SQL Operations Studio Preview v0.25.4 – Janeiro 2018


A Microsoft disponibilizou para download nesta semana o SQL Operations Studio Preview v0.25.4. A ferramenta está disponível para Windows, macOS e Linux.

Se você ainda não conhece esta nova ferramenta, saiba que o SQL Operations Studio é uma ferramenta gratuita para gerenciamento do SQL Server, Azure SQL Database e Azure SQL Data Warehouse.

A primeira versão Preview pública foi lançada no início de novembro de 2017. De acordo com o changelog, a versão 0.25.4 traz correções de bugs, corrige um problema com o tamanho do ícone no menu Iniciar, muda o campo Nome do servidor para Servidor na caixa de diálogo Conexão e mais.

Confira a lista completa de melhorias e correções disponíveis no changelog clicando aqui.

Microsoft SQL Operations Studio Preview v0.25.4

A versão para Windows do SQL Operations Studio Preview v0.25.4 está disponível para download aqui com instalador e aqui em versão portátil (não requer instalação). As versões para outras plataformas e as instruções de instalação podem ser encontradas aqui.

Para maiores informações acesse: https://docs.microsoft.com/en-us/sql/sql-operations-studio/what-is

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – 17/01/2018 – https://docs.microsoft.com/en-us/sql/sql-operations-studio/release-notes

Anúncios

Microsoft libera o .Net Core v2.0.5


A Microsoft disponibilizou para download nesta semana o .NET Core v2.0.5. Esta versão pode ser utilizada para desenvolvimento via linha de comando, editor de texto, Visual Studio 2017, Visual Studio Code ou Visual Studio for Mac.

O .NET Core é uma versão modular, multiplataforma e open-source do .NET Framework. O SDK (kit para desenvolvimento de software) v2.1.4 e o .NET Core Runtime v2.0.5 para Windows estão disponíveis para download aqui.

Na mesma página é possível encontrar o .NET Core e outros downloads para Linux e macOS. Instruções para instalação em diferentes distribuições do Linux estão disponíveis no link acima.

Imagens da versão 2.0.5 do .NET Core também estão disponíveis no Docker Hub. Elas podem ser usadas no Linux e no Nano Server.

Microsoft disponibiliza o .NET Core v2.0.5
A Microsoft disponibilizou para download nesta semana o .NET Core v2.0.5. Esta versão pode ser utilizada para desenvolvimento via linha de comando, editor de texto, Visual Studio 2017, Visual Studio Code ou Visual Studio for Mac

Fontes e Direitos Autorais: Baboo.com –  11 jan 2018 | 9:42 am.

Microsoft anuncia o lançamento do Powershell Core 6.0


A Microsoft anunciou nesta semana a disponibilidade do PowerShell Core 6.0, uma versão multi-plataforma e open-source do PowerShell, para Windows, macOS e Linux.

Apesar do “6.0” no nome, esta é a primeira versão oficial do PowerShell Core.

A versão para Windows do PowerShell Core 6.0 é compatível com o Windows 7, Windows 8.1, Windows 10, Windows Server 2008 R2, Windows Server 2012 R2 e Windows Server 2016.

A versão para macOS é compatível com a versão 10.12 e posteriores e a versão para Linux é compatível com distribuição como Ubuntu, CentOS, Red Hat Enterprise Linux, OpenSUSE e Fedora.

Assim como o .NET e o .NET Core, o PowerShell Core é uma versão open-source do PowerShell. A Microsoft não pretende mais lançar novas versões do Windows PowerShell “normal”, com a 5.1 sendo a última*.

*Ela continuará recebendo correções durante seu ciclo de vida, mas a 5.1 é a última grande versão do Windows PowerShell.

O PowerShell Core também pode ser usado mesmo em sistemas com o Windows PowerShell instalado.

Alguns recursos suportados pelo Windows PowerShell, como PowerShell Workflows, Snap-ins e cmdlets WMlv1, não são suportados no PowerShell Core 6.0, mas isso pode mudar no futuro.

O PowerShell Core será atualizado regularmente pela Microsoft.

Microsoft lança o PowerShell Core 6.0

A empresa anunciou seu plano de tornar o PowerShell open-source e compatível com macOS e Linux em 2016. A empresa também disponibilizou uma versão de testes na época.

Profissionais de TI interessados podem obter mais informações no post com o anúncio da versão 6.0 publicado aqui pela Microsoft.

