Material de Apoio – Agosto 2017


Boa tarde pessoal!

Salve, salve amantes de banco de dados, Tudo bem?

Este é mais um post da sessão Material de Apoio, sendo o terceiro no decorrer de 2017 e de número 153 no total desta sessão.

Já passamos da metade de 2017, que loucura isso, como a rotina do dia a dia não nos deixa perceber o quanto o tempo na para de correr. Falando justamente da correria da nossas vida, a relação de arquivos compartilhadas neste post poderá justamente lhe ajudar a economizar muito do seu tempo.

O post de hoje

Para aqueles que já acompanham o meu blog a um certo tempo, os posts dedicados a sessão Material de Apoio, possuem o objetivo de compartilhar o conhecimento de recursos, funcionalidades e procedimentos que podemos realizar no Microsoft SQL Server.

Hoje não será diferente, estou trazendo alguns dos mais recentes scripts  catalogados nos últimos meses, que atualmente estão compondo a minha galeria de códigos formada ao longo dos anos de trabalho como DBA, e hoje principalmente como Professor de Banco de Dados.

Neste post você vai encontrar arquivos relacionados com os seguintes temas:

  • Cláusula Values;
  • Comando Distinct;
  • Comando Select;
  • Comando Top;
  • CTE Recursiva para geração de sequência de datas;
  • CTE Recursiva para geração de sequência numérica de CEPs;
  • Extended Events;
  • Função Format;
  • Função PARSE;
  • Funções de Ranking – Row_Number;
  • Monitoramento de senhas;
  • Operador Cross Apply;
  • Operador Outer Appy;
  • Recursos bloqueados;
  • SPDIDs de Conexões;
  • SPIDs de usuários; e
  • User Defined Function para cálculo de anos em colunas computadas.

Tenho a certeza que este conteúdo poderá lhe ajudar muito em seus atividades profissionais e acadêmicas, fique a vontade para copiar, editar, compartilhar e distribuir estes arquivos com seus contatos.

Material de Apoio

A seguir apresento a relação de scripts selecionados:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por questões de compatibilidade com a plataforma WordPress.com, todos os arquivos estão renomeados com a extensão .doc ao final do seu respectivo nome, sendo assim, após o download torna-se necessário remover esta extensão, mantendo somente a extensão padrão .sql.

Nota: Todos os arquivos disponibilizados foram obtidos ou criados com autorização de seus autores, sendo estes, passíveis de direitos autorais.

Links

Caso você queira acessar os posts anteriores da sessão, não perca tempo utilize os links listados abaixo:

Agradecimento

Quero agradecer imensamente a sua visita, espero lhe encontrar muitas vezes no decorrer deste ano em meu blog.

Não deixe de acessar os outros posts das demais sessões, e o próximo post desta sessão será publicado no mês de Novembro, até lá continue curtindo sua vida e compartilhando suas experiência.

Um forte abraço.

SQL Server Management Studio 17.2 liberado para download


Você conhece o SQL Server Management Studio?

SQL Server Management Studio é um ambiente integrado para o gerenciamento de qualquer infra-estrutura SQL do SQL Server banco de dados SQL. SQL Server Management Studio fornece ferramentas para configurar, monitorar e administrar as instâncias de SQL. Use o SQL Server Management Studio para implantar, monitorar e atualizar os componentes de camada de dados usados por suas aplicações, bem como construir consultas e scripts.

Use o SQL Server Management Studio (SSMS) para consultar, projetar e gerenciar seus bancos de dados e data warehouses, onde quer que estejam – no computador local ou na nuvem.

SQL Server Management Studio é grátis!

Baixar o SQL Server Management Studio 17,2

Baixar o SQL Server Management Studio 17,2 atualizar pacote (atualizações 17 para 17,2)

A instalação de 17 SSMS não atualizar ou substituir as versões do SQL Server Management Studio 16.x ou anterior. SSMS 17 instalações lado a lado com as versões anteriores para que ambas as versões estão disponíveis para uso. Se um computador contiver instalações lado a lado de SQL Server Management Studio, verifique se que você começar a versão correta para suas necessidades específicas. A versão mais recente é rotulado como Microsoft SQL Server Management Studio 17e tem um novo ícone:

SSMS 17.x

Informações de versão

O número de versão: 17,2 o número de compilação para esta versão: 14.0.17177.0.

Novidades

SSMS 17,2 é a versão mais recente do SQL Server Management Studio. A geração de 17 do SQL Server Management Studio fornece suporte para quase todas as áreas de recurso no SQL Server 2008 através de SQL Server de 2017. Versão 17 também suporta SQL Analysis Service PaaS.

Versão 17,2 inclui:

