Dica do Mês – Utilizando a Trace Flag 9292 para exibir objetos estatísticos úteis


 

Olá comunidade, boa tarde.

Tudo bem? Estamos se aproximando dos últimos dias de férias ou recesso para grande maioria dos professores e profissionais de educação espalhados por todo Brasil. E ai, já esta preparado para voltar a luta? Posso dizer tranquilamente que sim, eu estou pronto para voltar a conviver com meus alunos e amigos de trabalho.

Antes de começarmos a falar sobre o post de hoje, nada mais justo começar agradecendo como de costume a você está aqui neste momento acessando meu blog. Espero que possa ter encontrado o que precisa, bem como, esteja gostando do conteúdo publicado, fique a vontade para entrar em contato expressando suas opiniões e demais pensamentos.

Neste novo post da sessão Dica do Mês, vou apresentar um recurso que imagino ser conhecido por muitos ou principalmente pelos profissionais de banco de dados, estou me referindo as Trace Flag ou sinalizador de rastreamento em português.

Você já ouvir falar sobre isso ou já utilizou? Eu imagino que sim pois aqui no meu blog diversos posts e artigos foram publicado ao longo dos últimos anos sobre este tipo de recurso. Hoje mais especificamente vou destacar o uso da Trace Flag 9292, por acaso você já utilizou em algum momento esta trace flag?

Bom independente da sua reposta vamos conhecer um pouco mais sobre ela, sua forma de uso e como poderá nos ajudar a entender ainda mais o funcionamento das estatísticas e seus chamados objetos úteis para análise do plano de execução.

E ai esta curioso para saber um pouco sobre este recurso? Eu estou, sendo assim, vamos em frente, seja bem vindo ao post Dica do Mês – Utilizando a Trace Flag 9292 para exibir objetos estatísticos úteis.

Vamos em frente…..


Introdução

Todos sabemos que as estatísticas desempenham um papel muito importante dentro do SQL Server, como também, sabemos que as estatísticas são usadas pelo otimizador de consultas para gerar o plano de execução para cada consulta.
Então a questão é, podemos verificar qual objeto estatístico é útil para a execução da consulta? Sim, usando o Trace Flag do SQL Server 9292. Este é um do sinalizador de rastreamento que pode ser usado durante a solução de problemas.
Esse sinalizador de rastreamento é usado para obter o relatório sobre objetos de estatísticas considerados como “interessantes” ou “úteis” pelo otimizador de consulta durante a compilação ou recompilação de consulta.

Adicionada ao Microsoft SQL Server 2008 após a instalação do service pack 1 e mantida até as atuais versões, no momento em tomamos a decisão de utilizar a Trace Flag 9292, orientamos o SQL Server a apresentar todos os objetos estatísticos considerados úteis por parte do plano de execução para realizar o processamento e retorno dos dados.

O uso da Trace Flag 9292 dentro de uma sessão ou query específica, nos ajuda a entender e conhecer como as estatísticas e seus elementos podem mudar totalmente a maneira que o plano de execução é idealizado, armazenado e processado.

Através dela podemos obter um relatório sobre as estatíticas para cada objeto envolvido em nossa query, onde estes supostos objetos devem ser considerados úteis, ou melhor dizendo válidos e aplicáveis no decorrer do caminho realizado até a apresentação do resultado.

Esta é uma trace flag que pode ser usada durante a resolução de problemas, onde sua função é apresentar na guia de mensagens do Management Studio, um pequeno cabeçalho contendo informações estatísticas sobre cada componente útil e válido para formas os dados estatísticos de processamento da query. Este cabeçalho é conhecido como Stats header loaded.

Para ativar a trace flag utilize o comando DBCC TraceON (9292) ou DBCC TraceOFF (9292) para desativar, ou se preferir utilize a opção QueryTraceOn em sua respectiva query.

Agora que já conhecemos um pouco mais sobre os conceitos desta trace flag, chegou a hora de colocar as mãos no teclado e conhecer melhor o funcionamento da flag 9292 e de que forma ela poderá impactar o trabalho do Microsoft SQL Server, nos permitindo identificar os objetos úteis processados ou candidatos a processamento por parte do Query Processor em conjunto com Execution Plan.

