Aproximadamente 120 milhões de brasileiros tiveram seus números de CPF expostos de forma indevida na Internet


Um relatório da empresa InfoArmor, destaca que um servidor Web com Apache foi descoberto em março deste ano não estava configurado corretamente e expôs online os dados armazenados nele.

Por padrão, o Apache retorna o conteúdo de um arquivo chamado index.html quando ele está presente. Se um arquivo com este nome não existe e a listagem de diretórios está habilitada, ele exibirá então os arquivos, pastas e também possibilitará seu download.

Como é possível ver na imagem abaixo do servidor configurado incorretamente, alguém deve ter renomeado o arquivo index.html para index.html_bkp, o que fez com que o servidor listasse os arquivos e pastas com tamanhos variando de 27MB até 82GB:

Números de CPF de 120 milhões de brasileiros foram expostos online

Ao abrir um dos arquivos os analistas da InfoArmor descobriram que ele continua informações como números de CPF, informações pessoais, informações militares, números de telefone, informações sobre empréstimos e endereços:

Database Tables

Ao tentar entrar em contato com o proprietário do banco de dados enquanto ainda monitorava o diretório exposto, a InfoArmor viu o arquivo de 82GB ser substituído por um arquivo .sql com 25GB.

Com base nos tipos de arquivos armazenados e nos dados contidos neles, é possível que o diretório exposto estava sendo usado para armazenar backups de bancos de dados sem perceber que eles estavam expostos online.

No final de março o servidor foi reconfigurado e os arquivos deixaram de ser expostos publicamente, não é possível afirmar por quanto tempo os arquivos ficaram expostos antes do servidor configurado incorretamente ter sido descoberto pela InfoArmor e nem se criminosos tiveram acesso aos dados.

Fontes e Direitos Autorais: BleepIngComputer – Lawrence Abrams – 12/12/2018 – https://www.bleepingcomputer.com/news/security/taxpayer-id-numbers-for-120-million-brazilians-exposed-online; e

InfoArmor – Christian Less – Special Report: InfoArmor Finds 120 Million Brazilian Identities Exposed – 12/12/2018 – https://blog.infoarmor.com/employees/infoarmor-discovers-120-million-brazilian-identities-exposed

Microsoft SQL Server 2017 Cumulative Update 9 disponível


A Microsoft informou ontem dia 19/07 no blog SQL Server Release Services a disponibilidade da Atualização Cumulativa(Cumulative Update) 9 para o Microsoft SQL Server 2017.

Atualizações Cumulativas disponíveis para o Microsoft SQL Server 2017:

O artigo KB4341265 publicado no site de suporte da Microsoft, esta nova atualização do SQL Server 2017 traz todas as correções disponibilizadas desde o lançamento do novo SQL Server, incluindo também correções para problemas encontrados após o lançamento das atualizações cumulativas anteriores.

Hotfixes que estão incluídos neste pacote de atualização cumulativa:
Número do bug VSTS Número do artigo KB Descrição Área fixa Plataforma
12144190 4340069 CORREÇÃO: SQL Server 2017 no Linux é desligado inesperadamente durante a recuperação de um banco de dados OLTP de memória OLTP in-memory Linux
12041154 4340134 CORREÇÃO: Erro quando uma função é definida com uma coluna restrita é usada para executar uma consulta drill-through no SSAS Analysis Services Windows
12128861 4340747 CORRIGIR: SQLDUMPER. Despejos EXE iniciada podem levar muito tempo para concluir o processo de geração de despejo para 2017 do SQL Server no Linux Mecanismo SQL Linux
12168709 4010460 CORREÇÃO: Um erro do.NET Framework ocorreu quando você atualiza a tabela de referência de uma transformação Fuzzy Lookup no SSIS Integration Services Windows
12138685 4339613 CORREÇÃO: “Unclosed aspas após a sequência de caracteres” erro ocorre no explorer MDS quando você tentar adicionar um novo membro para uma entidade no SQL Server Data Quality Services (DQS) Windows
12107546 4338890 CORREÇÃO: Uma instância do SQL Server pode parecer não responder e em seguida, pode ocorrer um erro de “não respondendo no Agendador” no SQL Server 2016 Mecanismo SQL Windows
11922902 4316858 CORREÇÃO: “índice corrompido” mensagem e servidor desconexão quando uma consulta de estatísticas de atualização usa hash agregação no SQL Server Desempenho do SQL Todas
12149855 4341219 CORREÇÃO: Um cenário de cérebro divisão ocorre após um failover ao usar grupos de disponibilidade do AlwaysOn com a tecnologia de cluster externo no SQL Server 2017 Alta disponibilidade Todas
12111717 4340837 CORREÇÃO: Erro 3906 quando for aplicado um hotfix em um SQL Server que possui um banco de dados em um banco de dados de inscrição de recepção de instantâneo Mecanismo SQL Windows
11983925 4133164 CORREÇÃO: Erro quando um trabalho do SQL Server Agent executa um comando PowerShell enumere permissões do banco de dados Ferramentas de gerenciamento Windows
12121216 4339664 CORREÇÃO: O erro de exceção ocorre quando você tenta atualizar dados de uma tabela dinâmica no Excel no SSAS 2017 Analysis Services Windows
12123248 4340742 CORREÇÃO: Acesso ao SSAS usando HTTP falha no SQL Server Analysis Services Windows
12162067 4341264 Aperfeiçoamento: Permitir trabalhos do SQL Server Agent iniciar sem esperar que todos os bancos de dados obter recuperado no SQL Server 2017 no Linux Mecanismo SQL Linux
12186129 4101502 CORREÇÃO: Backup de banco de dados TDE habilitada com compactação causa corrupção de banco de dados no SQL Server Mecanismo SQL Todas
12129434 4134601 CORREÇÃO: “não foi possível carregar arquivo ou assembly ‘ Microsoft.AnalysisServices.AdomdClientUI” erro quando uma operação de “Processo total” é executada no SQL Server Analysis Services Windows
12162425 4341221 CORREÇÃO: Backup VSS Falha na réplica secundária de grupos básicos de disponibilidade no SQL Server 2016 e 2017 Mecanismo SQL Windows
12108225 4339858 CORREÇÃO: Redo paralelo não funciona após você desativar 3459 de sinalizador de rastreamento em uma instância do SQL Server Alta disponibilidade Todas
12061383 4341253 CORREÇÃO: Sys.dm_db_log_info e sys.dm_db_log_stats DMVs podem retornar valores incorretos para o último banco de dados da instância do SQL Server 2016 Mecanismo SQL Windows

Dentre os erros e falhas corrigidas neste cumulative update, as informações apresentadas no KB4341265 destacam uma correção relacionada comportamento apresentado por uma instância do SQL Server 2017 que aparentemente encontra-se travada e exibindo o erro “Non-yielding Scheduler“. 