    • Autenticação de vários fatores (AMF)
      • Autenticação de usuário múltiplo AD Azure para autenticação Universal com autenticação de vários fatores (UA com AMF)
      • Um novo campo de entrada de credencial do usuário foi adicionado para autenticação Universal com AMF para oferecer suporte à autenticação multi-usuário.
    • A caixa de diálogo de conexão agora suporta os seguintes métodos de 5 autenticação:
      • Autenticação do Windows
      • Autenticação do SQL Server
      • Active Directory – Universal, com o apoio do MFA
      • Active Directory – senha
      • Active Directory – integrado
    • Banco de dados de importação/exportação para assistente de DacFx agora pode usar autenticação Universal com AMF.
    • ADAL biblioteca gerenciada usada pela autenticação Azure AD Universal com AMF foi atualizada para versão 3.13.9.
    • Uma nova interface CLI suportando configuração de admin AD Azure para banco de dados SQL e SQL Data Warehouse.
    • Janela de saída possui entradas para consultas executadas durante a expansão de nós do pesquisador de objetos.
    • Habilitado o modo de exibição designer para bancos de dados SQL Azure
    • Mudaram-se as opções de script padrão para scripts de objetos de Object Explorer no SQL Server Management Studio:
      • Anteriormente, o padrão em uma instalação nova era ter o destino do script gerado a versão mais recente do SQL Server (atualmente SQL Server 2017).
      • No SSMS 17,2 foi adicionada uma nova opção: Configurações de Script Match a fonte. Quando definida como True, o script gerado destina-se a mesma versão, tipo do motor e do motor edition como servidor do objeto sendo roteirizado é de.
      • O valor de Configurações de Script Match a fonte é definido para True por padrão, para que novas instalações do SQL Server Management Studio automaticamente padrão serão sempre scripts de objetos para o mesmo destino que o servidor original.
      • Quando o valor de Configurações de Script Match a fonte é definido como False, as opções de destino script normal serão habilitadas e funcionam como fizeram anteriormente.
      • Além disso, todas as opções de script foram movidas para a sua própria seção – Opções de versão. Eles não estão mais sob Opções gerais de Scripting.
    • Adicionado suporte para nuvens nacional em “Restaurar a partir de URL”
    • QueryStoreUI relatórios agora suporta adicional métricas (número de linhas, DOP, CLR tempo etc.) do sys.query_store_runtime_stats.
    • IntelliSense agora é suportado por banco de dados SQL Azure.
    • Segurança: caixa de diálogo conexão será o padrão para não confiar em certificados de servidor e solicitando criptografia para conexões de banco de dados SQL Azure
    • Melhorias gerais em torno de suporte para o SQL Server no Linux:
      • Nó de correio do banco de dados está de volta
      • Abordadas algumas questões relacionadas com caminhos
      • Melhorias de estabilidade de Monitor de atividade
      • Caixa de diálogo Propriedades de Conexão exibe a plataforma correta
    • Relatório de servidor Dashboard desempenho agora disponível como um relatório padrão:
      • Pode se conectar ao SQL Server 2008 e versões mais recentes.
      • Subrelatório de índices ausentes usa Pontuação para ajudar a identificar índices mais útil.
      • Estatísticas de espera histórica sub relatam agora agregados esperas ser categoria. Ocioso e esperas de sono filtrados por padrão.
      • Novo histórico travas subrelatório.
    • Pesquisa de plano de execução nó permite buscar em Propriedades do plano. Facilmente procure qualquer propriedade de operador como nome da tabela. Para usar esta opção quando visualizar um plano:
      • Botão direito do mouse no plano e no menu de contexto clique na opção Localizar nó
      • Usar CTRL + F

Para obter uma lista completa de alterações, consulte SQL Server Management Studio – Changelog (SSMS).

Suporte para versões

    • Esta versão do SQL Server Management Studio funciona com todas as versões suportadas do SQL Server 2008 – 2017 de SQL Server e fornece o maior nível de suporte para trabalhar com as mais recentes características de nuvem no banco de dados SQL Azure e SQL Azure Data Warehouse.
    • Não há nenhum bloco explícito para SQL Server 2000 ou SQL Server 2005, mas alguns recursos podem não funcionar corretamente.
    • Além disso, o SSMS 17 pode ser instalado lado a lado com o SQL Server Management Studio 16.x ou SQL Server 2014 SSMS e versões anteriores.

Sistemas operacionais com suporte

Esta versão do SQL Server Management Studio suporta as seguintes plataformas de 64 bits quando usado com o mais recente disponível service pack:

    • 10 Windows (64 bits)
    • Windows 8.1 (64 bits)
    • Windows 8 (64 bits)
    • Windows 7 (SP1) (64-bit)
    • Windows Server 2016 *
    • Windows Server 2012 R2 (64 bits)
    • Windows Server 2012 (64 bits)
    • Windows Server 2008 R2 (64 bits) 

* O SSMS 17 baseia-se na shell do Visual Studio 2015 isolada, que foi lançado antes de 2016 de servidor Windows. Microsoft leva a sério o compatibilidade de aplicativo e garante que já enviados com aplicações continuam a correr sobre as versões mais recentes do Windows. Para minimizar problemas na execução do SQL Server Management Studio em 2016 de servidor Windows, certifique-se de que SSMS tem todas as últimas atualizações aplicadas. Se você tiver quaisquer problemas com o SQL Server Management Studio no Windows Server 2016, contate o suporte. A equipe de suporte determina se o problema for com o SQL Server Management Studio, Visual Studio, ou com compatibilidade do Windows. A equipe de suporte roteia a questão para a equipe apropriada para maiores investigações.

Idiomas disponíveis

Esta versão do SQL Server Management Studio pode ser instalado nos seguintes idiomas:+

SQL Server Management Studio 17,2:
chinês (República Popular da China) | Chinês (Taiwan) | Inglês (Estados Unidos) | Francês | Alemão | Italiano | Japonês | Korean | Português (Brasil) | Russas | Espanhol

SQL Server Management Studio 17,2 atualizar pacote (atualizações 17 para 17,2):
chinês (República Popular da China) | Chinês (Taiwan) | Inglês (Estados Unidos) | Francês | Alemão | Italiano | Japonês | Korean | Português (Brasil) | Russas | Espanhol

Download de versões anteriores

Versões anteriores do SQL Server Management Studio

Links adicionais

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – 07/08/2017 – https://docs.microsoft.com/en-us/sql/ssms/download-sql-server-management-studio-ssms

Dica do Mês – Utilizando a Trace Flag 9292 para exibir objetos estatísticos úteis


 

Olá comunidade, boa tarde.

Tudo bem? Estamos se aproximando dos últimos dias de férias ou recesso para grande maioria dos professores e profissionais de educação espalhados por todo Brasil. E ai, já esta preparado para voltar a luta? Posso dizer tranquilamente que sim, eu estou pronto para voltar a conviver com meus alunos e amigos de trabalho.