Preparando o ambiente

Nosso ambiente será bastante simples, basicamente criaremos um banco de dados denominado DBTrace9292, constituído de uma tabela denominada TBTrace9292, para tal utilizaremos o Bloco de Código 1 que apresenta a criação dos respectivos objetos:

— Bloco de Código 1 —
— Criando o Banco de Dados DBTrace9292 —
Create Database DBTrace9292
Go

— Acessando —
Use DBTrace9292
Go

— Criando a Tabela TBTrace9292 —
Create Table TBTrace9292
(Codigo Int Identity(1,1) Primary Key,
Valores Int,
Descricao Varchar(100))
Go

Após a criação dos objetos básicos, nosso próximo passo será a criação de índice nonclustered para coluna Valores que nos permitirá fazer o uso de estatísticas de processamento para esta coluna durante o processo de inserção de dados, conforme apresenta o Bloco de Código 2 apresentado abaixo:

— Bloco de Código 2 —
— Criando o Índice NonClustered IND_TBTrace9292Valores —
Create NonClustered Index IND_TBTrace9292Valores on TBTrace9292(Valores)
Go

— Inserindo uma linha de registro na Tabela TBTrace9292 —
Insert Into TBTrace9292
Values(2000,’pedrogalvaojunior.wordpress.com’)
Go

— Inserindo 1.000 linhas de registros na Tabela TBTrace9292 —
Insert Into TBTrace9292
Values(4000,’pedrogalvaojunior.wordpress.com’)
Go 1000

Note que existir uma pequena mais importante diferença entre os dois Inserts, no primeiro estamos inserindo uma linha de registro na tabela TBTrace9292. No segundo criamos em tempo de execução um pequeno bloco de inserção de linhas, sendo este processado 1.000 vezes, inserindo então 1.000 linhas.

Seguindo em frente, o Bloco de Código 3 será utilizado para criarmos uma Stored Procedure denominada P_PesquisarValores como forma para buscar os respectivos registros armazenados na tabela TBTrace9292. A seguir apresento o Bloco de Código 3:

— Bloco de Código 3 –
— Criando a Stored Procedure P_PesquisarValores —
Create Procedure P_PesquisarValores @Valor int
As
Begin
Select Descricao from TBTrace9292
Where Valores = @Valor
OPTION (RECOMPILE)
End
Go

Se você for como eu, normalmente gosto de fazer uma análise de código antes de colocar em prática no meu ambiente, sendo assim, vamos lá. Analisando de forma superficial a Stored Procedure P_PesquisarValores a princípio não apresenta nada muito especial ou de grande complexidade em seu código, mas sim o uso de opção Recompile que justamente vai orientar o plano de execução a recompilar a  P_PesquisarValores no momento da sua execução, forçando assim que a cada execução um novo plano de execução seja criado em conjunto com uma nova análise estatística e seus demais elementos.

O próximo passo consiste na pesquisa de um dos valores armazenados na tabela TBTrace9292 através da execução e processamento da Stored Procedure P_PesquisarValores. Para este passo vamos utilizar o Bloco de Código 4 a seguir, antes de sua execução recomendo habilitar a apresentação do Plano de Execução Atual no SQL Server Management Studio através do botão Include Actual Execution Plan ou simplesmente através da tecla de atalho CTRL+M.

— Bloco de Código 4 —
— Habilitando as TraceFlags 9292 e 3604 —
DBCC TraceOn(9292,3604,-1)
Go

Dica: Utilize o comando DBCC TraceStatus WITH NO_INFOMSGS para verificar quais Trace Flags estão habilitadas em qual nível de escopo.

— Execuntando a Stored Procedure P_PesquisarValores —
Exec P_PesquisarValores 4000
Go

Pois bem, após a execução do Bloco de Código 4, o Microsoft SQL Server realizou o processamento da nossa Stored Procedure P_PesquisarValores realizando uma busca de todas as linhas de registros que possuem o valor 4.000, onde obrigatoriamente foram retornadas 1.000 linhas de registros.