Outra correção destacada no artigo, se relaciona ao erro “Could not load file or assembly ‘Microsoft.AnalysisServices.AdomdClientUI”.

Vale ressaltar que além de correções relacionadas a erros apresentados por comportamentos apresentadas pelas instância SQL Server 2017, a CU9 também possui correções para os bugs relacionados as DMVs sys.dm_db_log_stats e sys.dm_db_log_info may retornem valores incorretos em determinados momentos de consulta de dados relacionados aos arquivos de log existentes em bancos de dados.

Vale ressaltar que após a atualização desta nova atualização cumulativa, o número do build utilizado pelo Microsoft SQL Server 2017 RTM será alterado para compilação: 14.0.3030.27.

Para realizar o download clique na imagem abaixo:

Fontes e Direitos Autorais: SQL Server Release Services – 19/07/2018.

Novidades no cliente do OneDrive para Windows anunciadas pela Microsoft


A Microsoft divulgou nesta semana no OneDrive Blog algumas novidades no cliente do OneDrive para Windows que estarão disponíveis ainda em julho. O OneDrive é o serviço de armazenamento e sincronização de arquivos na nuvem da Microsoft e sucessor do SkyDrive. Ele foi lançado oficialmente no dia 19 de fevereiro de 2014.

Uma das novidades no cliente do OneDrive para Windows é útil para usuários de portáteis e permite a pausa da sincronização de arquivos quando o modo de economia de energia estiver ativo.

Assim que o cliente do OneDrive detectar que o modo de economia de energia foi ativado, a sincronização será interrompida automaticamente e uma notificação como essa abaixo será exibida:

Microsoft anuncia novidades no cliente do OneDrive para Windows

Os usuários também poderão enviar facilmente feedback para a Microsoft acessando a opção abaixo no menu do cliente do OneDrive:

Onedrive Julho 04Capture.JPG

A Central de Atividades do OneDrive será atualizada para tornar seu uso mais fácil. A Central de Atividades permite que o usuário visualize o status do cliente do OneDrive para Windows e acesse suas configurações:

Sincronização em andamento:

Onedrive Julho 03Sincronização concluída:

Onedrive Julho 02Fontes e Direitos Autorais: Microsoft OneDrive Blog – Julho/2018.

Ferramenta de verificação e remoção de Malware – Microsoft Safety Scanner recebe novas atualizações


A Microsoft disponibilizou nesta última segunda – feira dia 28/05/2018 a nova versão para do Microsoft Safety Scanner, ferramenta de verificação projetada para localizar e remover malware de computadores com Windows.
Sua forma de uso é bastante simples, após o download basta realizar a execução do arquivo msert.exe, o qual será realizado um simples processo de instalação, logo na sequência a ferramenta apresentará a tela para selecionar uma das três formas de varredura e verificação de malwares.

O Safety Scanner realiza o processo de varredura e verificação de forma manual, além disso, seu período de validade e utilização após a instalação é limitado para 10 dias. A Microsoft recomenda que você sempre baixe a versão mais recente dessa ferramenta antes de cada verificação.

Para realizar o download, acesse: https://www.microsoft.com/en-us/wdsi/products/scanner#, de forma automática será lhe apresentada a versão de acordo com a arquitetura do seu sistema operacional, disponível para versões 32 e 64 bits.
O Microsoft Safety Scanner pode ser utilizado em versões do:
  • Windows 10,
  • Windows 8 ou 8.1,
  • Windows 7,
  • Windows Server 2016,
  • Windows Server 2012 R2,
  • Windows Server 2012,
  • Windows Server 2008 R2, e
  • Windows Server 2008.
Microsoft Safety Scanner – 1.0.3001.0:
Fontes e Direitos Autorais: Windows Defender Security Intelligence – 28/05/2018.

Azure for Students anunciada pela Microsoft


A Microsoft anunciou no último dia 05/03 o Azure for Students. Desenvolvido para o uso da nuvem, com os estudantes em mente, ele oferece aos alunos verificados acesso total a mais de 25 produtos Azure gratuitos, além de crédito de US$ 100 para uso em produtos pagos, sem exigência de cartão de crédito.

O Azure for Students faz parte do crescente compromisso da Microsoft com a Educação, tanto na nuvem quanto na sala de aula STEM (“Science, Technology, Engineering and Mathematics”, ou Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, em português).

Microsoft anuncia o Azure for Students

Você pode começar a construir com qualquer um dos serviços gratuitos e usar o seu crédito Azure para gastar agora:

– Descubra a flexibilidade do Azure por meio da biblioteca de serviços de código aberto.

– Implemente máquinas virtuais Azure, incluindo equipadas com GPUs poderosas, com suporte para Linux, Windows Server, SQL Server, Oracle, IBM e SAP. O Azure oferece aos usuários a flexibilidade de virtualização para uma ampla gama de soluções de computação.

– Crie aplicativos Web e Móveis rapidamente usando .NET, .NET Core, Java, Ruby, Node.js, PHP e Python. Integre o Azure App Service em modelos existentes e obtenha uma produtividade de desenvolvedor incomparável com recursos de ponta, como integração contínua, depuração no site ao vivo e o líder do setor, Microsoft Visual Studio IDE – Integrated Development Environment.

– Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquinas conectam aplicativos, sites e robôs com algoritmos inteligentes para ver, ouvir, falar, entender e interpretar as necessidades de um usuário por meio de métodos naturais de comunicação. Habilitando computadores para aprender com dados e experiências e para agir sem ser programado.

– Aproveite o Big Data analisando todos os dados em um único lugar sem restrições artificiais com o Azure Data Lake Store. O Data Lake Store pode armazenar trilhões de arquivos, e um único arquivo pode ser maior do que um petabyte em tamanho – 200 vezes maior do que outras opções da loja na nuvem.

Para maiores informações, acesse: https://azure.microsoft.com/pt-br/free/students/

Fontes e Direitos Autorais: 

#10 – Para que serve


O louco meu, pleno feriadão e você esta passando por aqui no meu blog……

Que legal, sensacional, fico honrado com a sua ilustre visita, seja bem – vindo mais uma vez ao meu blog, espero que você consiga encontrar o que esta procurando ou algo que possa lhe agradar.

Este é mais um post da sessão Para que serve, lançada no início de 2016 e que esta chegando ao post de número 10, isso mesmo estamos no décimo post dedicado a esta sessão que aos poucos esta conseguindo se tornar uma referência de conhecimento diferenciado no meu Blog.

É isso ai, após esta tradicional saudação, chegou a hora de falar sobre o #10 – Para que serve de hoje, tenho a certeza que você vai gostar….


