoft próximos ao Windows Lite OS.

As inscrições para este grandioso evento se iniciando no dia 27 de Fevereiro, através do link –  Registration for Build 2019.

Fontes e Direitos Autorais: Windows Central – Zac Bowden – 06/02/2019.
Leia na integra acessando: https://www.windowscentral.com/microsoft-announces-build-developer-conference-may-6-8

Material de Apoio – Fevereiro 2019


Olá, muito bom dia….

Tudo bem? O mês de fevereiro já chegou, ainda não é carnaval no Brasil, mas para alegria e folia da garotada e de nós professores as aulas estão de volta (kkkkk).

Mesmo com toda esta loucura de volta as aulas, estou aqui mais uma vez procurando colaborar e compartilhar com a comunidade técnica em mais um post da sessão Material de Apoio dedicado exclusivamente ao meu blog.

Espero que você esteja gostando do conteúdo aqui disponibilizado, como também, possa me ajudar a torná-lo ainda melhor no decorrer do tempo com a sua participação.

O post de hoje

Seja bem-vindo a mais um post da sessão Material de Apoio, sendo o primeiro post da sessão em 2019 e de número 161 no total da mesma.

Para aqueles que já acompanham o meu blog a um certo tempo, os posts dedicados a sessão Material de Apoio, possuem o objetivo de compartilhar o conhecimento de recursos, funcionalidades e procedimentos que podemos realizar no Microsoft SQL Server.

Hoje não será diferente, estou trazendo alguns dos mais recentes scripts catalogados nos últimos meses, que atualmente estão compondo a minha galeria de códigos formada ao longo dos anos de trabalho como DBA e atualmente como Professor de Banco de Dados.

Neste post você vai encontrar arquivos relacionados com os seguintes temas:

  • Check List Diário;
  • Concatenar valores ;
  • Criptografia de Código Fonte;
  • Descriptografia de Código Fonte;
  • Disponibilidade de Ambiente;
  • DMV sys.dm_exec_procedure_stats;
  • DMV sys.dm_exec_query_plan;
  • Formatação de Valores;
  • Função Format;
  • Função Parse;
  • Ordem Crescente de dados;
  • Ordem Descrecente de dados;
  • Plano de Execução;
  • Querys;
  • Stored Procedure;
  • Stored Procedure sp_fixeddrivers; e
  • Texto.

Espero que este conteúdo possa lhe ajudar em seus atividades profissionais e acadêmicas. Por questões de compatibilidade com a plataforma WordPress.com, todos os arquivos estão renomeados com a extensão .docx ao final do seu respectivo nome, sendo assim, após o download torna-se necessário remover esta extensão, mantendo somente a extensão padrão .sql.

Material de Apoio

A seguir apresento a relação de arquivos  selecionados:

1 – Material de Apoio – Fevereiro 2019 – Relação das Querys mais pesadas em conjunto com plano de execução

2 – Material de Apoio – Fevereiro 2019 – Stored Procedure – CheckList Diário – Disponibilidade e Ambiente

3 – Material de Apoio – Fevereiro 2019 – Stored Procedure – sp_fixeddrives

4 – Material de Apoio – Fevereiro 2019 – Stored Procedure para Descriptografia de Stored Procedure

5 – Material de Apoio – Fevereiro 2019 – Stored Procedure – Exibir – Código Stored Procedure Criptografada

6 – Material de Apoio – Fevereiro 2019 – PARSE e FORMAT para alterar exibição de valores

7 – Material de Apoio – Fevereiro 2019 – Função – Formatação de Valores

8 – Material de Apoio – Fevereiro 2019 – Função – Concatenar valores em ordem decrescente

9 – Material de Apoio – Fevereiro 2019 – Função – Contar caracteres específicos dentro de um texto

10 – Material de Apoio – Fevereiro 2019 – Plano de Execução – Obtendo informações sobre Querys e Stored Procedures – sys.dm_exec_procedure_stats + sys.dm_exec_query_plan

Fique a vontade para copiar, editar, compartilhar e distribuir estes arquivos com seus contatos, aproveite se possível deixe seu comentário, críticas, sugestões e observações.

Nota: Todos os arquivos disponibilizados foram obtidos ou criados com autorização de seus autores, sendo estes, passíveis de direitos autorais.

Links

Caso você queira acessar os posts anteriores da sessão, não perca tempo utilize os links listados abaixo:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/12/18/material-de-apoio-dezembro-2018/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/10/30/material-de-apoio-outubro-2018/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/08/14/material-de-apoio-agosto-2018/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/06/19/material-de-apoio-junho-2018/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/04/05/material-de-apoio-abril-2018/

Agradecimento

Quero agradecer imensamente a sua visita, sinto-me honrado e orgulhoso de contar com a sua presença.

Não deixe de acessar os outros posts das demais sessões, o próximo post desta sessão será publicado no mês de abril, até lá, continue aproveitando cada momento da sua vida, desfrutando com muita sabedoria os momentos de galeria e também os desafios que são colocados ao seu redor.

Um forte abraço, muita saúde, sucesso e nos encontramos em breve.

Valeu.

Dica do Mês – Temporal Table e o Calor, uma combinação muito quente


Salve pessoal, bom dia.

Estamos no mês de janeiro, férias, sol, calor, chuvas, e para minha alegria te encontro mais uma vez no meu blog, caso esta seja a sua primeira visita ou acesso, fico mais feliz ainda, seja muito bem vindo.

Este é mais um post da sessão Dica do Mês, sessão dedicada a compartilhar bimestralmente dicas, novidades, curiosidades e demais assuntos, conteúdos e informações relacionadas ao Microsoft SQL Server, Banco de Dados e Tecnologias de Banco de Dados.

No post de hoje, quero compartilhar com vocês uma das funcionalidades adicionadas ao Microsoft SQL Server a partir da versão 2016 e que recentemente acabei conhecendo com um pouco mais, como você já pode notar no título deste post, estou fazendo referência as chamadas Temporal Tables (Tabelas Temporais).

Você já conhece? Teve a necessidade de utilizar? Eu particularmente falando conhecia muito pouco sobre este recurso, mas na semana passada neste período de férias tive a ideia de fazer uma brincadeira aqui em casa em conjunto com um termômetro, e justamente através desta brincadeira que utilizei uma temporal table.

Ficou curioso para saber como eu fiz uso dela? Calma, daqui a pouco eu conto mais sobre isso para você.

Pois bem, sem mais delongas, vamos em frente, vou tentar mitigar a sua curiosidade e ao mesmo também satisfazer os meus objetivos. Sendo assim, seja bem vindo ao post – Dica do Mês – Temporal Table e o Calor, uma combinação muito quente.


Introdução

A partir da versão 2016 do Microsoft SQL Server, a Microsoft introduziu o suporte para tabelas temporais de sistema baseadas no versionamento de dados como um recurso de banco de dados, sendo este,  uma funcionalidade que traz o suporte interno para fornecer informações sobre dados armazenados na tabela em qualquer ponto no tempo, ao invés de apenas os dados que é corretos no momento atual em está na hora.

Esta nova funcionalidade, também é reconhecida e trata como um recurso de banco de dados criado com base nos padrões em ANSI SQL 2011.

A partir do momento em que idealizamos fazer uso de uma tabela temporal, estamos criando um novo objeto ou transformando um objeto já existente em nosso banco de dados, em um elemento responsável em manter o histórico completo das alterações de dados ocorridos durante um período de tempo, sendo esta a principal finalidade de uso de uma temporal que é tratada internamento como um repositório de gerenciamento de tempo.

Cada tabela temporal tem duas colunas explicitamente definidas, cada um com um tipo de dados datetime2 , estas colunas são referidas como colunas de período, sendo período colunas usadas exclusivamente pelo sistema de registro prazo de validade para cada linha, sempre que uma linha for modificada. Além dessas colunas de período, uma tabela temporal também contém uma referência a outra tabela, a qual será utilizada como esquema espelho.