Instruções para download e instalação do PowerShell Core 6.0 no Windows podem ser encontradas aqui. Já as instruções para download e instalação no macOS e Linux estão disponíveis aqui.

Fontes e Direitos Autorais: PowerShell Team Blog – 10/01/2018.

#19 – Para que serve


Salve galera, boa tarde.

Feliz Ano Novo, Feliz 2018, o tempo passou e hoje dia 02/01 nos encontramos no primeiro dia útil para grande maioria da população mundial, mas que dureza pensar que temos mais 365 dias pela frente para superarmos, por outro lado que bom pensar assim.

Neste primeiro post de 2018 não vou trazer nenhuma novidade relacionada ao Microsoft SQL Server ou banco de dados, mas sim compartilhar como faço em alguns momentos, conceitos já conhecidos da grande maioria.

Hoje quero trazer para vocês um dos assuntos mais discutidos quando estamos trabalhando com nossos servidores de banco de dados, estou me referindo ao período de processamento do comando select dentro de um bloco de transação conhecido como Ciclo de Vida de Query através do comando Select.

Sendo assim, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre o primeiro post de 2018, post de número 19 da sessão Para que serve. Entã seja bem vindo ao #19 – Para que serve – Ciclo de Vida de Query através do comando Select.


Introdução

Um dos comandos mais utilizados em qualquer Sistema Gerenciador de Banco de Dados ou propriamente um Banco de Dados é o comando Select, sendo este responsável em recuperar linhas do banco de dados e permite a seleção de uma ou várias linhas ou colunas de uma ou várias tabelas, no Microsoft SQL Server isso não é diferente.

Basicamente ao se executar um comando Select podemos estar trabalhando com uma simples query ou conjunto de querys que podem formar uma ou mais transações, é com base neste cenário que o comando Select composto por sua conjunto de argumentos e opções permite estabelecer um ciclo de vida dedicado exclusivamente ao seu período de compilação, execução e encerramento.

Desta forma, algumas perguntas podem surgir decorrentes do seu processo de processamento, dentre as quais destaco:

  1. Quais são as etapas para o processamento de um select? 
  2. Onde inicia e onde termina cada processo?

De uma maneira bastante simples e direta vou tentar responder estas questões, iniciando pela organização da estrutura de componentes utilizadas pelo comando Select, conhecidos como:

  • Relation Engine;
  • Storage Engine; e
  • Buffer Pool.
  1. Relational Engine é responsável pelos processos de Query Optmizer, Query Executor e Parse entre outros, avaliando toda a parte algébrica, sintaxe e plano de execução da Query.
  2. Storage Engine é o cara do I/O, responsável pelo gerenciamento e requisições de disco, alocações, Access Methods Code, Buffer Manager e Transaction MGR.
  3. Buffer Pool tem vários papeis, mas, um dos mais importantes é o gerenciamento de memória para o plano de execução e alocação de páginas no data cache.

A Figura 1 apresentada abaixo ilustra um modelo básico da estrutura de relação entre estes componentes:

Figura 1 – Estrutura dos componentes utilizados pelo comando select.

Logicamente, dentro de cada componente podemos encontrar diversos subcomponentes que formam sua estrutura, responsáveis por diversas ações e procedimentos, formando um ecossistema único para cada elemento, dentre eles destaco o Query Optimizer com suas diversas fases de otimização para gerar o plano de execução mais assertivo.

O Ciclo (Select)

O primeiro passo é estabelecer a conexão entre aplicação (ERP, CRM, Web, etc…) e o SQL Server. Para isso, é utilizado um protocolo chamado Network Interface (SNI). No fundo o SNI utiliza um outro protocolo, na verdade, podem existir vários protocolos e o mais conhecido é o famoso TCP/IP.

A Figura 2 abaixo ilustra o inicio do ciclo de vida do comando select através do acesso feito por uma aplicação:

Figura 2 – Representação do inicio do ciclo de vida do comando select.

Ao realizar a conexão através da comanda e do protocolo (TCP/IP), os pacotes TDS (Tabular Data Stream Endpoints) são encaminhados ao Protocolo Layer, que tem como papel “reconhecer e interpretar” o pacote e validar a informação, assim como sua origem (client). Após isso o conteúdo (SQL Command) do pacote é enviado ao Command Parse.

A Figura 3 apresenta o comportamento do Command Parse após o processo de reconhecimento e interpretação do pacote contendo o comando select ser realizado:

Figura 3 – Comportamento do Command Parse após o processo de reconhecimento dos pacotes.