Até ai nada de novo ou surpreende, o que justamente eu quero mostrar para vocês é o que o Management Studio apresenta na guia Messages após o processamento do Bloco de Código 4, conforme apresenta a Figura 1 abaixo:

Note que o cabeçalho retornado pela Trace Flag 9292 conhecido como Stats header loaded esta apresentando os objetos realmente utilizados para o processamento de nossa query, bem como, os objetos considerados úteis e necessários para criação, compilação e processamento do plano de execução envolvidos na execução, sendo eles:

  • Database: DBTrace9292;
  • Table: TBTrace9292,
  • Index: IND_TBTrace9292Valores, sendo este do tipo Nonclustered;
  • Column: Valores; e
  • EmptyTable: False, representa que a tabela possui linhas de registro.

Perfeito, perfeito, ai esta a prova que a Trace Flag 9292 nos permite identificar de forma simples, coerente e muito intuitiva todos os objetos envolvidos na execução de uma query, stored procedure ou demais elementos que permitem a criação de um plano de execução.

Desta forma, chegamos ao final de mais um post, tendo a sensação de dever cumprido, espero que você tenha gostado, como sempre o Microsoft SQL Server nos surpreende com a sua capacidade e potencialidade de recursos.


Referências

https://thomaslarock.com/2016/06/sql-server-Trace-flags/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/02/26/02-para-que-serve/

DBCC TRACEOFF (Transact-SQL)

DBCC TRACEON (Transact-SQL)

DBCC TRACESTATUS (Transact-SQL)

EXECUTE (Transact-SQL)

Query Hints (Transact-SQL)

Post Anteriores

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/05/23/conhecendo-e-aplicando-o-uso-de-atualizacao-de-estatisticas-incrementais/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/04/13/dica-do-mes-microsoft-sql-server-identificando-as-transacoes-que-estao-utilizando-o-transact-log/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/03/01/dica-do-mes-microsoft-sql-server-2016-sp1-novo-argumento-use-hint-disponivel-para-query-hints/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2017/01/16/dica-do-mes-conhecendo-a-nova-dmf-sys-dm_exec_input_buffer-no-microsoft-sql-server-2016/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/11/28/dica-do-mes-sql-server-2016-sp1-comando-create-or-alter/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/10/24/dica-do-mes-sql-server-2016-obtendo-informacoes-sobre-o-cache-de-execucao-de-funcoes/

Conclusão

Muitas vezes temos dificuldade em entender como um determinado recurso ou funcionalidade esta sendo utilizada pelo Microsoft SQL Server, com também, de que maneira este elemento poderá impactar nosso ambiente.

Neste post foi possível apresentar como a Trace Flag 9292 nos permite identificar quais objetos estão sendo utilizando durante o processamento e execução de uma determinada query. Um recurso de fácil configuração tanto para ser ativado como também desativado a qualquer momento ou necessidade.

Recomendo que você realize diversos testes e validações antes de fazer qualquer tipo de uso de uma trace flag em seu ambiente de produção, isso também se aplica a Trace Flag 9292.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Um forte abraço, nos encontramos em breve com mais um post da sessão Dica do Mês.

Valeu….

Versões Preview do Windows Server começarão a ser disponibilizadas em breve


A Microsoft confirmou nesta semana no Windows Server Blog que as versões Preview do Windows Server começarão a ser disponibilizadas em breve via Windows Insider Program.

O Windows Server passou a fazer parte do Windows Insider Program em 11 de maio.

Novas versões Preview do Windows Server em breve

No dia 15 de junho a Microsoft anunciou que, assim como o Windows 10 e o Office 365 ProPlus, o Windows Server passará a receber duas grandes atualizações por ano.

Com isso as atualizações serão disponibilizadas durante a primavera norte-americana (entre março e junho) e uma durante o outono norte-americano (entre setembro e dezembro).

Versões Preview do Windows Server começarão a ser disponibilizadas em breve

O novo post da Microsoft sobre a disponibilidade das novas versões Preview do Windows Server em breve indica que os testes da primeira atualização, com lançamento entre setembro e dezembro de 2017, estão para começar.

Usuários e profissionais de TI interessados podem se registrar no Windows Insider Program através do link https://insider.windows.com/ForBusiness.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft – Windows Server Blog – 15/06/2017. https://blogs.technet.microsoft.com/windowsserver/2017/06/15/previews-for-windows-server-semi-annual-channel-releases-coming-soon/

 

Microsoft libera Atualização Cumulativa 3 para Microsoft SQL Server 2016


Além do SP1 (Service Pack 1), a Microsoft também disponibilizou para download nesta semana a Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016.