Por padrão o Microsoft SQL Server utiliza esta tabela para armazenar automaticamente a versão anterior de uma linha cada vez que a mesma na tabela temporal é atualizada ou excluída. Esta tabela adicional é referida como a tabela de histórico, enquanto a tabela principal que armazena versões de linha (real) atual é conhecida como a tabela atual ou simplesmente como a tabela temporal.

Importante ressaltar que durante a criação do quadro temporal, os usuários podem especificar a existência de uma tabela de histórico (deve ser esquema compatível) ou deixar o sistema criar tabela de histórico padrão.

Agora que já conhecemos um pouco do que é uma Temporal Table, vamos avançar mais um pouco em nossa caminhada, vou apresentar o porque tive a ideia de fazer uso deste recurso.

 

SEU FUNCIONAMENTO

Como já destacado anteriormente o sistema de controle de versão de uma tabela temporal é implementado através do uso de um par de tabelas, uma tabela atual e uma tabela de histórico. Dentro de cada uma destas tabelas, as seguintes duas colunas adicionais datetime2 são usadas para definir o período de validade para cada linha:

  • Coluna de início de período: O sistema registra a hora de início para a linha nesta coluna, denotado tipicamente como a coluna de SysStartTime .
  • Coluna de fim do período: O sistema registra a hora final para a linha nesta coluna, normalmente indicado na coluna SysEndTime .

A tabela atual contém o valor atual para cada linha. A tabela de histórico contém cada valor anterior para cada linha, se for o caso, e a hora de início e hora de término para o período para o qual foi válido.

A Figura 1 apresentada abaixo, ilustra de forma simples o funcionamento do sistema de controle dos dados aplicado a partir do uso de uma tabela temporal:

Temporal-HowWorks

Figura 1 – Funcionamento do sistema de controle de uma tabela temporal.

Este sistema de controle de versionamento dos dados é realizado sempre as instruções: Insert, Update, Delete ou Merge venham a ser realizadas de forma individual ou simultânea.

 

PORQUE UTILIZAR UMA TEMPORAL TABLE

Uma das coisas que eu aprendi a gostar no decorrer da minha carreira na área de tecnologia é a importância e as possibilidades de mudanças que um mesmo dado pode apresentar no decorrer de um período de tempo, este é um dos meus maiores prazeres entender o quanto aquele dado a uma minuto atrás agora já é outro dado e podem me trazer representar novas informações e conhecimentos.

Desta forma, ao analisarmos uma temporal table podemos também reconhecer ou fazer uso da mesma como uma Slowly Changing Dimension (Dimensão com mudanças lentas ou mudanças lentas em uma dimensão), o que vai nos possibilitar criar uma visão dos nossos dados com base uma período ou determinada data.

Uma outra funcionalidade que pode ser aplicada a uma temporal table se relacionada a controles de auditoria mais propriamente falando de auditoria de dados, normalmente as fontes de dados reais são dinâmicas e se tornam voláteis ao longo do tempo, para uma empresas isso pode influenciar diretamente em suas decisões as quais dependem de percepções que os analistas podem começar a identificar a partir da evolução ou mudanças de dados.

Já sabemos o porque escolhi fazer uso de uma temporal table, agora vou apresentar o cenário que me permitiu aplicar este recurso com base na minha ideia.

 

MINHA IDEIA

Estamos visando uma forte onda de calor em praticamente todo o Brasil, algo que muitos brasileiros adoram eu sinceramente não sou um destes brasileiros, pois eu não suporto estas altas temperaturas.

Para tentar de alguma maneira aprender algo de novo com este calor e tentando se distrair dentro das possibilidades, pensei em ter uma noção do quanto a temperatura aqui na minha casa localizada na cidade de São Roque interior do estado de São Paulo muda no decorrer de um período de tempo, sendo justamente esta a minha ideia de utilizar uma temporal table, talvez esta não tenha sido a melhor ideia ou até mesmo o melhor cenário para uso, mas entendo que pode ser uma possibilidade dentre as mais variadas possíveis.

Seguindo em frente e avançando mais um pouco, chegou a hora de colocar em prática a minha ideia, para isso vamos construir um simples cenário para fazer uso da Temporal Table.

NOSSO AMBIENTE

Como de costume vamos utilizar um ambiente isolado dos demais bancos de dados que você possa conter, desta maneira nosso cenário será constituído dos seguintes elementos:

  • Banco de Dados: DatabaseTemporalTabel;
  • Tabela Atual: TemporalTableTemperatura;
  • Tabela Historico: TemporalTableTemperaturaHistorico;
  • Colunas Temporais: DataHoraInicial e DataHoraFinal; e
  • Period For System formado por: DataHoraInicial e DataHoraFinal.

Criando o ambiente

Através do Bloco de Código 1 apresentado abaixo, vamos realizar a criação dos respectivos elementos destacados anteriormente:

— Bloco de Código 1 —

— Criando o Banco de Dados —
Create Database DatabaseTemporalTable
Go

— Acessando o Banco de Dados —
Use DatabaseTemporalTable
Go

— Criando a Tabela TemporalTableTemperatura —
Create Table TemporalTableTemperatura
(Codigo Int Identity(1,1) Primary Key Clustered,
Local Char(10) Default ‘Minha Casa’,
Cidade Char(9) Default ‘São Roque’,
DataAtual Date Default GetDate(),
HoraAtual Time Default GetDate(),
Temperatura TinyInt,
DataHoraInicial Datetime2 (0) GENERATED ALWAYS AS ROW START,
DataHoraFinal Datetime2 (0) GENERATED ALWAYS AS ROW END,
PERIOD FOR SYSTEM_TIME (DataHoraInicial, DataHoraFinal))
WITH (SYSTEM_VERSIONING = ON (HISTORY_TABLE = dbo.TemporalTableTemperaturaHistorico))
Go

A Figura 2 apresentada abaixo, ilustra a estrutura da tabela TemporalTableTemperatura e sua tabela espelho TemporalTableTemperaturaHistorico:

Figura 2 – Tabelas TemporalTableTemperatura e TemporalTableTemperaturaHistorico.

Observações

1 – Para que o Microsoft SQL Server reconheça uma tabela como Temporal Table as colunas temporais devem ser formadas pelo tipo de dados DateTime2 e logo após a declaração do seu tipo de dados informar as instruções:

  • Generated Always as Row Start – Valor gerado sempre no início da linha; e
  • Generated Always as Row End – Valor gerado sempre no final da linha.

2 – O controle do período dos valores é feito através da instrução PERIOD FOR SYSTEM_TIME, declarada obrigatoriamente no final da construção da tabela, formada pelas colunas que recebem os valores DateTime2.

3 – Ao declarar o nome da tabela a ser utilizada para o versionamento dos dados, é obrigatório informar o nome do ower ou schema a qual esta tabela irá pertencer, caso isso não seja feito o Microsoft SQL Server retornará a seguinte mensagem de erro:

Msg 13539, Level 15, State 1, Line 18
Setting SYSTEM_VERSIONING to ON failed because history table ‘TemporalTableTemperaturaHistorico2 is not specified in two-part name format.

4 – Ao informar a tabela que será utilizada para o versionamento dos dados o Database Engine realiza automaticamente a criação desta tabela histórico caso a mesma não exista.

Ótimo estamos no caminho certo, nosso próximo passo será abastecer a tabela TemporalTableTemperatura com dados iniciais e na sequência proporcionar alterações nestes mesmos dados iniciais para que o Database Engine faça uso da nossa Temporal Table registrando na Tabela TemperalTableTemperaturaHistorico todas as manipulações realizadas.