Antes de começarmos a falar sobre o post de hoje, nada mais justo começar agradecendo como de costume a você está aqui neste momento acessando meu blog. Espero que possa ter encontrado o que precisa, bem como, esteja gostando do conteúdo publicado, fique a vontade para entrar em contato expressando suas opiniões e demais pensamentos.

Neste novo post da sessão Dica do Mês, vou apresentar um recurso que imagino ser conhecido por muitos ou principalmente pelos profissionais de banco de dados, estou me referindo as Trace Flag ou sinalizador de rastreamento em português.

Você já ouvir falar sobre isso ou já utilizou? Eu imagino que sim pois aqui no meu blog diversos posts e artigos foram publicado ao longo dos últimos anos sobre este tipo de recurso. Hoje mais especificamente vou destacar o uso da Trace Flag 9292, por acaso você já utilizou em algum momento esta trace flag?

Bom independente da sua reposta vamos conhecer um pouco mais sobre ela, sua forma de uso e como poderá nos ajudar a entender ainda mais o funcionamento das estatísticas e seus chamados objetos úteis para análise do plano de execução.

E ai esta curioso para saber um pouco sobre este recurso? Eu estou, sendo assim, vamos em frente, seja bem vindo ao post Dica do Mês – Utilizando a Trace Flag 9292 para exibir objetos estatísticos úteis.

Vamos em frente…..


Introdução

Todos sabemos que as estatísticas desempenham um papel muito importante dentro do SQL Server, como também, sabemos que as estatísticas são usadas pelo otimizador de consultas para gerar o plano de execução para cada consulta.
Então a questão é, podemos verificar qual objeto estatístico é útil para a execução da consulta? Sim, usando o Trace Flag do SQL Server 9292. Este é um do sinalizador de rastreamento que pode ser usado durante a solução de problemas.
Esse sinalizador de rastreamento é usado para obter o relatório sobre objetos de estatísticas considerados como “interessantes” ou “úteis” pelo otimizador de consulta durante a compilação ou recompilação de consulta.

Adicionada ao Microsoft SQL Server 2008 após a instalação do service pack 1 e mantida até as atuais versões, no momento em tomamos a decisão de utilizar a Trace Flag 9292, orientamos o SQL Server a apresentar todos os objetos estatísticos considerados úteis por parte do plano de execução para realizar o processamento e retorno dos dados.

O uso da Trace Flag 9292 dentro de uma sessão ou query específica, nos ajuda a entender e conhecer como as estatísticas e seus elementos podem mudar totalmente a maneira que o plano de execução é idealizado, armazenado e processado.

Através dela podemos obter um relatório sobre as estatíticas para cada objeto envolvido em nossa query, onde estes supostos objetos devem ser considerados úteis, ou melhor dizendo válidos e aplicáveis no decorrer do caminho realizado até a apresentação do resultado.

Esta é uma trace flag que pode ser usada durante a resolução de problemas, onde sua função é apresentar na guia de mensagens do Management Studio, um pequeno cabeçalho contendo informações estatísticas sobre cada componente útil e válido para formas os dados estatísticos de processamento da query. Este cabeçalho é conhecido como Stats header loaded.

Para ativar a trace flag utilize o comando DBCC TraceON (9292) ou DBCC TraceOFF (9292) para desativar, ou se preferir utilize a opção QueryTraceOn em sua respectiva query.

Agora que já conhecemos um pouco mais sobre os conceitos desta trace flag, chegou a hora de colocar as mãos no teclado e conhecer melhor o funcionamento da flag 9292 e de que forma ela poderá impactar o trabalho do Microsoft SQL Server, nos permitindo identificar os objetos úteis processados ou candidatos a processamento por parte do Query Processor em conjunto com Execution Plan.

Preparando o ambiente

Nosso ambiente será bastante simples, basicamente criaremos um banco de dados denominado DBTrace9292, constituído de uma tabela denominada TBTrace9292, para tal utilizaremos o Bloco de Código 1 que apresenta a criação dos respectivos objetos:

— Bloco de Código 1 —
— Criando o Banco de Dados DBTrace9292 —
Create Database DBTrace9292
Go

— Acessando —
Use DBTrace9292
Go

— Criando a Tabela TBTrace9292 —
Create Table TBTrace9292
(Codigo Int Identity(1,1) Primary Key,
Valores Int,
Descricao Varchar(100))
Go

Após a criação dos objetos básicos, nosso próximo passo será a criação de índice nonclustered para coluna Valores que nos permitirá fazer o uso de estatísticas de processamento para esta coluna durante o processo de inserção de dados, conforme apresenta o Bloco de Código 2 apresentado abaixo:

— Bloco de Código 2 —
— Criando o Índice NonClustered IND_TBTrace9292Valores —
Create NonClustered Index IND_TBTrace9292Valores on TBTrace9292(Valores)
Go

— Inserindo uma linha de registro na Tabela TBTrace9292 —
Insert Into TBTrace9292
Values(2000,’pedrogalvaojunior.wordpress.com’)
Go

— Inserindo 1.000 linhas de registros na Tabela TBTrace9292 —
Insert Into TBTrace9292
Values(4000,’pedrogalvaojunior.wordpress.com’)
Go 1000

Note que existir uma pequena mais importante diferença entre os dois Inserts, no primeiro estamos inserindo uma linha de registro na tabela TBTrace9292. No segundo criamos em tempo de execução um pequeno bloco de inserção de linhas, sendo este processado 1.000 vezes, inserindo então 1.000 linhas.