O SP1 para o SQL Server 2016 está disponível aqui.

SQL Server 2016

O SQL Server 2016 traz recursos críticos inovadores com desempenho em memória e análise operacional integrada. Os recursos de segurança abrangentes, como a tecnologia de criptografia ininterrupta (Always Encrypted), ajudam a proteger seus dados fixos e em movimento, e uma solução avançada de alta disponibilidade e recuperação de desastres acrescenta novos aprimoramentos à tecnologia AlwaysOn.

As organizações terão visões mais aprofundadas de todos os seus dados com novos recursos que vão além da business intelligence, executando a análise avançada diretamente dentro de seus bancos de dados e apresentando visualizações avançadas para oferecer visões de negócios de qualquer dispositivo.

Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016

Você também pode se beneficiar da nuvem em hiperescala, com novos cenários híbridos habilitados pela nova tecnologia de banco de dados elástico (Stretch Database), que permite expandir dinamicamente seus dados transacionais a quente e a frio até o Microsoft Azure de forma segura, para que seus dados estejam sempre à disposição para consultas, independentemente do tamanho.

O SQL Server 2016 também oferece uma plataforma de banco de dados completa para a nuvem híbrida, permitindo criar, implantar e gerenciar facilmente soluções que abrangem instalações locais e na nuvem.

Saiba mais sobre ele aqui.

Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016

De acordo com a Microsoft, a Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016 contém correções para problemas encontrados depois do lançamento do SQL Server 2016 e antes do lançamento do SQL Server 2016 SP1.

Essa atualização cumulativa também inclui todas as correções de todas as atualizações cumulativas anteriores.

De acordo com o artigo KB3205413 publicado no site de suporte da Microsoft, a lista de bugs corrigidos inclui um que faz com que o SQL Server apresente erros com transações Hekaton em certos cenários e um que faz com que o SQL exiba o erro 19432 quando você usa SQL Server 2016 AlwaysOn Availability Groups.

A lista completa pode ser vista no link mencionado acima.

A Atualização Cumulativa 3 para SQL Server 2016 está disponível para download aqui e o anúncio da disponibilidade da atualização pode ser visto aqui.

Fontes e Direitos Autorais: Microsoft.com – https://support.microsoft.com/en-us/kb/3205413

As 10 Tarefas de TI Mais Fáceis no Windows Server 2008 R2


Faça mais, com menos. Este tem sido o mantra dos adminstradores de servidores há anos, mas não tanto quanto agora. Felizmente, o Windows Server® 2008 R2 cuidou de tudo, com recursos numerosos e variados, projetados especificamente para atender os
desafios atuais de TI à medida que torna o dia a dia um pouco mais fácil. Estes são os dez principais:

1. Migrando VMs Sem Interrupção do Servidor

A migração em tempo real do Windows Server 2008 era um recurso adequado que permitia aos administradores mover VMs entre hosts físicos apenas com um tempo de inatividade curto. Mas havia um transtorno, mesmo esse tempo era longo o suficiente para remover aplicações ou usuários conectados, o que costumava irritar o suporte técnico. O Windows Server 2008 R2 supera este desafio com a Live Migration.

A Live Migration aproveita os Serviços de Cluster do Windows e a tecnologia Volumes Compartilhados do Cluster para transferir VMs em milésimos de segundo. Isso significa que não há queda nas conexões e que o ambiente de gerenciamento do data center é bem mais dinâmico.
Com a Live Migration, as VMs são transferidas de um servidor para o outro enquanto os clientes não percebem o tempo de inatividade.  Também foram adicionados recursos de Live Migration ao System Center Virtual Machine Manager, incluindo a capacidade de realizar migrações baseadas em diretiva. Além disso, para oferecer ainda mais flexibilidade foi incluído o modo de
compatibilidade com o processador
, que permite realizar Migrações em tempo real ou rápidas em gerações diferentes de CPUs de mesma marca. É um novo e magnífico mundo virtual. 