Para isso vamos utilizar o Bloco de Código 2 declarado abaixo:

— Bloco de Código 2 —

— Inserindo Dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Insert Into TemporalTableTemperatura (Temperatura)
Values (25)
Go

— Gerando um Delay de 20 segundos —
WAITFOR DELAY ’00:00:20′
Go

— Atualizando os dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Update TemporalTableTemperatura
Set Temperatura = 26,
HoraAtual = GetDate()
Go

— Gerando um novo Delay de 40 segundos —
WAITFOR DELAY ’00:00:40′
Go

— Atualizando os dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Update TemporalTableTemperatura
Set Temperatura = 27,
HoraAtual = GetDate()
Go

— Gerando um novo Delay de 1 minuto e 20 segundos —
WAITFOR DELAY ’00:01:20′
Go

— Atualizando os dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Update TemporalTableTemperatura
Set Temperatura = 27,
HoraAtual = GetDate()
Go

Até aqui tudo tranquilo, realizamos o processo de inserção de dados iniciais na tabela TemporalTableTemperatura e na sequência através do comando WaitFor forçamos a ocorrência de alguns delays (atrasos) de tempo para simular o aumento da temperatura como se fosse um termômetro realizando uma nova marcação, com isso, já temos neste momento um pequena porção de dados a serem consultados.

Vamos então executar o Bloco de Código 3 a seguir para identificar as possíveis maneiras de se consultar os dados armazenados em nossa temporal table:

— Bloco de Código 3 —

— Consultando dados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Select * From TemporalTableTemperatura
Go

Após realizarmos o Select declarado acima teremos um retorno de dados similar ao apresentado na Figura 3 abaixo:
Figura 3 – Posição atual de dados armazenados na tabela TemporalTableTemperatura.

Observe que a coluna Temperatura apresenta o valor 27, número informado no último update realizado, a coluna DataHoraInicial apresentando o valor que representa o início da realização da última manipulação aplicada a tabela, no caso o comando Update e a coluna DataHoraFinal vai apresentar o valor final que representa o encerramento do período de controle de versionamento dos dados com o valor fixo e padrão 9999-12-31 23:59:59.

Pois bem, mas se quisermos então identificar ao longo do tempo todas as manipulação que podem ter ocorrido em nossa tabela temporal? É ai que entra em ação nossa tabela de espelho, nossa tabela TemporalTableTemperaturaHistorico, a qual é responsável em armazenar e controlar todo versionamento e alterações que venham a ser realizadas em nossa Temporal Table.

O próximo passo consiste na execução do Bloco de Código 4, o qual vai nos permitir consumir os dados temporais armazenados em nossa tabela TemporalTableTemperaturaHistorico:

— Bloco de Código 4 —

— Consultando dados Temporais, obtendo todas as manipulações realizadas —
Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time All — Apresenta todas as manipulações realizadas
Go

Figura 4 – Todas as manipulações realizadas na tabela TemporalTableTemperatura armazenadas de forma espealhada na tabela histórico TemporalTableTemperaturaHistorico.

Nota que a coluna DataHoraFinal apresenta na linha 1 o valor fixo e padrão 9999-12-31 23:59:59, mas no decorrer das demais linhas, de acordo com as operações realizadas os valores foram sendo atualizados, como podemos comprovar na linha 7 a qual apresenta o valor 2019-01-22 12:59:42.

Já estamos praticamente no final desta caminhada, nosso últimos passos consistem em realizar outras formas de consultar dados temporais, através das instruções:

  • For System_Time as Of;
  • For System_Time From ” To ”;
  • For System_Time Between ” And ”; e
  • For System_Time Contained In ().

Para realizar estas consultamos, vamos executar o Bloco de Código 5 apresentando abaixo:

— Bloco de Código 5 —

— Conhecendo outras formas de consultar dados temporais —
Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time as Of ‘2019-01-22 12:33:56’
Go

Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time From ‘2019-01-22 12:33:56’ To ‘2019-01-22 12:48:36’
Go

Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time Between ‘2019-01-22 12:48:36’ And ‘2019-01-22 12:58:22’
Order By Temperatura Desc
Go

Select * From TemporalTableTemperatura
For System_Time Contained In (‘2019-01-22 12:33:00′ ,’2019-01-22 12:55:00’)
Go

A Figura 5 a seguir apresentado o resultado tornado após a execução do Bloco de Código 5 declarado acima:Figura 5 – Resultados obtidos após a execução de cada comando select declarado no Bloco de Código 5.

Praticamente términos, mas quero finalizar este post com uma pequena amostra do quanto uma tabela temporal pode ser útil, imagine se excluirmos todos os dados da nossa tabela TemporalTableTemperatura.

O que aconteceria com os dados em nossa tabela espelho:

1 – Os dados seriam excluídos também?

2 – Os dados são mantidos?

3 – A tabela espelho será excluída?

4 – Não podemos remover dados em tabelas que utilizam versionamento de dados?

Bom, vou deixar o Bloco de Código 6 declarado abaixo, mas a respostas para esta pergunta você que vai descobrir e posteriormente publicar seu comentário aqui neste post:

— Bloco de Código 6 —

— Excluíndo os dados cadastrados na Tabela TemporalTableTemperatura —
Delete From TemporalTableTemperatura
Go

— Consultando dados na Tabela TemporalTableTemperaturaHistorico —
Select Local, Cidade, DataAtual, HoraAtual, Temperatura
From TemporalTableTemperaturaHistorico
Go

Com isso chegamos ao final de mais um post da sessão Dica do Mês, antes de encerrarmos, gostaria de contar com a sua participação neste post, respondendo a enquete abaixo:


Referências

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/temporal-tables?view=sql-server-2017

https://en.wikipedia.org/wiki/Slowly_changing_dimension

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/creating-a-system-versioned-temporal-table?view=sql-server-2017

https://social.technet.microsoft.com/wiki/pt-br/contents/articles/12580.slowly-changing-dimensions.aspx

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/querying-data-in-a-system-versioned-temporal-table?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/getting-started-with-system-versioned-temporal-tables?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/system-versioned-temporal-tables-with-memory-optimized-tables?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/tables/temporal-table-metadata-views-and-functions?view=sql-server-2017

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/language-elements/waitfor-transact-sql?view=sql-server-2017

Posts Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/10/23/dica-do-mes-comando-restore-database-page-restaurando-paginas-de-dados-de-uma-tabela-no-microsoft-sql-server/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/07/26/dica-do-mes-ocultando-uma-instancia-em-execucao-do-microsoft-sql-server/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/04/25/dica-do-mes-sql-operations-studio-view-as-chart/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/03/14/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2017-sql-graph-databases/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/01/24/dicadomes-sqlservertoolsuiteintroduction/

CONCLUSÃO

Como já destaquei em outros posts, a cada nova versão, atualização e correção a Microsoft transforma o SQL Server em um produto surpreende, ainda mais na sua capacidade e versatilidade de permitir aos profissionais de tecnologia, administradores de bancos de dados, programadores, entre outros, utilizar recursos nativos e também novos como ferramentas que podem nos ajudar a aplicar os mais variados possíveis cenários afim de obter soluções rápidas e práticas para nossas necessidades.

No post de hoje, mais uma vez isto foi constatado, o uso de novos recursos com base em funcionalidades já existentes se tornam ferramentas valiosas e de grande importância, podemos fazer esta relação com as tabelas temporais, funcionalidade que nos possibilita viajar, navegar, caminhar ao longo do tempo analisar e entendendo as mudanças ocorridas em nossos dados.

Desta forma, nos deparamos com uma poderosa ferramenta e sua gama de recursos que nos permitem realizar as mais diversas e variados preposições de análises de dados para identificarmos a melhor forma para se tomar uma decisão.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, produto tão fascinante que a cada dia eu não consigo deixar de querer estudar e conhecer mais ainda.

Agradecimentos

Agradeço a você por sua atenção e visita ao meu blog. Fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Nos encontramos no próximo post da sessão Dica do Mês a ser publicado em breve.

Um forte abraço, sucesso, não se esqueça de se manter hidratado, passar bastante protetor solar para se proteger deste forte calor que estamos vivendo.

Até mais.

Retrospectiva 2018 – Um ano muito diferente na minha vida


Alô você, boa noite…

Tudo bem? Eu estou bem, mesmo após estes últimos dias de comilança (“Festas de final de ano sempre abusamos um pouco.”).

Pois bem, este não um post dedicado a tecnologias ou produtos da Microsoft, ao contrário, a muito tempo venho pensando e criando coragem para elaborar um post que conte um pouco do meu trabalho, das minhas atividades acadêmicas e profissionais, como também da minha correria como MVP e MIE Expert nas ações e atividades promovidas pela Microsoft que eu estou sempre envolvido.