Seguindo em frente, o Bloco de Código 3 será utilizado para criarmos uma Stored Procedure denominada P_PesquisarValores como forma para buscar os respectivos registros armazenados na tabela TBTrace9292. A seguir apresento o Bloco de Código 3:

— Bloco de Código 3 –
— Criando a Stored Procedure P_PesquisarValores —
Create Procedure P_PesquisarValores @Valor int
As
Begin
Select Descricao from TBTrace9292
Where Valores = @Valor
OPTION (RECOMPILE)
End
Go

Se você for como eu, normalmente gosto de fazer uma análise de código antes de colocar em prática no meu ambiente, sendo assim, vamos lá. Analisando de forma superficial a Stored Procedure P_PesquisarValores a princípio não apresenta nada muito especial ou de grande complexidade em seu código, mas sim o uso de opção Recompile que justamente vai orientar o plano de execução a recompilar a  P_PesquisarValores no momento da sua execução, forçando assim que a cada execução um novo plano de execução seja criado em conjunto com uma nova análise estatística e seus demais elementos.

O próximo passo consiste na pesquisa de um dos valores armazenados na tabela TBTrace9292 através da execução e processamento da Stored Procedure P_PesquisarValores. Para este passo vamos utilizar o Bloco de Código 4 a seguir, antes de sua execução recomendo habilitar a apresentação do Plano de Execução Atual no SQL Server Management Studio através do botão Include Actual Execution Plan ou simplesmente através da tecla de atalho CTRL+M.

— Bloco de Código 4 —
— Habilitando as TraceFlags 9292 e 3604 —
DBCC TraceOn(9292,3604,-1)
Go

Dica: Utilize o comando DBCC TraceStatus WITH NO_INFOMSGS para verificar quais Trace Flags estão habilitadas em qual nível de escopo.

— Execuntando a Stored Procedure P_PesquisarValores —
Exec P_PesquisarValores 4000
Go

Pois bem, após a execução do Bloco de Código 4, o Microsoft SQL Server realizou o processamento da nossa Stored Procedure P_PesquisarValores realizando uma busca de todas as linhas de registros que possuem o valor 4.000, onde obrigatoriamente foram retornadas 1.000 linhas de registros.

Até ai nada de novo ou surpreende, o que justamente eu quero mostrar para vocês é o que o Management Studio apresenta na guia Messages após o processamento do Bloco de Código 4, conforme apresenta a Figura 1 abaixo:

Note que o cabeçalho retornado pela Trace Flag 9292 conhecido como Stats header loaded esta apresentando os objetos realmente utilizados para o processamento de nossa query, bem como, os objetos considerados úteis e necessários para criação, compilação e processamento do plano de execução envolvidos na execução, sendo eles:

  • Database: DBTrace9292;
  • Table: TBTrace9292,
  • Index: IND_TBTrace9292Valores, sendo este do tipo Nonclustered;
  • Column: Valores; e
  • EmptyTable: False, representa que a tabela possui linhas de registro.

Perfeito, perfeito, ai esta a prova que a Trace Flag 9292 nos permite identificar de forma simples, coerente e muito intuitiva todos os objetos envolvidos na execução de uma query, stored procedure ou demais elementos que permitem a criação de um plano de execução.

Desta forma, chegamos ao final de mais um post, tendo a sensação de dever cumprido, espero que você tenha gostado, como sempre o Microsoft SQL Server nos surpreende com a sua capacidade e potencialidade de recursos.


Referências

https://thomaslarock.com/2016/06/sql-server-Trace-flags/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/02/26/02-para-que-serve/

DBCC TRACEOFF (Transact-SQL)

DBCC TRACEON (Transact-SQL)

DBCC TRACESTATUS (Transact-SQL)

EXECUTE (Transact-SQL)

Query Hints (Transact-SQL)

Post Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/23/conhecendo-e-aplicando-o-uso-de-atualizacao-de-estatisticas-incrementais/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/13/dica-do-mes-microsoft-sql-server-identificando-as-transacoes-que-estao-utilizando-o-transact-log/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/01/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2016-sp1-novo-argumento-use-hint-disponivel-para-query-hints/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/16/dica-do-mes-conhecendo-a-nova-dmf-sys-dm_exec_input_buffer-no-microsoft-sql-server-2016/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/11/28/dica-do-mes-sql-server-2016-sp1-comando-create-or-alter/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/10/24/dica-do-mes-sql-server-2016-obtendo-informacoes-sobre-o-cache-de-execucao-de-funcoes/

Conclusão

Muitas vezes temos dificuldade em entender como um determinado recurso ou funcionalidade esta sendo utilizada pelo Microsoft SQL Server, com também, de que maneira este elemento poderá impactar nosso ambiente.

Neste post foi possível apresentar como a Trace Flag 9292 nos permite identificar quais objetos estão sendo utilizando durante o processamento e execução de uma determinada query. Um recurso de fácil configuração tanto para ser ativado como também desativado a qualquer momento ou necessidade.

Recomendo que você realize diversos testes e validações antes de fazer qualquer tipo de uso de uma trace flag em seu ambiente de produção, isso também se aplica a Trace Flag 9292.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, nos encontramos em breve com mais um post da sessão Dica do Mês.

Valeu….

Primeiro release candidate do SQL Server 2017 agora disponível


A Microsoft anunciou hoje a disponibilidade no TechNet Evaluation Center do SQL Server 2017 RC1 (Release Candidate 1), a versão de testes pública mais recente do novo SQL Server.