2. Alto Desempenho para Acessar Arquivos em Escritórios Remotos, Baixo Custo de WAN

Escritórios remotos podem ser o grande problema dos administradores de servidores e estações de trabalho. Os trabalhadores remotos não conseguem encontrar arquivos devido à falta de acesso ou não conseguem encontrá-los rápido o suficiente devido a
limitações de largura de banda de rede. Apresentamos outro recurso essencial do Windows Server 2008 R2: BranchCache™.

O administrador pode usar o BranchCache para controlar as solicitações de acesso de arquivos e para armazená-los. Os arquivos podem ser recuperados de outro computador cliente de escritório remoto (um modelo de armazenamento de cache ponto a ponto conhecido como modo distribuído) ou de um servidor BranchCache™ dedicado no site remoto (também chamado de modo hospedado). Um servidor BranchCache™ central acompanha as duas solicitações de arquivo existentes e as atualizações de arquivo para assegurar que todas as solicitações recebam somente o conteúdo mais atual.

O resultado é uma solução de armazenamento em cache fácil de configurar e manter que acelera o atendimento às solicitações do cliente remoto e, ao mesmo tempo, diminui a utilização de largura de banda WAN.

3. Gerenciamento de Energia Autoajustável do Datacenter e do Servidor

Ao lado da redução de custos, a TI ecologicamente correta talvez seja a instrução mais importante vinda de níveis mais altos de gerenciamento para TI.  Para ajudar gerentes de TI preocupados em cuidar do meio-ambiente (e economizar dinheiro!) de modo rápido e fácil, a Microsoft apresenta as novas atualizações de gerenciamento de energia do Windows Server 2008 R2.

O Windows Server 2008 R2 tem suporte para a configuração de diretivas de energia, local e remotamente, através da WMI (Windows Management Infrastructure).  Os recursos de ACPI permitem que o sistema operacional meça, capture e relate informações sobre o consumo de energia.  Com ferramentas como o SystemCenter Operations Manager, os dados sobre o consumo de energia se tornam uma métrica acionável para o administrador do datacenter.

O R2 também permite aos administradores criar diretivas de energia ativas que podem fazer com que a velocidade de processamento do servidor seja reduzida (throttle-down) nas horas de menor movimento usando as interfaces de gerenciamento remoto compatíveis com DMTF. A diminuição de velocidade (throttling down) também amplia as redes SAN (rede de área de armazenamento), que o R2 poderá colocar em um estado de baixo consumo de energia quando não estiverem sendo totalmente utilizadas.

4. Obtenha o Máximo do Seu Hardware

A virtualização talvez seja uma grande vantagem quando o assunto é consolidação de servidor, mas em outras áreas ela vem pressionando o desempenho dos hosts de virtualização ao máximo. O Windows Server 2008 R2 possui diversos novos recursos projetados para tirar o máximo proveito de toda a configuração de hardware.

Antes de tudo, porque ele aproveita os últimos dois anos de fabricação de CPU de servidor de 64bits, o Windows Server 2008 R2 é o primeiro sistema operacional de servidor Microsoft a utilizar apenas o caminho de 64-bits. Suas aplicações de 32bits continuarão
a ser executadas de maneira perfeita no R2, porém o sistema operacional de 64 bits é mais bem projetado para aproveitar as CPUs de servidor high-end da AMD e da Intel.

Há outros recursos também, como a escalabilidade vertical do Windows Server 2008 R2 para atender até 256 processadores lógicos em um único servidor e o Hyper-V que no R2 pode usar até 64 processadores lógicos no pool de processadores de host. O R2 também pode tirar proveito dos recursos de CPU avançados, incluindo a Conversão (de Endereço) de Segundo Nível (Second Level Translation) para obter um gerenciamento de memória bastante aprimorado. O programa possui o modo de compatibilidade com o processador que facilita a migração de VMs entre diferentes arquiteturas de CPU de fornecedores.

5. Melhor Gerenciamento de Data Centers Virtuais

Os data centers tornaram-se virtuais com uma rapidez que surpreendeu até os especialistas. Porém, ainda que o potencial tecnológico seja fácil de conseguir, ferramentas para gerenciar com eficiência grandes pools de recursos virtualizados têm demorado a surgir. O Windows Server 2008 R2 ajuda a preencher esta lacuna com uma atualização eficiente para Hyper-V™.