Neste cenário o CMD Parser vai fazer o seu trabalho, primeiro validando o T-SQL, checando sintaxe, nomes de objetos, parâmetros, palavras chaves. A segunda parte é procurar no Buffer Pool se já existe um plano de execução compatível para está query, se sim, ele recupera este plano e executa (Query Executor), caso contrário, passa o result da análise (Query Tree) para o Query Optmizer que é o responsável por gerar o Execution Plan (plano de execução) que será usado na execução (próxima etapa) do ciclo.

Ao receber as instruções o Query Optimizer,  identifica a query realizando diversas etapas (fases 0,1,2) de otimização, afim de encontrar o plano mais eficiente, com base no “cost-based” (I/O, CPU). Nesta etapa as estatísticas são utilizadas servindo como Input de informação para tomada de decisão do Query Optimizer. Após o termino desta etapa, o plano de execução está pronto, passando o bastão para o Query Executor

O Query Executor é quem executa a Query, na verdade ele executa o plano de execução, colocando os operadores para trabalhar. É neste ponto também que ocorre a interação com a Storage Engine via interface Access Methods (OLE DB).

Seguindo em frente, Access Methods passa a solicitação para o Buffer Manager recuperar a página de dados, se a página especifica estiver em memória, o Buffer Pool solicita ao Data Cache que recupere a pagina, e retorna ao Access Methods (leituras logicas). Ao contrário, os dados são recuperados do disco (leituras físicas), colocados em cache e devolvendo o controle para o Access Methods. 

De posse dos dados, o Access Methods devolve a informação para o Relational Engine que será enviada ao Client que a solicitou, assim o resultando do comando select é apresentado na tela da aplicação exibindo assim os dados solicitados pelo usuário. Desta maneira, nosso ciclo ou melhor o ciclo de vida do comando select esta concluído, conforme a Figura 4 apresenta abaixo:

Figura 4 – Ciclo de vida do comando select concluído e dados apresentados para o usuário.

Com isso chegamos ao final do primeiro post de 2018 e post de número 19 da sessão Para que serve.


Referências

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/queries/select-transact-sql

https://technet.microsoft.com/en-us/library/ms189559(v=sql.90).aspx

http://www.sqlservergeeks.com/sql-server-architecture-part-2-the-relational-engine/

https://blogs.msdn.microsoft.com/tcaserta/2016/01/04/sql-server-fundamentos-storage-engine-parte-i/

https://blogs.msdn.microsoft.com/tcaserta/2016/01/04/sql-server-fundamentos-storage-engine-parte-i/

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/12/15/18-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/11/24/17-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/10/01/16-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/28/15-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/30/14-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/25/13-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

Conclusão

Como sempre a Microsoft e toda sua equipe nos surpreende com sua capacidade de trabalho, fortalecendo cada vez mais o Microsoft SQL Server não somente com um SGBD ou ferramenta de banco de dados, mas sim um ambiente completo para qualquer tipo de análise, desenvolvimento e administração que esteja relacionada com dados.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, surpreendente em todos os sentidos…

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua ilustre visita, sinto-me honrado com sua presença, espero que este conteúdo possa lhe ajudar e ser útil em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Um forte abraço, até o próximo post da sessão Para que serve…..

Valeu.

#18 – Para que serve


Olá você, boa noite.

Tudo bem?

Este é mais um post da sessão Para que serve, nesta última sexta-feira de aulas aqui na Fatec São Roque, hoje meu queridos pimpolhos não estão presentes, final de semestre é sempre assim eles somem, mas eu estou aqui vivinho da silva e pronto para compartilhar um pouco do conhecimento adquirido nos alguns dias.

Hoje não vou destacar novidades adicionadas ao Microsoft SQL Server em suas últimas versões, ao contrário quero trazer para você um exemplo de código que poderá lhe ajudar muito ainda mais com um novo ano que esta se aproximando rapidamente. Sempre nesta época do ano diversos estabelecimentos comerciais, lojas e demais locais de compra e venda gostam de ofertar aos seus clientes aquele tradicional folhinha ou calendário mensal do próxima ano.

É justamente isso que este novo post da sessão Para que serve tem o objetivo de trazer, apresentar como podemos através de um script desenvolvido no Microsoft SQL Server criar um calendário mensal ou anual igualzinho aqueles que ganhamos nos finais de ano.