Em nossos sete CTPs community technology previews () até à data, o SQL Server 2017 emitiu:

  • Linux suporte para cargas de trabalho de nível 1, missão crítica Suporte a SQL Server 2017 para Linux inclui as mesmas soluções de alta disponibilidade em Linux como Windows Server, incluindo sempre em grupos disponibilidade integrados com soluções de clustering Linux nativas como marca-passo.
  • Gráfico de processamento de dados no SQL Server Com os recursos de dados de gráfico disponíveis no SQL Server 2017 e banco de dados SQL Azure, clientes podem criar nós e bordas e descobrir as relações complexas e muitos-para-muitos.
  • Processamento de consultas adaptável Processamento de consultas adaptativo é uma família de recursos do SQL Server 2017 que mantém automaticamente consultas de banco de dados executando de forma mais eficiente possível sem a necessidade de ajuste adicional de administradores de banco de dados. Além da capacidade de ajustar concessões de memória de modo de lote, o conjunto de recursos inclui junções adaptável de modo lote e intercalados com capacidades de execução.
  • Integração do Python para análises avançadas Serviços de aprendizagem de máquina Microsoft traz-lhe agora a capacidade de executar a análise de no banco de dados usando Python ou R de forma escalável e em paralelo. A capacidade de executar análises avançadas em seu armazenamento operacional sem ETL significa mais rápido tempo de ideias para os clientes enquanto implantação fácil e extensibilidade rica tornam rápido se levantar e correr sobre o modelo certo.

Principais aprimoramentos no Release Candidate 1

No SQL Server RC1 de 2017, houve vários aprimoramentos de recurso da Nota:

  • SQL Server no Active Directory Linux integração – Com RC1, o SQL Server no Linux suporta autenticação de diretório ativo, que permite que clientes associados ao domínio em Windows ou Linux para autenticar ao SQL Server usando suas credenciais de domínio e o protocolo Kerberos. Confira o Guia de introdução instruções.
  • Transport Layer Security (TLS) para criptografar dados – SQL Server no Linux pode usar TLS para criptografar os dados transmitidos através de uma rede entre um aplicativo cliente e uma instância do SQL Server. SQL Server no Linux suporta os seguintes protocolos TLS: TLS 1.0, 1.1 e 1.2. Confira o Guia de introdução instruções.
  • Aprimoramentos de serviços de aprendizagem de máquina – No RC1, nós adicionamos mais recursos de modelo de gerenciamento para R Services no Windows Server, incluindo gestão de biblioteca externa. A nova versão também oferece suporte nativo marcando.
  • SQL Server Analysis Services (SSAS) Além das melhorias para SSAS de CTPs anterior do SQL Server 2017, RC1 adiciona adicionais exibições de gerenciamento dinâmico, permitindo a análise de dependência e emissão de relatórios. Consulte o blog do Analysis Services para obter mais informações.
  • SQL Server Integration Services (SSIS) no Linux O preview do SQL Server Integration Services no Linux agora adiciona suporte para qualquer driver de ODBC Unicode, se ele segue as especificações do ODBC. (Driver ODBC ANSI não é suportado).
  • SQL Server Integration Services (SSIS) no Windows Server RC1 adiciona suporte para dimensionamento do SSIS em ambientes de alta disponibilidade. Os clientes agora podem habilitar sempre para SSIS, configurando o Windows Server failover clustering para o dimensionamento do mestre.

SQL Server 2017 para desempenho mais rápido

SQL Server 2017 tem vários novos parâmetros, demonstrando um desempenho mais rápido do que os bancos de dados do competidor e contra as versões mais antigas do SQL Server:

Dinamize sua DevOps usando SQL Server 2017

Em SQL Server 2017, introduzimos o suporte para SQL Server em contêineres baseados em Linux, um benefício para os clientes usando recipientes em desenvolvimento ou produção. Estamos também trabalhando para ajudar os desenvolvedores a começar a desenvolver um app para o SQL Server mais rápido possível com instruções de instalação, trechos de código e outras informações úteis.

No nosso novo microsite DevOps usando o SQL Server, que lançou hoje, desenvolvedores e gerentes de desenvolvimento podem aprender como integrar o SQL Server em suas tarefas de DevOps. Encontre demos, documentação e blogs, bem como vídeos e apresentações da conferência. Ou então, junte-se a conversa de DevOps em nossos canais de Gitter.

Começar com o SQL Server RC1 de 2017 hoje!

Tente o release candidate do SQL Server 2017 hoje! Começar com nossos tutoriais de desenvolvedor atualizadas que mostram como instalar e usar o SQL Server 2017 no macOS, Docker, Windows e Linux e rapidamente construir um aplicativo em uma linguagem de programação de sua escolha. Para mais formas de começar, tente o seguinte:

Fontes e Direitos Autorais: July 17, 2017.

Lançado: Preview público para SQL Server 2017 e pacote de gerenciamento de replicação (CTP4)


Microsoft anuncia o SQL Server 2017 Management Pack CTP4 bits com novas funcionalidades na versão (6.7.60.0).

Faça o download do preview público em:

Pacote de gerenciamento do Microsoft System Center (comunidade técnica Preview 4) para o SQL Server 2017

Pacote de gerenciamento do Microsoft System Center (Community Technology Preview 4) para replicação do SQL Server 2017

Novos recursos e correções para o SQL Server 2017 Windows e Linux MP (6.7.60.0)

  • Implementado sempre na monitorização em Windows e Linux
  • Fluxos de trabalho implementados de latência de disco
  • Adicionado nova “Falha no logon” alerta regra para evento SQL Server #18456
  • Adicionado suporte para as credenciais do AD no modo sem agente no Windows
  • Adicionado relatório de previsão de espaço DB
  • Corrigido problema: informação de localização de arquivo diferente do “sys. master_files” e “sysfiles” causa erro quando arquivos do grupo de disponibilidade de banco de dados secundário estão em caminho diferente
  • Corrigido problema: fluxos de trabalho não podem se conectar a uma instância quando apenas o protocolo de memória compartilhada está habilitado
  • Introduziu uma série de melhorias para o pacote de gerenciamento

Novos recursos e correções para janelas de replicação SQL Server 2017 MP (6.7.60.0)