Introdução

Como você já deve ter percebido os posts relacionados a esta sessão tem o objetivo de apresentar e em alguns casos demonstrar como exemplos de código, aplicativos, utilitários, entre outros elementos envolvidos a banco de dados ou gerenciadores de bancos de dados dentro eles o Microsoft SQL Server podem ser utilizados para se obter uma possível solução de um problema, como em outros casos orientar na sua forma de utilização.

Para o post de hoje vou destacar um script que utilizei recentemente e posso dizer que foi de grande ajuda, mas antes de apresentar este recurso vou destacar um pouco sobre alguns elementos relacionados a ele, dentre os quais destaco File Growth.

File Growth

E ai você já ouviu falar file growth, ou simplesmente crescimento de arquivo de dados ou log? Se você é um administrador de banco de dados, ou um profissional que já trabalha a algum tempo com o banco de dados, tenho a certeza que já deve ter ouvido falar sobre a importância de se saber como esta configurado o fator de crescimento de um banco de dados e seu arquivos de transações.

Trata-se de uma configuração que pode ser aplicada durante a criação de um banco de dados ou posteriormente, sua importância esta totalmente relacionada ao espaço de armazenamento de dados durante sua utilização, o que poderá impactar na capacidade física de uma unidade de disco em gerenciar o quanto estes arquivos podem consumir e alocar espaço em disco no decorrer do seu tempo de vida.

Ao definir a forma de crescimento ou até mesmo o quanto este arquivo poderá ou não crescer de forma ilimitado o Microsoft SQL Server vai trabalhar no processo de alocação, escrita e manipulação da estrutura física e lógica tanto para os arquivos de dados, como principalmente para os arquivos de log.

Justamente sendo estes os arquivos que normalmente consomem um grande espaço física das unidades de disco para catalogar todas as operações processadas em um banco de dados que devem ser registradas em sua estrutura.

Para este tipo de cenário os gerenciadores de banco de dados através de seu mecanismo de Storage Engine observam e monitoram o que esta sendo processado e armazenado dentro de cada arquivo, caso o mesmo tenho que crescer para alocar uma nova área é com base nas configurações de File Growth definidas para o respectivo arquivo que este crescimento poderá ser realizado em fatores de Kilobytes, Megabytes, Gigabytes ou até mesmo em valores de porcentagem.

#10 Para que serve – Obtendo informações sobre database filegrowth —

Agora que conhecemos um pouco que esta relacionada com este post, vamos então conhecer este script que poderá nos ajudar a obter todas as possíveis informações relacionadas ao fator de crescimento de nossos bancos de dados e suas respectivas estruturas de dados e log.

— Bloco de Código —

filegrowth

Muito bem, observe que este código é bastante simples, estamos basicamente fazendo uso das catalogs views existentes no Microsoft SQL Server desdes suas primeiras versões o que nos permite dizer que este bloco de código pode ser aplicado facilmente a partir da versão 2005 em qualquer nível de edição, além disso, o mesmo já foi testado e aprovado nas últimos duas edições 2014 e 2016.

Após executarmos o bloco de código apresentando anteriormente, o Management Studio deverá retornar um conjunto de colunas e valores similares ao apresentado na Figura 1 apresentada abaixo:

filegrowth1Figura 1 – Relação de bancos de dados e informações sobre o filegrowth.

Podemos notar a existência das colunas AutoGrowthStatus, GrowthValue e GrowthIncrement, são justamentes estas as colunas que nos permitem encontrar as informações relacionadas aos fatores de crescimento configurados para cada banco de dados armazenado em nosso servidor ou instância de bancos de dados Microsoft SQL Server.

Falando um pouco sobre estas três colunas é possível observar:

AutoGrowthStatus: Esta coluna apresenta o status da propriedade Auto Growth, sendo esta definida para informar e o arquivo deverá ou não crescer de forma automática.

GrowthValue: Apresenta que pode ser informado a partir de 0 (zero) que indica ao Microsoft SQL Server que o determinado banco de dados não deverá crescer. Os demais valores podem representar uma indicação de crescimento em tamanho fixo ou até mesmo em porcentagem.

GrowthIncrement: Mostra a forma de incremento do fator de crescimento do banco de dados, sendo orientado e calculado através do número de páginas de dados, se o valor apresentado for igual á 0 (zero) significa que este banco de dados não terá seu crescimento realizado, qualquer outro valor acima de 0 (zero) significa que este banco de dados será impactado em algum momento pelo valor definido nas configurações do crescimento do banco de dados. Vale ressaltar que este valor esta relacionado ao tamanho de 8Kb (Kilobytes) para cada página de dados.

Após esta análise posso dizer que fica mais fácil descobrir qual banco de dados poderá apresentar problemas de crescimento acima no normal ou simplesmente aquele banco de dados que necessita crescer além do estimado.

Referências

https://technet.microsoft.com/pt-br/library/ms181338(v=sql.110).aspx

https://msdn.microsoft.com/en-us/library/ms178534.aspx

https://msdn.microsoft.com/en-us/library/bb522469.aspx

Links

Caso você ainda não tenha acessado os posts anteriores desta sessão, fique tranquilo é fácil e rápido, basta selecionar uns dos links apresentados a seguir:

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/08/06/07-para-que-serve/

https://pedrogalvaojunior.wordpress.com/2016/08/06/07-para-que-serve/

Conclusão

Administrar um banco de dados não é uma tarefa das mais complicadas do mundo, mas quando se referimos em administratar um servidor de banco de dados ou conjunto de servidores de bancos de dados o cenário com certeza muda bastante.

Foi pensando neste tipo de situação que compartilhei com vocês hoje este script no #10 – Para que serve, que apresenta como podemos de maneira fácil, rápida, segura e muito prática encontrar informações relacionadas ao file growth, ou simplesmente fator de crescimento.

Considerada uma das configurações mais importantes de um qualquer banco de dados alocado em uma instância ou servidor Microsoft SQL Server.

Agradecimentos

Mais uma vez obrigado por sua visita, agradeço sua atenção, fique a vontade para enviar suas críticas, sugestões, observações e comentários.

Até mais.

Material de Apoio – Apresentações


Salve, Salve Comunidade!!!!

Que bom que esta chovendo, Graças a Deus, pois aqui em São Roque também já estavamos sofrendo com a falta de água e possível racionamento.

Mas vamos ao que interessa, estou compartilhando com vocês mais um post em meu blog, com uma nova série de Materiais de Apoio desenvolvidos como Apresentações sobre Produtos e Tecnologias da Microsoft.