O melhor ainda neste calendário é que nossa tabela será estrutura respeitando rigorosamente os dias da semana e seus respectivos nomes. Sendo assim, chegou a hora de conhecer um pouco mais sobre estas novas funções, desta forma, seja bem vindo ao #18 – Para que serve – Criando um calendário mensal com dias da semana.


Introdução

Um dos elementos mais comuns de se encontrar nas casas, apartamentos, escolas e demais locais de convivência é um calendário ou folhinha de meses e dias pregada nas paredes, afixada em geladeiras, portas retratos entre outros locais de fácil acesso e visualização para todos.

O elemento chamado de calendário criado a milhares de anos tem como principal função ajudar nós pessoas a nos identificar no tempo, ou seja, trata-se de um recurso tão básico mas de extrema importância no que diz respeito ao dia-a-dia das pessoas e suas atividades.

Este tipo de recurso não poderia estar ausente no Microsoft SQL Server, não que ele esteja totalmente presente, mas através das funcionalidades existentes na linguagem Transact-SQL ou simplesmente T-SQL temos total capacidade de criarmos o nosso calendário mensal ou até mesmo anual contendo os dias da semana, o número da semana e posteriormente demais dados necessários que possam compor o seu calendário.

Para que você possa acompanhar o processo de criação deste calendário personalizado, vamos utilizar como base para nosso cenário uma simples tabela denominada CalendarioMensal, nome mais do que sugestivo, começamos então pela criação desta tabela conforme apresenta o Bloco de Código 1 a seguir:

— Bloco de Código 1 – Criando a Tabela CalendarioMensal —

Create Table CalendarioMensal
(Contador TinyInt Identity(1,1) ,
Semana SmallInt,
Segunda TinyInt Null,
Terca TinyInt Null,
Quarta TinyInt Null,
Quinta TinyInt Null,
Sexta TinyInt Null,
Sabado TinyInt Null,
Domingo TinyInt Null)
Go

Show nossa tabela CalendarioMensal esta criada e pronta para ser utilizada, nosso próxima passo é começar a estruturar o ambiente para darmos inicio a inserção dos dados que vão compor o calendário, neste caso, vamos estabelecer o dia inicial da semana e evitar a contagem de linhas a cada manipulação de dados, para tal vamos o Bloco de Código 2 conforme apresentado abaixo:

— Bloco de Código 2 – Definindo o dia inicial da semana e evitando a contagem de linhas —

— Definindo o dia inicial da semana —
Set DateFirst 7
Go

— Desativando a contagem de linhas após manipulação de dados —
Set NoCount On
Go

Observações:

  1. Ao utilizar a diretiva Set DateFirst temos a possibilidade de definir de acordo qual deverá ser o primeiro dia da semana dentro da sessão ou transação que estamos trabalhando independente do idioma, linguagem ou configurações regionais do seu sistema operacional. Neste caso, estou definindo através do número 7 que qualquer semana terá inicio no sétimo dia, ou seja, no sábado.
  2. Ao utilizar a diretiva Set NoCount informando o valor de On estamos orientando o Database Engine enviar uma instrução para o Query Processor que ao final do processamento da transação ou bloco de transação não deverão ser informadas em tela a quantidade de linhas processadas ou manipuladas pelo Database Engine.

Nosso próximo passo consiste na declaração das variáveis que iremos utilizar para definir o período de dias ou período mensal que queremos criar, desta forma, vamos utilizar as variáveis: @InicioDeMes, @FinalDeMes e @Contador, conforme o Bloco de Código 3 apresentado abaixo:

— Bloco de Código 3 – Definição e atribuição das variáveis —

— Declarando e definindo as variáveis —
Declare @InicioDeMes Datetime,
@FinalDeMes Datetime,
@Contador TinyInt

— Atribuindo os valores para as variáveis —
Set @InicioDeMes = ‘2018-01-01’
Set @FinalDeMes = ‘2018-01-31’
Set @Contador = 1

Note que estou definindo o período de dias que correspondem ao mês de janeiro de 2018, sendo assim, nosso calendário mensal será criado respeitando a quantidade de dias e períodos de semana específicos do próximo mês de janeiro.