  • Adicionado um número de monitores e regras de desempenho para criar o mesmo modelo de saúde, tal como apresentado no MPs de replicação do SQL Server 2008-2016
  • Melhorada e refatorado gestão pacote de módulos
  • Corrigido uma série de questões
Recurso/Workflow CTP1 (6.7.18.0) CTP2 (6.7.40.0) CTP3 (6.7.55.0) CTP4 (6.7.60.0)
Objetos de núcleo
Descoberta do mecanismo de DB W/L W/L W/L W/L
Descoberta de motor local DB (característica única do windows) Em Em Em
Instâncias de Cluster do SQL Em Em Em Em
A descoberta de DB W/L W/L W/L W/L
Descoberta de grupo de arquivos DB W/L W/L W/L W/L
Detecção de arquivos DB W/L W/L W/L W/L
Arquivo de Log DB descoberta W/L W/L W/L W/L
Descoberta de política DB W/L W/L W/L
Descoberta de grupo de arquivos FILESTREAM Em Em Em
Descoberta de grupo de arquivos de dados otimizados para memória W/L W/L W/L
Dados de memória otimizado de arquivos recipientes descoberta W/L W/L W/L
Pool de recursos de motor DB descoberta W/L W/L
Descoberta do agente SQL W/L W/L
Sempre na descoberta Em W/L
Características
Monitoramento sem agente W/L W/L W/L W/L
Misto de acompanhamento (característica única do windows) Em Em Em Em
Agente de monitoramento (característica única do windows) Em Em Em Em
Credenciais do SQL W/L W/L W/L W/L
Credenciais do AD Em Em Em Em
Suporte OLTP na memória W/L W/L W/L
Suporte a SQL Server Express Em Em Em Em
Módulo de MSSQL LogReader W/L W/L W/L
Suporta nomes longos (característica única do windows) Em Em Em Em
Assistente de multithreading W/L W/L W/L
Execução de tarefas W/L W/L
Suporte de estivador L L
Cenários de monitoramento
Estado de saúde de motor DB monitoramento W/L W/L W/L W/L
Monitoramento de desempenho de motor do DB W/L W/L W/L W/L
Serviço de mecanismo de DB pacote de monitoramento de conformidade W/L W/L W/L
Monitoramento de configuração DB W/L W/L W/L W/L
Desempenho de grupo de arquivos otimizado para memória de dados DB monitoramento W W W
Métricas de monitoramento da CPU e desempenho W W W
Envio de monitoramento de logs W W W
Monitoramento da integridade do WMI W/NA W/NA W/NA
Base do evento monitoramento (400 + regras de alerta) W/L W/L W/L
Coleta de métricas DB espaço monitoramento e desempenho W W W W
Coleta de métricas DB espaço monitoramento e desempenho para objetos Filestream W W W
Coleta de métricas DB espaço monitoramento e desempenho para objetos ἑκατόν W W W
Serviço iniciador Daemon de filtro de texto completo SQL monitoramento W W W
Monitoramento do SQL Agent W/L W/L
Sempre a monitorização W W/L

Gend Le

Concluído

W – suportado em Windows

L – suportado no Linux

W/L – com suporte em Windows e Linux

W/NA – com suporte no Windows, mas não aplicável para Linux

Todos os detalhes sobre a nova funcionalidade podem ser encontrados no guia de operações do que pode ser baixado junto com o pacote de gerenciamento. Funcionalidade completa estará disponível com o SQL Server 2017 GA. Esta versão CTP cobre apenas um subconjunto de regras e monitores. Vamos trabalhar no sentido de funcionalidade completa como nós liberamos novos CTPs.

Fontes e Direitos Autorais: SQL Server Release Services – SourabhAgarwal.
https://blogs.msdn.microsoft.com/sqlreleaseservices/released-public-preview-for-sql-server-2017-and-replication-management-pack-ctp4/

#15 – Para que serve


Bom dia, bom dia, bom dia!

Oi gente, tudo bem? Você que esta acessando mais um post do meu blog, pode estar se perguntando. Cara como pode um pessoa ás 6:30hrs de uma quarta – feira esta acordado escrevendo mais um post.

A resposta será bem simples, isso se chama profissionalismo e respeito aos seus compromissos, e escrever algo para o meu blog é mais que um compromisso é um grande prazer, por isso estou aqui ás 6:32hrs da manhã terminando este parágrafo (kkkkk).

Dando continuidade, este é o novo post da sessão Para que serve, sendo o post de número 15, muito bom, lentamente esta sessão esta ganhando corpo e força com os meus seguidores.

Nos últimos dias pesquisei novidades, recursos, comandos, enfim algo que poderia trazer para vocês hoje e sinceramente falando tive bastante dificuldade para encontrar algum conteúdo que fosse ao mesmo tempo interessante porém simples, e por incrível que pareça acabei me lembrando de algo lançado já faz um tempinho na versão 2014 do Microsoft SQL Server.

Poxa vida, versão 2014 do SQL Server sendo que já estamos na versão 2017 prestes a ser lançada, então não sempre algo que foi lançado a algum tempo pode ser considerado novo muito menos totalmente conhecido, sempre temos alguma coisa nova para conhecer, aprender e descobrir com produtos e suas versões mais antigas e foi justamente pensando nisso que estou trabalhando no conteúdo para este post.

Seguindo como a costumeira apresentação, vou destacar neste post um dos recursos mais importantes adicionados ao SQL Server a partir da versão 2014 conhecido como Native Backup Encryption ou Backup Nativo Encriptado, talvez você nunca tenha ouvido falar sobre ele ou não tenha até o presente momento a necessidade de usar, mas tenha a certeza um é um recurso de fácil utilização.

Então chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre esta funcionalidade, sua forma de uso, características, importância, limitações, entre outros.