Dentre eles:

  • Active Directory;
  • Aplicações para Windows Phone;
  • Clico de Vida de Produtos;
  • Computação em Nuvem;
  • Exchange;
  • IIS 7.5;
  • Office 365;
  • System Center 2012;
  • Terminal Sevices;
  • Virtualização;
  • VM Ware;
  • XML e XAML;
  • Windows Phone;
  • Windows 7 e 8; e
  • Windows Server.

Boa parte deste material foi elaborado por Profissionais, Parceiros e MVPs da Microsoft para eventos voltados para área de Tecnologia da Informação. As informações continas nestes arquivos são de extrema importância e veracidade, consideradas documentação oficial de Produtos e Tecnologias.

Fiquem a vontade para compartilhar este conteúdo com sua rede de contatos, repassando conhecimento e fortalecendo cada vez mais o papel de Comunidade.

Segue abaixo a relação de arquivos:

Como clientes do BPOS podem se preparar para o Microsoft Office 365

Explorando as possibilidades de desenvolvimento no Office 365

Microsoft Exchange Online no Microsoft Office 365 Migração ao vivo!

Microsoft Exchange Server e Microsoft Office 365 Como realizar uma implantação hibrida

Microsoft Office 365 Visão Geral de implantação Office 365 O Futuro da Produtividade

Acesso a base de dados (local DB) no WP 7

Ciclo de Vida e Performance de Aplicações no WP7

Desenvolvendo Games para Windows Phone 7 com XNA e Visual

Entendendo a plataforma de desenvolvimento do Windows Phone 7

Multi-tasking en Windows Phone 7 MVVM avançado para o Windows Phone 7

Push Notifications, Tiles, camera e sensores no WP7

XAML Avançado para Windows Phone 7 WPH305

Além do Remote Desktop Services

Como montar um ambiente de alta disponibilidade com o Hyper-V

Compare as Tecnologias de Memória no VMware e Microsoft

Conheça o System Center Virtual Machine Manager 2012

Gerenciando ambientes com Vmware através do System Center Virtual Machine Manager 2012

Melhores Práticas para Implementação de “Private Cloud”

Melhores Práticas para Virtualização de Exchange 2010 VIR310

Prepare-se para o futuro da Virtualização Microsoft

Private Cloud + Public Cloud

Private Cloud na Prática

Virtualização de Aplicações com o  App-V 4.6 SP1

AppCompat sem alteração de código fonte

Gerenciando e protegendo estações de trabalho com Windows Intune

Implantação e gerenciamento do BitLocker com o MBAM

Migração e Compatibilidade de aplicações para IE9 e IE10

Consolidação de Serviços de Armazenamento com Windows Server 2008 R2 e SMB2

Gerenciando Recursos com o Windows System Resource Manager do Windows 2008 R2

Migrando Apps para IIS 7.5

O Futuro da Plataforma de Infraestrutura da Microsoft

Plataforma Windows Server para pequenas e medias empresas

Virtualização e Cenários de Cloud A tecnologia servindo aos objetivos dos clientes

Windows Server 8 Cloud Optimized

 

Mais uma vez obrigado por sua visita, espero que este conteúdo possa ser útil e ajude em suas atividades diárias.

Até amis.

Material de Apoio – Dezembro – 2012


Pessoal, boa tarde.

Antes de começar a falar mais sobre este Post, vou abrir espaço para dizer sobre uma das minhas maiores paixões, quero falar do meu Sport Club Corinthians Paulista.

Obrigado Corinthians por poder viver este momento e dizer o quanto estou Feliz. Orgulhoso de ver o quanto vale a pena torcer por este time.

Vai Corinthians, obrigado Tite, Jogadores, Comissão e Fiel Torcida que deu um Show no Japão.

 

Bem vou falar um pouco sobre o Material de Apoio de hoje, nesta relação você vão encontrar exemplos de código e códigos de scritp sobre:

  • Criação de Querys Dinâmicas;
  • Dependência entre Tabelas;
  • Extended Stored Procedures – XP_FileExist;
  • Geração de Datas mensais;
  • Numeração Sequencial sem Identity;
  • Movementação de Bancos de Dados de Sistema;
  • Recuperação de Banco de Dados;
  • Reindexação de índices;
  • SP_Configure com AdHoc;
  • SP_Who3;
  • SQL Mail; e
  • Verificação de índices.

Como de costume todos os arquivos estão renomeados com a extensão .DOC, por questão de compatibilidade com a plataforma WordPress.com, ao realizar o download dos arquivos basta remover a extensão mantendo ao final do nome do arquivo a extensão .SQL.

Segue abaixo a relação de arquivos:

Exemplo – Criando Query Dinâmicas + SP_ExecuteSQL.sql

Exemplo – Criando Sequencial Numérica – Sem Identity.sql

Exemplo – Extended Stored Procedure – XP_FileExist.sql

Exemplo – Função – Gerar todas as datas do mês.sql

Exemplo – Identificando – Dependências entre Tables – Sys.foreign_keys.sql

Exemplo – Movendo – Banco de Dados – TEMPDB.sql

Exemplo – Recuperando Um Banco de Dados – Status – Emergency.sql

Exemplo – Reindexar Todas as Tables do Banco.sql

Exemplo – SP_Configure + Ad Hoc Query.sql

Exemplo – Stored Procedure – SP_Who3.sql

Exemplo – Stored Procedure – Verificando Índices acima de 80 porcento.sql

Exemplo – Trabalhando – SQL Server 2005 – SQL Mail.sql

 

Fique a vontade para compartilhar este conteúdo com seus contatos, espero que os mesmos possam ajudar em suas atividades profissionais e acadêmicas.

Mais uma vez obrigado por sua visita.

Nos encontramos em breve.

Vai Corinthians, o Verdadeiro Campeão Mundial de Futebol.

Dica – Obtendo Histórico de Execução de Backups de Bancos de Dados no Microsoft SQL Server 2008, R2 ou 2012.


Salve comunidade, bom dia.

Tudo bem? Como vocês estão?

Estou de volta no final deste mês de Julho, com mais uma dica que pode ajudar em muito a vida do Administrador de Banco de Dados, estou falando de como obter o Histórico de Backup de Banco de Dados criado pelo Microsoft SQL Server.

Um das atividades mais importantes para o Administrador de Banco de Dados ou Profisisonal que trabalha com Banco de Dados esta relacionada com a forma de garantir que os dados estão sendo armazenados de forma correta, mas também, como estes dados pode ser guardados ao longo do tempo e caso seja necessário como podemos recuperar estes dados.

A dica de hoje tem como objetivo demonstrar como podemos através da Linguagem Transact – SQL obter informações sobre o Histórico de Realização de Backups de Bancos de Dados ao longo do tempo no SQL Server.