Introdução

Atribui o título de Retrospectiva, mas não sei bem se este post pode ser chamado ou intitulado desta forma, mesmo assim, vou dividir e até mesmo compartilhar com vocês minha rotina realizada nos 365 que se decorreram ao longo deste ano de 2018, sabendo que o ano ainda não acabou e que alguma coisa de diferente pode acontecer, sei que você que esta neste momento lendo este post entende e compreende o que estou dizendo.

De uma forma bastante simples, vou destacar mês a mês os posts aqui compartilhados, os eventos presenciais e online que participei (alias se eu for participar de todos que recebo convite, teria que se multiplicar em três ou quatros, sinceramente falando melhor são, pois um só já é bastante chato….kkkkkkk), palestras, atividades diárias nos fóruns MSDN e TechNet, Participação Mensal no Gallery TechNet, Participação Semanal no SQLServerCentral.com, bancas de TCCs e TGs, entre demais momentos que possa julgar importante.

2018 chegou e já passou, 2019 esta pedindo passagem…

Então, vamos lá, espero que de alguma forma você possa se sentir parte da minha vida no decorrer deste post, além de uma pequeno história do que aconteceu em cada mês, vou destacar os principais posts publicados no meu blog, como também os scripts que foram disponibilizados no Gallery TechNet e outras ações de destaque em outras mídias sociais, blogs e portais de tecnologia:

Janeiro

Começo de ano não é fácil, entrar novamente na rotina, se organizar após a festas de natal e ano novo é sempre complicado, mas em 2018 tudo começou bem cedo, compra dos uniformes escolares, materiais para volta as aulas, logicamente o aniversário da minha pequena Fernanda e sua nova oportunidade profissional, este foi um mês que mudou o decorrer do 2018.

Claro que não foi somente isso, pude descansar muito, voltar a ficar 30 dias em casa após o ano de 2017 de grandes mudanças profissionais, impactos financeiros e principalmente voltar a colocar minha consultoria de volta aos trabalhos foi bastante desgastante, conflitante e temoroso, mas a vida tem que continuar e já no segundo dia de 2018 publiquei o primeiro post do ano que me trouxe uma nova oportunidade de mostrar o meu trabalho.

Destaques:

#19 – Para que serve

Dica do Mês – SQL Setup ToolSuite Introduction

Microsoft SQL Server – Audit Events – Ocorrência de Restore Database

Microsoft SQL Server – Audit Events – Ocorrência de Backup Database

Fevereiro

Segundo mês do ano, voltamos ao trabalho, novas turmas, novos alunos, novos desafios e com ele sempre algumas mudanças, dentre elas o desafio de lecionar um pouco sobre IoT e principalmente Arduino (plaquinha danada de boa, mas que eu levei um tempinho para conhecer), tirando um pouco da tensão por trabalhar com este conteúdo, outro grande obstáculo a ser superado era a ideia de organizar um evento voltado para IoT na Fatec São Roque, evento que no mês de Junho você vai saber como foi.

Não posso deixar de citar o aniversário da minha pequena Malú.

Destaques:

Material de Apoio – Fevereiro 2018

Microsoft SQL Server – Audit Events – Find Errors for Sort Warnings

Microsoft SQL Server – Audit Events – Find Errors for Missing Column Statistics

Short Scripts – Fevereiro 2018 – Transaction Log

Março

Legal, chegamos no primeiro trimestre de 2018, agora sim o ano esta começando pois o carnaval acabou e com ele os “brasileiros” começam a pensar de verdade no que vão fazer no resto do ano (este não é o meu pensamento, mas sim um fato que a cada ano fica mais evidente), deixando um pouco de demagogia e até crítica de lado, um novo desafio se apresentava no decorrer deste mês, como aumentar ainda mais a audiência e visitação do meu blog que estava passando por um momento de turbulências, foi então que no dia 01/03 resolvi “ressuscitar” a antiga sessão que estava bastante esquecida no meu blog denominada Script Challenge (uma similaridade a sessões já existentes em outros blogs dedicados ao Microsoft SQL Server).

Estava também esperançoso para retornar ao mestrado, mais isso não aconteceu da forma que eu esperava, sendo assim, decidi voltar a me dedicar ao meu blog e tentar reconquistar novos seguidores em minhas redes sociais.

Essa não foi uma tarefa muito fácil, definir um novo formato, abordagem e até mesmo algo que trouxe-se mais visitantes ao blog sem conflitar com as sessões já existentes tomou um pouco do meu tempo, mas no final das contas de seu certo e no decorrer de 2018 outros posts desta mesma sessão foram publicados e em 2019 serão mais ainda.

O mês de março já estava acabando, parecia que tudo esta tranquilo, mas um situação bem fora do comum se apresentou, recebi informações da possível existência de um farsante como usuário dos fóruns do MSDN e TechNet aqui Brasil, e neste caso eu como moderador era responsável em tentar evidenciar e reportar o fato, foi então um momento muito incomum, contatar o profissionais da Microsoft localizados em Redmond em conjunto com meu MVP Leader Glauter Januzzi afim de monitorar este usuário, situação que somente no final deste ano conseguimos resolver.

Destaques:

Script Challenge – 13 – A resposta….

Dica do Mês – Microsoft SQL Server 2017 – SQL Graph Databases

Microsoft SQL Server – Audit Events – Identifying File Shrink Events

Microsoft SQL Server – Audit Events – Auto Database Growth Information

Abril

Mês um pouco mais de tensão e receios, este é o mês que passo pelo processo de análise e renovaçã anual como MVP, todas as minhas contribuições nos últimos 12 meses são sumarizadas, computadas, analisadas e principalmente ponderadas para que estabelecer um mínimo de relevância no meu trabalho que me permita ou não ser novamente reconhecido como MVP, mas esta história eu lhe como mais no mês de Julho, o que posso lhe dizer que entre Maio de 2017 e Abril de 2018 moderei mais de 8.700 dúvidas e posts publicados nos fóruns de SQL Server no Brasil.

Outro momento importante neste primeiro quartil do ano de 2018, foi a publicação de mais uma questão minha no maior portal dedicado ao Microsoft SQL Server, o SQLServerCentral.Com, em sua sessão QotD – Question of the Day, contendo um total de 666 visualizações e respostas.

Além disso, participei presencial do MVP.Conf, primeira conferência nacional dos MVPs da Microsoft realizada em São Paulo, tive a honra de levar os alunos da Etec São Roque neste evento, foi a maior caravana de estudantes presentes, um momento muito marcante na minha vida acadêmica.

Estava me esquecendo de destacar o aniversário da minha mãe (ela merece um post exclusivo por ter me aguentado em seu ventre) e o meu no dia 28.

Destaques:

Material de Apoio – Abril 2018

#20 – Para que serve

Microsoft libera Cumulative Update #6 para SQL Server 2017 RTM

Dica do Mês – SQL Operations Studio – View as Chart

Microsoft SQL Server – Audit Events – Adding and Finding Auto Statistics

Microsoft SQL Server – Audit Events – Find Errors for Missing Join Predicates

Manage the suspect_pages Table on SQL Sever 2017

Maio

O mês de maio foi bastante tranquilo, já começamos a se organizar para o final do semestre, este foi um período de 2018 que mais me deparei com demandas profissionais, foi um momento que tive a oportunidade de atender clientes em três localidades distantes ao mesmo tempo: Rio Grande do Sul, Bahia e Paraná isso me representou uma grande oportunidade e satisfação em poder demonstrar o meu trabalho em localidades geograficamente distantes da minha localidade.

Mas nem todos os momentos foram de alegria, neste mês me deparei com uma situação que a muito anos não vivenciava, o quanto algumas “pessoas” podem ser tão desonestas, a devido a uma situação que não vou detalhar mas que marcou muito que mudei brutalmente a minha forma de negociação e prestação de serviços, e não somente isso, me fez tomar a decisão de novamente interromper minhas atividades de consultoria na área de banco de dados para um período, fui buscar me aperfeiçoar, amadurecer profissionalmente como um empreendedor e dono do seu próprio negócio, mas nada de buscar ajuda do Sebrae ou algo parecido, fui na verdade conversar com pessoas que possuem seus próprios negócios aqui em São Roque para entender como eles sobrevivem, posso dizer que foi um momento de grande aprendizado.