O novo Hyper-V™ possui diversas melhorias em relação ao antigo, incluindo o suporte a VMs de 32bits e 64 bits, suporte de memória maior (até 64GB por VM), acesso a disco pass-through e novas arquiteturas compartilhadas de hardware para recursos como disco, rede e vídeo. Os gerentes não foram esquecidos, o Hyper-V™ inclui novos consoles de Live Migration e clusters de alta disponibilidade, suporte para extensibilidade de gerenciamento WMI e ferramentas do dia a dia para facilitar a vida como os instantâneos de Máquina Virtual. Por fim, o Hyper-V™ também oferece uma infinidade de novos suportes do PowerShell 2.0 com diversos cmdlets novos dedicados.

6. Crie Ferramentas de Gerenciamento Automatizadas e Personalizadas

As ferramentas de gerenciamento “enlatadas” são ótimas, mas em cenários maiores, especialmente nos ambientes verticais, é essencial ser capaz de criar sua própria caixa de ferramentas de gerenciamento. A Microsoft avançou um passo nesta direção com o lançamento do PowerShell 1.0 com o Windows Server 2008. No Windows Server 2008 R2 está nossa reação aos comentários extremamente positivos sobre este recurso com o PowerShell version 2.0 remodelado e atualizado.

O novo PowerShell traz melhorias em todos os campos, com gerenciamento remoto aprimorado através do WS-Management, maior segurança com recursos como runspaces restritos, funcionalidade de script estendida e até portabilidade de script aprimorada via XML. Você encontrará um novo Graphical PowerShell que inclui recursos de IDE para desenvolvedores, e ferramentas de depuração para que eles possam criar seus próprios cmdlets.  Não podemos esquecer os mais de 240 cmdlets novos que vêm prontos, junto com o R2.

7. Use a Virtualização para Facilitar o Gerenciamento de Área de Trabalho

O recurso de virtualização do servidor Hyper-V™ consiste em metade da mensagem de virtualização do Windows Server 2008 R2. O gerenciamento de área de trabalho e aplicação sempre foi uma tarefa difícil devido à natureza distribuída de suas metas.
Contudo, com o R2, a Microsoft apresenta uma solução centralizada para muitas dessas dificuldades por meio da virtualização de apresentação.

A nova VDI (Infraestrutura de Estação de Trabalho Virtual) no Windows Server 2008 R2 simboliza bem esta visão e aproveita a base sólida de virtualização de apresentação que criamos nos Serviços de Terminal do Windows Server 2008. Com o advento do Windows Server 2008 R2 este recurso agora se chama Serviços de Área de Trabalho Remota no qual está inclusa a VDI uma arquitetura de fornecimento de área de trabalho centralizada que permite aos clientes centralizarem armazenamento, execução e gerenciamento de área de trabalho ou aplicação do Windows® no data center. Este recurso oferece aos administradores de área de trabalho e aplicação um kit de ferramentas totalmente novo para uma melhor capacitação de cenários de trabalho flexíveis, incluindo o trabalho em casa ou o compartilhamento de mesas (hot-desking), além de maior segurança para os dados, conformidade e gerenciamento mais eficiente do sistema operacional e aplicações de área de trabalho.

8. Amplie a Adoção do Acesso Remoto e Facilite o Gerenciamento

A TI ecologicamente correta, a disparada nos preços dos combustíveis e a necessidade de realizar o trabalho seja onde for: esses fatores combinados fazem da computação remota uma das tarefas de gerenciamento de TI mais importantes e difíceis atualmente. O Windows Server 2008 R2 trata desta questão com um novo recurso empolgante que busca transformar a sua VPN pesada em uma rede tão fácil de gerenciar e confiável quanto um tom de discagem.

O DirectAccess é um modo eficiente dos usuários remotos acessarem recursos da rede corporativa diretamente, sem precisar da tradicional conexão VPN e de software cliente.
Usando tecnologias que acompanham o Windows Server 2008, a Microsoft adicionou assistentes de gerenciamento simples que permitem aos administradores configurar o SSTP e o IPv6 em clientes R2 e Windows 7 para permitir a conexão do DirectAccess básica e depois aumentar essa conexão com gerenciamento R2 adicional e ferramentas de segurança, incluindo diretivas de gerenciamento e NAP.