Como toda e qualquer empresa o volume de dados cresce diariamente de forma assustada, sua importância é vital para garantir a continuidade dos negócios, e em caso de alguma falha e necessidade o processo de recuperação destes dados é ainda mais importante.

Mas como podemos saber se o nosso processo de backup esta sendo realizado?

Para responder esta pergunta o Microsoft SQL Server oferece além da ferramenta gráfica para exibição do Histórico, algumas Tabelas de Sistema que nos ajudam a implementar via Linguagem Transact – SQL, scripts que podem retornar este conjunto de informações. Neste caso, estou me referindo as Tabelas de Sistema BackupMediaFamily e BackupSet localizadas no Banco de Dados de Sistema MSDB. A seguir apresento um breve descrição de cada tabela:

  • backupmediafamily: Contém uma linha para cada família de backup.
  • backupset: Contém uma linha para cada conjunto de backup.

Com o uso destas duas tabelas de sistema, temos a possibilidade de obter este histórico de informações, utilizando o seu conjunto de colunas que apresentam um leque muito grande de informações detalhadas, deste o Nome do Banco de Dados até o Nível de Compatibilidade, Modelo de Recuperação, entre outras informações.

A seguir apresento o conjunto de colunas existentes na Tabela de Sistema BackupSet:

Nome da coluna Tipo de dados Descrição
backup_set_id int Número de identificação exclusivo de conjunto de backup que o identifica. Identidade, chave primária.
backup_set_uuid uniqueidentifier Número de identificação exclusivo de conjunto de backup que o identifica.
media_set_id int Número de identificação exclusivo de conjunto de mídia que identifica o conjunto de mídia contendo o conjunto de backup. Referencia backupmediaset(media_set_id).
first_family_number tinyint Número de família da mídia em que conjunto de backup é iniciado. Pode ser NULL.
first_media_number smallint Número de mídia da mídia em que conjunto de backup é iniciado. Pode ser NULL.
last_family_number tinyint Número de família da mídia em que conjunto de backup é encerrado. Pode ser NULL.
last_media_number smallint Número de mídia da mídia em que conjunto de backup é encerrado. Pode ser NULL.
catalog_family_ number tinyint Número de família da mídia que contém o início do diretório de conjunto de backup. Pode ser NULL.
catalog_media_number smallint Número de mídia da mídia que contém o início do diretório de conjunto de backup. Pode ser NULL.
position int Posição de backup usada na operação de restauração para localizar o conjunto de backup e arquivos apropriados. Pode ser NULL. Para obter mais informações, consulte FILE em BACKUP (Transact-SQL).
expiration_date datetime Data e hora de vencimento do conjunto de backup. Pode ser NULL.
software_vendor_id int Número de identificação do fornecedor de software que escreve o cabeçalho de mídia de backup. Pode ser NULL.
name nvarchar(128) Nome do conjunto de backup. Pode ser NULL.
description nvarchar(255) Descrição do conjunto de backup. Pode ser NULL.
user_name nvarchar(128) Nome do usuário que realizou a operação de backup. Pode ser NULL.
software_major_version tinyint Número de versão principal do Microsoft SQL Server. Pode ser NULL.
software_minor_ version tinyint Número de versão secundário do SQL Server. Pode ser NULL.
software_build_version smallint Número de compilação do SQL Server. Pode ser NULL.
time_zone smallint Diferença entre a hora local (onde a operação de backup está acontecendo) e o UTC (Tempo Universal Coordenado) em intervalos de 15 minutos. Os valores podem ser de -48 a +48, inclusive. Um valor de 127 indica que é desconhecido. Por exemplo, -20 é Hora Padrão do Leste dos EUA ou cinco horas após o UTC. Pode ser NULL.
mtf_minor_version tinyint Microsoft Número de versão secundário de formato de fita. Pode ser NULL.
first_lsn numeric(25,0) Número de seqüência de log do primeiro ou mais antigo registro de log no conjunto de backup. Pode ser NULL.
last_lsn numeric(25,0) Número de seqüência do primeiro registro de log feito após o conjunto de backup. Pode ser NULL.
checkpoint_lsn numeric(25,0) Número de seqüência de log do registro de log em que a operação de refazer deve ser iniciada. Pode ser NULL.
database_backup_lsn numeric(25,0) Número de seqüência de log do backup de banco de dados completo mais recente. Pode ser NULL.

database_backup_lsn é o “início do ponto de verificação” disparado quando o backup é iniciado. Esse LSN coincidirá com first_lsn se o backup for usado quando o banco de dados estiver ocioso e nenhuma replicação for configurada.

database_creation_date datetime Data e hora em que o banco de dados foi originalmente criado. Pode ser NULL.
backup_start_date datetime Data e hora em que a operação de backup foi iniciada. Pode ser NULL.
backup_finish_date datetime Data e hora em que a operação de backup foi concluída. Pode ser NULL.
type char(1) Tipo de backup. Pode ser:

D = Banco de dados

I = Banco de dados diferencial

L = Log

G = Arquivo ou grupo de arquivos

G = Arquivo diferencial

P = Parcial

Q = Parcial diferencial

Pode ser NULL.

sort_order smallint Ordem de classificação do servidor que está executando a operação de backup. Pode ser NULL. Para obter mais informações sobre ordens de classificação e agrupamentos, consulte Trabalhando com agrupamentos.
code_page smallint Página de código do servidor que está executando a operação de backup. Pode ser NULL. Para obter mais informações sobre códigos de página, consulte Trabalhando com agrupamentos.
compatibility_level tinyint Configuração de nível de compatibilidade para o banco de dados. Pode ser:

80 = SQL Server 2000

90 = SQL Server 2005

100 = SQL Server 2008

Pode ser NULL.

Para obter mais informações sobre níveis de compatibilidade, consulte sp_dbcmptlevel (Transact-SQL).

database_version int Número de versão de banco de dados. Pode ser NULL.
backup_size numeric(20,0) Tamanho do conjunto de backup, em bytes. Pode ser NULL.
database_name nvarchar(128) Nome do banco de dados envolvido na operação de backup. Pode ser NULL.
server_name nvarchar(128) Nome do servidor que está executando a operação de backup do SQL Server. Pode ser NULL.
machine_name nvarchar(128) Nome do computador que está executando o SQL Server. Pode ser NULL.
flags int No SQL Server, a coluna de sinalizadores foi preterida e substituída pelas seguintes colunas de bit:

  • has_bulk_logged_data
  • is_snapshot
  • is_readonly
  • is_single_user
  • has_backup_checksums
  • is_damaged
  • begins_log_chain
  • has_incomplete_metadata
  • is_force_offline
  • is_copy_only

Pode ser NULL.

Em conjuntos de backup de versões anteriores do SQL Server, os bits de sinalizador:

1 = Backup contém dados registrados minimamente.