Ufa, estamos caminhando bem, vamos em frente, agora já se aproximando do processo de inserção do respectivo período de dias informado anteriormente e na sequência a atualização de cada dia de acordo com o exclusivo e respectivo dia da semana, vamos então conhecer o Bloco de Código 4 apresentado abaixo, não se esqueça de executar este bloco pois ele é o mais importante:

— Bloco de Código 4 – Loop para inserção e atualização dos dias referentes ao mês informando —

While @InicioDeMes <= @FinalDeMes
Begin

— Inserindo os valores na Tabela Calendário —
Insert Into CalendarioMensal Default Values

While 1<=@Contador
Begin

Update CalendarioMensal
               Semana = IsNull(DatePart(Week, Segunda),Year(GetDate()-1)),
               Set Segunda = Case When DatePart(WeekDay,@InicioDeMes) = 2 Then DatePart(Day,@InicioDeMes) Else Segunda End,
              Terca = Case When DatePart(WeekDay,@InicioDeMes) = 3 Then DatePart(Day,@InicioDeMes) Else Terca End,
             Quarta = Case When DatePart(WeekDay,@InicioDeMes) = 4 Then DatePart(Day,@InicioDeMes) Else Quarta End,
             Quinta = Case When DatePart(WeekDay,@InicioDeMes) = 5 Then DatePart(Day,@InicioDeMes) Else Quinta End,
              Sexta = Case When DatePart(WeekDay,@InicioDeMes) = 6 Then DatePart(Day,@InicioDeMes) Else Sexta End,
              Sabado = Case When DatePart(WeekDay,@InicioDeMes) = 7 Then DatePart(Day,@InicioDeMes) Else Sabado End,
              Domingo = Case When DatePart(WeekDay,@InicioDeMes) = 1 Then DatePart(Day,@InicioDeMes) Else Domingo End              
Where Contador = @Contador
And DatePart(Month,@InicioDeMes) = DatePart(Month,@FinalDeMes)

  If DatePart(WeekDay,@InicioDeMes) = 1
   Break
    Set @InicioDeMes = Dateadd(Day,1,@InicioDeMes)
   End

  Set @InicioDeMes = Dateadd(Day,1,@InicioDeMes)
  Set @Contador = @Contador + 1
End
Go

Observações:

  1. Talvez você possa estar na dúvida do motivo ao qual estou utilizando o comando Insert dentro do loop de inserção de dados em nosso calendário, na verdade se você analisar a cada volta realizada pelo loop será inserido um conjunto de valores novas em nossa tabela CalendarioMensal, com base, neste novo conjunto de valores teremos a capacidade de distribuir os valores de acordo com a sua respectiva coluna, ou melhor dia da semana.
  2. Estou utilizando o comando Update no Bloco de Código 4, como elemento subsequente dos valores inseridos através do comando Insert, fazendo uma rápida análise após o conjunto de valores correspondentes ao dia do mês, é estabelecido tratamento para cada valor de acordo com o dia da semana de forma única para, possibilitando assim identificar o valor inserido que posteriormente estará atrelado ao determinado dia da semana, desta forma é feita a atualização do dia na coluna ao qual ele corresponderia na calendário impresso.

Já estamos no final, o mais complicado e talvez difícil de ser feito foi realizado e espero que tudo tenha ocorrido corretamente que se relaciona a inserção dos dados na tabela CalendarioMensal, se você chegou até é porque conseguiu, então vamos avançar mais um passo e agora ver como nossos dados forma inseridos e serão apresentado em tela, para tal procedimento utilize o Bloco de Código 5 declarado na sequência:

— Bloco de Código 5 – Visualizando o Calendário Mensal e seus respectivos dias e semanas —

Select Semana As ‘Numero da Semana’,
            Segunda As ‘Segunda-Feira’,
            Terca As ‘Terça-Feira’,
            Quarta As ‘Quarta-Feira’,
            Quinta As ‘Quinta-Feira’,
            Sexta As ‘Sexta-Feira’,
            Sabado As ‘Sábado’,
            Domingo As ‘Domingo’
From CalendarioMensal
Go

Afim de ilustrar e comprovar o resultado apresentado pelo Bloco de Código 5, apresento a seguir a Figura 1 abaixo:


Figura 1 – Calendário Mensal correspondente ao mês de janeiro de 2018.

Show, show, sensacional é isso ai, conseguimos, chegamos ao final de mais um post da sessão Para que serve.