A primeira decisão após este período sabático, mudar o nome fantasia da minha empresa, deixando de chamar Jr-Softwares para se tornar Galvão Tecnologia, momento de muito temor pois mudar o nome ou razão social não é tão simples.

Destaques:

Short Scripts – Maio 2018

Microsoft disponibiliza atualização cumulativa 7 para o Microsoft SQL Server 2017

#21 – Para que serve

Microsoft SQL Server 2016 SP2 – Atualização Cumulativa 1 disponível

Page considered Suspect in SQL Server 2017

Microsoft SQL Server – TempDB – Number of Reads and Writes

Microsoft SQL Server – TempDB – Monitoring space used by queries

Junho

Agora sim, estamos na metade do ano, 2018 esta voando, passando rápido, você se lembra que no mês de Fevereiro eu havia comentado do evento que estava ajudando a idealizar e organizar, pois bem, ele de fato aconteceu, o chamado 1º Encontro Tecnológico de Internet das Coisas foi devidamente no dia 26/06 com a presença de diversos profissionais de tecnologia da região.

Uma nova conquista também me foi conferida no decorrer do mês de Junho, a publicação de um Script de minha autoria no portal SQLServerCentral.com em sua sessão Scripts, honra e reconhecimento que aconteceu novamente no mês de Julho com um outro Script que me permitiu aprender muito.

Destaques:

Windows 10 IoT Core Services, nova versão do Windows 10 para dispositivos inteligentes

Material de Apoio – Junho 2018

Script Challenge – 2018 – Post 14

Entering random data into a table

Microsoft SQL Server-Comparative between sparse column and non-sparse column

Microsoft SQL Server – Identificar relacionamento lógico de registros em tabelas

Julho

Estamos virando a chave do ano, entramos na segunda metade de 2018, dois trimestres já se passaram, mês que me permitiu comemorar mais um reconhecimento como MVP sendo esta a minha décima primeira renovação anual consecutiva, meu décima segundo ano no programa como MVP e a partir desta renovação o MVP de Data Platform mais antigo do Brasil.

Continuando neste mês de conquistas, tive o prazer de compor as bancas de professores avaliadores dos trabalhos de graduação dos alunos do curso de Sistemas de Informação para Internet da Fatec São Roque.

Com destacado no mês de Junho, tive o reconhecimento de ter um novo Script de minha autoria publicado no SQLServerCentral.com, script que me possibilitou a troca de conhecimento com um dos maiores profissionais de banco de dados relacional do mundo Jeff Moden , agradeço muito a ele pela oportunidade de aprender.

Destaques:

Windows Server 2019 Preview build 17709 disponível para download

Microsoft SQL Server 2017 Cumulative Update 9 disponível

Dica do Mês – Ocultando uma instância em execução do Microsoft SQL Server

Microsoft SQL Server-Creating an annual calendar with holidays

Microsoft SQL Server-Identifying indexes that present duplicate columns

User Stored Procedure for Backup of user databases

Agosto

Meu deus, o segundo semestre chegou, este é o segundo quartil do ano, estamos próximos de terceiro trimestre de 2018, e como de costume mais um desafio é colocado na minha vida, voltar a lecionar uma das disciplinas que eu não trabalhava desde 2012 conhecida por muitos como Sistemas Operacionais, mas que para o Centro Paulo Paulo no curso de sistemas para internet é denominada Servidores e seus Sistemas Operacionais, tive que voltar a estudar, lêr os bons e tradicionais livres de Andrew Stuart Tanenbaum.

Não somente isso, voltar a estudar e praticar a administração de servidores Windows Server algo que eu sempre faço, mas o desafio era trabalhar de forma prática com Suse Linux, RedHat e Ubuntu, olha foram manhã de muito estudo e práticas para conseguir entregar algo de qualidade para meus pupilos, acredito ter feito da melhor forma possível.

Por outro lado, agreguei em minha coleção de disciplinas novas, um dedicada a área de gestão e negócios que esta totalmente relacionada com Banco de Dados, disciplina que mistura dado, informação, conhecimento e tomada de decisão com as possibilidades que as empresas podem ter a partir do momento que fazem uso de um banco de dados relacional e evoluem para um Data Warehouse.

Passado alguns dias, uma boa notícia, havia sido escolhido para a disciplina de Introdução a Criptografia no Mestrado da UFSCar em Sorocaba, mas devido a questões particulares tomei a decisão de não dar continuidade ao mestrado em 2018 e buscar uma nova oportunidade em outra instituição em 2019.

Um momento muito especial neste mês de agosto, foi a oportunidade de bater um papo com o MVP Leader Glauter Januzzi em umas das suas ações com líder dos MVPs, foi um momento impar e totalmente diferente, como também, poder fazer parte das ações de tradução de produtos da Microsoft, ação que eu já havia participado nos anos de 2008, 2009 e 2010, mas que agora tinha um objetivo diferente.

Outro momento muito importante que vivenciei no dia 03/08 a oportunidade de ter participado da Bienal do Livro em conjunto com minha esposa Fernanda, e conhecer alguns dos maiores nomes do Time de Hacking e Stem da Microsoft Corporation que estavam presentes nos estandes da Microsoft na Bienal.

Para fechar o mês, mais um reconhecido a fim conferido e ofertado pela Microsoft, agora na área de Educação, pelo segundo ano seguido foi nomeado MIE Expert – Microsoft Innovative Educator Expert for 2018-2019, prêmio me permitiu ter um engajamento ainda maior na área acadêmica.

Destaques:

Material de Apoio – Agosto 2018

#22 – Para que serve

Microsoft SQL Server 2017 – Cumulative Update 10

Windows Admin Center Preview v1808 disponível

Microsoft SQL Server-transaction relationship using Transaction Log

Microsoft SQL Server – Diferença básica entre operadores Rollup e Cube

Setembro

O mês de setembro, acredito que tenha sido o mais diferente do todos os outros que havia se passado em 2018, voltei a participar das reuniões mensais de MVPs realizadas pelo Glauter Januzzi, reuniões que também participei em Outubro, Novembro e Dezembro.

Tive a oportunidade de ter o meu nome destacou em neste reunião com um curador e mantenedor dos fóruns nacionais de SQL Server tanto no MSDN e TechNet, como também, me destaquei como um dos principais MVPs envolvidos no projeto de localização e tradução do termos, frases e palavras para os novos produtos da Microsoft.

Por fim no dia 06 o aniversário do Edu e no dia 28 do João Pedro, ambos meus “pequenos” garotos.

Destaques:

Short Scripts – Setembro 2018

Microsoft oficializa a disponibilidade geral do novo Office 2019

Microsoft SQL Server Data Tools v15.8.1 para Visual Studio 2017 liberado para download

Microsoft SQL Server – Informações sobre a execução de Jobs e Steps

Microsoft SQL Server – Obtendo o histórico de execução de jobs

Outubro

Segundo quartil de 2018 se apresenta, nele continuo minha caminhada semanal de respostas e moderadores de perguntas e dúvidas aplicadas no decorrer do ano nos fóruns MSDN e TechNet Brasil dedicados ao Microsoft SQL Server, ainda mais agora com esta responsabilidade de ser um curador ou mantenedor destas plataformas, atividade que tento fazer quase que diariamente mas requer tempo, cuidado e muito sensatez para diferenciar a dúvida da profanação.

Algo um pouco fora do comum acontece neste período, recebo solicitação de alguns participantes dos Fóruns para indicação como futuros novos MVPs, uma situação bastante fora do comum e até mesmo difícil de se resolver, mas como de costume deixou bem claro que não faço indicações pois cabe a própria Microsoft identificar seus futuros representantes.