2 = WITH SNAPSHOT foi usado.

4 = Banco de dados era somente leitura na hora do backup.

8 = Banco de dados estava no modo de usuário único na hora do backup.

unicode_locale int Localidade Unicode. Pode ser NULL.
unicode_compare_style int Estilo de comparação Unicode. Pode ser NULL.
collation_name nvarchar(128) Nome do agrupamento. Pode ser NULL.
Is_password_protected bit É o conjunto de backup

protegido por senha:

0 = Não protegido

1 = Protegido

recovery_model nvarchar(60) Modelo de recuperação do banco de dados:

FULL

BULK-LOGGED

SIMPLE

has_bulk_logged_data bit 1 = Backup contém dados bulk-logged.
is_snapshot bit 1 = Backup usado com a opção SNAPSHOT.
is_readonly bit 1 = Banco de dados era somente leitura na hora do backup.
is_single_user bit 1 = Banco de dados era de usuário único na hora do backup.
has_backup_checksums bit 1 = Backup contém somas de verificação de backup.
is_damaged bit 1 = Dano no banco de dados foi detectado quando esse backup foi criado. A operação de backup foi solicitada a continuar apesar dos erros.
begins_log_chain bit 1 = Este é o primeiro em uma cadeia contínua de backups de log. Uma cadeia de logs é iniciada com o primeiro backup de log usado depois que o banco de dados é criado ou quando é alternado do modelo de recuperação simples para o completo ou bulk-logged.
has_incomplete_metadata bit 1 = Um backup da parte final do log com metadados incompletos. Para obter mais informações, consulte Backups da parte final do log.
is_force_offline bit 1 = Banco de dados usado offline que usou a opção NORECOVERY quando o backup foi feito.
is_copy_only bit 1 = Um backup somente cópia. Para obter mais informações, consulte Backups somente cópia.
first_recovery_fork_guid uniqueidentifier ID da bifurcação de recuperação inicial. Corresponde a FirstRecoveryForkID de RESTORE HEADERONLY.

Para backups de dados, first_recovery_fork_guid é igual a last_recovery_fork_guid.

last_recovery_fork_guid uniqueidentifier ID da bifurcação de recuperação final. Corresponde a RecoveryForkID de RESTORE HEADERONLY.

Para backups de dados, first_recovery_fork_guid é igual a last_recovery_fork_guid.

fork_point_lsn numeric(25,0) Se first_recovery_fork_guid não for igual a recovery_fork_guid, esse será o número de seqüência de log do ponto de bifurcação. Caso contrário, o valor será NULL.
database_guid uniqueidentifier ID exclusiva para o banco de dados. Corresponde a BindingID de RESTORE HEADERONLY. Quando o banco de dados é restaurado, um valor novo é atribuído.
family_guid uniqueidentifier ID exclusiva do banco de dados original na criação. Este valor permanece o mesmo quando o banco de dados é restaurado, mesmo para um nome diferente.
differential_base_lsn numeric(25,0) LSN base para backups diferenciais. Para um backup diferencial de base única, as alterações em LSNs maiores que ou iguais a differential_base_lsn são incluídas no backup diferencial.

Para um diferencial com várias bases, o valor é NULL e o LSN base deve ser determinado em nível de arquivo (consulte backupfile (Transact-SQL)).

Para tipos de backup não diferencial, o valor é sempre NULL.

differential_base_guid uniqueidentifier Para um backup diferencial de base única, o valor é o identificador exclusivo da base diferencial.

Para diferenciais com várias bases, o valor é NULL, e a base diferencial deve ser determinada em nível de arquivo.

Para tipos de backup não diferencial, o valor é NULL.

compressed_backup_size Numeric(20,0) Contagem de bytes total armazenada em disco.

Para calcular a taxa de compressão, use compressed_backup_size e backup_size.

Durante uma atualização de msdb, esse valor é definido como NULL, que indica um backup não compactado.

A seguir apresento o conjunto de colunas existentes na Tabela de Sistema BackupMediaFamily:

Nome da coluna

Tipo de dados

Descrição

media_set_id   int Número   de identificação exclusivo que identifica o conjunto de mídias do qual esta   família é um membro. Faz referência a backupmediaset(media_set_id)
family_sequence_number   tinyint Posição desta família de mídias   no conjunto de mídias.
media_family_id   uniqueidentifier Número   de identificação exclusivo que identifica a família de mídias. Pode ser NULL.
media_count   int Número de mídias na família.   Pode ser NULL.
logical_device_name   nvarchar(128) Nome   deste dispositivo de backup em sys.backup_devices.name. Se este   dispositivo de backup for temporário (em oposição a um dispositivo de backup permanente   que existe em sys.backup_devices), o valor de logical_device_name   será NULL.
physical_device_name   nvarchar(260) Nome físico do dispositivo de   backup. Pode ser NULL.
device_type   tinyint Tipo   de dispositivo de backup:

Disco:

2 =   Temporário.

102   = Permanente.

Fita:

5 =   Temporário.

105   = Permanente.

Pode   ser NULL.

Todos   os nomes de dispositivos permanentes e números de dispositivo podem ser   encontrado em sys.backup_devices.

physical_block_size   int Tamanho do bloco físico usado   para gravar a família de mídias. Pode ser NULL.
mirror   tinyint Número   de espelhos (0-3).

Bem agora que já conhecemos um pouco sobre cada Tabela de Sistema, seu conjunto de colunas e qual a finalidade de cada uma delas, vamos agora conhecer o código utilizado para obter o histórico de backup. Vou chamar este código de Código 1 – Histórico de Backups – Banco de Dados, apresentado abaixo:

— Código – Histórico de Backup – Banco de Dados —

SELECT

SERVERPROPERTY(‘Servername’) AS ‘Servidor’,

msdb.dbo.backupset.database_name As ‘Database’,

CASE msdb..backupset.type

WHEN ‘D’ THEN ‘Database’

WHEN ‘L’ THEN ‘Log’

WHEN ‘I’ THEN ‘Diferencial’

WHEN ‘F’ THEN ‘File ou Filegroup’

WHEN ‘G’ THEN ‘Diferencial Arquivo’

WHEN ‘P’ THEN ‘Parcial’

WHEN ‘Q’ THEN ‘Diferencial Parcial’

END AS ‘Tipo do Backup’,

msdb.dbo.backupset.backup_start_date As ‘Data Execuo’,

msdb.dbo.backupset.backup_finish_date As ‘Data Encerramento’,

msdb.dbo.backupset.expiration_date As ‘Data de Expirao’,

(msdb.dbo.backupset.backup_size / 1024) As ‘Tamanho do  Backup em MBs’,

msdb.dbo.backupmediafamily.logical_device_name As ‘Dispositivo ou Local de Backup’,

msdb.dbo.backupmediafamily.physical_device_name As ‘Caminho do Arquivo’,

msdb.dbo.backupset.description As ‘Descrio’,

Case msdb.dbo.backupset.compatibility_level

When 80 Then ‘SQL Server 2000’