Desta forma, seja bem vindo ao #15 – Para que serve – Native Backup Encryption.

Introdução

Quando pensamos nas possibilidades de perda de dados ou informações, normalmente um dos recursos mais conhecidos e utilizados por todos é o bom e velho backup, capacidade que ao longo dos anos também evoluiu muito e hoje pode ser feito de maneira muito simples, tanto para um pen-drive como diretamente para um repositório disponibilidade de maneira on-line não tão falada e prosperada Cloud Computing.

Mas se fazer o backup é algo simples, imagine então o processo de restauração deste conteúdo que também se torna cada vez mais ágil, rápida e fácil. Você já pensou nisso? Não adianta fazer o backup e pensar “estou seguro, fiz o backup do meu banco de dados, quando eu precisar basta restaurar”, parece ser algo que nunca vai acontecer, mas não é o que atualmente estamos vendo.

Pensando neste sentido seu eu que pergunto: “E se por acaso o seu backup foi roubado, sequestrado, enfim alguém mal intencionado acabou se apoderando dos seus dados?” Isso parece ser bastante assustador e perigoso, foi justamente pensando nisso que a partir da versão CTP2 do Microsoft SQL Server 2014, o time de engenheiros, desenvolvedores e especialistas da Microsoft decidiram adicionar de forma nativa a capacidade de criarmos backups diretamente em uma instância ou servidor SQL Server fazendo uso de criptografia de dados através dos já conhecidos algoritmos, por mais simples que isso possa parecer até a versão 2012 do Microsoft SQL Server não tínhamos esta funcionalidade disponibilidade no produto de forma nativa e totalmente suportada para nossos bancos de dados, tínhamos a necessidade de utilizar ferramentas de terceiros para aplicar este tipo de recurso.

Native Backup Encryption

Através desta nova funcionalidade ao executar um procedimento ou rotina de backup de banco de dados, o Microsoft SQL Server sabendo da escolha deste recurso além de criar um arquivo contendo todo conteúdo estabelecido para o banco de dados selecionado, também realizará para o mesmo arquivo que esta sendo criado a aplicação de uma camada de criptografia de dados, onde de uma maneira direta o conteúdo armazenado neste arquivo de backup estará totalmente criptografado.

Dentre as principais características existentes para esta funcionalidade, para que esta capacidade de adicionar uma camada de criptografia diretamente para todo o backup, torna-se necessário o uso de alguns recursos adicionais em nosso banco de dados para que seja possível criarmos backups criptografados, estou me referindo ao uso de certificados e chaves assimétricas em conjunto com os algoritmos suportados pelo SQL Server sendo eles:

  • AES 128;
  • AES 192;
  • AES 256; e 
  • Triple DES.

Utilizando o Native Backup Encryption

Como já destacado anteriormente, antes de criarmos um backup criptografado de nosso banco de dados, temos a necessidade de criamos um certificado de segurança para garantir que todo conteúdo existente esta sendo validado e possui um mecanismo de segurança.

Para começarmos, vamos realizar o primeiro passo que consiste na criação do nosso Banco de Dados chamado NativeBackupEncryption, em seguida criaremos nossa chave assimétrica e na sequência o certificado denominado CertNativeBackupEncryption. Vale ressaltar, que tanto o certificado como também a chave assimétrica serão obrigatoriamente armazenadas na banco de dados de sistema Master. Para isso utilizaremos o Bloco de Código 1 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 1 —
Create Database NativeBackupEncryption
Go

Use Master
Go

Create Master Key Encryption By Password = ‘Backup@@01’
Go

Create Certificate CertNativeBackupEncryption
With Subject = ‘Certificado para Criptografia de Backup’;
Go

Perfeito o primeiro passo já foi realizado e podemos observar nas árvores de recursos do nosso banco de dados que tanto o certificado como principalmente a chave assimétrica estão criadas, conforme ilustra a Figura 1 apresentada abaixo:

Figura 1 – Certificado CertNativeBackupEncryption criado.

Nosso segundo passo também é um dos mais importantes, para conseguirmos aplicar a criptografia em nosso backup de dados, consiste basicamente no procedimento de backup da nossa chave assimétrica em conjunto com o backup do certificado CertNativeBackupEncryption, para que posteriormente seja possível realizar o backup criptografado.

Vale ressaltar que se este procedimento não venha a ser realizado o Microsoft SQL Server durante o processo de Backup Database emitirá um alerta informando a necessidade que este procedimento venha a ser realizado.

Vamos então executar o segundo passo através do Bloco de Código 2 apresentado na sequência:

— Bloco de Código 2 —

Backup Certificate CertNativeBackupEncryption
To File = ‘S:\MSSQL-2016\Backup\Backup-Certificate-CertNativeBackupEncryption.cert’
With Private Key
(
File = ‘S:\MSSQL-2016\Backup\Backup-Master-Key-File.key’,
Encryption By Password = ‘Backup@@01’
)
Go

Legal, legal, conseguimos realizar o backup da nosso Certificado e também do nossa Chave Assimétrica, observe que no procedimento de backup do certificado estamos informando o uso do nossa chave assimétrica na instrução With Private Key, passando como parâmetros os mesmos valores informados para o backup da chave.

A Figura 2 ilustra o local de armazenamento dos arquivos gerados após o backup da chave assimétrica e do certificado:

Figura 2 – Arquivos de backup da chave e certificados criados e armazenados.

Importante: Por questões de facilidade os arquivos de backup foram criados no mesmo local, mas pensando em segurança e boas práticas é altamente recomendável que cada arquivo de backup seja criado e armazenado em locais distintos por questões óbvias de segurança.