Uma outra situação que também se apresenta neste mesmo momento, é a confirmação de um usuário dos fóruns brasileiros forjando a postagens de dúvidas e respostas, ou seja, ele mesmo postava e respondia com outro perfil somente para aumentar sua pontuação e se tornar líder no ranking, situação que como eu destaquei no mês de Março, deu muito trabalho mais conseguimos comprovar que era um mal elemento.

Fora tudo isso, tive a oportunidade de realizar a única palestra presencial de 2018 na 6ª Semana da Tecnologia da Fatec São Roque, com o tema: Introdução ao Data Mining aplicado em Business para Commerce, como também, a satisfação de conhecer pessoal dois grandes profissionais conhecedores de MongoDB: Leandro Domingues e Jhonatan de Souza Soares.

Para fechar o mês publico mais uma questão do dia para o SQLServerCentral.com, esta que até o presente momento ainda não foi publicada.

Destaques:

Microsoft divulga a disponibilidade do novo Microsoft Windows Server 2019

Microsoft Hyper-V Server 2019 disponível

Script Challenge – 14 – A resposta….

Microsoft confirma desativação dos protocolos TLS 1.0 e 1.1 para Microsoft Edge e Internet Explorer em 2020

Dica do Mês – Comando Restore Database Page – Restaurando páginas de dados de uma tabela no Microsoft SQL Server

Material de Apoio – Outubro 2018

Microsoft SQL Server – Identificando as querys com maior média de consumo de CPU

Microsoft SQL Server – Identificando o consumo de CPU por Banco de Dados

Novembro

Penúltimo mês de 2018 se apresentando para fazer parte desta história, em novembro tive a oportunidade de participar nos dia 19/11 e 28/11 das bancas de avaliação dos Trabalhos de Conclusão do Curso dos alunos da Etec São Roque, momento muito especial vivido no dia 28/11 na Câmara dos Vereadores de São Roque.

Por outro lado, foi no mês de novembro que alguns sustos e medos se apresentaram, minha esposa Fernanda teve alguns problemas de saúde se agravando, consultas com Neurologista, Ginecologista foram necessárias mas graças a deus tudo correu bem e no mês de dezembro tivemos boas notícias.

O final de semestre se aproximando e com ele o final de ano, a correria começando a aumentar devido aos prazos finais de para conclusão de notas, faltas, correção de provas, trabalhos, bancas de tccs e mais um evento a ser realizado na Fatec São Roque o qual eu estava totalmente envolvido.

No finalzinho do mês, passado alguns meses desde a última consultoria, decido retornar a minhas atividades de consultor, atualizo minhas apresentações, portfólio, página da minha empresa, cadastrados nos websites do governo, coloco novamente no ar a Galvão Tecnologia e passado dois ou três dias meu telefone particular toca, e um novo cliente se apresenta.

Destaques:

Próximas versões do Windows 10 poderão ter os codinomes Vanadium e Vibranium

Nova versão do Kit de Desenvolvimento Quântico da Microsoft

Microsoft SQL Server 2019 Preview 2.1 liberado

Short Scripts – Novembro 2018

Microsoft SQL Server 2014 SP3 liberado para download

Microsoft SQL Server – Identificando as contas que estão executando os serviços

Microsoft SQL Server – Monitorando os serviços através da XP_ServiceControl

Dezembro

E ai chegamos no último mês de 2018, último trimestre, último quartil, últimos 31 dias de um ano totalmente diferente dos demais 37 que eu já havia vivido, um ano totalmente dedicado aos estudos, tanto profissionais, acadêmicos, mas principalmente pessoais e espirituais.

Os primeiros 15 dias de dezembro foram muito, mas muito intensos, final de semestre chegou, tinha mais de 120 provas, trabalhos, listas de exercícios para serem corrigidos, terem suas notas validadas e lançadas, 21 bancas de trabalho de graduação para serem assistidas, bem como, o evento que encerrava uma das minhas disciplinas, aquela que eu comecei em 2018 e me dedicar mais afinco que envolvia IoT.

Pois bem, no dia 08/12 em conjunto com meus alunos do 4º Semestre de Sistemas para Internet, realizado o 2º Encontro Tecnológico de IoT da Fatec São Roque.

Neste mesmo período de dias aconteceram o Microsoft Ignite e o MVP Day em São Paulo, mas infelizmente não tive a oportunidade de participar destes eventos.

No dia 15 aniversário do meu herói, meu pai, completou mais um aninho de vida.

Desta forma, estou aqui neste momento finalizando este post no dia 27/12 ás 02:50hrs, tendo seu início no dia 26/12 ás 23:34hrs.

Destaques:

Aproximadamente 120 milhões de brasileiros tiveram seus números de CPF expostos de forma indevida na Internet

Quatro novos tema para Windows 10

Novos ícones para o Microsoft Office 365 são apresentados

Microsoft 365 Insider Program anunciado pela Microsoft

Material de Apoio – Dezembro 2018

#23 – Para que serve

Retrospectiva 2018 – Um ano muito diferente na minha vida

Microsoft SQL Server – Monitorando – Fila de disco em tempo real

Microsoft SQL Server – Alterando o valor mínimo de Memória RAM alocada

Conclusão

Talvez você que esta lendo este post, possa se perguntar: Não seria melhor ele ter feito uma retrospectiva destacando em números os resultados obtidos ou até mesmo o que ele alcançou?

A resposta para esta dúvida ou pergunta é muito simples NÃO. 

Pois muitos vezes os números podem ser mal interpretados, ou como eu costumo dizer para meus alunos, os números podem se tornar gelados, algo sem significado ou relevância para quer os identifica, análise, julga ou interpretar.

Procurei mostrar como minha vida no decorrer deste ano foi intensa, tenho a certeza que fatos, situações ou momentos foram esquecidos ou até mesmo deixados de lado, mas talvez a relevância do que aqui foi apresentado pode ilustrar o quanto temos de afazeres, responsabilidades e momentos de grande importância que nos permitem alcançar tudo aquilo que em algum momento sonhados ou desejamos para nossas vidas.


Agradecimento

Quero agradecer em muito a sua visita, sinto-me honrado em poder compartilhar um pouco do que fiz e produzi no decorrer de ano de 2018.

Felicidades, lhe desejo um final de ano fantástico e 2019 com muita saúde e paz.

Abraços.

#23 – Para que serve


Olá, bom dia, tudo bem? E ai preparado para festividades de final de Ano?

Seja bem-vindo a mais um post da sessão Para que Serve, sendo este o de número 23, mais um dia de muito começando, repleto de atividades e compromissos, ainda mais hoje sexta – feira e muito próximo ao Natal.

Mesmo no ritmo de fim de ano, tenho mantido a minha rotina, acordar bem cedo, para poder aproveitar da melhor maneira possível meu precioso tempo livre, colocando em prática algo que adoro fazer, publicar um post novo em meu blog mantendo a tradição de querer renovar e compartilhar as experiências e aprendizados adquiridos em minhas atividades profissionais e acadêmicas.

No post de hoje, vou compartilhar com você que esta acessando meu blog, uma nova opção adicionada diretamente aos bancos de dados que criamos a partir do Microsoft SQL Server 2016 que nos permite que seja utilizada de forma exclusiva no nível de banco de dados ao invés de aplicar diretamente no nível de instância.

Talvez você já possa ter utilizada esta nova opção, mas tenho a certeza que muitos dos profissionais que ainda não migraram seus ambientes para versões mais novas talvez não a conheçam, estou me referindo a opção AUTOGROW_ALL_FILES, que basicamente define no nível de banco de dados (Database Level) ao contrário do que acontecia nas versões anteriores que tínhamos a necessidade de ativar a Trace Flag T1117 que aplicava esta alteração de comportamento padrão no nível de instância (Server Level).

No decorrer deste post será realizado um pequeno comparativo entre as opções AUTOGROW_ALL_FILES e AUTOGROW_SINGLE_FILE, analisando seus comportamentos padrões, tendo como base um simples bloco de código inserindo 500.000 (Quinhentas mil linhas de registros lógicos) com dados fixos.