When 90 Then ‘SQL Server 2005’

When 100 Then ‘SQL Server 2008 ou SQL Server 2008 R2’

When 110 Then ‘SQL Server 2012’

End As ‘Nvel de Compatibilidade’,

msdb.dbo.backupset.name AS ‘Backup Set’

FROM

msdb.dbo.backupmediafamily INNER JOIN msdb.dbo.backupset

ON msdb.dbo.backupmediafamily.media_set_id = msdb.dbo.backupset.media_set_id

WHERE

(CONVERT(datetime, msdb.dbo.backupset.backup_start_date, 103) >= GETDATE() 15)

ORDER

BY msdb.dbo.backupset.database_name, msdb.dbo.backupset.backup_finish_date desc

Abaixo apresento a Figura 1 que ilustra o retorno das informações referente aos Históricos de Execução de Backup:

Figura 1 – Histórico de Execução de Backups de Bancos de Dados no Microsoft SQL Server.

Você pode observar que na claúsula Where temos a possibilidade de informar a quantidade de dias que você deseja que o SQL Server apresente o Histórico de Execução dos Backups, neste exemplo, estou solicitando o histórico com base nos últimos 15 dias.

Agora com o Código 1, fica um pouco mais fácil compreender como podemos encontrar estas informações. Fique a vontade para personalizar este código de acordo com a sua necessidade.

Vou encerrando mais esta dica. Acredito que consegui atingir o meu objetivo. Mais uma vez agradeço a sua visita, conto com a sua participação no meu blog.

Um grande abraço.

Até mais.

Material de Apoio – SQL Server – Junho – 2012


Galera,

Como de costume, estou retornando com a minha série de arquivos úteis que podem ajudar em suas atividades.

Na relação deste mês, vou compartilhar com todos vocês Códigos e Exemplos relacionados as seguintes assuntos:

  • Database Snapshot;
  • Estatísticas Distribuídas de Dados;
  • Estrutura de Pilhas;
  • Gerenciamento de Acesso a Schemas;
  • Gerenciamento de Acesso a Banco de Dados, Tables e Instâncias;
  • Leitura e Escrita de Índices; e
  • Transações e Linked Server.

A seguir apresento a relação de arquivos, vale ressaltar que todos os arquivos estão renomeados com aextensão .doc, por questões de compatibilidade do WordPress, basta após o Download remover a extensão, mantendo a extensão padrão.sql.

Relação de Arquivos:

Exemplo – Estatísticas – Leitura e Escrita – Índices.sql

Exemplo – Gerenciando Acesso em Colunas.sql

Exemplo – Gerenciando Acesso a Objetos Programados.sql

Exemplo – Gerenciando – Acesso para Banco de Dados.sql

Exemplo – Gerenciando – Acesso em Schemas.sql

Exemplo – Executando – Transaçoes em Linked Server.sql

Exemplo – Excluindo Database Snapshot.sql

Exemplo – Examinando Estrutura de Pilhas.sql

Exemplo – Estatísticas Distribuída de Dados.sql

Exemplo – Gerenciando – Acesso para Tables.sql

Fique a vontade para compartilhar este material, distribua para seus contatos, colegas, amigos, entre outros.

Nos encontramos em breve.

Até mais.

Arquivo do Megaupload pode ser apagado nesta semana


 

São Paulo – Todo o banco de dados do site Megaupload pode ser apagado ainda esta semana por falta de pagamento dos serviços de hospedagem. Desde que os bens da empresa foram congelados no último dia 20, os honorários não são repassados às empresas terceirizadas. O período de contrato vence na próxima quinta-feira (02).

Apesar de receber os arquivos dos usuários, o Megaupload não os hospedava em servidores próprios. As empresas Carpathia Hosting Inc. e Cogent Communications Group, do Estado de Virginia, nos Estados Unidos, eram as responsáveis.

Procuradores da Justiça do Estado, por meio de uma carta, autorizaram as empresas a excluir os arquivos a partir da próxima quinta-feira.

Ao blog Mashable, o advogado do Megaupload, Ira Rothken, afirmou que todos os esforços estão sendo feitos para evitar que os arquivos sejam deletados. Caso os arquivos sejam apagados, a medida pode afetar 50 milhões de usuários do serviço.

Na semana passada, a justiça neozelandesa concedeu liberdade condicional a dois executivos ligados ao Megaupload. Por outro lado, Kim Dotcom teve seu pedido negado. O juiz considerou que ele oferecia risco de fuga por ser milionário e possuir mais de um passaporte.

Fontes e Direitos Autorais: Vinicius Aguiari, de INFO Online • Segunda-feira, 30 de janeiro de 2012 – 11h40.

A dura vida do gerente de TI de uma PME


A Internet cai inesperadamente ou fica oscilando, alguns funcionários reclamam que não conseguem acessar arquivos do servidor, outros perguntam por que o sistema está lento e também há dúvidas sobre senhas de acesso aos e-mails…Tudo ao mesmo tempo e todos, obviamente, querem a solução imediata para seus problemas, para poderem dar prosseguimento às atividades do dia-a-dia de trabalho.

A cena descrita é, com toda certeza, bastante familiar para qualquer um que já tenha trabalhado em uma companhia do segmento PME (pequena e média empresa). A necessidade de informatização é tão intensa que qualquer incidente envolvendo a banda larga, os sistemas corporativos ou a comunicação telefônica traz a sensação de que o trabalho e a produtividade da empresa serão instantaneamente prejudicados. E, de fato, essa sensação se justifica, pois imagine ficar sem Internet ou sem acesso aos dados e informações da companhia, não poder mandar e receber e-mails ou perder a comunicação entre matriz e filial, por exemplo? A empresa, literalmente, para, certo? E o que significa financeiramente para uma PME ter que interromper suas operações?

No meio de toda essa confusão, e incumbido de resolver todas as questões de informática para que os funcionários possam trabalhar normalmente, está o gerente de TI (Tecnologia da Informação). Geralmente, em uma PME ele é o único responsável pelo help desk, PABX, data center, servidores, telefonia celular etc… Enfim, se você, colaborador de uma pequena ou média empresa, está com algum problema técnico, chame o gerente de TI. A missão dele é garantir a continuidade do serviço!