Referências

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/statements/insert-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/queries/update-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/language-elements/case-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/functions/datepart-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/functions/getdate-transact-sql

https://docs.microsoft.com/en-us/sql/t-sql/functions/year-transact-sql

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar um dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/11/24/17-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/10/01/16-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/06/28/15-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/30/14-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/25/13-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/23/12-para-que-serve/

Conclusão

Como sempre a Microsoft e toda sua equipe nos surpreende com sua capacidade de trabalho, fortalecendo cada vez mais o Microsoft SQL Server não somente com um SGBD ou ferramenta de banco de dados, mas sim um ambiente completo para qualquer tipo de análise, desenvolvimento e administração que esteja relacionada com dados.

Através da diversidade de recursos e funcionalidades existentes no Microsoft SQL Server temos a capacidade de criar e manipular diversos tipos de objetos existentes no mundo real e que fazem parte do dia-a-dia das pessoas, e neste post você pode mais uma vez comprovar que isso é possível ser implementado, como visto aqui a criação e inserção de valores que representam a estrutura básica de um calendário impresso.

Este é o fantástico Microsoft SQL Server, surpreendente até nas funcionalidades e recursos mais básicos, produto mais do que bão e igual não existe so…..

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua ilustre visita, sinto-me honrado com sua presença, espero que este conteúdo possa lhe ajudar e ser útil em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Quero também aproveitar para me despedir de vocês neste ano de 2017 e dizer que nos encontramos em breve, mas breve mesmo pois 2018 já esta batendo a porta.

Um forte abraço, até o próximo post da sessão Para que serve…..

Valeu.

Microsoft adiciona versão Beta do cliente OpenSSH no Windows 10 v1709


Desenvolvedores e profissionais de TI interessados já podem testar o cliente OpenSSH no Windows 10 v1709 (o Windows 10 Fall Creators Update).

Em 2015 a empresa anunciou que estava trabalhando para incluir o suporte nativo para OpenSSH no Windows. SSH ou Secure Shell é uma ferramenta de linha de comando presente no UNIX e em distribuições do Linux usada para realização de conexões criptografadas a servidores remotos.

Além do cliente, o servidor OpenSSH também está presente como versão Beta no Windows 10 v1709. O detalhe é que ambos precisam ser habilitados manualmente.

Como habilitar a versão Beta do cliente OpenSSH no Windows 10 v1709

Para habilitar a versão Beta do cliente OpenSSH no Windows 10 v1709, siga os passos abaixo:

– Abra o aplicativo Configurações e clique em Aplicativos:


– Em Aplicativos e recursos clique no link Gerenciar recursos opcionais:


– Clique no botão Adicionar um recurso:


– Você verá o cliente e o servidor OpenSSH Beta na lista. Clique no item desejado e depois em Instalar:


Microsoft inclui versão Beta do seu cliente OpenSSH no Windows 10 v1709

 

Short Scripts – Dezembro 2017


Hello World, muito, mas muito bom dia….

Mais um sábado começando, justamente hoje que excepcionalmente eu não vou trabalhar e deveria estar dormindo estou aqui aproveitando um pouco do meu tempo para me dedicar a outra enorme paixão, meu blog e meu seguidores que estão me ajudando desde o começando deste ano a aumentar de forma considerável a audiência dos meus posts e sessões aqui compartilhadas.

Como promessa é dívida e deve ser cumprida “ou melhor” compartilhada, estou compartilhando a minha feita a exatos três meses no final do último post da sessão Short Scripts, hoje publicando mais um conjunto de scripts adicionados a minha biblioteca particular de códigos e exemplos nos últimos meses.

O post de hoje

Como de costume selecionei os principais scripts armazenados recentemente na minha biblioteca de códigos, que apresentam os seguintes assuntos:

  • Armazenamento de arquivos;
  • Construção de Frases;
  • Conversão de caracteres;
  • Data Type Money;
  • Excel;
  • Grant All Permissions;
  • Operador Cube;
  • Operador Rollup;
  • Select Recursivo;
  • Sequência Numérica;
  • Views;
  • XP_DirTree;
  • XML Path.

Chegou a hora, mãos nos teclados, a seguir apresento os códigos e exemplos selecionados para o Short Script – Dezembro 2017. Vale ressaltar que todos os scripts publicados nesta sessão foram devidamente testados, mas isso não significa que você pode fazer uso dos mesmo em seu ambiente de produção, vale sim todo cuidado possível para evitar maiores problemas.

Fique a vontade para compartilhar, comentar e melhorar cada um destes códigos.