Adianto que esta análise comparativa em nenhum momento leva em consideração características de Hardware, versão de Sistema Operacional ou uso de uma aplicação específica. Na verdade o objetivo desta simples análise é elucidar que o uso destas  opções podem influenciar na maneira que o Microsoft SQL Server utiliza um ou mais arquivos de dados de forma proporcional ou simultânea.

Sendo assim, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre o post de número 23 da sessão Para que serve. Mas uma vez, bem vindo ao #23 – Para que serve – Opções de Bancos de Dados – AUTOGROW_ALL_FILES versus AUTOGROW_SINGLE_FILE.

Espero que você esteja animado para conhecer um pouco mais sobre esta propriedade, caso já conheça, continue lendo este post, sempre podemos aprender algo novo….


Introdução

Todo o banco de dados SQL Server tem, no mínimo, dois arquivos de sistema operacional: um arquivo de dados e um arquivo de log. Os arquivos de dados contêm dados e objetos como tabelas, índices, procedimentos armazenados e exibições.

Os arquivos de log contêm as informações necessárias para recuperar todas as transações no banco de dados, ao contrário dos arquivos de dados que podem ser agrupados em grupos de arquivos para propósitos de alocação e administração.

Os bancos de dados SQL Server possuem três tipos de arquivos, como mostrado na Tabela 1 a seguir:

Arquivo  Descrição 
Primário O arquivo de dados primário contém as informações de inicialização do banco de dados e aponta para os outros arquivos no banco de dados.
Dados do usuário e objetos podem ser armazenados neste arquivo ou em arquivos de dados secundários. Todo banco de dados possui um arquivo de dados primário. A extensão de nome de arquivo indicada para arquivos de dados primários é .mdf.
Secundário Os arquivos de dados secundários são opcionais, definidos pelo usuário, e armazenam dados do usuário.
Arquivos secundários podem ser usados para distribuir os dados entre os diversos discos, colocando cada arquivo em uma unidade de disco diferente. Além disso, caso um banco de dados exceda o tamanho máximo em um único arquivo Windows, será possível usar arquivos de dados secundários, assim, o banco de dados continuará a crescer.
A extensão de nome de arquivo indicada para arquivos de dados secundários é .ndf.
Log de transações Os arquivos de log de transações armazenam as informações de log usadas para recuperar o banco de dados. Deve haver, no mínimo, um arquivo de log para cada banco de dados.
A extensão de nome de arquivo indicada para arquivos de transação é .ldf.

Tabela 1 – Tipos de Arquivos que formam um banco de dados criado no Microsoft SQL Server.

Agora que já conhecemos os tipos de arquivos que podem compor um banco de dados, vamos conhecer um pouco sobre um outro importante recurso que esta diretamente relacionado a este post, os denominados Filegroups.

Filegroups

Quando objetos são criados no banco de dados sem especificar a qual grupo de arquivos eles pertencem, os objetos são atribuídos ao grupo de arquivos padrão. A qualquer hora, um grupo de arquivos é designado como o grupo de arquivos padrão.

Os arquivos no grupo de arquivos padrão devem ser grandes o suficientes para armazenar qualquer objeto novo alocado a outros grupos de arquivo.

O grupo de arquivos PRIMÁRIO é o grupo de arquivos padrão, a menos que seja alterado usando a instrução ALTER DATABASE. A alocação para os objetos de sistema e de tabelas permanece no grupo de arquivos PRIMÁRIO, e não no novo grupo de arquivos padrão. O SQL Server mapeia um banco de dados de um conjunto de arquivos do sistema operacional.

As informações de log e dados nunca ficam misturadas no mesmo arquivo, e os arquivos individuais são usados apenas por um banco de dados, os grupos de arquivos são conhecidos como coleções de arquivos e são usados para simplificar o posicionamento de dados e em tarefas administrativas, como operações de backup e restauração.

Crescimento de Arquivos de Dados

Ao criar um banco de dados, estamos estabelecendo o uso de uma ou mais áreas em disco rígido para alocar nossos arquivos de dados. Dentre as diversas opções e propriedades que podemos configurar no momento da criação de um novo banco de dados ou em sua alteração, nos deparamos com a propriedade FileGrowth, sendo esta responsável em estabelecer a forma ou método de crescimento que toda estrutura de arquivos de dados que formam nossos bancos deverá aplicar, escolhendo a método de rodízio (Round-Robin) na qual os arquivos vão sendo preenchidos de forma aleatória de acordo com a necessidade ou através do método Preenchimento Proporcional (Proportional Fill).

Chegou a hora de colocar a mão nos teclados, como de costume teremos um ambiente de testes a ser criado, o que será utilizado como cenário de estudos.

Criando o Ambiente

Em meu ambiente de estudos estou utilizando o Microsoft SQL Server 2017 Enterprise Edition – Cumulative Update 9 e Sistema Operacional Windows 10, fique a vontade para utilizar o melhor cenário possível dentro das suas necessidades, a partir da versão 2016 do Microsoft SQL Server.

Para realizar nossa simples prática, começaremos pela execução do Bloco de Código 1, responsável por criar a seguinte estrutura:

  • Databases: TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE; e TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES;
  • Tables: TabelaGrowSingleFile; e TabelaGrowAllFile.

Importante: Destaco que os caminhos informados para criação dos referidos bancos e seus arquivos, estão apresentados de acordo com a configuração do meu ambiente, fique a vontade para alterar de acordo com suas necessidades e configurações.

— Bloco de Código 1 —
— Criando os respectivos bancos de dados  —

— Criando o Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE —
Create Database TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE
On Primary
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data.mdf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB),
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data1’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data1.ndf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB),
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data2’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Data2.ndf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB)
Log On
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Log’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Log\TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE_Log.Ldf’,
Size=20 MB,
MaxSize=8192 MB,
FileGrowth=200 MB)
Go

— Criando o Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES —
Create Database TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES
On Primary
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data.mdf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB),
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data1’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data1.ndf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB),
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data2’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Data\TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Data2.ndf’,
Size=10 MB,
MaxSize=4096 MB,
FileGrowth=100 MB)
Log On
(Name= ‘TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES_Log’,
FileName= ‘S:\MSSQL-2017\Log\TesteDatabaseAUTOGROWALLFILE_Log.Ldf’,
Size=20 MB,
MaxSize=8192 MB,
FileGrowth=200 MB)
Go

Nota: Vale ressaltar que ambos os bancos de dados estão estruturados com a mesma quantidade de arquivos de dados e log, respectivamente 3(três) arquivos de dados e somente um único arquivo de log.

Muito bem, neste momento nossos bancos de dados estão criados e ambos contendo a mesma configuração para as propriedades: Size, MaxSize e FileGrowth, como também, configurados para que o crescimento ocorra de forma aleatória para os arquivos de dados.

Vamos validar nossa estrutura através do Bloco de Código 2 apresentado abaixo, o qual vai nos permitir identificar justamente as configurações que aplicamos no momento da criação dos referidos bancos de dados:

— Bloco de Código 2 —
Select DB_NAME() AS [DatabaseName], Name, file_id, physical_name,
(size * 8.0/1024) as Size,
((size * 8.0/1024) – (FILEPROPERTY(name, ‘SpaceUsed’) * 8.0/1024)) As FreeSpace
From sys.database_files
Go

Após executar o Bloco de Código 2, o Management Studio deverá apresentar o resultado similar a ilustrado na Figura 1 para ambos os bancos de dados:
Figura 1 – Informações sobre os bancos de dados seus arquivos, tamanhos e espaço livre ocupado.

Nosso próximo passo será forçar o crescimento dos nossos arquivos para o Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE, observando o comportamento que o SQL Server vai utilizar, ressalto que estaremos fazendo a criação da tabela que utilizaremos como base para inserir os dados, para tal cenário vamos utilizar o Bloco de Código 3 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 3 —
Use TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE
Go

— Criando a Tabela TabelaGrowSingleFile —
Create Table TabelaGrowSingleFile
(Codigo Int Identity(1,1) Not Null Primary Key,
Texto VarChar(100) Default ‘Grow Single File’,
Quantidade SmallInt Default 2018,
ValoresNumericos Numeric(8,2) Default ‘2018.12’,
DataAtual Date Default GetDate()+Rand()*30)
Go

— Inserindo a massa de dados —
Insert Into TabelaGrowSingleFile Default Values
Go 500000

A partir do momento que o Bloco de Código 3 é executado, o Microsoft SQL Server em conjunto com o SQL OS, Database Engine e Storage Engine, começam a fazer uso dos arquivos de dados, distribuindo em tempo real as páginas de dados conforme o método ou técnica escolhida para preenchimento dos arquivos de dados.