Não é difícil entender por que a rotina desse profissional é tão desgastante e, muitas vezes, ingrata, mas isso pode ser minimizado se o gerente de TI contar com uma rede de fornecedores adequados às suas necessidades. Digo isso porque sabemos que as PMEs acabam ficando reféns dos 0800 das grandes prestadoras de serviço sempre que existe uma solicitação.

Nas ligações para o 0800, elas dividem a atenção com centenas ou milhares de outras empresas na mesma situação e urgência e, com sorte, se depois de muita paciência o problema não puder ser resolvido por telefone, aí então o suporte técnico é enviado! Isso é bastante comum no procedimento das grandes operadoras de telecomunicações, por exemplo. Por que então não optar por prestadores especializados em PMEs e que tenham como diferencial de atendimento um relacionamento mais estreito com o cliente? A PME e seu gerente de TI não podem depender de quem os trata como apenas mais um cliente entre tantos e tantos outros.

E isso não acontece só com a banda larga. Clientes pequenos podem enfrentar a mesma dinâmica em grandes data centers. Neste caso uma boa opção são os serviços de colocation fracionado ou mesmo Cloud Computing.

Colocation e Cloud são, inclusive, uma proteção contra quedas de energia, uma vez que PMEs normalmente não contam com geradores, sistemas anti-incêndio, segurança física etc. Em situações de mudança de endereço – algo bastante comum na realidade das PMEs – a vida do gerente de TI também é facilitada com serviços de Colocation ou Cloud, pois desligar os servidores, transportá-los e religá-los no novo endereço para que todos estejam prontinhos no dia seguinte costuma ser uma grande dor de cabeça. Com Colocation e Cloud, as empresas não precisam se preocupar em ter infraestrutura internamente, economizando também com custos de manutenção e equipes de prontidão para atender os equipamentos em caso de necessidade.

Novamente, assim como foi dito em relação ao serviço de banda larga, o importante é escolher prestadores que conheçam a realidade das PMEs e saibam atendê-las na velocidade e com a eficiência de que elas necessitam. Como será o relacionamento com esse fornecedor no caso de qualquer eventualidade? Há um executivo de contas dedicado a atender aquela PME ou o único canal de comunicação é via call center impessoal? Esse prestador é de fato um parceiro ou só mais um fator de estresse no dia-a-dia do gerente de TI?

Responder e analisar essas questões pode ser um passo importante no sentido de facilitar a vida desse profissional e de todos que precisam dele em uma pequena ou média empresa, cada vez mais cobrada por dinamismo, eficiência operacional e redução de custos. Em resumo, gerente de TI, se você não enxergar seus fornecedores de fato como parceiros, sua vida vai continuar sendo difícil…

*Eduardo Araki é Diretor Comercial da Neovia, prestadora de serviços de telecomunicações pioneira na oferta comercial da tecnologia WiMAX no Brasil.

Fontes e Direitos Autorais: Olhar Digital –  08 de Dezembro de 2011 | 09:35h.

Script – Material de Apoio – SQL Server


Boa tarde comunidade,

Peço desculpas pela minha ausência e falta de novidades no meu blog, mas estou sem muito inspiração para produzir novas dicas e artigos, sendo assim, como de costume vou disponibilizar mais alguns scripts que podem ajudar de alguma forma em suas atividades.

Na relação de hoje, vocês poderam encontrar exemplos e códigos sobre:

  • Utilizando o Active Directory em conjunto com Linked Server;
  • Stored Procedure – SP_HelpSRVRole – SP_HelpSRVRoleMember – SP_SRVRolePermission;
  • Criptografia e Descriptografia com algorítmo Hash;
  • Grouping Sets;
  • Fill Factor e Páginação de Dados;
  • Array, entre outros.

Mais uma vez vale destacar que todos os arquivos estão renomeados com a extensão .doc no final de cada arquivo, basta simplesmente remover esta extensão para utilizá-los em seu SQL Server.

Fique a vontade para realizar os downloads e disponibilizar este material entre seus contatos, segue abaixo a relação de arquivos:

Criptografia – Algoritmo – Hash – Segurança.sql

Exemplo – Criando – Array.sql

Exemplo – Alocação de Página de Dados – FillFactor e Fragmentação.sql

Exemplo – Agrupamento de Dados – Grouping Sets.sql

Exemplo – Acessando – Active Directory + Linked Server.sql

Exemplo – [SP_HelpSRVRole – SP_HelpSRVRoleMember – SP_SRVRolePermission].sql

Encriptar.sql

Diversas formas de utilizar valores Null.sql

Descriptografando dados – DecryptByPassPharse.sql

Desativando – Arquivo .trc no SQL Server 2005.sql

Derrubando as conexões ativas em um banco de dados específico.sql

Criptografia – Algoritmo – Hash – Segurança.sql

Agradeço mais uma vez sua visita, nos encontramos em breve.

Até mais.

Material de Apoio – SQL Server 2008 R2


Olá pessoal,

Estou de volta, com mais uma série de arquivos e muita informação sobre o SQL Server 2008 R2, nesta nova série, vou compartilhar com vocês alguns arquivos correspondentes a apresentações realizadas no TechEd Brasil 2010. Espero que gostem deste conteúdo.

Mais uma vez, compartilhe com seus colegas, o conhecimento deve ser dividido entre todos para que possa crescer e assim aprendermos mais ainda.

Segue abaixo a relação de arquivos:

Tecnologias para Data warehouse – SQL Server Enterprise, Fast Track e PDW

Sincronizando dados com a nuvem através do SQL Azure Data Sync e Sync Framework 2.0

Seu guia de alta disponibilidade para SQL Server 2008 R2

Microsoft SQL Server 2008 R2 StreamInsight -Tratando dados em tempo real

Distribuição e gerenciamento de aplicações data-tier dentro do SQL Server 2008 R2

Boas práticas para upgrade do Microsoft SQL Server 2000 – 2005 – 2008 – 2008 R2

Auditoria de um ambiente SQL Server 2008 R2

Mais uma vez obrigado por sua visita.

Nos encontramos em breve.

Até mais.

Material de Apoio – Windows Server 2008 R2


Pessoal, bom dia.

Olha eu aqui outra vez, com uma nova série de arquivos para compartilhar com vocês. Desta vez, vou disponibilizar, alguns arquivos sobre Windows Server 2008 R2, tenho certeza que vocês poderam encontrar informações atuais e valiosas.

Fiquem a vontade para compartilhar com seus contatos, segue abaixo a relação de arquivos:

Windows Server 2008 R2 BDM – Visão Geral

Windows Server 2008 R2 – Visão Geral

Windows Server 2008 R2 – Versões e Novas Funcionalidades

Migração do Windows 2000 Server para o Windows Server 2008 R2

Implantação e Migração do Windows Server 2008 R2

Agradeço mais uma vez a sua visita.

Até mais.