Agora que os backups de chave assimétrica e certificados foram realizados, vamos executar nosso último passo que consiste justamente na realização do Backup do nosso banco de dados NativeBackupEncryption aplicando as técnicas de compressão de dados para economia de espaço em disco e principalmente o uso da opção Encrytpion que nos permite escolher o algoritmo de criptografia e qual certificado a nível de servidor vamos utilizar, sendo assim, podemos executar o Bloco de Código 3 apresentado a seguir:

— Bloco de Código 3 —
Backup Database NativeBackupEncryption
To Disk = ‘S:\MSSQL-2016\Backup\Backup-NativeBackupEncryption.Bak’
With Compression,
Encryption
(Algorithm = AES_256,
Server Certificate = CertNativeBackupEncryption)
Go

Muito bem, como todo procedimento de backup, ao final da execução do comando Backup Database o Management Studio apresenta aquele tradicional conjunto de informações relacionadas ao nosso backup, algo que também não é diferente quando fazendo uso de um backup criptografado. A Figura 3 apresentado o arquivo de backup Backup-NativeBackupEncryption.Bak criado e armazenado após a conclusão da execução do comando Backup Database:

Figura 3 – Arquivo NativeBackupEncryption.Bak criado e armazenado em disco.

Estamos quase no final, continuando mais um pouco, vamos garantir e comprovar que realmente nosso backup foi criptografado. Você pode estar querendo ter a certeza que nosso backup esta criptografado, para realizarmos as conhecida prova dos nove, vamos fazer uso do tradicional comando Restore HeaderOnly, através do Bloco de Código 4 declarado abaixo:

— Bloco de Código 4 —

Restore HeaderOnly
From Disk = ‘S:\MSSQL-2016\Backup\Backup-NativeBackupEncryption.Bak’
Go

Para ilustrar o resultado obtido apos a execução do bloco de código 4, podemos observar os valores apresentados nas colunas: KeyAlgorithm, EncryptorThumbprint e EncryptorType, conforme apresenta a Figura 4.

Figura 4 – Informações referentes ao uso da criptografia no arquivo de backup.

Note que estão sendo apresentados para as respectivas colunas o algoritmo que utilizamos no procedimento de backup e seus respectivos encryptors, mecanismos utilizados para aplicar a criptografia.

Sensacional, conseguimos criar um backup com criptografia de seu conteúdo de forma nativa, sem ter a necessidade de utilizar ferramentas ou recursos de terceiros, fazendo uso total das funcionalidades e características existentes no Microsoft SQL Server. Mesmo assim, alguns pontos importantes devem ser destacados antes de concluirmos mais um post, a seguir destaco os benefícios e limitações do Native Backup Encryption.

Benefícios

  1. O uso deste tipo de recurso com certeza poderá trazer aos organizações e profissionais de banco de dados um grande benefício no que se relacionada as questões de segurança e armazenamento de dados após o processo de backup.
  2. Caso você esteja utilizando atualmente uma ferramenta de terceiros para backups criptografados, você pode comparar essa ferramenta com a funcionalidade e o desempenho de backups criptografados nativos e ver se isso preenche sua exigência.

Limitações

  1. O Native Backup Encryption não esta disponível nas edições Express e Web do Microsoft SQL Server.
  2. O processo de appending capacidade de abrir um arquivo de backup já existente e adicionar o novo conteúdo ao seu final não é suportado para backups criptografados.

Referências

https://blogs.technet.microsoft.com/dataplatforminsider/2013/10/17/sql-server-2014-ctp-2-now-available/

https://www.pythian.com/blog/sql-server-2014-ctp-2-native-backup-encryption/

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/statements/backup-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/statements/restore-statements-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/statements/create-certificate-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/statements/restore-statements-headeronly-transact-sql

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/30/14-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/25/13-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

Conclusão

Durante muito tempo este foi um dos recursos mais esperados e aguardos pelos profissionais do Microsoft SQL Server, principalmente pela necessidade até então da aquisição de ferramentas de terceiros, o que gerava custos, bem como, para realizar um procedimento simples trabalhar com dois produtos distintos ao mesmo tempo, o que para alguns pode parecer dificultoso.

Neste post fizemos uso do algoritmo AES_256 considerado por muitos profissionais um dos mais seguros, mas vale a pena fazer uso e comparação dos demais para justamente identificar suas diferenças de comportamento ainda mais se levarmos em consideração diferenças no tempo de execução de um backup criptografado com outro algoritmo.

Mas esse desafio e análise vou deixar para você!!!

Agradecimentos

Antes de finalizar, são 8:54hrs da manhã, estou terminando o post, mas com um lindo dia me esperando para estudar e trabalhar, faça você isso também aproveite a sua vida, pois ela passa muito rápido.

Espero que este conteúdo possa lhe ajudar e ser útil em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Um forte abraço, até o próximo post da sessão Para que serve…..

Valeu.

Microsoft anuncia teclado com leitor de impressão digital


A Microsoft anunciou nesta semana um teclado com leitor de impressão digital integrado, o “Microsoft Modern Keyboard with Fingerprint ID“.

Compatível com o sistema de autenticação biométrica Windows Hello, o teclado suporta Bluetooth 4.0/4.1 e wireless com frequência de 2.4GHz e alcance de até 15 metros em local aberto e até 7 metros em escritórios.

O leitor de impressão digital no teclado é a tecla posicionada ao lado da tecla Alt.

De acordo com a Microsoft, o teclado é compatível com o Windows 8/8.1, Windows 10, Windows 10 Mobile, Android, macOS e iOS. El também vem com duas pilhas AAA recarregáveis.

O novo teclado com leitor de impressão digital já está em pré-venda na Microsoft Store por US$ 129,99 nos Estados Unidos. Ainda não foi confirmado se ele também será lançado por aqui.

Microsoft anuncia teclado com leitor de impressão digital

Vídeo apresentando o teclado com leitor de impressão digital:

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com – 16/06/2017 – 8:36 am.