Short Scripts

— Short Script 1  – Armazenando arquivos do Excel diretamente no SQL Server —
Set Nocount On
Go

Create Table FileList
(id int identity(1,1) primary key clustered,
FileName varchar(max))
Go

Create Table #TempTable
(id int identity(1,1) primary key clustered,
FileName varchar(max),
FileDepth int,
FileID int)
Go

Create Table dbo.TestBlob
(tbId int IDENTITY(1,1) NOT NULL,
tbName varchar (50) NULL,
tbDesc varchar (100) NULL,
tbBin varbinary (max) NULL)
Go

Insert Into #TempTable
EXEC master.sys.xp_dirtree ‘E:\ExcelOutput’,0,1;
Go

Select * from #TempTable
Go

Declare @I int=0, @FileName varchar(max), @Count int

Select * into #TempFileList from FileList
Set @Count=(Select count(*) from #TempFileList)

Declare @SQLText nvarchar(max)
While (@i<@Count)
 Begin

Set @FileName=(select top 1 FileName from #TempFileList)
  Set @SQLText=’Insert TestBlob(tbName, tbDesc, tbBin) Select ”’+@FileName+”’,”Files”,
  BulkColumn from Openrowset( Bulk ”’+@FileName+”’, Single_Blob) as tb’

  Print @SQLText
  Delete from #TempFileList where FileName=@FileName
  Set @I=@I+1
 End

Select tbID as ID,
tbName as ‘File Name’,
tbBin as ‘Converted file’
from TestBlob
Go

Drop Table #TempFileList
Go

— Short Script 2  – Convertendo caracteres diretamente para o formato e data type Money —
SELECT ‘1,,,,,,’+$0
Go

— Short Script 3  – Criando uma frase através de um Select Recursivo —
Create Table myWords
(RowID Int,
Word Varchar(20))
Go

Insert Into myWords Values(1, ‘This’),(2, ‘is’),(3, ‘an’),(4, ‘interesting’),
(5,’table’)

Declare @Sentence as varchar(8000)
SET @Sentence = ”

SELECT @Sentence = @Sentence + word + ‘ ‘
FROM myWords
ORDER BY RowID

PRINT @Sentence
Go

— Short Script 4  – Utilizando XML Path para gerar uma sequência numérica —
Declare @MyTable Table
(MyID Int)

Insert Into @MyTable Values(1),(2),(3),(4),(5)
Go

— Execução 1 —
Select MyID as “text()”, ‘;’ as “text()” from @MyTable for xml path(”)
Go

— Execução 2 —
Select MyID + ‘;’ as “text()” from @MyTable for xml path(”)
Go

— Short Script 5  – Atribuindo Grant All para todas tabelas em um Banco de Dados —

USE MyDatabase
Go

If EXISTS (Select [name] FROM master..sysdatabases WHERE [name] = ‘MyDatabase’)
Begin

Print ‘Updating Permissions for MyDatabase’
Print ‘ ‘

Declare @tablename varchar(255), @tablename_header varchar(255)

Declare tnames_cursor CURSOR FOR
Select name FROM MyDatabase..sysobjects
WHERE type = ‘U’

Open tnames_cursor
Fetch Next From tnames_cursor INTO @tablename

While (@@Fetch_status <> -1)
Begin

If (@@Fetch_status <> -2)
Begin
Select @tablename_header = ‘Updating ‘ + ‘MyDatabase..’ + RTrim(UPPER(@tablename) )
Print @tablename_header
Exec (‘Grant All on ‘ + @tablename +’ to shanewiso’)
End

Fetch Next From tnames_cursor INTO @tablename
End

Deallocate tnames_cursor
End
Go

— Short Script 6  – Diferença entre os operadores Rollup e Cube —
Create Table Funcionarios
(Codigo Int Primary Key,
Nome VarChar(50) Not Null,
Sexo VarChar(10) Not Null,
Salario Int Not Null,
Departamento VarChar(50) Not Null)
Go