Com o DirectAccess, todo usuário é considerado remoto todo o tempo. Os usuários não precisam mais diferenciar conexões locais e remotas. O DirectAccess lida com todas essas distinções em segundo plano. Os profissionais de TI mantém um controle preciso
de acesso e segurança completa de perímetro, ajudando a facilitar a segurança da área de trabalho e a minimizar as preocupações de gerenciamento nos dois lados da conexão.

9. Eleve o Nível de Seus Serviços Web e de Aplicações

Nunca foi tão fácil desenvolver aplicações Web. Isso gerou um repentino aumento na necessidade dos administradores de TI de hospedar e manter aplicações personalizadas, incluindo serviços Web, aplicações Web completas e arquiteturas SOA. O Windows Server 2008 R2 ajudou a permitir que essa tendência ocorresse com as diversas tecnologias dedicadas especialmente a tornar o R2 o servidor de aplicação mais avançado até o momento, com destaque para os IIS 7.5 (Internet Information Services).

O IIS 7.5 recebeu um aumento considerável no R2, com uma interface de gerenciamento atualizada, novo suporte para cmdlets do PowerShell e uma API estendida para um desenvolvimento mais fácil das Extensões do IIS pela Microsoft e desenvolvedores externos. Além disso, o IIS lançou várias das mais populares Extensões do Windows Server 2008 e agora oferece suporte para PHP e .NET no Server Core.

10. Revolucione a Forma Como Você Gerencia Seus Dados

O gerenciamento de armazenamento não envolve apenas o gerenciamento de discos. O volume de armazenamento aumentará em uma taxa anual combinada de 51% entre 2008 e 2012 de acordo com a IDC*. Para manter o ritmo e a competitividade no mercado, as empresas devem começar a gerenciar os dados, não apenas os discos. O Windows Server 2008 R2 fornece aos administradores de TI as ferramentas necessárias para esse tipo de iniciativa com a nova Infraestrutura de Classificação de Arquivos (FCI). Esses novos recursos geram um mecanismo de classificação extenso e automatizado, baseado nas arquiteturas de compartilhamento de arquivos existentes. Com isso, os administradores de TI podem direcionar ações específicas a arquivos específicos com base em uma classificação totalmente personalizável. A FCI também pode ser estendida aos parceiros, o que significa que os usuários do Windows Server 2008 R2 podem esperar pelo lançamento de recursos adicionais baseados em FCI que serão fornecidos por ISVs no futuro próximo.

Enquete – Você conhece ou já utilizou o UCP(Utility Control Point) existente no SQL Server 2008 R2?

Enquete – Você conhece ou já utilizou o UCP(Utility Control Point) existente no SQL Server 2008 R2?


Bem pessoal, estou de volta.

Conforme o prometido, publicando mais uma enquete, desta versão estou querendo saber se você conhece ou utiliza esta nova funcionalidade implementada a partir do SQL Server 2008, trata-se do UCP – Utility Control Point, ou Utilitário de Ponto de Controle.

Veja a opções disponíveis para você participar desta nova enquete:

Para aqueles que não conhecem o UCP, consiste basicamente em um coletar de dados, existente no SQL Server 2008 R2 com objetivo de ajudar os Administradores, Analisas e DBA em tarefas pontuais, referentes a utilização de seus Servidores e Instâncias SQL Server. Estes dados coletados são armazenados em um Datawarehouse criado específicamente para o UCP.

Para saber mais acesse:

http://technet.microsoft.com/en-us/sqlserver/ee795819.aspx

http://technet.microsoft.com/en-us/sqlserver/ee795820.aspx

http://technet.microsoft.com/en-us/ee795821.aspx

http://technet.microsoft.com/en-us/sqlserver/ee795823.aspx

http://technet.microsoft.com/en-us/sqlserver/ee795822.aspx

http://go.microsoft.com/fwlink/?LinkId=160503

Ou através do Books On-Line disponível no SQL Server 2008 R2:

ms-help://MS.SQLCC.v10/MS.SQLSVR.v10.pt/s10de_4deptrbl/html/d5335124-1625-47ce-b4ac-36078967158c.htm

Conto com sua participação, fique a vontade para votar.

Até mais.