Para confirmarmos a alocação e distribuição destas páginas, vamos executar o Bloco de Código 4 apresentado abaixo em uma Nova Query e observar o resultado apresentado:

— Bloco de Código 4 —
Use TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE
Go

DBCC ShowFileStats — Comando que vai apresentar a distribuição de páginas de dados entre os arquivos
Go

Observação: Execute o comando DBCC ShowFileStats durante a execução do Bloco de Código 3, para que você possa obter um resultado similar ao apresentado na Figura 2 abaixo:

Figura 2 – Resultado apresentado pelo comando DBCC ShowFileStats.

No decorrer do processamento do Bloco de Código 3, podemos novamente o Bloco de Código 2 para identificar que neste momento o Microsoft SQL Server esta fazendo uso método de preenchimento dos arquivos de dados Round-Robin, no qual ele identifica qual seria o melhor arquivo para alocar a página, para confirmar este cenário a Figura 3 ilustra o resultado obtido de mais uma execução do Bloco de Código 2:
Figura 3 – Alocação dos arquivos de dados.

Observe a mudança de valores nas colunas Size e FreeSpace, como também, suas diferenças de valores em relação ao File_ID=1 para com os File_ID = 2 e 3, são justamente estas diferenças que nos orientam a entender que o Round-Robin esta sendo utilizado.

Estamos indo bem, falta um pouco para chegarmos ao final….

Nosso próximo passo se destina a alterar a forma de preenchimento e utilização dos arquivos de dados definidos para o Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES, e em seguida forçar o uso de cada arquivos e a distribuição de páginas. Vamos então executar o Bloco de Código 5 e sua sequência de passos:

 — Bloco de Código 5 —
— Alterando a definição de crescimento dos arquivos de Dados para o FileGroup Primary —
Use Master
Go

Alter Database TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES
Modify FileGroup [Primary] AUTOGROW_ALL_FILES — Definindo o crescimento proporcional   para todos os arquivos de dados —
Go

— Acessando o Banco de Dados —
Use TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES
Go

— Criando a Tabela TabelaGrowSingleFile —
Create Table TabelaGrowAllFile
(Codigo Int Identity(1,1) Not Null Primary Key,
Texto VarChar(100) Default ‘Grow All File’,
Quantidade SmallInt Default 2018,
ValoresNumericos Numeric(8,2) Default ‘2018.12’,
DataAtual Date Default GetDate()+Rand()*30)
Go

— Inserindo a massa de dados —
Insert Into TabelaGrowAllFile Default Values
Go 500000

Neste momento temos o banco de dados TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES sendo utilizando, no qual sua estrutura de arquivos esta definida para ser utilizada de forma conjunto e proporcional, ou seja, conforme a necessidade de crescimento dos arquivos de dados, ao invés de um único arquivo ser invocado e ter seu valor de crescimento definido, todos os arquivos serão envolvidos e afetados, conforme a Figura 4 a seguir ilustra:
Figura 4 – Preenchimento de todos os arquivos de dados sendo realizado com base no uso da opção Grow_All_Files.

Estamos quase lá, para finalizar nosso estudos, vamos executar o Bloco de Código 6, o qual tem a finalidade de repetir a inserção das 500.000 mil linhas de registros em cada banco de dados e posteriormente forçar um crescimento para os arquivos de dados:

 — Bloco de Código 6 —
— Acessando o Banco de Dados —
Use TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE
Go

— Inserindo a massa de dados —
Insert Into TabelaGrowSingleFile Default Values
Go 500000

— Acessando o Banco de Dados —
Use TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES
Go

— Inserindo a massa de dados —
Insert Into TabelaGrowAllFile Default Values
Go 500000

Note que para o Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWSINGLEFILE o crescimento vai ocorrer no primeiro arquivo de dados e para no Banco de Dados TesteDatabaseAUTOGROWALLFILES este crescimento será aplicado a todos os arquivos, conforme apresenta a Figura 5 abaixo:
Figura 5 – Espaço ocupado pelos arquivos de dados após o crescimento ser ocorrido.

Para finalizar, compartilho a Figura 6 que apresenta a utilização dos arquivos de dados por parte do Storage Engine de acordo com o método de alocação e preenchimento dos arquivos de dados, respeitando a configuração dos bancos de dados aqui utilizados:

Figura 6 – Comparativo entre AutoGrowSingleFile versus AutoGrowAllFiles.

Importante: Observe que todos os arquivos de dados definidos para uso no banco de Dados TesteDatabaseAutoGrowAllFiles apresentam os mesmos valores para colunas Size e FreeSpace, cenário totalmente diferente para o banco de dados TesteDatabaseAutoGrowSingleFile, que ilustra a utilização de forma diferente dos arquivos de dados, no qual os arquivos File_ID=2 e 3 estão neste momento sem espaço livre, o que indica que o crescimento foi aplicado ao primeiro arquivo de dados.

Com isso, e sem mais delongas, chegamos ao final. Ufa deu um pouco de trabalho este post, como de costume, mesmo assim sempre vale a pena poder compartilhar um pouco do conhecimento e experiências adquiridas ao longo dos anos de trabalho como DBA e Professor.

Espero que você tenha gostado, eu posso dizer que sim, mas sua opinião é muito importante.


Referências

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/database-console-commands/dbcc-traceon-trace-flags-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/statements/alter-database-transact-sql-file-and-filegroup-options?view=sql-server-2017

https://blogs.msdn.microsoft.com/psssql/2016/03/15/sql-2016-it-just-runs-faster-t1117-and-t1118-changes-for-tempdb-and-user-databases/

https://www.brentozar.com/archive/2014/06/trace-flags-1117-1118-tempdb-configuration/

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/relational-databases/databases/database-files-and-filegroups?view=sql-server-2017

https://www.sqlshack.com/understanding-sql-server-proportional-fill-algorithm/

http://www.sqlservercentral.com/scripts/Maintenance+and+Management/30218/

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/08/22/22-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/05/28/21-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/04/12/20-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2018/01/02/19-para-que-serve/

Conclusão

Conhecer a cada nova versão as mudanças e novidades aplicadas ao Microsoft SQL Server não é uma tarefa fácil, mas deixar de fazer uso delas pode em algum momento parecer falta de interesse ou até mesmo desconhecimento do potencial existente no produto.

Neste post, podemos conhecer esta nova opção Auto_Grow_All_Files, que nos permite aplicar uma nova maneira de orientar o SQL Server no uso, alocação e principalmente crescimento de nossos arquivos de dados, o que pode ou não impactar de forma direta na performance, contenção ou distribuição de recursos relacionados a disco rígido.

Em momento algum, o cenário aqui utilizado, muito menos a análise feita, teve o objetivo de comprovar qual forma de alocação e uso dos arquivos de dados é melhor, isso deve ser analisado para cada necessidade e ambiente.

Espero que o conteúdo aqui apresentado possa lhe ajudar a conhecer um pouco sobre como os arquivos de dados são importantes e úteis para nossos bancos, além disso, a importância de se utilizar mais de um arquivo de dados ou filegroups.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, que desde suas primeiras versões nos apresenta inúmeras possibilidades de se aprender, possibilitando usar o passado como fonte de inspiração para construção de um futuro melhor, por isso que a cada dia eu me apaixono ainda mais por este produto…

Vai SQL Server, Vai SQL Server….

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua ilustre visita, sinto-me honrado com sua presença, espero que este conteúdo possa lhe ajudar e ser útil em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Um forte abraço, até o próximo post da sessão Para que serve a ser publicado no mês fevereiro de 2019.

Um grande abraço e ótima semana.

Valeu.