Insert Into Funcionarios
Values
(1, ‘David’, ‘Masculino’, 5000, ‘Sales’),
(2, ‘Jim’, ‘Feminino’, 6000, ‘HR’),
(3, ‘Kate’, ‘Feminino’, 7500, ‘IT’),
(4, ‘Will’, ‘Masculino’, 6500, ‘Marketing’),
(5, ‘Shane’, ‘Feminino’, 5500, ‘Finance’),
(6, ‘Shed’, ‘Masculino’, 8000, ‘Sales’),
(7, ‘Vik’, ‘Masculino’, 7200, ‘HR’),
(8, ‘Vince’, ‘Feminino’, 6600, ‘IT’),
(9, ‘Jane’, ‘Feminino’, 5400, ‘Marketing’),
(10, ‘Laura’, ‘Feminino’, 6300, ‘Finance’),
(11, ‘Mac’, ‘Masculino’, 5700, ‘Sales’),
(12, ‘Pat’, ‘Masculino’, 7000, ‘HR’),
(13, ‘Julie’, ‘Feminino’, 7100, ‘IT’),
(14, ‘Elice’, ‘Feminino’, 6800,’Marketing’),
(15, ‘Wayne’, ‘Masculino’, 5000, ‘Finance’)
Go

— Agrupamento simples através de Group By através da coluna Departamento —
Select Departamento,
Sum(Salario) As Salario_Sum
From Funcionarios
Group By Departamento
Go

— Utilizando operador Rollup para gerar totais e subtotais com base na coluna Departamento —
Select Coalesce (Departamento, ‘Departamentos’) As Departamento,
Sum(Salario) As Salario_Sum
From Funcionarios
Group By Rollup (Departamento)
Go

— Procurando subtotais através do operador Rollup para colunas Departamento e Sexo —
Select Coalesce (Departamento, ‘Departamentos’) As Departamento,
Coalesce (Sexo,’Sexos’) As Sexo,
Sum(Salario) As Salario_Sum
From Funcionarios
Group By Rollup (Departamento, Sexo)
Go

— Utilizando o Operador Cube para gerar todas as possíveis combinações de agrupamentos de dados através das colunas Departamento e Sexo —
Select Coalesce (Departamento, ‘Departamentos’) As Departamento,
Coalesce (Sexo,’Sexos’) As Sexo,
Sum(Salario) As Salario_Sum
From Funcionarios
Group By Cube (Departamento, Sexo)
Go

— Short Script 7  – Identificando a relação de colunas utilizadas em uma view —
— Exemplo 1: Utilizando Information_Schema —

SELECT * FROM INFORMATION_SCHEMA.VIEW_COLUMN_USAGE AS UsedColumns
WHERE UsedColumns.VIEW_NAME=’NameofView’
Go

— Exemplo 2: Utilizando DMVs —
SELECT
v.name AS ViewName,
c.name AS ColumnName,
columnTypes.name AS DataType,
aliases.name AS Alias
FROM sys.views v INNER JOIN sys.sql_dependencies d
ON d.object_id = v.object_id
INNER JOIN .sys.objects t
ON t.object_id = d.referenced_major_id
INNER JOIN sys.columns c
ON c.object_id = d.referenced_major_id
INNER JOIN sys.types AS columnTypes
ON c.user_type_id=columnTypes.user_type_id
AND c.column_id = d.referenced_minor_id
INNER JOIN sys.columns AS aliases
On c.column_id=aliases.column_id
AND aliases.object_id = object_id(‘[SchemaName].[ViewName]’)
WHERE v.name = ‘ViewName’;
Go

Show, missão cumprida! Mais uma relação de short scripts acaba de ser compartilhada, mesmo sendo denominados short entre aspas “pequenos”, posso garantir que todos estes exemplos são de grande importância, apresentam um valor e conhecimento do mais alto nível.


Chegamos ao final de mais um Short Scripts, espero que este material possa lhe ajudar, ilustrando o uso de alguns recursos e funcionalidades do Microsoft SQL Server.

Acredito que você tenha observado que estes códigos são conhecidos em meu blog, todos estão relacionados aos posts dedicados ao Microsoft SQL Server publicados no decorrer dos últimos anos.

Boa parte deste material é fruto de um trabalho dedicado exclusivamente a colaboração com a comunidade, visando sempre encontrar algo que possa ser a solução de um determinado problema, bem como, a demonstração de como se pode fazer uso de um determinado recurso.

Links

Caso você queira acessar os últimos posts desta sessão, não perca tempo acesse os links listados abaixo:

Agradecimento

Obrigado mais uma vez por sua visita, fico honrado com sua ilustre presença ao meu blog, desejo e espero que você possa ter encontrado algo que lhe ajudou.

Volte sempre, nos encontraremos mais uma vez na sessão Short Scripts no post do mês de fevereiro de 2018.

Um forte abraço, feliz natal e próspero ano novo.